WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
unime secom bahia primeiro emprego shopping jequitiba


maio 2017
D S T Q Q S S
« abr    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias


:: ‘economia’

CANA BRAVA RESORT FECHA 2016 COM CRESCIMENTO DE 31% E 82% DE OCUPAÇÃO

Canabrava registra crescimento de 31% em ano de crise.

Cana Brava registra crescimento de 31% em ano de crise.

A crise econômica – e o dólar – levou o brasileiro a priorizar viagens pelo País. Quem é do trade e investiu, ganhou mais. Veja o exemplo do Cana Brava Resort, de Ilhéus. Segundo números divulgados no Hotelaria, o empreendimento all inclusive fechou 2016 com 82% de taxa de ocupação e o faturamento cresceu 31% no período.

Para atingir estes resultados, o resort observou o mercado. Rafael Espírito Santo, diretor comercial do Cana Brava, dá a receita:

– Optamos por promover facilidades nas vendas diretas e indiretas dos nossos pacotes. Neste sentido, o parcelamento em até dez vezes e a gratuidade para duas crianças menores de 12 anos, foram duas medidas implementadas e bem aceitas.

PRAZO PARA REGULARIZAR SITUAÇÃO E PERMANECER NO SIMPLES ESTÁ TERMINANDO

Prédio da Receita Federal em Itabuna.

Prédio da Receita Federal em Itabuna.

As micro e pequenas empresas optantes pelo Simples Nacional que foram excluídas desse regime de tributação em dezembro têm até o dia 31 de janeiro para parcelar os seus débitos e pedir a reinclusão. Dos 299 mil pequenos negócios que perderam o direito ao Simples, cerca de 78 mil já aderiram ao parcelamento de até 120 meses, mas precisam fazer a opção novamente.  Ainda faltam 221 mil para regularizarem sua situação.

– Os donos de pequenos negócios devem correr e pedir o parcelamento. Ainda faltam 40% dos que foram notificados pela Receita em 2016. O prazo está acabando. Sair do Simples pode ser o decreto de falência. O Simples é uma cápsula protetora dos pequenos negócios – alerta o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Quase metade dos pequenos negócios que estavam com débitos no Simples Nacional, e que haviam sido notificados pela Receita Federal em setembro do ano passado, parcelou suas dívidas e permaneceu no sistema em dezembro. Das 584 mil micro e pequenas empresas que foram notificadas, 285 mil regularizaram a situação antes do final de 2016 para permanecer no Simples.

NOVA ADESÃO

Para voltar a ser optante, o empresário deve pagar ou parcelar suas dívidas e pedir uma nova adesão ao sistema até o final deste mês. O empresário que não se regularizar a tempo só poderá voltar a usufruir desse sistema de tributação em 2018.

A recomendação do Sebrae é que os donos de pequenos negócios com dívidas no Simples procurem seus contadores e peçam para eles aderirem ao parcelamento de até 120 meses, reincluindo a empresa no Simples. Para isso, o contador deve calcular o valor dos débitos e da parcela mais adequada. O pedido de parcelamento deve ser feito no Portal do Simples Nacional.

:: LEIA MAIS »

NETO: JEQUITIBÁ BUSCA SE CONSOLIDAR, ATÉ 2018, COMO SHOPPING COMPLETO

Neto diz que missão é consolidação como shopping completo até 2018 (Foto FEmpresarial).

Neto diz que missão é consolidação como shopping completo até 2018 (Foto FEmpresarial).

O Jequitibá trabalha para consolidar-se como shopping center completo até 2018, revela o diretor do Grupo Chaves, Manoel Chaves Neto, nesta entrevista. “Para que isso aconteça, temos que ter um shopping com cinema, academia, restaurantes, espaço para medicina e laboratório etc”, completa.

O executivo do Grupo Chaves também aborda, nesta entrevista, a crise econômica nacional e emite opinião quanto ao futuro da Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa).

Neto fala, ainda, das obras de construção da primeira unidade de uma das principais redes de loja de departamentos, a Renner, no sul da Bahia. A previsão é de que a inauguração ocorra antes do Dia das Mães. Confira.

Estrutura sendo edificada para abrigar loja e mais operações do shopping.

Montagem da estrutura da Renner e – em breve – cinema e estacionamento.

As obras estão dentro do prazo?

Sim. Iniciamos as obras da Renner em 13 de novembro. Ontem (sábado, 14), finalizamos toda a montagem estrutural – pilares, vigas e lajes – faltando apenas fechamento lateral e impermeabilização.

Toda esta obra foi para Renner?

A Renner terá uma loja de 2.100 metros quadrados em 2 andares, ligados internamente por escadas rolantes, escadas fixas e elevadores. Acima da Renner, no L3, já fizemos investimentos para que, num futuro próximo, utilizemos como estacionamento. Aproveitamos esta intervenção para fazer fundações e colocar pilares que suportem construção de deck park, prédio comercial, cinema…

A fase de fundação e montagem foi bem rápida. O que permitiu essa agilidade?

Optamos pelo método construtivo com pré-moldados, método este que nos dá mais velocidade, diante da necessidade da Renner de inaugurar a loja antes dos Dia das Mães. As equipes do shopping e da obra, afinadas com os objetivos comuns, foram também fundamentais para este êxito.

Estrutura terá capacidade para várias operações do shopping, incluindo academia e espaço para medicina e laboratório.

Estrutura terá capacidade para várias operações do shopping, incluindo academia e espaço para medicina e laboratório.

Qual a estimativa de geração de empregos com a Renner?

Nós acreditamos que uma loja deste porte deva gerar, inicialmente, 80 postos de trabalhos, sendo ao longo do tempo readequados para a realidade, entre 50 a 70 empregos.

A crise econômica tem afetado o movimento do Jequitibá?

Seríamos irresponsáveis se disséssemos que não, pois a crise atinge toda a população, de A a Z, quem consome, quem faz o varejo. Falando da crise no shopping, asseguro que atinge numa proporção bem pequena, sendo certo que são problemas pontuais. O que mais me preocupa é a falta de chuva, falta de água em nossa região.

Clique no “leia mais” e confira a íntegra da entrevista. :: LEIA MAIS »

BAHIAGÁS INVESTIRÁ R$ 500 MILHÕES NA CONSTRUÇÃO DO GASODUTO SUDOESTE

Gavazza anuncia licitação do Gasoduto do Sudoeste.

Gavazza anuncia licitação do Gasoduto do Sudoeste.

A Bahiagás deverá investir entre R$ 70 milhões e R$ 80 milhões, inicialmente, na construção do Gasoduto Sudoeste da Bahia, segundo o presidente da empresa, Luiz Gavazza. O gasoduto terá extensão inicial de 73 quilômetros e as obras devem começar ainda nesta ano, conforme Gavazza em entrevista ao Mercado Aberto, da Folha.

A linha de gás natural do sul até o sudoeste da Bahia terá investimentos totais de, aproximadamente, R$ 500 milhões para a instalação dos terminais e dos 300 quilômetros de duto. “Trata-se de um movimento de interiorização da rede de gás natural no Estado. Hoje, a estrutura está concentrada no nosso litoral”, disse Gavazza à coluna.

Com a expansão até o sudoeste baiano, a empresa controlada pelo Governo da Bahia, Gaspetro e Mitsui atenderá principalmente a indústria de mineração e um dos centros urbanos que mais crescem no estado, a região de Vitória da Conquista.

MÍNIMO DE 35% DE CACAU NO CHOCOLATE DÁ BASTA NO “FAZ DE CONTA”, DIZ BEBETO

Bebeto defende chocolate com mínimo de 35% de cacau puro.

Bebeto: chocolate com mínimo de 35% de cacau.

Um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados obriga as indústrias de chocolate a adicionar, no mínimo, 35% de cacau puro ao chocolate produzido no Brasil. Autor da proposta, o deputado Bebeto Galvão (PSB-BA) voltou a defender, ontem (24), na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços a mudança, que fortaleceria ainda mais a cadeia produtiva do cacau.

A medida, segundo Bebeto, busca a valorização do produtor e proteger o consumidor. “Quando se aumenta a massa de cacau na industrialização do chocolate, aumenta o nível de produção e provoca uma melhora comercial para quem produz”, acredita. Na outra ponta, está o consumidor. “Com esse projeto, daremos um basta a um verdadeiro faz de conta, afinal hoje em dia nós comemos massa hidrogenada dizendo que é cacau, comemos açúcar achando que é chocolate”, argumenta Bebeto.

O parlamentar baiano apelou por um consenso entre os setores envolvidos para garantir o avanço do projeto na Câmara. “Mesmo com toda boa vontade desta Casa e a dedicação da agricultura e dos deputados, não chegamos ainda a um texto de consenso com os representantes das indústrias que aportam sempre a este debate critérios de natureza técnica e impedimentos para chegar conclusivamente ao resultado”.

DEMANDA

Uma das discussões é se há oferta de cacau no mercado suficiente para atender a demanda gerada pela possível aprovação da lei. “A indústria do chocolate está disposta a indicar sugestão de aprimoramento no texto? Se é para convergir, é preciso fazer o esforço para a convergência”, provoca. Bebeto diz ver disposição do setores envolvidos para chegar a essa disposição. De acordo com ele, o projeto já deveria ter sido votado no início do ano. “Já chegamos a um limite que não dá para postergar mais esse debate”, completa”.

JEQUITIBÁ TERÁ LOJAS RENNER

Renner terá loja no Shopping Jequitibá.

Renner terá loja no Shopping Jequitibá.

Manoel Chaves Neto, do Jequitibá Plaza.

Neto, do Jequitibá.

O Shopping Jequitibá terá mais uma loja âncora com a chegada da Renner, segundo o empresário Manoel Chaves Neto antecipou ao PIMENTA.

A loja da Renner No centro de compras itabunense será inaugurada em abril de 2017, de acordo com o diretor do Grupo Chaves.

De origem gaúcha, a Renner é uma das maiores redes de roupas e acessórios do país. Neto também disse que outros dois assuntos estão bem encaminhados: estacionamento e cinema.

– Tenham certeza que estamos focados na [busca da] melhor solução para implantar os cinemas e mais vagas de estacionamento no Jequitibá.

CESTA BÁSICA AUMENTA 7,73% EM ITABUNA

Tomate tomou posto de feijão e registrou maior alta.

Tomate tomou posto de feijão e registrou maior alta.

O custo da cesta básica disparou em julho em Itabuna. Saltou de R$ 329,58 em junho para R$ 355,05 no mês passado, segundo levantamento do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Já em Ilhéus, a alta ficou em 5,84%. Saiu de R$ 355,15 para R$ 375,90 em igual período.

Feita em supermercados e feiras livres dos dois maiores municípios sul-baianos, a pesquisa constatou que o tomate foi o produto que mais forçou a alta da cesta básica, ficando 25,15% mais caro em Itabuna e 19,09% em Ilhéus.

O feijão ficou em segundo lugar entre os componentes da cesta básica com maior aumento em Itabuna (22,96%).

A alta do produto em Ilhéus foi bem menor, mas ainda considerável: 11,16%. Por lá, o arroz foi o vice em carestia em julho, alcançando alta de arroz 15,85%.

A pesquisa mensal feita pela Uesc detectou queda de 6,17% no litro do óleo, 2,93% no quilo de carne e 1,03% no quilo do açúcar, no comparativo entre junho e julho em Itabuna. Farinha (4,60%) e óleo (2,81%) foram as maiores quedas em itens da cesta básica em Ilhéus.

TECNOLOGIA E CIÊNCIA: O NOVO PENSAR DA REGIÃO CACAUEIRA

rpmRosivaldo Pinheiro | [email protected]

 

Temos respirado o ar da esperança na última década, fase posterior à queda da nossa principal cultura econômica, duramente atingida pela crise imposta pela vassoura-de-bruxa.

 

O sul da Bahia há muito alega que ao longo das últimas décadas não recebeu a atenção devida do Estado. A região cacaueira apresenta argumentos consistentes: custeou por extenso período a folha de pagamento estadual e ajudou a financiar a estruturação do Centro Industrial de Aratu e do Polo Petroquímico de Camaçari, mas não recebeu em contrapartida tratamento à altura dessa contribuição. O modelo econômico adotado pelo governo estadual sempre privilegiou Salvador e seu entorno.

Para uma corrente que reclama da desatenção dos governos estadual e federal, a raiz do problema está na falta de representatividade política.  O fato de elegermos baixo número de candidatos locais fragiliza a representação e dificulta as nossas reivindicações junto aos governos; perdemos na correlação de forças e, consequentemente, somos superados por regiões com maior representatividade política.

Outra corrente fundamenta que a não organização da cadeia produtiva acaba colaborando para a não implantação de mudanças estruturais necessárias diante dos poderes centrais, estado e União. A verdade é que as argumentações se fundem e, de fato, constatamos que a nossa região não recebeu, ao longo da sua existência, investimento proporcional ao grau de colaboração disponibilizado para o estado e para o país. A Ceplac é a clara materialização desse processo: nasceu a partir da articulação do capital produtivo lastreado na cacaicultura e sofre gradativo sucateamento em função da falta de força política necessária para o embate.

Temos respirado o ar da esperança na última década, fase posterior à queda da nossa principal cultura econômica, duramente atingida pela crise imposta pela vassoura-de-bruxa. O cacau, que já foi o principal gerador de renda do estado, responsável por quase 60% de toda a sua arrecadação, hoje dá sinais de recuperação, face à obstinação da classe produtora e ao implemento de ciência e tecnologia baseadas na pesquisa do cacau e na política de fabricação de clones com alto padrão genético pelo Instituto Biofábrica.

:: LEIA MAIS »

SEMINÁRIO DISCUTE PARTICIPAÇÃO DAS MICROEMPRESAS NAS COMPRAS PÚBLICAS

compras publicasUm seminário promovido pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), em parceria com o Sebrae e a União dos Municípios da Bahia (UPB), irá destacar a participação das micro e pequenas empresas nas compras realizadas pelo setor público. O evento acontece no dia 20, das 8 às 17 horas, na Faculdade de Ilhéus.

Segundo o gerente adjunto do Sebrae, Michel Lima, o objetivo é apresentar a importância para a economia regional das ações que fortalecem os pequenos negócios, com foco na legislação vigente, na transparência e no controle social”. A discussão gira em torno da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, que favorece este segmento nos contratos públicos.

Os interessados em participar do seminário podem se inscrever gratuitamente, no site do TCM ou pelo telefone (71) 3115-4581

Entre os palestrantes, estarão o diretor adjunto da Escola de Contas do TCM, Adelmo Guimarães; o auditor e conselheiro substituto Ronaldo Sant’Anna; o diretor da 1ª Diretoria de Controle Externo, Josival Santos; o diretor adjunto da Diretoria de Administração Municipal, Antônio Dourado; o assessor jurídico Alessandro Macedo e o ouvidor Emmanoel Reis.

 

TEMER: META É COLOCAR BRASIL NOS TRILHOS

Temer em evento do agronegócio, na capital paulista (Foto Beto Barata).

Temer em evento do agronegócio, na capital paulista (Foto Beto Barata).

O presidente interino Michel Temer disse hoje (4) que não teme propor medidas impopulares, se forem para melhorar o país. “O meu objetivo não é eleitoral. Se eu ficar mais dois anos e meio e conseguir colocar o Brasil nos trilhos, para mim basta. Não quero mais nada da vida pública”, declarou.

Temer participou nesta segunda-feira da Global Agrobusiness Fórum, na capital paulista. Ao discursar, ele disse que, em pouco tempo de governo, já conseguiu estabelecer uma conexão entre o Executivo e o Legislativo. “Num estado democrático, você depende do apoio do Congresso Nacional. Num estado autoritário, você o ignora”, disse.

Ele citou exemplos como desvinculação das receitas orçamentárias, a modificação da meta fiscal, a proposta limitadora de gastos (que terá também os estados incluídos) e a renegociação das dívidas dos governos estaduais.

Michel Temer defendeu, ainda, o aumento salarial do funcionalismo, que, segundo ele, foi prefixado, abaixo da inflação. “Se não fizéssemos aquele acordo em níveis abaixo da inflação, corríamos o risco de ter greve nos setores essenciais, uma coisa politicamente muito desastrosa para o país”, disse. Temer garantiu que o governo está empenhado na contenção de gastos. Da Agência Brasil.

FEIJÃO DEIXA CESTA BÁSICA MAIS CARA NA REGIÃO

Feijão pesou no custo da cesta em junho.

Feijão pesou no custo da cesta em junho.

Do A Região Online

A disparada do preço do feijão ajudou no aumento da cesta básica nos municípios do sul da Bahia em relação a maio. Em Ilhéus, a cesta passou de R$ 339,00 para R$ 355,00 no mês passado.

Além de aumento de 66% no preço do feijão, o levantamento mensal do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) apontou reajuste de 11,93% no valor da farinha de mandioca.

Já o tomate foi o produto que apresentou a maior redução de preço em junho em relação ao maio, com queda de 14%. O levantamento indica ainda que no primeiro semestre a cesta básica em Ilhéus registrou alta de 15%.

Em Itabuna, a cesta básica passou de R$ 323,00 em maio para R$ 329,00 em junho. Em apenas 30 dias, o quilo de feijão carioca aumentou 46,65%. O preço do produto está variando entre R$ 10 e R$ 14, a depender da marca e do estabelecimento.

COMÉRCIO DE ITABUNA FECHA 508 VAGAS DE EMPREGO NO ANO

Comércio de Itabuna corta mais de 500 vagas em cinco meses (Foto Arquivo).

Comércio de Itabuna corta mais de 500 vagas em cinco meses (Foto Arquivo).

Números divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) revelam fechamento de 158 postos de trabalho no mês passado em Itabuna. Comércio e serviços, cada um, cortaram 114 vagas de emprego com carteira assinada em maio.

A indústria de transformação e a construção civil caminharam em sentido oposto com a abertura de 50 e 35 novas vagas, respectivamente, de acordo com os dados do MTE.

Nos cinco primeiros meses deste ano, o saldo é negativo. Corte de 775 postos de trabalho. Os maiores responsáveis por este resultado ruim foram dois dos mais importantes setores da economia itabunense. O comércio cortou 508 postos de trabalho. No mesmo período do ano passado, o comércio havia eliminado praticamente a metade (255 vagas), conforme apurado pelo PIMENTA.

O setor de serviços eliminou outros 271.

A indústria foi o único dos setores mais representativos que apresenta bom resultado para o período de crise na economia local e nacional ao abrir 150 novos empregos. Em 2015, a economia grapiúna havia cortado 73 empregos, número bem menor do que o registrado agora (775).

ILHÉUS FECHA 924 VAGAS EM 2016

A situação do desemprego é ainda pior em Ilhéus. De janeiro a maio, a economia ilheense registrou corte de 924 postos de trabalho.

O setor onde ocorreu maior corte foi o de serviços – 310 no período, seguido pela construção civil (200) e comércio (178). A agropecuária também foi decisiva. Corte de 126 postos de trabalho.

O único setor com saldo positivo de empregos em maio, em Ilhéus, foi serviços, com abertura de 25 novas vagas. Construção civil e comércio, juntos, eliminaram 147 empregos.

SECA ARRASA A CACAUICULTURA E FAZ INDÚSTRIA AUMENTAR IMPORTAÇÃO

Produção cai e indústria recorre ao cacau da África

Produção cai e indústria recorre ao cacau da África

A terrível estiagem que maltrata a região sul da Bahia há quase um ano tem afetado duramente a cacauicultura. Matéria publicada hoje (20) pelo jornal Valor Econômico registra que a colheita do cacau temporão ficará em torno de 42 mil toneladas, com uma queda de 56% em comparação com a última safra temporã, que atingiu 96 mil toneladas.

Além de ter reduzido a produção, a seca também está matando as plantações e fazendo com que a indústria volte a aumentar a importação de cacau, principalmente de Gana. Segundo a matéria do Valor, até maio as processadoras receberam 37 mil toneladas de cacau de fora do país. Esse número é 3,5 vezes maior que o volume importado no mesmo período de 2015.

Outro fator que estimula a importação é o prazo para a entrega do produto, pois a safra temporã, que deveria ter começado a ser colhida em maio, só deve chegar às indústrias entre julho e agosto. O consultor Thomas Hartmann, ouvido pela reportagem, diz que a estiagem também comprometeu a qualidade do cacau. “O tamanho das amêndoas diminui na seca porque os frutos não se desenvolvem sem a umidade suficiente”, afirma.

Esse problema atinge a região justamente num momento em que a indústria aposta no aumento da demanda no mercado externo. “Este ano tende a crescer a fatia do mercado externo pela demanda em volume e pelo preço [dos derivados de cacau] em dólar, que está muito bom”, explica o diretor da Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), Eduardo Bastos.

PROJEÇÃO DA INFLAÇÃO SOBE PELA 5ª VEZ SEGUIDA

inflacaoA projeção de instituições financeiras para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), este ano, subiu pela quinta vez seguida, ao passar de 7,19% para 7,25%. Para 2017, a estimativa é mantida em 5,50% há cinco semanas. As projeções fazem parte de pesquisa feita todas as semanas pelo Banco Central (BC) e divulgada às segundas-feiras.

As estimativas estão acima do centro da meta de inflação de 4,5%. O limite superior da meta de inflação é 6,5%, este ano e 6% em 2017. É função do Banco Central fazer com que a inflação fique dentro da meta. Um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação, é a taxa básica de juros, a Selic.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Da Agência Brasil

BAHIA: PROJETO CRIA CONDIÇÕES PARA LIBERAR INCENTIVOS FISCAIS A EMPRESAS

Secretário Manoel Vitório, da Fazenda, discutiu assunto com empresários

Secretário Manoel Vitório, da Fazenda, discutiu assunto com empresários

Empresários baianos estão preocupados com as consequências do Projeto de Lei 21.914/16, de autoria do Executivo. A proposta cria novas condições para que as empresas do Estado possam obter incentivos fiscais relacionados ao ICMS.

Entre as novas exigências, está a necessidade de comprovação do depósito, em favor do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza, de valor correspondente a 10% do benefício obtido.

Os empresários alegam que, em cenário de crise econômica, fica difícil suportar novos encargos. Mas eles também não cogitam abrir mão dos incentivos fiscais concedidos pelo Estado.

O assunto foi discutido ontem (08), na Assembleia Legislativa, com a participação de deputados e representantes da Federação das Indústrias do Estado (Fieb) e da Associação Comercial da Bahia. O governo foi representado pelo secretário da Fazenda, Manoel Vitório.

CONGRESSO APROVA ALTERAÇÃO DA META FISCAL

Sessão que discutiu a matéria durou 16 horas (foto Fábio R. Pozzebom / Agência Brasil)

Sessão que discutiu a matéria durou 16 horas (foto Fábio R. Pozzebom / Agência Brasil)

Em uma sessão que durou mais de 16 horas, o Congresso Nacional aprovou hoje (25) de madrugada, em votação simbólica, o projeto com a revisão da meta fiscal para 2016. O texto autoriza o governo federal a fechar o ano com um déficit primário de até R$ 170,5 bilhões nas contas públicas.

“A aprovação da meta resulta em ajuste de receitas de forma real porque a receita que previa superávit de R$ 30 bilhões, que era o texto do governo anterior, era algo extremamente irreal. Estamos ajustando as receitas, ajustando as despesas e estamos retomando investimentos estratégicos para o país”, disse o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que reassumiu o mandato após ser exonerado do cargo de ministro do Planejamento ao ser flagrado em diálogos tramando ações para barrar a Operação Lava Jato.

Os parlamentares aprovaram o relatório do deputado Dagoberto (PDT-MS), que invocou o “momento excepcional” ao pedir a aprovação do texto. “Não podemos ignorar as dificuldades financeiras que o país vem enfrentando. O momento politico requer grande esforço de todos em prol da retomada do crescimento”, disse.

A meta fiscal, economia que o governo promete fazer para pagar a dívida pública, gira em torno da expectativa da receita arrecadada e também dos gastos. A nova meta com o déficit foi anunciada na sexta-feira (20) pelo então ministro do Planejamento, Romero Jucá, e pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Com informações da Agência Brasil

EVENTO DISCUTE PROJETOS DE ARTE, CULTURA E CHOCOLATE

chocolateRenata Smith | Agência Sebrae

“Deguste!… Arte, Cultura e Chocolate”. Com este tema, o convite para mais uma ação do projeto de Economia Criativa e Chocolate do Sebrae, reuniu empresários e visitantes para um momento de lazer, troca de experiências e oportunidade de bons negócios. O evento foi realizado nesta segunda-feira, 16, das 16h às 19h, no Hotel Jardim Atlântico, no litoral sul de Ilhéus.

Empresários com experiências vitoriosas, nos segmentos de artesanato, chocolates finos e derivados de cacau, montaram estandes e expuseram seus produtos. “Queremos apresentar um ao outro, integrá-los, criar uma rede de negócios que permita o fortalecimento das ideias individuais, mas em um universo coletivo”, explicou a gestora do projeto do Sebrae Economia Criativa e Chocolates, Fabíola Paes Leme.

Entre os participantes estava o produtor de cacau, Lucas Kruschewsky, que pretende colocar definitivamente a localidade de Rio do Braço no calendário junino da região. O São João, previsto para a segunda semana de junho, resgata um dos cenários históricos mais importantes da cidade. Em seu apogeu foi construída a primeira estação ferroviária do sul da Bahia, em 1911, época de produtivas fazendas, antes das sucessivas crises do cacau.

“Quando cheguei e vi destruído aquele cenário próspero da minha infância, entrei na velha estação e prometi que não desistiria do lugar”, revelou Kruschewsky. Ele passou a morar na localidade, recuperou a estação férrea e transformou o espaço em um restaurante de comidas típicas. Na fazenda Estrela da Manhã, oferece passeios, banho de rio e pesca do Tucunaré. “Estamos renascendo e cheios de ideias”, completou o empresário.

:: LEIA MAIS »

OS NÚMEROS DO AEROPORTO DE ILHÉUS

Weliton-NascimentoWeliton Nascimento | [email protected]

 

Seria importante os apaixonados pela cidade, pelo turismo, abrir mais espaços para comentários e cutucar os administradores. Uma cidade com cidades vizinhas importantes, turismo em várias delas, muitos hotéis, bastava uma boa associação e teríamos ao menos 2 voos fretados todos os finais de semana.

 

Circulou num importante jornal da região uma matéria muito importante fazendo críticas sobre a gestão, operação e voos no aeroporto de Ilhéus.

De fato, todos sabem, a cidade não tem gestor interessado em buscar voos em horários alternativos, fretamentos, voos internacionais, ainda que fretados, etc. Cidades já conhecidas como Foz do Iguaçu, Caldas Novas, Porto Seguro e tantas outras semanalmente recebem dezenas de voos extras. Mas isso é outra história. Administradores amadores, sem paixão, não vão fazer isso mesmo.

Fora tudo que a matéria fala, que é verdade, é bom explicar o outro lado. Eu adoro aviação e vivo acompanhando as estatísticas. O Aeroporto de Ilhéus, por ser minha cidade, me atrai ainda mais. Todos sabemos a crise que a aviação vive. Já é uma vitória poder manter diversos voos em nossa cidade. Essa é a pura verdade. Diferentemente do que fala a reportagem, a cidade tem diariamente, entre pousos e decolagens, em torno de 20 movimentos diários. Aos sábados, esse numero aumenta por causa do voo para Recife.

Verdade também que os voos acabam se concentrando todos das 11 horas da manhã até às 17hs. Isso tem uma explicação. As conexões no Sul e Sudeste. As companhias aéreas montam as rotas pensando nisso.

O cenário dos aeroportos de capitais e cidades importantes é desolador. Os voos e números de passageiros chegou a cair mais de 50% em alguns aeroportos. Gol e Tam cancelaram rotas e fecharam bases. Porto Seguro e Vitória da Conquista tiveram muitos voos cancelados. Basta fazer uma busca e ver as notícias de suspensão e cancelamento de rotas.

Porto Seguro tem uma diferença de ser mais explorada pelo turismo e possuir uma agenda turística mais interessante que nossa cidade, infelizmente. Aos finais de semana, a cidade recebe dezenas de voos e tem até um voo novo para Buenos Aires. Muito legal. De dar inveja.

O aeroporto de Salvador comparando o mês de abril de 2015 a mês de abril de 2016 transportou 496.158 contra 755.656 no anterior, uma queda brutal de 52%. Ou seja, por essa estatística da própria Infraero, o número de passageiros caiu pela metade. Ilhéus teve uma queda de 26%. Abril de 2015 transportou 47.574, contra 37.861 em abril de 2016.

Concluímos que temos até sorte de manter nossos voos e nossos horários. Apesar das restrições do aeroporto de Ilhéus, diferentemente do que fala a reportagem, todos os aviões da Gol, Tam e Avianca têm capacidade para transportar quase 150 passageiros. Apenas os aviões da Azul transportam perto de 120 pessoas.

O aeroporto bateu recordes de passageiros em 2015, transportando quase 630.000 passageiros. Essas informações estão disponíveis no portal da Infraero. Seria importante os apaixonados pela cidade, pelo turismo, abrir mais espaços para comentários e cutucar os administradores. Uma cidade com cidades vizinhas importantes, turismo em várias delas, muitos hotéis, bastava uma boa associação e teríamos ao menos 2 voos fretados todos os finais de semana.

Mas é bom deixar algumas perguntas: por que o Módulo Operacional do Aeroporto não está funcionando? Por que a pista não foi liberada ainda para pouso de aviões maiores? Por que os instrumentos não foram religados depois de mais de 7 anos? O prefeito e políticos não estão interessados nisso? Por que os blogs tão bacanas que temos e jornais não falam mais nesse assunto? Encerro meus comentários e informações. Que tenha contribuído com os amigos de Ilhéus e região.

Weliton Nascimento é empresário.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia