WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


conlar

banner-site-150x300px

jamile_yamaha

sintesi17

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias


:: ‘indústria’

MUNDO SENAI APRESENTA OPORTUNIDADES DE CARREIRA PARA JOVENS E COMPETIÇÕES TÉCNICAS

Unidade do Senai no sul da Bahia funciona na Rodovia Ilhéus-Itabuna

Unidade do Senai no sul da Bahia funciona na Rodovia Ilhéus-Itabuna

Jovens interessados em identificar oportunidades de carreira na indústria podem participar, amanhã e sexta (dias 14 e 15), do Mundo Senai. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) abrirá as portas de suas unidades em todo o Brasil à comunidade. No sul da Bahia, a unidade funciona na Rodovia Ilhéus-Itabuna (BR-415), próximo à Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

A expectativa é que o evento receba, em todo o país, mais de 300 mil visitantes que participarão de palestras, minicursos, demonstrações práticas de atividades profissionais e competições de educação profissional. O objetivo é divulgar ocupações técnicas da indústria e cursos oferecidos pelo Senai a jovens que querem ingressar no mercado de trabalho.

De acordo com o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, o evento é uma oportunidade de mostrar à sociedade o papel do serviço de aprenziem na formação profissional de jovens. Desde 1942, quando foi criada, a instituição formou mais de 71 milhões de pessoas. “O Mundo Senai também mostrará que estamos inseridos e preparados para a quarta revolução industrial, com tecnologias mais complexas, que exigirão novas formas de trabalho e profissionais com novas habilidades e competências”, destaca Lucchesi.

Para os que gostam de tecnologia, o Mundo Senai oferecerá demonstrações de uso dos mais modernos equipamentos e máquinas do mercado em diversas ocupações. Além disso, poderão participar de minicursos capazes de comprovar a qualidade da educação oferecida pelo Senai e ter contato com tecnologias usadas em sala de aula.

EMPRESAS

Para empresários que buscam talentos, haverá competições técnicas em que poderão selecionar os melhores técnicos formados em cada unidade do Senai. O torneio também é um incentivo para os jovens ávidos para ter um lugar de destaque no mercado de trabalho. O Mundo Senai foi criado em 2009 e nesses oito anos recebeu aproximadamente 2,5 milhões de visitantes em todo o Brasil.

ILHÉUS: SESI ABRE 220 VAGAS EM CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Aulas do curso serão ministradas na unidade da Fieb, na Ilhéus-Itabuna || Foto Pimenta

Aulas do curso serão ministradas na unidade da Fieb, na Ilhéus-Itabuna || Foto Pimenta

O Serviço Social da Indústria (Sesi) abriu 220 vagas de qualificação em minicursos para profissionais de Ilhéus, Itabuna e região. Os cursos de curta duração serão ministrados na unidade integrada da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), no quilômetro 13 da Rodovia Ilhéus-Itabuna, e oferecem certificação, segundo a diretora de Relações com o Mercado, Ana Dantas.

São 11 cursos em várias áreas, cada um deles com 20 vagas. Os cursos oferecidos são os de Oratória; Excel; Excel Avançado; NR 05 Cipa; NR 10 Segurança em Eletricidade (Básico); NR 10 Instalações e Serviços em Eletricidade; e NR 35 Trabalho em Altura.

CURSOS DE LIDERANÇA

A Unidade do Sesi Sul também oferecerá cursos de liderança. São eles Desenvolvimento de Líderes: Liderança Essencial; Desenvolvimento de Líderes: Líder Coach; Desenvolvimento de Líderes: Gestão de Equipes Eficazes; e Desenvolvimento de Líderes: Gestão para Resultados.

Os valores dos cursos variam de R$ 100,00 a R$ 250,00, e todos oferecem certificação. Informações sobre os cursos podem ser obtidas pelo telefone 73-3222-7080 ou 3222-7081, de segunda a sexta, das 8h às 17h.

CHOCOLATE PRODUZIDO NO PAÍS DEVERÁ TER MAIOR TEOR DE CACAU

Projeto estabelece teor mínimo de cacau no chocolate no país || Reprodução

Projeto estabelece teor mínimo de cacau no chocolate no país || Reprodução

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, da Câmara dos Deputados, aprovou projeto de lei que determina percentual mínimo de massa de cacau no chocolate. O chocolate deverá ter mínimo de 27% de cacau, de acordo com o aprovado na comissão, nesta quarta (5). Já o chocolate amargo, deverá ter percentual de 35%, no mínimo. Hoje, na média, o chocolate brasileiro é vendido com teor de cacau até menor que 5%.

Os percentuais valem para chocolate e derivados, de acordo com o autor do projeto, Bebeto Galvão (PSB-BA). A matéria agora será discutida na Comissão de Defesa do Consumidor. Os percentuais devem ser aplicados também para importados a serem comercializados no país. Porém, para valer, precisará ser aprovado pelo legislativo e sancionado pela Presidência da República.

Bebeto, autor do projeto de lei.

Bebeto, autor do projeto de lei.

Para o parlamentar baiano, o aumento de massa de cacau no chocolate beneficiará, diretamente, agricultores, comerciantes, indústria e, principalmente, consumidores. “Estabelece um nível de competitividade para a indústria, que oferecerá um chocolate de qualidade à população brasileira”, observa Bebeto.

O deputado baiano disse que deseja um mínimo de 35% para todos os chocolates. “Mas esse foi o relatório possível”. Para chegar a este índice, apontou, foi necessário negociar “com a indústria, os produtores e sobretudo com esta casa (a Câmara dos Deputados) que é plural, em que tivemos que construir um entendimento”.

Bebeto diz acreditar que a aprovação do índice mínimo melhora o desenvolvimento sustentável da produção de cacau. “Incidirá [em] mais cacau para a produção de chocolate e vai garantir também mais qualidade aos consumidores” com menor teor de açúcares e mais massa de cacau no chocolate”.

INDÚSTRIA BAIANA CRESCE EM MARÇO

Produção industrial baiana registra melhora em março.

Produção industrial baiana registra melhora em março.

Relatório do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta crescimento da produção industrial baiana no comparativo de fevereiro com março deste ano. Crescimento de 2%. Foi o segundo melhor desempenho para este período em todo o país, ficando atrás do Amazonas (5,7%).

O crescimento registrado agora foi um “refresco” para o desempenho dos últimos meses. No primeiro trimestre, a queda na produção industrial baiana atingiu 4,3%, puxado pelos setores de coque, metalurgia e derivados de petróleo e biocombustíveis.

A perda chega a 8,3% no acumulado dos últimos 12 meses, ainda segundo o IBGE. Quando comparado o desempenho de março de 2017 com igual período do ano passado, a queda chega a 7,8%.

:: LEIA MAIS »

POLUIÇÃO COLOCA BARRY CALLEBAUT E CARGILL NA MIRA DE ILHEENSES

Parque industrial da Cargill em Ilhéus: fumaça prejudicando moradores.

Parque industrial da Cargill em Ilhéus: fumaça prejudicando moradores.

Um atentado à saúde está sendo cometido, diariamente, por duas unidades moageiras de cacau no Distrito Industrial de Ilhéus, no Iguape. Cargill e Barry Callebaut passaram a queimar ainda mais resíduos de cacau em suas caldeiras instaladas no município sul-baiano. Antes, parte desse material era comercializada.

O aumento da poluição incomoda moradores vizinhos aos parques industriais. Com a mudança de tempo, eles sofrem ainda mais com a fumaça densa gerada pelas caldeiras das indústrias. Unidade de saúde da região atende adultos e crianças com queixas frequentes de problemas respiratórios.

Nuvens de fumaça em unidade da Barry Callebaut em Ilhéus.

Nuvens de fumaça em unidade da Barry Callebaut em Ilhéus.

De acordo com fontes internas, as indústrias não utilizam energia renovável para a queima dos resíduos. A região já deveria ser atendida pelo gasoduto da Bahiagás. A queima de descarte de cacau aumentou ainda mais nos últimos meses.

Moradores de áreas vizinhas temem falar do assunto, pois parte trabalha ou tem familiares empregados numa das unidades. A depender das condições do tempo, a fumaça vira uma espécie de “neblina”, dificultando a visibilidade de quem circula pela BA-262, seja de carro ou mesmo a pé. O site não conseguiu falar com as empresas.

INOVAÇÃO NO CACAU DA MATA ATLÂNTICA

Eduardo AthaydeEduardo Athayde | eduathayde@gmail.com

 

A Fazenda Futuro, localizada em Buerarema, base das pesquisas do WWI no final do século passado – e agora cliente do CIC -, está sendo usada por pesquisadores parceiros do WWI, da floresta urbana de Nova Iorque e do Smithsonian Institute como referência para um projeto piloto de fazenda do futuro, conectado com universidades e centros de pesquisas do mundo.

Quando o WWI-Worldwatch Institute, na virada do milênio, publicou internacionalmente estudo sobre a mata atlântica da região cacaueira da Bahia, batizando-a de “Floresta de Chocolate”, única no mundo, onde a matéria prima do chocolate é produzida com recordes de biodiversidade no planeta, registrado pelo Jardim Botânico de Nova Iorque, a prefeitura nova-iorquina iniciava o levantamento de cada uma das suas 683.113 árvores.

Hoje, os cidadãos de Nova Iorque conhecem o valor econômico individual das suas árvores, sabem que cada uma reduz a temperatura sob sua copa em cinco graus centígrados, joga no ar 150 mil litros de água por ano e produzem serviços anuais avaliados em US$111 bilhões [tree-map.nycgovparks.org]; um padrão que está sendo seguido por várias cidades do mundo que plantam florestas urbanas visando a melhoria do ar, do clima local e da qualidade de vida dos seus cidadãos.

Com a força das redes sociais, o mundo parece ter ficado pequeno e a biodiversa Mata Atlântica, antes pouco percebida (ainda não valorada), vem recebendo influência direta dessas inovações. O Centro de Inovação do Cacau (CIC), por exemplo, que será inaugurado [hoje] na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, é a parte concreta do projeto do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia, idealizado conjuntamente pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Ceplac, Uesc, Secti, Instituto Arapiaú e outras instituições.

Focando a cadeia produtiva do cacau e a economia florestal, o CIC, formado por acadêmicos e empresários, analisará propriedades físico-químicas do cacau e do chocolate, a qualidade de sementes e mudas das biofábricas de essências da mata atlântica, fomentando a indústria do reflorestamento que, cobiçada por investidores, floresce impulsionada pelo robusto mercado financeiro internacional interessado em ativos florestais.

Na era da “eco-nomia”, oficializada pelo Acordo de Paris e já legalmente adotada pelo Brasil, a preservação, além de uma imperiosa necessidade, passou a ser analisada também por parâmetros econométricos da precificação e monetização (restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030 – bit.ly/2cHvxT8). Observando o senso de oportunidade, o CIC nasce como elo local desta inovadora rede global, posicionando-se, com linguagem nova, como uma espécie de “porta USB” de alta velocidade aberta a conexões de pesquisa, geração de conhecimento e econegócios.

Integrado a iniciativas como a Plataforma Brasileira sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (bpbes.net.br), que tem a missão de produzir conhecimento científico e saberes tradicionais sobre biodiversidade e serviços ecossistêmicos – onde o cacau se inclui -, o CIC nasce como parceiro natural do Programa Fapesp de Pesquisa em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (BIOTA-FAPESP), apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e alinhado com a
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que lançou a Campanha da Fraternidade 2017 com o tema “Biomas Brasileiros e a Defesa da Vida”.

A imaginação é mais importante que o conhecimento, afirmava Albert Einstein. Nesta linha, a Fazenda Futuro, localizada em Buerarema, base das pesquisas do WWI no final do século passado – e agora cliente do CIC -, está sendo usada por pesquisadores parceiros do WWI, da floresta urbana de Nova Iorque e do Smithsonian Institute como referência para um projeto piloto de fazenda do futuro, conectado com universidades e centros de pesquisas do mundo.

Com a quebra de fronteiras e os espaços abertos pelas redes sociais, a região cacaueira, imaginada como Floresta de Chocolate, vive um momento de mudanças intensas observadas na metáfora da crisálida, quando a lagarta não mais existe, e a borboleta ainda não nasceu.

Eduardo Athayde é diretor do WWI-Worldwatch Institute.

EM ITABUNA, PRESIDENTE DA LUPO ANUNCIA EXPANSÃO DA TRIFIL

Mazzeu e Liliana Aufiero, da Lupo, com o prefeito Fernando Gomes, secretário John Nascimento e auxilia

Jorge Tomate, Mazzeu, Aufiero, Fernando Gomes, John Nascimento e Tarciso Soares.

Investimentos na unidade da Trifil em Itabuna foram anunciados pela presidente da Lupo, Liliana Aufiero, durante visita ao município sul-baiano. A executiva antecipou que a indústria local ganhará nova linha para lançamento de novos produtos. A Lupo adquiriu a Trifil no ano passado (relembre aqui).

Segundo a executiva, a visita à fábrica em Itabuna tem a finalidade de avaliar as condições operacionais e definir estratégias de expansão da empresa.

Parte dos equipamentos da linha de produção da Trifil em Guarulhos serão destinados a Itabuna, segundo Aufiero. “Estamos inclusive trazendo partes das máquinas da fábrica de Guarulhos, que serão destinadas ao lançamento de novos produtos como a meia calça, com alto padrão de qualidade”.

Aufiero e o diretor superintendente do grupo empresarial no país, Carlos Alberto Mazzeu, também participaram de audiência com o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, acompanhado do secretário de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, John Nascimento, o diretor de Licitações, Jorge Tomate, e o diretor de Indústria e Comércio, Tarciso Soares.

EXPANSÃO DA LUPO

De acordo com entrevista concedida pela presidente da empresa, a Lupo apostará em duas frentes, uma delas o crescimento das franquias da Lupo e a expansão da fábrica da Trifil em Itabuna. A Trifil Scalina possui 90 lojas próprias. A Lupo, 320.

O PESO DO POLO DE INFORMÁTICA

Bebeto e Vivaldo abordaram situação do Polo de Informática.

Bebeto e Vivaldo abordaram situação do Polo de Informática.

A nomeação do ilheense José Vivaldo Mendonça para o comando da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação reacendeu um tema adormecido há anos, a revitalização do Polo de Informática de Ilhéus. Ontem, o deputado federal Bebeto Galvão – do PSB assim como o novo secretário, teve audiência com José Vivaldo.

Bebeto relembrou o peso do polo na economia ilheense. “Tínhamos 74 fabricantes [no polo], 2,5 mil empregos diretos, participação de 20% na produção nacional de computadores e faturamento anual dos fabricantes em torno de R$ 2,1 bilhões”, citou. Hoje, o faturamento do polo de informática ilheense caiu para R$ 1,1 bilhão e emprega em torno de mil pessoas.

Para o parlamentar, é necessário analisar as demandas do polo e a convergência de agendas comuns, focando em fortalecimento do negócio e melhoria do ambiente de negócios na cidade. Segundo ele, “é necessário fazer uma transição, transformando Ilhéus em polo tecnológico, com inovação, conhecimento, agregando valores a novos produtos”.

O parlamentar defende, nesta linha, aprofundar relação e definir estratégias com as universidades Estadual de Santa Cruz (Uesc) e Federal do Sul da Bahia (UFSB). “Para além da cidade se tornar polo tecnológico, transformar o eixo de Ilhéus–Itabuna em áreas do conhecimento e inovação e o eixo Ilhéus–Uruçuca como pólo do chocolate, pois essas ações resultarão no maior desenvolvimento regional”.

ATIVIDADES MARCAM 30 ANOS DO SINDICACAU

Fernandes, de amarelo, entrega kit a associado do Sindicacau.

Fernandes, de amarelo, entrega kit a associado do Sindicacau.

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Moageira de Cacau (Sindicacau) completou 30 anos de atividade. A entidade reúne cerca de 500 associados em Ilhéus e Itabuna, de acordo com o dirigente, Luiz Fernandes Ferreira.

Os associados trabalham nas unidades da Cargill, Barry Calebaut e Joanes. Os 30 anos estão sendo comemorados com atividades e a entrega de kits natalinos a cada um dos associados, além do sorteio de bicicletas.

– São três décadas em defesa dos trabalhadores das indústrias do eixo Itabuna-Ilhéus. Uma história marcada por lutas pela valorização tanto econômica como social dos nossos associados – afirma o dirigente.

MÍNIMO DE 35% DE CACAU NO CHOCOLATE DÁ BASTA NO “FAZ DE CONTA”, DIZ BEBETO

Bebeto defende chocolate com mínimo de 35% de cacau puro.

Bebeto: chocolate com mínimo de 35% de cacau.

Um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados obriga as indústrias de chocolate a adicionar, no mínimo, 35% de cacau puro ao chocolate produzido no Brasil. Autor da proposta, o deputado Bebeto Galvão (PSB-BA) voltou a defender, ontem (24), na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços a mudança, que fortaleceria ainda mais a cadeia produtiva do cacau.

A medida, segundo Bebeto, busca a valorização do produtor e proteger o consumidor. “Quando se aumenta a massa de cacau na industrialização do chocolate, aumenta o nível de produção e provoca uma melhora comercial para quem produz”, acredita. Na outra ponta, está o consumidor. “Com esse projeto, daremos um basta a um verdadeiro faz de conta, afinal hoje em dia nós comemos massa hidrogenada dizendo que é cacau, comemos açúcar achando que é chocolate”, argumenta Bebeto.

O parlamentar baiano apelou por um consenso entre os setores envolvidos para garantir o avanço do projeto na Câmara. “Mesmo com toda boa vontade desta Casa e a dedicação da agricultura e dos deputados, não chegamos ainda a um texto de consenso com os representantes das indústrias que aportam sempre a este debate critérios de natureza técnica e impedimentos para chegar conclusivamente ao resultado”.

DEMANDA

Uma das discussões é se há oferta de cacau no mercado suficiente para atender a demanda gerada pela possível aprovação da lei. “A indústria do chocolate está disposta a indicar sugestão de aprimoramento no texto? Se é para convergir, é preciso fazer o esforço para a convergência”, provoca. Bebeto diz ver disposição do setores envolvidos para chegar a essa disposição. De acordo com ele, o projeto já deveria ter sido votado no início do ano. “Já chegamos a um limite que não dá para postergar mais esse debate”, completa”.

CHOR EXPANDE MERCADO E CHEGA A PORTUGAL

Marco e Luana Lessa expandem mercado da Chor no velho continente.

Marco e Luana Lessa expandem mercado da Chor no velho continente.

A Chocolate de Origem (Chor), de Ilhéus, ampliou mercado no continente europeu. Depois de exportar para países como a França, a fabricante de chocolates com até 70% de cacau coloca o “pé” em Portugal.

Barras de chocolates fabricados pela empresa ilheense serão vendidas, inicialmente, na DuMonde Chocolat, na cidade do Porto. A empresa é tocada pelos sócios Marco e Luana Lessa. Marco é o idealizador do Festival Internacional do Chocolate e Cacau, que entra em sua oitava edição neste ano.

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA TEM ALTA DE 2,7 PONTOS

industrias_wd2212_2O Índice de Confiança da Indústria (ICI) teve uma alta de 2,7 pontos na prévia de abril, em relação ao resultado consolidado de março. O indicador passou de 75,1 para 77,8 pontos, o maior patamar desde março de 2015. O ICI é medido em uma escala de zero a 200 pontos.

A alta do índice na prévia de abril foi provocada principalmente pelo otimismo dos empresários da indústria em relação aos meses seguintes. O Índice de Expectativas avançou 3,5 pontos, chegando a 75,5 pontos.

A confiança dos empresários em relação ao momento presente também aumentou, embora em ritmo menor do que o Índice de Expectativas. O Índice da Situação Atual avançou 1,9 ponto e chegou a 80,5 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada atingiu 74,3% na prévia de abril, 0,6 ponto percentual acima do resultado de março. Da Agência Brasil

APÓS 7 MESES DE QUEDA, PRODUÇÃO INDUSTRIAL INICIA 2016 COM CRESCIMENTO

industrias_wd2212_2A produção industrial brasileira cresceu 0,4% em janeiro em relação a dezembro de 2015, na série livre de influenciais sazonais, interrompendo um período de sete meses de quedas consecutivas, quando acumulou perdas de 8,7%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil (PIM-PF), divulgada hoje (4).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os dados da pesquisa indicam que, quando comparada a janeiro de 2015, a indústria, no entanto, caiu 13,8%, a vigésima terceira taxa negativa consecutiva e a mais intensa desde os -14,1% de abril de 2009.

Já a queda de 9% no resultado acumulado nos últimos doze meses (a taxa anualizada) foi a mais intensa desde novembro de 2009, mantendo uma trajetória descendente iniciada em março de 2014 (2,1%).

Segundo o IBGE, o setor industrial, em janeiro de 2016, “volta a mostrar um quadro de maior ritmo produtivo, expresso não só no avanço de 0,4% na comparação com o mês imediatamente anterior, que interrompeu sete meses consecutivos de queda, mas também no predomínio de taxas positivas entre as grandes categorias econômicas e as atividades investigadas”. Da Agência Brasil

CUBA TERÁ FÁBRICA NORTE-AMERICANA DEPOIS DE MEIO SÉCULO

Cuba terá fábrica norte-americana depois de meio século (Foto Reprodução).

Cuba terá fábrica norte-americana depois de meio século (Foto Reprodução).

O governo de Barack Obama aprovou a instalação da primeira fábrica americana em solo cubano, após mais de 50 anos de embargo econômico. Uma companhia montadora de pequenos tratatores obteve a autorização do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. Os sócios do negócio são Horace Clemmons e Saul Barenthal.

Autoridades da ilha aprovaram o projeto publicamente, e os sócios disseram que esperam produzir os tratores em Cuba até o primeiro trimestre de 2017. “Todo mundo quer ir a Cuba vender alguma coisa e isso não é o que estamos tentando fazer. Estamos observando o problema e como podemos resolver os problemas que eles consideram mais importantes”, disse Clemmons.

A unidade, de US$ 5 milhões a US$ 10 milhões, seria o primeiro investimento significante dos EUA em solo cubano desde que Fidel Castro assumiu o poder em 1959 e nacionalizou bilhões de dólares de companhias americanas. O confisco provocou o embargo econômico imposto por Washington, que proibiu todas as formas de comércio e multou companhias estrangeiras em milhões de dólares por fazerem negócios com a ilha.

A fábrica de tratores Oggun, que recebeu esse nome em homenagem a um deus da Santería cubana, vai montar tratores de 25 cavalos com componentes comercialmente disponíveis e vender por menos de US$ 10 mil, de acordo com Clemmons e Berenthal. Eles acreditam que conseguirão vender centenas desses tratores ao ano.

Leia mais n´A Tarde

INDÚSTRIA REGISTRA QUEDA DE 8,3% EM 2015

Indústria brasileira registra queda de 8,3% em 2015 (Foto Agência Brasil).

Indústria brasileira registra queda de 8,3% em 2015 (Foto Agência Brasil).

A produção industrial brasileira fechou 2015 com retração acumulada de 8,3%. Os dados divulgados hoje (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a indústria também registrou queda (0,7%) em dezembro de 2015, na comparação com novembro.

A pesquisa indica ainda que a produção industrial no país em dezembro do ano passado na comparação com dezembro de 2014 recuou ainda mais (11,9%) e no acumulado dos últimos 12 meses, o parque fabril brasileiro registrou a maior queda desde novembro de 2009, ao fechar o período em 8,3%.

Segundo avaliação dos técnicos do IBGE, em dezembro do ano passado a indústria deu seguimento ao ritmo produtivo menor, “expresso não só no sétimo resultado negativo consecutivo em relação ao mês imediatamente anterior (maior sequência de quedas da série histórica), mas também no predomínio de taxas negativas em dezembro, quando a maior parte das atividades pesquisadas reduziu a produção”.

Para se ter uma dimensão exata do quadro recessivo do setor, o IBGE ressaltou o fato de que com a retração de dezembro do ano passado, a indústria encontra-se atualmente 19,5% abaixo do nível recorde alcançado pelo setor em junho de 2013.

Na comparação com dezembro de 2014, o setor industrial teve o 22º resultado negativo consecutivo. Com isso, no fechamento de 2015, a queda acumulada de 8,3%, além de ser a mais intensa da série histórica, iniciada em 2003, aponta predomínio de taxas negativas entre as grandes categorias econômicas e as atividades pesquisadas. Destacam-se os recúos nos setores de bens de capital e bens de consumo duráveis.

NAZAL LEVANTA SUSPEITA SOBRE DECRETO DE CRIAÇÃO DE ÁREA INDUSTRIAL EM ILHÉUS

Nazal levanta problemas e soluções em discussão sobre Ilhéus.

Nazal levanta problemas e soluções em discussão sobre Ilhéus.

Um dos mais profundos estudiosos de Ilhéus, José Nazal concedeu entrevista ao Tabuleiro (Conquista FM), na qual abordou temas caros ao sul da Bahia, a exemplo do Porto Sul e o projeto da nova estrada que liga Ilhéus-Itabuna, na margem oposta à rodovia atual. São 30 minutos de bate-papo com o apresentador Vila Nova. Nazal também falou do decreto do prefeito Jabes Ribeiro, que criou nova área industrial em Ilhéus, à margem do Rio Cachoeira, na ligação do município com Itabuna.

– O Estatuto (da Cidade) diz que toda mudança tem que ser discutida com a população. Ali é como área de expansão urbana. É bairro. Tem uma coisa misteriosa no ar, mas não dá para suspeitar de outra coisa a não ser interesse obscuro, escuso [com a criação da área industrial]. O MP [Ministério Público estadual] já está tomando providência – disse Nazal.

Diante da observação de que Jabes argumentou ter criado a área industrial na rodovia por causa do Porto Sul, Nazal esclareceu que a área de logística do complexo intermodal será em Itabuna, à margem da BR-101, entre o município e Itajuípe. “Não há nenhuma lógica na área. A estrada virou uma avenida”, observou, pontuando a necessidade da gestão explicar o “que se quer fazer ali”.

Nazal é pré-candidato a prefeito de Ilhéus pelo PTB e lamentou que a cidade tenha tido, nos últimos 100 anos, cinco planos diretores, mas sempre não colocados em prática. Ele faz parte de um grupo nacional que estuda o desenvolvimento de dez cidades brasileiras, dentre elas Ilhéus. Nazal cita Maringá (PR). O município paranaense já está discutindo, há algum tempo, a Maringá de 2047. Confira a íntegra da entrevista no vídeo abaixo.

INDÚSTRIA ACUMULA QUEDA DE 8,1% EM 2015

A produção industrial brasileira registrou queda de 2,4% de outubro a novembro de 2015, o sexto resultado consecutivo frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, fechando os primeiros onze meses do ano com retração acumulada de 8,1%.

Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Brasil (PIM-Brasil) e foram divulgados hoje (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles indicam que a queda registrada em novembro foi a mais intensa desde dezembro de 2013 (-2,8%).

Quando comparada com novembro do ano passado, a série sem ajuste sazonal, a produção industrial chegou a cair 12,4% – neste caso a 21ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação e a mais acentuada desde abril de 2009 (-14,1%).

Já a taxa anualizada, o indicador acumulado nos últimos 12 meses, é negativa em 7,7%, assinalando a perda mais intensa desde novembro de 2009 (-9,4%) e mantendo a trajetória descendente iniciada em março de 2014 (2,1%).

Segundo o IBGE, a queda de 2,4% de outubro para novembro reflete o predomínio de resultados negativos no parque fabril do país, atingindo três das quatro grandes categorias econômicas e 14 dos 24 ramos pesquisados. Com informações da Agência Brasil.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL BAIANA TEM ALTA DE 5,2% EM JULHO

Indústria registra alta em julho, mas queda no acumulado de 2015 na Bahia.

Indústria registra alta em julho, mas queda no acumulado de 2015 na Bahia.

A produção industrial na Bahia teve alta de 5,2% no comparativo de junho para julho, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o segundo melhor desempenho no mês, superado apenas pelo Rio Grande do Sul, que registrou alta de 6,8%.  Também tiveram alta em igual período Pernambuco (3,3%), Goiás (0,6%) e Pará (0,4%).

No entanto, houve queda na média nacional. Recuou de 1,5%. As maiores quedas foram registras no Paraná (-6,3%) e Ceará (-5,2%), além de Santa Catarina (-2,4%) e São Paulo (-1,8%).

Também houve redução na produção industrial no Amazonas (-1,5%), Espírito Santo (-1,4%), em Minas Gerais (-1,3%) e no Rio de Janeiro (-0,9%).

Comparando-se julho deste ano com o mesmo período do ano passado, 11 dos 15 locais tiveram queda na produção, com destaque para Amazonas (-18,2%) e Ceará (-13,7%). Foram registradas altas em quatro locais, sendo a maior delas no Pará (6,8%).

A Bahia conseguiu registrar alta, mas tímida: 0,4%. Porém, no acumulado dos últimos 12 meses, o recuo é de 4,1%. Quando comparados os sete primeiros meses do ano, essa queda é ainda maior: -7,2%.

FGV: CONFIANÇA DA INDÚSTRIA REGISTRA LEVE ALTA EM JULHO

Da Agência Brasil

Após cinco quedas consecutivas, a confiança da indústria (ICI), índice medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), avançou 1,5% em julho, em comparação a junho, ao passar de 68,1 para 69,1 pontos, o segundo menor nível da série histórica. O aumento ocorre após as quedas de 1,6%, em maio, e 4,9%, em junho.

A alta foi observada em sete dos 14 principais segmentos acompanhados pela pesquisa e foi determinada pela melhora das expectativas em relação aos meses seguintes. O Índice de Expectativas (IE) avançou 3,2%, após cinco quedas consecutivas, quando acumulou perdas de 23,6%. O índice de 67,9 pontos de julho representa o segundo menor valor da série.

Quanto mais baixo o índice em relação a 100 pontos, maior é o pessimismo das empresas da indústria quanto à situação atual e à intenção de novos investimentos. A alta de julho representa um leve impulso no otimismo da indústria.

Segundo o superintendente Adjunto para Ciclos Econômicos do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, Aloisio Campelo Jr., no âmbito das expectativas, o avanço do IE é bem vindo, “mas de magnitude ainda insuficiente para ser identificado como uma reversão de tendência, após cinco quedas consecutivas”. Campelo acrescentou que a evolução do ICI em julho é mais facilmente analisada “de forma desagregada de acordo com o horizonte de tempo”. De acordo com o superintendente, em relação ao momento presente, a indústria continua avaliando “de forma extremamente desfavorável o ambiente de negócios”.

O quesito de produção prevista foi o que mais contribuiu para a alta da expectativa, após cinco quedas consecutivas: o indicador de julho avançou 7,4% sobre o mês anterior, atingindo 91,5 pontos. A proporção de empresas prevendo aumentar a produção nos três meses seguintes aumentou de 14,2% para 18,5% entre junho e julho. A parcela das que esperam reduzir a produção caiu de 29% para 27% no mesmo período.

:: LEIA MAIS »

RAMARIM INAUGURA FÁBRICA NO RECÔNCAVO

A Ramarim vai inaugurar nova fábrica na Bahia, no próximo dia 19. Instalada em Santo Antônio de Jesus, a nova unidade vai gerar cerca de 700 empregos diretos na fabricação de sapatos femininos em uma área de 15 mil metros quadrados, às margens da BR-101, na área onde funcionava a Dal Ponte. A Ramarim já possui duas plantas em Jequié, no sudoeste baiano.

De acordo com Sergio Renato Brodbeck, diretor da Ramarim, a unidade de Santo Antonio de Jesus pode chegar, ainda este ano, a empregar 1 mil trabalhadores. “Tudo vai depender da demanda do mercado, mas a abertura dessa nova unidade justifica nossa aposta no Brasil e, sobretudo, na Bahia. Com o dólar valorizado, o calçado brasileiro volta a ser muito competitivo”, explica Brodbeck.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, James Correia, afirma que tem faltado galpões para atender à demanda da indústria. “Conseguimos reocupar todos os galpões da Azaleia-Vulcabras em Itapetinga e região. Agora, estão faltando galpões”. Apesar do desemprego no polo calçadista de Itapetinga, o secretário fala na ampliação da indústria calçadista no recôncavo baiano.

INDÚSTRIA FECHA 2014 COM QUEDA NA PRODUÇÃO E NO EMPREGO

Indústria fechou 2014 de forma negativa na produção e no emprego (Foto Arquivo ABr).

Indústria fechou 2014 de forma negativa na produção e no emprego (Foto Arquivo ABr).

Queda na produção, no emprego e aumento de ociosidade. Essa foi a situação em que a indústria brasileira terminou o ano de 2014, de acordo com a Sondagem Industrial, pesquisa divulgada hoje (27) pela Confederação Nacional da Indústria.

Segundo o levantamento, o índice de evolução da produção registrou, em dezembro, 38,3 pontos, em relação aos 40,2 pontos registrados em dezembro de 2013. Já o índice relativo ao número de empregados ficou em 44,2 pontos em dezembro de 2014, abaixo, portanto, dos 46,4 pontos registrados em dezembro de 2013.

Com os indicadores abaixo de 50 pontos – em escala que varia de 0 a 100 – a CNI caracteriza que o setor está em situação de queda, tanto na produção quanto no emprego. Os índices referentes a dezembro de 2014 são os menores desde o início da série histórica, em janeiro de 2010.

Os dados da sondagem revelam ainda que a utilização média da capacidade instalada ficou em 68% – menor percentual para o mês, desde 2011. “Em dezembro de 2013 e de 2014, o percentual estava em 70%”, informou o especialista em políticas e indústria da CNI Marcelo Souza Azevedo. Apesar disso, o indicador ficou em 50,5 pontos em 2014 – ligeiramente acima, portanto, da média, indicando que o ajuste de estoques ficou próximo do nível planejado.

:: LEIA MAIS »

FGV: CONFIANÇA DA INDÚSTRIA AUMENTA EM NOVEMBRO

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), aumentou 3,6% em novembro, na comparação com outubro. O índice subiu de 82,6 para 85,6 pontos, o maior patamar desde junho.

A alta foi determinada pela melhora da percepção sobre o estado dos negócios em novembro. Após seis quedas consecutivas, o Índice da Situação Atual avançou 8,3%, chegando a 85,9 pontos, o maior nível desde junho. O Índice de Expectativas teve queda de 0,6%, registrando 85,4 pontos.

O indicador de situação atual dos negócios avançou 12,4% entre outubro e novembro, passando de 74,4 para 83,6 pontos, o maior nível desde julho. A proporção de empresas que consideram a situação atual boa aumentou de 7,8% para 12,8%, enquanto a parcela de empresas que a avaliam como fraca caiu de 33,4% para 29,2%.

O indicador de emprego previsto recuou 2,7% sobre o mês anterior. Houve diminuição na proporção de empresas prevendo aumento no total de pessoal ocupado nos três meses seguintes, de 14,5% para 12,2%. A parcela das que preveem diminuição subiu de 19,7% para 20,0%.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada ficou em 82,7% em novembro, um leve crescimento perante outubro, quando o nível havia sido de 82%.

GOVERNO ANUNCIARÁ INCENTIVOS À INDÚSTRIA

Caffarelli confirma anúncio de incentivos para a indústria.

Caffarelli confirma anúncio de incentivos para a indústria.

Horas depois de Dilma Rousseff anunciar medidas para impulsionar a economia, em discurso após o anúncio de sua reeleição para a Presidência da República, o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Rogério Caffarelli respondeu hoje positivamente às perguntas de repórteres sobre a aprovação de novas medidas de apoio à indústria.  “Que medidas [teremos] para [incentivar] a indústria [brasileira]?”, indagaram os jornalistas. “Teremos várias”, disse Caffarelli.

O boletim semanal Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, informa que analistas e investidores mantiveram em 0,27% a expectativa de crescimento da economia para 2014. Para Caffarelli, apesar das previsões do mercado não há razões para pessimismo. “Podemos esperar que a economia ficará cada vez melhor”, acrescentou.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, também demonstrou bom humor ao se dirigir aos jornalistas, durante a chegada  hoje pela manhã ao seu gabinete: “Ainda estou rouco de tanto aplaudir ”, disse, referindo-se à vitória da presidenta Dilma Rousseff. Da Agência Brasil.

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia