WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Dilma’

A DESCONSTRUÇÃO DE AÉCIO NEVES

ricardo bikeRicardo Ribeiro | ricardo.ribeiro10@gmail.com

 

Hoje, Aécio afirma a disposição de manter “tudo o que deu certo” nos governos petistas; amanhã ele terá que aplicar o receituário tucano e muito do que deu certo começará a dar errado.

 

A dinâmica imprime a essas eleições presidenciais um nível de emoção inédito. São reviravoltas e ultrapassagens no último instante, fazendo com que em momento algum a fotografia possa ser vista como o quadro definitivo.

No primeiro turno, Aécio Neves (PSDB) chegou a ser descartado. Até mesmo a imprensa que lhe serve passou a tratá-lo como carta fora do baralho, diante do crescimento de Marina Silva (PSB). As incoerências e inconsistências da ex-ministra do Meio Ambiente, exaustivamente apontadas tanto por tucanos como por petistas, desconstruíram a candidata e Aécio recuperou espaço. Acabou no segundo turno.

Aécio cresceu porque ficou em uma zona de conforto na primeira etapa da disputa, quando a artilharia pesada se voltou contra Marina. Já no segundo tempo, a situação é bem diferente e são as inconsistências do tucano que se encontram em evidência. A hora é de desconstruir o ex-governador de Minas Gerais, cujo telhado é de vidro.

A fragilidade tucana ficou evidente com o resultado do primeiro turno em Minas, onde Dilma venceu, assim como o candidato do PT ao governo estadual, Fernando Pimentel, liquidou a fatura sem necessidade de tira-teima. Por que Aécio perdeu no Estado que governou? Essa é uma pergunta que mexe com a imaginação de indecisos e até de gente que, sem maiores reflexões, já optou pelo candidato do PSDB.

Desvio de recursos da saúde, política fiscal de baixo desempenho (segundo números apresentados pela Folha de São Paulo), abusos detectados em obras feitas para beneficiar a parentela, e por aí vai. Isto sem falar em outras informações desabonadoras que constam no histórico do candidato, como a de que, aos 17 anos, ele começou a vida pública como fantasminha camarada. Enquanto curtia seu “dolce far niente” de jovem playboy na belíssima orla carioca, era empregado em Brasília, no gabinete do pai, Aécio Cunha, que foi deputado da Arena e do PDS (partidos que deram sustentação aos militares). E viva o dom da ubiquidade!

O governador da Bahia, Jaques Wagner, já disse que não vê em Aécio a menor condição moral para dar lições de ética a quem quer que seja. A biografia do tucano corrobora essa posição. Ontem, no debate da Band, todos perceberam o desconforto do candidato quando Dilma perguntou sobre a Lei Maria da Penha e o combate à violência contra as mulheres. Nas entrelinhas, havia a referência subliminar a outro episódio desabonador no histórico do adversário.

Aécio se apresenta como um caminho para a mudança, apostando no poder de sedução que a palavra incorpora. Entretanto, na cartilha da direita, o verbete significa priorizar o capital em detrimento do social e reduzir o papel dos bancos oficiais como instrumento de políticas públicas. Hoje, Aécio afirma a disposição de manter “tudo o que deu certo” nos governos petistas; amanhã ele terá que aplicar o receituário tucano e muito do que deu certo começará a dar errado.

Percebe-se claramente que as diferenças entre os nomes que se apresentam para governar o Brasil vão além das biografias. Elas têm a ver com o modelo de país que se propõe.

Ricardo Ribeiro é advogado e blogueiro.

P.S. –  Antes que alguém reclame de que o texto é tendencioso, vai aqui um esclarecimento: um artigo assinado representa o ponto de vista de quem assina e é de sua natureza ser “tendencioso” (no sentido cristalino de apontar para uma tendência). Não se trata de notícia, mas da opinião. Caso não tenha ficado claro, o que é improvável, o autor salienta que vota na candidata do PT.

CORRUPÇÃO, NEPOTISMO E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER DOMINAM DEBATE NA BAND

Dilma e Aécio se enfrentaram no primeiro debate do 2º turno (Foto Site Band)

Dilma e Aécio se enfrentaram no primeiro debate do 2º turno (Foto Site Band)

Da Redação

A Band promoveu um dos mais tensos debates presidenciais da história. Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) confrontaram-se por mais de 1h20min. Corrupção, violência contra a mulher, Petrobras, programas sociais, economia e nepotismo foram assuntos mais presentes no debate.

O momento mais tenso ocorreu no terceiro bloco, quando Dilma Rousseff perguntou a Aécio as suas políticas de combate à violência contra a mulher. O tucano, sempre irônico até ali, mudou a fisionomia e abrandou mais a voz em quase todo o bloco. Recuperou-se no seguinte.

No questionamento sobre ações de proteção à mulher, ficou implícita mensagem de Dilma para Aécio, acusado de agredir a sua acompanhante, em 2009, com um empurrão e um tapa em evento da Calvin Klein, no Hotel Fasano, no Rio de Janeiro.

A história da agressão é contada pelo jornalista Juca Kfouri, da Folha de São Paulo e do portal Uol. A assessoria do candidato desmentiu a agressão à época, mas Kfouri disse que manteria a notícia (relembre aqui). À época, Aécio era governador de Minas Gerais.

Outros assuntos incômodos foram o Aeroporto de Cláudio (MG), construído em terras de um tio de Aécio e o emprego de famílias do candidato no governo mineiro. Aécio acusou a adversária de ser “leviana”.

CORRUPÇÃO

Dilma Rousseff abusou do tema Pronatec e foi “prensada” por Aécio em temas como a corrupção na Petrobras. O tucano repetiu gesto de debates anteriores e sacou da cartola uma ata da demissão de Paulo Roberto Costa da Petrobras, homem que terá que devolver mais de 25 milhões de dólares aos cofres públicos, dinheiro desviado da companhia petrolífera. Dilma defendeu-se dizendo que Costa foi demitido pelo seu governo, no início de 2012, e os fatos de corrupção vieram à tona dois anos depois.

O clima de tensão, aliás, permitiu à Band, segundo dados da própria emissora ficar por dois terços do tempo do debate na liderança da audiência em São Paulo. Os números, no entanto, não foram divulgados. A audiência é aferida por um instituto, o Ibope.

Dilma ainda retrucou afirmando que, diferentemente dos tempos petistas, os escândalos do período do Governo Fernando Henrique, do PSDB, não foram investigados. A presidente e candidata à reeleição teve desempenho titubeante nos blocos iniciais e melhorou a partir do terceiro bloco, quando citou os casos de nepotismo e a violência contra a mulher.

PETISTAS E TUCANOS AMPLIAM MOBILIZAÇÃO EM ITABUNA

psdbxpt

Apoiadores das duas candidaturas à presidência da república reforçam a mobilização esta semana em Itabuna.

Na quinta-feira (16), os tucanos se reúnem às 10h30 no Hotel Tarik, sob a coordenação do deputado estadual reeleito Augusto Castro e da presidente local do DEM, Maria Alice Pereira, com a presença do deputado federal eleito João Gualberto (PSDB). A intenção é reunir profissionais liberais e empresários que apoiam o candidato tucano Aécio Neves.

A campanha de Dilma no Sul da Bahia, por sua vez, reuniu prefeitos e outras lideranças nesta terça-feira (14) para programar ações que serão realizadas até o “Dia D”. A primeira delas será uma caminhada em Itabuna, na sexta (17), às 14 horas, com a presença do governador eleito Rui Costa.

A mobilização dilmista terá sequência com caravanas por diversos municípios da região, entre os dias 18 e 23.

VOX POPULI: DILMA TEM 45% E AÉCIO SURGE COM 44%

Aécio e Dilma aparecem empatados em pesquisa Datafolha.

Aécio e Dilma aparecem empatados em pesquisa Vox Populi.

Pesquisa Vox Populi, encomendada pela TV Record, Record News e R7, indica que a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e o candidato Aécio Neves (PSDB) estão tecnicamente empatados na corrida ao Palácio do Planalto. A petista, porém, aparece um ponto percentual à frente do tucano, segundo o levantamento divulgado nesta segunda-feira (13).

Em relação às intenções de voto, Dilma Rousseff tem 45% e Aécio Neves aparece com 44%. Os brancos e nulos são 5% do total, enquanto que os eleitores indecisos também somam 5%. Como a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, os dois candidatos estão empatados tecnicamente.

Considerando apenas os votos válidos, ou seja, sem as intenções votos em branco e nulo e os eleitores que não sabem em quem vão votar, outro empate técnico: Dilma aparece com 51% e Aécio totaliza 49%.

A pesquisa ouviu 2.000 eleitores em 147 cidades de todas as regiões do País entre o sábado (11) e domingo (12). A margem de erro do levantamento é de 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-01079/2014.

DILMA E WAGNER CRITICAM DISCRIMINAÇÃO DO PSDB CONTRA NORDESTINOS

Dilma durante trajeto até à Colina Sagrada nesta quinta (Foto Mateus Pereira).

Dilma durante trajeto até à Colina Sagrada nesta quinta (Foto Mateus Pereira).

Marival Guedes

A presidenta Dilma Rousseff, em visita hoje (9) a Salvador, criticou os ataques discriminatórios que o nordeste vem sofrendo por causa da expressiva quantidade de votos que ela obteve nesta região. A discriminação é alimentada por setores do PSDB, do candidato Aécio Neves, a  exemplo das declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista ao portal UOL, um dia após o primeiro turno das eleições.

O ex-presidente tucano disse que “o PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres. Não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados”, atacou. Dilma disse que não se pode deixar de valorizar a diversidade e considerou muito grave atribuir a sua votação ao discurso de que as pessoas que votaram nela não são qualificadas, são desinformadas, não sabem o que estão fazendo.

Essa é uma conversa velha, disse, e afirmou: “vim aqui dizer que não só agradeço, mas eu respeito extremamente essas pessoas, esses cidadãos e cidadãs que votaram em mim e me orgulham muito esses votos”. A presidenta pontuou ainda que “sem o Nordeste, sem a Bahia, este país não seria a nação que nós amamos, não seria o país que defendemos e pelo qual lutamos todos os dias.”.

Acompanhando a presidente-candidata, Wagner criticou o que classificou de mentiras, proferidas pelos opositores durante a campanha e a discriminação após a derrota. “Mentiram muito, mas a mentira tem pernas curtas, disse Wagner em tom de desabafo.
Para o governador, “a palavra encanta, mas o que sustenta é o trabalho realizado”. Ele agradeceu o apoio e disse que ficou muito gratificado por ter elegido um jovem para governar a Bahia.

DISCRIMINAÇÃO

Quanto à discriminação contra o povo nordestino, o governador disse que, “no desespero, eles estão destilando o ódio. Isso é preocupante. Não vamos tirar o valor da paz interna do nosso povo, do nosso país. Somos todos brasileiros, cada região com suas características”.

Rui Costa, eleito governador com 54,53%, agradeceu e reafirmou compromissos. Disse que não vai descansar “até o dia da eleição para que Dilma tenha mais votos que teve no primeiro turno”. A presidente venceu em todos os municípios baianos, com exceção de Buerarema, que receberá as visitas do governador Jaques Wagner e Rui Costa na próxima semana.

No encontro, representando as prefeituras, discursou a prefeita de Nova Redenção, Ana Guadalupe. onde Dilma teve 87,69% dos votos e Rui 88,70%. Ela agradeceu a atenção que os governos Wagner e Dilma deram aos municípios e disse confiar que o projeto terá segmento.

O vice-governador eleito, João Leão destacou os programas sociais e os investimentos em infraestrutura a exemplo das obras da Ferrovia de Integração Leste Oeste.

:: LEIA MAIS »

AUGUSTO CASTRO: “O QUADRO ATUAL AUMENTA MINHA RESPONSABILIDADE”

augusto castroEntre os candidatos a deputado estadual com base em Itabuna, Augusto Castro (PSDB) foi o único a se (re)eleger. Além disso, comemora crescimento com relação ao número de votos que obteve em 2010 e busca se posicionar como representante maior do campo de centro-direita no município, onde disputa espaço com os ex-prefeitos Capitão Azevedo (derrotado na tentativa de alcançar uma vaga na Assembleia Legislativa) e Fernando Gomes.

Nesta entrevista ao PIMENTA, Augusto comenta o resultado das eleições, tenta explicar a derrota de Paulo Souto e critica o governo federal pela postura adotada no conflito de terras entre índios e agricultores na região de Buerarema.

Confira os principais trechos:

PIMENTA – Você saiu da eleição com 55.650 votos. O número está dentro do que era esperado?
Augusto Castro – Foi um resultado muito importante, primeiro porque eu consegui ampliar minha votação em Itabuna. Saí de 8 mil para quase 13 mil votos aqui, o que é um crescimento muito importante em uma cidade onde havia mais de 12 candidaturas a deputado estadual, sem falar que mais de 200 candidatos receberam votos em Itabuna. Consegui também ampliar minha presença na região Sul da Bahia e, fora isso, tive quase 5 mil votos em Ipirá, mais de 8 mil votos na região Oeste, e conseguimos abrir também em outras regiões.

PIMENTA – Mas a votação não foi aquém do esperado?
AC – Era uma votação esperada, correspondente ao trabalho que consegui desenvolver ao longo dos quatro anos e pela atenção que dei aos municípios onde fui votado na eleição passada. Desse modo, conseguimos consolidar uma liderança dentro da estrutura partidária.

PIMENTA – Como você vê a perda de representatividade política da região, a partir do resultado dessas eleições?
AC – A região perdeu representatividade, já que a quantidade de deputados com base local diminuiu. Ficamos sem o mandato do colega Coronel Santana, o que foi uma perda realmente muito ruim para a região do cacau. Isso implica em menos espaço no cenário baiano. Além disso, a região tinha possibilidade de contar com três deputados federais e ficou com um, que é Bebeto, de Ilhéus. Pra gente é muito ruim, porque é preciso aumentar nossa força política, pensando em Itabuna e no desenvolvimento regional.

PIMENTA – Que papel você pretende desempenhar nesse cenário?
AC – O quadro atual aumenta minha responsabilidade, porque Itabuna hoje é uma cidade com mais de 200 mil habitantes, com muitas carências de infraestrutura e sem a presença do governo. A gente precisa redobrar nosso volume de trabalho, cobrando do governo os investimentos prometidos: Porto Sul, duplicação da rodovia Ilhéus – Itabuna, novo aeroporto de Ilhéus, o Hospital Regional da Costa do Cacau, a conclusão da barragem, a UPA de Itabuna, o aumento do efetivo policial… São demandas que a população cobra do governo e nós, como deputados e interlocutores da região junto ao governo do Estado, precisaremos ter uma ação efetiva para que esses compromissos saiam do papel.

PIMENTA – Na sua análise, por que Paulo Souto perdeu a eleição?
AC – Paulo Souto é um nome conhecido. Foi governador duas vezes, senador, e as pesquisas que foram realizadas pelo Ibope e por outros institutos o indicavam como o melhor candidato. Mas desde a quinta-feira anterior à eleição, houve uma mudança do cenário e passou a existir uma tendência de vitória do governador eleito Rui Costa. O que acontece na Bahia, e isso inclusive é histórico, é que, para ganhar a eleição para o governo estadual, é preciso vencer a disputa para presidente. Se não tiver esse parâmetro com a Presidência da República, fica difícil ganhar a eleição. A expectativa nossa é agora, com Aécio no segundo turno, com toda a condição de ser o próximo presidente. Aí sim, surge a possibilidade de no futuro mudar o governo do Estado.

PIMENTA – O governador Wagner acredita em ampliação da frente que Dilma teve no primeiro turno. Como você vê essa expectativa?
AC – Eles vão apoiar todas as fichas no fortalecimento da presidente Dilma aqui na Bahia, mas, ao mesmo tempo, o entusiasmo e a motivação com a ida do PSDB para o segundo turno vão contribuir para que possamos diminuir a força de Dilma no Estado. Há uma expectativa de vitória de Aécio, tanto na capital, onde temos o prefeito ACM Neto no papel de coordenador da campanha, como no interior. Estamos, inclusive aqui no Sul da Bahia, em um esforço concentrado para dar uma boa votação ao candidato do PSDB. Trabalharemos para ampliar a quantidade de votos e dar o primeiro lugar a Aécio na região. :: LEIA MAIS »

DILMA NA BA: “VIM AGRADECER E PEDIR MAIS”

dilma

Da Redação

A candidata a presidente da República, Dilma Rousseff, veio à Bahia agradecer os 61,44% dos votos válidos obtidos no primeiro turno da eleição e, segundo ela, “pedir mais”. Numa entrevista a um pool de emissoras de rádio, a petista destacou avanços da sua gestão e a prioridade a quem mais precisa, além de de projetos como Porto Sul, Ferrovia Oeste-Leste e Adutora do Algodão. “Queremos tornar perenes, perenizar mil quilômetros de rios no Nordeste” completou.

A entrevista foi concedida a Mário Kértesz, da Rádio Metrópole. Dilma ressaltou o crescimento da Bahia e do Nordeste brasileiro. “O Nordeste e a Bahia são uma prova de que precisavam de oportunidade”.

Além de gracejos como dizer que se acha “pardinha” e que tentará cavar uma vaguinha no Olodum, a presidente-candidata disse que ficará feliz, sendo reeleita, quando voltar à Bahia para inaugurar o trecho do metrô de Salvador até o aeroporto.

Dilma ainda destacou a importância da Via Expressa para desviar o movimento pesado de carga da região central da capital urbana. Ela ressaltou investimentos em convivência com a seca e segurança hídrica

PRONATEC E APOIOS NO SEGUNDO TURNO

O Pronatec, programa de formação de mão de obra para o mercado, também mereceu menção. “A Bahia bate recordes [no Pronatec] com mais de 460 mil matrículas – comemorou, ressaltando que o Governo FHC construiu 11 escolas técnicas, enquanto o período Lula-Dilma construiu 422 escolas técnicas federais em todo o país, 208 delas nos últimos quatro anos”.

Apesar do tucano Aécio Neves aparecer à frente nas pesquisas de segundo turno e na obtenção de apoios, a presidente disse estar “extremamente tranquila”. Questionada quanto aos apoios dos partidos, saiu-se assim:

– É importante o apoio dos partidos, mas sei que numa democracia ninguém controla o voto das pessoas. Confio muito na população. [Ela] Vai olhar para a urna e pensar o que é que é bom para o futuro do país, para o meu povo e para mim mesma? – disse.

DILMA EM SALVADOR NESTA QUINTA

Dilma retorna à Bahia para agradecer e pedir votos no segundo turno.

Dilma retorna à Bahia para agradecer e pedir votos no segundo turno.

Antes da caminhada do Largo de Roma até a Igreja do Bonfim nesta quinta (9), a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), terá reunião com prefeitos, vices, ex-prefeitos e deputados, no Museu do Ritmo, no Comércio.

Já a caminhada, está prevista para as 11 horas, com concentração na Praça Irmã Dulce, acompanhada do governador Jaques Wagner, do governador eleito, Rui Costa, do vice-governador eleito, João Leão, e do senador eleito Otto Alencar.

HORÁRIO ELEITORAL RECOMEÇA AMANHÃ

horario-eleitoral2O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, proclamou na sessão plenária desta terça-feira (7) o resultado oficial do primeiro turno das eleições para a Presidência da República.

A candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves, do PSDB, recebeu 33,55%. A homologação do resultado abre oficialmente o segundo turno das eleições. A votação será no dia 26 deste mês.

Com a medida, o horário eleitoral no rádio e televisão recomeça quinta-feira (9), no bloco noturno da TV. Serão 40 minutos, divididos entre os candidatos à Presidência da República e aos governos estaduais. Dilma e Aécio terão dez minutos, cada um, no programa eleitoral. Os candidatos a governador terão direito a mais dez minutos, cada um.

A apuração da votação em todo o país foi concluída ontem (6), às 9h18. As últimas urnas apuradas foram nos municípios de Pauini e Guajará, ambos no Amazonas.

61,44%: DILMA VEM À BAHIA AGRADECER VOTAÇÃO

Dilma, ao lado de Rui Cota, retorna à Bahia nesta quinta-feira. (Foto Vaner Casaes/BAPress).

Dilma, ao lado de Rui, retorna à Bahia nesta quinta-feira. (Foto Vaner Casaes/BAPress-Arquivo).

A presidente da República e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), estará em Salvador nesta quinta (9) para uma caminhada até a Igreja do Bonfim. Ela fará a atividade ao lado do governador eleito da Bahia, Rui Costa (PT), do senador eleito Otto Alencar, além do governador Jaques Wagner e de parlamentares. A petista enfrenta o tucano Aécio Neves neste segundo turno.

De acordo com a programação, a caminhada terá concentração às 9h, no Largo de Roma. “Ela vai agradecer ao povo baiano e ao Senhor do Bonfim a grande votação que teve neste estado”, diz o presidente do PT da Bahia, Everaldo Anunciação, coordenador da campanha de Dilma na Bahia.
Dilma venceu em praticamente todos os municípios da Bahia, onde obteve 61,44% dos votos. Ela foi derrotada apenas em Buerarema. A justificativa é a disputa por terras que envolvem indígenas e produtores rurais. Desde o ano passado, o município vive sob tensão. Mortes de produtores rurais e atos de vandalismo marcaram os últimos 18 meses na cidade.

DILMA E AÉCIO DISPUTARÃO 2º TURNO

Dilma, Marina e Aécio.

Dilma, Marina e Aécio.

Já estão definidos os candidatos que disputarão a presidência da República no segundo turno. A eleição ocorrerá em 26 de outubro.

Vão à peleja a candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), contra o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB).

Com 95,75% dos votos apurados, Dilma tem 41,22% dos votos apurados. Aécio alcançou 33,99%.

Marina Silva (PSB) atingiu 21,21%.

“VAMOS VENCER PORQUE TEMOS MILITÂNCIA E A APROVAÇÃO DO POVO”, DIZ EVERALDO

Everaldo: temos militância e aprovação popular.

Everaldo: temos militância e aprovação popular.

Presidente do diretório estadual do PT e coordenador da campanha à reeleição da presidente Dilma na Bahia, Everaldo Anunciação disse hoje que acredita em vitória de Rui Costa (governo), Dilma (presidência) e Otto Alencar (senado) “porque o PT tem militância e a aprovação do povo brasileiro”.

Para Everaldo, “o povo compreendeu os avanços proporcionados pelos governos Lula, Dilma e Wagner”. Ele disse também que o povo quer mais. “Daremos continuidade ao projeto de desenvolvimento econômico e inclusão social”, diz Everaldo entusiasmado com a força da militância e a receptividade das pessoas nas ruas.

PESQUISA IBOPE E VOTAÇÃO

O presidente estadual do PT também comentou a pesquisa de ontem (4) do Ibope, que aponta empate entre Rui Costa (PT) e Paulo Souto (DEM), ambos com 39%. “Nem o Ibope conseguiu esconder [a realidade eleitoral]”, ironizou, afirmando que as pesquisas internas apontavam cenário diferente, favorável ao petista.

Everaldo votará em Ilhéus, às 13 horas,  no Colégio Vitória, bairro da Conquista, local onde nasceu.

IBOPE: DILMA ATINGE 40%, MARINA VAI A 24% E AÉCIO MANTÉM 19%

Dilma atinge 40%, Marina oscila para 24% e Aécio mantém 19% no ibope.

Dilma atinge 40%, Marina oscila para 24% e Aécio mantém 19% no Ibope (Montagem ABr).

Pesquisa Ibope divulgada hoje (2), a três dias das eleições, mostra a candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com 40% das intenções de votos; Marina Silva, do PSB, com 24%,  e Aécio Neves, do PSDB, com 19%. A pesquisa foi encomendada pela Rede Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo. Na pesquisa anterior, divulgada no dia 30, Dilma tinha 39%, Marina, 25%, e Aécio, 19% da preferência dos entrevistados.

Esta é a penúltima pesquisa Ibope antes das eleições, a última será divulgada sábado (4).

Na pesquisa que saiu nesta quinta-feira, os candidatos do PSC, Pastor Everaldo, e do PSOL, Luciana Genro, tiveram, cada um, 1% das intenções de voto. Eduardo Jorge, do PV; Zé Maria, do  PSTU; Eymael, do PSDC; Levy Fidelix, do PRTB; Mauro Iasi, do PCB; e Rui Costa Pimenta, do PCO, juntos, ficaram com 1%. Votos nulos ou brancos somaram 8% e os indecisos, 7%.

Em relação aos votos válidos, se forem excluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, Dilma teria 47% dos votos, Marina, 28%, Aécio, 22%, Luciana Genro, 1%, e Pastor Everaldo, 1%. Os demais teriam menos de 1%.

Este é o mesmo procedimento usado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer a disputa no primeiro turno, o candidato precisa de 50% mais um dos votos válidos.

Na simulação de segundo turno entre Marina e Dilma, Dilma venceria com 43% dos votos e Marina ficaria com 36%. Brancos e nulos somariam 12% e 8% não sabem ou não responderam.

Em um segundo turno entre Dilma e Aécio, Dilma sairia vencedora com 46% contra 33% para Aécio. Brancos e nulos, 12%, e indecisos, 9%. Entre Marina e Aécio, Marina venceria com 38% dos votos contra 33% de Aécio. Brancos ou nulos somariam 18% e não sabem ou não responderam, 11%.

Quanto à rejeição aos candidatos, Dilma tem o maior índice, 29%; Aécio, 20%; Marina, 18%; Pastor Everaldo, 13%; Levy Fidelix, 13%; Eymael, 10%; Luciana Genro, 10%; Zé Maria, 9%; Mauro Iasi, 8%; Rui Costa Pimenta, 8%; e Eduardo Jorge, 7%.

A avaliação do governo Dilma foi considerada ótima ou boa por 39% dos entrevistados. Os que responderam regular somam 33% e os que consideram o governo ruim ou péssimo, 26%. Dois por cento não souberam responder.

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 205 municípios entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro. O nível de confiança da pesquisa é 95%, com margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-00942/2014. Da Agência Brasil.

DATAFOLHA: DILMA MANTÉM 40%, MARINA OSCILA PARA 24% E AÉCIO VAI A 21%

Dilma, Marina e Aécio.

Dilma, Marina e Aécio.

Da Agência Brasil

Pesquisa Datafolha divulgada hoje (2) mostra a candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com 40% das intenções de votos. Marina Silva, do PSB, aparece com 24%, e Aécio Neves, do PSDB, com 21%. Dada a margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, os dois últimos candidatos entram em empate técnico.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Na pesquisa anterior, apresentada dia 30, Dilma tinha 40%, Marina, 25%, e Aécio, 20%.

Na pesquisa divulgada nesta quinta-feira, os candidatos do PSC, Pastor Everaldo, do PSOL, Luciana Genro, e do PV, Eduardo Jorge, marcaram, cada um, 1% cada das intenções de voto. Zé Maria, do PSTU; Eymael, do PSDC; Levy Fidelix, do PRTB; Mauro Iasi, do PCB; e Rui Costa Pimenta, do PCO, têm juntos 1%. Votos nulos ou brancos somam 5% e os indecisos são também 5%.

Em relação aos votos válidos, se forem excluídos os brancos e nulos e os eleitores que se declaram indecisos, Dilma teria 45% dos votos, Marina, 27%, Aécio, 24%. Luciana Genro, Pastor Everaldo e Eduardo Jorge, teriam, cada um, 1%. Os demais candidatos teriam menos de 1%.

Este é o procedimento usado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer a disputa no primeiro turno, um candidato precisa de 50% mais um dos votos válidos.

Na simulação de segundo turno entre Marina e Dilma, Dilma venceria com 48% dos votos e Marina teria 41%. Na semana passada, Dilma tinha 49% e Marina, 41%.

Em um segundo turno entre Dilma e Aécio, Dilma sairia vencedora com 48% contra 41% dos votos. As porcentagens anteriores eram, respectivamente, 50% e 41%.

Quanto à rejeição aos candidatos, Dilma tem o maior índice: 32%. Marina tem 25%; Pastor Everaldo, 22%; Levy Fidelix, 22%; Aécio, 21%; Zé Maria, 18%; Eymael, 16%; Luciana Genro, 16%; Rui Costa Pimenta, 15%; Eduardo Jorge, 14%; e Mauro Iasi, 14%.

A avaliação do governo Dilma foi considerada ótima ou boa por 39% dos entrevistados. Os que responderam regular somam 36%. Já os que consideram o governo ruim ou péssimo foram 23%. Dois por cento não souberam responder.

O Datafolha ouviu 12.022 eleitores em 433 municípios do país nos dias 1º e 2 de outubro. O nível de confiança é 95%. Com margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, a pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-00933/2014.

DATAFOLHA: DILMA MANTÉM 40%, MARINA OSCILA PARA 25% E AÉCIO VAI A 20%

Dilma, Marina e Aécio.

Dilma, Marina e Aécio.

Pesquisa divulgada hoje (30) pelo Datafolha sobre intenções de voto para a Presidência da República mostra Dilma Rousseff (PT), à frente, com 40% das preferências do eleitorado, e diminuição da diferença entre os candidatos do PSB, Marina Silva, e do PSDB, Aécio Neves, que buscam o segundo lugar. Agora, Marina tem 25% das intenções de voto e Aécio, 20%.

É o quarto levantamento seguido que aponta queda de Marina e também com variação positiva do candidato do PSDB. No início de setembro, Marina tinha 20 pontos de vantagem sobre Aécio. Já no levantamento divulgado no dia 26, a vantagem tinha caído para 9 pontos. Se considerados apenas os votos válidos, excluindo os votos branco ou nulos, Dilma tem 45%, Marina 28% e Aécio 22%.

Nas pesquisas sobre um provável segundo turno, a vantagem de Dilma sobre Marina aumentou. Agora são 8 pontos de diferença: a petista está com 49% e a candidata do PSB, com 41%. Na pesquisa anterior, as duas estavam empatadas tecnicamente, 47% a 43%, respectivamente. Em uma simulação entre Dilma e Aécio no segundo turno, a candidata do PT também fica à frente, com 50% das intenções de voto, enquanto Aécio fica com 41%.

O Datafolha ouviu 7.520 eleitores em 311 municípios ontem (29) e hoje. Com margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, a pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00905/2014. Da Agência Brasil.

VOX POPULI: DILMA VAI A 40%, MARINA TEM 24% E AÉCIO ATINGE 18%

Pesquisa Vox Populi, encomendada pela Rede Record, mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderança com 40% das intenções de voto para a Presidência da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 24% das intenções e Aécio Neves (PSDB) com 18%. Na última pesquisa Vox Populi, Marina tinha 22% das intenções de voto e Aécio, 17%. Dilma manteve a mesma porcentagem.

Na pesquisa divulgada ontem (29), os candidatos Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC) tiveram 1% das intenções de voto cada um. Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram menos de 1% das intenções. Brancos e nulos somam 6% e 11% não souberam indicar um candidato ou não quiseram responder.

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Em disputa entre as candidatas Marina Silva e Dilma Rousseff, Dilma venceria com 46% das intenções contra 39% de Marina. Brancos e nulos somariam 9%, e 6% seriam os indecisos.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 48% das intenções contra 38% do candidato tucano. Os votos brancos ou nulos seriam 9%, e os indecisos 5%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi no sábado (27) e domingo (28). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. O número de registro na Justiça Eleitoral é BR-00888/2014. Da Agência Brasil.

CNT/MDA: DILMA AMPLIA VANTAGEM E VENCE MARINA POR 47,7% A 38,7% NO 2º TURNO

Dilma, Marina e Aécio.

Dilma, Marina e Aécio.

Pesquisa MDA divulgada nesta segunda-feira, o mostra que a presidente Dilma Rousseff ampliou a vantagem que tinha em relação a Marina Silva no primeiro turno da corrida ao Palácio do Planalto. Dilma subiu de 36% para 40,4% das intenções de voto. Marina oscilou de 27,4% a 25,2%, no limite da margem de erro na comparação para a sondagem divulgada no dia 23 de setembro. O candidato do PSDB, Aécio Neves, oscilou de 17,6% para 19,8%, também no limite da margem de erro (2,2 pontos porcentuais).

No principal cenário de disputa para segundo turno, Dilma venceria Marina por nove pontos de vantagem. A petista tem 47,7% contra 38,7% da candidata do PSB. No levantamento anterior, Dilma tinha 42% e Marina, 41%, em situação de empate técnico.

Na disputa entre Dilma e Aécio, a presidente também ampliou a diferença e se reelegeria com 49,1% contra 36,8% do tucano. A petista tinha 45,5% contra 36,5% do tucano.

Segundo a CNT, foram entrevistados 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 unidades federativas das cinco regiões do País, nos dias 27 e 28 de setembro. A margem da pesquisa de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-00992/2014.

Leia mais n´A Tarde

CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA ENTROU NA PAUTA DA CAMPANHA

GabrielGabriel Nascimento | gabrielnasciment.eagle@hotmail.com

A polarização entre Dilma e Marina se propõe importante. Nunca uma eleição contrapôs tão claramente candidatos a presidente em prol de minorias tão historicamente marginalizadas pelo silêncio

Essas eleições presidenciais vão entrar para a história como um marco para o movimento LGBTTS. Isso porque, pela primeira vez, a criminalização da homofobia entra na pauta eleitoral. Criando um efeito de polarização entre Dilma e Marina, o tema merece mais destaque do que o detalhe que ele está representando no atual período eleitoral.

O que a comunidade gay está assistindo é o movimento inequívoco de grupos de direitos humanos sendo, pouco a pouco, ouvidos em sentido programático pela sociedade brasileira, embora a ampla maioria dos meios de comunicação em massa sejam eles concentrados por um poder machista, racista e homofóbico, encenado em nosso país pela grande imprensa.

A polarização começou pela escolha conservadora de Marina em mudar o programa de governo por causa do sacerdote de sua igreja, o declarado homofóbico Pastor Silas Malafaia. Em segundo lugar, pela declaração da presidenta Dilma Rousseff, após debate promovido pelo SBT e Folha, dizendo que a homofobia deve ser criminalizada. Ao dizer isso, passou na frente do PT e de boa parte da esquerda que, após longos anos de comportamento estratégico e pragmático, não conseguiu fazer essa pauta avançar. Aquele foi o dia em que Dilma conseguiu estabelecer uma saudável polarização para o debate político. O fato de Marina se posicionar mais à direita nesse aspecto fez com que a declaração de Dilma fosse fundamental.

Porém, mesmo que defenda a criminalização da homofobia, a presidenta Dilma, caso reeleita, não terá um congresso ao seu favor. As pesquisas de intenção de voto têm demonstrado que a próxima composição do congresso nacional pode ser ainda mais conservadora. A tendência da bancada evangélica aumentar é muito grande e os direitos humanos têm sido a grande moeda de troca da bancada governista no Congresso Nacional. Um exemplo foi a permanência de Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara após longo ciclo de manifestações.

:: LEIA MAIS »

DATAFOLHA: DILMA AUMENTA VANTAGEM E VENCERIA MARINA NO SEGUNDO TURNO

Dilma, Marina e Aécio.

Dilma amplia vantagem, Marina cai e Aécio oscila um ponto.

Agência Brasil

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (26) mostra a candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com 40% das intenções de voto, Marina Silva, do PSB, com 27%, e Aécio Neves, do PSDB, com 18%. A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo.

A vantagem de Dilma sobre Marina no primeiro turno aumentou em relação à pesquisa anterior, divulgada no dia 19, na qual Dilma aparecia com 37% e Marina com 30%. Aécio estava com  com 17% das intenções de voto.

No levantamento de hoje, os candidatos Pastor Everaldo, do PSC, Luciana Genro, do PSOL, e Eduardo Jorge, do PV, aparecem cada um com 1% das intenções. Os demais candidatos, Zé Maria, do PSTU, Eymael, do PSDC, Levy Fidelix, do PRTB, Mauro Iasi, do PCB, e Rui Costa Pimenta, do PCO, têm, juntos, 1%. Votos nulos ou brancos somam 5% e são 6% os indecisos.

SEGUNDO TURNO

De acordo com a pesquisa, na simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, a candidata do PT alcançaria 47%, contra 43% da candidata do PSB, o que configura empate técnico considerada a margem de erro de 2 pontos percentuais. Na semana passada, Marina tinha 46% e Dilma, 44%.

Em uma possível disputa entre Dilma e Aécio, a petista venceria por 50% a 39%. Na semana passada, Dilma tinha 49% e Aécio, 39%.

REJEIÇÃO

Dilma tem 31% de rejeição; Marina, 23%; Pastor Everaldo, 22%; Aécio, 20%; Zé Maria, 17%; Levy Fidelix, 17%; Eymael, 16%; Luciana Genro, 15%; Rui Costa Pimenta, 14%; Eduardo Jorge, 13%; e Mauro Iasi, 13%.

Foram feitas 11.474 entrevistas, ontem e hoje (25 e 26), em 402 municípios. Com margem de erro de 2 pontos percentuais (para mais ou para menos) e nível de confiança de 95%, a pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00782/2014.

VOX POPULI: DILMA ATINGE 38%, MARINA TEM 25% E AÉCIO SOMA 17%

Dilma discursa para multidão em Feira de Santana (BA) ao lado de Rui Costa, candidato ao governo baiano pelo PT. Foi o último evento da presidente na Bahia neste primeiro turno das eleições (Foto Vaner Casaes/BAPress).

Dilma discursa para multidão em Feira de Santana (BA) ao lado de Rui Costa, candidato ao governo baiano pelo PT. Foi o último evento da presidente na Bahia neste primeiro turno das eleições (Foto Vaner Casaes/BAPress).

Pesquisa Vox Populi/Carta Capital divulgada nesta quinta (25) mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) com 38% das intenções de voto para a presidência da República. A candidata do PSB, Marina Silva, aparece com 25% e Aécio Neves (PSDB) com 17%.  A pesquisa foi divulgada pela revista Carta Capital.

Na última pesquisa, do dia 10, Dilma tinha 36% das intenções, Marina tinha 28% e Aécio, 15%. Votos nulos e brancos eram 7% e o percentual de indecisos estava em 13%.

Na pesquisa divulgada hoje (25), Pastor Everaldo (PSC) teve 1% das intenções de voto. Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram juntos 1%. Votos brancos e nulos somam 7% e os eleitores indecisos, 11%.

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Em uma disputa entre as candidatas Marina Silva e Dilma Rousseff, o empate técnico persiste. A petista tinha 41% e foi para 42%, enquanto a candidata do PSB passou de 42% para 41%.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 45% das intenções de voto contra 37% do candidato tucano. Na pesquisa anterior Dilma venceria por 44% a 36%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi feito na terça (23) e ontem (24). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-00757/2014. Da Agência Brasil.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia