novembro 2014
D S T Q Q S S
« out    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  



pm ilheus

:: ‘Expresso Rio Cachoeira’

EMPRESAS QUEREM PASSAGEM A R$ 2,50, MAS PREFEITO DIZ NÃO – POR ENQUANTO

Vane e secretário Clodovil Soares (camisa mais escura) recebem empresários (Foto Wilson Moreira).

Vane e secretário Clodovil Soares (camisa mais escura) recebem empresários (Foto Wilson Moreira).

Representantes das duas empresas que detêm a concessão do transporte público em Itabuna foram ao prefeito Claudevane Leite. A São Miguel e a Expresso Rio Cachoeira querem reajuste da tarifa. Pela proposta apresentada, e divulgada pelo governo, a tarifa saltaria de R$ 2,20 para R$ 2,50.

O prefeito Claudevane Leite diz que reajuste só no segundo semestre, após a licitação das linhas municipais. Vane espera atrair empresas que possam melhorar a qualidade do serviço prestado aos itabunenses. Ele também afirma que as empresas não responderam satisfatoriamente a acordos definidos no ano passado, no calor das manifestações populares de junho último.

– A meta é atrair empresas que ofereçam ônibus novos, com mais segurança e conforto, além de dotar a cidade de uma estação de transbordo que permita a criação do sistema integrado e possibilite a criação do bilhete único, em que o usuário poderá pagar apenas uma passagem quando fizer duas viagens, em determinado espaço de tempo – diz em nota.

A mudança, porém é vista com ceticismo pelo mercado. E aí vem a explicação: os negócios em transporte rodoviário são bastante concentrados em mãos de poucos empresários. Estes dividem as regiões em mãos de acionistas minoritários. A prática ocorre tanto no transporte municipal como intermunicipal e interestadual.

ITABUNENSE AMANHECE SEM ÔNIBUS

Greve mantém 100% da frota de ônibus na garagem em Itabuna (Foto Pimenta).

Os mais de 40 mil itabunenses que utilizam ônibus diariamente tiveram que recorrer a transporte alternativo ou bater perna para chegar ao trabalho ou se deslocar para outras atividades. A greve dos rodoviários paralisou todas as linhas urbanas. Motoristas e cobradores cruzaram os braços e as frotas das empresas São Miguel e Expresso Cachoeira não deixaram as respectivas garagens nesta terça, 29.

Os rodoviários exigem reajuste de 16,5%, tíquete refeição, aumento de 60% para 70% do valor da hora extra e passe livre. Até ontem, a categoria dizia que não havia obtido retorno da Associação das Empresas de Transporte Urbano (Aetu). As negociações começaram com duas das empresas de transporte intermunicipal (Rota e Águia Branca), mas rodoviários ligados às duas empresas também deflagraram greve.

RIO CACHOEIRA INVESTE R$ 4,8 MI NA RENOVAÇÃO DA FROTA

Elvis: renovação de frota.

A Expresso Rio Cachoeira investiu R$ 1,8 milhão na aquisição de seis novos ônibus que integrarão a frota do transporte urbano em Itabuna. Elvis Souza, diretor da empresa, anunciou que mais R$ 3 milhões serão investidos na compra de mais dez ônibus novos.

Os novos veículos são equipados com elevador para cadeirante, possuem quatro câmeras de segurança cada e têm capacidade para transportar 80 passageiros.

Das duas empresas que possuem concessão do sistema de transporte em Itabuna (há ainda a São Miguel), a Cachoeira é a que mais tem modernizado a frota. O secretário de Transporte e Trânsito, Wesley Melo, afirma que 60% da frota de ônibus foi renovada nos últimos três anos.

Cachoeira investe R$ 4,8 milhões em renovação da frota em 2012 (Foto Pedro Augusto).

A “DUREZA” DA AGERBA

A Agerba enviou ofício à Secretaria de Transporte e Trânsito de Itabuna solicitando que a pasta dê um conselhinho às empresas de ônibus urbanos do município:  respeitem os limites da cidade e, assim, não façam transporte de passageiros na área do Atacadão e Makro.

O secretário Wesley Melo recebeu o recado e já passou adiante.

Notemos que a Expresso Rio Cachoeira e a São Miguel, que operam as linhas urbanas em Itabuna, não têm a mesma sorte da Rota Transportes, que goza de uma aparente displicência da Agerba.

A agência determinou reajuste de 7,86% da tarifa na rentável linha Itabuna-Salobrinho, mas a empresa aplicou aumento superior a 11%. A atitude irritou universitários da Uesc e moradores do Salobrinho.

ITABUNA NÃO FAZ LICITAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. E O CIDADÃO, Ó!

Linhas de ônibus em Itabuna são exploradas por duas empresas (Foto Luiz Tito/A Tarde).

O sistema de transporte público em Itabuna nunca passou por licitação e duas empresas exploram o serviço lastreadas em concessão precária por parte do município. E se o Ministério Público estadual não liga para essa aberração, o usuário do sistema é quem sofre. Ônibus sujos, mal-conservados, sempre lotados e boa parte acima dos dez anos de uso… Lata velha, mesmo.

O cenário é facilitado pela falta de fiscalização por parte da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (Settran). Basta andar pelos principais pontos de ônibus para ver que praticamente não há fiscais nas ruas.

Se o Ministério Público estadual acordar e exigir uma nova licitação, talvez as cenas impostas aos cidadãos nos dias que correm acabem por se tornar raridade. Hoje, andar como sardinha em lata no buzu é o mais comum. Exigir do município uma licitação para o setor é o mínimo que se pode fazer para garantir mais qualidade ao serviço.

E não é preciso ir tão longe para ver exemplos de como a concessão faz bem nessas horas.

Ilhéus apresentava cenário tão duro e ruim como o de Itabuna, na década de 90. Fez-se uma licitação que resultou em melhoria do serviço – claro que ainda não é o melhor dos mundos! – e é comum ver circulando ônibus urbano com ar-condicionado pela Terra de Gabriela. E se quiser um sistema próximo do perfeito, basta um pulinho a Curitiba (PR).

Por aqui, o sistema é explorado pelas empresas São Miguel e Expresso Rio Cachoeira. Recuemos alguns anos e vamos lembrar que a Expresso Rio Cachoeira era Fátima e já mudou de controle por duas vezes. A São Miguel, mineira, comprou as linhas da Viação Itabuna, que explorou parte dos itinerários antes nas mãos das empresas Fátima, São José e Viação Grapiúna.

Todas essas mudanças ocorreram sem que se fizesse uma licitação sequer, abrindo espaço para toda sorte de “negócios” entre empresas e, claro, o poder público. Que tal a promotoria pública se posicionar sobre o caso? E o Conselho Municipal de Transportes, o que diz? A cidadania agradecerá. E muito!

Alguém já se perguntou por que o bilhete único não passa de ilusão em Itabuna?