WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘Ceres Marylise Rebouças’

POETISA GRAPIÚNA TEM RECONHECIMENTO DA “DIVINE ACADÉMIE”, EM PARIS, FRANÇA

Ceres Marylise declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

Ceres declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

Divine Académie Française des Arts, Lettres et Culture, de Paris, na França, acaba de escolher a poetisa grapiúna Ceres Marylise, como integrante da instituição, em reconhecimento à qualidade da obra poética da autora.

Fundada em outubro de 1995, a Divine Académie, presidida atualmente por Diva Pavesi, costuma selecionar para seus quadros “pessoas que se destacam pelos serviços prestados às artes e à cultura”.

A produção de Ceres (que, na opinião do crítico Hélio Pólvora, “devolve a poesia ao seu estado natural, emotivo, encantatório”) foi publicada apenas em antologias e pela internet (o primeiro livro está em fase de negociações com a Editora Mondrongo), mesmo assim tem encontrado ampla repercussão, no Brasil e no exterior.

Além da Divine Académie, mais provas do bom momento vivido pela escritora: em março, ela toma posse na Academia de Letras e Centro Cultural Castro Alves e Casa do Poeta Latino-Americano, em Porto Alegre/RS; em abril, também em Porto Alegre, será homenageada na festa Mulheres Notáveis, com o Troféu Cecília Meireles, Categoria Especial; em agosto, recebe na Academia de Letras de Itabira o Troféu Carlos Drummond de Andrade; em novembro do ano passado, teve aprovada na Câmara de Vereadores de Itabuna uma moção de aplauso, proposta pelo vereador César Brandão.

Ceres Marylise Rebouças de Souza (professora universitária aposentada, nascida em Ubaitaba) terá, ainda este ano, o lançamento de uma seleção bilíngue (português-francês) de sua poesia, por sugestão da Aliança Francesa.

POETISA RECEBE TROFÉU CECÍLIA MEIRELES

Ceres com Affonso Romano Sant´Anna.

Ceres com Affonso Romano Sant´Anna.

A poetisa Ceres Marylise Rebouças de Souza foi escolhida como uma das homenageadas na Festa Mulheres Notáveis, em Porto Alegre, quando receberá o Troféu Cecília Meireles, Categoria Especial, “dedicado às mulheres que se destacaram no cenário mineiro e brasileiro, por sua inteligência, coragem e, sobretudo, pela capacidade de modificar o universo social, político e cultural de nosso país”.

A solenidade de entrega da honraria será no dia 19 de abril de 2014, a décima vez consecutiva em que se realiza a promoção. A escritora, vice-presidenta da Academia de Letras de Itabuna, nasceu em Ubaitaba, é professora especializada em alfabetização, doutora em Linguística pela Universidade de Quebec/Canadá e tem vasta experiência na cátedra universitária, tendo ocupado também importantes cargos na Universidade Estadual da Bahia (UNEB).

Sua poesia se fez ouvir em estados do sul e sudeste, nos meses de outubro e novembro, quando participou de eventos literários no Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No Rio, foi convidada a declamar poemas de sua autoria no Teatro Gláucio Gil, durante o sarau “Poesia Simplesmente”, que é ali apresentado todas as terças-feiras; em Bento Gonçalves-RS, participou do XXI Congresso Brasileiro de Poesia e do XXI Congresso Internacional Latino-Americano de Casas de Poetas, e recebeu convite do Instituto Cultural Português (ICP) no Brasil para participar de uma antologia a ser divulgada nos países de língua portuguesa.

“Tudo isso eu credito à atenção dos grupos de poesia de que participo e que fizeram meu trabalho chegar a escritores da estatura de Marina Colasanti e Affonso Romano de Sant´Anna, que me levaram a participar dos congressos em Bento Gonçalves. A eles devo tudo de bom que está acontecendo comigo neste momento”, disse a poetisa.

UNIVERSO PARALELO

OS PAIS, OS CARTÓRIOS E AS INVENÇÕES

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Acordo 1Nomes próprios seguem a norma ortográfica, não podem ser criados como “marcas” de empresas em agência de propaganda: Anna, Manoel, Luiz, Moraes, Antonio, Helio e outros são invenções dos cartórios (e dos pais), que não devem ser seguidas. Ana, Manuel, Luís, Morais, Antônio e Hélio são as formas corretas, fixadas em 1943 e revistas em 1955. Com o Acordo Ortográfico (oficiosamente em vigor), que unifica as escritas de países lusófonos, criou-se uma dificuldade extra. As palavras Antônio, patrimônio, tônico, Amazônia, Sinfrônio, anatômico e semelhantes não foram, no Brasil, alcançadas pela mudança. Continuamos a grafar esses termos com acento circunflexo, não agudo, como em terras d´além-mar.

________________

Se houver dúvida, consulte Nascentes

De todas as invenções com nomes próprios, talvez a mais notável delas seja Moraes (Vinícius usava esta curiosa variante). Segundo os (bons) linguistas, a forma citada é estranha à nossa língua, uma alteração desnecessária de Morais. Para o filólogo Antenor Nascentes (1886-1972), referência nestas questões, quer se veja a origem no substantivo amoreiral, quer no adjetivo moral (no plural: amoreirais e morais), nunca se chegaria a moraes. Por coerência, teríamos de grafar pardaes, geraes, normaes, banaes, canaes – e por aí segue o lamentável andor da ignorância. Prudente de Morais é município mineiro grafado com respeito à língua; no Rio, Trajano de Morais é outro exemplo.

______________

Prefeitura troca o certo pelo errado

Rua Vinícius 3No Rio, a Rua Vinícius de Moraes (antes, Montenegro) cruza com a Prudente de Morais, criando-se a situação insólita de uma palavra com duas grafias. Resta dizer que a Prudente de Morais, por ter cerca de dez travessas, possui aproximadamente 40 placas, enquanto a Vinícius (que só a cruza uma vez), tem apenas quatro placas. Diligente, a prefeitura, ao perceber essa insensatez ortográfica, apressou-se em unificar as escritas. Alguém adivinha a solução encontrada? Trocou as 40 placas do presidente para Moraes, quando mais fácil e correto seria trocar as outras quatro  para Morais. O curioso relato está em A imprensa e o caos na ortografia, do filólogo Marcos de Castro.

COMENTE! » |

ESSA GENTE PATÉTICA QUE PROVOCA RISO

Ao ver certas pessoas impadas de vaidade, estourando de empáfia por possuírem fama e fortuna (ou, por mecanismos que não alcanço, se acharem “superiores”), me rio por dentro. Acho-as patéticas na sua megalomania, e procuro situá-las no meio em que vivemos. Soube que nosso universo (não este, paralelo, mas o convencional) possui cerca de 200 bilhões de galáxias, sendo a Via Láctea, onde estamos, uma delas. Teoricamente, se a nossa “estrada de leite” (do latim via lactea) não existisse, o universo nem ia perceber, pois lhe sobrariam ainda 199.999.999.999 “mundos” possíveis. Há outras razões para essa gente baixar a bola: o nosso simpático “caminho de leite” é uma galáxia pequena.
______________
Decadente, o sol tem os dias contados
Sol 5
Somos “apenas” uma centena de bilhões de estrelas, o que é pouco, em comparações macrocósmicas. Lembrar que entre esses bilhões de pontos luminosos encontra-se o Sol, que também não está com essa coca-cola toda, uma estrela decadente, com os dias contados. Há alguns anos, humilhado, ganhou a classificação de estrela… anã. É uma estrelinha de quinta categoria, em torno da qual giram a Terra e outras oito planetas, um conjunto condenado a desaparecer. Feliz ou infelizmente, a gentil leitora e o atento leitor certamente não assistirão a le grand finale, que ocorrerá daqui a muito tempo – os cálculos, imprecisos, variam de 3 bilhões a 50 bilhões de anos.
______________
O criador a serviço da criatura
Todos conhecem pelo menos uma pessoa tão enfatuada que imagina ter Deus, Oxalá, o Big Bang ou alguém mais criado o mundo para o deleite pessoal dela. O dinheiro e a cor da pele, o status social conquistado ou herdado e a escola que cursou justificam, perante tão tacanha mentalidade, o orgulho, a presunção, a vaidade e a soberba que exala. Ignora esse indivíduo ser nossa espécie (a homo sapiens) apenas uma entre mais de 30 milhões, das quais há apenas umas 10% classificadas. Antes, pensou-se que a Terra era o centro do universo; hoje, há gente que pensa ser o centro da Terra (texto baseado no delicioso livro Qual é a tua obra?, do professor Mário Sérgio Cortella).

BEMÓIS E SUSTENIDOS VINDOS DE UBAITABA

CD Roque Luy 7Num recanto da vasta internet descubro, com alegre surpresa, a ubaitabense Ceres Marylise Rebouças, dona de texto poético que a equipara aos grandes da área. Leio e ouço a vice-presidenta da Academia de Letras de Itabuna (Alita), em bemóis e sustenidos montados e cantados em CD do músico Roque Luy – e no mais adequado andamento: em tempo de forró, que passo adiante, pois o São João já nos bate à porta. O lirismo da poetisa (“Se eu soubesse do seu sonho, passarinho… Pelas paisagens do meu rosto e no caminho… Verdes prados nos meus dedos… Pés descalços cuidadosos no teu ninho”) é antídoto contra os forrós “universitários” e semelhantes que nos azucrinam.
_______________

Aprovação de Afonso Romano de Sant´Ana

Com a gaveta cheia de poemas, Ceres Marylise, professora universitária aposentada, não tem conseguido organizar o livro que nos está devendo: o tempo é tomado pela Alita, cujo site ela montou e administra.  Em compensação, sua poesia vai integrar uma antologia feita por ninguém menos do que Afonso Romano de Sant´Ana, a sair no fim do ano. Além de saber tudo sobre poesia e design gráfico, ela esbanja inesperadas habilidades, como jogar tarrafa (reminiscência da infância banhada pelo Rio de Contas), pegar pitu em loca de pedra, cozinhar e tocar violão. Roque Luy musicou e gravou ainda os poemas Butterfly, Moonlight e Musa companheira, incluídos no mesmo CD.

(O.C.)








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia