WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Geddel’

UNINDO OS CONTRÁRIOS

Gima (ao microfone) e Torquato, entre Renato e Geddel - não teve abraço, mas a presença no mesmo palanque já foi considerada um milagre em Coaraci (foto Ary Rodrigues)

O médico Renato Costa, candidato do PMDB a deputado estadual, faz uma campanha de pacificador. A primeira “missão de paz” foi a que reuniu o próprio peemedebista ao ex-desafeto Fernando Gomes e, no último fim de semana, Renato conseguiu promover a concórdia entre dois velhos rivais na política de Coaraci, pequena cidade do sul da Bahia.

Os ex-prefeitos Gima e Joaquim Torquato, que há muitos anos combatem em trincheiras opostas, subiram no mesmo palanque após uma carreta liderada por Renato e o postulante do PMDB ao Governo da Bahia, Geddel Vieira Lima.

Agora, para o médico consolidar a fama de milagreiro, só falta mesmo ganhar a eleição.

ELEITORADO SUL-BAIANO “DE MAL” COM WAGNER

Se a coordenação da campanha à reeleição do governador Jaques Wagner (PT) “meter” uma lupa nos recados emitidos pela pesquisa Ibope/TV Bahia, terá motivos para se preocupar com o eleitorado do sul do Estado.

Se em Salvador Wagner atinge 51% das intenções de voto – ante 13% de Paulo Souto (DEM), no sul da Bahia o petista fica com 41% e Souto vai a 37%, configurando situação de empate técnico. O peemedebista Geddel Vieira Lima aparece com 6% na capital e 10% na região sul.

Em tempo: Esta região baiana, aliás, registra o menor percentual de eleitores indecisos da pesquisa. Apenas 5%. Também é no sul da Bahia que o “nanico” Professor Carlos (PSTU) registra o seu maior percentual de intenções de voto, 2%.

O levantamento Ibope/TV Bahia também mostra que 67% dos eleitores que aprovam a gestão de Wagner também tendem a votar no petista. Outros 13% dizem preferir Paulo Souto e 7%, Geddel.

LUZ VERMELHA PISCA PARA SOUTO

Acendeu a luz vermelha (ops!) entre seguidores do democrata Paulo Souto. A pesquisa Ibope com o ex-governador baiano pontuando abaixo da casa dos 20% (deu 19%) reacendeu o temor de que ele ou fique de fora de um eventual segundo turno – e seja ultrapassado pelo peemedebista Geddel Vieira Lima (PMDB) – ou veja a fatura sendo liquidada por Jaques Wagner (PT) no “primeiro tempo”, em 3 de outubro. Isso, apesar do recall de ter comandado a Bahia por dois mandatos.

Não foi por acaso que, ontem, Souto apareceu defendendo a continuidade do nome de Bassuma (PV) na disputa pelo Palácio de Ondina. Como se sabe, a Justiça Eleitoral indeferiu o pedido de registro de candidatura de Bassuma. A luz vermelha no DEM piscou já na pesquisa Datafolha, na semana passada.

Como pesquisa quantitativa na Bahia não é coisa levada a sério desde o advento das urnas eletrônicas e da vitória inesperada de Wagner em 2006, os democratas ainda nutrem esperança de reversão de quadro.

IBOPE: WAGNER SERIA REELEITO NO 1º TURNO

A primeira pesquisa Ibope/Rede Bahia revela que o governador Jaques Wagner seria reeleito no primeiro turno. O petista atingiu 46% das intenções de voto na pesquisa realizada de 31 de julho a 6 de agosto. Paulo Souto (DEM) aparece com 19% e Geddel Vieira Lima (PMDB) com 11%. Professor Carlos (PSTU) aparece com 1% das intenções de voto. Os demais não pontuaram neste levantamento.

Foram ouvidos 1.008 eleitores. A margem de erro do levantamento é de 3 pontos percentuais. O percentual de votos brancos e nulos atingiu 9%; e o de indecisos, 14%.

Segundo a pesquisa Ibope, Paulo Souto tem o maior índice de rejeição. 26% não votariam no democrata. Já 20% dizem que não votariam, de jeito nenhum, em Luiz Bassuma (PV). 17% rejeitam Geddel, próximo do percentual dos que rejeitam Wagner, 16%.

Na sequência, Sandro Santa Bárbara (PCB) tem 15%. O professor Carlos (PSTU) tem 3% de rejeição, percentual igula ao de Marcos Mendes (PSOL).

Atualizada às 19h43min

2010 É OUTRA COISA

Levi Vasconcelos (coluna Tempo Presente / A Tarde):

Em 2006, as pesquisas induziram todos a achar que Paulo Souto, então governador, ganharia as eleições e não ganhou. Agora, quando começa a fase decisiva do processo eleitoral com a entrada em cena da propaganda no rádio e na televisão, as pesquisas mostram Jaques Wagner em primeiro, Paulo Souto em segundo e Geddel em terceiro.

Como em 2006, não quer dizer que vá acabar assim. Tão rigorosa na pretensão de estabelecer um tratamento isonômico para todos os concorrentes, a lei eleitoral dá tratamento privilegiado a governantes que postulam a reeleição ao permitir-lhes a permanência no cargo com direito a farta publicidade institucional, enquanto os outros nada podem. Era daí que Paulo Souto sustentava altos índices nas pesquisas e é daí que Wagner ostenta a vantagem até agora.

Mas convém ressalvar: as semelhanças entre os dois cenários acabam aí.

Em 2006, Souto deitou em berço esplêndido.

Embalados pelo clima de ‘já ganhou’, os aliados dele cruzaram os braços, enquanto Wagner arregaçou as mangas e conquistou os votos que estavam ‘soltos’. Agora, é diferente.

A derrota de 2006 e a morte de ACM aniquilaram o carlismo. As lideranças interioranas migraram para Wagner e Geddel.

Temos hoje um Wagner favorito, mas em campo com os seus aliados puxados pelo PT disputando voto a voto. Um Paulo Souto esvaziado, só com o recall de ter sido governador, caindo nas pesquisas, e um Geddel com musculatura (de aliados) subindo devagar, mas sempre subindo.

A tendência é de uma disputa aguerrida (nas ruas e na tela). Dificilmente o quadro que as pesquisas ditam hoje ficará como está.

OS REJEITADOS

Marco Wense

Quando o assunto é fugir de quem não anda bem nas pesquisas de intenção de voto, os políticos, com algumas raríssimas exceções, filiados a partido A, B ou C, são igualzinhos. A sabedoria popular costuma dizer que são todos “farinhas do mesmo saco”.

A sobrevivência política, quase sempre assentada nos interesses pessoais, fala mais alto. O fim justifica os meios. A luta passa a ser de “murici”, com cada um cuidando do seu próprio quintal.

Em decorrência da disputa desenfreada, obsessiva, sem escrúpulos e sem limites pelo poder, surge a figura do político rejeitado, o patinho feio do movediço, perverso e traiçoeiro processo eleitoral.

No estado de São Paulo, por exemplo, a candidata ao Senado pelo PT, Marta Suplicy, faz de tudo para descolar de Aloizio Mercadante, seu companheiro de partido e candidato a governador.

Pesquisa recente do instituto Datafolha, além de apontar uma frente de 33 pontos de Alckmin (PSDB) sobre o petista, sinaliza que 30% do eleitorado do tucano (4,5 milhões de votos) estariam dispostos a votar na ex-prefeita de São Paulo.

Marta, pensando exclusivamente na sua eleição, evita fazer qualquer crítica ao candidato do PSDB. Aliás, só falta dizer que o tucano é o melhor nome para comandar o cobiçado Palácio dos Bandeirantes.

Outro “patinho feio” é José Serra, candidato à presidência da República pelo tucanato. O ex-governador Paulo Souto, que quer retornar ao governo da Bahia pelo Partido do Democratas (DEM), evita falar que seu candidato é Serra.

A ex-ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata do PT e do “patinho” mais bonito da lagoa sucessória, o popular e carismático Luiz Inácio Lula da Silva, tem o dobro de votos de Serra na Bahia.

Agora, no quarto colégio eleitoral do país, pela pesquisa do Datafolha, surge o mais novo patinho feio da eleição de 2010: o prefeito de Salvador João Henrique (PMDB), filho do senador João Durval, eleito pelo PDT do saudoso Leonel Brizola.

João Henrique, para o desespero de Geddel Vieira Lima, candidato ao Palácio de Ondina pelo peemedebismo, foi o pior prefeito do Brasil entre os que foram avaliados pelo Datafolha.

O patinho feio de hoje pode se transformar no mais bonito dos patinhos e vice-versa. O ex-prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, só para citar um exemplo bem tupiniquim, já não é tão rejeitado como antes.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A FARRA DA PROPAGANDA IRREGULAR

Para Geddel, valor da multa do TRE só faz cócegas (foto Max Haack)

Na presente campanha eleitoral, o que mais se vê é candidato infringindo a legislação no que se refere à propaganda. Estímulos para isso não faltam e dois bastante fortes são os seguintes: a irregularidade tornou-se praxe em praticamente todas as candidaturas, portanto quem não a comete perde competitividade; a outra razão é que as multas são tão leves que vale a pena correr o risco.

A propósito, o último a levar um “beliscão” do TRE foi o peemedebista Geddel Vieira Lima, candidato ao governo baiano, condenado por encher a Avenida Paralela de propaganda indevida, na semana que antecedeu a convenção do PMDB.

Geddel, disparado o mais rico entre os candidatos, vai pagar multa de R$ 15 mil por “avançar o sinal”. Para ele, é troco.

VOX POPULI: WAGNER VENCERIA NO 1º TURNO

– Wagner tem 43% e adversários somam 32%

– Souto despenca 12 pontos percentuais

– Geddel avança 1 ponto e vai a 10%

O Vox Populi/Band divulgado nesta noite praticamente confirma o Datafolha e dá o governador Jaques Wagner reeleito no primeiro turno. O petista aparece com 43% das intenções de voto. Paulo Souto (DEM) é o segundo, com 21%, e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) pontua com 10%. Bassuma (PV) pontua com 1%.

De acordo com o instituto, 19% dos eleitores baianos ainda estão indecisos quanto ao voto em 3 de outubro. 6% dos eleitores pesquisados disseram que optariam em branco ou anulariam o voto. Foram ouvidas 800 pessoas, entre os dias 17 e 20 de julho. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais, conforme registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na pesquisa espontânea, Wagner aparece com 24%, Souto com 8% e Geddel com 4%. O ex-governador Paulo Souto é rejeitado por 19% do eleitorado baiano no Vox Populi. Geddel tem rejeição de 11% e Wagner com 10%. Bassuma, 7%.

Na última pesquisa Vox Populi/Band, divulgada antes da corrida eleitoral (relembre aqui), Wagner aparecia com 41%, Souto com 33% e Geddel com 9%. O levantamento atual revela que Wagner ganha dois pontos, Geddel soma um e Souto despenca 12 pontos percentuais.

Atualizado às 20h24min

À ESPERA DO VOX POPULI

Após a divulgação do Datafolha, a expectativa agora recai sobre os números que o Vox Populi deverá apresentar entre hoje e amanhã sobre a corrida sucessória na Bahia. Os números do levantamento realizado entre os dias 17 e 20 de julho serão divulgados no Jornal da Band, da TV Bandeirantes. O instituto ouviu 800 eleitores em todo o estado.

GS FALA DE IMPUGNAÇÃO DE CANDIDATURA

Questionado pelo Pimenta sobre a impugnação da sua candidatura por parte da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), Geraldo disse que está tranquilo quanto ao processo. “O que o Ministério Público diz é que eu não apresentei duas das certidões exigidas para registrar a candidatura. O que aconteceu? Eu as apresentei impressas, e não como exigido, digitalizadas”.

E o pedido de impugnação devido às reprovações de contas no TCU? Geraldo diz que a impugnação foi pedida à PRE pelo PMDB do ex-ministro Geddel Vieira Lima. “Nós respondemos ao Tribunal de Contas da União (TCU), prestamos contas no nosso segundo governo. E o que se analisa nesses casos é se houve dolo, por improbidade. Não é o nosso caso. A reprovação ocorreu por erro procedimental, burocrático”.

DATAFOLHA: 36% NÃO SABEM QUEM LULA APOIA NA SUCESSÃO BAIANA

57% dos eleitores identificam que Lula apoia Wagner.

A pesquisa Datafolha divulgada no último final de semana revelou que 36% dos baianos não sabem quem o presidente Lula apoia (ou pode apoiar) na corrida ao Palácio de Ondina. Dos sete nomes na disputa, apenas Jaques Wagner (PT) e Geddel Vieira Lima (PMDB) pertencem à base do presidente.

Dos 1.086 entrevistados na Bahia, 57% disseram que Lula apoiam o governador Jaques Wagner, 7% acreditam ser Geddel e, olhe só!, 3% acham que o mandatário do País vai mesmo é dar o seu aval ao ex-governador Paulo Souto (DEM), adversário do governo federal.

No estrato por sexo, apenas 54% das mulheres sabem identificar quem pode levar ou tem o apoio do presidente de maior aprovação popular da história recente do Brasil. No universo masculino pesquisado, esse percentual de acerto sobe para 75%.

Para 3%, Souto tem apoio de Lula.

A confusão ou desconhecimento talvez possa ser creditado à existência de palanque duplo para a candidatura presidencial de Dilma Rousseff, defendida por Lula. Conforme a pesquisa, 46% dos eleitores votariam com certeza em um nome apoiado por Lula. E 25% talvez votem.

A pesquisa Datafolha foi realizada de 20 a 23 de julho e ouviu 1.086 eleitores em 41 municípios baianos. A pesquisa também diferiu as preferências ao governo entre eleitores do interior e Região Metropolitana de Salvador (RMS).

Os percentuais mostram que Wagner tem 47% das intenções de voto na capital e RMS e 43% no interior, perfazendo 44% das intenções de voto no geral. Souto é o único dos três principais nomes que mantém percentual idêntico tanto na região metropolitana como no interior: 23%. No caso de Geddel, ele tem 9% na RMS e 14% no interior.

O levantamento do Datafolha mostra que 65% ainda não têm candidato ao Senado (são duas vagas em disputa). Na pesquisa espontânea para o governo do estado, 54% ainda não definiram em quem votar. Na estimulada, o percentual é de 13%.

Confira o raio-x da pesquisa Datafolha na Bahia

GEDDEL PROMETE TURBINAR O BOLSA-FAMÍLIA

Geddel: Bolsa-Família "turbinado".

O candidato peemedebista ao governo baiano, Geddel Vieira Lima, prometeu aumentar o benefício Bolsa-Família de R$ 90,00 para R$ 120,00, durante discurso no município de Laje, no Vale do Jiquiriçá.

Apesar de não informar qual seria a fonte dos recursos, o governo estadual colocaria mais R$ 30,00, na média, ao valor que a União repassa aos beneficiários do programa.

Mas esse adicional valeria apenas para os 100 municípios de pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Bahia. O índice leva em conta os indicadores longevidade (expectativa de vida), educação e renda.

SEM SERRA

Marco Wense

A aliança “demo-tucana” sofre sua primeira fissura. No principal comitê eleitoral de Paulo Souto, em Salvador, não aparece, na fachada do prédio, a foto de José Serra, candidato do PSDB à presidência da República.

O deputado federal Jutahy Magalhães, sem dúvida o tucano baiano mais próximo de Serra, não está, e com toda razão, nada satisfeito com a maneira como os democratas vêm tratando a candidatura do ex-governador de São Paulo.

É bom lembrar que o PSDB só aceitou se coligar com o DEM devido à eleição presidencial, de olho em um palanque para José Serra. Se o PSDB não tivesse candidato à presidência da República, os tucanos ficariam com a reeleição de Wagner.

QUEM SERÁ?

A expectativa em torno do carro de som da campanha de Geraldo Simões, candidato a deputado federal pelo PT, é grande. Mas só em relação ao seu candidato à Assembleia Legislativa do Estado.

Para presidente, governador e as duas vagas para o Senado da República, não há nenhuma dúvida: respectivamente Dilma Rousseff, Jaques Wagner, Walter Pinheiro e Lídice da Mata. Para deputado estadual, as apostas estão concentradas no Capitão Fábio, Jota Carlos e Rosemberg Pinto.

REELEIÇÃO

(Foto José Nazal).

Governaram durante 16 anos e não querem mais 4 anos para o governador Jaques Wagner. É esse o principal argumento dos que vão votar na reeleição do ex-ministro das Relações Institucionais do governo Lula.

Reeleito para o segundo mandato, Wagner vai governar por oito anos, ou seja, a metade do tempo que o carlismo governou a Bahia. E Geddel? Para esses eleitores, o candidato do PMDB pode esperar para 2014.

LULA INFLUENCIA VOTO DE 46% DOS BAIANOS

A pesquisa eleitoral Datafolha, publicada ontem, revela que o presidente Lula tem influência decisiva sobre as intenções de voto de 46% dos eleitores baianos. É o grupo dos que dizem que votariam, com certeza, em um nome a governador indicado pelo presidente da República.

Na Bahia, aponta o instituto, o governador Jaques Wagner (PT) tem 44% das intenções de voto e Geddel Vieira Lima (PMDB), 12%. Ambos pertencem à ala governista. O oposicionista Paulo Souto (DEM) possui 23% das intenções de voto, conforme o Datafolha (confira aqui a última pesquisa sobre o cenário baiano).

Na Bahia, o instituto ouviu 1.060 eleitores. Ainda nesta semana, a Folha de São Paulo, dona do Datafolha, também publicará os resultados para o Senado Federal e a avaliação do governo do prefeito de Salvador, João Henrique (PMDB).

DILMA E SERRA EMPATADOS

O Datafolha de ontem também aferiu as intenções de voto para presidente da República. Foram ouvidos  O tucano José Serra e a petista Dilma Rousseff estão empatados com 37% e 36%, respectivamente. Marina Silva (PV) pontua com 10%. Plínio de Arruda (PSOL) e Zé Maria (PSTU) têm 1%, cada.

No segundo turno, é repetido empate técnico entre Serra e Dilma. Nesse caso, a petista tem 46% e o tucano fica com 45%. Na espontânea, o tucano tem 16% e Dilma, 21%. Marina tem 4%. A pesquisa nacional ouviu 10.905 eleitores. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais.

A pesquisa mostra que 41% dos eleitores acreditam que Dilma Rousseff sairá vencedora da disputa eleitoral, ante 30% dos que creem na vitória do tucano José Serra e 2% levam fé em Marina, presidente. A pesquisa foi feita de 20 a 23 de julho.

AZEVEDO E OS CANDIDATOS

Marco Wense

Azevedo: homem de muitos homens.

Uma coisa é certa: o prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo (DEM), vai ter seus candidatos a presidente da República, governador, Senador (dois nomes), deputado federal e estadual. O democrata não vai votar em branco e nem anular o voto.

Outra coisa, também certa, é que ninguém sabe o que passa pela cabeça do chefe do Executivo.  A regra, portanto, é o mistério. A exceção, pelo andar da carruagem, é que Azevedo não vai votar em Paulo Souto para o cobiçado Palácio de Ondina.

E aí vem logo a perguntinha sobre a fidelidade partidária, se alguma represália pode acontecer em decorrência do apoio do alcaide a um candidato – Jaques Wagner (PT) ou Geddel (PMDB) – de outro partido.

Não vai acontecer nada. Nada mesmo. Salvo se Souto ganhar a eleição e, como consequência, não mandar um só centavo para os dois últimos anos do governo do Capitão, assim como fez o então governador César Borges com o então prefeito Geraldo Simões.

Em relação ao Parlamento federal, o nome mais cotado para receber o disputado apoio do prefeito, é o de Luiz Argôlo, do PP do ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, que sonha com o cargo de secretário de Estado em um eventual segundo mandato de Wagner.

O apoio do prefeito Azevedo a Luiz Argôlo, que não tem nenhum vínculo com o sul da Bahia, em que pese seu esforço para trazer verbas federais para o município, abre a porta para que o democrata escolha um deputado estadual da Região, mais especificamente de Itabuna.

Não fica bem apoiar dois candidatos – federal e estadual – de fora, como se Itabuna não tivesse nomes dignos e competentes para assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado.

O médico Renato Borges da Costa, do PMDB do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente do diretório municipal, é o que tem mais chance de receber o importante apoio do prefeito do centenário.

Alguns renatistas, considerados como bem próximos do candidato, defendem até uma contrapartida ao apoio do chefe do Executivo. Ou seja, Renato Costa apoiaria a reeleição do prefeito-capitão na sucessão de 2012.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

DATAFOLHA: WAGNER GANHARIA NO 1º TURNO

Governador tem 44% e adversários, juntos, 38%

Wagner bate Souto e Geddel, juntos, no Datafolha (Foto Google).

A Folha de São Paulo divulgou neste sábado (24) o resultado do mais novo levantamento feito pelo Datafolha sobre a sucessão baiana. Candidato à reeleição, o governador Jaques Wagner ganharia no primeiro turno, segundo o instituto de pesquisa.

O petista aparece com 44% das intenções de voto. O ex-governador Paulo Souto (DEM) pontua com 23% e o ex-ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB, tem 12%. Luiz Bassuma (PV) e Professor Carlos (PSTU) têm 1% cada um. Sandro Santa Bárbara (PCB) e Marcos Mendes (PSOL) não pontuaram.

Por meio da sua assessoria de comunicação, Wagner comentou o Datafolha: “Essa notícia muito nos alegra, porque é a 15ª consecutiva que mostra nossa vitória no primeiro turno. Essa pesquisa é uma consolidação do meu trabalho”.

A soma de intençõe de votos de Wagner é seis pontos percentuais superior à de seus adversários: 44% a 38%. Mantendo-se este cenário até 3 de outubro, o governador sai reeleito da peleja eleitoral que começou, oficialmente, no dia 6 de julho.

Os dois principais adversários do governador, Geddel Vieira Lima e Paulo Souto, não comentaram a pesquisa Datafolha. 13% dos eleitores não opinaram e 6% disseram que vão votar em nulo ou branco.

O levantamento foi aplicado de 20 a 23 de julho. Foram ouvidos 1.086 eleitores. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Wagner consegue obter seus melhores índices de intenções de voto entre os mais ricos e mais jovens, conforme o instituto de pesquisa.

Entre os que recebem acima de cinco salários, Wagner tem 58%, ante 16 de Souto e 7% de Geddel. O percentual entre os mais jovens (faixa dos 16 a 24 anos) é de 53% para o petista, 19% para o democrata e 12% pro peemedebista.

Wagner recua, no entanto, na faixa daqueles que recebem abaixo de dois salários mínimos. Aí o placar fica 42% para JW e 24% para Souto.  Geddel alcança 12%. O petista é também favorecido pela menor rejeição: 16% contra 30% de Souto e 20% de Geddel.

SENADO

O Datafolha deve divulgar, ainda, o levantamento para o Senado Federal pela Bahia e a avaliação dos soteropolitanos em relação ao governo do prefeito João Henrique (PMDB), de Salvador.

JC AGORA ESTÁ COM WAGNER

Edição do Jornal da Metrópole de outubro do ano passado: na época, Cavalcanti anunciava pré-candidatura ao Senado na chapa do PMDB

O bilionário João Cavalcanti, que se insinuou em várias pré-candidaturas na chapa do peemedebista Geddel Vieira Lima (vice-governador, senador e deputado federal), “enjoou” do PMDB, partido ao qual se filiou no ano passado. 

Segundo o site Bahia Notícias, o empresário – que dizem ser chegado a excentricidades – apoiará a reeleição de Jaques Wagner. Cavalcanti afirma ter chegado à conclusão de que o projeto do petista é o melhor.

A expectativa é de que o “uni-duni-te” do ricaço pare por aí. Até mesmo porque ele é inimigo ferrenho de Paulo Souto (DEM) e as chances de apoio ao desafeto são mínimas.

GEDDEL NÃO VAI A LULA. É O TEMOR DAS VAIAS

O ex-ministro e candidato a governador Geddel Vieira Lima não acompanhará o presidente Lula na entrega da Comenda 2 de Julho, hoje em Salvador, e no encontro com agricultores familiares, amanhã em Feira de Santana. A alegação é que sua presença é vetada pela legislação eleitoral.

Porém, o burburinho é que o ex-ministro não foi convidado para a festa na capital baiana. Também não deve ir a Feira, porque teme levar mais uma daquelas sonoras vaia dos agricultores familiares – e de petistas infiltrados. E quando o assunto é vaia, Geddel tem pesadelos. A que ele levou na inauguração do gasoduto em Itabuna ainda ressoa nos seus ouvidos até hoje.

WAGNER NÃO VAI À DEBATE DA UPB

A recusa do governador Jaques Wagner de participar do debate que será promovido no próximo dia 11 pela UPB transformou-se num mote óbvio para a crítica dos adversários. Geddel, por exemplo, aproveitou para chamar o petista de fujão.

Num primeiro momento, Wagner desdenhou da UPB, hoje um reduto peemedebista, afirmando que faltaria qualidade técnica ao debate organizado pela entidade. Depois, o governador mudou o rumo da prosa, elogiando a UPB, mas mantendo a disposição de não ir ao confronto de propostas. Alegou razões de agenda.

A oposição, é lógico, não leva em conta o argumento e desce o malho no  “Galego”.

(Com informações do Bahia Notícias)

GEDDEL INAUGURA COMITÊ EM ITABUNA

O candidato a governador Geddel Vieira Lima (PMDB) inaugura o comitê itabunense da coligação “A Bahia tem pressa” nesta segunda, às 19h. O comitê funcionará na avenida do Cinquentenário, 775.

O ato terá a presença do ex-ministro e de candidatos a deputado estadual e federal, como Lúcio Vieira Lima e Renato Costa. Esta é a segunda visita de Geddel a Itabuna em menos de duas semanas.

TRANSALVADOR USA CANETA CONTRA PETISTAS

Na inauguração do comitê de campanha do governador Jaques Wagner, quarta-feira passada, a Superintendência de Transportes e Trânsito de Salvador (Transalvador) utilizou a caneta para punir motoristas que estacionaram seus veículos em situação irregular. Corretíssimo? Nem tanto…

No mesmo dia e horário, o ex-governador Paulo Souto (DEM) também inaugurava seu comitê na capital e houve o mesmo problema de estacionamentos indevidos. Entretanto, as autoridades que disciplinam o trânsito soteropolitano não se incomodaram.

Segundo a coluna Tempo Presente (A Tarde), o mesmo ocorreu nesta quinta-feira, 15, quando Geddel Vieira Lima inaugurou o seu QG e registraram-se casos semelhantes de desrespeito ao ordenamento do trânsito. Igualmente ao que ocorreu com o evento do Democratas (e diferente do rigor contra os petistas), nenhum infrator foi multado.

CANDIDATOS DECLARAM MENOS DO QUE POSSUEM

Nota publicada pelo site Bahia Notícias revela que os três principais candidatos ao governo da Bahia declararam ao TSE um patrimônio inferior ao que realmente possuem.

A discrepância mais gritante está na declaração do peemedebista Geddel Vieira Lima. A fazenda Santa Rita, de 2.212 hectares, em Itapebi –  pertencente a Geddel e aos irmãos Lúcio e Afrísio Filho – foi declarada como se valesse apenas R$ 109 mil. Porém, a estimativa de corretores ouvidos pelo BN é de que o imóvel está avaliado em no mínimo R$ 4,4 milhões.

Paulo Souto (DEM) tem 16 propriedades rurais, a maioria nos municípios de Canavieiras e Santa Luzia, no sul do Estado. Informou que o conjunto de imóveis vale R$ 309 mil, enquanto a análise de especialistas no mercado imobiliário aponta R$ 3 milhões como o preço real.

O petista Jaques Wagner foi beneficiado com a valorização de seus dois imóveis, um apartamento na Federação e um terreno na Vila de Abrantes, em Camaçari. O primeiro foi adquirido por R$ 150 mil, mas valeria hoje R$ 750 mil; o segundo ele comprou por R$ 28 mil, mas já estaria na casa dos R$ 60 mil. No entanto, os bens do atual governador foram declarados segundo o valor antigo.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia