WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias






:: ‘eleições 2012’

GERALDO, JOSIAS E MIRALVA

Marco Wense

O bafafá agora é em Itabuna, com Miralva Moitinho, que preside o diretório municipal, como a mais nova aliada e escudeira-mor do deputado Josias Gomes.

Geraldo Simões e Josias Gomes, deputados federais pelo PT, se esforçam para serem políticos civilizados, passando para o eleitorado a impressão de que o bafafá entre eles se restringe ao campo das ideias.

Os dois “companheiros”, quando presentes em alguma solenidade ou ato público, usam o recíproco aperto de mão para manter o simulacro de civilidade.

O acirramento ficou mais transparente na vizinha cidade de Ilhéus.  Na última eleição para o Parlamento, a votação de Josias superou a do ex-prefeito de Itabuna.

O ainda inconformado Geraldo Simões apostava todas as suas fichas de que teria mais votos do que Josias. A previsão era de uma diferença multiplicada por dois.

O bafafá agora é em Itabuna, com Miralva Moitinho, que preside o diretório municipal, como a mais nova aliada e escudeira-mor do deputado Josias Gomes.

Sobre a possibilidade do PT ter outro nome para disputar com a prefeiturável Juçara Feitosa, Geraldo diz que “outra candidatura é manipulação”.

Nos bastidores, longe do povão de Deus, o comentário é de que os miralvistas vão lançar um pré-candidato para concorrer com Juçara Feitosa na convenção da legenda.

A preocupação de petistas-geraldistas com o imbróglio envolvendo Geraldo e Miralva faz sentido. A estrela, que simboliza o PT, está mais vermelha e com as pontas afiadíssimas.

MINA DE OURO

Fernando e Geraldo.

A ordem no staff político do governo Azevedo é explorar o acontecimento mais inusitado da sucessão de 2012: a aliança entre os ex-prefeitos Fernando Gomes e Geraldo Simões.

Os azevistas acham que a inesperada aproximação entre FG e GS vai prejudicar a campanha da ex-primeira dama e pré-candidata Juçara Feitosa. O tiro vai sair pela culatra.

Já tem gente até dizendo que Fernando Gomes já conhece a casa de praia de Geraldo. Um irritado ex-fernandista chega a dizer que uma foto com Geraldo, Fernando e Juçara vale uma boa grana.

Pois é. Coisas da política. Do movediço, teatral e traiçoeiro jogo político

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O SONHO DELAS

Acácia, Leninha e Juçara: quem terá fólego até o sprint final?

A eleição de 2012 já é a que tem o maior número de pré-candidatas ao cargo de prefeita de Itabuna. Até aqui, são duas veteranas e uma caloura. Acácia Pinho, hoje no PDT, lançou-se em 2008 pelo PRB, mas acabou coligando com o PMDB e tornando-se vice de Capitão Fábio. A chapa não foi até o fim. Fábio, como todos lembram, desistiu da disputa em apoio a Juçara Feitosa (PT).

A petista tentará novamente a principal cadeira do Centro Administrativo Firmino Alves. É a pré-candidata do partido, embora muitos desconfiem que o esposo, deputado Geraldo Simões, seja o nome da “estrelinha” na peleja de 2012. A caloura é Leninha Alcântara (PMDB). Ela venceu disputa interna com Maruse Xavier, Ruy Côrrea e Edmilton Carneiro, tornando-se o nome peemedebista da pré-campanha.

Os perfis – Leninha é empresária e esposa de Anísio Alcântara, falecido em 11 de janeiro de 2009 e então presidente do PPS. Juçara Feitosa é suplente da senadora Lídice da Mata (PSB), e ex-secretária de Desenvolvimento Social de Itabuna, entre 2001 e 2004. Acácia Pinho, professora e empresária, já foi pró-reitora da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e secretária de Administração de Itabuna no último governo do ex-prefeito Fernando Gomes.

As três terão fôlego para a disputa? Do outro lado, elas poderão enfrentar nomes como o prefeito e candidato à reeleição, Capitão Azevedo (DEM), e os vereadores Vane do Renascer (PRB) e Wenceslau Júnior (PCdoB). Vane, Wenceslau e Acácia integram uma frente e há acordo para que seja candidato o nome que aparecer melhor na disputa em junho, conforme pesquisa. Mas política é política…

AS LÁGRIMAS DE AZEVEDO

Azevedo e Fernando em lados opostos em 2012 (Foto Pimenta/Arquivo).

O prefeito Capitão Azevedo (DEM) chorou, ontem, no estúdio da rádio Jornal, ao confirmar que não terá o apoio do ex-prefeito Fernando Gomes nas eleições de 2012. Azevedo concedia entrevista a Val Cabral e duvidou do que lhe foi dito. “Eu, pessoalmente, perguntei e ele confirmou”, disse o apresentador.

Azevedo, olhos marejados, tentou reagir: – Eu vou conversar com ele. É uma relação de 30 anos que não pode acabar assim. Vou perguntar o que aconteceu.

A cena foi testemunhada por assessores e vários funcionários da emissora. Azevedo pode até ir às lágrimas, mas não é de agora que o ex-prefeito lhe faz pesadas críticas – em privado e publicamente.

CRISE HIPERTENSIVA

Wenceslau: crise hipertensiva.

O vereador Wenceslau Júnior baixou hospital nesta quarta-feira (29) após sofrer uma crise hipertensiva. Hoje, Wenceslau iria apresentar requerimento à Mesa Diretora da Câmara Municipal para que sejam votadas, logo, as contas de 2009 e 2010 do prefeito Capitão Azevedo, segundo o Políticos do Sul da Bahia. As contas foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

A crise hipertensiva ocorre na semana em que Wenceslau começou a “pegar pesado” nos exercícios físicos e a caminhar na Beira-Rio. Diz que quer chegar “magrinho” para suportar a maratona eleitoral de 2012. É pré-candidato a prefeito.

ROSEMBERG DIZ QUE GABRIELLI TEVE RECEPÇÃO “SURPREENDENTE”

Rosemberg defende Gabrielli como nome do PT em 2014 (Foto Marcos de Souza/Pimenta).

Amigo pessoal do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, o deputado estadual Rosemberg Pinto classificou como “surpreendente” a recepção que o ex-gestor teve hoje em Salvador.

Rosemberg, que não esconde o desejo de ver Gabrielli como o nome do governo em 2014, destacou as centenas de pessoas no aeroporto de Salvador e a presença expressiva de deputados e prefeitos baianos. “Surpreendeu a todos essa manifestação espontânea das pessoas”.

Apontando como um dos líderes da movimentação para que Gabrielli seja candidato ao governo baiano em 2014, hoje Rosemberg disse que antes é preciso tratar de 2012. “Tá muito longe. Precisamos ampliar nosso número de prefeitos (para mais de 100)”, afirmou.

Para 2014, lembrou, é necessário fazer grande exercício de diálogo com os aliados. “Mas é lógico que Gabrielli é um nome, mas a sucessão estadual deve ser discutida a partir de 2013”, afirma. Segundo ele, Gabrielli ficou impressionado com a recepção que teve hoje em Salvador.

– Gabrielli recebeu também grande demonstração de apoio político com deputados como Marcelino Gallo, Zé Neto, Pellegrino, a prefeita Moema Gramacho, os prefeitos de diversos municípios sulbaianos, de Itororó, Itapetinga, Ibicaraí.

Rosemberg observou que o PT tem vários nomes para 2014, mas enfatiza que Gabrielli leva maior vantagem por ter sido testado em nove anos na Petrobras, um e meio como diretor financeiro e sete anos na presidência. “Mas, repito, o momento não é o ideal para debater sucessão. [O ideal] É depois de 2012”.

Dentre os deputados que estiveram na recepção a Gabrielli, o itabunense Geraldo Simões (PT) afirmou nunca ter visto algo parecido para quem “não tem mandato e acaba de sair da direção de uma empresa”.

OS NÚMEROS E AS NOVIDADES DO PIMENTA

O PIMENTA atingiu a marca de 462.895 mil visitas e mais de 1,32 milhão de pageviews no período de 11 de janeiro a 11 de fevereiro, conforme o Google Analytics. Trata-se de um novo recorde de visitas em um mês e confirma liderança no sul da Bahia.

O Alexa, também utilizado pelas agências de propaganda, ratifica a liderança regional e o posicionamento entre os cinco mais lidos do estado (54.646 no ranking global e 1.279 na classificação nacional).

O número de novas visitas neste período, segundo o Google Analytics, atingiu 28,54% e o índice de rejeições (leitores que visitam determinado site apenas uma vez) foi baixíssimo: só 3,51%, quando o padrão regional é de 25%, na média. O dado significa aprovação do leitor ao conteúdo do blog e dá maior visibilidade aos anunciantes.

Os dados também dão uma ideia do quanto o leitor buscou notícias sobre a greve da Polícia Militar. Os acessos ao blog no período dos 11 dias de greve representaram crescimento de 13,4%  em um mês, puxados pela cobertura especial com informações de todo o estado e notas exclusivas da paralisação no sul da Bahia.

O PIMENTA trará novidades em breve. O blog passará por reformulação no layout – elaborado pela Webtiva, ampliará a equipe e já define o projeto de cobertura das eleições 2012, com orientações ao cidadão e raio-x completo dos candidatos e suas propostas.

Pimenta atinge mais de 460 mil acessos em um mês, conforme Google Analytics.

RENAN MOREIRA NA VICE DE AZEVEDO

O advogado e ex-provedor da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, Renan Moreira, já começa a se articular na tentativa de ser o candidato a vice-prefeito na chapa de Capitão Azevedo (DEM). Renan tem comparecido a eventos do município sempre ao lado do prefeito. A chapa tem a simpatia da presidente do DEM, Maria Alice Pereira, e o apoio do empresário “Carlinhos Bavil”.

Renan Moreira é do PTB, partido que, teoricamente, está nas mãos do presidente da Câmara de Vereadores, Ruy Machado (PRP).

É MELHOR DESISTIR

Marco Wense

Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público.

Os pré-candidatos a prefeito de Itabuna não podem ficar chateados com os comentários sobre suas pretensões políticas, que são legítimas e merecedoras de respeito.

Quem pretende entrar na vida pública, assumindo o poder pelo voto popular, sem dúvida o maior instrumento da democracia, não pode ficar tiririca com o pessoal da comunicação.

O projeto político interessa a todos. A vida privada, se fulano ou fulana gosta disso ou daquilo, aí incluindo a preferência sexual, é problema de cada um.

Comentários sobre o particular dos prefeituráveis, com picuinhas, insinuações maldosas e coisas outras, são ridículos. Não merecem nem a lata do lixo.

Até as freiras do Convento das Carmelitas, por exemplo, sabem que candidatura até o fim do processo eleitoral só com alguma possibilidade de vitória.

Quem não pontuar bem nas pesquisas, tendo como limite a primeira quinzena do mês de setembro, terá, compulsoriamente, que entrar no jogo da cúpula estadual das agremiações partidárias.

Os interesses lá de cima, que envolvem os chamados “mangangões”, os que se acham donos vitalícios dos partidos, são como grandes elefantes na frente de pequenas formigas.

Essa conversa de autonomia de diretório municipal para decidir sobre candidatura é conversa pra boi dormir. Se os diretórios não têm autonomia, imagine as coitadinhas das comissões provisórias.

Um acordo na sucessão soteropolitana, envolvendo os partidos de oposição ao governo Wagner, principalmente o PMDB, DEM e o PSDB, é mortal para as articulações interioranas.

Seria de uma ingenuidade gigantesca, de uma infantilidade inominável, alguém pensar que o ex-ministro Geddel não iria fazer um acordo com ACM Neto porque o PMDB de Itabuna pretende ter candidatura própria.

Ou, então, ACM Neto apoiando o candidato do PMDB em Salvador sem exigir como contrapartida o apoio do peemedebismo de Itabuna ao segundo mandato do prefeito Azevedo (reeleição).

Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público. O melhor conselho é desistir, sob pena de ficar no meio do caminho.

PDT SEM CARGO

Acácia e Félix (Foto Política Livre).

Em decorrência de um acordo entre os deputados Félix Mendonça e Geraldo Simões, respectivamente patronos das pré-candidaturas de Acácia Pinho e Juçara Feitosa, o PDT ficou sem cargos no governo Wagner.

A dobradinha Félix e Geraldo, de olho também na sucessão do prefeito José Azevedo (DEM), deixou os pedetistas de Itabuna a ver navios. Muita gente insatisfeita nas hostes do brizolismo tupiniquim.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

ILHÉUS: ROSEMBERG APOIA ALISSON E COBRA DEFINIÇÃO NO PT

Os petistas Nilton Cruz, Newton Lima, Alisson e Rosemberg.

Após anunciar apoio à pré-candidatura de Alisson Mendonça, o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) defendeu que o partido defina “imediatamente” o nome com o qual disputará o “trono” do Palácio Paranaguá, facilitando o trabalho da militância e a definição e defesa de propostas para o município.

Alisson é pré-candidato a prefeito de Ilhéus, mas enfrenta no partido a concorrência do secretário de Serviços Públicos, Gerson Marques, e do deputado federal Josias Gomes.

Rosemberg foi a Ilhéus para participar de uma reunião com Alisson, Nilton Cruz, o prefeito Newton Lima e dois dos secretários de governo indicados pelo PT. O empresário Nilton Cruz desistiu da disputa para apoiar o secretário de governo.

Alisson disse ter ouvido do governador Jaques Wagner, na última terça, em Salvador, que a candidatura petista ao Palácio Paranaguá “é legítima e deve ser incentivada”.

CONQUISTA: GUILHERME DIZ QUE É MAIS FÁCIL FECHAR COM PC DO B DO QUE COM PSB

Guilherme: reeleição e alianças (Foto Matheus Pereira).

O prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes (PT), pode se tornar o primeiro político local a gerir os destinos do município do sudoeste por quatro mandatos. De férias, Guiherme concedeu entrevista ao jornalista Giorlando Lima, editor do Notas da Bahia.

O gestor petista falou dos 20 anos de projeto político iniciado em 1992, da sua intenção de disputar novo mandato e das alianças eleitorais. Do arco de partidos que sustentam sua administração, Guilherme afirmou ao Notas da Bahia que acredita ser mais fácil – ou menos difícil! – fechar aliança ainda no primeiro turno com o PC do B, que tem feito muito barulho por lá, do que com o PSB da senadora Lídice da Mata.

Para o prefeito, o PCdoB “sinaliza de forma mais clara de que fica na aliança” e o PSB tem sido mais consistente na decisão de sair com candidato próprio. O editor do Notas da Bahia ainda observa que Guilherme pouco falou do PV. E é justamente o PV quem está no comando da cidade por esses dias, com o vice-prefeito Ricardo Marques. O prefeito está de férias e só retorna ao cargo no dia 27.

Confira a íntegra da entrevista no Notas da Bahia.

RENATO COSTA: “ALIANÇA COM O DEM E O PSDB NÃO SERÁ OBRIGATÓRIA EM ITABUNA”

O presidente local do PMDB, ex-deputado Renato Costa, está fora do páreo em 2012, mas diz que trabalha pela candidatura própria do partido. Até aqui, a legenda possui quatro pré-candidatos: Maruse Xavier, Ruy Côrrea, Edmilton Carneiro e Leninha Duarte.

O partido define até o final deste mês qual deles será o pré-candidato. O escolhido terá até maio para viabilizar-se, segundo Renato, que não descarta aliança com o PT itabunense, embora haja acordo antipetista firmado entre os diretórios estaduais do PMDB, PSDB e DEM. “Nosso plano “A” é viabilizar nossa candidatura própria”, diz o presidente, que completa: ‘Estaremos abertos a aliança com quem quer que seja”.

Confira bate-papo do PIMENTA com o presidente do PMDB itabunense.

Como o partido se posicionará em 2012?
O PMDB trabalha pela candidatura própria. Definiremos até o fim deste mês quem será o pré-candidato. Enquanto isso, vamos manter conversa com os outros partidos, com a Terceira Via, para ver se a gente apoia ou será apoiado. E, por outro lado, caso não consiga viabilizar candidato ou não compor com a Terceira Via, estaremos abertos a aliança com quem quer que seja.

O PMDB seguirá a orientação da estadual para fechar com o DEM e o PSDB?
O PMDB, por tradição, não costuma agir assim, empurrando goela abaixo. Evidentemente que se for por esse caminho, de fazer alianças, passaremos pelo crivo da Estadual. Não há obrigatoriedade [de compor com o DEM e o PSDB]. Caso a candidatura própria não se viabilize, estaremos livres para fazer aliança com quem acharmos melhor.

Na eleição a governador em 2010, havia expectativa de Geddel ter o apoio de Azevedo, o que não aconteceu. Esse fato atrapalharia o diálogo com o DEM em Itabuna?
Isso foi o que eu disse ao prefeito, de que não haveria nenhuma obrigação de apoiá-lo, pois ele não criou essa obrigação. Ele não se definiu na eleição a governador. Além do mais, Geddel trouxe para Itabuna a maior obra, a mais visível [a cobertura do Canal da Amélia Amado]. Agora essa história de verticalizar as decisões, isso é complicado, não existe. Se fosse para alinhar [de cima], nós já temos o PMDB aliado ao PT no plano nacional. Cada município tem sua realidade, suas diferenças. É muito difícil [verticalizar], não há isso de não pode apoiar esse, não pode aquele. Nós não temos nenhum veto. Nosso plano “A” é viabilizar nossa candidatura própria.

Qual será o nome do partido?
Nós temos Ruy Correa, Maruse [Xavier], Leninha [Duarte] e [Edmilton] Carneiro. Dentro de 15 dias, teremos só um nome.

Essa aliança de Salvador [com o DEM e o PSDB] não será obrigatória aqui. Pode até acontecer, mas não é obrigatória.

E a aliança com o PT, está descartada?
Não há proibição nem obrigação de apoiar. A primeira opção é com os partidos menores, com Vane, PCdoB, Acácia Pinho. Caso não seja possível, a gente vê. Mas isso é lá para maio ou junho. Nós vamos trabalhar pela candidatura própria. Essa aliança de Salvador [com o DEM e o PSDB] não será obrigatória aqui. Pode até acontecer, mas não é obrigatória.

O PMDB tem orientado os diretórios a não se aliar ao PT no interior?
Não, eles apenas dizem que aliar-se ou não com o PT é uma decisão nossa, do diretório. Se a candidatura própria não ganhar musculatura, nós buscaremos aliança. Mas agora vamos decidir o nome do PMDB de forma consensual, apoiar quem tem mais visibilidade.

Juvenal Maynart, do diretório estadual, falou que, dos nomes postos, Leninha seria o melhor do PMDB por ter os três Dês: dimensão, densidade, democracia.
E vocês até falaram do outro D, de dinheiro, né? (risos). Mas os outros nomes também têm simpatia.

AS PESQUISAS E OS PREFEITURÁVEIS

Marco Wense

Qualquer alteração só com as convenções partidárias, que acontecem no mês de junho, o início da propaganda eleitoral e os debates entre os candidatos.

Salvo algum acidente de percurso, o cenário eleitoral de Itabuna, até o mês de maio, com a sucessão do prefeito Azevedo (DEM), não vai sofrer nenhuma mudança significativa.

Qualquer pesquisa de intenção de votos vai apontar o atual chefe do Executivo e a petista Juçara Feitosa (ou Geraldo Simões) nas primeiras posições.

Se a consulta for encomendada pelo PT, Juçara Feitosa fica na dianteira. Se o contratante for o DEM, a ex-primeira dama fica atrás do democrata, ocupando a segunda colocação.

O vereador Vane do Renascer, pré-candidato pelo PRB, legenda sob o absoluto controle da Igreja Universal do Reino de Deus, vai continuar como o terceiro da fila.

Qualquer alteração só com as convenções partidárias, que acontecem no mês de junho, o início da propaganda eleitoral e os debates entre os candidatos.

SÓ PARA AS PIABINHAS

O deputado estadual Zé Neto, do PT do governador Jaques Wagner, é pré-candidato a prefeito na sucessão de Feira de Santana. Até aí nada de estranho.

O deputado federal Marcos Medrado, do PDT do saudoso Leonel de Moura Brizola, já declarou publicamente o seu apoio ao petista na eleição de 2012.

O atual prefeito de Feira é Tarzício Pimenta. O chefe do Executivo, ex-demista e carlista, agora neopedetista, vai disputar o segundo mandato (reeleição).

Marcos Medrado, de maneira desafiadora e escancarada, já disse que vai apoiar o petista Zé Neto. Se fosse um peixe miúdo, seria fisgado pelo comando estadual do PDT.

O anzol da fidelidade partidária só é acionado para fisgar as piabinhas. Não suporta o peso dos tubarões.

O VEREADOR E O PAI NOSSO

Alzimário "Gurita", o autor da lei.

O prefeito Newton Lima, da vizinha e irmã cidade de Ilhéus, sancionou a lei que obriga a reza do Pai Nosso em todas as escolas.

A iniciativa foi do vereador Alzimário Belmonte, que é do PP de Jabes Ribeiro, secretário estadual da legenda e candidatíssimo ao Palácio do Paranaguá.

O nobre edil deveria aproveitar o andar da carruagem e propor também que cada colega, ao adentrar na sede do Poder Legislativo, fizesse o seu “Pai Nosso”.

Um “Pai Nosso” de viva voz e repetido 100 vezes: “Prometo honrar o meu mandato e respeitar a coisa pública”.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O DESTINO DE BROGODÓ DO SUL: ESTÁ NAS MÃOS DE QUEM?

Valéria Ettinger | lelaettinger@hotmail.com

O povo de Brogodó do Sul esqueceu sua responsabilidade para com a coisa pública e está assistindo “apaticamente” aos desmandos provenientes da gestão municipal.

Aprendi que o destino é uma fatalidade determinada. Que todos os seres e todas as coisas se sujeitarão a ele e que não se pode modificar. Por outro prisma aprendi, também, que nós somos senhores do nosso destino. Que somos nós que construímos nossa história e somos responsáveis pelos resultados das nossas atitudes e escolhas.

Quando saímos da esfera individual e passamos para uma esfera coletiva essa perspectiva da responsabilidade torna-se mais agravante, porque a ordem coletiva é uma construção humana, então, o homem social é totalmente responsável por suas escolhas e permissibilidades.

Possuímos um instinto natural para o coletivismo, mas, por um ato de vontade escolhemos a coletividade que queremos viver. Portanto, se estamos falando de uma sociedade política os membros dessa organização são todos responsáveis pelas mazelas que ocorrem a sua volta, visto que eles são os senhores do destino coletivo.

No entanto, o povo de Brogodó do Sul esqueceu sua responsabilidade para com a coisa pública e está assistindo “apaticamente” aos desmandos provenientes da gestão municipal.

Nossa cidade sempre esteve na mídia, desde a era dos marajás, passando pelo crime da vassoura-de-bruxa e agora pelos piores índices na saúde e na segurança pública, desvio de dinheiro e de bens públicos, sem falar nos nossos amigos buracos que estão integralizados à paisagem bucólica de Brogodó do Sul.

Ocorre que, o nosso gestor está mais preocupado em fazer uma micareta em comemoração ao dia da cidade, a poucos meses da eleição municipal, na qual é candidato a reeleição. Ah, lembrei! É a política do pão e circo. Todavia, a prefeitura não tem dinheiro para terminar a obra do canal e pavimentar a cidade.  Desculpem! Errei, essa obra depende de verba federal.

:: LEIA MAIS »

“TÔ DENTRO”

Depois do chá de sumiço no fim de ano e os boatos de desistência da pré-candidatura a prefeito, o vereador Wenceslau Júnior (PCdoB) participou ontem da solenidade de posse da nova provedoria da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna.

Wenceslau reafirmou a disposição do seu partido em ter candidato à prefeitura de Itabuna. O nome será o dele ou o do presidente da Bahiagás, Davidson Magalhães.

Ele afirma que o PCdoB somente não encabeçará chapa majoritária se um dos nomes aliados apresente melhores condições na disputa (dentre os aliados, estão Acácia Pinho-PDT e Claudevane Leite-PRB).

Ainda na solenidade da posse do novo provedor da Santa Casa, Erick Ettinger, Wenceslau afirmou que os serviços prestados pela instituição ganham “maior relevância no município” diante da grave crise da saúde pública local. “Nenhum prefeito conseguirá superar essa crise sem contar com a parceria da Santa Casa”.

Wenceslau (à dir.) participa de posse de Erick Ettinger na Santa Casa e volta a circular.

SANTANA PODERÁ SER CANDIDATO A PREFEITO

Santana torce para Azevedo escorregar na "casca de banana" do TCM

O deputado estadual Coronel Gilberto Santana (PTN) estuda com carinho a possibilidade de se candidatar a prefeito de Itabuna, mas isso não significa que ele irá para uma disputa com o Capitão Azevedo (DEM), atual chefe do executivo, dividindo os votos da direita.

Santana, contudo, aguarda os próximos capítulos da novela envolvendo as contas do prefeito, que foram reprovadas pelo TCM. Caso a Câmara confirme o parecer do tribunal, “é caixão e vela”, como diz um aliado do coronel.

No grupo de Santana, há quem apoie o enfrentamento, considerando que a irmã do deputado vem sendo maltratada no Hospital de Base de Itabuna. Gilnai Santana exerce a função de presidente da Fundação de Assistência à Saúde de Itabuna (Fasi), entidade mantenedora do hospital.

“A paixão é um componente da política, mas o caso terá que ser decidido com base na razão”, diz o aliado de Santana, que pede o anonimato.

O PIMENTA apurou que o deputado não está debruçado na janela, assistindo ao desenrolar dos acontecimentos. Uma de suas estratégias mais recentes vem sendo buscar aproximar-se do presidente da Câmara de Itabuna, Ruy Machado (PRP), de quem é inimigo e a quem costuma tratar com adjetivos medonhos. Emissários do coronel já ensaiam os primeiros contatos com Machado, para apaziguar os ânimos e fazê-lo esquecer-se dos impropérios.

Uma eventual aproximação com Machado daria a Santana a chance de ter mais influência sobre a tramitação das contas. “Passado esse prazo, há o entendimento de que a omissão do legislativo confirma a decisão do tribunal, mas nesse caso existem maiores chances do prefeito entrar com recursos e obter uma liminar que lhe garanta a candidatura”, diz um advogado consultado pelo blog.

Santana não quer correr riscos e faz de tudo para que a Câmara vote as contas de Azevedo dentro de 60 dias após a entrega do parecer. Este ainda não chegou à Secretaria Parlamentar, mas quando aportar em Itabuna será um Deus nos acuda.

Como tem uma base pouco confiável (não por acaso chamam a bancada do executivo de “batucada”), tudo pode acontecer quando as contas forem à votação. Tem vereador governista que já iniciou os queixumes e muxoxos, dando a entender que poderá votar contra ou que cobrará um preço alto para votar a favor.

É dessa batucada que Azevedo depende.

Santana também!

 

OS PRAZOS DO PMDB

Juvenal: preferência por Leninha.

Juvenal Maynart diz que o deputado federal Lúcio Vieira Lima é quem definirá o pré-candidato do PMDB à prefeitura de Itabuna. O nome será divulgado em janeiro. E o escolhido terá até maio para mostrar poder de fogo. Ou isso ou o PMDB abrirá mão de possível cabeça de chapa.

Juvenal, que compõe a Executiva Estadual e é próximo a Lúcio Vieira Lima, defende o nome da empresária Leninha Alcântara. Para ele, é quem, dos nomes postos, tem os três “Dês”: “densidade, democracia e dimensão”. Alguém mais direto resumiria tudo a um só “D” – de “dinheiro”.

MARCELO NILO CONFIRMA GUIMA EM 2012

Guima: apoio do presidente da Alba.

O presidente da Assembleia Legislativa baiana, Marcelo Nilo, confirmou ontem seu apoio à pré-candidatura de Guima Barreto a prefeito de Buerarema, no sul da Bahia. Nilo lembrou da caminhada política de Guima e, confiante na eleição do pedetista, disse que Buerarema terá o prefeito que merece em 2013.

Um dos líderes do PDT baiano, Nilo foi responsável por levar Guima para a legenda brizolista. A aliança política entre os dois políticos vem desde a eleição do ano passado. Ontem, o pré-candidato reuniu cerca de 300 pessoas numa confraternização em Buerarema.

Nilo comandava sessão que votou o orçamento do Estado para 2012, quando interrompeu as atividades para falar, por telefone, com o políticos e os 300 convidados em Buerarema. E como político gosta de aplausos, o “discurso a distância” foi prolongado.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia