WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe





junho 2018
D S T Q Q S S
« maio    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias






:: ‘Davidson Magalhães’

EX-PREFEITOS DE JUSSARI E UNA DEFINEM APOIO A ROSEMBERG PINTO

Diane, de Una, fecha apoio para a reeleição de Josias Gomes e Rosemberg

O período de pré-campanha já ferve no sul da Bahia com vários deputados definindo os apoios para a corrida que termina em outubro. Parlamentares com base na região, a exemplo de Josias Gomes, Rosemberg Pinto e Davidson Magalhães, já arregimentam cabos eleitorais de peso em pequenas cidades.

O deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) obteve o apoio dos ex-prefeitos Diane Rusciolelli (Una) e Walnio Muniz (Jussari), ambos do PT, para a campanha à reeleição.

Em Una, Rosemberg obteve o apoio de Diana Rusciolelli e de todo o seu grupo político numa dobradinha com o ex-secretário de Relações Institucionais da Bahia e deputado federal Josias Gomes.

Em Jussari, Rosemberg, Walnio, Davidson e o ex-vice prefeito Guimarães

A dobradinha de Rosemberg em Jussari será com Davidson Magalhães (PCdoB). No município, os parlamentares obtiveram os apoios de Walnio Muniz e do ex-vice-prefeito José Guimarães (PCdoB), além dos vereadores Jardel Silva (PT) e Gideon Oliveira (PSC).

DESISTÊNCIA DE ACM NETO PODE SIGNIFICAR FIM DO CARLISMO, AFIRMA DAVIDSON

Davidson diz que desistência de Neto deixa eleição de Rui mais fácil

O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) considera que a desistência do prefeito ACM Neto em concorrer ao governo estadual contra o governador Rui Costa (PT) significa “o fim do carlismo”. O termo é utilizado para designar o grupo formado em torno de ACM. “Essa abdicação [do cargo de] liderança da oposição por parte dele pode significar o fim do carlismo na Bahia. O carlismo sempre mostrou uma determinação no enfrentamento e essa fraqueza que Neto apresentou pode demonstrar o fim dessa linhagem de disputa aguerrida que o grupo fazia na Bahia”, argumentou.

De acordo com o deputado, a desistência de Neto fortalece o grupo de Rui Costa. “Essa desistência é resultado do êxito administrativo de Rui Costa e da força que o grupo tem”, opinou. Por acreditar que a eleição ficou “mais fácil”, o PCdoB irá pleitear uma vaga ao Senado Federal na chapa majoritária. “Nós estamos disputando vaga, vamos continuar com esse pleito., mas sempre condicionado à manutenção da unidade. Vamos consolidar uma chapa de deputados estaduais extremamente competitiva e com a desistência de Neto, queremos uma vaga para o Senado”, afirmou.

De acordo com o comunista, os nomes que concorrem internamente no partido para a vaga são Alice Portugal, Daniel Almeida e o ex-prefeito de Juazeiro, Isaac Carvalho. Sobre a desistência de Neto, Davidson Magalhães ainda criticou o prefeito, afirmando que a opção de não ir às urnas “significa que ele é uma liderança que não é capaz de se sacrificar pelo grupo. As vezes a eleição pode estar perdida, mas ele precisa aglutinar o grupo. Com a decisão, várias forças já estão em processo de dispersão”, disse. Do Bahia Notícias.

RUI, NETO E O ENLAMEADO PMDB

marco wense1Marco Wense

 

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

 

O que ainda faz o PMDB ser procurado é o invejável tempo que o partido dispõe no horário eleitoral, salvo engano quase cinco preciosos minutos.

E aí me lembro da campanha do médico Antonio Mangabeira na sucessão do prefeito Claudevane Leite. O pedetista, obviamente do PDT, tinha 22 segundos na telinha.

Foi um Deus nos acuda. Não deu nem para o vice falar alguma coisa. A turma do marketing, mesmo com esses segundinhos, deu um show de competência.

Mangabeira foi o segundo mais votado com 18.813 votos, seguido de Augusto Castro (PSDB), Capitão Azevedo (PTB), Geraldo Simões (PT) e Davidson Magalhães (PCdoB).

Fernando Gomes, então candidato do DEM, com o apoio do PT, foi eleito. É bom lembrar que Mangabeira teve mais votos do que Simões e Magalhães juntos.

Os motivos que levam o governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto a evitar comentários sobre o enlameado PMDB são um pouco diferentes.

O alcaide soteropolitano pensa no PMDB na sucessão estadual. Já o petista não quer atrapalhar as articulações do petismo com o peemedebismo na eleição presidencial.

Lula anda de namoro com várias lideranças do PMDB, inclusive com o senador Renan Calheiros, um dos responsáveis pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Com essa aproximação, os petistas jogam na lata do lixo o discurso do “golpe” e irrita os segmentos do PT que ainda se mantém com credibilidade.

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

Ao ser indagado sobre sua opinião em relação a uma eventual prisão dos irmãos Vieira Lima, Rui saiu pela tangente: “Não gosto de absolver nem condenar ninguém”.

“Não tenho bola de cristal”, diz Neto sobre o futuro do PMDB, que já foi o MDB de Ulysses Guimarães e de tantos outros políticos de respeito.

Rui Costa e ACM Neto, quando o assunto é o PMDB, agem da mesma maneira. Ambos são escorregadios.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

NA SEDE DA FIEB, DAVIDSON, BELUZZO E ALBAN DEBATEM CRISE E SAÍDAS PARA ECONOMIA

Davidson promove debate em Salvador

Davidson promove debate em Salvador

O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB-BA) promove, nesta sexta-feira (7), em Salvador, um debate sobre a crise econômica e as perspectivas de desenvolvimento para o país. O evento será na sede da Federação das Indústrias do Estado (Fieb), no Stiep, a partir das 9h, e vai reunir professores, gestores e setores da indústria e dos movimentos sociais.

Entre os palestrantes, estarão Luiz Gonzaga Belluzzo, economista e professor da Unicamp; Jaques Wagner, secretário de Desenvolvimento Econômico (SDE) do governo do Estado; o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Ricardo Alban; o presidente nacional da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo; e a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Marianna Dias.

Além deles, também participarão o reitor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), João Carlos Salles, e o presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon), Gustavo Casseb Pessoti. A entrada para o evento é gratuita e aberta ao público, segundo o parlamentar.

CONVERSA COM OTTO

marco wense1Marco Wense

 

O senador Otto Alencar já conhece o colega Mangabeira. Ficou alegre com sua excelente votação na última sucessão municipal, deixando para trás nomes como os do capitão Azevedo, Geraldo Simões, Davidson Magalhães e Augusto Castro.

 

Depois do carnaval, logo na primeira quinzena de março, o PDT de Itabuna, sob o comando do Dr. Antônio Mangabeira, vai marcar um encontro com o senador Otto Alencar (PSD).

Os dois médicos podem até falar um pouco sobre saúde, principalmente a pública, mas, com certeza, a conversa principal vai ser sobre política e, mais especificamente, sobre a eleição de 2018.

O diretório municipal vê com simpatia a sua pré-candidatura ao Palácio de Ondina, mesmo achando que ainda é cedo para qualquer tomada de decisão por parte do parlamentar.

Com efeito, o senador Otto Alencar já conhece o colega Mangabeira. Ficou alegre com sua excelente votação na última sucessão municipal, deixando para trás nomes como os do Capitão Azevedo, Geraldo Simões, Davidson Magalhães e Augusto Castro.

É bom lembrar que o então candidato do PDT não fez coligação com nenhum partido e só desfrutou de 23 segundos no horário eleitoral. Nem o vice apareceu na telinha.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

MANGABEIRA

marco wense1Marco Wense

 

Não sei por que tanto espanto com o secretariado de Fernando Gomes. Ora, FG desafiou e venceu a Lei da Ficha Limpa, pelo menos no TRE. Agora vai peitar o Ministério Público em relação ao nepotismo. Qual é a novidade?

 

Depois de uma campanha assentada na ética, sem a preocupação de ganhar de qualquer jeito, sendo referência do PDT em todo país, o médico Antônio França Mangabeira não quer disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado.

Membros do diretório municipal, na última reunião do partido, animados com a expressiva votação do então candidato a prefeito, defenderam o nome do doutor para concorrer a uma vaga no Parlamento estadual.

O pedetista, que não fez coligação com nenhum partido, teve quase 19 mil votos, dando poeira em figuras carimbadas da política de Itabuna, como Davidson Magalhães, Augusto Castro e os ex-prefeitos Geraldo Simões e José Nilton Azevedo.

Sem prometer nada, com um tempo de televisão de 23 segundos, com o slogan de campanha “Nossa Coligação é Com Você”, Mangabeira se transforma em uma grande liderança de Itabuna. Sem dúvida, o opositor-mor do governo FG. Antônio França Mangabeira faz parte da banda da política que ainda não apodreceu.

Para o militante Nilson Oliveira, mais conhecido como Nilson da Vendamax, a candidatura de Mangabeira “é uma boa opção para fortalecer a nossa desnutrida representação política”.

MESMA COISA

Francamente, como diria o saudoso e inesquecível Leonel Brizola, não sei por que tanto espanto com o secretariado de Fernando Gomes. Ora, FG desafiou e venceu a Lei da Ficha Limpa, pelo menos no TRE. Agora vai peitar o Ministério Público em relação ao nepotismo. Qual é a novidade? Fernando continua o Fernando de sempre, aquele Fernando de priscas eras. O seu eleitorado também.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

CONVENÇÃO DO PCdoB CONFIRMA DAVIDSON

Davidson é o nome do PCdoB para a disputa eleitoral.

Davidson é o nome do PCdoB para o pleito.

O PCdoB realiza convenção neste sábado (30), no Centro de Cultura Adonias Filho, para homologar o nome de Davidson Magalhães como candidato a prefeito.

A chapa majoritária será formada pela empresária Leninha da Autoescola (PPS) como vice. A convenção está prevista para começar às 10h, quando também serão definidos os nomes na corrida por vagas na Câmara de Vereadores.

Suplente de deputado federal, Davidson disputará a prefeitura de Itabuna pela segunda vez. A primeira foi há 20 anos, em 1996, quando acabou em terceiro lugar no pleito vencido por Fernando Gomes. À época, Geraldo Simões era o prefeito e apoiou a candidatura do ex-deputado estadual Renato Costa.

DAVIDSON LANÇA PRÉ-CANDIDATURA

Davidson lança pré-candidatura pela segunda vez.

Davidson lança pré-candidatura pela segunda vez.

O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) lança a sua pré-candidatura a prefeito de Itabuna, nesta quinta (16). O evento está programado para as 19 horas, na Terceira Via Hall, localizada na Avenida José Soares Pinheiro.

Será o segundo lançamento da pré-candidatura de Davidson. O primeiro ocorreu no dia 7 de abril, no salão nobre da AABB, quando reuniu as cúpulas nacional e estadual do seu partido, além de aliados, a exemplo do prefeito Claudevane Leite.
Davidson é um dos nomes da base aliada do governador Rui Costa em Itabuna. O outro nome é o do ex-prefeito e ex-deputado Geraldo Simões (PT), com quem o ex-presidente da Bahiagás tenta fechar uma hoje improvável aliança.

EMENDA DE R$ 1 MILHÃO ASSEGURA OBRAS E EQUIPAMENTOS PARA O HOSPITAL DE BASE

Vane, Davidson, vereadores e superintendente da Caixa assinaram convênio (Foto Lucas França-Secom).

Vane, Davidson e superintendente da Caixa assinaram convênio (Foto Lucas França-Secom).

O Hospital de Base de Itabuna ganhará mais 22 leitos nos próximos dias, elevando para 184 a sua capacidade de internações simultâneas de pacientes, anunciou o prefeito Claudevane Leite (Vane do Renascer). O novo espaço de atendimento será utilizado para desafogar o pronto socorro.

A obra será tocada com recursos próprios e inclui, segundo Vane, reforma completa do espaço que está sendo preparado para os novos leitos, a instalação de um sistema central de climatização e de equipamentos de última geração que garantam mais segurança no acompanhamento clínico dos pacientes.

O hospital também adquiriu dois aparelhos para hemodiálise. São seminovos e vieram do Hospital Ana Nery, em Salvador, por meio de uma parceria da Secretaria de Saúde da Bahia com a Prefeitura de Itabuna. “Agora passaremos a fazer aqui o atendimento a pacientes renais crônicos, com um dos aparelhos ficando na UTI do hospital”, disse o prefeito. Antes, o paciente precisava ser encaminhado para hospital da Santa Casa ou para Salvador para o tratamento.

Bicalho, Nascimento, Vane e Davidson assinam convênio (Foto Lucas França).

Bicalho, Nascimento, Vane e Davidson assinam convênio (Foto Lucas França).

EMENDA ASSEGURA R$ 1 MILHÃO PARA HOSPITAL

Ainda ontem, o prefeito, acompanhado de vereadores, secretários e do deputado Davidson Magalhães (PCdoB-BA), participou de assinatura de convênio que destina R$ 750 mil para reforma da UTI ou do centro cirúrgico do Hospital de Base, além de R$ 250 mil para aquisição de novos equipamentos.

A verba total de R$ 1 milhão foi obtida por meio de emenda do deputado Davidson Magalhães. O superintendente regional da Caixa Econômica, Marcus Vinícius Nascimento, disse que o governo federal “tudo fará para agilizar a licitação da obra”, principalmente por este se tratar de um setor sensível.

LÍDERES DO PCdoB ELOGIAM POSTURA DE VANE

Daniel Almeida destaca papel de liderança do prefeito Vane.

Daniel Almeida destaca papel de liderança do prefeito Vane.

Líderes nacionais do PCdoB reconheceram o papel do prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, no processo de consolidação da pré-candidatura de Davidson Magalhães, ontem (7), no salão nobre da AABB, diante de público estimado em 800 pessoas.

“Vane dá demonstração pública de desapego ao poder, maturidade política e compromisso com um projeto que tirou Itabuna do caos e eleva a autoestima das pessoas”, disse a deputada federal Luciana Santos (PCdoB-PE), presidente nacional do Partido Comunista do Brasil.

O deputado federal Daniel Almeida, presidente estadual da legenda, também enfatizou o papel de lealdade de Vane ao projeto político iniciado em 2012. “Ao apoiar a candidatura de Davidson Magalhães à sua sucessão, Vane se projeta como um político que põe os interesses coletivos acima dos interesses pessoais”, disse.

Davidson Magalhães destacou a necessidade de o grupo político no entorno de Vane manter-se coeso. “Os atuais secretários e dirigentes municipais devem permanecer unidos para defender os avanços do governo Vane que requalificou 31 escolas da rede municipal de ensino, mais de 20 unidades de saúde e constrói duas Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) 24 Horas”, afirmou.

:: LEIA MAIS »

DEM ORQUESTROU VAIAS A VANE, DIZ WENCESLAU

Wenceslau diz que vaias foram orquestradas pelo DEM.

Wenceslau: vaias foram orquestradas pelo DEM.

O vice-prefeito Wenceslau Júnior (PCdoB) disse que o princípio de vaias ao prefeito Claudevane Leite (PRB) foi orquestrado pelo diretório do DEM itabunense. Ontem (7) à noite, Vane foi alvo de hostilidade ao ser anunciado para compor a mesa do evento que lançou a pré-candidatura de Davidson Magalhães (PCdoB) a prefeito de Itabuna.

Em contato com o Pimenta, Wenceslau apontou: “O DEM infiltrou pessoas com o objetivo de ensaiar a vaia e criar constrangimento ao prefeito para causar dificuldades na relação com o partido”.

Os democratas, adversários de Davidson e de Vane, teriam ido ao local para “saudar” o deputado federal.

Wenceslau disse que o PCdoB repudia esta prática e “reafirma a importância da figura de Vane no processo sucessório” municipal de 2016. O vice-prefeito ainda observa não fazer sentido no convite ao prefeito para que ele fosse hostilizado em um momento em que Vane anuncia apoio a Davidson.

“NÃO VOU PERMITIR DUAS CANDIDATURAS”, DIZ VANE AO ANUNCIAR APOIO A DAVIDSON

Vane anuncia apoio a Davidson em evento para cargos comissionados (Foto Divulgação).

Vane anuncia apoio a Davidson em evento para cargos comissionados (Foto Divulgação).

O prefeito Claudevane Leite (PRB) deu um ultimato a secretários e demais ocupantes de cargos de confiança, nesta tarde de sexta (4), durante encontro no Centro de Cultura Adonias Filho. “Eu não vou permitir, no governo, duas candidaturas. A candidatura do governo é uma só”, afirmou,  logo após dizer que definiu seu apoio a Davidson Magalhães (PCdoB) na sucessão municipal deste ano. O outro nome na disputa era o do presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto José, que pode entregar o cargo até a próxima semana.

O prefeito cumpriu o script anunciado há cerca de duas semanas em entrevista exclusiva ao Pimenta, quando disse que o nome do governo seria anunciado entre o final de fevereiro e início de março. Também na entrevista, já antecipava que era irrevogável a decisão de não disputar reeleição.

O apoio a Davidson será oficializado em encontro público, na próxima segunda (7), às 18 horas, no salão nobre da AABB. A missão de Vane, após o apoio a Davidson, será trabalhar pela unidade na base de apoio ao governador Rui Costa. Na base do governo, há ainda a pré-candidatura do ex-deputado federal Geraldo Simões.

Também em entrevista exclusiva ao Pimenta, o secretário estadual de Relações Institucionais, Josias Gomes, disse acreditar que o nome da base governista em Itabuna será definido até abril.

Roberto José: dissidente.

Roberto José: dissidente.

DISSIDÊNCIA

Com a opção do prefeito em apoiar Davidson Magalhães, o policial civil e geógrafo Roberto José deverá entregar o cargo de presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) para disputar a prefeitura fora da base de Vane. Ainda filiado ao PSD do senador Otto Alencar, Roberto José pode migrar para o PRB, atual partido do prefeito, mas tem propostas do PMDB e do PPS.

Hoje cedo, o filósofo e professor Fernando Caldas sugeriu, em artigo, uma chapa composta por Davidson e Roberto José. A sugestão não caiu bem na Ficc. Um dos assessores de Roberto José disse que o policial civil e geógrafo não aceita ser vice nem ter Davidson como vice. Roberto ainda não se posicionou publicamente sobre a decisão de Vane.

DAVIDSON E ROBERTO JOSÉ: A COLIGAÇÃO MAIS FORTE

fernando caldasFernando Caldas | marimbeta@hotmail.com

 

Que Davidson e Roberto dialoguem (nos moldes propostos por Habermas), cientes de que o bem maior é Itabuna, sua história, seu futuro e seu povo, cuja antropologia tem uma longa jornada de dor e miséria.

 

Infelizmente, a política nacional realça as diferenças em detrimento aos pontos convergentes. O que resulta em fragmentação e, por empréstimo, quem sofre os resultados é o povo. Outra vez estamos à beira das eleições municipais. Sem uma definição clara de quem são os candidatos, embora haja vários pré-candidatos. Toda movimentação já está por aí.

Já não sonho com perfeições, mas com pequenos passos capazes de resultar num avanço para Itabuna. Em 2016, há nomes interessantes se apresentando. Ao meu ver, uma parte almeja contribuir com o desenvolvimento da cidade, cada uma numa perspectiva. Ocorre que há imensos vícios culturais na orbe política. Dessa forma, guetos se formam, quase sempre raivosos e caluniosos, repletos de adeptos fanáticos, capazes de ir às vias de fato se necessário.

Acho bom que Mangabeira coloque seu nome à prova. Trata-se de um médico que possui outras graduações e que já está engajado na ação política há alguns anos. Conheci Mangabeira quando eu era presidente do Grupo Grama e ele um militante ambiental. Época em que já discutíamos sobre dengue, Sucam e rio Cachoeira. Acho que seria um ótimo prefeito para Itabuna, sobretudo porque pretende um governo fora dos vícios políticos vigentes.

Também gosto de Carlos Lee ser candidato. Conheço Carlinhos desde AFI e sempre foi uma pessoa preocupada com o próximo, além de filho de John Leahy, médico que faz parte da história de Itabuna. Um homem do bem.

Não sei se Fernando Gomes será ou não candidato, mas também gosto da possibilidade dele voltar a ser prefeito. Fernando é indiscutivelmente o maior político da história de Itabuna. Acabei de escrever sua biografia, o que resultou em arrancar de mim preconceitos estereotipados que eu tinha em relação a ele. Fernando é muito preparado para o cargo, além de uma pessoa muito inteligente e generosa.

Acho Leninha e Zé Roberto pessoas especiais e bem intencionadas. Pedro Eliodório é também um homem sério e corajoso. Pena que as regras da política brasileira atem as mãos dos candidatos sem recursos financeiros.

Em 2016, não obstante, parece-me que o mais ousado para Itabuna será uma chapa que reúna Davidson Magalhães e Roberto José, como candidatos a prefeito e vice-prefeito. Essa ideia talvez cause espanto em alguns militantes dos dois lados. Contudo, raciocinando em profusão, creio ser essa a combinação capaz de garantir a evolução política de Itabuna, rumo à consolidação de uma etapa que não foi cumprida ainda com o governo Vane.

Davidson e Roberto se complementam em vários aspectos. O Deputado do PCdoB possui uma história belíssima de luta pelo Brasil e por Itabuna, em particular. Conheço-o desde meninos, jogamos muito futebol juntos e fiz parte de uma reunião (eu tinha 14 anos) em que Luiz Nova veio à Itabuna buscar jovens para ingressar na clandestinidade da luta por liberdade. Eu não me interessei, porque desde já eu era muito mais espiritualista que outra coisa. Não cria em luta armada ou em saída através do viés revolucionário (sempre fui e sou evolucionário). Mas, admirei muito a coragem de Davidson que transferiu sua missão na Igreja Presbiteriana para a causa socialista. Sofreu ameaças, foi preso, correu risco de vida. Votei nele para vereador, para deputado e para prefeito, em 1996. Davidson, tecnicamente falando é o candidato mais preparado.

Roberto José é a grande novidade da política itabunense. Em apenas 3 anos ele conseguiu fazer parte de um universo que muitos levam décadas para atingir. Graças, sem dúvida, a sua competência administrativa. Tanto frente à FICC quanto à Settran, ele conseguiu demonstrar como é possível ações objetivas e ótimas no confronto com problemas históricos. Aprendi a gostar de Roberto e a perceber boas intenções em suas ambições. Sua junção numa chapa ao lado de Davidson será perfeita por várias razões. Primeiro porque ambos são humanistas.

:: LEIA MAIS »

VANE, REELEIÇÃO E GERALDO

marco wense1Marco Wense

 

Como não acredito em nenhuma rebeldia por parte de Geraldo Simões, o mínimo que o ex-prefeito pode fazer é corpo mole na campanha ou, então, tentar indicar o vice na chapa majoritária.

 

E como fica Geraldo Simões? É a primeira pergunta que é feita quando o assunto é a possibilidade do prefeito Claudevane Leite disputar o segundo mandato.

Os que não acreditam na candidatura do alcaide usam até argumentos religiosos, dizendo, por exemplo, que o chefe do Executivo é evangélico e, como tal, não iria voltar atrás na sua decisão de não enfrentar as urnas.

Os irmãos, no entanto, sejam do mesmo templo ou não, concordam em um ponto: toda movimentação para que Vane dispute à reeleição é a prova inconteste de que a cúpula do PT não quer Geraldo Simões.

E quem mais tenta convencer o prefeito para que pegue a toalha do chão e enfrente mais um round é o governador Rui Costa, mesmo sabendo do preocupante índice de rejeição.

Rui sabe que a tão decantada unidade, que é imprescindível tanto pelo lado da oposição como do governismo, só será alcançada com o prefeito buscando o segundo mandato.

Davidson Magalhães e Roberto José, prefeituráveis do PCdoB e do PSD, legendas da base aliada do governo, já declararam que abrem mão das suas pretensões se Vane for o candidato.

Carlos Leahy, que é outro postulante pelo PSB, partido que tem cargos de primeiro escalão no governo estadual, fica numa posição de dúvida. A senadora Lídice da Mata, que preside a legenda, é aliada de primeira hora do governador.

Como não acredito em nenhuma rebeldia por parte de Geraldo Simões, o mínimo que o ex-prefeito pode fazer é corpo mole na campanha ou, então, tentar indicar o vice na chapa majoritária.

A conclusão de todo esse emaranhado, de todo esse imbróglio, é que o governador Rui Costa não tem um bom relacionamento político com Geraldo Simões.

PINÓQUIO

Tinha um fulano de tal, lá de Salvador, espalhando na cidade que o doutor Mangabeira teria desistido da candidatura. Veio a Itabuna somente com essa missão. Espalhou o boato e retornou a capital. Não adianta espernear, o prefeiturável do PDT só vai deixar de ser candidato depois do dia 2 de outubro. Deixem o homem se candidatar. Que coisa, hein!

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

ITABUNA: NOME DA BASE SERÁ DEFINIDO ATÉ ABRIL, DIZ JOSIAS GOMES

(Foto Pimenta)

(Foto Pimenta)

O governador Rui Costa espera haver unidade da sua base nas eleições municipais de Itabuna, lançando apenas um nome para disputar a sucessão no maior município sul-baiano. No último final de semana, o secretário estadual de Relações Institucionais, Josias Gomes, se reuniu com o ex-prefeito Geraldo Simões, pré-candidato a prefeito de Itabuna, e o presidente do PT baiano, Everaldo Anunciação, para costurar essa unidade.

Ao Pimenta, Josias disse que as negociações envolvem outros nomes do arco de alianças – Davidson Magalhães (PCdoB) e Carlos Leahy (PSB). “Esse processo será conduzido com calma. O nome da base deve sair até abril”.

Segundo Josias, o prefeito Vane do Renascer, que desistiu da reeleição, ajuda no processo de construção da unidade da base. Confira principais trechos da entrevista.

Blog Pimenta – O senhor se reuniu com petistas, o prefeiturável Geraldo Simões entre eles. Já existe uma definição do nome da base?

Josias Gomes – Conversamos com Geraldo e vamos construir essa unidade da base, identificar o melhor nome. Esse processo será conduzido com calma. O nome deve sair até abril. Estamos conversando com Vane, que ajuda nesse processo. Além de Geraldo, vamos também conversar com os outros candidatos da base, Davidson Magalhães e Carlos Leahy.

Pimenta – E Roberto José?

Josias – O que estamos propondo são as condições para que nossos partidos tenham uma candidatura. Nesse sentido, é de nosso interesse que ele consiga entender o propósito. E acho que dá para fazer isso muito bem. Vou aí [em Itabuna] para conversa com Davidson e, em seguida, fazer esse caminho.

Pimenta – O PSD apoiará o nome da base?

Josias – Otto [Alencar] tem sido um grande parceiro nosso. Temos estado com ele, já analisamos uma série de questões como, por exemplo, onde o partido tem interesse. Estamos muito alinhados. O PSD, assim como todos da base, tem sido parceiro. Nenhum [partido] tem se colocado em situação de confronto. Agora, é claro que cada partido tem um interesse eleitoral, ampliar número de prefeitos e vereadores.

Pimenta – E o PT, como se coloca nesse processo?

Josias – O presidente estadual do PT me disse que o partido deve apoiar aliados em mais de 300 municípios. E vai concorrer em pouco mais de 100. Ou seja, o partido vai apoiar, abrir mão na maioria dos municípios. Estamos buscando essa construção.

______________

PINHEIRO DE SAÍDA – Na visão dele próprio, seu ciclo no PT já se encerrou. E temos conversado no sentido de contribuir. É um grande parlamentar, é uma opção.

______________

 

Pimenta – O senador Walter Pinheiro deixará o PT? De fato, irá para o PSD?

Josias – Ele me disse que ainda não havia decidido. Na visão dele próprio, seu ciclo no PT já se encerrou. E temos conversado no sentido de contribuir. É um grande parlamentar, é uma opção. Ele deve ir para um partido da base [governista]. Conversou com o PDT, teve com Otto e com o pessoal da Rede.

Pimenta – Ou vai para a base de ACM Neto, como já foi especulado?

Josias – Eu não sei se houve isso, essa conversa. Seria uma coisa tão extravagante para a história dele fazer uma movimentação dessa… Não está no horizonte dele. Para mim, ele sempre negou [a ida para a base de Neto]. Pinheiro em 2010 não era o queridinho [do partido, quando foi eleito senador]. Teve nosso apoio. Fomos para cima e foi o escolhido com 80% dos votos da minha corrente [no PT, sendo depois eleito senador].

______________

CARMELITA, JABES E BEBETO – Como são nomes da base, preferimos que os partidos discutam, definam. Diferente de Itabuna. Estive com Carmelita, com Bebeto. Tenho conversado bastante.

______________

Pimenta – Falando da disputa no eixo Ilhéus-Itabuna, Professora Carmelita (PT) é candidata?

Josias – É sim. Lá, em Ilhéus, temos situação diferente da de Itabuna. Existem as candidaturas de Jabes e Carmelita. Podemos ter, também, Jabes e Bebeto. Carmelita pode fazer movimentação no sentido de apoiar Bebeto ou receber apoio do PSB. Pode resultar nisso: PT e PSB contra Jabes, esse tipo de situação. Como são nomes da base, preferimos que os partidos discutam, definam. Diferente de Itabuna. Estive com Carmelita, com Bebeto. Tenho conversado bastante. Demora um pouco mais pra definir em Itabuna.

______________

PESQUISA ELEITORAL EM ITABUNA – É o tipo de situação que não recomenda fazer projeção. Rui é um exemplo disso. Acabou eleito. Hoje, o que há é um sentimento. E pesquisa quantitativa não consegue identificar isso.

______________

Pimenta – O que as pesquisas sinalizam em Itabuna?

Josias – Não temos trabalhado com pesquisa quantitativa. Hoje, em fevereiro, não faz muita diferença para a eleição, que ocorre em outubro. Em 2012, [Jaques] Wagner pedia a desistência de Carmelita no início daquele ano. No período da campanha, chegamos a ter 32% a 30% entre ela e Jabes. É o tipo de situação que não recomenda fazer projeção. Rui é um exemplo disso. Acabou eleito. Hoje, o que há é um sentimento. E pesquisa quantitativa não consegue identificar isso. Em Itabuna, há o sentimento de setores da sociedade de que, isoladamente, sem ter esse diálogo com Estado e sem União, o prefeito não vai resolver as grandes questões daí.

Pimenta – E Salvador?

Josias – Há essa movimentação de PT mais PCdoB, PSD. Tem a candidatura de Sargento Isidório. Se esses partidos se entenderem para fazer confrontação política e ideológica com o Neto… Isso, espero que a gente consiga construir. Essa eleição não é fácil para Neto. Não se iluda. Sem ter contraponto, é fácil. Essa eleição em Salvador ainda tem desdobramentos. Rui é bem avaliado aqui. Teremos um confronto político bem interessante.

MINISTÉRIO ENCAMINHA A EXTINÇÃO DA CEPLAC

Davidson critica Ministério da Agricultura.

Davidson critica Ministério da Agricultura.

A notícia não poderia ser mais ameaçadora, para o futuro da pesquisa e extensão na área da cacauicultura, no dia em que a Ceplac completa 59 anos. O Ministério da Agricultura apresentou proposta para transformar o órgão federal em coordenação de secretaria. A denúncia é feita pelo deputado federal sul-baiano Davidson Magalhães, após participar de evento, ontem (19), na sede regional da Ceplac, na Rodovia Ilhéus-Itabuna.

– A Ceplac está ameaçada de esvaziamento e fechamento pelo Ministério da Agricultura e isto não podemos permitir – disse ele, acrescentando que a mudança, com reflexos nas áreas de pesquisa e extensão, está sendo imposta “sem debate, sem consultar ninguém”.

O parlamentar, assim como representantes de fóruns dos servidores federais, aponta que a mudança significará não apenas perda de recursos para a Ceplac, mas também fuga de funcionários qualificados e perda de poder de pesquisa e investimentos. Vice-presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Cacau, Davidson antecipou que o assunto deverá ser tratado em reunião da bancada federal baiana na próxima semana.

GRUPO DE TRABALHO DEFINE FLUXO DE RECURSOS DO “PACÃO” EM ITABUNA

Wenceslau, Kassab e Davidson discutiram o Pacão de Itabuna.

Wenceslau, Kassab e Davidson discutiram o Pacão de Itabuna.

O ministro Gilberto Kassab (Cidades) assegurou ontem (16) um fluxo de recursos para a retomada das obras de urbanismo em sete bairros da zona oeste de Itabuna, o chamado Pacão. O ministro e presidente nacional do PSD concedeu audiência ao deputado federal Davidson Magalhães e ao vice-prefeito de Itabuna, Wenceslau Júnior. Ambos foram ao encontro com o ministro com um representante da Papini Empreendimentos e Construções, que toca as obras.

– Criamos um grupo de trabalho para que possamos definir, com clareza, o que vai ser feito e quando será feito, no campo do saneamento, da mobilidade, da habilitação, compromissos que a gente quer ajudar a honrar nos próximos três anos – disse o ministro das Cidades.

Segundo Davidson, a obra traz tranquilidade quanto à continuidade das obras do Pacão. Desde o final de dezembro passado, as obras sofreram paralisação com férias dos trabalhadores e, na sequência, falta de repasse do governo federal. A obra está estimada em mais de R$ 32 milhões. Esta foi a segunda audiência, neste mês, com o ministro das Cidades para tratar do Pacão. No início do mês, Kassab já havia assegurado a continuidade da obra ao prefeito Claudevane Leite.

VANE DEFINE CANDIDATO GOVERNISTA ATÉ MARÇO E DEFENDE UNIDADE DA ESQUERDA

Vane discursa no QG contra Aedes aegypti (Foto Pimenta).

(Foto Pimenta).

O prefeito Claudevane Leite revelou ao Pimenta que o nome do governo para a sucessão municipal será definido, no máximo, até o início de março. Os mais cotados são o deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) e o presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto José. Ele sinaliza que poderá trabalhar pela união das esquerdas.

Confira trechos da entrevista concedida momentos antes da entrega das instalações do QG de monitoramento e combate a vírus transmitidos pelo Aedes aegypti. Vane, aliás, cobra mais envolvimento da sociedade no combate à epidemia. “90% dos focos estão dentro das casas”, explica.

Blog Pimenta – Quando será definido o nome do governo à sucessão municipal?

Claudevane Leite – Até o final de fevereiro, início de março, a gente define essa questão. Em setembro (do ano passado), anunciei que não disputaria a reeleição. Sentaremos com os partidos da base para conversar, possivelmente já na próxima semana.

Pimenta – O nome do governo poderá ser de fora da base de apoio?

Vane – Vamos definir o nosso nome. Depois, vamos conversar com o governador Rui Costa para ver se unimos toda a esquerda [em torno de um nome].

Pimenta – Existe a possibilidade de recuo da decisão de não disputar a reeleição?

Vane – Há uma expectativa, as pessoas cobram para que eu saia [candidato], mas não existe a mínima possibilidade.

Pimenta – O sr. é do PRB. O partido terá candidato?

Vane – Houve essa discussão, o partido tem interesse, mas não serei [candidato]. A direção do PRB anunciou que pretende ter candidato e o nome de Tom [Ribeiro, apresentador do Balanço Geral, da TV Cabrália] foi cogitado.

Pimenta – Pesquisas qualitativas detectam, a seu favor, conceitos como transparência e até honestidade. Esse contexto não o estimula a sair candidato?

Vane – Os partidos da base e pessoas da sociedade comentam, reconhecem esse trabalho, mas não existe [possibilidade].

Pimenta –  Fazendo uma autocrítica, o município falhou nas ações preventivas contra o mosquito Aedes aegypti?

Vane – Olha, quando assumimos, em 2013, Itabuna tinha índice de infestação predial superior a 27%. Desde lá, trabalhamos e reduzimos para 13%. É mais da metade. Nenhuma cidade conseguiu isso e nosso trabalho foi referência para a Bahia. O trabalho foi feito. Veja que 90% dos criadouros, das larvas são encontrados dentro das casas. A sociedade precisa entender isso e colaborar mais. A zika e outras doenças [causadas pelo] Aedes aegypti são um problema mundial.

ROBERTO JOSÉ NO PROS?

Roberto José de olho no PR (Foto Thiago Pereira).

Roberto José de olho no PR (Foto Thiago Pereira).

Diz o semanário A Região, em sua Malha Fina, que o presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), Roberto José, está de malas prontas para o PROS. A decisão teria sido tomada ao saber (definitivamente) que o seu partido, o PSD, não terá candidato a prefeito no município, por decisão do senador Otto Alencar.

Verdade ou não, o PROS é o partido que foi para a base (?) do Governo Vane para, justamente, garantir uns dois minutos de televisão ao projeto de candidatura do deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB). E, claro, assegurou uma secretaria, exatamente a então ocupada por Roberto, a de Transporte e Trânsito (Settran).Fi

VANE PEDE UNIÃO DA BASE E DAVIDSON DIZ QUE OPOSIÇÃO “É BAÚ VELHO”

Mirando Davidson e Roberto José, Vane pede união da base (Foto Lucas França).

Mirando Davidson e Roberto José, Vane pede união da base (Foto Lucas França).

O prefeito Vane do Renascer pediu unidade política à sua base de sustentação, ontem à noite, durante jantar em uma churrascaria de Itabuna. Durante o encontro, Vane creditou ao seu governo a transparência – a partir de dados da Controladoria-Geral da União (CGU) e aprovação das contas do município, após 12 anos, pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Embora tenha preferência pelo deputado federal Davidson Magalhães, o prefeito não anunciou a quem irá apoiar em 2016. Nos bastidores, trabalha para que o presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto José, que é do PSD, apoie o parlamentar federal. Não está fácil. Roberto José tem se inclinado mais para o petista Geraldo Simões. E, tarefa mais difícil, sonha ser o ungido da base.

Davidson foi o convidado especial do jantar com secretários municipais e vereadores. E o comuna centrou fogo na oposição. “[É] um baú velho que se imagina conter grandes novidades”, disse, para quem o retorno dos opositores ao poder local será retrocesso para o município.

Hoje, o governo conta em sua base com o apoio do PRB, PCdoB, PSD, PP, PPS, PEN e PROS, este último após a chegada do secretário de Transporte e Trânsito, Abrahão Ribeiro, ex-petista e ex-democratas.

“Estamos trabalhando para aumentar ainda mais esta base política, fato que será positivo para Itabuna e para todos os itabunenses. A grande maioria não quer ver o retrocesso para a cidade e as más notícias para sua gente”, disse o prefeito Vane.

OS PRÉ-CANDIDATOS (OU PREFEITURÁVEIS)

marco wense1Marco Wense

 

Mais de 60% do eleitorado não pretende votar em candidatos que já administraram Itabuna, o que não deixa de ser uma preocupação para o trio Fernando Gomes, José Nilton Azevedo e Geraldo Simões.

 

 

Deve ter mais. Mas os que aparecem na mídia são 14 pré-candidatos à sucessão do prefeito Claudevane Leite (PRB), que desistiu da reeleição, portanto da disputa do segundo mandato.

Fernando Gomes (DEM) – Já foi prefeito de Itabuna por quatro vezes. Vai atrás do quinto mandato. Conhece as entranhas do jogo político. Tem um eleitorado cativo. Enfrenta dois problemas: uma possível inelegibilidade em decorrência da Lei da Ficha Limpa e um altíssimo índice de rejeição.

Augusto Castro (PSDB) – Deputado estadual pelo tucanato. Só sai candidato se Fernando Gomes abrir mão de sua pretensão ou se for impedido pela justiça. É tido como político habilidoso, que não mede esforços para alcançar seus objetivos. Sonha mais com o Parlamento Federal do que com a prefeitura de Itabuna.

Capitão Azevedo (DEM) – Derrotado na última sucessão, quando tentou se reeleger, o militar sabe que a preferência do demismo municipal, sob a batuta de Maria Alice Pereira, é por Fernando Gomes. Tem vontade de sair da legenda, mas falta coragem. A política não costuma perdoar os desprovidos de determinação, audácia e ousadia.

Geraldo Simões (PT) – Duas vezes chefe do Executivo. Não tem a simpatia da alta cúpula do petismo. Ou seja, do presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, do secretário de Relações Institucionais Josias Gomes e, obviamente, do governador Rui Costa. Outro obstáculo é ser de um partido que vive o seu pior momento. Recente pesquisa do Datafolha mostra que a associação entre o PT e a corrupção cresceu na percepção do eleitorado.

Antônio Mangabeira (PDT) – Pré-candidato pela primeira vez. É médico, bacharel em direito, administrador de empresas e estudante de engenharia civil e ambiental. É o novo da sucessão de 2016. O fato de ser mais administrador do que político agrada uma considerável fatia do eleitorado já saturada com a política e a politicagem. A existência de um vácuo político, ávido por mudanças e por um candidato sem vícios, pode eleger o pedetista. É a campanha que mais surpreende.

Roberto José (PSD) – Deve ter consciência de que dificilmente será o candidato do prefeito Vane. Vai terminar sendo o vice mais cortejado, seja por Davidson Magalhães ou por Geraldo Simões. O comandante-mor do seu partido, senador Otto Alencar, é defensor da estratégia de que o governismo só deve ter um candidato em Itabuna.

Davidson Magalhães (PCdoB) – Disputa com Geraldo Simões a condição de candidato do governador Rui Costa. O problema maior, o grande entrave da sua pré-candidatura é a ligação e a co-responsabilidade com um governo que tem 85% de desaprovação. Não pontuou bem na última pesquisa de intenção de votos realizada pelo instituto Babesp.

Confira a íntegra do artigo clicando no link :: LEIA MAIS »

ALDENES ESPEROU E…

Depois da tempestade, Aldenes indicou Héllade para o SAC ( Reprodução Políticos do S da Bahia).

Aldenes indicou Héllade para o SAC (Foto Políticos do Sul da Bahia).

O deputado federal Davidson Magalhães esperneou e atirou, quando perdeu a indicação da chefia do Detran em Itabuna. À época, fez ameaças diretas ao presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Aldenes Meira, caso este indicasse alguém para a gerência do SAC em Itabuna.

A tempestade passou, tudo se ajeitou e Aldenes, baiano que faz política em estilo “mineirinho”, indicou Héllade Guimarães para o comando do posto do SAC em Itabuna. Já está nomeada.

A escolha de Aldenes foi considerada positiva por setores da esquerda, dado o perfil de Héllade, que já passou pelo Cesol Litoral Sul e tem histórico ligado ao movimento estudantil superior e da juventude.

Em tempo: Davidson percebeu, tempos depois, a furada em que embarcou ao atirar com gosto no deputado estadual Rosemberg Pinto, um dos nomes de confiança do governador Rui Costa. Inteligente que é, recolheu a metralhadora.

DEPUTADOS FEDERAIS GASTAM R$ 1,2 MILHÃO EM ALUGUEL DE CARRO; DAVIDSON É O 4º

Davidson diz que fez opção pelo menor preço.

Davidson: opção pelo menor preço.

O deputado federal Davidson Magalhães aparece em quarto lugar dentre os deputados federais baianos que mais gastaram verbas indenizatórias com locação de veículos.

De acordo com levantamento, foram R$ 66.875,00 em nove meses de legislatura, segundo revela o Bocão News. É superado por Afonso Florence (PT) e José Carlos Aleluia (DEM), que gastaram R$ 80 mil cada um, e Cláudio Cajado (DEM), com gasto de R$ 70 mil.

Os carros de Davidson foram alugados na Universo Locadora, empresa em nome de Alba Regina Cardoso e Alessandra Cardoso, ambas irmãs de um dos principais nomes do PCdoB no sul da Bahia, Ramon Cardoso.

“OPÇÃO PELO MENOR PREÇO”

Ao Pimenta, Davidson respondeu que os carros alugados, diferentemente do informado foram um Santa Fé e um VW Gol. A opção pela Universo Locadora, disse ele, se deu porque a empresa ofereceu o menor preço do mercado para locação dos mesmos.

Questionado se considerava natural alugar os veículos em uma empresa com quadro societário formado por parentes de um dirigente do PCdoB, o deputado respondeu, por meio de sua assessoria, que considerava normal, “pois a escolha foi baseada no menor preço do mercado”.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia