WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

workshop










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Imbassahy’

SUBSTITUTO DE IMBASSAHY ASSUMIRÁ SECRETARIA DE GOVERNO NA QUINTA

Carlos Marun assume cargo na próxima quinta || Foto Marcelo Camargo/ABr

O Palácio do Planalto confirmou, na noite deste sábado (9), o convite feito pelo presidente Michel Temer a Carlos Marun para assumir a Secretaria de Governo, em substituição a Antonio Imbassahy.

Deputado federal pelo PSDB da Bahia, Imbassahy deixou a pasta após entregar uma carta pedindo exoneração do cargo.

Carlos Marun, de 57 anos, é deputado federal do PMDB de Mato Grosso do Sul e tomará posse na próxima quinta-feira (14).

Segundo nota emitida pelo Palácio do Planalto, Antonio Imbassahy continuará na função até a transmissão oficial do cargo. Imbassahy participou ontem (9), em Brasília, da convenção nacional do PSDB, na qual o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi eleito presidente do partido. Na convenção, Imbassahy afirmou que deixa o governo com a sensação de dever cumprido e reiterou seu compromisso com a reforma da Previdência, prestes a ser votada no plenário da Câmara dos Deputados.

O nome de Marun já vinha sendo especulado desde o dia 22 de novembro, quando Alexandre Baldy tomou posse como ministro das Cidades. Nesse dia, o Palácio do Planalto chegou a anunciar a posse de Marun junto com a de Baldy em seu perfil no Twitter, mas depois apagou a postagem. Desde então, a saída de Imbassahy era considerada questão de tempo no Palácio do Planalto. :: LEIA MAIS »

O HILÁRIO USO DO PRONOME DE TRATAMENTO NOS BATE-BOCAS PARLAMENTARES

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

 

A formalidade entre parlamentares deixa hilários alguns diálogos. O pronome de tratamento, Vossa Excelência, é usado “para o bem e para o mal”.

Exemplo fictício: No discurso, o deputado Antônio Imbassahy (PSDB) se dirige a José Carlos Aleluia (DEM) afirmando que Vossa Excelência é sinônimo de honestidade. O elogiado devolve destacando que Vossa Excelência nunca se envolveu com empreiteiras, é um político exemplar.

Da ficção para a dura realidade: ACM (PDS) num embate com Jader Barbalho (PMDB) vai à tribuna do senado e brada, “está aqui uma manchete do jornal O Estado de São Paulo: Pará agora só tem ladrão, louco e traidor.”

Em seguida se dirige solenemente ao colega:

– E Vossa Excelência é o ladrão!

Na primeira oportunidade, o senador Jader Barbalho reagiu gritando, “vai sobrar sangue pra todos os lados. Basta lembrar frase de ACM no Jornal do Brasil sobre como ganharia a eleição na BA: com o chicote numa mão e o dinheiro na outra”.

O ex-aliado Geddel Vieira Lima foi outro que não escapou da fúria de Antônio Carlos. Num bate boca gritou, “deputado Funrespol.”

Referia-se ao Fundo Especial de Reequipamento Policial cujos recursos, segundo ele, foram desviados pelo então secretário de Segurança Pública do estado, Afrísio Vieira Lima, para eleger o filho Geddel.

ACM encarava o adversário e repetia as palavras prolongando a última sílaba da sigla: “deputado Funrespooooool, deputado Funrespoooool, deputado Funrespooooool…”

Mas a velha raposa Antônio Carlos, quando ministro das Comunicações, também provou deste veneno. No plenário da Câmara, o então deputado Joaci Góes, dedo em riste, utilizando o tradicional pronome de tratamento disparou:

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

JUTAHY X IMBASSAHY

Jutahy e ImbassahyTucanos de bico longo assistem à disputa dos deputados federais Jutahy Júnior e Antônio Imbassahy. Os dois trabalham para ver quem terá mais votos e, assim, consolidar ou passar à condição de líder do PSDB no estado. Ambos disputam reeleição. Imbassahy figura na lista dos Cabeças do Congresso deste ano – lista da qual Jutahy já fez parte na atual legislatura.

TUCANOS NA FOLIA COM GEDDEL

geddel-aecio

Depois de trocarem bicadas e cutucadas, os tucanos selaram a paz com o PMDB, sob confetes e serpentinas, nesta sexta-feira de Carnaval. Na recepção ao presidenciável Aécio Neves (PSDB), estavam juntos o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB), o estadual Augusto Castro (PSDB) e Geddel Vieira Lima (PMDB), que disputa com Paulo Souto a indicação para candidatar-se a governador.

O grupo visitou camarotes e procurou demonstrar que o bloco da oposição “brinca” unido. Mas só depois da Quarta-Feira de Cinzas é que será possível saber se a união sobrevive à folia e à escolha do candidato.

Os oposicionistas sabem que a possibilidade de vitória praticamente desaparece se ocorrer divisões.

KERTÉSZ DIZ QUE OPOSIÇÃO NA CAPITAL CAMINHA PARA A DERROTA

O anúncio do comunicador e ex-prefeito de Salvador Mário Kertész, de que desistiu da disputa por um novo mandato de gestor da cidade foi o assunto que dominou as conversas políticas na capital baiana nos últimos dias.

Kertész diz ter perdido a paciência com as articulações desencontradas dos partidos de oposição ao PT (em especial DEM e PSDB), que não se definem em torno de um nome. Pelo contrário, os deputados federais ACM Neto e Antônio Imbassahy se apresentam como candidatíssimos.

Em seu programa na rádio Metrópole, ontem (19), o ex-prefeito afirmou: “estou fora” e previu que a oposição na capital “caminha para a derrota”.

Ouça o comentário-desabafo:

ADERVAN VAI À (SÉRGIO) GUERRA

Presidente do PSDB em Itabuna diz que Augusto Castro busca interesses pessoais

Indignado com o posicionamento do deputado estadual Augustro Castro, que rejeita a pré-candidatura do arquiteto Ronald Kalid, pelo PSDB, a prefeito de Itabuna, o presidente do diretório municipal tucano, José Adervan, dediciu recorrer a forças superiores.

No próximo dia 7, Adervan se encontra em Brasília com o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, a quem cobrará providências. “Vou falar com Sérgio Guerra sobre tudo o que vem acontecendo. Vou explicar porque o deputado Augustro Castro não aceita a pré-candidatura de Ronald Kalid a prefeito”, afirma o presidente do PSDB em manchete de primeira página no jornal Agora.

Segundo Adervan, a intenção do deputado é “usar o PSDB para barganhar vantagens pessoais no governo municipal”.

Em outros espaços de seu jornal, o presidente afirma que manteve contatos com o deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB) e diz que este duvidara de que o correligionário Jutahy Magalhães tenha dado as declarações publicadas no PIMENTA (leia aqui). Em verdade, Magalhães as deu, em conversa por telefone com o blog. Caso venha a desdizer-se (o que não fez, é bom salientar), passará a ser tratado aqui como mentiroso.

Adervan também dedicou ao assunto sua “Coluna Livre”, publicada na página 2 do Agora. No texto, o jornalista afirma que Augusto Castro exibe autoritarismo em “manchetes e declarações dadas aos blogs”, onde maneja as notícias e manchetes“.

Nota da Redação: Com relação ao PIMENTA, fique claro que o deputado não maneja nem “apita” coisa alguma. Ele é simplesmente uma fonte e, no caso específico da peleja tucana, parte de uma controvérsia política que desperta interesse da comunidade, até porque terá – pequena ou grande, não se sabe – alguma influência na sucessão em 2012. O mais são ilações, por vezes maldosas, de quem não se contém ao contraditório, resvalando o argumento para a ofensa.

Nessa briga de tucanos, o blog – que não tem absolutamente nenhum interesse que não seja o de informar – está aberto tanto ao Augusto Castro como ao José Adervan, sem preferências, porque não nos cabe tê-las.

DENÚNCIA GRAVE CONTRA O DIRETOR DA AGERBA

Na tribuna da Câmara Federal, o deputado Antônio Imbassahy (PSDB/BA) fez  denúncia que coloca em saia justa o diretor-executivo da Agerba, Eduardo Pessoa, e por tabela o governador Jaques Wagner, que o nomeou.

Pessoa é advogado e, conforme documentos levantados por Imbassahy, tem como clientes algumas empresas que exploram o serviço de transporte intermunicipal na Bahia. A regulação e fiscalização desse mesmo serviço é justamente uma das principais atribuições da agência comandada por Pessoa.

Segundo o deputado, o diretor – por meio de seu escritório de advocacia, patrocinou causa da empresa de transportes Novo Horizonte contra o próprio Governo do Estado. No pronunciamento, Imbassahy fez a clássica comparação de que a situação de Eduardo Pessoa equivale à da raposa tomando conta do galinheiro.

OS “CABEÇAS”

Mais uma lista dos “Cabeças do Congresso” e mais uma vez o sul da Bahia não “elege” ninguém por lá. Nem a lista dos parlamentares “em ascensão” traz algum sulbaiano. E olhe que nesta lista figuram três nomes (o tucano Imbassahy e os petistas Amauri Teixeira e Rui Costa).

A lista dos “Cabeças” traz o senador Walter Pinheiro e os deputados ACM Neto (DEM), Jutahy Júnior (PSDB), os comunistas Alice Portugal e Daniel Almeida e os petistas Nelson Pellegrino e Sérgio Carneiro.

RICHA EM CAMPANHA PARA SERRA EM ITABUNA

O Cia da Notícia anuncia, com exclusividade, que o ex-prefeito de Curitiba e governador eleito do Paraná, Beto Richa (PSDB), estará em Itabuna na próxima sexta, 22, e participa de caminhada na avenida do Cinquentenário, centro, às 10 horas.

O ato terá a participação do presidente do PSDB baiano, o deputado federal eleito Antônio Imbassahy, e de ACM Neto (DEM). O trio também caminhará pelo centro de Ilhéus, no mesmo dia, logo após o compromisso em Itabuna. Outro evento está agendado para o final da tarde, em Salvador.

Leia mais

IMBASSAHY E SERRA

Marco Wense

O presidenciável José Serra, do tucanato da Avenida Paulista, não aparece nos “santinhos” da maioria dos candidatos a deputado estadual e federal do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Serra tem um alto índice de rejeição na Bahia. Uma citação ao seu nome seria um tiro no próprio pé.  Alguns tucanos falam até em uma espécie de suicídio político, o que não deixa de ser certo exagero.

O que chama atenção, no entanto, é a propaganda de Antonio Imbassahy, candidato ao parlamento federal. O ex-prefeito de Salvador também deixa Serra de fora de suas propagandas, especificamente dos chamados “santinhos”.

Imbassahy é o presidente estadual do PSDB e o principal coordenador da campanha de José Serra na Bahia. De Imbassahy, portanto, não poderia esperar uma atitude semelhante a de candidatos de menor importância no processo político como um todo.

Vale lembrar que Jutahy Magalhães Júnior e o próprio Imbassahy são os dois políticos da Bahia mais cotados para assumir uma pasta ministerial em um eventual governo Serra. Depois desse chega-pra-lá na candidatura presidencial, Imbassahy perde a condição de “ministeriável”.

ESPERANÇOSOS

O comando estadual do PMDB, sob a batuta de Lúcio Vieira Lima, recorre ao crescimento do tucano Antonio Anastasia, candidato ao governo de Minas, para amenizar o pessimismo em relação a uma melhora de Geddel nas intenções de voto.

Anastasia estava na terceira posição nas pesquisas. Hoje, se encontra em situação de empate técnico com Hélio Costa (PMDB), o primeiro colocado. Os geddelistas, no entanto, esquecem que Anastasia tem um fortíssimo cabo eleitoral, o ex-governador Aécio Neves, que é uma espécie de Lula de Minas Gerais.

Geddel não tem cabo eleitoral com poder de transferência de votos. Outra esperança, totalmente inconsistente, é a de Almir Melo, secretário-geral do PMDB, quando diz que “existe um número grande de indecisos”.

Almir acredita que todos os indecisos vão terminar optando pela candidatura de Geddel. Não vai sobrar nem um pouquinho para o petista Jaques Wagner e, muito menos, para o democrata Paulo Souto.

O otimismo de Almir Melo – foi meu colega no curso de Direito da então Fespi, hoje Uesc (Universidade Estadual de Santa Cruz) – é impressionante. É, sem dúvida, o geddelista mais esperançoso do staff peemedebista.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

SERRA “DELETA” IMBASSAHY

Imbassahy é "deletado" por Serra.

O presidente PSDB baiano, Antonio Imbassahy, perdeu o comando da campanha presidencial de José Serra no Estado, após uma série de barbeiragens. Além da falta de material, Serra ainda passou o vexame de ser barrado numa missa em Bom Jesus da Lapa, na última sexta-feira, 6. Foi o estopim.

A coordenação nacional da campanha decidiu trocar Imbassahy pelo ex-deputado Murilo Leite, segundo conta a edição de hoje d´A Tarde. Serra queria entrar no santuário às 16h45min. Estava atrasado 45 minutos e com a procissão já em andamento, como explicou o padre Casimiro Malolepszy ao diário na edição de final de semana. Detalhe: cerca de 500 mil pessoas participavam da romaria.

O CARLISMO

Marco Wense

ACM vive?

A vitória de Jaques Wagner na sucessão estadual de 2006, derrotando Paulo Souto logo no primeiro turno, disseminou a opinião de que o carlismo teria acabado, que a corrente política sob o total controle de ACM era coisa do passado.

De olho na sobrevivência política, acreditando mesmo no fim do carlismo, várias lideranças, vereadores e prefeitos, filiados ao Partido da Frente Liberal (PFL), procuraram um novo abrigo partidário.

O PMDB de Geddel Vieira Lima, então ministro da Integração Nacional e aliado do governador Jaques Wagner, foi o grande beneficiado pela revoada dos carlistas. A legenda, que contava com pouco mais de 25 prefeitos, passou a ter mais de 100 chefes de Executivo.

O Partido dos Trabalhadores, sob o comando de Jonas Paulo, preferiu seguir o conselho do senador César Borges. Ou seja, a pérola borgeniana de que “água e óleo não se misturam”, numa alusão ao PT e ao então PFL, hoje DEM.

Alguns alcaides pefelistas, aí incluindo carlistas históricos, que passaram a admirar a barba de Jaques Wagner e a estrela cintilante do PT, foram, impiedosamente, refugados pela cúpula do petismo.

A eleição que se aproxima, a tão esperada eleição de 2010, será um bom teste para o carlismo, que poderá ressuscitar politicamente ou, então, sucumbir de vez. O enterro definitivo só com as derrotas de ACM Neto, ACM Júnior e Paulo Souto.

Dos três políticos que representam a linha de frente do carlismo, citados no parágrafo anterior, a reeleição de ACM Neto para o Parlamento federal é favas contadas. A de ACM Júnior para o Senado é complicada.

Quanto a Paulo Souto, pré-candidato ao cobiçado Palácio de Ondina pelo Partido do Democratas(DEM), aquela inabalável certeza de que o ex-governador vai disputar um eventual segundo turno com o petista Jaques Wagner não existe mais.

Aliás, a prova de que a pré-candidatura de Souto vem perdendo consistência é o fato de que fazer parte da chapa majoritária, seja como vice-governador ou postulante ao Senado da República, deixou de ser uma disputa entre os aliados.

Imbassahy, por exemplo, presidente estadual do PSDB e ex-prefeito de Salvador, não quer mais concorrer ao Senado e, muito menos, ser o vice de Souto, já que não acredita em uma vitória do democrata.  O tucano é pré-candidato a deputado federal.

O ex-governador Nilo Coelho, convidado para integrar a chapa majoritária como candidato a vice-governador, ainda não deu uma resposta positiva. O ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), não quer mais disputar o senado. É pré-candidato a deputado federal.

O carlismo não morreu, como desejam os adversários, principalmente os petistas. Mas respira com dificuldade. O balão de oxigênio é a eleição de 2010.

DATAFOLHA

Qualquer outro instituto de pesquisa que não seja o Datafolha, até agora com a credibilidade inabalável, é sempre questionado pelos senhores políticos que ficam tiriricas da vida com os resultados das consultas populares.

Portanto, uma nova pesquisa do Datafolha sobre a sucessão do governador Jaques Wagner, depois da adesão do senador César Borges à pré-candidatura do ex-ministro Geddel, é aguardada com muita ansiedade.

Duas perguntas podem ser respondidas pela pesquisa de intenção de voto: 1) Wagner pode ser reeleito já no primeiro turno? 2) A diferença entre o democrata Paulo Souto e o peemedebista Geddel caiu?

O Datafolha vem aí, para o desespero ou alegria dos senhores pré-candidatos ao governo da Bahia.

MARIA ALICE

Fale o que quiser de Maria Alice, presidente do diretório do DEM de Itabuna. Ninguém, no entanto, pelo menos em sã consciência, pode abrir a boca para dizer que a democrata é uma péssima dirigente partidária.

Maria Alice, odiada por muitos e também amada, assume posições políticas. Não fica no muro. A ex-dama de ferro é carlista, é fernandista, vai votar em Paulo Souto, ACM Neto e nos dois candidatos da legenda ao senado da República.

Maria Alice tem lado. Não fica fazendo jogo de cena. Faz política sem teatro, sem tapear.

IMBASSAHY PODE DISPUTAR O SENADO (DE NOVO!)

Imbassahy diz que Serra é forte e a campanha, fraca.

O ex-prefeito de Salvador, Antônio Imbassahy (PSDB), está inclinado a entrar na disputa por uma das duas vagas baianas ao Senado Federal. Ou, até, ser vice de Paulo Souto (DEM) na corrida ao Palácio de Ondina. Foi o que ele deixou escapar numa entrevista ao repórter Fábio Luciano.

“Tem muita gente que deseja que eu aguarde um pouco mais para me candidatar na chapa majoritária”. Presidente estadual dos tucanos, Imbassahy diz que o crescimento de Dilma Rousseff nas pesquisas não preocupa o tucanato. “José Serra não está fazendo campanha eleitoral. Serra está preocupado em administrar São Paulo. Temos candidato forte e campanha fraca”.

Imbassahy ressaltou que Serra começará a campanha em abril (a campanha, oficialmente, começa em julho). O lançamento do nome do governador para a sucessão de Lula será no dia 10 de abril, em Brasília. Na entrevista, o tucano também ironizou a propaganda institucional baiana.

O SILÊNCIO DE LÚCIO

Marco Wense

Lúcio ao lado de Geddel: calou a boca.

Lúcio ao lado de Geddel: um silêncio estranho.

O presidente estadual do PMDB, o polêmico e irreverente Lúcio Vieira Lima, irmão do ministro Geddel, na defesa do partido e dos peemedebistas, não deixa pedra sobre pedra.

No entanto, para a surpresa de todos, principalmente dos correligionários mais próximos, Lúcio optou pelo inesperado silêncio em relação ao artigo de Antonio Imbassahy (Jornal A Tarde, edição de 31-12-2009).

Antes de publicar alguns trechos, é bom lembrar que Imbassahy é o presidente estadual do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). O alvo é o prefeito de Salvador, o peemedebista João Henrique.

“É o retrato de uma administração marcada pela permissividade e ação midiática nocivas à vida da cidade”.
“A falta de planejamento e a imensa quantidade de promessas não-cumpridas, ainda presentes na memória de muitos, irritam os cidadãos”.

“Da bandeira do combate aos impostos prevaleceu a impostura! Tudo isso revela oportunismo e enganação, e leva ao descrédito e quebra de confiança da população junto à autoridade municipal”.

Comparando o seu governo – Imbassahy foi prefeito de Salvador – com o de João Henrique: “Salvador era bem-cuidada, com a autoestima da sua gente elevada, o que nos permitia seguidas avaliações positivas em várias pesquisas de opinião”.

E mais: “A administração da capital é, entre as avaliadas, a pior do país, algo que envergonha a nossa cidade”. E finaliza: “Em 2010, melhor sorte para a nossa amada Salvador”.

Pois é. O Lúcio, aquele Lúcio que não leva desaforo para casa, o Lúcio sem papas na língua, que chamou a então candidata Juçara Feitosa (PT) de “farofeira”, não disse nada. Ficou calado.

O comandante-mor do peemedebismo não quer nenhum tipo de atrito com os democratas e tucanos. Como acredita em uma disputa de Geddel com Wagner no segundo turno, espera o apoio do DEM e do PSDB.

E o prefeito João Henrique, que é a segunda maior liderança do PMDB da Bahia, que foi o alvo principal das bicadas de Imbassahy, vai ficar calado?

Quem cala, consente. Diz a sabedoria popular, infinitamente com mais crédito do que a “sabedoria dos políticos”, quase sempre voltada para a malversação do dinheiro público.

DEMOCRACIA

Se depender da família Carneiro, o pré-candidato Paulo Souto, do Partido Democratas (DEM), não retorna ao Palácio de Ondina, sem dúvida a morada mais disputada e cobiçada da Bahia.

O senador João Durval (PDT) e o prefeito de Salvador, João Henrique (PMDB), são eleitores do ministro Geddel. O deputado Sérgio Carneiro (PT) e Luiz Alberto (PSB) vão votar na reeleição do governador Jaques Wagner.

O papai João Durval segue a orientação política do prefeito João Henrique. O voto de Yeda Barradas, a simpática mamãe, é uma grande dúvida. Na opinião da modesta coluna, esse enigmático voto é para Jaques Wagner.

Sem nenhum tipo de pressão e constrangimento, João Henrique, Sérgio Carneiro e Luiz Alberto procuram o seu próprio caminho. Além de filhos de João e Yeda, são também da democracia.

EM ITABUNA, IMBASSAHY ANUNCIA NILO NO PSDB

..

Ex-governador baiano e ex-prefeito de Salvador, Antônio Imbassahy se dedica a reorganizar o PSDB na Bahia. O presidente estadual da legenda concedeu entrevista exclusiva ao repórter Fábio Luciano, do Pimenta.

O tucano dá como certo o ingresso do ex-governador Nilo Coelho no ninho tucano, faz críticas ao governo de Jaques Wagner, ameniza a queda de intenções de voto no presidenciável José Serra e fala dos projetos regionais do seu partido.

Ele reforça que o plano para 2010 é formar chapas proporcionais fortes na Bahia. Ainda aborda a aliança do PSDB com o DEM na Bahia, algo inimaginável há três anos, quando ainda era vivo o cacique político Antônio Carlos Magalhães, falecido em 2007.

Pimenta na Muqueca – A aliança com o DEM, na Bahia, é para valer ?

Antônio Imbassahy – É uma aliança feita a partir da direção nacional do PSDB, através do nosso presidente, o  senador Sérgio Guerra, das principais lideranças do PSDB no Brasil, os governadores José Serra e Aécio Neves, e aqui na Bahia também consolidada. Trata-se de uma aliança em que o DEM apóia o nosso candidato à presidência da República, e nós, aqui no estado, apoiamos o candidato do DEM ao governo da Bahia, que deverá ser o ex-governador Paulo Souto.

O vice na chapa de Paulo Souto será do PSDB? O ex-governador descartou o nome do deputado João Almeida?

Não tem definição ainda com relação a nomes , de vice e nem Senadores , o que tem é a presença de um  componente do PSDB, que vai participar da chapa majoritária ocupando uma das vagas. Mas neste momento não se discute este assunto.

Como o sr. avalia o governo de Jaques Wagner, ao qual o PSDB deu apoio nos primeiros anos ?

Olha, a avaliação não é pessoal. É uma avaliação de pesquisas de opinião que a gente colhe, no interior do Estado e na Região Metropolitana. Não é positiva tendo em vista, sobretudo, as dificuldades com as áreas de segurança pública, saúde e educação. Recentemente, saiu uma matéria na revista Veja com o título Triste Bahia. Ela dizia que a Bahia, em um passado recente, dava sempre notícias boas para o Sul do Brasil e, hoje, não é mais isso. Enquanto Pernanbuco experimenta um crescimento econômico acelerado, enquanto Sergipe ganha a instalação de 25 novas indústrias de 2007 para cá, a Bahia assiste a um quadro de grave dificuldade, inclusive com ataques de bandidos a ônibus. Incendiando ônibus e, também, desafiando a polícia em Salvador.

“Não houve queda abrupta de Serra [nas pesquisas],

o que houve foi uma discreta redução.”

__________

No plano nacional, o que explicaria a abrupta queda de intenções de voto no candidato a presidente José Serra ?

Não houve queda abrupta do candidato José Serra, o que houve foi uma discreta redução [de intenções de voto], em função da entrada em cena da Senadora Marina, também do Ciro Gomes. Os dois ocuparam a mídia televisiva com intensidade às vesperas da realização das pesquisas. Então, a gente está absolutamente tranqüilo. O patamar do José Serra é mais que o dobro do segundo colocado, o que nos dá muita confiança e muita certeza de vitória.

Quais são as pretensões do PSDB quanto à Assembléia Legislativa e à Câmara federal? Quantos deputados espera eleger?

Olha, o PSDB vai ter uma chapa muito forte, para candidato a deputado Estadual, e um deles está aqui hoje, que é o Augusto Castro, que tem uma possibilidade concreta de vitória, para representar Itabuna e região. Nós hoje já estamos alcançando 50 nomes com densidade eleitoral para deputado estadual.

E na disputa às vagas na Câmara federal?

Para deputado federal, o número é menor, mas nomes estão surgindo, como o prefeito de Mata de São João, João Gualberto, o ex-deputado federal Coriolano Sales, a presença também do ex-governador e prefeito de Guanambi, Nilo Coelho. São tantos nomes que a gente está articulando no plano regional… Então, temos uma chance muito boa de aumentar as nossas bancadas estadual e federal.

A vereadora itabunense Rose Castro vai mesmo para o PSDB?

Ah, é exatamente a sopa no mel essa vinda de Augusto e de Rose, né? Porque ter um nome como de Augusto Castro no PSDB, enriquece o nosso quadro partidário, dá uma solidez politica do ponto de vista da densidade eleitoral e abre também uma articulação muito grande no estado. Augusto tem muita habilidade e conhecimento na Bahia. Ele está nos ajudando, inclusive, nesta articulação. Quanto à vinda da vereadora Rose Castro, é uma decisão pessoal dela. Mas se ela assim decidir, o tapete vermelho estará estendido.

MEU GAROTO!

O ex-prefeito Antônio Imbassahy, presidente do PSDB baiano, decidiu-se pelo lançamento da candidatura do também tucano Paulo Câmara à Assembleia Legislativa. Câmara é vereador da capital baiana e pretende colocar o bloco na rua já, já. Imbassahy quer fazer do parente um dos mais votados da legenda.

Vai conseguir?






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia