WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘baião’

UNIVERSO PARALELO

“JUDIAR” JÁ TEVE DIAS DE INTRANSITIVO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

01AurélioO verbo “judiar”, que o leitor Jorge sugeriu para ser analisado, tem significado discutido. Aceito o mais corriqueiro, encontrado no Aurélio, que remete a um povo: “tratar como antigamente eram tratados os judeus”: massacrar, atanazar, magoar, atormentar, amargurar, angustiar, infernizar, aperrear, flagelar, mortificar, torturar, importunar – para ficarmos apenas em uma dúzia de sinônimos. Admira-me que a definição no Priberam sequer mencione aquele povo. Recuando a tempos pré-Aurélio, encontra-se que “judiar”, então verbo intransitivo, significava “maltratar judeus”.

________________

Palavra que sugere ofensa a um povo

Hoje, possui sentido gramaticalmente mais amplo, tendo virado transitivo indireto (“judiar de”). Setores mais preconceituosos empregam este verbo com o sentido de “agir como judeu”, pejorativamente, é claro. “Judiar” (tanto quanto seus derivados) é palavra evitada em alguns meios, pelo seu potencial de ofensa aos judeus, havendo até campanhas para que ela seja banida da língua portuguesa. Para o rabino Henry Sobel, o termo não tem carga pejorativa e precisa ser mantido para que nos lembremos dos preconceitos que o religioso diz “do passado” (mas eu tenho dúvidas).

 ________________

03JudiaçãoNordeste: “por que tamanha judiação?”

A ideia dele é de que essa lembrança nos livre do cruel preconceito que descambou no holocausto da Segunda Guerra. “Não fomos nós que maltratamos. Nós, os judeus, fomos maltratados”, diz Sobel. Discussões à parte, o termo, desvestido de preconceito, foi lembrado por Humberto Teixeira (Asa Branca): “Quando olhei a terra ardendo/ qual fogueira de São João/ eu perguntei a Deus do céu, ai/ por que tamanha judiação” e Lupicínio Rodrigues (“Mas acontece que eu não esqueci/ a sua covardia,/ a sua ingratidão/ a judiaria/ que você um dia fez/ pro coitadinho do meu coração”, enquanto Zeca Pagodinho, numa boa, canta “Judia de mim, judia…”

COMENTE! »

ENTRE PARÊNTESES, OU


A intimidade que os manuais condenam
A TV Globo, que ultimamente tem a programação quase circunscrita à visita do Papa e ao nascimento de mais um herdeiro do trono inglês, tem tratado o líder da Igreja Romana com excessiva intimidade – nada recomendável nos manuais de redação: é Francisco pra lá, Francisco pra cá, como se falassem de algum jogador de futebol, cantor de pagode ou figura popular do tipo. Autoridade, qualquer foca sabe, precisa ter o cargo anteposto ao nome. Do jeito que a coisa vai, se o papa Francisco ficar muito tempo no Brasil os repórteres logo passarão a chamá-lo de… Chiquinho.

E O CACAU BAIANO QUASE CHEGOU À CHINA

05ChinaLá pelos anos 60, a China era um lugar longínquo e misterioso, a que os mais bestas um pouquinho chamavam “Cortina de Bambu” (em oposição à “Cortina de Ferro”). Pois o Conselho Consultivo dos Produtores de Cacau (CCPC), de Itabuna, decidiu lançar nosso principal produto agrícola naquele imenso mercado e para lá queria mandar um “embaixador”, mas não encontrava ninguém com coragem suficiente para tal empreitada. Foi quando se apresentou como candidato ao “sacrifício” um de seus dirigentes, Adélcio Benício dos Santos, o Dr. Adélcio – líder político de extrema direita, rico, advogado, pícnico, nervoso, ternos bem cortados, sapatos de cromo alemão e grande amor pelas viagens.
________________

De que forma se narra o inenarrável?

Dr. Adélcio não apenas foi à China, como voltou inteiro e mais lépido e fagueiro do que antes. Devido a esse ato de destemor-quase-heroísmo (pago pelos produtores, obviamente), ele se fez habitué dos voos para a terra do velho Mao, na tentativa de levar os chinas a consumir chocolate produzido com cacau sul-baiano. Se vendemos alguma amêndoa nessa aventura, desconheço. Mas conheço uma entrevista de rádio (“meninos, eu ouvi!”), quando Dr. Adélcio voltou da primeira viagem. O repórter (teria sido o bom Waldeny Andrade?): “Dr. Adélcio, que tal a experiência de conhecer a China?” O entrevistado, dado ao falar empolado: “Inenarrável”. Desce o pano.

COMENTE! »

A FEIRA DE GARANHUNS PARA O MUNDO

7DominguinhosCai o pano também sobre um dos mais representativos artistas do Nordeste, o sanfoneiro, cantor, compositor e arranjador Dominguinhos (nascido José Domingos de Morais, em Garanhuns/PE). Dominguinhos era bem mais do que um “forrozeiro”, conforme setores mais preconceituosos costumam identificar os músicos regionais nordestinos: tocava xote, maracatu e baião, é claro, mas também bossa-nova, jazz e o que mais viesse. Filho espiritual de Luiz Gonzaga, foi aprendiz, seguidor e quem esteve mais próximo de ocupar o lugar sagrado do Rei do Baião. Talento reconhecido nacionalmente, Dominguinhos veio de família de agricultores pobres e cantou nas feiras, como forma de sobreviver.
_______________

Tudo começou com uma “pé de bode”

Quando Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira criaram Asa branca, em 1947, Dominguinhos estava com seis anos – e já tinha uma sanfona “pé de bode” que ganhara de presente. A dupla não sabia que estava criando o hino do sertão, o canto de uma raça, grito contra a seca, a miséria, a dor, a tristeza, o sofrimento. Ao gravar Asa branca, colegas de Luiz Gonzaga correram o pires no estúdio, dizendo que aquilo era musica de cego, para pedir esmola (pobres almas!). Dominguinhos, por sua vez, não imaginava a que altura seria levado por aqueles acordes ainda tatibitates, cruzando, anos depois, com o mais famoso sanfoneiro do Brasil. No vídeo, um pouco dos quatro: Dominguinhos, Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira e Asa branca. Os artistas se vão, a (boa) obra permanece.

(O.C.)

DE VOLTA, FORRÓ DO KAROÁ LANÇA “XOTE DO BOM” NESTE SÁBADO

Forró do Karoá lança Xote do Bom, amanhã, na House Music, em Itabuna (Foto Divulgação).

Forró do Karoá lança Xote do Bom, amanhã, 6, na House Music (Foto Divulgação).

No início dos anos 2000, o Forró do Karoá estourou regionalmente com uma mistura autêntica de xote e baião. Refrões como “Vem amor/ vem comigo/ vem dançar// vem amor/ é o Forró do Karoá” arrebanhavam público (cativo) no sul da Bahia. Após uma parada de sete anos, a banda retornou em 2012 com a mesma pegada. Amanhã, Vidal, Paulinho e Zelitinho celebram o retorno com o lançamento de um novo CD, Xote do bom, o terceiro da banda itabunense que difunde o autêntico som nordestino.

O show será neste sábado, 6, às 22 horas, na House Music Bar, na Avenida J.S.Pinheiro. Xote… é o nome da música que “puxa” o terceiro CD do trio do Forró do Karoá. Serão 12 canções, entre novas e regravações, como O livre-atirador e a pegadora, de Gilberto Gil.

COMPARTILHAMENTO GRATUITO DE CD

Todas as música de Xote do bom estão disponíveis para serem baixadas pela internet no Sendspace ou no site Palco MP3. “Este ano, decidimos não comercializar o CD, acreditando na força que as redes sociais têm para compartilhamento”, diz Vidal.

Vidal deixa claro o compromisso da banda em manter o nível de qualidade dos trabalhos. “Trabalhamos a sensualidade do forró, mas com a sutileza de quem faz arte e com a delicadeza própria da música de bom gosto”.

SERVIÇO
Quem: Forró do Karoá
Onde: House Music Bar
Quando: Sábado, 6, às 22h

SELO FAZ REFERÊNCIA AO CENTENÁRIO DE GONZAGÃO

O velho Lua, Rei do Baião, será festejado neste domingo, na tradicional Exposição Agropecuária de Entre Rios, onde ele tantas vezes se apresentou.

As homenagens a Luiz Gonzaga irão incluir a inauguração de um museu com o nome do artista, que se estivesse vivo teria completado cem anos nesta quinta-feira, 13.  A festa, no Parque Manoelito Argolo, começa às 9 horas com a Missa do Vaqueiro, seguida do lançamento nacional, pelos Correios, do Selo Comemorativo ao Centenário de Luiz Gonzaga.

Entre os que estarão presentes, destaque para Dominguinhos, discípulo e parceiro de Gonzagão. Durante a festa, a Assembleia Legislativa entregará ao sanfoneiro o título de Cidadão Baiano.

EM RESPEITO A GONZAGÃO

Empresário fala sobre a programação da Expofenita, que acontece de 16 a 23 de setembro

O Festival Nacional de Música Forrozeira é a aposta do empresário Josias Miguel para fazer a Expofenita 2012 “bombar”. Nesta quarta-feira, 4, no coquetel em que apresentou as novidades da exposição deste ano, Miguel deu ênfase ao festival, que concederá ao vencedor o prêmio de R$ 30 mil.

Exigências para disputar essa babinha: o artista ou banda não pode ter contrato com gravadora e o ritmo da música tem que ser xote, baião ou arrasta-pé. Ou seja, nada de forró eletrônico, forró-lambada, “forrocha” ou qualquer outra variação.

“Seria um sacrilégio permitir essas deturpações do forró justamente em 2012, quando comemoraríamos o centenário de Luiz Gonzaga, o rei do baião”, justifica-se Josias.

LUIZ RESPEITA GONZAGÃO

Argôlo em junho deste ano, no lançamento do Trem do Baião, outra homenagem a Luiz Gonzaga

Fã incondicional do mestre Luiz Gonzaga, rei do baião, de quem era afilhado, o deputado federal Luiz Argôlo (PP) vem lutando para que o velho Lua seja lembrado com a criação de um selo em sua homenagem e de uma série especial da moeda de R$ 1,00 com a figura do forrozeiro estampada. Os pedidos já foram encaminhados, respectivamente, à Empresa Brasileira dos Correios e ao Banco Central.

Se estivesse vivo, Gonzagão completaria 100 anos em 2012 e a data é alvo de uma série de homenagens que começaram oficialmente nesta segunda-feira, 12, na cidade de Exu, sertão de Pernambuco, terra natal do padrinho de Argôlo.

Presente ao evento pernambucano, o deputado afirmou que Gonzagão foi mais que um gênio musical. “(Ele) foi o responsável pelo reconhecimento social do lado pungente da cultura do Nordeste”.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia