WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Fernando Gomes’

PRETENSÕES POLÍTICAS

marcowenseMarco Wense

Já temos um bom número de pré-candidatos a deputado estadual. Todos querendo marcar posição e de olho na sucessão do prefeito Claudevane Leite (PRB).

Aposta bem quem diz que o pretenso candidato é um, digamos, aspirante de prefeiturável. Sonha diariamente com a cobiçada prefeitura de Itabuna.

É evidente que entre os “prefeituráveis” tem os que entram na disputa só para negociar a pré-candidatura. São conhecidos como prostitutas do processo eleitoral.

Não é o caso, por exemplo, citando apenas quatro nomes, da professora Acácia Pinho e dos médicos Renato Costa, Antonio Vieira e Edson Dantas, respectivamente pelo PDT, PMDB, DEM e PSB.

Cabe ao eleitor, além de votar em candidatos da região, principalmente com domicílio eleitoral em Itabuna, separar o joio do trigo, sob pena de enterrar de vez a tão lamentada falta de representatividade política.

A eleição de 2014 passa a ser uma espécie de teste para a sucessão municipal de 2016. Quem tiver uma votação bem abaixo do esperado fica automaticamente descartado.

O governo Vane será também um importante indicador. Um prefeito forte, disputando o segundo mandato, inibe os pretendentes. Os mais vistosos são os ex-alcaides Fernando Gomes e Geraldo Simões.

PS – Para alguns leitores, a discussão sobre a sucessão de Claudevane Leite é prematura e intempestiva. Para outros, não. O processo sucessório já começou.

VANE E O PODER

(Foto Pimenta)

(Foto Pimenta)

Confesso que torço – e muito – para que o prefeito Claudevane Leite faça um bom governo. E o motivo é um só: Itabuna não suporta mais uma administração desastrosa e irresponsável. Seria o caos.

O problema é que fica parecendo que o chefe do Executivo não está gostando do que faz. Fazer gostando, seja na vida pública ou privada, é imprescindível.

A prova maior da falta de apetite político do prefeito é a dúvida em relação a sua presença nos eventos. Se Vane vai comparecer ou vai mandar o vice Wenceslau representá-lo.

Força, Vane. Acreditamos em você. Que Deus te ilumine.

“MÁFIA DOS SANGUESSUGAS”: TCU CONDENA FERNANDO GOMES POR SUPERFATURAMENTO

Fernando condenado por superfaturar compra de ambulância.

Fernando condenado por superfaturar compra de ambulância ( Montagem A Região).

O ex-prefeito de Itabuna Fernando Gomes foi condenado por superfaturar ambulâncias no caso conhecido nacionalmente como “Máfia dos Sanguessugas”, no qual empresas da quadrilha vendiam ambulâncias superfaturadas para prefeitos do interior, com intermediação de deputados.

As duas ambulâncias que a Planam vendeu à prefeitura de Itabuna por R$ 54.995,00 cada podiam ser encontradas, com uma configuração superior, por R$ 43.914,56 no mercado. A diferença de R$ 20.927,10 (R$ 10.463,55 de cada) terá que ser devolvida por Fernando Gomes, corrigida desde 7 de maio de 2005.

O TCU observou que, mesmo intimados, Cléia Maria Trevisan Vedoin e a Planam não apresentaram defesa alguma e foram julgadas à revelia. Já a defesa enviada por Gomes foi desconsiderada por não explicar o superfaturamento dos veículos.

O acórdão do TCU, unânime, foi publicado no último dia 3 de abril e versa sobre a tomada de contas especial instaurada por causa dos indícios de irregularidades na Operação Sanguessuga, relacionados ao Convênio 2187/2004, celebrado entre a União e Itabuna.

Leia a íntegra da matéria n´A Região

 

SÓ NA ALEGRIA

marcowenseMarco Wense

Quem faz política no governo Vane é o PCdoB. Faz política com pragmatismo, disciplina e perseverança. O próximo passo é a eleição de Davidson Magalhães para deputado federal. Outras metas virão.

O prefeito Claudevane Leite precisa formar um grupo político de sua inteira confiança, sob pena de ficar “amarrado” ao Partido Comunista do Brasil, o PCdoB.

Não vai também entrar no jogo da oposição, ávida por um rompimento entre o prefeito e o vice Wenceslau Júnior. A possibilidade de uma cisão é remota.

Como é remota – e não inexistente ou impossível –, o pega-pega pode acontecer. Quem sabe em 2015 ou no ano eleitoral de 2016. A torcida é para que o racha aconteça já, agora em 2013.

Quem são os oposicionistas ansiosos por um Vane versus PCdoB? A resposta é mais que óbvia: os petistas de Geraldo Simões, os demistas de Azevedo e alguns tucanos ligados ao prefeiturável Augusto Castro.

Todo chefe de Executivo tem o seu staff político, que funciona como uma capa protetora. Os ex-Fernando Gomes, Geraldo Simões e Azevedo tinham suas armaduras.

E mais: quem faz política no governo Vane é o PCdoB. Faz política com pragmatismo, disciplina e perseverança. O próximo passo é a eleição de Davidson Magalhães para deputado federal. Outras metas virão.

Hoje, o PCdoB é fiel a Vane. Amanhã, é uma grande incógnita. O apoio da legenda comunista vai depender da avaliação do governo pela opinião pública.

Não existe nenhum compromisso do PCdoB com o segundo mandato do prefeito Vane (reeleição). Outro caminho na sucessão municipal de 2016 não é descartado.

O casamento entre Claudevane Leite e o PCdoB pode até ser duradouro. Mesmo sem a promessa de fidelidade na alegria e na tristeza.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

“RETORNO DE JEDI”

fg volta

Sob o título “Ele vem aí”, grupo de fernandistas clama pelo retorno do ex-prefeito de Itabuna e ex-deputado federal.

No último mandato à frente do Centro Administrativo Firmino Alves, Fernando Gomes deixou o governo com reprovação de 72%.

ALIADOS COADJUVANTES

marco wense1Marco Wense

Sobre o imbróglio das nomeações de azevistas e fernandistas, é preciso que as lideranças do PRB, PPS, PSC, PV e PP se juntem no esclarecimento de que tais indicações não partiram exclusivamente de seus partidos.

O óbvio ululante é afirmar que o PCdoB é a mais forte legenda do governo Vane. Como é inquestionável que Davidson Magalhães, diretor-presidente da Bahiagás, é o “cara” do comunismo grapiúna.

Essa influência do PCdoB já era esperada. Sem os comunistas, a campanha do então candidato Vane ficaria no meio do caminho. O apoio político foi importante. O financeiro imprescindível.

Todo esse toma-lá-dá-cá é inerente ao processo político. Não é coisa específica do PCdoB. Todas as agremiações partidárias agem do mesmo modo. É regra.

PRB, PPS, PSC, PV e o PP deram suas contribuições, cada um dentro de seus limites e condições. Não são coadjuvantes, como andam dizendo alguns membros do PCdoB. São também protagonistas.

Sobre o imbróglio das nomeações de azevistas e fernandistas, é preciso que as lideranças do PRB, PPS, PSC, PV e PP se juntem no esclarecimento de que tais indicações não partiram exclusivamente de seus partidos.

Querem empurrar o ônus das esquisitas nomeações para os partidos “coadjuvantes”, deixando o PCdoB de fora e, por tabela, o camarada Davidson Magalhães, pré-candidato a deputado federal.

O RETORNO DE FG

O slogan da campanha já está pronto: “O povão de Deus com Fernando”.  É Fernando Gomes em plena campanha para a prefeitura de Itabuna na sucessão de Claudevane Leite.

Os fernandistas estão eufóricos. Acreditam em um cenário favorável na eleição de 2016, com duas candidaturas se bicando: Vane (reeleição) e Geraldo Simões atrás do terceiro mandato.

Maria Alice e Raimundo Vieira são os mais entusiasmados com o retorno do “grande chefe”. Alice comanda o diretório municipal do DEM.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

CHARGE – EFEITO ORLOFF

MP TENTA BARRAR DEVOLUÇÃO DE TERRENO

O Ministério Público da Bahia age para evitar a devolução do imóvel no qual se iniciou a construção do Centro de Convenções de Itabuna ao ex-prefeito Fernando Gomes. O processo tem como réus o próprio ex-gestor, além do atual, Capitão Azevedo (DEM), e mais o secretário de Governo, Carlos Burgos, e a filha dele, Juliana Burgos, que é procuradora-geral do município.

Azevedo determinou a devolução do imóvel em junho deste ano, acatando pleito de FG, que alegava o descumprimento do prazo de conclusão das obras. Mas o “negócio” seria feito às escuras, sem a devida publicidade, se a justiça não tivesse emitido um mandado de busca e apreensão para que o Ministério Público tivesse acesso aos decretos municipais, escondidos na Prefeitura.

Misteriosamente, o decreto de número 9.855, de 19 de junho de 2012, não foi publicado pela administração municipal. Era com esse instrumento que Azevedo pretendia fazer o agrado ao seu antecessor.

Fernando Gomes procurou se basear em uma cláusula de reversão, que previa a devolução do imóvel se as obras não fossem concluídas no prazo de dois anos. Mas, para o MP, foi o próprio ex-prefeito o responsável pela paralisação dos trabalhos.

Na ação civil pública que move para barrar a tentativa de Azevedo, o promotor Inocêncio Carvalho afirma que “salta aos olhos o clarão da ilegalidade e arbitrariedade que contamina o rito adotado”. O representante do Ministério Público se refere tanto à falta de publicidade quanto ao parecer emitido pela procuradora Juliana Burgos, que indica “inexistência de impedimento para devolução da área ao doador”. Com informações do jornal A Região.

JUÇARA CUTUCA AZEVEDO

Juçara lembra “batida” policial na gestão de Azevedo.

A prefeiturável Juçara Feitosa (PT) considerou vergonhoso para o município a “batida” que Polícia, Justiça e Ministério Público deram na prefeitura, na última quarta, 8, em cumprimento a mandado de apreensão de decretos assinados pelo prefeito Capitão Azevedo (DEM).

– Administração pública não é negócio privado e não pode servir para negociatas entre compadres – disse, numa referência ao decreto de reversão assinado pelo prefeito Capitão Azevedo em benefício do amigo e apoiador político Fernando Gomes, que recebe de volta o terreno doado para construção do centro de convenções e do teatro no loteamento Nossa Senhora das Graças.

Há mais de 15 dias que o governo municipal não publica os atos administrativos no Diário Oficial impresso ou online. O Ministério Público estadual desconfiou do negócio e solicitou da Justiça mandado para averiguar o que o prefeito tem ocultado dos cidadãos.

Quanto ao decreto de reversão, a assessoria do prefeito sustenta que Azevedo agiu de forma legal, seguindo parecer da procuradora-geral do Município, Juliana Burgos. A reversão, no entanto, ocorreu após o estado ter investido R$ 17 milhões, segundo o promotor público Inocêncio Carvalho.

POLÍCIA E MP CUMPREM MANDADO DE BUSCA E APREENSÃO NA PREFEITURA. NEGÓCIO SUSPEITO ENVOLVE FG E AZEVEDO

Azevedo e Fernando são acusados de negociata que envolve o Estado (Foto Pimenta).

Uma suspeita de maracutaia envolvendo o ex-prefeito Fernando Gomes (PMDB) levou a Justiça a determinar busca e apreensão de todos os decretos e demais atos administrativos assinados pelo prefeito Capitão Azevedo (DEM).

O mandado de busca e apreensão foi cumprido hoje, 8, pelo Ministério Público estadual, Polícia Militar e um oficial de justiça da Vara da Fazenda Pública de Itabuna.

Como este blog informou no dia 31 de julho, a prefeitura deixou de publicar todos os atos e contratos firmados pela gestão no Diário Oficial impresso ou online.

De acordo com a apuração do Ministério Público estadual, a suspensão da divulgação dos atos na internet e em edição impressa tinha a finalidade de ocultar um decreto de reversão de área para construir centro de convenções e teatro municipal em terreno pertencente ao ex-prefeito Fernando Gomes.

A reversão daria direito ao ex-prefeito de vender, a quem quisesse, terreno onde o governo do estado investiu R$ 17 milhões. O decreto de reversão foi assinado por Azevedo é o 9.855, datado de 19 de junho deste ano.

Curiosamente, o período coincide com a mudança de opinião do ex-prefeito Fernando Gomes  em relação a Azevedo. Após mudar de opinião, Fernando foi além e anunciou apoio à reeleição do democrata. Conheça mais dessa história na edição online d´A Região.

FERNANDO PODE SUBSTITUIR AZEVEDO

Azevedo olha para Fernando, o Plano B da coligação (Foto Pimenta/Arquivo).

Cresceu nas últimas horas as especulações em torno do nome do ex-prefeito Fernando Gomes, hoje no PMDB, como substituto da candidatura de Capitão Azevedo (DEM). O prefeito-candidato recebeu informação não muito boa, vinda da Justiça Eleitoral, hoje, em pleno aniversário de Itabuna.

O inteiro teor da decisão judicial será conhecido somente nesta manhã de domingo, 29, ou – no mais tardar – na próxima segunda. Sobre o caso, o Ministério Público Eleitoral já havia impugnado a candidatura de Azevedo por causa das contas rejeitadas nos exercícios de 2009 e 2010.

CÂMARA APROVA CONTAS DE FERNANDO GOMES

Os vereadores aprovaram nesta quarta, 11, as contas do ex-prefeito Fernando Gomes, relativas ao exercício de 2008. Apenas os vereadores Claudevane Leite, o Vane do Renascer (PRB),  e Wenceslau Júnior (PCdoB) votaram contra. O placar final ficou 10 a 2.

O vereador Solon Pinheiro não participou da sessão desta tarde. As contas aprovadas pelo legislativo receberam parecer contrário do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

LISTA DE FICHAS-SUJAS DO TCM TRAZ AZEVEDO, MOACIR LEITE, GERALDO E FERNANDO GOMES

Ex-prefeitos Geraldo Simões e Fernando Gomes e prefeito Azevedo estão na lista dos fichas-sujas do TCM (Fotomontagem Pimenta).

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) liberou, finalmente, a lista dos políticos fichas-sujas na Bahia. A relação traz 915 nomes com contas rejeitadas no período de 2004 a 2010. De Itabuna, os principais nomes são os do prefeito Capitão Azevedo (DEM) e dos ex-prefeitos Geraldo Simões (PT) e Fernando Gomes (PMDB).

Azevedo figura na lista por ter as contas de 2009 e 2010 rejeitadas e constar uma representação criminal ao Ministério Público estadual contra ele. Geraldo teve contas rejeitadas em 2004 pelo TCM, mas foram aprovadas pela Câmara de Vereadores. Fernando Gomes teve todas as contas do último mandato (2005, 2006, 2007 e 2008) rejeitadas pelo tribunal.

CONFIRA LISTA COMPLETA AQUI

O tribunal informou que alguns gestores com contas rejeitadas no período de 2004 a 2011 conseguiram liminar judicial para excluir os respectivos nomes da lista, dentre eles está o ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, que disputa o quarto mandato na Terra de Gabriela. Ele alega que suas contas, embora rejeitadas pelo TCM, foram aprovadas pela Câmara de Vereadores.

Confira alguns dos nomes do sul da Bahia que constam da lista:

Adailton Ramos Magalhães (Dai da Caixa), ex-prefeito de Ubatã
Agilson Muniz (sem partido), ex-prefeito de Ubatã
Adriano Clementino (PMDB), prefeito de Barro Preto
Alexandre Almeida (PMDB), prefeito de Ubaitaba
Alfredo Melo (PV), ex-presidente da Emasa-Itabuna
Alisson Mendonça (PT), vereador de Ilhéus
Antônio Costa, o Professor Costinha (sem partido), ex-presidente do Hblem
Antônio José do Prado, prefeito de Pau Brasil.
Antônio Mário Damasceno (PCdoB), prefeito de Itacaré
Capitão Azevedo (DEM), prefeito de Itabuna
Carlos Amilton Pereira, o Garrafão, ex-prefeito de Floresta Azul
Clóvis Loiola (PSDC), vereador e ex-presidente da Câmara de Itabuna
Dejair Birschner (PP), prefeito de Una
Dilson Argolo, o Dika (PTdoB), ex-prefeito de Uruçuca
Domingos Marques, Domingão (PSDB), prefeito de Aurelino Leal
Edvaldo Lima, o Galego (DEM), ex-prefeito de Itaju do Colônia
Edson Dantas (PSB), ex-presidente da Câmara de Itabuna
Geraldo Simões (PT), ex-prefeito de Itabuna e deputado federal
Isaías Mendes, ex-presidente da Emasa-Itabuna
Jailson Nascimento (PMN), vereador e ex-presidente da Câmara de Ilhéus
Jarbas Barbosa (PSB), ex-prefeito de Itacaré
Jeová Nunes (PT), prefeito de São José da Vitória
Joaquim Gally Galvão, o Gima (PR), ex-prefeito de Coaraci
José Bispo dos Santos, o Zé Pretinho (PDT), ex-prefeito de Una
José Mendonça (PP), vereador e ex-prefeito de Ipiaú
Maria José da Gama, ex-presidente da Fundação Marimbeta
Marcos Dantas (PP), prefeito de Itajuípe
Mardes Monteiro (PT), prefeito de Buerarema
Moacir Leite Júnior (PP), prefeito de Uruçuca
Newton Lima (PT), prefeito de Ilhéus
Orlando Filho (PRTB), ex-prefeito de Buerarema
Pedro Jackson Brandão, Pedrão (PSB), ex-prefeito de Itapé

CÂMARA VOTA LDO E CONTAS DE FERNANDO NA 4ª

Relatório é favorável a Fernando.

Ficou para a sessão de quarta-feira, 11, a primeira votação pela Câmara Municipal do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2013 e do parecer do vereador Milton Gramacho relativo às contas de 2007 do ex-prefeito de Itabuna, Fernando Gomes Oliveira. A segunda votação ocorrerá  na quinta, 12, quando os vereadores entram em recesso e caem na campanha eleitoral.

Os vereadores só retornam ao período de sessões meia boca de agosto a outubro por causa do período eleitoral, quando pelo menos nove deles tentarão a reeleição, já que dois desistiram: Didi do INPS (PDT) e Ricardo Bacelar (PSC).

Outros dois concorrem a prefeito e vice-prefeito de Itabuna – Claudevane Leite (PRB) e Wenceslau Júnior (PCdoB), respectivamente. Já Milton Cerqueira (PRB), disputará a prefeitura de Coaraci, no sul da Bahia.

CONTAS DE FERNANDO

Apesar de o parecer do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) opinar pela rejeição das contas de Fernando Gomes, o relator Gramacho contraria e pede que as contas do ex-gestor seja aprovada, segundo ele, por que o ex-gestor apresentou justificativas.

O TCM aceitou, parcialmente, pedido de reconsideração do ex-prefeito, mas considerou insanáveis as irregularidades apontadas. A multa de R$ 29 mil, aplicada em dezembro de 2008, acabou reduzida para R$ 25 mil, em junho de 2009.

À época, o município se encontrava com duas leis orçamentárias em andamento. Uma pela Câmara Municipal e outra promulgada diretamente pelo prefeito. “A lei orçamentária do município foi alvo acirrado de disputa entre os poderes Executivo e Legislativo, consequentemente gerando dificuldades”, explica o vereador Milton Gramacho.

MÁFIA DO MEDICAMENTO: FERNANDO, ASSESSORES E FORNECEDORES SÃO CONDENADOS PELO TCU

Fernando: multa de R$ 60 mil.

O ex-prefeito de Itabuna, Fernando Gomes Oliveira, e os ex-secretários de Saúde, Carlos Eduardo Galvão e Isaac Ribeiro, foram multados em R$ 119 mil por irregularidades na aplicação de recursos da saúde, a famigerada “Máfia do Medicamento”. As multas foram aplicadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O tribunal julgou a má-aplicação de recursos do Piso de Atenção Básica (PAB/SUS) envolvendo os anos de 1999 e 2000. O dinheiro era oriundo do Fundo Nacional de Saúde. O montante das multas aplicadas pelo TCU atinge R$ 288 mil.

Além dos ex-gestores, as multas e ressarcimentos ao erário também envolvem funcionários e ex-funcionários da Secretaria de Saúde de Itabuna.

Os fornecedores BAH – Distribuidora de Equipamentos e Produtos Farmacêuticos; Center Med, Med House, Comercial Plus, Distribuidora de Medicamentos Penta Brasil Ltda., Comercial Malta e Itamed Comércio e Representações também foram multados.

Todos terão prazo de 15 dias para recolher os valores exigidos e as multas. Segundo o acórdão do TCU, todos ficam proibidos de assumir cargos e funções públicas no âmbito da administração pública federal, independente das ações a serem ajuizadas pela Procuradoria da República na Bahia. O acórdão mandou ajuizar a cobrança de todas as dívidas imputadas.

VALORES DAS MULTAS

Fernando Gomes Oliveira – R$ 60.000,00
Carlos Eduardo Andrade Galvão – R$ 50.000,00
Isaac Romeu Moreira Ribeiro – R$ 9.000,00
Luzia Bomfim Lopes – R$ 13.000,00
Alberto Rodrigues Nunes – R$ 13.000,00
Katia Rejane de Assis Lins – R$ 3.000,00
Maria Anália de Santana Santos – R$ 19.000,00
Suzinete Cézar Valadares – R$ 4.000,00
Fabrício Moreira Valadares – R$ 4.000,00
Paulo Eudóxio Queiroz de Araújo – R$ 23.000,00
Márcia Ribeiro dos Santos Guerra – R$ 10.000,00
Oséas Jesus Santos – R$ 10.000,00
Alex Malta Santos – R$ 23.000,00
Itamed Comércio e Representações Ltda. – R$ 15.000,00
Nelson Ferreira Alves – R$ 10.000,00
Margarida Barros Setenta – R$ 10.000,00
Alexandre Assis Carvalho – R$ 6.000,00
Florisvaldo Ferreira Júnior – R$ 6.000,00

LISTA DE FICHAS-SUJAS DO TCU TEM GERALDO, FERNANDO E SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO

Geraldo, Vita, Fernando e Valderico são estrelas da lista do TCU (Montagem Pimenta).

O Tribunal de Contas da União (TCU) encaminhou hoje à Justiça Eleitoral a lista de gestores que tiveram contas julgadas irregulares nos últimos anos. O período de trânsito em julgado abrange desde 7 de outubro de 2004 ao próximo dia 7 de outubro.

A lista consiste na relação de pessoas físicas que tiveram contas julgadas irregulares por decisão válida contra a qual não caiba mais recurso. As informações subsidiam a declaração de inelegibilidade, feita pela Justiça Eleitoral.

O período considerado para a elaboração da lista são os oito anos anteriores à realização de cada eleição. Apesar de ter publicado no seu site, por volta das 18h20min, o TCU preferiu indicar um link para a página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde pode ser consultada.

A lista dos fichas-sujas tem nomes regionais como os ex-prefeitos de Itabuna, Fernando Gomes Oliveira e o atual deputado federal Geraldo Simões, além do atual secretário de Planejamento, FernandoVita.

A LISTA SUL-BAIANA

A lista é extensa, mas dela pode se destacar: Almenísio Braga Lopes, ex-prefeito de Ubatã, sete contas; Antonio Carlos Farias Nunes, ex-prefeito de Gandu, cinco contas; o pré-candidato Sérgio Costa da Silva, ex-prefeito de Barro Preto, duas contas; e Dilson Argolo, ex-prefeito de Uruçuca, duas contas.

Outros nomes são Dilson Batista Santiago, ex-prefeito de Itamaraju, uma conta; Durval José de Santana, ex-prefeito de Pau Brasil; Edineu Oliveira dos Santos, ex-prefeito de Itororó, quatro contas; Henrique Oliveira, ex-prefeito de Ibicaraí, seis contas; e Valderico Reis, ex-prefeito de Ilhéus.

De Porto Seguro, José Ubaldino Alves Pinto e o filho, José Ubaldino Alves Pinto Júnior. A lista também tem Paulo Ernesto Ribeiro da Silva, Paulo Dapé, ex-prefeito de Eunápolis, nove contas; Paulo Martinho, ex-prefeito de Itajuípe, uma conta; Roberto Setúbal, ex-prefeito de Itacaré, uma conta; Ruiverson Lemos Barcelos, ex-prefeito de Ibirapitanga, nove contas; Urbano José dos Santos, ex-prefeito de Itapé, uma conta; e Zairo Jacques Pinto Loureiro, prefeito de Canavieiras.

FERNANDO E OS FRUTOS DO MAR

História hilária conta por Levi Vasconcelos em Tempo Presente, A Tarde

Fernando Gomes de Oliveira, prefeito de Itabuna quatro vezes (hoje mora em Vitória da Conquista), tão competente na política quanto iletrado, por conta dos maus-tratos ao português, tem o apelido de Fernando Cuma.

D. Jovelina Teles de Oliveira conta ter ouvido de Sérgio Gomes, filho de Fernando, esta pérola.

No segundo mandato de prefeito em Itabuna, Fernando Gomes adquiriu uma propriedade da região de Una, área praiana, onde fez grandes investimentos, tal qual um hotel-fazenda. E uma vez por semana ele saía de Itabuna e ia até lá.

Numa dessas visitas, logo na saída da sua casa, um vizinho do seu condomínio pediu a Fernando que, se pudesse, ao seu retorno, que lhe trouxesse uns frutos do mar.

– Deixe comigo.

Voltou com a picape cheia de cocos.

FERNANDO GOMES E EX-SECRETÁRIO DE SAÚDE PROCESSADOS POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Fernando Gomes e Jesuíno Oliveira: improbidade.

O ex-prefeito de Itabuna, Fernando Gomes Oliveira, e o ex-secretário de Saúde ,Jesuíno de Souza Oliveira, foram acionados na Justiça Federal de Itabuna por terem causado um prejuízo no valor atualizado de R$ 344,5 mil aos cofres públicos. As irregularidades foram apontadas pelo relatório da Tomada de Contas Especial do Tribunal de Contas da União (TCU), recebida pela procuradoria de Ilhéus do Ministério Público Federal.

O ex-gestor realizou um convênio com o Fundo Nacional de Saúde (FNS) a fim de ter apoio técnico financeiro para a aquisição de equipamento e material permanente, visando ao fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Para a execução do convênio, que vigorou entre os anos de 2005 e 2007, foram destinados R$ 542,8 mil, sendo R$ 517 mil do FNS e R$ 25,8 mil como contrapartida municipal.

No entanto, no fim do contrato, a prestação de contas dos recursos transferidos pelo FNS não foi aprovada. Além disso, houve despesas após o término do prazo de execução do convênio e aquisição de aparelho não previsto no plano de trabalho aprovado. O prejuízo ao erário e ao município está no fato de, em vez de serem adquiridos três aparelhos de anestesia, que totalizariam o valor de R$ 107,2 mil, foi adquirido apenas um, ao custo de R$ 162 mil.

FERNANDO CALDAS É DEMITIDO DA FICC APÓS ARTIGO COM CRÍTICA A POLÍTICOS

CALDAS IDEALIZOU CINE TEATRO JORGE AMADO

Fernando foi demitido da FICC.

O cantor e professor de filosofia Fernando Caldas foi demitido da área de projetos da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC). A ordem para a demissão, de acordo com fontes, partiu do prefeito Capitão Azevedo (DEM).

A fundação é mantida com recursos municipais e administrada por Sandra Ramalho, esposa do vereador afastado Roberto de Souza (PR).

A demissão ocorre menos de quatro dias depois do artista ter feito críticas e dizer que não precisava de Azevedo e dos ex-prefeitos Fernando Gomes e Geraldo Simões em artigo escrito no PIMENTA. O artista defendia a construção do Cineteatro Jorge Amado no antigo Cine Itabuna, no centro da cidade.

Há mais de uma semana, o prefeito anunciou que o município havia desistido do projeto (relembre aqui). Fernando Caldas então fez artigo lamentando a desistência (confira o conteúdo, na íntegra, aqui).

Azevedo ordena demissão de diretor de projetos.

Numa conversa com este blog, no domingo, 29, Caldas informava que empresas como Vale do Rio Doce e Santander tinham interesse no projeto.

O investimento para aproveitar a estrutura do antigo Cine Itabuna e transformá-lo  no Cine Teatro Jorge Amado é estimado em R$ 500 mil. O espaço seria dotado de 800 lugares, apto a receber também peças de teatro. O prefeito desistiu da ideia e preferiu demitir o artista e idealizador do projeto.

“O preço que pago é ser pobre. Mas que milhão pode comprar a liberdade? Nenhum! Vamos seguir sonhando verdores, se eles virão ou não, que importa ao sonhador?”, perguntava Caldas no artigo. Desceu quadrado para o Capitão Azevedo.

AOS VEREADORES, O EXEMPLO QUE VEM DE IPIAÚ

Deraldino: ficha-limpa.

Os vereadores de Itabuna estão para julgar contas do ex-prefeitos Geraldo Simões e Fernando Gomes e do atual, Capitão Azevedo (DEM). E vem lá de Ipiaú, também no sul da Bahia, um exemplo do que e como fazer. Em setembro do ano passado, a Câmara votou as contas do prefeito Deraldino Araújo. Rejeitou-as, apesar do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) emitir parecer pela aprovação. Pior que isso, não permitiu defesa ao prefeito Deraldino Araújo.

O caso foi parar na Justiça. Deraldino ganhou o primeiro round, na Justiça local. E venceu o segundo, também. Os vereadores recorreram ao Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) para tentar derrubar a decisão em primeira instância. E, novamente, o Judiciário decidiu favoravelmente ao prefeito. A decisão favorável a Deraldino foi do presidente do TJ-BA, Mário Alberto Hirs.

Moral da história: na sede de impedir Deraldino de disputar a reeleição – ou, no mínimo, atrapalhá-lo politicamente -, os vereadores esqueceram do básico, o direito à defesa.

A ORDEM DAS CONTAS

O prefeito de Itabuna tem sobre o próprio pescoço uma espada afiada, que é a votação de suas contas referentes ao exercício de 2009. O TCM já reprovou a gestão financeira do município e agora é a Câmara de Vereadores que deverá julgar o parecer do tribunal. Em caso de confirmação do mesmo, Azevedo poderá ficar fora da disputa sucessória.

A favor do prefeito, o fator tempo. A Câmara terá que correr, pois há outros pareceres do TCM a serem apreciados, sobre as contas  dos ex-prefeitos Geraldo Simões e Fernando Gomes. Segundo um experiente vereador, o Regimento determina que a votação obedeça a ordem cronológica. Ou seja, as contas mais antigas devem ser analisadas primeiro.

“Se formos muito rápidos, conseguiremos votar as contas do atual prefeito no mês de julho”, diz o vereador. Segundo ele, na próxima semana é possível que seja publicado o edital para a votação das contas de Geraldo, a primeira da fila.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia