WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘César’

UNIVERSO PARALELO

CÍCERO, O SENADOR QUASE SANTIFICADO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1CíceroVoltemos, promessa é dívida, à Roma de César, Pompeu, Brutus, Catilina, Marco Antônio e, sobretudo, de Cícero, que é nosso compromisso. Os que bebem na história “oficial” sabem que Marco Túlio Cícero, além de orador extraordinário, é cidadão romano “compassivo e culto”, “honrado e desprendido”, “dotado de princípios de dever, bondade e espírito público”, “refinado e amável”, “um dos filhos mais diletos de Roma”, “uma das mais preciosas joias do Império”, “que se recusou a viver numa tirania”, pondo-o a poucos passos da santificação. Já os revisionistas (que opõem Cícero a Júlio César) discordam desse festival de louvações.

________________

O patife mais desprezível da história

Entre americanos e britânicos “os ciceronianos são 95% e os cesarianos são um punhado”, diz o historiador Arthur Khan, integrante do punhado. Esses estudiosos não alinhados atribuem a Cícero uma atividade de caça às bruxas (pessoas que “ameaçavam” a aristocracia). Era “pena alugada”, como se diria mais tarde. Encontro entre os cesarianos o alemão Friedrich Engels (alma gêmea de Marx), que chamou Cícero de “o patife mais desprezível da história”. Vindo de baixo, sem a dita nobreza de origem, o orador pôs sua eloquência a serviço dos poderosos e enriqueceu no combate a qualquer ideia de democracia, pois “só os ricos devem governar”.

  _______________                                                        

3J CésarCapitalizando o medo da aristocracia

Combateu o voto secreto, por impedir aos ricos saber o que a plebe pensava. Para ele, diz o cientista político Michael Parenti, o povo era “rasteiro e imprestável”, “manada pronta para a revolução”, “bando de criminosos e degenerados”, que “participa de manifestações de massa e suga o tesouro”. Reacionário e oportunista, disputou o consulado com Catilina (lembram das Catilinárias?) e usou este para capitalizar o medo dos ricos, método político ainda vigente hoje entre nós. Cônsul, mandou executar “conspiradores” ligados a Catilina, sem julgamento. Anos depois, foi executado, também sem julgamento, a mando de Marco Antônio.

NÃO HEI DE METER A COLHER EM TAL ANGU

Literatura regional em tempo de festa
Falo da canção Eu te amo (Tom Jobim-Chico Buarque): “Se nós nas travessuras das noites eternas/ já confundimos tanto as nossas pernas/ diz com que pernas eu devo seguir…”, e “Na desordem do armário embutido/ meu paletó enlaça teu vestido/ e o meu sapato ´inda pisa no teu”. Penso ser esta uma das melhores letras românticas da MPB. Muitas vezes analisada, ganhou rasgados elogios, mas um exegeta, pelo menos, tentou azedar o tom (ai!) dos louvores: diz que se trata de um plágio de poema de Gregório de Matos. Nesse angu não hei de meter minha modesta colher de ouvinte, pois meu interesse na letra é outro.
________________

5CartagoGeneral modelo histórico de crueldade

O trecho “Ah, se ao te conhecer/ dei pra sonhar, /fiz tantos desvarios/ rompi com o mundo,/ queimei meus navios…” me serve de gancho para retomar aquela presença da mitologia em nossa linguagem: queimar os navios, significando uma decisão sem volta, remonta ao século IV a. C., quando um certo general Agátocles (que nome!), tido como modelo histórico de crueldade, mau, feito um pica-pau (mandou degolar os próprios filhos), levou seu exército de navio até Cartago (na foto, ruínas), e lá fez uma fogueira com as embarcações. Sem poder voltar, os soldados sabiam que o preço do fracasso era a morte. Se venceram ou morreram, não sei.

 ________________

Conquistadores não perdoavam: matavam

Próximo a nós (México, século XVI), houve um episódio parecido, quando o espanhol Fernão Cortez queimou os navios. Embora haja versões afirmando que o espanhol foi outro, Pizarro, pesquisadores confiáveis as desmentem. E tampouco Cortez queimou as embarcações, a não ser figuradamente: ele as destruiu, ao sentir que seus soldados tinham medo de embrenhar-se em território estranho. O resultado é o mesmo: sem transporte para casa, eles partiram para a jugular dos nativos. No México, no Peru e em Ilhéus (Francisco Romero), os espanhóis não brincaram de matar nativos, mataram. E a gentil leitora, se mal pergunto, já queimou os navios por alguém?

ARMSTRONG, OU COMO CANTAR SEM LETRA

7RitinhaQuem já ouviu algum vocalista de jazz sabe o que é scat, aquela forma de “cantar” sem a letra da música, o que é feito por muitos deles. Sons são emitidos, na base do dá-bá-dá-bá-dá, que exige fôlego, garganta e noção de ritmo. É o mesmo que cantar, mas sem versos. Diz a lenda, sem obter aval de nenhum pesquisador sério, que o inventor dessa coisa foi Louis Armstrong: durante uma execução, ele deixou cair o papel em que estava a letra e não se deu por achado, tirando tudo no scat (há quem diga que, anos antes, um cantor não famoso já fizera o mesmo). Segundo os críticos, o Brasil tem uma especialista em dá-bá-dá-bá-dá: a grande Leny Andrade, que, todo mundo sabe, é a cara da também grande Ritinha Dantas (foto), de sorriso aberto e franco.
________________

Para alguns, o scat é “indispensável”

Nem todo os intérpretes utilizam esse recurso, que certo público identifica como “indispensável”. É bom lembrar a “opinião” de duas cantoras do topo da tabela do jazz: Sarah Vaughan muito pouco se valeu do scat; Billie Holiday, simplesmente, não o usava. Ella Fizgerald (a outra das três grandes cantoras negras) e a branquela Anita O´Day foram cultoras fiéis do dá-bá-dá-bá-dá. Por mera curiosidade (tenho dúvidas se não seria preferível o canto, sem firulas, valorizando a letra), mostramos aqui a soberba Ella (Festival de Montreux, 1977), num longo scat singing de Samba de uma nota só – clara e merecida homenagem a Tom Jobim e Newton Mendonça.

O.C.

OS CARLISTAS DE WAGNER

cesareotto

Coluna Tempo Presente (A Tarde)

A dura reação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) ao fato de ser chamada de omissa pelo vice-governador, Otto Alencar, no caso da ViaBahia, acendeu uma velha briga entre dois ex-carlistas top hoje aninhados ao lado de Jaques Wagner.

Otto atribui a ‘agressividade’ ao ministro César Borges (a ANTT é ligada ao Ministério dos Transportes), de quem ele foi vice-governador entre 1998 e 2002.

César nega. Pede que Otto não o envolva, mas o histórico dos dois é conturbado.

Em 2010, Otto largou o TCM, onde era conselheiro, e filiou-se ao PP, por imposição de Jaques Wagner, que o queria como vice.

Antes de entrar para o TCM, era filiado ao PL, que fundiu com o Prona e virou PR.

Por conta disso, foi acusado de ter dupla filiação partidária e atribuiu a César Borges, então senador, candidato à reeleição na chapa de Geddel, candidato do PMDB.

Otto bateu pesado. Disse que César estava ‘mais subserviente e amestrado por Geddel do que na época de ACM’.

Quando César foi indicado para o Ministério dos Transportes, Otto contemporizou. Disse que César era um ‘bom baiano’.

Seja lá o que tenha havido agora, um fato é incontestável: a cratera que  a ViaBahia não tapou engoliu o armistício e criou mais um problema para Jaques Wagner.

EXAME DE PRÓSTATA

Marival Guedes | marivalguedes@yahoo.com.br

Tempos depois, retornou para pedir desculpas por que seu melhor amigo havia morrido de câncer na próstata. Abraçou o médico e chorou. Júlio Brito também não se conteve.

Um cartunista escreveu que se fosse obrigado a ser politicamente correto na profissão, entraria na clandestinidade. É assim. Grande parte das piadas são discriminatórias com relação à raça, etnia, gênero e opção sexual. Neste último item, incluem-se as piadas sobre o exame de próstata.

Lembro-me que a revista Bundas elegeu “O Macho do Ano” o médico que teve a coragem de fazer o exame no então senador Antônio Carlos Magalhães. Ao lado do texto, uma charge com ACM posicionado corretamente para ser examinado.

O jornalista Ramiro Aquino assistia a um show de Renato Piaba e em determinado momento foi questionado sobre o exame. Ramiro respondeu que há anos consecutivos vai ao urologista com este objetivo. Piaba exclamou que Ramiro havia gostado da experiência e passou a fazer outras brincadeiras similares. Ramiro, que estava ao lado da esposa, Nadja Aquino, nada respondeu. Nem sorriu.

Dias depois na Feijoada do Tarik, César Mazzoni e Rogério Santos, respectivamente, à época, diretor e chefe de jornalismo da TV Santa Cruz, chamaram Piaba e Ramiro para as apresentações. Ramiro, pessoa sempre gentil, surpreendeu ao falar com firmeza: “não tenho prazer algum em lhe conhecer”.

Foi um constrangimento geral. O jornalista explicou que a fala do humorista tem grande repercussão e que ele, ao invés de contar aquele tipo de piada, deveria contribuir para a campanha do exame de próstata.

O urologista Júlio Brito conta que um senhor da área rural que foi ao consultório, fez o maior escândalo quando soube como é realizado o exame, se recusou e foi embora . Tempos depois, retornou para pedir desculpas por que seu melhor amigo havia morrido de câncer na próstata. Abraçou o médico e chorou. Júlio Brito também não se conteve.

Lembro-me também que, há poucos dias, Emilio Gusmão fez uma brincadeira sobre o assunto com o secretário Carlos Freitas. Foi censurado por um juiz. Se a brincadeira foi politicamente incorreta, pior é a censura. Precedente perigoso.

Encerro falando sobre o repórter JB quando trabalhava na TV Cabrália. Ele foi se submeter ao exame e quando retornou ao trabalho vários colegas aguardavam-lhe no estúdio para as piadas de sempre. JB entrou com seriedade e reclamou: “Foi muito rápido, pedi ao médico que fizesse de novo para evitar dúvidas, mas ele se recusou. Estou decepcionado.”

Marival Guedes é jornalista e escreve no PIMENTA às sextas.

WAGNER QUER CÉSAR E WALDIR PARA O SENADO

Waldir pode estar garantido na chapa. Wagner quer

EXCLUSIVO

Fonte ligadíssima às confabulações do poder estadual assegura que o governador Jaques Wagner (PT) tem preferência pelos nomes de César Borges (PR) e Waldir Pires (PT) como candidatos ao Senado. Na construção desejada pelo governador, Otto Alencar ocuparia o posto de vice na chapa majoritária.

Essa é a hora da pergunta inevitável: e o que será de Lídice da Mata?

Pois é, os petistas concluíram que a deputada do PSB não agrega muita coisa à chapa, uma vez que sua popularidade é concentradíssima na capital baiana. Por isso, a opção deverá ser mesmo alçar Otto para vice, ficando Borges na briga por uma das cadeiras no Senado.

Com relação ao senador do PR, a avaliação é de que sua confirmação na chapa irá provocar uma revoada de prefeitos do antigo carlismo no interior. Resta apenas costurar com o PSB a situação de Lídice, que certamente sairá arreliada desse processo.

Para todos os efeitos, o governador já disse que jamais ofereceu a vaga no Senado à deputada, em troca de sua desistência em favor de Walter Pinheiro nas eleições muncipais de 2008.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia