WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Jaques Wagner’

WAGNER SE DIZ OTIMISTA COM 2013

Wagner: otimismo com 2013.

Wagner: otimismo com 2013.

No programa semanal Conversa com o governador, Jaques Wagner demonstrou otimismo com o novo ano devido ao volume de investimentos previstos para 2013, principalmente em infraestrutura. O mandatário baiano também falou do aporte de R$ 4,5 bilhões por meio de financiamentos, um deles aprovado pela Assembleia Legislativa há 10 dias e que autoriza o estado a contrair R$ 1 bi em empréstimo com o Banco do Brasil.

– Então, eu sinceramente continuo com aquele mesmo pique, com aquela mesma visão que eu tive ao finalzinho de 2012: nós vamos ter um 2013 melhor”, afirma o governador Jaques Wagner – disse. No programa, o governador deseja boa sorte ao novo governo de Salvador e fala dos investimentos atraídos em 2012 para a Bahia, a exemplo da JAC Motors, O Boticário e Magazine Luiza. Clique aqui para ouvir o programa.

NUVEM DE POEIRA

sócrates santanaSócrates Santana | soulsocrates@gmail.com

É como narra o escritor José Saramago no antológico O evangelho segundo Jesus Cristo sobre o maniqueísmo cristão: “Este bem que eu sou não existiria sem esse mal que tu és”.

A metáfora – nuvem de poeira – do governador Jaques Wagner levanta do subterrâneo da política, crônicas de uma guerra particular entre tucanos e petistas. A verborragia de dos dois ex-presidentes, FHC e Lula, reaparece de maneira extenuante com o paulatino crescimento de novas forças e alianças de poder no Brasil. A ascensão do PSD de Gilberto Kassab, bem como o despontar do PSB de Eduardo Campos e o prelúdio de uma rebelião peemedebista orquestrada de dentro do Palácio da Alvorada, reposiciona os mísseis de petistas e tucanos contra si.

A dicotomia entre PSDB e PT vem sendo corroída ao longo dos anos. O próprio jogo sucessório, a repetição dos discursos e a assustadora convergência de interesses entre personagens antes inconciliáveis, a exemplo de ACM e FHC, Paulo Maluf e Lula, diminuiu a distinção ética entre os dois partidos pelo próprio curso da história de quem governa e de quem faz oposição. Ora, é obvio que as diferenças continuam vivas, mas, o esforço argumentativo para estabelecer o antagonismo entre ambos vem sendo o grande desafio das agências de publicidade.

Apesar do freqüente enfoque negativo da opinião publicada, ainda resta aos petistas à vantagem de quem dirige o país. De quem pode cartear, impor regras e criar artifícios para enfraquecer o principal oponente, mas, nunca eliminá-lo. É como narra o escritor José Saramago no antológico O evangelho segundo Jesus Cristo sobre o maniqueísmo cristão: “Este bem que eu sou não existiria sem esse mal que tu és”.

O outro lado da moeda, obviamente, é tucano. Com a permissividade petista, Aécio Neves é inflado a lançar candidatura à presidência. É evidente que os efeitos colaterais são inevitáveis. O arsenal do PSDB vem acompanhado de uma avalanche de ataques e, inclusive, demarcações de projetos e interesses, a exemplo do embate sobre a redução das taxas de energia elétrica no país.

Enclausurados no ninho paulista por uma década, o PSDB insurge de um empoeirado cômodo carioca. O mistério dos bastidores é assistido pela alta cúpula do PT, sem perder de vista a articulação movediça de aliados, cada vez menos confiáveis, cada vez mais arredios. A guerra fria entre PT e PSDB, portanto, interessa a ambos os lados.

“MEU VICE É VITÓRIA”

Conta o jornalista Levi Vasconcelos, na coluna Tempo Presente, d´A Tarde, que o governador Jaques Wagner soltou uma pérola futebolística bem ao gosto de torcedores do Bahia. Ao receber o time sub-20 do Vitória, campeão brasileiro em 2012, Wagner ressaltava que ele e a esposa, Fátima Mendonça, são torcedores do Tricolor de Aço. E emendou:

– Mas o meu governo é equilibrado. Meu vice [Otto Alencar] é Vitória.

Não rolou curto-circuito, mas houve quem achasse que Wagner tivesse gozando com o rubro-negro, tradicionalmente chamado de “Vicetória” justamente pelos torcedores do Tricolor.

WAGNER DIZ QUE 2012 FOI O MAIS DURO PARA GESTÃO

Wagner falou dos tempos de dureza em entrevista ao jornalista Samuel Celestino, na Tudo FM

Wagner falou dos tempos de dureza em entrevista a Samuel Celestino, na Tudo FM

O governador Jaques Wagner disse que 2012 foi “o mais duro” dos seis anos em que está à frente da gestão estadual. A confissão foi feita ao participar do programa Bahia Notícias no Ar, na Tudo FM, hoje à tarde. O gestor citou que as dificuldades foram agravadas pela seca, greves na educação e na PM e a crise mundial.

Como contraponto aos tempos difíceis, Wagner citou conquistas como a instalação da JAC Motors do Brasil, em Camaçari, assim como o centro de distribuição da rede de lojas Magazine Luiza. Neste ano, o estado conseguiu gerar aproximadamente 50 mil empregos com carteira assinada.

WAGNER FALA DE “RELAÇÃO MADURA” COM VANE

Wagner fala da relação com o prefeito eleito de Itabuna.

Wagner fala da relação com o prefeito eleito de Itabuna.

O governador Jaques Wagner disse que se reunirá possivelmente em janeiro com o prefeito eleito de Itabuna, Claudevane Leite, o Vane do Renascer, para discutir necessidades imediatas para o município em 2013. Segundo ele, as ações vão depender “da demanda” apresentada pelo prefeito eleito. Na entrevista concedida ao Alerta Total, da TV Cabrália, Wagner considerou “madura” a relação que possui com Vane.

Ele aproveitou para relembrar as dificuldades que teve tanto com o ex-prefeito Fernando Gomes quanto com Capitão Azevedo nas discussões de prioridades para Itabuna, principalmente na área de saúde. O governador ainda citou a intervenção que precisou ser feita em 2008, quando o município perdeu a gestão plena dos recursos de média e alta complexidade devido a irregularidades.

O gestor estadual espera ter “relação mais tranquila, mais azeitada” com o novo governo. Wagner ainda não teve audiência com Vane, mas os primeiros contatos ocorreram por telefone, logo após a vitória do prefeito eleito. O futuro mandatário itabunense disse em entrevista ao PIMENTA, em novembro, que apresentará ao governador demandas nas áreas de infraestrutura, saúde e geração de empregos. Ex-petista, Vane conseguiu eleição pelo PRB, partido que integra a base aliada do governo estadual.

“NIEMEYER FOI UM DOS HOMENS MAIS ÍNTEGROS DESTE PAÍS”, DIZ WAGNER

O governador Jaques Wagner disse nesta quarta, 5, que o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer “foi um dos homens mais íntegros do País” e defendeu princípios como “democracia, justiça e direitos dos cidadãos”.

O governador baiano está em Brasília para tratar de assuntos como as demissões em massa da indústria de calçados Azaleia. E lá na capital projetada por Oscar Niemayer recebeu a notícia da morte de um dos maiores nomes da arquitetura moderna mundial.

– Não saberia dizer com exatidão em qual dimensão se encontra Niemeyer. Se na amplitude de um dos maiores gênios contemporâneos da arquitetura mundial ou na grandeza de um homem que, como poucos, amou seu país e sua gente, e com tanto fervor defendeu os princípios da democracia, da justiça e dos direitos dos cidadãos – disse.

Niemeyer morreu nesta quarta-feira à noite após vários dias internado (confira nota abaixo).

PONTE E RODOVIA PODEM SAIR DO PAPEL EM 2013

Passos promete início de obra em 2013 (Foto Manu Dias).

Ontem, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse que a obra de duplicação da BR-415, no trecho Ilhéus-Itabuna, deverá começar somente no segundo semestre de 2013.

O governo federal ainda conclui o projeto executivo da obra e o processo de licenciamento ambiental para licitar e dar inicio à obra. A promessa do ministro baiano nascido em Muritiba foi feita durante homenagens na festa do centenário da Associação Comercial de Ilhéus.

Também durante os festejos, o governador Jaques Wagner anunciou a abertura de licitação para construir a ponte interligando o centro à zona sul de Ilhéus (Ilhéus-Pontal), em um investimento de R$ 120 milhões. A promessa é de que a ponte fique pronta entre setembro e outubro de 2014.

WAGNER FAZ CRÍTICAS E DEFENDE ADEQUAÇÕES NO TERMINAL PESQUEIRO DE ILHÉUS

Wagner critica instalações de terminal. Seta aponta origem dos questionamentos (Foto Pimenta).

O governador Jaques Wagner demonstrou insatisfação e defendeu mudanças no setor de recepção e beneficiamento de produtos do Terminal Pesqueiro de Ilhéus, ontem, momentos antes de descerrar a placa de inauguração da obra. As críticas foram feitas internamente e ao discursar no palanque instalado dentro do terminal.

Ao visitar a área de recepção e beneficiamento de pescado com o ministro Marcelo Crivella (Pesca e Aquicultura) e o presidente da Bahia Pesca, Isaac Albagli, Wagner discordou de parte da estrutura física. “Eu trabalhei em fábrica. Tem que aumentar [a estrutura para recepção de pescado]”, disse.

A conversa com o presidente da Bahia Pesca e o ministro Marcelo Crivella foi acompanhada pelo PIMENTA. Um engenheiro de aquicultura foi chamado para dar explicações ao governador sobre “inadequações do projeto”, quando a equipe do blog e e assessores de governo não puderam mais acompanhar a discussão. “Eles vão ter conversa reservada”, argumentou um representante do cerimonial do governador.

Logo após, Wagner externou as críticas em público. “Gosto das coisas bem feitas. Quando está malfeita, eu falo”. O ministro Marcelo Crivella ponderou afirmando que entendia a necessidade de adequações defendidas pelo governador, mas lembrou do custo baixo do terminal e a relevância da obra para os pescadores, reféns do mercado.

– Os pescadores tinham que vender o peixe a preços baixos porque não havia local para refrigeração, congelamento e estocagem. Agora, eles poderão esperar e vender seu produto por um preço justo.

No palanque, Isaac Albagli falou da economia feita para execução da obra com R$ 10 milhões e citou interesse privado para operar em Ilhéus, a exemplo da Atlântica Tuna. A empresa do Rio Grande do Norte arrendou, no Japão, 10 embarcações de grande porte no Japão e fará operações no terminal ilheense.

ISAAC EXPLICA: ÁREA É PARA BENEFICIAR PEIXES PEQUENOS

Engenheiro explica funcionamento de terminal após críticas de Wagner (Foto Pimenta).

Hoje pela manhã, o presidente da Bahia Pesca explicou ao blog que as críticas de Wagner se deram porque o governador entendia que  a estrutura de recepção e beneficiamento do terminal era para pescados de grande porte, que tem fluxo diferente. “Será área para peixes de pequeno porte. Não será para peixe de grande porte”.

O presidente da Bahia Pesca disse que o ministro Marcelo Crivella se comprometeu a fazer novo aporte para que o terminal pesqueiro tenha linha para peixe de grande porte. Antes desses investimentos, explicou, essa recepção de pescado poderá ser feita em navios no Porto do Malhado, pois precisará de estrutura que conta com guindastes para movimentação de contêiner.

O terminal inaugurado ontem tem capacidade para beneficiar 150 toneladas de pescados por mês. “Importante é que tem gelo suficiente, óleo diesel e beneficiamento”. O dirigente da estatal da pesca afirmou que há espaço para ampliações que possibilitem movimentar cargas de pescados de grande porte.

WAGNER INAUGURA DPT E TERMINAL PESQUEIRO E ANUNCIA OBRAS NO SUL DA BAHIA

Wagner inaugura obras e assina ordens de serviço em Ilhéus.

O governador Jaques Wagner, o ministro da Pesca, Marcelo Crivella, e o presidenta da Bahia Pesca, Isaac Albagli, inauguram nesta quinta, 29, às 17 horas, o Terminal Pesqueiro de Ilhéus. A obra custou aproximadamente R$ 10 milhões. O terminal funcionará no antigo porto do município sul-baiano, na região central do município.

Antes, às 16h30min, Wagner entregará em Ilhéus as novas instalações do Departamento de Polícia Técnica (DPT), que atenderá a outros nove municípios da região e desafogará a unidade de polícia técnica de Itabuna.

O governador ainda participará das homenagens ao centenário da Associação Comercial de Ilhéus, às 19h30min, com a presença do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos. O ministro fará palestra abordando a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e o Porto Sul e o impacto destas obras no desenvolvimento regional.

Ainda na visita ao Sul da Bahia, hoje, Wagner também assinará licitação para construir a nova ponte interligando o centro à zona sul ilheense, além da ordem para reconstrução da rodovia que liga a BR-415 ao município de Barro Preto. De acordo com o governo, o pacote de investimentos é de R$ 98 milhões.

SÓ AGORA?

Petistas ilheenses andam se perguntando por que “só agora” o governador Jaques Wagner decidiu inaugurar obras no município e assinar a ordem de serviço de construção da nova Ponte Ilhéus-Pontal. Alguns apontam a ausência do estado no município como um dos fatores determinantes para a derrota da candidata a prefeita Professora Carmelita (PT).

Como se sabe, nas urnas deu o ex prefeito Jabes Ribeiro, do PP e da base aliada do governo baiano, mas o candidato Jorge Luiz, do PSOL, surpreendeu ao obter mais de 20.571 mil votos.

A CÁPSULA DA JAC MOTORS

Carro-cápsula do tempo leva as recordações do 26 de novembro para o ano de 2032 (Foto Manu Dias).

A JAC Motors fez do seu modelo J3 uma cápsula do tempo na cerimônia de lançamento da pedra fundamental da fábrica em Camaçari, na Bahia, hoje à tarde. O presidente da JAC Motors, An Jin, participou da solenidade em que também estiveram presentes o governador Jaques Wagner, o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e presidente da JAC do Brasil, Sérgio Habib.

Dentro do carro-cápsula,  textos, fotos e objetos datados desta segunda, 26. A cápsula deve ser aberta em 2032, simbolizando, segundo Habib, o compromisso do grupo com o Estado. A fábrica em Camaçari deverá entrar em operação no final de 2014.

Os investimentos anunciados são de R$ 900 milhões. A unidade vai produzir até 100 mil carros por ano e gerar cerca de 13,5 mil empregos diretos e indiretos, conforme anúncio dos executivos da JAC.

O PT E A SUCESSÃO DE 2016

Marco Wense

Para os geraldistas, o antigeraldismo está ansioso para participar do governo Vane. Conta com o aval de Miralva Moitinho, presidenta do diretório, e com o endosso do deputado federal Josias Gomes.

O prefeito eleito Claudevane Leite (PRB) nem tomou posse e já vem esse Marco Wense com seus devaneios sobre a sucessão municipal de 2016.

O caro leitor, independente de sua condição intelectual, de gostar ou não de política, tem todo o direito de achar que o comentário de hoje é ridículo, inoportuno e intempestivo.

Mas não é. Política é um processo de vários e interligados atos. E o primeiro ato importante do PT, visando o pleito de 2016, é a eleição para a presidência do partido.

Não é à toa que o deputado Geraldo Simões quer o comando da legenda para uma pessoa de sua inteira confiança, como a militante, companheira e esposa Juçara Feitosa.

Correligionários bem próximos do parlamentar são da opinião de que o PT só terá candidatura própria se o partido continuar sob o controle de Geraldo Simões.

Para os geraldistas, o antigeraldismo está ansioso para participar do governo Vane. Conta com o aval de Miralva Moitinho, presidenta do diretório, e com o endosso do deputado federal Josias Gomes.

Participar do governo do prefeito eleito é assumir o compromisso de apoiá-lo na sua natural pretensão de buscar o segundo mandato via instituto da reeleição.

O governador Jaques Wagner, cansado e ressabiado com três derrotas consecutivas, não criaria nenhum obstáculo para uma possível aproximação entre o PT e o governo Vane.

Portanto, caro leitor, não há devaneios e, muito menos, elucubrações no comentário de hoje. O processo sucessório de 2016 já começou, pelo menos no petismo de Itabuna.

COBRANÇA JUSTA

A executiva estadual do PDT, sob a batuta do gaúcho Alexandre Brust, cobra de Jaques Wagner mais espaços no governo. Espaço é sinônimo de cargos.

O PDT apoiou a reeleição do petista em 2010. A contrapartida foi proporcional ao fraco desempenho da legenda na eleição de 2008: oito prefeitos, alguns vice-prefeitos e poucos vereadores.

Agora, na sucessão de 2012, a legenda brizolista elegeu 43 chefes de Executivo, 31 vice-prefeitos e 373 vereadores. A cobrança faz sentido. É mais do que justa.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O PACOTE DE WAGNER

Wagner: pacote de bondades em Ilhéus.

O governador Jaques Wagner antecipou para o dia 29 a visita a Ilhéus. Trará, finalmente, boas novas para o município sul-baiano: além de inauguração do Departamento de Polícia Técnica e do Terminal Pesqueiro, ele assinará a ordem de serviço para início das obras da nova ponte Ilhéus-Pontal.

O governador também vai assinar ordem de serviço para repavimentação de rodovias estaduais como a que liga a BR-415 ao município de Barro Preto. Todo o pacote de bondades está orçado em R$ 98 milhões. No mesmo dia, Wagner participará das homenagens pelo centenário da Associação Comercial de Ilhéus (ACI), atendendo a convite do presidente da entidade, Newton Cruz.

EM COLETIVA, WAGNER ABORDA PORTO SUL

O governador Jaques Wagner concede entrevista nesta segunda, 19, para falar da tão esperada licença prévia do projeto Porto Sul, estimado em R$ 3,5 bilhões. A coletiva está marcada para as 14h30min, na Governadoria.

O Porto Sul envolve investimentos públicos (governos federal e estadual) e da Bahia Mineração (Bamin). Foi Wagner quem anunciou, na semana passada, a emissão da licença prévia do projeto Porto Sul, que terá capacidade para exportar, anualmente, cerca de 66 milhões de toneladas de grãos e minérios. A previsão é de que o porto esteja pronto em 2016 e gere, aproximadamente, 2 mil empregos.

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu a licença após a realização de várias audiências e readequações do projeto original, inclusive com mudança do local de construção do porto. O investimento também contempla construção de aeroporto e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol).

REPUBLICANISMO FILOSÓFICO

Marco Wense

Quando questionado sobre o deputado Marcelo Nilo, que quer continuar como presidente da Assembleia Legislativa pela quarta vez consecutiva, Wagner lançou mão de um republicanismo, digamos, filosófico.

O governador Jaques Wagner, em entrevista ao jornal A Tarde, admitiu o impacto das greves dos professores e da Polícia Militar nos resultados das eleições.

O governador disse o que muitos petistas queriam dizer, mas não tiveram coragem. Ou seja, que as greves contribuíram para a derrota de alguns candidatos da base aliada.

Wagner também declarou que é contra a eternização dos políticos no poder: “O político tem que ser profissional no sentido de ser competente, mas não pode ter na política um emprego”.

Quando questionado sobre o deputado Marcelo Nilo, que quer continuar como presidente da Assembleia Legislativa pela quarta vez consecutiva, Wagner lançou mão de um republicanismo, digamos, filosófico.

Para não atritar com Nilo, que é do PDT, partido da base aliada, Wagner respondeu que é contra a eternização filosoficamente falando. Que faz política e não filosofia. Uma saída politicamente perfeita.

MEDO DAS RUAS

Alguns deputados, por enquanto só federais, vêm defendendo o fim das carreatas, das caminhadas, da distribuição de santinhos, do corpo a corpo, dos palanques e de tudo que possa afastar o político do eleitor.

Os filhotes da ditadura, como diria Leonel Brizola, querem o retorno do famigerado colégio eleitoral e da indicação biônica para prefeitos e governadores.

Os inimigos da democracia, saudosistas do regime autoritário, têm nojo do contato físico com o eleitor. Querem distância do povão de Deus.

EXPRESSÕES LATINAS

Algumas expressões latinas são aterrorizantes para a maioria dos políticos, como, por exemplo, Voluntas sceleris e Vita anteacta, que significam, respectivamente, vontade de praticar o ato criminoso e vida pregressa.

Outras, no entanto, até que ajudam quando os políticos estão enroscados com a justiça. Quando o assunto é o mensalão, José Dirceu apela para a Probare oportet, non sufficit dicere (Dizer não é suficiente, é preciso provar).

Joaquim Barbosa, eminente ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), é ardoroso seguidor da expressão Dura Lex, sed Lex. A lei é dura, mas é lei.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

WAGNER, GERALDO E O PT

Marco Wense 

A verdade é filha do tempo. E o tempo, como senhor da razão, vai mostrar que os seguidos erros de Geraldo Simões – alguns até infantis – podem levá-lo para o isolamento político.

O governador Jaques Wagner faz um esforço sobrenatural para entender o político Geraldo Simões. Fica mais abismado quando compara o Geraldo de ontem com o Geraldo de hoje.

O irreverente jornalista Eduardo Anunciação diria que o Geraldo Simões de priscas eras, na época de “minha pedinha”, é o oposto do Geraldo Simões de agora.

Anunciação, comentarista político do Diário Bahia, tem razão quando diz que GS “está precisando com urgentíssima-urgência perceber alguns episódios, alguns erros, alguns fatos, falhas”.

Wagner também não entende como é que Geraldo Simões consegue, concomitantemente, se atritar com as legendas da base aliada, suas respectivas lideranças e com os próprios companheiros.

Das agremiações partidárias de maior expressão, obviamente do cenário baiano, apenas o PSB e o PDT de Acácia Pinho acompanharam a então candidata Juçara Feitosa na última sucessão municipal.

O fato de Juçara ser a suplente da senadora Lídice da Mata, que é a comandante-mor do PSB, contribuiu para que petistas e socialistas ficassem no mesmo palanque.

O PSB, no entanto, assim como o PDT, ficou dividido entre as candidaturas de Juçara e Vane do Renascer. A ala histórica do brizolismo grapiúna decidiu pelo apoio ao candidato do PRB.

Vale ressaltar que Acácia Pinho foi protagonista de uma enxurrada de discursos contra o capitão Azevedo e Geraldo Simões. A neopedetista pregava o fim da “mesmice”, aí incluindo o ex-prefeito Fernando Gomes.

Ao romper com a frente partidária, que terminou optando por Wenceslau Júnior como vice de Vane, Acácia se aproximou do capitão Azevedo com o intuito de integrar a chapa majoritária.

O comando estadual do PDT daria o aval para a estranha aliança, já que todas as pesquisas de intenção de voto apontavam Azevedo em uma posição confortável. Sua reeleição era considerada como favas contadas. :: LEIA MAIS »

“A FOTO”

Foto de Lúcio Távora, da Agência A Tarde, ilustra a capa do jornal dos Simões. Traz a presidente Dilma Rousseff num tête-à-tête com o governador baiano, Jaques Wagner.

QUEDA DO ICMS TIRA R$ 270 MILHÕES DO ESTADO EM 2013

A Tarde

O governo do Estado estima perder, no próximo ano, R$ 270 milhões só com a queda do Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) na energia elétrica, revelou, nesta segunda-feira, 5, o governador Jaques Wagner. Isso será reflexo do pacote de medidas do governo federal que visa reduzir a conta de energia para consumidores residenciais e empresariais a partir do próximo ano, para estimular investimentos da iniciativa privada no setor. O volume representa aproximadamente 1% do total de receitas do Estado no ano passado.
“O quadro está muito duro”, admitiu Wagner. Em setembro, o Palácio do Planalto anunciou os cortes em encargos embutidos na conta de luz e da renovação de contratos de concessão. Na ocasião, o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, estimou que a queda na tarifa de energia elétrica vai variar de 19,7% a 28% para as empresas e 16,2% para o residencial.

Leia mais

HORA DA FATURA

Após as eleições municiais, pelo menos dois partidos já apresentam – publicamente – fatura ao governador Jaques Wagner. Querem mais espaço na gestão estadual.

O deputado federal Daniel Almeida, presidente do PCdoB baiano, cobra mais “carinho” ao partido no governo do “Barbudinho de Ondina”. Os cururus comandam a Bahiagás e as secretarias estaduais do Trabalho e Esporte (Setre) e da Copa (Secopa). Agora, estão de olho também na Pasta da Educação, hoje dirigida por Osvaldo Barreto.

Na mesma linha, segue o vice-governador e presidente do PSD, Otto Alencar. Ao jornal A Tarde, Otto – que começa a articular sua candidatura à sucessão de Wagner, diz que o partido fez 72 prefeitos e tem 12 deputados estaduais e seis federais, mas conta apenas com a Secretaria de Infraestrutura, comandada por ele.

CONSELHO POLÍTICO

O Conselho Político do governo baiano está reunido nesta manhã. Na pauta, assuntos como o resultado eleitoral em Salvador e o cenário para 2014. O governador Jaques Wagner e o vice, Otto Alencar, participam do encontro.

O conselho é integrado por todos os partidos da base aliada.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia