WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias






:: ‘baronesas’

BARONESAS NO CENÁRIO

Cenário da bela Baía do Pontal foi modificado pelas baronesas.

Cenário da bela Baía do Pontal foi modificado pelas baronesas.

A chuva dos últimos dias na região sul modificou o cenário de uma das mais belas paisagens de Ilhéus, a Baía do Pontal. Toneladas de baronesas foram levadas para a baía com a cheia do Rio Cachoeira. A chuva deu uma paradinha, porém o grande volume de água tem carreado ainda mais material orgânico para Ilhéus. Já em Itabuna, um grande tapete verde se formou na Ponte do Marabá, como quase sempre ocorre a cada cheia do rio que corta a cidade e desemboca no município vizinho. A foto é de Luiz Fernandes Ferreira.

BARONESAS VOLTAM A SE ACUMULAR NO CACHOEIRA

Local onde a vegetação se acumula exala forte mau cheiro (foto Pimenta)

A pouca chuva que caiu em Itabuna nos últimos dias não ajudou a melhorar a situação nas estações de captação de água, mas foi suficiente para provocar novo acúmulo de baronesas no Rio Cachoeira.

A vegetação está represada na altura da barragem situada no centro da cidade. No local, o rio exala forte mau cheiro e forma a já conhecida espuma, que indica o alto teor de poluentes na água.

Por volta das 8 horas de hoje (19), um único funcionário da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano era visto puxando quantidades mínimas de baronesa para o sangradouro da barragem.

ACÚMULO DE BARONESAS GERA TRANSTORNOS E RISCO DE PROLIFERAÇÃO DO AEDES AEGYPTI

Grande volume de baronesa continua acumulado no trecho urbano do Rio Cachoeira (Foto Pimenta).

Grande volume de baronesa continua acumulado no trecho urbano do Rio Cachoeira (Foto Pimenta).

Baronesas continuam acumuladas na Ponte do Marabá, em Itabuna, quase um mês depois da forte chuva registrada no final de janeiro no sul da Bahia. A prefeitura retirou apenas parte da vegetação em janeiro e o que ficou vem causando mau cheiro e o acúmulo de insetos.

Outro problema foi o acúmulo de vasilhames que podem servir de criadouro para o mosquito transmissor de dengue, chikungunya e zika. E o risco está a não mais que 400 metros do chamado QG de Combate ao Aedes aegypti, unidade especializada no atendimento às vítimas das viroses transmitidas pelo mosquito.

Há mais de duas semanas, técnicos da prefeitura disseram que seria necessário o auxílio de máquinas de grande porte para concluir a retirada da baronesa. Até o início da semana, a tentativa de dispersar as baronesas era feita por dois homens em um barco, tentando arrastar a vegetação, liberando-as pelo próprio fluxo do rio.

Garrafas pet e objetos podem servir de criadouros do mosquito no leito do rio (Foto Pimenta).

Garrafas pet e objetos podem servir de criadouros do mosquito no leito do rio (Foto Pimenta).

ILHÉUS: BARONESAS INVADEM BAÍA DO PONTAL

Baía do Pontal foi invadida por baronesas neste final de semana.

Baía do Pontal foi invadida por baronesas neste final de semana.


Um dos principais cartões postais de Ilhéus, a Baía do Pontal foi invadida por baronesas (aguapés) desde a noite de ontem (23), levadas pelas águas dos rios Colônia (Itapé) e Cachoeira (Itabuna). Hoje, um grande “tapete” verde começava a se formar com o grande volume da vegetação na baía ilheense.

Com base em dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a coordenação da Defesa Civil em Itabuna informou ao Pimenta.blog ter chovido cerca de 140 milímetros, de quinta a sábado (23), nos municípios banhados por afluentes do Cachoeira, dentre eles o Colônia. Até o final da tarde de ontem, o nível do rio que banha Itabuna havia subido mais de quatro metros. A previsão é de mais chuva para as próximas horas.

CEPLAC AINDA NÃO APROVOU O ADUBO DE BARONESA

Composto orgânico produzido com as baronesas ainda está em fase de testes

O adubo feito com baronesas retiradas do Rio Cachoeira ainda não foi aprovado pela Comissão Técnica de Gestão Ambiental da Ceplac, ao contrário do que chegou a ser divulgado pela Prefeitura de Itabuna no meio da semana. Em nota oficial, o coordenador do CTGA, Demóstenes Lordello de Carvalho, elogia o projeto de despoluição do Rio Cachoeira, de iniciativa da Emasa, mas nega que o órgão tenha atestado a qualidade do adubo produzido com a vegetação aquática.

“A limpeza do Rio Cachoeira feita pela Emasa é um trabalho importante e necessário, mas a aprovação do adubo orgânico gerado por resíduos de baronesa está em análise pelo CTGA”, afirmou Carvalho. Ainda segundo ele, a utilização do adubo na agricultura ainda não é recomendada.

Carvalho concluiu a nota, declarando que a Ceplac desautoriza, até a análise final, “a utilização do nome da instituição em informações sobre o tema”.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia