WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘cidades’

WENCESLAU REPRESENTA VANE EM ENCONTRO NO BNDES

Wenceslau representa Vane em reunião no BNDES

Wenceslau representa Vane em reunião no BNDES

Representantes das 100 maiores cidades brasileiras participam de encontro na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro. Na reunião, é discutida a adesão preferencial dessas cidades ao Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos.

O prefeito de Itabuna, Claudevane Moreira Leite (Vane), do PRB, está representado no encontro pelo vice-prefeito e secretário municipal de Planejamento e Tecnologia, Wenceslau Júnior (PCdoB).

MOBILIDADE: UM TEMA FUNDAMENTAL

aldenesAldenes Meira

 

Antes de propor a meia passagem aos domingos e feriados, nós já demonstramos de outras maneiras a preocupação com a mobilidade.

 

Quem acompanha nosso mandato já sabe: a mobilidade urbana é um dos temas que têm prioridade em nossa pauta. Formular políticas públicas para as cidades exige um compromisso efetivo da sociedade com essa questão, e a discussão deve envolver a todos: homens e mulheres, jovens e idosos, motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

Fazemos essa introdução para esclarecer que nosso projeto de lei que institui a meia passagem no transporte coletivo aos domingos e feriados, em Itabuna, não é uma proposta isolada e sem maior razão de ser. Não há ilusões de que a meia passagem naqueles dias especiais mudará radicalmente o que precisa ser mudado, mas é inequívoca a ideia de caminhar com foco na inclusão.

O mais importante é que o projeto tem o mérito de despertar essa discussão e ampliá-la. Itabuna é uma cidade que se torna cada vez mais intransitável, com cerca de 60 mil veículos em circulação por suas ruas apertadas, muitas esburacadas e mal sinalizadas. É notório que vivemos em uma cidade que cresceu sem planejamento e com pouco compromisso com o futuro, mas não se pode falar em “jogar a toalha”.

Antes de propor a meia passagem aos domingos e feriados, nós já demonstramos de outras maneiras a preocupação com a mobilidade. Mesmo antes de chegar à Câmara, organizamos, em parceria com o amigo Roger Sarmento, um passeio ciclístico com o objetivo de chamar a atenção da comunidade para formas alternativas e sustentáveis de transporte. Além disso, a iniciativa foi um mote para cobrar do poder público a construção de ciclovias e a instalação de ciclofaixas em Itabuna.

:: LEIA MAIS »

“IMAGINA NA COPA”

Publicado na edição do jornal A Tarde desta quinta-feira, 17

Publicado na edição do jornal A Tarde desta quinta-feira, 17

UM NOVO DOIS DE JULHO

ricardo artigosRicardo Ribeiro | ricardo_rb10@hotmail.com

 

No momento histórico vivido pelo Brasil, os do poder estão assustados, dão respostas atabalhoadas, veem as reações equivocadas se traduzir em queda na aprovação popular, pois são os que mais têm a perder. Os que estão fora do poder gralham e gargalham, torcendo pelo pior cenário. São os que mais têm a ganhar.

 

Amanhã é 2 de Julho, data máxima do espírito cívico baiano, símbolo de luta e resistência de um povo que, apesar de injusta fama de passivo, teve que brigar para livrar-se das garras do colonizador. Um povo que também está nas ruas hoje, exigindo seus direitos, cobrando mais da política, exercendo plenamente sua cidadania.

O povo baiano, assim como o do restante do país, estabeleceu que a rua passa a ser definitivamente o seu espaço de manifestação. Um grito difuso que a casa grande ainda não entendeu, por não ser de sua praxe dialogar seriamente com a senzala e por ignorar que as demandas desta vão além de uma passagem de ônibus, benesses pontuais ou uma reforma política cosmética.

A passagem que o povo exige é para a plena dignidade que o ordenamento jurídico prevê, mas é negada pelo dia a dia nas filas dos postos de saúde, no atendimento precário dos hospitais, nas escolas sem estrutura onde pouco se aprende, nas cidades entupidas de carros, barulho e fumaça, mas sem espaços de lazer e esporte. Cidades não sustentáveis, asfixiadas, hipertensas, moribundas.

Amanhã, no 2 de Julho, como se comportarão os políticos? Desfilarão cínicos, como se nada tivesse acontecido? Passarão sóbrios e circunspectos, procurando demonstrar atenção e preocupação? Deverão ausentar-se das ruas, reconhecendo que o momento é de imersão reflexiva?

É preciso esperar para ver qual será a postura na data festiva. Porém, o mais importante é esperar para saber o que acontecerá de agora em diante. Há quem aposte na vitória do futebol como lenitivo das dores do povo; outros, certamente mais sensatos e responsáveis, creem que o caráter inédito, espontâneo e “epidêmico” das manifestações torna o esmorecer pouco provável. Há um reconhecimento geral de que não é mais possível à política continuar como uma ineficiente ilha de mordomias, esgotada em si mesma, ignorante dos anseios da sociedade.

No cortejo do 2 de Julho, os políticos têm uma rara oportunidade de andar na mesma direção. No momento histórico vivido pelo Brasil, os do poder estão assustados, dão respostas atabalhoadas, veem as reações equivocadas se traduzir em queda na aprovação popular, pois são os que mais têm a perder. Os que estão fora do poder gralham e gargalham, torcendo pelo pior cenário. São os que mais têm a ganhar.

Em meio a esses dois grupos, que o povo tenha sabedoria e mantenha o foco. Que compreenda a dimensão de seu poder quando exerce a cidadania que a Constituição lhe confere e não abra mão do direito de ser protagonista na busca de um futuro melhor.

Esse espírito iluminou os baianos a 2 de Julho de 1823. Que ilumine todos os brasileiros hoje, amanhã e sempre!

Ricardo Ribeiro é advogado.

MOBILIDADE URBANA

Rui CostaRui Costa

 

Em Salvador, o sistema de transporte tornou-se caótico pela ausência de um sistema de transporte de massa que oferecesse um serviço de qualidade e pelo impacto de milhares de novos automóveis sem requalificação da infraestrutura viária.

 

As transformações socioeconômicas que o Brasil viveu na última década, com significativo crescimento da renda das famílias e a entrada de imensas parcelas da população no mercado de consumo de massa, afastando-as do limiar da pobreza e do consumo para a subsistência, tiveram, nos centros urbanos, como um efeito colateral negativo, a rápida deterioração das condições de mobilidade.

Em Salvador, o sistema de transporte tornou-se caótico pela ausência de um sistema de transporte de massa que oferecesse um serviço de qualidade e pelo impacto de milhares de novos automóveis sem requalificação da infraestrutura viária. Trajetos que antes se realizavam em 10 ou 15 minutos passaram a ter a duração de horas.

O Governo do Estado vem agindo para a melhoria da mobilidade em Salvador. O Complexo 2 de Julho trouxe solução definitiva para o acesso ao Aeroporto, à BA-526 e a Lauro de Freitas. A Via Expressa, maior obra viária urbana realizada no Brasil nos últimos anos, trouxe um grande alívio para os engarrafamentos das Avenidas Barros Reis, Heitor Dias e do Acesso ao Cabula, com os viadutos da Rótula do Abacaxi. Ela ligará – ainda em 2013 – a BR-324 ao Porto de Salvador, eliminando o tráfego de passagem de caminhões pesados no Acesso Norte e na Avenida Bonocô.

:: LEIA MAIS »

PREFEITOS DERROTADOS DEIXAM CIDADES AO ABANDONO

Do Globo

Às vésperas da troca de prefeitos, a população e os servidores de vários municípios do país enfrentam problemas como a ausência de serviços públicos básicos e atrasos de salários.

Em alguns estados, o Ministério Público foi à Justiça para garantir que prefeituras mantenham pagamentos em dia, repassem as contas em ordem aos prefeitos eleitos e mantenham serviços essenciais à população. Mesmo assim, muitas cidades pelo país enfrentam situação de abandono, com lixo na rua, falta de atendimento médico e serviços paralisados.

Leia a íntegra aqui

O CURRÍCULO DO NOVO MINISTRO DAS CIDADES

Da Folha de São Paulo

O novo ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), 42, teve ascensão meteórica, assumindo cadeira na Esplanada um ano após chegar a Brasília.

Novato na capital, ele é de uma tradicional família de políticos na Paraíba, onde foi eleito deputado por dois mandatos.

Em Brasília, herdou a vaga do pai, o ex-deputado Enivaldo Ribeiro. A mãe, Virgínia Maria, é prefeita de Pilar (PB), e a irmã, Daniella, deputada estadual. Todos são do PP. Ele pertence a uma ala do partido apoiada pelo ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf.

O patriarca é o ex-deputado e usineiro Aguinaldo Veloso Borges. Avô do novo ministro, é ligado, em livros oficiais, a assassinatos de dois líderes camponeses.

O pai do ministro foi suspeito de participação no esquema dos sanguessugas, que cobrava comissão de emendas na área da saúde.

Em 2008, o novo ministro foi condenado, em primeira instância, a pagar multa de R$ 15 mil por irregularidades em um contrato de R$ 500 mil assinado durante sua gestão na Secretaria de Agricultura da Paraíba.

PORTO SUL – BOM SENSO PREVALECENDO

Alan Dick Megi

 

Muitos não entenderam ou não quiseram entender e me colocaram no rol dos que eram contrários ao porto, reduzindo e desqualificando o diálogo e a análise técnica para uma simplória discussão de ser “contra ou a favor” do porto sul.

 

Desde o início das discussões sobre a construção do Porto Sul em nosso município, eu tive a oportunidade de emitir minhas opiniões de forma clara, deixando-as registradas “por escrito” nos jornais ou nos blogs.

Para relembrar, nas minhas colocações deixava claro o meu contentamento com a possibilidade de novos investimentos em infra-estrutura, porém tive posição frontalmente contrária à sua localização na Ponta da Tulha, principalmente da área de 1700 hectares desapropriada pelo Governo do Estado, a qual seria inicialmente destinada a uma zona portuária e industrial ao longo do litoral norte, entre o loteamento Jóia do Atlântico e a Ponta da Tulha. Em minha posição contrária a essa localização, argumentava eu que se tratava de uma área ambientalmente frágil e ao mesmo tempo extremamente importante para o desenvolvimento turístico do município. Que poderíamos perfeitamente ter um novo porto sem perder tão importante zona de desenvolvimento urbano e turístico. Bastaria que mantivéssemos a zona portuária e industrial com seus galpões, depósitos e indústrias do outro lado do rio Almada, mais próximo ao Distrito Industrial e à rodovia BA-262 (Ilhéus/Uruçuca) em ligação com a futura ZPE. No texto uma “Parábola Tupiniquim”, fazendo uma analogia com nossas residências, dizia eu que uma máquina de lavar roupa, muito necessária e importante para a família, não deveria ser instalada na sala de visitas e sim na área de serviço da casa. Para aqueles que diziam que “não se podia fazer omelete sem quebrar os ovos”, eu respondia que a omelete poderia ser feita e quebrados quantos ovos fossem necessários, porém deveria ser feita na cozinha e não no meio da sala.

Muitos entenderam e concordaram, mas muitos não entenderam ou não quiseram entender e me colocaram no rol dos que eram contrários ao porto, reduzindo e desqualificando o diálogo e a análise técnica para uma simplória discussão de ser “contra ou a favor” do porto sul. Essa simplificação, que beirava o ridículo, gastou energia e tempo que atrasaram as análises e estudos verdadeiramente importantes sobre a melhor forma e melhor local para implantar o novo e importante equipamento de infra-estrutura, de forma a possibilitar enormes ganhos com mínimas perdas para toda a região.

Mas as questões puramente urbanísticas nem sempre tem importância frente aos grandes interesses econômicos ou às decisões politicamente equivocadas. Mas, por sorte, a área inicialmente escolhida era tão inapropriada em todos os sentidos, principalmente na questão ambiental, esta sim com força suficiente para frear os ímpetos vorazes do pseudo-desenvolvimento baseado apenas nos lucros de alguns, determinou a necessidade de encontrar outro sítio para a sua implantação.

Com isso os projetos se voltaram para as áreas situadas a oeste do rio Almada, próximo a Aritaguá, ao Distrito Industrial e à ZPE.

Exatamente como eu sugeria!

Que bom! O bom senso está prevalecendo! Pelo menos do ponto de vista urbanístico estamos de acordo.

Agora, que sejam feitos todos os estudos para minimizar os impactos ambientais, assunto que eu não tenho conhecimento técnico suficiente para opinar, portanto, com a palavra os biólogos, hidrologistas e demais especialistas em meio ambiente que podem contribuir para que seja possível a implantação deste tão importante investimento.

Mas não nos esqueçamos de lutar decisivamente para que sejam elaborados todos os planos de desenvolvimento do município de forma a garantir que tenhamos um investimento ainda maior do que o investido nas instalações portuárias, em habitação, saúde, educação, saneamento básico, infra-estrutura viária e segurança, pois a região precisa crescer com harmonia para não inchar no meio do caos e da desordem.

É preciso que fique bem claro e bem documentado que esses investimentos serão feitos dentro de um cronograma pré-estabelecido e com as responsabilidades de cada esfera governamental e de cada empresa privada, devidamente claras e aprovadas em documentos públicos, para que no futuro, a sociedade, junto com o Ministério Público, possa cobrar de cada órgão ou empresa, o cumprimento de suas obrigações.

Se assim se fizer, que venha o Porto Sul, que venha a ferrovia, que venham os empreendimentos turísticos. Que venha o desenvolvimento sustentável.

Alan Dick Megi é arquiteto, especialista em Planejamento Urbano e Gestão de Cidades.

(Artigo extraído do site R2C Press)

NEGROMONTE TERÁ ENCONTRO COM AZEVEDO

Antes de ir à casa do empresário Roberto Minas Aço, onde participa hoje de um almoço político com militantes do PP, o ministro das Cidades Mário Negromonte, que é o presidente estadual da legenda, terá um encontro com o prefeito José Nilton Azevedo (DEM), na sede do governo local. Segundo fontes do próprio PP, a conversa foi solicitada pelo ministro em telefonema nesta sexta-feira, 13.

O deputado federal Luiz Argôlo viria a Itabuna hoje, mas, segundo as mesmas fontes, apenas acompanharia o ministro no encontro com Azevedo e não participaria do almoço com os correligionários. Argôlo cancelou a visita em função da morte de seu tio, Maximino Argôlo.

PELO MENOS ESCONDEU

Uma semana após o Pimenta criticar o quadro de terra arrasada da Praça Ruy Barbosa (veja aqui), que já foi uma das mais bonitas de Ilhéus, a Prefeitura mandou cercar todo o local e iniciar as tão prometidas e aguardadas obras de revitalização.

As árvores da praça foram arrancadas há quatro meses a pedido de alguns moradores, porque suas raízes danificavam imóveis da área, mas faltou ao governo municipal o devido planejamento. Ou seja, derrubaram as árvores sem saber o que iriam plantar no lugar.

Felizmente, o pedido de socorro na faixa colocada sob o busto em homenagem ao jurista Ruy Barbosa surtiu efeito. Não se sabe quanto tempo irão durar as obras, mas pelo menos os ilheenses e visitantes estão livres do visual deprimente de uma praça destruída.

Após o pedido de socorro...

... a Prefeitura de Ilhéus mandou acelerar a reforma da praça (fotos Pimenta)

QUADRO TRISTE NA PRAÇA RUY BARBOSA

Atrás do busto do jurista, o pedido de socorro (foto Pimenta)

É lamentável que  a Prefeitura de Ilhéus tenha destruído a Praça Ruy Barbosa e, passados mais de quatro meses, sequer iniciou a reforma daquele espaço situado em um área de expressão turística, das mais valorizadas da cidade.

Em junho, o governo Newton Lima mandou retirar todas as árvores, alegando tê-lo feito em atenção a um pedido dos moradores. As raízes das árvores estariam causando danos nos imóveis daquelas imediações.

Argumento plausível, mas faltou um tiquinho de planejamento ao governo, pois não se poderia fazer a remoção sem um projeto urbanístico, sabendo-se de antemão o que seria plantado no lugar das árvores arrancadas.

Por enquanto, o cenário na praça é desolador. Tanto que, atrás do busto em homenagem ao jurista baiano, uma faixa expressa apelo claríssimo ao governo:

– Socorro!

BAHIA VAI ESTICAR PRAZO PARA CONVOCAÇÃO DE CONFERÊNCIA DAS CIDADES

O governo baiano deve divulgar nesta quarta-feira (09), no Diário Oficial, um novo prazo para que os municípios convoquem suas conferências municipais das cidades.  O prazo foi aberto no dia 1º e se encerraria a 30 de setembro, mas será estendido até 15 de outubro.

Cabe às Prefeituras convocar as conferências municipais, a fim de promover a formulação democrática de políticas públicas nas áreas de habitação, saneamento e transportes. Nos municípios onde o poder público não chamar a discussão dentro do prazo estipulado, os movimentos sociais terão 15 dias para suprir a omissão (de 16 a 30 de outubro).

As conferências municipais são preparatórias para as instâncias de discussão estadual e federal.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia