outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  



pm ilheus

:: ‘carteira assinada’

CONCURSOS OFERECEM 35 MIL VAGAS. SALÁRIO PODE CHEGAR A R$ 23,9 MIL

concursosA semana começa com a oferta de 35.860 vagas em concursos públicos em todo o país, alguns deles na Bahia e com vagas para Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas. São mais de 140 certames e oferta salarial que pode alcançar R$ 23,9 mil.

Quase metade dos cargos é destinada a quem possui nível superior (17.645 vagas). As oportunidades em concursos públicos para nível médio somam total de 11.018 vagas. Há ainda 3.374 oportunidades para nível médio técnico e 3.823 para quem possui o fundamental.

Entre as oportunidades, estão as 92 vagas para níveis médio e superior na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). As inscrições encerram-se no dia 22 deste mês. A remuneração inicial para quem tem nível superior é R$ 3.392,42. Clique no “leia mais”, abaixo, e confira concursos e os respectivos editais.
:: LEIA MAIS »

INDÚSTRIA E COMÉRCIO CONTRATAM MAIS E ITABUNA GERA 291 EMPREGOS EM NOVEMBRO

Itabuna gerou 291 empregos com carteira assinada em novembro.

Itabuna gerou 291 empregos em novembro.

A indústria e o comércio foram os setores que mais contrataram em novembro em Itabuna e puxaram para cima a geração de empregos com carteira assinada, conforme o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O município sul-baiano abriu 291 novas vagas no mês passado. Foi o melhor resultado obtido em um mês nos últimos anos.

A indústria de transformação contratou 337 trabalhadores em novembro e registrou 195 desligamentos no mesmo mês, o que resultou em abertura de 142 novas vagas.

O comércio abriu 101 novos postos de trabalho (381 contratações ante 280 desligamentos). O setor de serviços apresentou saldo positivo de 78 vagas no período.

Apesar dos grandes investimentos imobiliários em Itabuna neste semestre, a construção civil manteve tendência negativa e cortou 18 postos de trabalho.

No acumulado dos 11 primeiros meses deste ano, o município gerou apenas 806 novos empregos. Já quando considerado o período de 12 meses, o saldo ainda é positivo, mas cai para 624 vagas.

ILHÉUS GERA MENOS EMPREGOS

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do MTE, revelam que o município de Ilhéus abriu somente 65 novas vagas em novembro. A indústria abriu 16 vagas e o comércio apresentou saldo positivo de 43 empregos.

O município abriu 523 vagas nos 11 primeiros meses de 2012. Ainda de acordo com o Ministério do Trabalho, Ilhéus abriu 655 vagas nos últimos 12 meses, ligeiramente superior ao registrado por Itabuna (624).

ILHÉUS E ITABUNA GERAM 492 EMPREGOS EM NOVEMBRO

Ilhéus gerou mais empregos com carteira assinada do que Itabuna em novembro, de acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O município sul-baiano abriu 313 novas vagas de trabalho e Itabuna, 179.

Quem puxou os bons números em Ilhéus foram os setores do comércio (144 novas vagas), serviços (113) e indústria (90). A cidade, no entanto, registra queda no emprego na construção civil. Em novembro, o setor cortou 38 postos de trabalho, resultado da admissão de 12 trabalhadores e demissão de outros 50.

O comércio itabunense também contratou mais no mês passado: abriu 110 vagas. Foi seguido pela indústria de transformação – 81 novas vagas. A construção civil, apesar do boom imobiliário, criou apenas cinco novos postos de trabalho.

No acumulado do ano, Itabuna abriu 1.100 novas oportunidades, ante 1.487 de Ilhéus. De acordo com o MTE, a Bahia gerou 10.681 vagas e foi o quinto estado brasileiro em número de novas vagas.

ITABUNA E ILHÉUS GERAM 347 EMPREGOS EM SETEMBRO

Itabuna conseguiu reverter tendência e criou 174 novos empregos com carteira assinada em setembro, período em que Ilhéus gerou outros 173 postos de trabalho.

Os números foram levantados pelo Pimenta no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão do Ministério do Trabalho e Emprego.

A recuperação de Itabuna se dá porque a construção civil voltou a contratar, assim como os setores da indústria e de serviços.

A indústria apresentou saldo positivo de 97 novas vagas, a construção civil outras 74 e o setor de serviços gerou 68 oportunidades com carteira assinada

O destaque negativo em Itabuna foi o comércio. O setor cortou 87 empregos, no que é considerado um dos piores resultados dos nove primeiros meses de 2010. Quando a análise é sobre o acumulado do ano, o comércio cortou 129 empregos. Detalhe: o setor emprega em torno de 8 mil pessoas e é um dos mais fortes da economia itabunense.

De janeiro a setembro, a economia itabunense gerou 677 novos empregos. Já em um ano, o saldo é de 723 novas vagas (sendo 11.463 admissões e 10.740 desligamentos ou demissões).

ILHÉUS

Ilhéus gera mais empregos no acumulado de 2010

Ilhéus gerou 143 empregos em setembro, conforme a consulta do Pimenta no Caged-MTE. Os grandes responsáveis pelo bom resultado foram os setores do serviços, indústria e comércio, respectivamente.

O setor de serviços abriu 72 novas vagas, a indústria criou 61 e o comércio, 47. A construção civil em Ilhéus foi em ritmo contrário ao apurado no país e na cidade vizinha ao cortar 18 vagas.

Entre janeiro e setembro, a economia ilheense criou mais empregos que a itabunense. Foram 1.103 novas vagas com carteira assinada, enquanto Itabuna criou 677.

A diferença é ainda maior em favor da “Terra de Gabi” no acumulado dos últimos 12 meses: 1.742 vagas contra 723 em Itabuna.

EUNÁPOLIS GERA MAIS EMPREGOS

Município do extremo-sul baiano, Eunápolis gerou mais empregos do que Ilhéus e Itabuna no mês passado, segundo o Caged. Foram 243 novos empregos. “Culpa” da construção civil, que gerou saldo positivo de 165 novos empregos. Confira os melhores desempenhos em setembro:

1º Salvador – 2.392 empregos
2º Feira de Santana – 1.227 empregos
3º Lauro de Freitas – 1.187 empregos
4º Vit. da Conquista – 338 empregos
5º Juazeiro – 328 empregos
6º Simões Filho – 317 empregos
7º Alagoinhas – 284 empregos
9º Camaçari – 284 empregos
10º Eunápolis – 243 empregos
11º S. Ant. de Jesus – 243 empregos
12º Porto Seguro – 176 empregos
13º Itabuna – 174 empregos
14º Ilhéus – 173 empregos

AGOSTO DO DESEMPREGO EM ITABUNA. JÁ EM ILHÉUS…

O mês que passou não foi dos melhores para quem procurou emprego com carteira assinada em Itabuna, segundo os últimos números divulgados ao final desta manhã pelo Ministério do Trabalho. Ao contrário do país, a cidade demitiu mais que empregou, cortando 10 vagas quando analisados todos os setores da economia.

O baque foi mais sentido no comércio, um dos que mais empregam no município. Em números absolutos, o setor admitiu 264 trabalhadores e demitiu 358. Corte de 95 postos de trabalho. É o pior saldo do ano.

Serviços e indústria registram números melhores, mas juntos abriram apenas 60 novas vagas no período. A área de construção civil também revela desaquecimento: abertura de 10 vagas com carteira assinada.

Em 2010, Itabuna gerou apenas 503 novos empregos, conforme o Ministério do Trabalho. Se computados os últimos 12 meses, foram abertos (só) 718 novos postos de trabalho.

EM ILHÉUS, É DIFERENTE

Como comparativo, a vizinha Ilhéus gerou 930 empregos neste ano e 1.781 nos últimos 12 meses. Na terra de Gabriela, agosto ficou no azul com a abertura de 96 novas vagas. Indústria e serviços geraram 115 empregos, juntos.

O saldo de agosto em Ilhéus não foi melhor por conta dos cortes no comércio (-21 vagas) e na construção civil (-20). A cidade reverte tendência histórica de gerar menos emprego que a vizinha Itabuna quando computados apenas os dados de um ano e de janeiro a agosto.

30% DOS COMERCIÁRIOS NÃO TÊM CARTEIRA ASSINADA

Jairo: campanha pela carteira assinada.

O percentual de trabalhadores no comércio de Itabuna que não têm carteira assinada é superior à média nacional, segundo o presidente do Sindicato dos Comerciários de Itabuna, Jairo Araújo. Nas contas do dirigente sindical, exatamente 30% dos comerciários são contratados sem registro em carteira em Itabuna, ante a média brasileira de 20%.

O sindicato decidiu reagir contra este quadro encontrado no município que é o principal polo comercial e de serviços do sul da Bahia. Sem carteira assinada, observa Araújo, o trabalhador “fica privado de direitos como seguro-desemprego, férias, 13º salário e aposentadoria”.

A ofensiva do sindicato prevê ações em empresas não apenas da área central de Itabuna. Nesta semana, os dirigentes sindicais vão aos bairros desenvolver o que chamam de conscientização dos direitos do trabalhador.