outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  



pm ilheus

:: ‘eleições 2014’

EM URUÇUCA, MOACYR FESTEJA

Moacyr: esperançoso.

Moacyr: esperançoso.

Moacir Leite Júnior (PP), ex-prefeito de Uruçuca, anda rindo à toa com os resultados das urnas no seu município. No primeiro turno, o candidato dele ao governo, Paulo Souto (DEM), venceu em Uruçuca, assim como Geddel Vieira Lima, peemedebista que disputou vaga ao senado.

Nas eleições proporcionais, Paulo Azi, seu candidato a deputado federal, obteve 2.287 votos. Já o candidato a estadual, Augusto Castro, foi o mais votado no município. Os dois venceram.

Após o bom desempenho no primeiro turno, Moacir viu o tucano Aécio Neves obter 44,83%, apesar de toda a máquina municipal operar em favor de Dilma Rousseff. O ex-prefeito apostou suas fichas no nome do PSDB.

Analistas acreditam que os números de 2014 projetam eleição acirrada em 2016 e grandes chances de Moacir retornar ao comando do município. Para isso, as conversas com setores de oposição avançam.

PT ITABUNENSE PREPARA RETORNO DE NOMES HISTÓRICOS

Veridiano aposta em novo momento do PT itabunense (Foto Pimenta).

Veridiano aposta em novo momento do PT itabunense (Foto Pimenta).

José Carlos Veridiano, ex-vereador e ex-presidente do PT itabunense, anda empolgado com o que pode ser chamado de recriação da legenda em Itabuna. Nomes conceituados em Itabuna e quadros históricos do partido serão convidados para participar deste projeto como filiados.

– Não é algo contra ninguém [Geraldo Simões, deputado federal], mas queremos um partido fortalecido, sem “dono” – disse Veridiano ao PIMENTA enquanto comemorava a reeleição de Dilma.

Segundo ele, será uma ação pactuada. Dentre os alvos da velha guarda petista, estão nomes como o do médico sanitarista Humberto Barreto e o ceplaqueano Francisco Gilton. “As conversas estão avançadas”, disse Veridiano, que ainda acrescentou o nome do prefeito Claudevane Leite, hoje no PRB.

As conversas para este novo momento tem a aprovação não apenas do diretório estadual, mas de nomes de peso, a exemplo do governador Jaques Wagner e do governador eleito, Rui Costa. Estes apoios, na opinião de Veridiano, darão mais segurança para o retorno do prefeito.

O governador eleito diz ter um carinho especial pelo sul da Bahia. Internamente, governistas dizem que, após as ações no Semiárido e em mobilidade na Região Metropolitana de Salvador e de Feira, a região sul-baiana passa a ser a “Menina dos Olhos”, pois foram superados obstáculos ambientais.

Para 2015, deverão deslanchar obras e projetos como Aeroporto, duplicação da Ilhéus-Itabuna, Porto Sul e Ferrovia Oeste-Leste, o que poderá representar um novo ciclo de desenvolvimento regional. O governador eleito já anunciou que o centro logístico destes novos investimentos será implantado em Itabuna.

DO MESMO JEITO

marco wense1Marco Wense

Mais engraçado ainda é que Aécio Neves foi derrotado no Rio Grande do Norte, terra natal de Agripino. A diferença a favor da candidata do PT foi de 39,92 pontos percentuais.

Que coisa, hein! Nem mesmo a lição das urnas consegue mudar o discurso preconceituoso de algumas lideranças oposicionistas.
Veja, por exemplo, o que disse o senador Agripino Maia, presidente nacional do DEM, sobre o resultado da eleição: “O Brasil moderno, que produz, deu vitória a Aécio Neves”.

Pois é. Chega a ser até hilariante. Quer dizer que o Nordeste, os Estados de Minas e do Rio de Janeiro e outros que deram vitória a Dilma Rousseff são improdutivos? Só faltava esse besteirol para fechar a tampa do caixão.

Mais engraçado ainda é que Aécio Neves foi derrotado no Rio Grande do Norte, terra natal de Agripino. A diferença a favor da candidata do PT foi de 39,92 pontos percentuais.

E aí, caro leitor, não tem como deixar de fazer duas pertinentes perguntas: o Estado do nobre senador é atrasado, faz parte do Brasil velho? O povo de lá é desinformado, ignorante?

Com calma, senador!

BARBA, CABELO E BIGODE

A expressão popular “barba, cabelo e bigode” significa dizer que o serviço foi completo. Os partidos baianos de oposição ao DEM e ao PSDB fizeram a barba com Rui Costa, o bigode com Otto Alencar e o cabelo com a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Teve também os eleitores que perderam em tudo, votando em Marina Silva, Paulo Souto, Geddel Vieira Lima, Capitão Fábio e Azevedo. No segundo turno no tucano Aécio Neves.

Pé frio uma ova, como diria Luciana Genro. É pé congelado.

O INÍCIO DA DERROTA

O candidato tucano Aécio Neves, do PSDB, partido do deputado estadual e prefeiturável Augusto Castro, começou a perder a eleição quando chamou a presidente da República, Dilma Rousseff, de leviana.

Antes de chamar a candidata do PT de leviana, Aécio já tinha chamado Marina Silva de “metamorfose ambulante” e apontado o dedo para o rosto de Luciana Genro.

O outro desastre foi dizer que o insensível Armínio Fraga seria seu ministro da Fazenda. A pá de cal veio com a declaração do economista de que “o salário mínimo era muito alto no Brasil”.

Juntou uma coisa aqui, outra acolá, terminou dando o que deu: o tucanato novamente derrotado pelo PT.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

ANALISANDO COM SANGUE FRIO

Geraldo MeirelesGeraldo Meireles

Do nosso lado ficaram apenas os mais pobres, os mais conscientes, os mais sonhadores e os mais teimosos. Não foi o Aécio quem perdeu a eleição, foram os brasileiros que venceram.

“Não troco ofensas com ninguém, mas discuto ideias com todos”, disse um tempo atrás a alguém no Face que não estava preparado para uma conversa civilizada sobre política.

Passados os momentos de emoção da disputa eleitoral, quero registrar o que vi de mais importante durante os embates da campanha, porque as lições foram tão preciosas que não merecem cair no esquecimento depois da vitória.

Em primeiro lugar, vi a desconstrução da imagem da “presidenta” e do PT ser iniciada e patrocinada pela grande mídia e pelos demais partidos opositores com as manifestações de junho/2013.

O Brasil tornou-se um palco de guerras urbanas, sem controle e sem sentido, em que os patrimônios público e privado ficaram à mercê de “manifestantes” financiados por interesses escusos, posteriormente revelados por causa da morte de um cinegrafista da Band e acalmados pelo pacto de paz com a visita do Papa Francisco. Por conta disso, vi um bando de “coxinhas” vaiarem a maior autoridade do nosso país diante do mundo, ofendendo-a com palavras e gestos impublicáveis, talvez comuns em suas mesas de jantar e convívio familiar, mas ofensivos às demais famílias brasileiras. Ainda bem que a fraca seleção do Felipão venceu a Copa das Confederações, caso contrário a Dilma e o PT seriam culpados.

Vi o grito de que “não vai ter Copa” tomar as ruas, os “analistas midiáticos” e os políticos de ocasião decretarem que o Brasil passaria vergonha na Copa, porque nada funcionaria, as obras de mobilidade urbana inacabadas seriam um obstáculo intransponível ao acesso dos torcedores, os aeroportos travariam, os estádios não ficariam prontos, a internet não atenderia às exigências da mídia estrangeira. A única coisa que eles apontavam como pronta e inatacável era a seleção do da Felipão, já que Dilma não era a treinadora.

Atendendo o clamor das ruas, num clima de forte comoção, vi políticos envolvidos no chamado “mensalão do PT” (registre-se nem todos eram do PT) serem julgados, presos, ridicularizados e expostos como troféu anticorrupção. Enfim, vi o fim da era PT profetizado por aqueles que não suportavam a simples menção dos nomes do Lula e da Dilma.

Para contra-atacar, a Dilma lançou mais programas sociais, anunciou o “Mais Médicos” priorizando a entrada de médicos brasileiros no programa e, depois, estrangeiros de várias nacionalidades, inclusive cubanos. Incrementou mais recursos para o “Minha Casa Minha Vida” e sentenciou que teríamos a “Copa das Copas” – o que foi comprovado por toda imprensa estrangeira, pela FIFA e pela grande mídia do nosso país que destinou todos os créditos ao povo brasileiro, ignorando as ações do governo. Aliás, para uma parte da mídia, o PT já havia comprado a Copa e o Brasil seria, inexoravelmente, campeão.

Vi a “Máfia do Jaleco Branco” mobilizada numa campanha “nunca vista antes na história deste país”, cuja palavra de ordem era “Fora Dilma e leve o PT junto”. Para eles, pobre tinha que morrer sem assistência médica básica, porque quando a Atenção Básica funcionar adequadamente, seus Planos de Saúde, suas clínicas e seus hospitais terão menos lucro.

Vi o Brasil entrar dividido num processo eleitoral, de um lado aqueles que representavam o mercado, a grande mídia e o projeto de estado mínimo que, anos atrás, havia colocado o país de joelhos diante do mundo; do outro lado, o PT odiado, estigmatizado como partido da corrupção, ferido mortalmente em seus alicerces e os aliados que lhe restaram. No meio disso tudo, vi surgir uma terceira via, uma alternativa de escolha para quem não queria retornar ao passado sombrio e havia perdido a confiança no PT. Só que essas duas alternativas ao PT não demonstravam viabilidade eleitoral, porque o que restava do PT ainda era consistente, o povo não abriria mão de suas conquistas por causa de promessas sem garantia.

:: LEIA MAIS »

ELEIÇÕES 2014: OAB REPUDIA DISCRIMINAÇÃO AOS NORDESTINOS; VEJA COMO DENUNCIAR

Marcus Vinicius Furtado...

Marcus Vinicius Furtado, presidente nacional da OAB (Foto Divulgação).

A OAB repudiou nesta segunda-feira (27) as manifestações de discriminação contra nordestinos após a eleição presidencial ocorrida no domingo (26).

– O Brasil é uma nação plural, tolerante e respeitosa. Essas manifestações preconceituosas contra nordestinos advêm de uma minoria e merece ser repudiada pela sociedade brasileira – afirmou o presidente nacional da Ordem, Marcus Vinicius Furtado Coêlho.

As redes sociais foram invadidas por comentários preconceituosos e racistas após a reeleição da presidente Dilma Rousseff. A OAB, como voz constitucional do cidadão, repudia de forma veemente essas manifestações, contrárias ao conceito exposto na Carta Maior da construção de uma sociedade justa, solidária e fraterna.

O cidadão que se sentir ofendido ou que testemunhe atos de preconceito pode entrar com uma representação no Ministério Público Federal. O procedimento pode ser feito pela internet, neste link.

WAGNER: DILMA TERÁ GOVERNO “AINDA MELHOR”

Do Brasil 247

Linha de frente na campanha e futuro homem forte do próximo mandato da presidente Dilma Rousseff, o governador Jaques Wagner (PT) usou seu perfil no Twitter para comemorar a vitória após apuração das urnas na noite deste domingo (26). “O povo brasileiro escolheu, mais uma vez, continuar no caminho que está transformando a vida de milhões de pessoas”.

Wagner disse também que o próximo governo da petista será melhor do que o atual e aproveitou para destacar futuro promissor para o governador eleito da Bahia, seu correligionário Rui Costa.

“Dilma terá um segundo governo ainda melhor, com mais futuro, mais realizações e esperança para os brasileiros e, com Rui, vai trazer grandes projetos para a Bahia”.

Para Wagner, Dilma terá governo ainda melhor (Foto Roberto Stucket Filho).

Para Wagner, Dilma terá governo ainda melhor (Foto Roberto Stucket Filho).

DILMA VENCE EM 11 DOS 13 MAIORES COLÉGIOS ELEITORAIS DA BAHIA

Dilma Rousseff durante comício em Feira de Santana, onde obteve quase 70% dos votos (Foto Vaner Casaes/BAPress).

Dilma durante comício em Feira, onde obteve quase 70% dos votos (Foto Vaner Casaes/BAPress).

A presidente Dilma Rousseff obteve 70,16% dos votos na Bahia e venceu em quase todos os 13 maiores colégios eleitorais do Estado, conforme levantamento feito pelo PIMENTA.

Salvador e Feira de Santana, controladas pelo DEM, aliado de Aécio Neves (PSDB), deram vitória expressiva a Dilma. Em Salvador, a presidente abocanhou 67,28% dos votos válidos, enquanto Aécio teve 32,72%. Já em Feira, Dilma alcançou 66,73% dos votos ante 33,27% de Aécio.

Vitória da Conquista, administrada há quase 20 anos pelo PT, registrou vitória apertada de Aécio (50,59% a 49,41%). Dilma também foi derrotada em Eunápolis: 51,95% a 48,05%.

Dilma venceu por margem apertada em Itabuna – 52,52% ante 47,48% do adversário tucano. Acompanhe os números nos principais colégios eleitorais.

Salvador
Dilma – 918.160 (67,28%)
Aécio – 446.487 (32,72%)

Feira de Santana
Dilma – 196.907 (66,73%)
Aécio – 98.167 (33,27%)

Vitória da Conquista
Aécio – 84.693 (50,59%)
Dilma – 82.732 (49,41%)

Camaçari
Dilma – 70.085 (61,65%)
Aécio – 43.595 (38,35%)

Itabuna
Dilma – 56.381 (52,52%)
Aécio – 50.974 (47,48%)

Juazeiro
Dilma – 80.611 (74,76%)
Aécio – 27.212 (25.24%)

Ilhéus
Dilma – 52.546 (59,77%)
Aécio – 35.371 (40,23)

Lauro de Freitas
Dilma – 57.596 (70,31%)
Aécio – 24.317 (29,69%)

Jequié
Dilma – 53.735 (70,70%)
Aécio – 22.269 (29,30%)

Teixeira de Freitas
Dilma – 36.935 (55,59%)
Aécio – 29.504 (44,41%)

Porto Seguro
Dilma – 34.131 (61,72%)
Aécio – 21.166 (38,28%)

Simões Filho
Dilma – 46.045 (80,48%)
Aécio – 11.165 (19,52%)

Eunápolis
Aécio – 26.128 (51,95%)
Dilma – 24.163 (48,05%)

REELEITA, DILMA DEFENDE DIÁLOGO E REFORMA POLÍTICA

Dilma e Lula comemoram vitória eleitoral (Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil).

Dilma e Lula comemoram vitória eleitoral (Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil).

Da Agência Brasil

A presidenta reeleita Dilma Rousseff falou em união e reformas em seu primeiro discurso após o resultado das urnas. Em Brasília, Dilma negou que o país esteja dividido e pediu paz entre todos. “Conclamo, sem exceção, todas as brasileiras e brasileiros a nos unirmos em favor de nossa pátria, de nosso país, do nosso povo. Não creio que essas eleições tenham dividido o país. Entendo que elas tenham mobilizado ideias e emoções, às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum: a busca por um futuro melhor para o Brasil”, disse.

A presidenta disse também que entendeu o recado das urnas sobre a necessidade de mudanças. “O caminho é muito claro. Algumas palavras e temas dominaram essa campanha. A palavra mais repetida, mais falada, foi mudança. O tema mais amplamente convocado foi reforma. Sei que estou sendo reconduzida para ser a presidenta que irá fazer as grandes mudanças que a sociedade precisa”, disse.

Segundo a presidenta, a primeira reforma que ela buscará será a política. Dilma disse que vai procurar o Congresso Nacional para conversar, assim como movimentos da sociedade civil. Ela voltou a insistir na necessidade de um plebiscito para “dar força e legitimar” a reforma.

“Entre as reformas, a primeira e mais importante deve ser a reforma política. Deflagrar essa reforma, que é de responsabilidade do Congresso, deve mobilizar a sociedade por meio de um plebiscito, de uma consulta popular. Somente com um plebiscito nós vamos encontrar a força e a legitimidade para levar adiante este tema. Quero discutir isso com o novo Congresso eleito. Quero discutir igualmente com os movimentos sociais e as forças da sociedade civil.”

Em seguida, Dilma voltou a prometer empenho no combate à corrupção. “Terei um compromisso rigoroso com o combate à corrupção, fortalecendo os mecanismos de controle e propondo mudanças na legislação para acabar com a impunidade, que é a protetora da corrupção”, disse Dilma.

Na área econômica, a presidenta disse que vai promover “com urgência” ações localizadas na economia para a recuperação do ritmo de crescimento com a manutenção de empregos e da renda dos trabalhadores. O combate à inflação também será uma prioridade, segundo ela. “Vou estimular, o mais rápido possível, o diálogo e a parceria com todos os setores produtivos do país”, disse. Por fim, Dilma disse que hoje está “muito mais forte, mais serena e mais madura” para a tarefa que lhe foi delegada.

DILMA UNIU GERALDO E DAVIDSON

Carreata de Dilma une Davidson e Geraldo, que seguiram lado a lado.

Carreata de Dilma une Davidson e Geraldo, que seguiram lado a lado.

A carreata em apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) ontem, em Itabuna, conseguiu algo inusitado após a tensão do primeiro turno. Davidson Magalhães (PCdoB) e o deputado federal Geraldo Simões (PT) seguiram a carreata em um mesmo carro e lado a lado. Juntos, por três horas.

VOX POPULI MOSTRA DILMA 8 PONTOS À FRENTE DE AÉCIO: 54% a 46%

Dilma aparece 7 pontos à frente de Aécio no Vox Populi (Montagem R7).

Dilma aparece 8 pontos à frente de Aécio no Vox Populi (Montagem R7).

A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) continua à frente do senador Aécio Neves (PSDB) na disputa pela Presidência da República, segundo pesquisa Vox Populi divulgada neste sábado (25) por TV Record, Record News e Portal R7. A petista aparece com 48% dos votos totais, contra 41% do tucano.

A vantagem de Dilma sobre Aécio passou de três para sete pontos percentuais, já que no último levantamento, de 20 de outubro, a petista tinha 46% e o tucano, 43% dos votos totais. A pesquisa de hoje, portanto, é a primeira do instituto em que Dilma aparece na liderança fora da margem de erro.

Votos brancos e nulos somam 5%, enquanto outros 5% dos entrevistados não souberam ou não responderam.

Considerando apenas os votos válidos — que exclui brancos, nulos e eleitores indecisos —, Dilma passou de 52% para 54% na pesquisa atual, enquanto Aécio caiu de 48% para 46%.

A pesquisa foi realizada neste sábado com 2.000 eleitores de 147 municípios do país. O levantamento está registrado no TSE com o número BR-01185/2014. Do R7.

DATAFOLHA: DILMA APARECE COM 52% E AÉCIO COM 48%

Saiu a nova pesquisa Datafolha. Dilma Rousseff oscilou de 53% para 52%. Aécio saiu de 47% para 48%. A pesquisa foi encomendada pela Folha de São Paulo e a TV Globo.

Ao contrário do Ibope, o Datafolha aponta situação de empate técnico no limite da margem de erro entre os presidenciáveis.

Nos votos totais, Dilma tem 47% e Aécio, 43%.Brancos e nulos somam 5%, igual percentual de indecisos.

O instituto ouviu 19.318 eleitores em 400 municípios nos dias 24 e 25 de outubro e tem margem de erro de dois pontos percentuais. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01210/2014. Atualizado às 18h49min.

DIRIGENTE PEDE A MILITÂNCIA QUE INTENSIFIQUE CAMPANHA POR DILMA

Everaldo: militância nas ruas por Dilma.

Everaldo: militância nas ruas por Dilma.

O presidente do Diretório Estadual do PT e coordenador da campanha de Dilma na Bahia, Everaldo Anunciação, conclamou a militância a intensificar as atividades para conquistar, para Dilma Rousseff, o voto dos indecisos e até mesmo daquelas que votaram em outro candidato no primeiro turno.

Ele diz que a vitória de Rui Costa (PT) no primeiro turno “é mais um forte argumento para que a população vote em Dilma, um governo alinhado que vai trabalhar em parceira”. A presidente conquistou 61,44% dos votos, vencendo em 416 dos 417 municípios baianos. “Estamos trabalhando muito para ampliar a quantidade de votos neste segundo turno”, diz.

Everaldo orienta a militância “a usar trajes vermelhos, adesivo no peito e sair com sua bandeira”. Para o dirigente, “não são apenas duas propostas diferentes, estão em disputa dois projetos antagônicos. O do PSDB é arrocho salarial, privatização, desemprego, repressão aos movimentos sociais, preconceito e discriminação.”

Já a proposta do PT, destaca o presidente, “é avançar no crescimento econômico com distribuição de renda, educação de qualidade, valorização dos salários, defesa do patrimônio público, respeito às diferenças, relação com os movimentos sociais e ampliação dos programas que atendem a maioria da população.”

Everaldo “alerta que, no domingo, além do voto, é também importante o trabalho de fiscalização”. E completa: “a disputa eleitoral só termina às 17h”.

AÉCIO MINIMIZA PESQUISAS E AFIRMA QUE VAI GANHAR

Aécio Neves critica pesquisa e nível de campanha (Foto Orlando Brito).

Aécio Neves critica pesquisa e nível de campanha (Foto Orlando Brito).

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, desconsiderou o resultado das pesquisas eleitorais, que o apontam atrás da petista Dilma Rousseff, que disputa a reeleição, criticou o nível da campanha e garantiu que será vencedor no próximo domingo (26).

Aécio falou à imprensa na tarde de ontem (23) no comitê de campanha do Rio. Sobre as pesquisas, o candidato lembrou que o que se viu no primeiro turno foi uma distância muito grande entre a vontade do eleitor e o que as pesquisas manifestavam.

“Eu vejo as pesquisas como um estímulo aos nossos companheiros e companheiras que querem mudar. Fiquem alertas e atentos porque temos todas as chances de ganhar. Mas eu não paro para avaliar pesquisas. Quero reafirmar que, assim como eu cheguei no segundo turno, no domingo que vem, vamos vencer as eleições e escrever uma nova página na história do Brasil”, disse Aécio, que estava ao lado da filha Gabriela.

Aécio mostrou-se inconformado com o nível político da campanha. “No futuro, essa campanha será tida como a de mais baixo nível de todas as que tivemos desde a redemocratização. A campanha conduzida por nossos adversários é a mais sórdida e mentirosa de todas. Hoje mesmo estão sendo presas pessoas com boletins falsos, com infâmias, com acusações levianas em relação a mim, à minha família.”

De acordo com o candidato, hoje mesmo surgiram denúncias sobre mensagens de telemarketing assustando e aterrorizando pessoas beneficiadas pelo Programa Bolsa Família. “Quem age de forma tão sórdida como essa, não está preparado para a democracia e teme o resultado das eleições”, afirmou Aécio.

:: LEIA MAIS »

OS DERROTADOS DO PMDB

Geddel é nome na lista dos derrotados no PMDB (Foto ABr).

Geddel é nome na lista dos derrotados no PMDB (Foto ABr).

A cúpula do PMDB não está resistindo às urnas. Até agora, só o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), saiu vitorioso. No domingo, outros dois podem se manter por cima: o vice Michel Temer e o senador Jader Barbalho (PA). Na cota dos derrotados: José Sarney, Geddel Vieira Lima e Edison Lobão. E domingo tem mais nessa lista.

Panorama Político, O Globo

53% A 47%: DILMA ABRE 6 PONTOS DE VANTAGEM NO DATAFOLHA

Dilma aparece à frente de Aécio e fora da margem de erro.

Dilma aparece à frente de Aécio e fora da margem de erro.

O Datafolha acaba de publicar nova pesquisa com as intenções de voto do eleitor na disputa à presidência da República. Dilma Rousseff (PT) abre seis pontos de vantagem. Aparece com 53% contra 47% de Aécio Neves (PSDB) nos votos válidos.

Quando considerados os votos totais, Dilma aparece com 48% e Aécio oscila para 42%. A diferença está fora do limite da margem de erro e não há mais empate técnico. Brancos e nulos somam 5%, assim como o percentual de indecisos.

A rejeição a Aécio bateu em 41%, enquanto a de Dilma manteve a tendência de queda. A presidente é rejeitada agora por 37% dos eleitores. Há duas semanas, eram 44%.

O Datafolha ouviu 9.910 eleitores ontem e hoje (22 e 23). A margem de erro é de 2 pontos percentuais. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 1162/2014.

DATAFOLHA: 46% DEIXARIAM DE VOTAR NO DOMINGO SE NÃO FOSSEM OBRIGADOS

eleições 2014Se o voto não fosse obrigatório no Brasil, 46% dos eleitores do país não iriam votar no próximo domingo, e 53% compareceriam às urnas. Quanto mais baixa a escolaridade do eleitor, menor sua disposição para votar: entre os eleitores com ensino fundamental, 46% iriam votar se não houvesse obrigatoriedade; entre aqueles que estudaram até o ensino médio, o índice sobe para 52%; e entre os que estudaram até o ensino superior, alcança 68%. Entre os eleitores de Dilma, 58% iriam votar se o voto não fosse obrigatório, índice similar ao registrado entre os eleitores de Aécio (56%).

A fatia do eleitorado que não votaria se não houvesse obrigatoriedade alcançou 57% em maio deste ano, e desde então vem caindo. Em julho, recuou para 54%; no final de agosto, foi a 50%; e agora, com a proximidade da eleição, fica em 47%.

A obrigatoriedade do voto tem o apoio, atualmente, de 40% dos eleitores brasileiros. A maioria (55%) é contrária, 4% são indiferentes, e 1% não tem opinião sobre o tema. Na comparação com levantamento realizado no final de agosto, o apoio à obrigatoriedade ficou igual (40%) e posição contrária teve oscilação negativa (era de 56%). Informações do Datafolha.

WAGNER, O INTUITIVO

Wagner diz que sua intuição aponta para vitória de Dilma (foto Pimenta).

Wagner diz que sua intuição aponta para vitória de Dilma (foto Pimenta).

Da Coluna Tempo Presente, d´A Tarde

Jaques Wagner diz já estar calejado de ver pesquisa apontar um resultado e a urna dar outro. Cabo eleitoral de proa da presidente Dilma, desde a semana passada ele prognosticava para os aliados:

– Minha intuição diz que Dilma ganha.

Confira mais

A COLUNA VETADA: FLA-FLU ELEITORAL

Abaixo, a coluna do jornalista Xico Sá que foi censurada pela Folha há cerca de dez dias. Ele, mais que declarar voto, pedia uma mudança comportamental da imprensa em relação às eleições. O texto está publicado na coluna da ombudsman da Folha, Vera Guimarães Martins. Este blog tomou a ousadia de reproduzi-lo por ter tocado no assunto na última semana.  Xico, como se sabe, pediu demissão ao ter sua coluna vetada no caderno de Esporte (relembre). Segue a íntegra e o link para a coluna da ombudsman.

______________________

Xico Sá divulgaçãoXico Sá

Se no primeiro turno foi Brasileirão de pontos corridos, agora, camarada, é Copa do Brasil, mata-mata.

Amigo torcedor, amigo secador, mesmo com a obviedade ululante PT x PSDB, eleição não é Fla-Flu, eleição não é sequer Atlético x Cruzeiro, Galo x Raposa, para levar a contenda para as Minas Gerais onde nasceram os dois candidatos do segundo turno.

Eleição não é dérbi clássico como Guarani x Ponte Preta, eleição é tão mais rico que cabe, lindamente contra o voto, meus colegas anarquistas na parada, votar simplesmente no nada, nonada, como nos sertões de Guimarães Rosa, sempre na área.

Fla-Flu, embora exista antes do infinito e da ideia de Gênesis, nego esquece em uma semana. Futebol nego esquece no 25º casco debaixo da mesa, afinal de contas, como dizia meu irmão Sócrates Brasileiro, futebol não é uma caixinha de nada, futebol é um engradado de surpresas sempre dividido com amigos de todos os clubes.

Doutor Sócrates Brasileiro que foi mais pedagógico, um Paulo Freire da bola, com a Democracia corintiana, do que muitas escolas. Doutor Sócrates, Casagrande e Vladimir nos ensinaram mais sobre a ideia grega do “poder do povo e pelo povo” do que toda aquela imposição de Educação Moral e Cívica dos generais das trevas.

Foi-se o tempo que viver era Arena x MDB, era Brahma x Antarctica. Até porque eles hoje são a mesma coisa, a mesma fábrica, a mesma Ambev que botou dinheiro de monte até na Marina evangélica – la não queria, mas o tesoureiro, talvez neopentecostal, pegou do mesmo jeito de todo mundo, vai saber, já era.

Eleição é coisa de quatro anos, no mínimo, pois até quem diz que não quer mais compra um aninho de luxúria e sossego iluminista em Paris, como já vimos no caso do FHC, comprovado em um dos maiores furos desta Folha, reportagem do grande Fernando Rodrigues, parlamentar comprado a preço de mensalão superfaturado.

Cadê a memória, a mínimo morália, como diria Adorno, jornalista safado?

Quem dera eleição fosse apenas o Fla-Flu que dizem. Quem dera fosse apenas um cordel que poderia ser resumido na peleja do playboy danadinho contra a mulher durona. É tudo mais complexo, ainda bem, e se no primeiro turno foi Brasileirão de pontos corridos, agora, camarada, é Copa do Brasil, é mata-mata.

Como sou favorável à linha dos jornais americanos que declaram voto, coisa que meu jornal  aqui teimosamente não encampa, queria deixar claro da minha parte: voto Dilma, apesar do meu pendor anarquista. Perdão, Bakunin, mas meu voto é contra a imprensa burguesa.

Digo que o jornal que me emprega não encampa e justiça seja feita: nunca me proibiu de dizer nada. Nem no impresso nem no blog. “Bota pra quebrar, meu filho”, lembro do velho Sr. Frias nessa hora, que cabra!

Seria legal que todos os jornalistas, que têm lado sim, se declarassem. Quem se apresenta para tornar as coisas mais iluminadas?

Xico Sá é jornalista e ex-colunista da Folha.

PESQUISA CNT/MDA MOSTRA DILMA COM 50,5% E AÉCIO COM 49,5%

Aécio e Dilma aparecem novamente empatados, agora na CNT/MDA.

Aécio e Dilma aparecem novamente empatados, agora na CNT/MDA.

A primeira pesquisa do Instituto MDA neste segundo turno revela a presidente Dilma Rousseff (PT) numericamente à frente, mas em situação de empate técnico com Aécio Neves (PSDB). A candidata à reeleição tem 50,5% dos votos válidos, enquanto Aécio atinge 49,5%.

Nos votos totais, Dilma tem 45,5% e Aécio alcança 44,5%. Neste cenário, o percentual de brancos e nulos vai a 5,7% e o de indecisos chega a 4,3%. A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

Dilma aparece com 43,8% e Aécio com 42,1% na pesquisa espontânea, quando o entrevistador pergunta em quem o eleitor vota, mas não lhe apresenta os nomes dos candidatos. Brancos e nulos atingem 6,1% e indecisos, 8%. Outros nomes representam 0,1%.

Apenas o MDA e o Vox Populi colocaram Dilma Rousseff à frente, numericamente, neste segundo turno. Ibope e Datafolha mostram empate técnico, mas com Aécio dois pontos à frente.

Se aparece atrás nas intenções de voto, Aécio é tido como o favorito para ganhar a disputa por 46,7% dos eleitores consultados pelo MDA no sábado e no domingo (dias 18 e 19). Para 42,5%, Dilma será reeleita.

Aécio também supera Dilma Rousseff em rejeição. O tucano tem 41%, enquanto Dilma aparece com  um pouquinho menos: 40,7%. Confira outros números da pesquisa:

LIMITE DE VOTO

DILMA ROUSSEFF é a única em que votaria (38,1%); é uma candidata em que poderia votar (19,3%); não votaria nela de jeito nenhum (40,7%); não conhece/não sabe quem é/ nunca ouviu falar (0,2%).

AÉCIO NEVES é o único em que votaria (34,4%); é um candidato em que poderia votar (21,4%); não votaria nele de jeito nenhum (41,0%); não conhece/não sabe quem é/ nunca ouviu falar (1,1%).

HORÁRIO ELEITORAL 

Assistiu ou ouviu no 2º turno: Sim (64,8%), Não (34,5%)
Candidato considerado o melhor no horário político (para quem assistiu/ouviu):
Aécio (47,4%), Dilma (38,0%)

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR – 01139/2014. Foram consultados 2.002 eleitores em 137 municípios. A pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais.

GERALDO DIZ QUE ESPERAVA VOTAÇÃO MAIOR E APOIA RETORNO DE VANE AO PT

Geraldo Simões 3Geraldo Simões já foi prefeito de Itabuna por duas vezes, deputado estadual na década de 90 e três vezes eleito deputado federal. Neste ano, o parlamentar obteve 55.636 votos na disputa à reeleição.

A derrota eleitoral o leva à reflexão, algo que fará, de forma mais aprofundada, segundo o próprio, a partir de fevereiro, já fora do parlamento federal.

Geraldo concedeu uma rápida entrevista ao PIMENTA. O petista defende financiamento público de campanha e o voto distrital misto.

Ainda na entrevista, o petista também aborda a necessidade da reeleição de Dilma Rousseff, retorno de Claudevane Leite ao PT e se o seu filho atrapalhou os seus planos eleitorais.

Confira.

BLOG PIMENTA – O partido abriu as portas para o retorno de Vane, mas se fala em objeções no grupo geraldista. Há resistências de sua parte a esse possível retorno do prefeito?

GERALDO SIMÕES - As portas do PT estão abertas a todas as pessoas de bem de Itabuna. Essa é uma coisa. Qualquer pessoa que tenha comportamento ético, bom vizinho, pense a política da gente, é um filiado em potencial do PT.

PIMENTA – É o caso de Vane?

GERALDO - É, ele pensa coletivo.

PIMENTA – Falando em eleição, o seu resultado não te surpreendeu?

GERALDO - Eu esperava uma votação maior, mas compreendo, porque eu fiz campanha muito nos segmentos mais pobres da cidade. Eu fiz 40 visitas em bairros, de casa em casa, e a abstenção aqui passou de 23%. Abstenção mais voto branco e nulo superaram 37% [para deputado]. Compreendo e agradeço.

PIMENTA – E agora?

GERALDO - Já fui eleito seis vezes, já fui prefeito de Itabuna. É tocar a vida pra frente. Me preocupa a eleição de Dilma. A reeleição de Dilma é garantia de que essas obras importantes – e são muitas – serão concluídas. Vamos continuar trabalhando com ideias, projetos para a nossa região e para que novas obras saiam.

PIMENTA – A candidatura do seu filho, Thiago Simões, não atrapalhou seus planos políticos?

GERALDO - Não, não. A minha dobradinha com Thiago foi em Itabuna, pois Jota Carlos, que transfere voto para o federal, fez uma outra opção em Salvador, apoiando Benito Gama (PTB). Então, aqui em Itabuna, não tinha compromisso com ninguém. Não ficaria bem pra mim, na cidade onde meu filho tem domicílio eleitoral, não apoiá-lo. Se for para dar uma analisada, eu continuo defendendo que se tenha voto distrital, pois eu só faço campanha aqui no sul da Bahia, e que tenha financiamento público de campanha. É difícil concorrer em campanha.

PIMENTA – Por que?

GERALDO - Está ficando cada vez mais caro. Estou analisando e propondo que é bom mudar o marco da política no Brasil com o voto distrital. É desvantagem para o deputado uma campanha em toda a Bahia. Sou um homem sem posses. Gasta-se R$ 10 milhões, R$ 12 milhões em uma campanha em toda a Bahia para ter 100 mil votos.

PIMENTA – O senhor fala que não é um homem de posses, mas não é isso que está nas ruas…

GERALDO - Aí é só olhar Imposto de Renda, olhar essas coisas todas. Olhe minha campanha. Os gastos, acho, não vão passar de R$ 100 mil reais. Minha campanha teve gasto similar à de vereador em Itabuna.

PIMENTA – A dificuldade do sr. em obter recursos para esta campanha se deve a quê?

GERALDO - Decorre da opção que faço, das minhas bandeiras. Olhe minhas opções: eu ajudo o funcionalismo da Ceplac, que não pode financiar campanha, eu ajudo os agricultores familiares, ajudo os produtores contra a demarcação de terras, pois acho injusta, ajudo profissionais papiloscopistas. Então, este é o meu perfil de candidato. As minhas relações são exatamente com grupos que não têm poder econômico consolidado. Aqui em Itabuna, eu não recebi uma contribuição de campanha. Não estou me queixando, apenas dizendo que não mudo meu estilo. Devemos mudar a legislação, com fundo público de campanha, fim das coligações proporcionais e o voto distrital misto.

PIMENTA – Quais são os planos, após o término do mandato em 30 de janeiro?

GERALDO - Vou trabalhar bem até janeiro e dar uma descansada, fazer uma reflexão, eu, Juçara, meus filhos, meu grupo.

PIMENTA – Analisando este mandato, o que ocorreu, especificamente, que afetou seus planos eleitorais?

GERALDO - Tivemos seis mandatos. Quer que eu lhe fale, sem arrogância? Analise os mandatos que existiram em Itabuna de 1950 até hoje. Veja se houve deputado para produzir tanto como eu. Universidade Federal [do Sul da Bahia], todos sabem que tem a minha digital por meio da minha amizade com o presidente Lula… Tem o preço mínimo do cacau. A política do preço mínimo existe desde 1940 e o cacau nunca fez parte disso. Agora faz parte. Some a melhoria da Ceplac, a duplicação da rodovia, a obra da barragem, que está parada, mas vai ser retomada. E ainda temos a defesa contra a demarcação das terras tupinambás.

PIMENTA – Os produtores reclamam de lentidão.

GERALDO - Nosso mandato se posicionou junto à presidenta Dilma e aos ministros da Casa Civil e da Justiça contra um processo de demarcação injusto, a ponto de o próprio governo estar mudando. Agora não é só da Funai o ato exclusivo. Ouve-se a Funai, mas também o Ministério da Agricultura, a Embrapa e Ministério das Cidades para se tomar uma decisão. Trabalhei muito. Saio desse mandato com a consciência do dever cumprido para com a nossa cidade, Itabuna, e a nossa região.

AÉCIO JÁ GANHA DE DILMA EM REJEIÇÃO E PERDE IMAGEM DE “BOM-MOÇO”

Aécio: crescimento da rejeição (Foto Pimenta)..

Aécio: rejeição em alta (Foto Pimenta).

Panorama Político, O Globo

As críticas da campanha da presidente Dilma, nos comerciais de TV, estão colando em Aécio Neves. As pesquisas qualitativas revelam, segundo analistas políticos, que os ataques fizeram a rejeição de Aécio ficar maior que a de Dilma. Por isso, os tucanos querem paralisar essa ofensiva e estão requerendo ao TSE que tire o adversário do ar ou lhes dê direito de resposta.

A campanha tucana diz que em pesquisas qualitativas o público reagiu mal aos ataques entre os candidatos no debate do SBT. Mas nos estúdios da TV, auxiliares e apoiadores reagiram exultantes aos ataques desferidos por Aécio Neves contra a presidente Dilma. Os políticos pedem bis. Profissionais do marketing avaliam que o embate foi ruim para os dois. Mas fazem uma ressalva: “Quem já tinha imagem ruim era o PT”. Esse tem sido o mote da campanha tucana, associar Dilma aos malfeitos do seu partido. Mas, como o tucano se apresenta como o bom-moço, há uma avaliação na praça de que “pancadaria desse tipo faz mais mal a ele do que a ela”.

“EU NÃO TÔ ME SENTINDO BEM”

A presidente Dilma Rousseff (PT) passou mal após o debate do SBT, ontem à noite. A uma repórter da rede de televisão, a candidata à reeleição disse ter sentido uma queda de pressão (confira vídeo abaixo).

O debate do SBT foi histórico, não pela qualidade do seu conteúdo, mas por causa do baixo nível – de ambos os lados. Tanto Dilma Rousseff quanto Aécio Neves (PSDB) avançaram até em questões familiares.

Sem provas, Aécio disse que o irmão da petista, Igor Rousseff, era funcionário fantasma na Prefeitura de Belo Horizonte, o que foi desmentido pelo prefeito à época e hoje governador eleito de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

Por outro lado, Dilma insistiu no nepotismo praticado por Aécio, que empregou uma irmã, vários tios e primos no governo de Minas no mesmo período em que ele esteve à frente do comando do Estado. O conteúdo completo do debate está acessível no portal Uol, parceiro do SBT nesta empreitada.

Após passar mal, Dilma gravou mensagem para dizer que estava bem e iria comer um feijãozinho com arroz. Confira a mensagem.

Após o debate, o tucano Aécio Neves fez troça da petista. Disse que ela entrou em desespero. “Viu que ela passou mal?”, questionou Marina, por telefone.