WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia






secom bahia








maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias






:: ‘Ciro’

DATAFOLHA MOSTRA BOLSONARO COM 28%; HADDAD SOBE E ATINGE 22% E CIRO TEM 11%

Bolsonaro mantém 28%, Haddad sobe 6 pontos e Ciro oscila, assim como Alckmin e Marina

O candidato do PT, Fernando Haddad, subiu 6 pontos e atingiu 22% das intenções de voto na corrida à presidencial, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) manteve os 28% registrados na pesquisa Datafolha da quinta passada (20).

Os números foram divulgados pelo instituto há pouco.

A pesquisa ouviu 9.000 eleitores no período de 26 a 28 de setembro. Mostra oscilação do candidato Ciro Gomes (PDT) de 13% para 11%, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) saiu de 9% para 10%. Marina Silva (Rede) oscilou de 7% para 5%.

Confira quadro com a evolução dos candidatos, abaixo.

CENÁRIOS DE SEGUNDO TURNO

Ciro 42% x 36% Alckmin (branco/nulo: 19%; não sabe: 3%)
Alckmin 45% x 38% Bolsonaro (branco/nulo: 16%; não sabe: 2%)
Ciro 48% x 38% Bolsonaro (branco/nulo: 12%; não sabe: 2%)
Haddad 39% x 39% Alckmin (branco/nulo: 19%; não sabe: 3%)
Haddad 45% x 39% Bolsonaro (branco/nulo: 13%; não sabe: 2%)
Ciro 41% x 35% Haddad (branco/nulo: 19%; não sabe: 3%)

A pesquisa Datafolha foi feita nos dias 26 a 28 de setembro, ouviu 9 mil eleitores em 343 municípios, sob encomenda da TV Globo e da Folha de São Paulo. O levantamento tem nível de confiança de 95% e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-08687/2018. Redação com G1.

IBOPE: BOLSONARO MANTÉM 28%, HADDAD ATINGE 22% E CIRO ESTABILIZA EM 11%

Pesquisa Ibope: Bolsonaro mantém 28%, Haddad cresce. Ciro, Alckmin e Marina estabilizam

Jair Bolsonaro (PSL) manteve os 28% de intenções de voto registrados na semana passada e viu Fernando Haddad (PT) saltar de 19% para 22%, no mesmo período, na pesquisa Ibope divulgada nesta noite pelo Estadão e Rede Globo. Pela primeira vez, Bolsonaro perde para Haddad em segundo turno: 43% a 37%.

O instituto ouviu 2.506 eleitores no sábado e no domingo (22 e 23). A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Ciro Gomes (PDT) manteve-se com 11%, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) oscilou de 7% para 8%. Marina Silva (Rede) saiu de 6% para 5%. João Amoêdo (Novo) atingiu 3% nesta pesquisa. Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB) surgem com 2% cada um.

Boulos (PSOL) pontuou com 1%. Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU), João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram. O percentual de brancos e nulos chegou a 12% e o de indecisos 6%.

SEGUNDO TURNO

Os cenários de segundo turno mostram derrota de Bolsonaro para Haddad, Ciro e Alckmin e empate em hipotética disputa com Marina.

Haddad 43% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 4%)
Ciro 46% x 35% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 4%)
Alckmin 41% x 36% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 4%)
Bolsonaro 39% x 39% Marina (branco/nulo: 19%; não sabe: 4%)

O Ibope ouviu 2.506 eleitores em 178 municípios nos dias 22 e 23. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-06630/2018. Redação com informações do G1.

CNT/MDA MOSTRA BOLSONARO COM 28,2%; HADDAD, 17,6; E CIRO, 10,8%

A primeira pesquisa da MDA, contratada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), traz o deputado federal Jair Bolsonaro com 28,2% das intenções de voto, seguido pelo ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) isolado na segunda posição, com 17,6%. Haddad substituiu Lula na corrida deste ano. Ciro Gomes (PDT) aparece com 10,8%.

O segundo pelotão tem Geraldo Alckmin (PSDB) com 6,1% e Marina Silva (Rede) com 4,1%. João Amoêdo (Novo) fica com 2,8% e Alvaro Dias (Podemos) com 1,9%, ambos empatados com Henrique Meirelles (MDB), com 1,7%.

Na sequência, vêm Daciolo, com 0,4%, mesmo percentual de Boulos (PSOL). Vera (PSTU) atinge 0,3%. Eymael (DC) e João Goulart Filho (PPL) não pontuam. Neste cenário, o percentual de votos branco e nulo chega a 13,4%, enquanto o de indecisos fica em 12,3%.

SEGUNDO TURNO

A mesma pesquisa aferiu alguns cenários de segundo turno. Bolsonaro empata com Haddad, mas numericamente à frente: 39% a 35,7%. Contra Ciro, Bolsonaro fica atrás – 37,8% do ex-governador cearense ante 36,1% do deputado hospitalizado.

Bolsonaro consegue vencer, com facilidade, Alckmin e Marina. Contra o tucano, seria 38,2% a 27,7%. Marina teria 28,2% e Bolsonaro venceria com 39,4%. Num confronto Ciro e Haddad, o pedetista venceria o petista por 38,1% a 26,1.

A pesquisa tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais e 95% de nível de confiança. Segundo a MDA, a pesquisa foi realizada no período de 12 a 15 de setembro em 137 municípios. Está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-04362/2018, e ouviu 2.002 pessoas.

FINAL PREVISÍVEL

Marco Wense

 

 

A estrondosa rejeição de Temer, detectada nas pesquisas como a maior da história da República, vai contaminar a campanha do tucano. Se a verdade pegar, que o candidato de Temer é Alckmin, o tucano vai ter muitas dificuldades para passar de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos.

 

Um final de novela previsível: o centrão, formado pelo DEM, PR, PP, SD e o PRB, vai apoiar   o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), que passa agora a ser o candidato de Michel Temer e do seu governo.

É esse ponto que deve ser explorado pelos adversários do continuísmo. Aliás, a torcida no “blocão” é pela manutenção da candidatura de Henrique Meirelles pelo MDB, o que serviria para disfarçar o apoio do presidente Temer e da sua turma ao ex-governador de São Paulo.

A notícia de que o centrão (ou blocão) vai ficar com Alckmin foi efusivamente comemorada no Palácio do Planalto. Aos partidos de esquerda e centro esquerda, cabe a responsabilidade de uma urgente reflexão para se chegar a um consenso em torno da imprescindível união, sob pena de um segundo turno sendo disputado entre dois nomes que representam o campo ideológico inverso.

PT, PDT, PSB e o PCdoB precisam sentar na mesma mesa e buscar um consenso em torno do melhor caminho que devem percorrer. Se Ciro Gomes errou em procurar o centrão (ou blocão), o PT, PSB e o PCdoB também cometeram seus erros, principalmente o PT quando fez de tudo para isolar Ciro na corrida presidencial. Resta agora  a busca urgente por um diálogo. O que passou, passou.

Problema maior é o que já começa a atormentar Alckmin: o tucano é o candidato do presidente Michel Temer e do MDB de Eduardo Cunha, Cabral, Geddel, Moreira Franco, Romero Jucá, Eliseu Padilha e companhia Ltda.

A estrondosa rejeição de Temer, detectada nas pesquisas como a maior da história da República, vai contaminar a campanha do tucano. Se a verdade pegar, que o candidato de Temer é Alckmin, o tucano vai ter muitas dificuldades para passar de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos.

Finalizo dizendo que é bom que as coisas comecem a ficar transparentes, com a definição de quem é quem, o que querem e de que lado estão.

Marco Wense é articulista político.

LULA LIDERA CORRIDA PRESIDENCIAL; SEM PETISTA, BOLSONARO E MARINA EMPATAM

Ex-presidente Lula lidera intenções de voto em pesquisa CNT/MDA || Foto Agência Brasil

Preso há um mês e sete dias, Lula mantém a liderança da corrida eleitoral brasileira à presidência da República de 2018, mostra pesquisa CNT/MDA. O petista aparece com 32,4% das intenções de voto em cenário diluído com 15 candidaturas, seguido de Jair Bolsonaro (PSL), com 16,7%, e Marina Silva (Rede), com 7,6%, e Ciro Gomes (PDT), com 5,4%.

A pesquisa foi feita de 9 a 12 de maio em 137 cidades e 25 estados, ouvindo 2.002 pessoas. A margem de erro é 2,2 pontos percentuais, segundo a MDA. Quando Lula é retirado de cena, sobe a 42,2% o universo de sem-candidatos.

Lula (PT) – 32,4%
Jair Bolsonaro (PSL) – 16,7%
Marina Silva (Rede) – 7,6%
Ciro Gomes (PDT) – 5,4%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 4,0%
Alvaro Dias (Podemos) – 2,5%
Fernando Collor (PTC) – 0,9%
Michel Temer (MDB) – 0,9%
Guilherme Boulos (Psol) – 0,5%
Manuela D´Ávila (PCdoB) – 0,5%
João Amoedo (Novo) – 0,4%
Flávio Rocha (PRB) – 0,4%
Henrique Meirelles (MDB) – 0,3%
Rodrigo Maia (DEM) – 0,2%
Paulo Rabello de Castro (PSC) – 0,1%
Branco/Nulo – 18,0%
Indecisos – 8,7%

BOLSONARO E MARINA EMPATADOS

A novidade da pesquisa é que, sem Lula, Bolsonaro e Marina Silva ficam empatados, tecnicamente, em cenário no qual foram incluídos Ciro, Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT). Bolsonaro atingiu 19,7% e Marina chegou a 15,1%. Ciro foi a 11,1% e Alckmin alcançou 8,1%. Haddad foi o escolhido por 3,8%. Neste cenário, branco e nulo atingiu 30,1% e o universo de indecisos foi a 12,1%.

 

A INCÓGNITA PRESIDENCIAL DE 2018

Áureo Júnior | aureojunior1996@gmail.com

 

 

Neste sentido podemos inferir que, se Lula não puder registrar sua candidatura, a alternativa mais racional para o PT chegar ao poder novamente é ser vice em uma dobradinha Ciro-Haddad (PT) ou Ciro-Wagner(PT).

 

No presente ano podemos ter uma disputa presidencial sem a polarização PT x PSDB que foi constante nas últimas eleições. Se com Lula na disputa só resta saber quem será o seu adversário no segundo turno, sem ele a competição fica muito embolada entre Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Joaquim Barbosa (PSB), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT). Como todos os citados estão pontuando razoavelmente bem, dificilmente abrirão mão de candidatura própria.

Neste sentido podemos inferir que, se Lula não puder registrar sua candidatura, a alternativa mais racional para o PT chegar ao poder novamente é ser vice em uma dobradinha Ciro-Haddad (PT) ou Ciro-Wagner(PT), pois esses dois nomes citados pelo partido para uma eventual candidatura atingiram somente 2% dos votos na última pesquisa do Datafolha.

Podemos também notar que o deputado Bolsonaro vem há muito tempo mantendo sua base de votos, que gira em torno de 15%, porém não consegue decolar. Situação essa que tende a piorar com o início dos debates, pois o mesmo tem limitações para argumentar sobre alguns assuntos como economia, por exemplo.

Também é importante lembrar que, embora não sejam protagonistas, temos outros candidatos muito interessantes, com uma boa oratória e que certamente vão enriquecer os debates, como Guilherme Boulos(PSOL), Manuela D’ávila(PCdoB), João Amoêdo(NOVO), Flávio Rocha(PRB) e o próprio presidente Michel Temer(MDB).

Áureo Júnior é estudante de Pedagogia na Faculdade Educacional da Lapa (Fael).

SERRA MANTÉM DIFERENÇA NO IBOPE

Serra mantém diferença em relação à ex-ministra.

Saiu uma nova pesquisa sobre a sucessão presidencial. Encomendada pela Associação Comercial de São Paulo ao Ibope, aponta o ex-governador José Serra (PSDB) com 36% e a ex-ministra Dilma Rousseff (PT) com 29%.

O levantamento foi feito de 13 a 18 de abril. Ciro Gomes (PSB) e Marina Silva (PV) aparecem com 8%, cada. Quando o cenário exclui o nome de Ciro Gomes, Serra vai a 40%, Dilma alcança 32% e Marina Silva pontua com 9%.

Na pesquisa divulgada em 17 de março, Serra aparecia com 35% e a principal adversária, Dilma Rousseff, tinha 30% das intenções de voto. Na pesquisa divulgada hoje, o presidente Lula surge com 76% de aprovação popular.

Um dado interessante da pesquisa que ouviu 2.002 eleitores em 140 municípios é que apenas 9% dos eleitores querem mudança total de governo. 35% querem continuidade e 30% optam por continuidade com algumas mudanças. 24% querem mudanças em alguns programas.

SERRA É O MAIS REJEITADO, DIZ DATAFOLHA

As más-notícias para o tucano José Serra não param com as quedas nos índices de intenções de voto. A pesquisa Datafolha realizada nos dias 24 e 25 também aferiu o humor dos eleitores em relação aos quatro principais nomes na disputa.

Serra lidera o quesito. Ele é rejeitado por 25% dos eleitores. Dilma, por 23%. Ciro Gomes é rejeitado por 21% e Marina Silva, por 19%.

DILMA EMPATA COM SERRA (MAS SÓ COM CIRO CANDIDATO)

Essa é para dar nó em cabeça de estrategista. A ministra e presidenciável Dilma Roussef (PT), conseguiu um feito e tanto na pesquisa CNT/Sensus divulgada hoje.

Ela está tecnicamente empatada com o governador de São Paulo, José Serra, na corrida presidencial. Mas aí entra a má notícia: isso só ocorre se o ‘injeitado’ Ciro Gomes (PSB) estiver na disputa.

Os números do cenário com Ciro: 33,2% para Serra e 27,8% para Dilma. Quando Ciro deixa a disputa (situação defendida pelo próprio PT), Serra vai a 40,7% e Dilma fica com 28,5%. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais.










WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia