WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘Eduardo Anunciação’

FUNDADOR DO JORNAL AGORA, JOSÉ ADERVAN MORRE AOS 74 ANOS

Adervan deixou legado na área de comunicação.

Adervan deixou legado na área de comunicação.

O jornalista e um dos fundadores do Jornal Agora, José Adervan de Oliveira, faleceu na tarde deste domingo (12), no Hospital Calixto Midlej Filho, em Itabuna, após lutar contra câncer de próstata.

O corpo do jornalista será velado no SAF de Itabuna, na Juca Leão, ao lado do Grapiúna Tênis Clube, a partir das 20 horas deste domingo. O enterro está previsto para as 16 horas desta segunda (13), no Cemitério Campo Santo, em Itabuna.

Adervan deixa viúva, Ivone, e as filhas Andréa, Fernanda e Roberta.

Bancário aposentado, Adervan fundou o Jornal Agora, na década de 80, com o também jornalista Ramiro Aquino. Inicialmente semanal, a publicação passou a ter edições diárias, de terça a sábado. Pela redação, passaram nomes como Antônio Lopes, Maurício Maron, Walmir Rosário, Ricardo Ribeiro e Kleber Torres.

À frente do Agora, foi ousado. Investiu por muitos anos em cadernos especiais para revelar o potencial da agricultura, do comércio e da economia sul-baiana. Ou abrir espaço para a cultura, com o Caderno Banda B. Os aniversários de Itabuna sempre eram marcados por edições especiais com a nossa história e as perspectivas para a economia.

O jornal era uma das suas razões de vida. Uma outra era a política. Adervan tinha militância desde os tempos de juventude e foi um dos fundadores do PSDB itabunense. Em 2008, disputou a Prefeitura de Itabuna pelo PSDB, tendo a médica Zina Macedo (PSDB) como vice. Também presidiu o diretório do partido. A política era um dos assuntos principais de sua coluna no jornal.

Marco Wense, que por muitos anos escreveu sobre política em sua coluna no Agora, assim se expressou em um aplicativo de mensagens:

“O jornalismo político fica mais pobre. Adervan era apaixonado pelo fascinante mundo do comentário, da análise e da opinião, seja na sua coluna nas páginas do Agora ou em qualquer outro lugar”.

E completa:

“Lá, em um lugar chamado de eternidade, vai se encontrar com [Eduardo] Anunciação. E o óbvio ululante, é dizer que vão conversar sobre política, política e política”.

AZEVEDO, O INDECISO

marco wense1Marco Wense

O ex-alcaide José Nilton Azevedo, mais conhecido como capitão Azevedo, continua no mesmo erro de não tomar posição diante dos fatos políticos, fugindo deles como o diabo da cruz.

Essa hesitação, que é uma característica marcante no prefeiturável, só faz dificultar sua legítima e democrática pretensão de governar Itabuna pela segunda vez.

Até hoje não se sabe o voto de Azevedo na última sucessão estadual, se o militar votou em Geddel Vieira Lima, pelo PMDB, ou em Paulo Souto, o postulante de seu partido, o DEM.

O eleitor não gosta de político indeciso, que fica titubeando, sem saber o caminho que vai percorrer. Passa a impressão de insegurança, que anda desprestigiado pelo grupo político.

O saudoso e inesquecível jornalista Eduardo Anunciação tinha razão quando dizia que “Azevedo é uma espécie de político que não tem formação para o combate, não tem coragem, audácia, mesmo sendo militarista, mesmo sendo militar, mesmo sendo capitão, mesmo sendo bem intencionado como um político populista”.

Ora, até as freiras do Convento das Carmelitas sabem que Azevedo não é o nome da oposição na sucessão de Claudevane Leite. É o terceiro da fila. Na sua frente Fernando Gomes e o tucano Augusto Castro.

O que se faz urgente para o ex-prefeito, sob pena de ficar com o rótulo de ingênuo e politicamente infantil, é uma tomada de posição, do tipo “ou vai ou racha”. Não pode é ficar aceitando o cozimento em banho-maria.

E não adianta a conversa aqui no primeiro andar. O diretório municipal, sob a batuta de Maria Alice, já deu demonstrações de preferência por Fernando Gomes. Só por FG. A ex-dama de ferro não confia em Augusto Castro.

Azevedo tem que chegar para o prefeito ACM Neto, sem dúvida a maior liderança do DEM estadual e do demismo nacional, e abrir o jogo. No mínimo, estabelecer um prazo limite para que o chefe do Executivo tome uma posição.

Se José Nilton Azevedo se contenta em ser vice de Fernando Gomes ou de Augusto Castro, que fez de tudo para impedir sua candidatura a deputado estadual, tudo bem. Assume o papel de coadjuvante.

O que não pode é ficar sendo descartado impiedosamente não só pela cúpula municipal de DEM como pelo diretório do PSDB, presidido pelo também prefeiturável Augusto Castro.

Azevedo é um ex-prefeito. Merece respeito. Não pode ser tratado como carta fora do baralho, com desdém e, muito menos, com deboche.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A PROPINA RECUSADA

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

Aos 72 anos, Orlando comanda um dos programas de maior audiência, o Panorama 640. Ele confirma a história, mas se esquiva quando indagado sobre os detalhes: “Vamos esquecer, deixa isso pra lá,” diz educadamente.

 

Eleito prefeito de Itabuna em 1976, pelo MDB, Fernando Gomes começou as manobras para eleger a Mesa Diretora da Câmara. Pediu ao assessor político, jornalista Eduardo da Anunciação, que fosse até a residência do vereador e radialista Orlando Cardoso (Arena) conquistar este voto. O argumento estava dentro de um saco de papel do Supermercado Messias.

Eduardo foi ao encontro de Orlando, mas não conseguiu convencê-lo. Pelo contrário, o vereador irritou-se e não reagiu grosseiramente porque, além de amigos, compreendeu que o assessor cumpria ordens. O “presente” foi devolvido ao prefeito. Um colega perguntou a Anunciação porque ele não ficou com a grana. “Dinheiro não é tudo,” respondeu.

Duda morreu em fevereiro de 2013 aos 67 anos. Nos textos, adotou estilo singular e seu último compromisso profissional foi a coluna Política, Gente e Poder, no Diário Bahia.

Orlando Cardoso completou 53 anos de atividades no rádio ano passado, recebendo homenagens pela conduta. Aos 72 anos, comanda um dos programas de maior audiência, o Panorama 640. Ele confirma a história, mas se esquiva quando indagado sobre os detalhes: “Vamos esquecer, deixa isso pra lá,” diz educadamente.

No entanto, numa das homenagens, lembrou que foi vereador por dois mandatos e não gostou da experiência. Admitiu que foram várias as ofertas, porém nunca negociou um voto, refutou todas. E desafia: “Se alguém disser que me comprou, mesmo com um saquinho de pipocas, pode declarar que eu tornarei público dentro de meu programa.” No seu entendimento, “quem é honesto, não merece aplausos. É obrigação.”

Fernando Gomes, eleito quatro vezes prefeito de Itabuna e três deputado, após a gestão 2005/2008, decidiu morar em Vitória da Conquista. Em discurso na Rádio Difusora, à época sua propriedade, anunciou fim de carreira e desabafou: “A política está fazendo vergonha, com tanta corrupção”.

Marival Guedes é jornalista e retoma as (elogiadas!) crônicas das sextas-feiras no Pimenta.

UNIVERSO PARALELO

NAÇÃO DE BEBEDORES FERIDOS E CHOROSOS

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1AlencarAtônito, Caboco Alencar, com sua “farmácia” assaltada na calada da noite, teria se perguntado: “Mas, por que eu?”. É duro de aceitar um mundo em que nem o boteco (refúgio de vagabundos e cavalheiros, espaço da solidariedade, do sonho e da poesia) é respeitado. Quando grandes empresas comerciais ou industriais predadoras, molas mestras do enriquecimento nem sempre lícito (muitas vezes movido a sangue dos trabalhadores) são assaltadas é maior nosso nível de compreensão. Assaltar o ABC da Noite é mais do que atentar contra o diminuto patrimônio pessoal do Caboco; é ferir de morte uma imensa nação de bebedores – ato próprio de bandidos sem coração, lirismo ou paladar.

________________

O mundo fica cada vez mais inabitável

O ABC (justo, D. Ceslau não há de me recomendar à excomunhão por essa verdade nua) é espaço sagrado. Bem que ali, não se pode negar, possam  ter surgido algumas manifestações anticlericais, motivadas por uma dose a mais de batida.  Mas foram apenas engrolados discursos tentativos de consertar o vasto Brasil sem porteira, insuficientes para abalar o teto da Capela Sistina. Constato, com imensa tristeza, que o mundo se faz um lugar cada vez mais inabitável, pois nem líricos e inocentes botecos são dignos do respeito dos assaltantes, que invadiram o templo do ABC como se adentrassem um depósito de rinchona. Bem fez Eduardo Anunciação, que, em protesto antecipado, recusou-se a testemunhar tamanha heresia.

COMENTE! » |

NÃO QUEREMOS A MENTIRA COMO APANÁGIO

Decidi-me a “responder” (na verdade, ninguém me perguntou nada!) a alguns comentários, o que não fiz. Poderia dizer que foi devido à “roda viva” que tritura os que escrevem com data marcada. Mas não digo, pois tenho sido invadido por completo desapreço à mentira. Expulsemo-la, portanto, do capital dos jornalistas, para integrá-la ao apanágio dos políticos, que de tal valor não podem prescindir. Se não fiz o que me prometi foi por falta de planejamento – e não se pode debitar a culpa ao lixo nas ruas e a outras mazelas pequenas e provincianas. Então, mãos à obra, como disse o prefeito, diante do indefeso cofre municipal.
________________

4BebadosambaDebatedor culto, coerente e corajoso

Devo informar a Yan Santos, que me propõe discutir a questão “Camilo de Jesus Lima” com o professor Adylson Machado, ser impossível a tarefa. Quando Adylson (ex-roqueiro, professor de Direito e autor de, pelo menos, dois livros) fala, eu silencio. Culto, coerente e corajoso (eis uma inesperada aliteração!), ele está mais para ser ouvido do que contestado. Mas só a sugestão já me eleva, honra e consola. Comunista da Sibéria me emocionou com a citação de Paulinho da Viola (“Se lágrima fosse de pedra eu choraria”). Bebadosamba é um dos meus discos preferidos, que ganhei de uma “amiga secreta” de bom gosto, no Natal de 1996, ainda quentinho.

________________

Jornalismo genial e ditadura estúpida

5Tarso de CastroPor fim, não gostaria que passasse em branco a dica de leitura de Ricardo Seixas, o livro Memórias do esquecimento, de Flávio Tavares. Também acho pertinente o emprego de protetor auricular durante o Carnaval, mas esta é outra história… A referência me conduziu a dois outros livros de jornalistas: 75 Kg de músculos e fúria (Tarso de Castro – a vida de um dos mais polêmicos jornalistas brasileiros) e O sequestro dos uruguaios (Operação Condor – Uma reportagem dos tempos da ditadura), de Luiz Cláudio Cunha. São dois grandes momentos da vida brasileira: no primeiro, o jornalismo em tempos emoldurados pelo golpe militar; no segundo, a específica estupidez das ditaduras em nuestra America.

COMENTE! » |

(ENTRE PARÊNTESES)

Nas arquibancadas, assistindo a fumacinhas negras e brancas, torcedores verde-amarelos de eventos vaticanos lamentam o resultado do Habemus papam, como se fosse um jogo em La Bombonera: Argentina 1 x 0 Brasil. “Só nos faltava mesmo um papa argentino!”, lamentou-se um dos meus amigos mais pessimistas. Mas pior seria se pior fosse: dizem que o novo sumo não se chamou Maradona II porque Pelé, ao perceber a tendência, ameaçou fazer haraquiri na Praça de Maio. Entende?

BIBI FERREIRA E SUAS MALAS DE LIVROS

7Jane F.Levando duas malas de livros, Bibi Ferreira embarca para Nova Iorque, quando abril chegar. A artista vai comemorar o aniversário de 90 anos com uma apresentação no Lincoln Center, com ingressos disputadíssimos: a espevitada Jane Fonda (foto), que não é boba, reservou camarote no ano passado. A mala é de obras literárias, filosóficas e algumas partituras, publicações de que Bibi não se separa, textos que ela quer ter ao alcance da mão em qualquer tempo, em qualquer lugar. Uma curiosidade sobre a filha de Procópio Ferreira: estreou no palco com apenas 20 dias de nascida, em 1922, na peça Manhã de sol, no colo da madrinha Abigail Maia, mulher Oduvaldo Viana, padrinho do bebê.
_______________

Matrícula negada em colégio paulista

Com cerca de oito anos, Bibi começa a trabalhar na companhia do pai famoso e aos nove, por ser filha de artistas, tem sua matrícula negada no tradicional Colégio Sion, de São Paulo. Mas Procópio responde à altura: manda a filha para a escola em Londres, onde ela também estuda teatro. Em 1936, outra vez no Brasil, participa de filmes, como atriz e cantora, monta sua própria companhia (por onde passam Cacilda Becker, Maria Della Costa, Sérgio Cardoso e Henriette Morineau) e não para mais: canta, representa, produz. Uma das primeiras mulheres a dirigir teatro no Brasil, fez tevê, mas não  novela. Aqui, um corte de show da Globo, em 1992, comemorativo dos 50 anos da artista.

(O.C.)

A INTUIÇÃO DE EDUARDO

marco wense1Marco Wense

 

Na mesma noite, Fernando saiu com Eduardo para jantar no restaurante “Baby Beef”. Um Eduardo Anunciação extremamente preocupado com o retrato equivocado que Fernando fez da oposição.

 

Eduardo Anunciação, jornalista excepcional e incomparável no seu estilo, pressentiu que Geraldo Simões seria o adversário com o qual o então poderoso Fernando Gomes deveria se preocupar.

Anunciação era muito próximo de Fernando Gomes. Além de conselheiro político, foi assessor parlamentar do ex-prefeito de Itabuna na Câmara dos Deputados.

Derrotando Renato Costa e Davidson Magalhães, na sucessão municipal de 1996, Fernando Gomes chega ao comando do Centro Administrativo Firmino Alves pela terceira vez.

Na noite de 31 de dezembro, véspera da posse, ainda comemorando a vitória, Eduardo disse: “Fernando, o seu adversário em 2000 chama-se Geraldo Simões.”

Fernando olhou para Eduardo e riu. Eduardo insistiu: “Este menino vai longe. Não mais amedronta a classe média por ser do PT. Pode costurar uma aliança com Davidson Magalhães, Ubaldo Dantas e Renato Costa.”

Fernando Gomes, no alto da sua ignorância política, continuou rindo. Segundo o próprio Eduardo Anunciação, já em um lugar chamado eternidade, “Fernando discordava dando risada, na base do deboche.”

Fernando achava que Geraldo Simões, Ubaldo Dantas, João Xavier, Renato Costa e Davidson Magalhães estavam na enfermaria política. Eram trapos políticos.

Na mesma noite, Fernando saiu com Eduardo para jantar no restaurante “Baby Beef”. Um Eduardo Anunciação extremamente preocupado com o retrato equivocado que Fernando fez da oposição.

Geraldo Simões se elege prefeito de Itabuna na sucessão de 2000, tendo Ubaldo Dantas como vice. O presságio de “Gaguinho” virou realidade.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

UNIVERSO PARALELO

EDUARDO, VIDA, MORTE, LÁGRIMAS INÚTEIS

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Eduardo Anunciação, Duda, Bacurau de Terraço, Gaguinho, subiu no telhado, e contra isso nossas lágrimas são inúteis. C´est la vie. Ou a morte. Meu amigo, sim, mas tivemos, em priscas eras, divergências, que sepultamos em nome do mútuo descobrir de nossas humanas fraquezas. Eu o dizia um colunista com estilo – contraponto à expressão consagrada por Millôr Fernandes (“Enfim, um escritor sem estilo”) e quando o chamava de “Meu Carlinhos Oliveira preferido” ele apenasmente sorria seu sorriso de homem modesto, operário raso do jornalismo. Manuela Berbert, em inteligente texto aqui no Pimenta, já chorou em meu nome. Ainda assim, reedito, descoberta a poder de óculos e binóculos, uma notinha, espécie de flores em vida, publicada neste UP. A seguir.

________________

2Eduardo Anunciação“Ganharás o pão com o suor do texto

A região tem muitos (e bons) jornalistas não diplomados, e me arrisco a citar apenas um, na tentativa de síntese do que quero dizer. Refiro-me a Eduardo Anunciação, um “bicho de jornal”, com mais tempo de redação do que urubu de voo (às vezes penso que ele, por essa escrita em linhas tortas própria dos deuses, teria nascido num ambiente de jornal – e, para completar a quimera, bebeu tinta de impressão, em vez de leite materno. Nunca foi balconista de loja, não trabalhou em banco, não sabe botar meia-sola em sapato, não é pedreiro nem médico. É jornalista. Daqueles que lutam com as palavras todos os dias, mal rompe a manhã – e pagam o supermercado com o suor do seu texto”.
COMENTE » |

O GENERAL, DANTE E OS PRESOS POLÍTICOS

No fim de 1964, o general Ernesto Geisel visitou o Quartel de Amaralina, em Salvador, em nome da Comissão Geral de Inquéritos, para verificar denúncias da imprensa sobre maus tratos a presos políticos.  Estes souberam da vista e fizeram um cartaz com a frase da Divina Comédia, à porta do inferno: “Deixem fora toda esperança os que aqui entrarem” – e colocaram o cartaz de forma que Geisel não pudesse deixar de vê-lo ao chegar à cela. Era a maneira que os presos incomunicáveis encontraram para expressar sua revolta. Geisel chegou, viu o cartaz e perguntou, com ar severo: “– Quem colocou isso aí?” “– Eu”, respondeu Othon Jambeiro. O general mostrou ter verniz literário: “– Isso não é de Dante Alighieri?”
________________

4Camilo de Jesus LimaO centenário que passou em branco

E emendou, nada amistoso: “– Vejo que há algum intelectual aqui”. Sereno e firme, um preso adiantou-se e disse: “– General, intelectuais somos todos os que aqui estamos presos. E intelectuais a serviço do povo, dedicados à libertação do Brasil e à liberdade de todos os brasileiros. Somos intelectuais, sim, lutando por uma causa justa”. Os fotógrafos que acompanhavam a comitiva, quando viram o preso se adiantar e começar o discurso, postaram-se para fotografá-lo, mas foram impedidos pelos militares. O preso era o poeta Camilo de Jesus Lima (cujo centenário passou praticamente em branco no ano passado) – e a informação está em Lembranças do mar cinzento, obra fundamental do político baiano Emiliano José.

 _________________

Um autor a clamar contra a injustiça

Camilo de Jesus Lima (1912-1975) é o que se chamava de engagé, autor com a pena a serviço de uma causa, sem esse negócio de arte pela arte: seus livros (As trevas da noite estão passando, Cantigas da tarde nevoenta, Novos poemas, A mão nevada e fria da saudade, Viola quebrada e outros) clamam contra a injustiça, denotando um escritor de acentuada influência marxista. Diz-se que ele era íntimo do núcleo duro do PCB de Prestes, mas há controvérsias. Quanto à simpatia pelo socialismo, não há dúvida. Morreu aos 63 anos, atropelado, por acidente. Ou “acidente”: diz-se que foi assassinado pela ditadura militar, na operação de “limpeza” que nos levou, na mesma época, Anísio Teixeira – mas prova disto não há, é claro.

(ENTRE PARÊNTESES)

6Sonny StittConta-se que o saxofonista Sonny Stitt, mostrado aqui na semana passada, bebia “bem”, por isso estava preocupado, tentando afastar-se da garrafa. Durante temporada em famoso clube de Londres, soube de um hipnotizador que curara vários músicos do vício da bebida e resolveu tentar a sorte. O grande terapeuta iniciou uma série de sessões com Stitt, para subtrair-lhe a compulsão de esvaziar copos, mas o músico desistiu do tratamento, após duas semanas. E explicou porque o esquema do hipnotizador não estava dando certo: “– Depois desse tempo, eu não parei de beber e, pior ainda, o homem passou a beber comigo….”  (a história foi ouvida do especialista em jazz José Domingos Raffaelli).

MENINAS CHEIAS DE TALENTO E FORMOSURA

Não me espanta se a gentil leitora e o exigente leitor não conhecerem Dedé do Cantinho, sanfoneiro pé-de-bode que teve seus dias de glória em Itaporanga, no vale do Piancó paraibano. Relevante é saber que esse pé-de-bodista é a raiz de um grupo musical que me deixou extasiado, encantado, emocionado, embevecido, enlevado, seduzido, ébrio, preso, arrebatado – e se mais não digo é por desgostar de repetir sinônimos, o que significa jogar água em terreno já encharcado. O grupo chama-se Clã Brasil e é integrado por parentes do velho forrozeiro, entre as quais umas bisnetas jovenzinhas, competentes e bonitas de fazer chorar. Permito-me o luxo de um arcaísmo, ao afirmar que elas são cheinhas de talento e formosura.
_______________
Grupo tem o apoio luxuoso de Sivuca”>
Clã Brasil, com oito anos de estrada (já se apresentou em Portugal e na Itália, além de ganhar a Comenda Ariano Suassuna, “por serviços prestados à Paraíba”), é formado por Lucyane (sanfona e líder), Laryssa (violino e zabumba), Lizete (flauta e pífano), Fabiane (cavaquinho e violão de 12 cordas), Badu (violão de 7), Maria José (triângulo) e Francisco Filho (percussão). Grandes nomes da música nordestina aprovaram o grupo: Dominguinhos, Marinês, Elba Ramalho, Pinto do Acordeon, Oswaldinho e Sivuca. Aqui, uma mostra do Clã, com o apoio luxuoso de Sivuca, o músico que levou a sanfona às salas de concerto: Feira de Mangaio, com o bônus de um improviso do grande sanfoneiro de Itabaiana
.
(O.C.)

Omissão do Casados I…Responsáveis não agradaria a Eduardo Anunciação

walmirWalmir Rosário | wallaw1111@gmail.com

Como representante da alegria, sem vínculos e compromissos com situação política dominante, quem, se não os foliões do Casados I…Responsáveis para mostrar a Itabuna que a alegria não acabou, que a vida continua  e que deve ser vivida com intensidade?

A notícia de que o bloco Casados I…Responsáveis não participará da tradicional Lavagem do Beco do Fuxico, por certo não agradaria ao folião e um dos fundadores do irreverente bloco, Eduardo Anunciação. Que homenagem mais relevante poderia ser prestada a Gaguinho do que levar a alegria ao povo, justamente numa das festas que sabidamente ele mais gostava?

Acredito que, lá do andar de cima, Eduardo está reprovando a infeliz ideia de calar os foliões “do Casados”, ainda mais quando Itabuna é privada do Carnaval (aqui não cabe a avaliação dos motivos, que devem ser justos). E esse fato, por si só, seria uma garantia da presença do bloco num evento que representa a alegria dos frequentadores do Beco do Fuxico.

Último reduto da boemia encastelada na travessa mais conhecida de Itabuna, o Beco do Fuxico é visto e descrito como o local mais democrático, os apreciadores das iguarias etílicas disputam o mesmo ambiente, sem distinção de cor, raça, credo ou preferência várias, inclusive as sexuais. No Beco, desde cedo a cidadania é ensinada no ABC da Noite, com as aulas ministradas pelo Caboclo Alencar.

A importância do Beco do Fuxico ultrapassa gerações, que convivem pacificamente à beira de um copo, de uma garrafa, embaladas pela simplicidade de “jogar conversa fora”. Para quem não sabe, é lá no Beco do Fuxico o local por demais apropriado para se discutir ciência, debatendo-se desde parto de pulga à mecânica de avião, a jato, para ficar mais esclarecido e que não paire dúvidas sobre o conhecimento.

Prova inequívoca de que o Casados I…Responsáveis agradaria mais ao velho Gaguinho desfilando na Lavagem do Beco do Fuxico foi sua aparição no “recinto” um pouco antes de se despedir das coisas terrenas. Como não poderia deixar de ser, Gaguinho não se fez de rogado e foi prestar suas homenagens ao aniversariante Caboclo Alencar, ao completar seus 82 aninhos.

Como representante da alegria, sem vínculos e compromissos com situação política dominante, quem, se não os foliões do Casados I…Responsáveis para mostrar a Itabuna que a alegria não acabou, que a vida continua  e que deve ser vivida com intensidade? Só o bloco mais irreverente que nunca se conformou com a decretação do fim da folia, desfilando com irreverência pelas ruas da cidade, sozinhos e sem mendigar os recursos públicos, levando a alegria como forma de combate à tristeza: o Casados I…Responsáveis.

A forma mais eficaz de acabar com a tristeza é a alegria. Disso ainda não conheço, mas respaldado pelas leituras da cultura de alguns povos que habitam em planeta terra, aos que se foram são prestadas as homenagens em forma de alegria. E aqui não deverá ser diferente, até mesmo sob o pretexto de prestar uma sincera e por demais merecida homenagem a um dos seus membros, que soube viver sua vida com intensidade: Eduardo Anunciação.

Os boêmios (como Gaguinho) do Baixo ao Alto Beco agradecem. Ou não se fazem mais foliões como antigamente!

Walmir Rosário é jornalista, advogado, boêmio e editor do Cia da Notícia (www.ciadanoticia.com.br).

LAVAGEM: SEM “GAGUINHO”, CASADOS I… RESPONSÁVEIS NÃO DESCEM A AVENIDA

Sem Eduardo Anunciação, Casados... não descem a avenida em 2013.

Casados… não descem a avenida em 2013 em homenagem ao jornalista e fundador, Eduardo Anunciação ( Foto Vanusa de Jesus).

O bloco Casados I…Responsáveis, em reverência à memória do seu fundador, o jornalista Eduardo Anunciação, decidiu não participar de nenhum Carnaval ou micareta em 2013.

A informação, que será disseminada por meio de comunicado endereçado aos associados, foliões e à comunidade grapiúna, foi confirmada ao Diário Bahia, nesta noite de sexta, 22, após a Missa de Sétimo Dia do comunicador.

Além de fundar a agremiação carnavalesca, há 44 anos, em Itabuna, Anunciação era considerado pelos colegas de folia como um irmão e grande entusiasta do bloco.

– Esperamos a compreensão de todos e agradecemos postumamente ao nosso grande fundador, que com sua ideia genial de criar o Bloco Casados I…Responsáveis, nos proporcionou momentos inesquecíveis de alegrias, brincadeiras e reencontro de amigos na avenida – diz a nota, assinada pelo presidente do bloco, Pedro Santos Nascimento.

BELA HOMENAGEM A “GAGUINHO”

Após 13 anos e 9 meses, o Diário Bahia foi às bancas, hoje, sem a coluna Política, Gente, Poder, escrita pelo jornalista Eduardo Anunciação. Gaguinho, como era chamado pelos amigos, faleceu na última sexta, 15 (relembre aqui). A página 2 de hoje traz belíssima homenagem ao jornalista. Reproduzimos:

homenagem gaguinho

EDUARDO ANUNCIAÇÃO, UM AGITADOR

walmirWalmir Rosário | wallaw1111@gmail.com

Trabalhamos juntos em algumas oportunidades, inclusive na Divisão de Comunicação da Ceplac (Dicom), onde exerceu a chefia num dos períodos mais conturbados da política brasileira: a volta do país à democracia. Com sua experiência, sabia desarmar os espíritos, conquistar novos amigos.

Do alto de sua sabedoria, o jornalista e escritor Antônio Lopes costuma nos ensinar que começamos a desconfiar que estamos ficando mais velhos quando os nossos amigos vão nos deixando. E nos deixando de vez, partindo desta para a melhor, como costumam dizer as pessoas chegadas aos elogios fáceis e gratuitos para consolar as famílias e os amigos do de cujus.

E essa constatação vai ficando mais presente nas pessoas de minha geração. Desaparecem os amigos de infância e os que conseguimos fazer durante os anos, seja m na escola, no trabalho, nas atividades de lazer, nas mesas de botecos. Não importa, chegada a hora, vencida a obrigação, o sujeito tem de adimplir o contrato firmado com o Pai Eterno. Podemos, até, resmungar que não seria chegada a hora, mas não importa, a morte é implacável.

Nesta sexta-feira (15) chegou o dia aprazado de Eduardo Anunciação. E ele teimou em não cumprir o aprazado, relutando em fazer a última viagem, ficando mais um tempo por aqui. Teimoso como ele só, buscou a ajuda médica, passou por cirurgia, relutou ao ócio durante o restabelecimento, continuou a trabalhar até não mais aguentar.

Essa atitude é própria da natureza do jornalista que preza sua profissão, na maioria das vezes remando na contracorrente, por se colocar – de forma intransigente – contra a intolerância, se indignando contra as desigualdades. Como dizia Voltaire, “Eu posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la”.

E assim Eduardo Anunciação viveu seus 67 anos na plenitude dos seus direitos. Agitador, sim, esse seria o melhor adjetivo para qualificá-lo. Sim, pois antes do jornalismo foi líder estudantil, vereador, agitador cultural, jornalista. Essa foi a sua trajetória, que está gravada na mente de seus contemporâneos e registrada nos veículos de comunicação.

Eduardo Anunciação.

Eduardo Anunciação.

Como vereador, inovou ao se eleger com apenas 18 anos por um partido de direita, a Arena, embora tenha dedicado seu mandato às causas de Itabuna, principalmente à cultura. Junto com figuras de sua idade – ou poucos mais velhos – promoveram, nos fins dos anos 1960 e início de 70 a maior revolução cultural de Itabuna.

No mesmo grupo, Eduardo Anunciação, Jorge Araujo, Roberto Junquilho, Chiquinho Briglia, Maria Antonieta, dentre outros promoveram, cada um na sua especialidade, ações culturais nas mais diversas expressões artísticas, colocando Itabuna no circuito cultural brasileiro. Nessa época, contávamos com o Teatro Estudantil Itabunense (TEI), o Teatrinho ABC, exposições de arte plásticas, eventos literários e o jornalismo em plena ebulição.

Em todas essas manifestações lá estava Eduardo Anunciação, o Gaguinho, com sua voz rouca, porém ouvida. Aqui, era amigo de toda a turma da cultura, desde os iniciantes no teatro, na música, na literatura, como aos já consolidados, a exemplo do nosso poeta maior: Firmino Rocha, autor de O Canto do Dia Novo, Momentos e o mais conhecido de todos Deram um Fuzil ao Menino, que se encontra gravado numa placa de bronze na sede da Organização das Nações Unidas (ONU).

:: LEIA MAIS »

NOTA DE PESAR

A ASSOCIAÇÃO BAHIANA DE IMPRENSA-Seccional Sul, ainda consternada com o falecimento do seu associado e primeiro presidente da entidade, o jornalista EDUARDO SILVA ANUNCIAÇÃO, ocorrido neste dia 15 de fevereiro, em Ilhéus, vem se associar ao sentimento de perda de toda a classe de comunicadores do sul da Bahia e se solidariza com a dor da esposa Selma e da filha Eduarda, manifestando à família enlutada os mais profundos pêsames pelo infausto acontecimento.

Como jornalista dos mais destacados, lidos e respeitados do sul da Bahia, nos últimos anos escrevendo diariamente a coluna Política, Gente, Poder, no Diário Bahia, EDUARDO ANUNCIAÇÃO teve ainda destacada atuação na vida estudantil, política, artística cultural e social, correspondendo integralmente ao que dele se esperava como profissional da comunicação, que com a sua perda deixa uma lacuna sentida e irreparável.

Itabuna, 15 de fevereiro de 2013

A Diretoria

A DUDA ANUNCIAÇÃO, COM CARINHO

Manu BerbertManuela Berbert | manuelaberbert@yahoo.com.br

 

Observador, escritor, se tivesse vivido no Rio de Janeiro na época da Bossa Nova, teria sido amigo de Tom e de Vinícius. Teria cantado todas as mulheres famosas, tomado inúmeras cervejas nos calçadões da Cidade Maravilhosa e deixado seu nome na história nacional.

 

Eduardo Anunciação, soldado raso do jornalismo, mestre das artes da política regional, respeitado nesta cidade-cacau, era minha primeira leitura do dia, com muito respeito e admiração. Nos próximos parágrafos, com binóculos, sem binóculos, com óculos, sem óculos, com o coração apertado, o meu adeus.

Eduardo Anunciação foi, com toda a certeza, a coluna diária mais lida do sul da Bahia, representante inigualável da real figura do profissional de jornalismo do seu tempo e dos meus sonhos. Deixou um legado de uma rotina de estudos invejada, biblioteca invejável, diários interessantíssimos, livros, revistas e periódicos de todos os tempos, relíquias. Amigo, amável, pai dedicado, apaixonado. O meu primeiro ídolo e a minha primeira decepção na área. A saber.

Eduardo Anunciação traçava no Jornal Diário Bahia, diariamente, o perfil pessoal e profissional de personalidades regionais, políticos, poderosos. Escreveu a biografia de gente que faz a história daqui, opinou com certezas e achismos, relatou fatos, citou meu nome e estampou minha foto num jornal pela primeira vez. Acompanhava e colecionava suas anunciações, mas não concordava sempre. Ele sabia disso.

Eduardo Anunciação, em julho de 2009, escreveu que Nero foi um jovem imperador que tocou fogo em Roma, que Fernando Collor de Mello, Fernando José (Salvador), Celso Pita (São Paulo) e Valderico Reis (Ilhéus) haviam se elegido com o discurso da renovação e se transformado, em pouco tempo, em arrependimento da população. Desfez do jovem, esquecendo que na década de 60 havia sido o vereador mais novo da história do Brasil. Questionei e ele me ligou: “Escreva sua opinião mesmo, tio! A maioria não tem essa coragem!”

Eduardo Anunciação, pai da minha amiga Eduarda, apaixonado por Tia Selma e encantado por fêmeas, sabia escrever com maestria, citar com conhecimento, impressionar com as palavras. Observador, escritor, se tivesse vivido no Rio de Janeiro na época da Bossa Nova, teria sido amigo de Tom e de Vinícius. Teria cantado todas as mulheres famosas, tomado inúmeras cervejas nos calçadões da Cidade Maravilhosa e deixado seu nome na história nacional. Embora fosse apaixonado por política, repetia uma das frases mais verdadeiras e poéticas que já escutei, mas que não tenho certeza se era de sua autoria: “um homem apaixonado é um homem doente!”.

Eduardo Anunciação, estudioso, habitué de máquinas Olivetti, lembrai-vos. Quando o tambor do Bloco Casados I…Responsáveis ecoou o último adeus no Cemitério Campo Santo, abafou a poesia, articulação e escrita de um jornalista que deixa uma lacuna irreparável e insubstituível para todos nós. Porque é final de semana, classificado por ele como dias de cervejinha gelada, amor e saudades.

Manuela Berbert é jornalista e colunista do Diário Bahia.

PREFEITO LAMENTA MORTE DE JORNALISTA

O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, lamentou o falecimento do jornalista Eduardo Anunciação, ocorrido na tarde desta sexta-feira, 25, em Ilhéus. Vane considerou o importante papel que Anunciação desempenhou na imprensa regional e destacou seu valor como personalidade da comunicação.

De Salvador, onde mais cedo se reuniu com o governador Jaques Wagner, Vane, como o prefeito é chamado, solicitou que sua assessoria manifestasse suas condolências pessoais e as do governo à família do jornalista.

O deputado estadual Augusto Castro (PSDB) também distribuiu nota, na qual lamenta a morte de Anunciação e afirma que ele fará “uma enorme falta ao jornalismo do sul da Bahia”.

VELÓRIO

O corpo de Eduardo Anunciação está sendo velado no plenário Raymundo Lima, da Câmara de Vereadores de Itabuna, onde o jornalista exerceu mandato na década de 60, tendo sido eleito com apenas 18 anos.

O sepultamento será neste sábado, às 11 horas, no Cemitério do Campo Santo.

Atualizado às 21h59

UM JEITO ÚNICO DE ESCREVER

Eduardo e sua Olivetti

Eduardo e sua Olivetti

A Bahia perdeu nesta sexta- feira, dia 15 de fevereiro, um dos últimos exemplares de jornalista romântico. Morreu, aos 67 anos, Eduardo Anunciação, que até poucos dias atrás ainda pilotava diariamente sua Olivetti, na qual redigia a famosa coluna “Política, Gente, Poder”, do Diário Bahia.

De óculos ou binóculos, enxergando os bastidores da política, muitas vezes olhando no retrovisor para encontrar a história e sempre fazendo os leitores entenderem melhor o momento presente.

O texto de Eduardo tinha sabor diferente, estilo único, construído à máquina, sem concessões à tecnologia. Suas linhas possuíam charme, criatividade, inventividade.

Jornalista político na essência, Eduardo deixará uma lacuna impossível de ser preenchida, pois tinha características muito próprias e autênticas.

Vai-se um jornalista de um tipo que não existe mais.

MORRE O JORNALISTA EDUARDO ANUNCIAÇÃO

Do Diário Bahia

Acaba de falecer, no Hospital Regional de Ilhéus, o jornalista itabunense Eduardo Anunciação, de 67 anos. Ele estava internado na UTI daquela unidade desde a semana passada, quando sofreu uma parada cardiorrespiratória.

Anunciação tinha passado, há cinco meses, por uma cirurgia para retirada de um tumor na laringe e, desde então, era submetido a tratamento para se restabelecer.

De sua casa, no bairro Urbis, em Ilhéus, o profissional manteve até quando possível a rotina de diariamente escrever, na máquina Olivetti, a coluna Política, Gente, Poder, uma das mais lidas do Diário Bahia.

EDUARDO ANUNCIAÇÃO É INTERNADO

O jornalista Eduardo Anunciação, de 67 anos, foi internado na manhã desta quinta-feira, 7, no Hospital Geral Luiz Viana Filho, em Ilhéus. Segundo as primeiras informações, ele passou mal em sua casa, na zona sul da cidade, e teria sofrido uma parada cardíaca, mas foi reanimado por um médico do Samu. Anunciação vinha se recuperando de uma cirurgia.

Mais informações em instantes.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia