WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia




alba



bahiagas





novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias






:: ‘Campos’

SERÁ QUE ELA REPRESENTA A MUDANÇA?

ricardo artigosRicardo Ribeiro | ricardo.ribeiro10@gmail.com

 

Marina representaria uma aventura? Por enquanto, não há informações para dizer que sim, mas também é impossível afirmar que não… Estamos diante de uma incógnita, na iminência de um mergulho no escuro.

 

Tenho sérias dúvidas sobre a legitimidade de Marina Silva incorporar o espírito de mudança que paira sobre o Brasil, sobretudo após a catarse vista nas ruas desde junho de 2013.

Marina pode ser uma política heterodoxa, mas tem feito concessões. Como, por exemplo, a de flexibilizar seus princípios para atender ao PSB e ser confirmada como substituta de Eduardo Campos.

Em política, muitas vezes é necessário negociar e ceder… Mas até que ponto isso não tira a “pureza” de Marina? Se é que pode ser imaculado quem está há tanto tempo na política partidária e no exercício de mandatos… De perto ninguém é normal, já dizia o poeta.

O jornalista Elio Gaspari indagou em sua coluna: quem banca as viagens de Marina pelo país? E olha que elas as faz há bastante tempo… É preciso verificar, analisar, observar a personagem de perto.

Há quem veja em Marina uma espécie de santa, uma líder espiritual que vem para limpar a sujeira reinante. Neste particular, além da dúvida sobre a santidade, soma-se outra, acerca da capacidade da gestora.

Marina representaria uma aventura? Por enquanto, não há informações para dizer que sim, mas também é impossível afirmar que não… Estamos diante de uma incógnita, na iminência de um mergulho no escuro.

Ao apropriar-se da frase “Não vamos desistir do Brasil”, dita por Campos em entrevista ao Jornal Nacional, Marina não está necessariamente sendo fiel ao legado do ex-governador pernambucano. Ela está de olho nos milhões de brasileiros que, decepcionados com tudo e com todos, tenderiam a votar em branco ou nulo.

Agora, pelo que o último Datafolha indica, a horda de desiludidos apresenta forte tendência para marinar. Na batalha, será preciso desnudar o mito e revelar a pessoa que há por trás da imagem projetada. Será uma missão difícil, por tudo o que envolveu a ascensão de Marina à cabeça da chapa socialista, depois de ser salva – como ela mesma afirma – pela “mão de Deus”.

Ricardo Ribeiro é advogado e jornalista.

MUDAR A POLÍTICA: UMA IDEIA VIVA

ricardo artigosRicardo Ribeiro | ricardo.ribeiro10@gmail.com

Há pouco mais de seis meses, a notícia do nascimento do garoto Miguel, filho do então governador de Pernambuco, Eduardo Campos, chamou minha atenção. Não por ser o filho de um pré-candidato à Presidência (o quinto) nem por ter a Síndrome de Down, mas pela frase de outro filho de Campos. “O Miguel nasceu na família certa”, disse o irmão.

O tanto de acolhimento e amor que a frase despertava fez surgir uma admiração por aquela família numerosa e que parecia tão unida. Ainda que percebesse na divulgação do nascimento certa estratégia para dourar a imagem do futuro candidato, era plausível que houvesse um fundo de verdade na aparente ação de marketing.

Por essas e outras, Campos acabou por encarnar o bom moço das eleições presidenciais. Jovem, idealista, construiu imagem de bom gestor. E amarrou o discurso no combate à “velha política”, criticando o sistema de coalizão e propondo um governo sem atrelamento fisiológico. Uma cantiga boa de ouvir, mas com toda certeza muito difícil de ser tocada na prática.

Num contraste com a utopia, havia certas incoerências. Esteve ao lado do PT por mais de dez anos, até descobrir, já quando decidido a se candidatar, que o partido cometia graves equívocos. Formou chapa com Marina Silva, mesmo com tantas divergências, como as relacionadas ao debate entre desenvolvimento e conservação.

Prematuramente desaparecido, Campos deixa a imagem do bom pai e marido, do sujeito que defendia a renovação da política e a definitiva extinção de certos dinossauros que simbolizam o atraso e as mazelas nacionais.

Não se sabe até que ponto o socialista considerava viável a empreitada de enterrar a velha política, mas a ideia era (e é) alentadora. Está aí um debate que não pode ser sepultado com o homem que o propunha.

Ricardo Ribeiro é advogado e jornalista.

DATAFOLHA: DILMA CRESCE 4 PONTOS E VAI A 38%. AÉCIO TEM 20% E CAMPOS, 9%

Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos na pesquisa Datafolha.

Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos na pesquisa Datafolha.

O Datafolha divulgou nesta noite de quarta (2) o resultado do mais recente levantamento que aponta alta de 4 pontos percentuais nas intenções de voto da presidente Dilma Rousseff (PT) na comparação com a pesquisa anterior, feita no período de 3 a 5 de junho (relembre aqui).

Dilma saiu de 34% para 38%, mesmo percentual que registrava em abril. Aécio Neves (PSDB) foi de 19% a 20%, enquanto Eduardo Campos (PSB) saltou de 7% para 9%. Pastor Everaldo Pereira (PSC) continuou com 4%, enquanto José Maria (PSTU) foi de 1% para 2%.

Mauro Iasi (PCB), Eduardo Jorge (PV) e Luciana Genro (PSOL) aparecem com 1% das intenções de voto. O percentual de votos brancos e nulos caiu de 17% para 13%.

O levantamento, no entanto, ainda mostra tendência de segundo turno na corrida presidencial. Isso, porque Dilma tem mesmo percentual de intenções de votos da soma dos seus adversários, exatamente 38%.

A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais. O Datafolha informa ter ouvido 2.857 eleitores em 177 municípios na terça e nesta quarta (dias 1º e 2). O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 194/2014.

OPOSIÇÃO DEFINE CANDIDATO ATÉ QUINTA

aniversariofilhageddel

Tucanos e democratas prestigiam aniversário da filha de Geddel

Políticos de oposição, estadual e nacional, reuniram-se ontem no aniversário da filha do peemedebista Geddel Vieira Lima, em Salvador. Estavam presentes, entre outros, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o ex-governador Paulo Souto (DEM) e dois pré-candidatos à presidência da república: Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB).

A política, naturalmente, deu o tom da festa. E o que se falava entre os convivas é que a definição do representante das oposições na disputa pelo governo baiano sai entre quarta e quinta-feira da próxima semana. Geddel, o anfitrião da noite de ontem, disputa com Paulo Souto a indicação.

SOMENTE DOIS: GEDDEL E PAULO SOUTO

marco wense1Marco Wense

 

A possibilidade de Geddel apoiar a candidatura presidencial do governador de Pernambuco vai terminar sendo o fator decisivo para que a escolha recaia sobre seu nome.

 

A dúvida em relação ao candidato da oposição à sucessão do governador Jaques Wagner fica restrita a Geddel Vieira Lima (PMDB) e Paulo Souto (DEM).

Se mensurada em porcentagem, diria que o tucano João Gualberto fica sem pontuação. O democrata José Carlos Aleluia não chega aos 5%. Os dois são meros coadjuvantes do processo sucessório.

Uma possível desistência de Paulo Souto, sob a alegação de problemas pessoais e de saúde, torna Geddel o único nome com viabilidade eleitoral para enfrentar o petista Rui Costa.

A cúpula do DEM, tendo na linha de frente o senador Agripino Maia (RN), presidente nacional da legenda, pressiona o ex-governador para que saia candidato.

Como o DEM é aliado incondicional do PSDB, do lado do presidenciável Aécio Neves, fica a preocupação com Geddel, que pode apoiar Eduardo Campos (PSB) se não for o candidato da oposição ao Palácio de Ondina.

A possibilidade de Geddel apoiar a candidatura presidencial do governador de Pernambuco vai terminar sendo o fator decisivo para que a escolha recaia sobre seu nome.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NO 1º TURNO: DATAFOLHA MOSTRA QUE DILMA VENCERIA DISPUTA COM CAMPOS E AÉCIO

Eduardo-Campos-Dilma-Rousseff-e-Aécio-Neves

Folha de S. Paulo

Pesquisa Datafolha realizada nesta sexta (11) mostra que a presidente Dilma Rousseff seria reeleita no primeiro turno se disputasse a eleição contra os dois candidatos mais prováveis do PSDB e do PSB, o tucano Aécio Neves e o socialista Eduardo Campos.

Nessa simulação, Dilma tem 42% das intenções de voto; Aécio, 21%; Campos,15%. Brancos, nulos ou nenhum somam 16%. Outros 7% não sabem em quem votar.

O instituto testou quatro cenários para a eleição presidencial de 2014, alternando os nomes de Campos e Marina Silva, pelo PSB, e os de Aécio e José Serra, pelo PSDB.

Nas outras três combinações, Dilma não teria uma quantidade suficiente de votos para garantir vitória no primeiro turno.

No simulação em que a disputa aparece mais apertada, a petista alcança 37% das intenções de voto, Marina marca 28%, Serra alcança 20%.

Trata-se, porém, justamente do cenário mais improvável da eleição, já que os principais líderes do PSB e do PSDB trabalham pelas candidaturas de seus presidentes nacionais, Campos e Aécio.

Nesta rodada, o Datafolha fez 2.517 entrevistas em 154 municípios, o que resulta numa margem de erro de 2 pontos para mais ou para menos.

As simulações do atual levantamento não podem ser diretamente comparadas com as de pesquisas anteriores do instituto porque não há coincidência de cenários.

Leia mais

MARINA SE FILIA AO PSB E DIZ QUE EDUARDO CAMPOS É O CANDIDATO

Marina diz que união é programática e não pragmática (foto Dida Sampaio / Estadão)

Estadão

A ex-senadora Marina Silva se filiou na tarde deste sábado, 5, ao PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos. O anúncio foi feito no Hotel Nacional, em Brasília. “O PSB já tem um candidato; por que não apresentar o nosso programa a este candidato?”, disse, referindo-se a Campos. “Agradeço ao PSB pela chancela política que a Justiça Eleitoral não nos quis dar”, afirmou Marina, que na quinta-feira, 3, teve sua Rede Sustentabilidade rejeitada pelo Tribunal Superior Eleitoral – ela não conseguiu o número mínimo de assinaturas para criar a sigla. “É uma coligação programática, não pragmática.”

Juntos, Campos e Marina serão a terceira via das eleições de 2014, tendo pela frente a presidente Dilma Rousseff, que tentará a reeleição, e o senador tucano Aécio Neves. No mês passado, o PSB deixou a base de apoio ao governo Dilma. A ex-ministra teve de correr para arrumar um partido – o prazo de filiação para quem quer concorrer a cargo eletivo no ano que vem termina neste sábado.

Leia mais

GEDDEL DIZ QUE JÁ ENTREGOU CARGO

geddelSegundo matéria publicada na edição do jornal A Tarde desta terça-feira, 1º, o peemedebista Geddel Vieira Lima já teria colocado à disposição o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal. A informação foi transmitida pelo próprio Geddel.

Pré-candidato ao governo baiano, o cacique do PMDB estadual diz que ainda não há definição sobre como o partido se posicionará na Bahia  com relação à eleição nacional. Mas as opções ficam entre o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB-PE), descartando o apoio a reeleição de Dilma Rousseff.

“É evidente que no momento em que se aproxima a hora de repactuar nossa relação com a sociedade através das urnas, e eu não tenho ainda a dimensão exata do papel do PMDB da Bahia, fiz o que tinha que fazer”, declarou Geddel.

AUGUSTO CASTRO REBATE LÍDICE

Augusto cobra agilidade nas indenizações.

Pré-candidata ao governo da Bahia, a senadora Lídice da Mata (PSB) diz não haver possibilidade de aliança entre os socialistas e o PSDB em âmbito nacional. Isto, apesar da tentativa de aproximação entre o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, do PSB, e o senador tucano Aécio Neves, ambos pré-candidatos à Presidência da República.

O deputado estadual Augusto Castro (PSDB) se opõe à afirmação de Lídice. Segundo ele, “o senador Aécio Neves tem conversado com todo mundo, inclusive com Eduardo Campos”. Para o tucano da Bahia, existe, portanto, chance de aliança no futuro.

Tudo depende, como diria Otávio Mangabeira, das nuvens da política.

O ASSUNTO É A EMASA

emasa 2

Itabuna tem uma deficiência histórica no serviço de abastecimento de água, não apenas relacionada à oferta, como também a uma rede de distribuição obsoleta e incapaz de atender bem à população, ainda que haja água suficiente. Outro problema gravíssimo é a falta de saneamento, pois, como se sabe, quase 90% dos dejetos vão sem tratamento para o Rio Cachoeira, um crime ambiental contra o qual não se ouvem protestos equivalentes à dimensão do estrago.

Junta-se aos problemas estruturais, uma sucessão de gestões ineficientes, que não apenas não souberam resolver as demandas, como ainda por cima as agravaram. Não é surpresa, portanto, o quadro identificado pelo novo presidente da Emasa, Ricardo Campos, que chegou à empresa sem encontrar sequer os produtos utilizados para purificar a água consumida pelos itabunenses. Há ainda um débito milionário a ser sanado, o que inclui os salários atrasados dos funcionários nos dois últimos meses de 2012, além do décimo terceiro.

Nesta terça-feira, dia 15, a fórmula para descascar esse abacaxi será apresentada pelo presidente da Emasa e pelo prefeito Vane do Renascer, em uma entrevista coletiva programada para as 10h da manhã, no gabinete do chefe do executivo. Na semana passada, Campos anunciou que fará uma auditoria e determinará a revisão de todos os contratos assinados nas últimas gestões (confira aqui).








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia