WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘cacau cabruca’

PORTARIA DA CABRUCA BENEFICIARÁ 20 MIL PRODUTORES DE CACAU, AFIRMA JOÃO CARLOS OLIVEIRA

João Carlos: 20 mil cacauicultores beneficiados com Portaria da Cabruca

Publicada na edição de ontem (17) do Diário Oficial do Estado, a Portaria Conjunta 03/2019 da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) beneficiará cerca de 20 mil produtores de cacau, na avaliação do titular da Sema, João Carlos Oliveira.

– Nós vamos sair de uma média atual de 300, para uma expectativa de 700 pés de cacau por hectare, preservando a Mata Atlântica. Isso nos leva ao aumento da produção e da produtividade, viabilizando a cabruca como uma atividade positiva no contexto econômico, social, ambiental e cultural, beneficiando mais de 20 mil produtores de cacau – afirma o secretário de Meio Ambiente da Bahia.

A Portaria da Cabruca atende a uma reivindicação dos produtores e atualiza portaria de 2015 sobre a concessão de Autorização de Manejo da Cabruca (AMC). De acordo com o Estado, o documento “reflete ampla discussão com os atores interessados”. :: LEIA MAIS »

CACAU: PLANO ABC TERÁ ATÉ R$ 205 MILHÕES PARA CONSERVAÇÃO PRODUTIVA

Agricultores e técnicos em dia de campo em Barro Preto (Foto Divulgação).

Agricultores e técnicos em dia de campo em Barro Preto (Foto Divulgação).

O projeto de conservação produtiva desenvolvido pela Ceplac já conta com um braço financeiro. Apresentado a produtores rurais e técnicos, o Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) disponibilizará até R$ 205 milhões para culturas sustentáveis na Bahia, a exemplo do cacau, financiado pelo BNDES.

Para o superintendente da Ceplac na Bahia, Juvenal Maynart, tanto o cacau cabruca como o cultivado em sistema agroflorestal com seringa se encaixam nos requisitos do ABC. Isso, afirma, permite dizer que o projeto Conservação Produtiva “já conta com seu braço financeiro”.

Além de cacau, o programa financiará, no estado, ações de recuperação de pastagens degradadas, de plantio direto na palha (aproveitando palha da cultura anterior-grãos), tratamento de dejetos animais, incentivo a florestas plantadas e sistemas agroflorestais. Confira reportagem da TV Santa Cruz sobre o programa.

O CACAU NA PAUTA

Reunião na segunda, 20: Cacau volta à pauta nas esferas estadual e regional.

Reunião na segunda, 20: Cacau volta à pauta nas esferas estadual e regional.

De repente, o cacau voltou à pauta dos governos estadual e federal. Há duas semanas, o governo anunciou a inclusão do produto na Política de Garantia de Preço Mínimo (PGPM), faltando apenas o “ok” da presidente Dilma Rousseff.

Nesta semana, o governo baiano sinalizou avanços que contemplam a visão de conservação produtiva, defendida pela Ceplac, e que fomenta a cultura do cacau-cabruca, sistema agroflorestal imprescindível para a preservação da Mata Atlântica. O secretário Eugênio Spengler (Meio Ambiente) antecipou que o governo publicará decreto que visa disciplinar a retirada de árvores exóticas e madeira caída em áreas de cabruca, o manejo sustentável.

Aliado a essas discussões – seja no preço mínimo ou na conservação produtiva -, a Ceplac voltou a mostrar a sua importância para a lavoura cacaueira. Quando assumiu a superintendência baiana do órgão federal, Juvenal Maynart dizia que o primeiro passo era colocar as discussões relacionadas ao cacau em outro patamar.

Aos poucos, o cenario vai mudando de forma positiva e – mais importante – com a participação dos produtores e da própria Ceplac.

PROJETO CRIA SELO VERDE PARA CACAU CABRUCA

Projeto cria Selo Verde para o cacau cabruca.

Projeto cria Selo Verde para o cacau cabruca.

Projeto de autoria do deputado federal Félix Júnior (PDT-BA), o projeto de lei de criação do Selo Verde Cacau Cabruca e Cacau Amazônia foi aprovado ontem, 20, pela Comissão de Meio Ambiente, da Câmara dos Deputados.

Segundo Félix, o Selo Verde visa “atestar a sustentabilidade, interesse social e ambiental da cacauicultura brasileira, além de permitir que agricultores tenham acesso a financiamentos com melhores condições”.

Outro ponto importante, destaca o parlamentar, é que o selo permite valor maior na comercialização das amêndoas. Para ir a plenário, o projeto depende ainda de análise e votação na Comissão de Constituição e Justiça.

EMOÇÃO E LÁGRIMAS NA RIO+20

A Ceplac apresentou, na manhã de hoje, um documentário sobre o sistema cabruca, após a palestra oficial, na Embrapa Solos, no Jardim Botânico. O filme Cacau Cabruca – O Cacau da Mata Atlântica Brasileira, de cerca de 25 minutos, retrata a situação da cacauicultura baiana e apresenta a proposta da conservação produtiva como meio de aumentar a produção de cacau e, ao mesmo tempo, conservar a Mata Atlântica.

Detalhe: antes ser aplaudido de pé, ao final da apresentação, a fita levou a plateia a se emocionar. Literalmente. E assim, fazendo gente chorar pela manhã, a Ceplac virou o assunto do resto do dia.

A CEPLAC E A RIO+20

A Rio+20, conferência mundial sobre meio ambiente, começou ontem na capital fluminense e reúne representações de cerca de 200 países. No sul da Bahia, o debate não chega a ser sobre conservação produtiva, mote levantado por pesquisadores ligados à Ceplac. A discussão é se a Ceplac vai ou não participar do evento.

A discussão inclui ataques ao superintendente regional do órgão, Juvenal Maynart.  O Ministério da Agricultura pôs fim à querela. Rodrigo Vizzotto, assessor de comunicação do ministério, explica. “Reforçamos a participação da Ceplac, no dia 19 de junho, com o debate sobre Sistemas Agroflorestais”.

O debate faz parte da programação oficial do governo brasileiro na Rio+20, conforme Vizzotto. O órgão federal e parceiros farão exposição sobre o sistema cacau-cabruca na área da Embrapa-Solos, às 9h.

JORNAL CARIOCA DÁ DESTAQUE AO CACAU CABRUCA NA RIO+20

O cacau cabruca, um sistema de cultivo forjado há mais de dois séculos e que tem como base a preservação da Mata Atlântica numa região de alta biodiversidade, levará o nome de toda a região de Ilhéus à Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. O assunto é tema da reportagem na editoria de Economia do diário carioca O Globo, edição desta terça-feira, 1º.

O texto e as fotos são assinados por Emanuel Alencar que esteve na Região Cacaueira baiana a convite da Ceplac, órgão da administração direta do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). No texto, o jornalista lembra o passado de pujança do ciclo do cacau no Sul da Bahia tema esmiuçado em obras do escritor Jorge Amado.

O jornal diz que “o valor produtivo da lavoura cacaueira no Sul da Bahia movimenta hoje R$ 800 milhões por ano e cresceu 70,8% de 2006 a 2010, segundo dados do IBGE. O desafio agora é manter a floresta em pé e, ao mesmo tempo, dar conta do apetite do mercado consumidor de chocolate, que avança, em média, 10% ao ano no Brasil”.

INSTITUTO OFERECE VAGA PARA TÉCNICO AGRÍCOLA E SALÁRIO DE R$ 3 MIL

O Instituto Cabruca abriu duas novas vagas para técnico agrícola para contrato de 30 meses e salário de R$ 3 mil. O contrato é para execução de atividades em assentamentos rurais, comunidades quilombolas e indígenas no sul da Bahia.

A seleção é por meio de currículo e entrevista e o profissional precisa possuir carteira de habilitação nas categorias A e B, boa comunicação oral e escrita e habilidade para trabalhar organizar equipe multidisciplinar, dentre outros requisitos. Os profissionais devem ter disponibilidade para residir em Pau Brasil e Itamaraju e conhecimento de Mata Atlântica e sistema cacau-cabruca.

Os currículos devem ser encaminhados para o email curriculo@cabruca.org.br até o dia 12 de janeiro. O instituto promete divulgar o resultado da seleção até o dia 13, no site www.cabruca.org.br.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia