WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Jaques Wagner’

SALVADOR: FIFA BUSCA VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DE 2014

Ex-jogadores Ronaldinho e Bebeto e o governador baiano, Jaques Wagner.

Em evento nesta terça-feira, 21, na capital baiana, o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014 lançou o programa de voluntários para a Copa das Confederações de 2013 e para o Mundial do ano seguinte. As inscrições para os candidatos começam ainda nesta terça, através do site oficial da entidade.

O lançamento contou com presenças de ilustres como os ex-jogadores da Seleção Brasileira, Bebeto e Ronaldo, hoje integrantes do Comitê Organizador Local. O governador da Bahia, Jaques Wagner, também esteve presente, assim como outros membros oficiais da Fifa.

Juntos, eles apresentaram as diretrizes do programa de voluntários para os dois maiores eventos futebolísticos a serem realizados no Brasil. O número inicial é de 7 mil selecionados para ajudarem na execução da Copa das Confederações e 15 mil para a Copa do Mundo. A perspectiva é que as inscrições, que ainda não têm prazo para se encerrarem, recebam entre 80 e 90 mil candidaturas.

Leia mais n´A Tarde

PROGRAMA “MADE IN BAHIA”

O governo brasileiro lançará programa de cirurgias eletivas inspirado no Programa Saúde em Movimento. A presidente Dilma Rousseff visitará Serrinha (BA) na próxima sexta, 24, para lançar o Programa Nacional de Cirurgias Eletivas.

– É uma homenagem ao nosso programa que fez mais de 85 mil cirurgias de catarata, devolvendo a visão para muitos baianos e baianas – disse Wagner no programa semana de rádio Conversa com o Governador.

Além do lançamento do programa nacional, o Conversa também destaca a ampliação de R$ 5,3 bilhões da capacidade de captação de novos empréstimos da Bahia e a campanha nacional de vacinação (confira aqui).

JW COMEMORA RESULTADOS NA INDÚSTRIA

O crescimento de 3,1% da indústria baiana no primeiro semestre deste ano é comemorado por Jaques Wagner na edição de hoje do programa Conversa com o governador. Para ele, o crescimento está ligado à melhora na infraestrutura.

O governador também fala da renovação de licença ambiental dos quatro primeiros trechos da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol), ligando Ilhéus a Caetité. De acordo com o Ibama, a licença do Porto Sul sai até novembro deste ano. Para ouvir o programa, clique aqui.

O DESPRESTÍGIO DE WAGNER

Um dos últimos encontros públicos de Jabes e Wagner, o escanteado.

A coisa anda mesmo feia para o lado do governador Jaques Wagner. Em Ilhéus, ele recebeu cutucada da petista Professora Carmelita pela forma como conduziu a greve dos professores e a imagem do governador não aparece nos materiais de campanha da prefeiturável ilheense.

Outro aliado de Wagner na disputa na Terra de Gabriela, o ex-prefeito Jabes Ribeiro (PP), também tem ido pelo mesmo caminho. Numa entrevista ao jornal A Região desta semana, Jabes fala de todos e relembra até o passado de aliança com o ex-senador Antônio Carlos Magalhães, mas em nenhum momento cita o nome do governador baiano (confira).

Só para se ter uma noção do desgaste do mandatário baiano: antes da “fase” do governador com a greve dos professores, Jabes dizia aos quatro cantos que ele é quem teria o apoio de Wagner na disputa em Ilhéus.

DECRETO QUE BENEFICIA JAC MOTORS “ESTÁ GARANTIDO E PRONTO”, SEGUNDO GOVERNO

Wagner e Dilma, hoje, em Brasília.

O governador Jaques Wagner obteve da presidente Dilma Rousseff a garantia de que o decreto que concede benefícios à JAC Motors será publicado em breve. Segundo nota da Secretaria Estadual de Comunicação, o decreto está pronto e será publicado quando for aprovada a Medida Provisória 563/12, por parte do Senado Federal.

A MP estabelece regimes fiscais diferenciados para alguns setores, dentre eles o automotivo. No domingo, o presidente da JAC Motors Brasil, Sérgio Habib, concedeu entrevista em que anunciou a suspensão de investimentos no País e na construção da fábrica da JAC em Camaçari, na Bahia.

Ele reclamou da valorização do dólar (R$ 2,00) e do fato de o IPI para a importação de carros da JAC pagar 36,5%. Habib cobra que seja aplicado outro regime, estabelecendo IPI de 6,5%, o mesmo aplicado para carros nacionalizados.

JAC MOTORS: “PRESIDENTE DILMA PUBLICARÁ DECRETO”, AFIRMA WAGNER

O governador Jaques Wagner afirmou que não existem obstáculos para a publicação do decreto que concede incentivos nacionais à indústria automobilística e reduz, gradualmente, o desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de 36,5% para 6,5%.

No final de semana, a JAC Motors chegou a anunciar a suspensão de novos projetos no Brasil devido ao IPI alto para importados e o dólar na barreira dos R$ 2,00. Durante o programa Conversa com o Governador, Wagner disse ter certeza que o decreto da redução de IPI, que beneficia a JAC Motors, sairá em agosto.

– Eu tenho certeza de que a presidenta Dilma [Rousseff], focada em desenvolver a nossa região, publicará esse decreto, e a gente vai ter mais uma empresa automobilística, aqui, na Bahia, em Camaçari.

Wagner disse que todos os incentivos possíveis por parte do Estado estão “acontecendo”. O governador também comemora a geração de 30.300 empregos com carteira assinada no primeiro semestre deste ano na Bahia. Confira o programa clicando aqui.

DO QUEIXAR-SE AO BISPO PARA O BISPO QUE SE QUEIXA

Adylson Machadowww.adylsonmachado.blogspot.com

O Bispo Dom Ceslau Stanula não suportou a inércia do governador Jaques Wagner na busca de uma solução para a greve dos professores da rede estadual e desancou Sua Excelência

Célebre a provocação “vá se queixar com o bispo”, quando não havia saída para alguma coisa entre os que discutiam ou desapareciam os argumentos de um deles.

Presente no imaginário do povo, de tempos imemoriais, a expressão encontra apoio no tempo em que a Igreja Católica exercia tão profunda influência no poder do Estado que a intervenção de um prelado, ainda que não tivesse força de lei, quando nada fazia corar de vergonha os governantes.

Em tempos mais pretéritos os Tribunais Eclesiásticos conviveram concorrentemente, em certas searas, com os Tribunais estatais durante parte da Idade Média e o Absolutismo Monárquico até mesmo encontrou uma teoria para legitimar o monarca a partir da intervenção divina, sustentada por Jacques Du Bossuet, que afirmava ser o rei um representante de Deus na terra, razão por que da interferência e poder exercido pelos Richelieu da vida, exemplo clássico de representação d’ Aquele por essas bandas.

O Estado laicisou-se, separou-se da Igreja, tornando-se oficialmente neutro em relação às questões religiosas e, para uma definição mais precisa, não prega nenhuma religião, destinando ao cidadão a plena liberdade de livre escolha da fé religiosa.

O prelado perdeu, assim, aquela força institucional de ser uma peça dentro da organização política (ainda que não correspondesse a um caráter administrativo), quando sua força moral, do alto do púlpito, curvava o poder temporal aos ditames do espiritual, do qual era o representante na terra.

No Brasil, a partir da Constituição Republicana de 1891 o Estado “separou-se” da Igreja, circunstância que se repete em todas as Cartas que lhe sucederam.

No entanto, o exercício da crítica cidadã não ficou alheia a representantes do Clero, ainda que correntes conservadoras da Igreja entendam não caber a qualquer deles dirigi-las ao poder temporal constituído.

Exemplo desta postura crítico-cidadã ocorreu a partir do púlpito da Catedral de São José, no último 28 de julho, durante a missa solene pela passagem dos 102 anos de emancipação política de Itabuna. O Bispo Dom Ceslau Stanula não suportou a inércia do governador Jaques Wagner na busca de uma solução para a greve dos professores da rede estadual e desancou Sua Excelência.

O mesmo Dom Ceslau, não nos esqueçamos, também desancara, ano passado, do mesmo púlpito, o poder público municipal cobrando mais eficácia na atuação em relação à saúde, fazendo-o na presença do próprio prefeito.

Os tempos mudaram, amado leitor. É o que podemos concluir. Antes, mandava-se o insatisfeito “queixar-se ao bispo”; hoje, quem se queixa é o Bispo.

Adylson Machado é advogado e blogueiro.

CRITICADO, RELATÓRIO DA CORREGEDORIA DA PM COMPLICA SITUAÇÃO DE GREVISTAS EM ITABUNA

Relatório é desfavorável aos soldados PMs do 15º Batalhão, em Itabuna.

Os seis policiais militares considerados líderes da greve no 15º Batalhão da PM em Itabuna estão apreensivos. Processo administrativo disciplinar (PAD) aponta que eles teriam impedido a “saída de viaturas da sede do 15º BPM para a área operacional” e articulado a paralisação em Itabuna.

O relatório do processo administrativo foi elaborado por três oficiais da Corregedoria-Geral da PM e concluído após quatro meses de diligências. O documento será levado ao comandante-geral da PM, Alfredo Castro, e ao governador Jaques Wagner.

Com base no relatório, o comandante e o governador decidirão pela anistia ou demissão dos soldados José Januário Félix Neto, Márcia Batista de Oliveira, José Roberto dos Santos, Renata Tereza Brandão, Valéria Rodrigues e Wadson Pereira de Andrade. A decisão sai em até 30 dias. Outros 83 PMs no Estado também correm risco de expulsão.

PROMESSA DE WAGNER É LEMBRADA

A cobrança agora é para que o governador Jaques Wagner cumpra o prometido e anistie os soldados apontados como líderes da greve em Itabuna. No pico da paralisação, ocorrida entre janeiro e fevereiro deste ano, Wagner disse que não haveria punição aos militares onde não houve greve com características de “crime de mando, quadrilha, ostentação de arma ou violência”, caso de Itabuna.

Policiais lembram que a paralisação em Itabuna foi pacífica e teve acompanhamento de sindicatos e entidades como a OAB. Outro ponto é que áreas como presídio, hospitais e módulos policiais não ficaram sem segurança durante o movimento.

REFLEXÕES SOBRE A GREVE DOS PROFESSORES

Maria Efigênia Oliveira | ambiente_educar@hotmail.com

O que a sociedade espera do governo é transparência, verdade, sabedoria, diálogo, civilidade, pois se o governador ofende servidores sob sua responsabilidade, destrói documentos e história da Educação, abre espaços para o recrudescimento da ignorância.

A greve dos professores do Estado continua, mesmo sob o imperativo de membro da justiça baiana que ignora a Corte Suprema. Diante do impasse estabelecido, é necessário que o mínimo de pessoas seja informado sobre alguns aspectos que envolvem o movimento, começando pelo controverso discurso de inclusão e evolução social.

No terreno das reflexões, estão implícitas atitudes do governo nada condizentes com propostas de inclusão. É público e notório que a atividade docente era ou ainda é realizada por pessoas de classes sociais em ascensão, ou seja, raros são os filhos de rico dispostos a fazerem curso universitário para conquistar diplomas em licenciatura, que é o diploma conferido ao exercício da docência.

Outro ponto importante para reflexão, é que a maioria do professorado é do gênero feminino e muito recentemente é que há ingresso mais frequente do público masculino a essa carreira. Não estaria aí a negativa dos governos e de muitos membros da sociedade em reconhecer e remunerar melhor a carreira de professor?

Parece que vige ainda o preconceito contra a Mulher, mesmo sendo ela egressa de Universidade, trabalhadora em ambiente social interessante e delicado, provedora da família – a maioria o é -, oriunda e emergente de famílias pobres, razão pela qual, para os preconceituosos, não merecem mais que isso.

O Piso Nacional é Lei e não compromete a Lei de responsabilidade fiscal porque o MEC, por meio da autarquia Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), compartimenta os valores aplicados na Educação desta forma: Programa Transporte Escolar (PTE); Programa do Livro Didático (PLI); Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae); Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE); Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb); Mais Educação e outros, que deputados desinformados vão a público dizer que saem do FUNDEB.

A despesa da Educação é captada dos mais diversos impostos recolhidos pelo cidadão em todo território nacional e enviado a Estados e Prefeituras, mediante planilha apresentada pelos citados executores do processo. As quantias enviadas estão no site do FNDE, mas a efetiva aplicação é uma incógnita, como dizem os dirigentes da APLB-Sindicato: “Estão na caixa preta que o governo não abre” para justificar porque não pode pagar o Piso Nacional, Lei sancionada pela Presidenta Dilma, constrangida por não conseguir evitar que bilhões alimentem esquemas individuais, enquanto os professores do Brasil amargam baixos salários.

:: LEIA MAIS »

MUDANÇAS À VISTA?

O PSD de Itabuna namorou Vane do Renascer (PRB) e Juçara Feitosa (PT). Ontem, casou de papel passado com Vane, mas mudanças ainda podem ocorrer. É forte a pressão, inclusive do governador Jaques Wagner, para que o partido de Otto Alencar migre para a petista.

O Galego pediu para que o PSD reveja a decisão… enquanto há tempo (“revejam aí”). E o tempo se esgota, de vez, 48 horas após divulgação dos editais por parte dos cartórios eleitorais.

E ITABUNA, Ó…

Porto Seguro ganha hoje uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) 24h, inaugurada pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o secretário estadual da Saúde, Jorge Solla.

E quem perguntar pela UPA de Itabuna, prometida em 2009, saiba que a resposta é a mesma de tempos atrás: nada.

Não por acaso, Jorge Solla – e, por consequência, Jaques Wagner – não tem sido bem-vindo ao município sul-baiano.

 

CERVEJARIA PODE GERAR 3 MIL EMPREGOS NA BA

Solenidade de assinatura de protocolo (Foto Manu Dias).

O Grupo Petrópolis anunciou hoje que o investimento de R$ 1,01 bilhão na construção da cervejaria e central de distribuição em Alagoinhas (BA) vai gerar, aproximadamente, 3 mil empregos, 500 deles na unidade industrial. O protocolo de intenções entre governo baiano e empresa foi assinado hoje, 3.

A indústria em Alagoinhas será responsável pela distribuição das marcas Itaipava e Crystal para todo o Nordeste. Segundo o direto do grupo, a escolha da Bahia deu-se pelo potencial de mercado, qualidade da água em Alagoinhas e infraestrutura logística.

A cervejaria espera aumentar faturamento para R$ 3,7 bilhões em cinco anos. O governador Jaques Wagner ressaltou o investimento do grupo no estado e a geração de 3 mil novos empregos.

CERVEJARIA PLANEJA INVESTIR R$ 1 BILHÃO NA BAHIA

A Cervejaria Petrópolis planeja investir cerca de R$ 1 bilhão na construção de indústria e centro de distribuição em Alagoinhas (BA). O protocolo de intenções será assinado nesta terça, às 11h, na governadoria, em Salvador, pelo governador Jaques Wagner e o presidente da cervejaria que fabrica as “loiras” Crystal e Itaipava, Walter Faria.

O investimento da cervejaria em solo baiano e a realização do Salão do Chocolate na capital baiana são destaques do programa Conversa com o Governador, comandado pelo jornalista Edmundo Filho.

Maior evento internacional da indústria chocolateira, o salão será realizado pela primeira vez na América Latina, conforme a organização. A programação começa na próxima quinta, 5, no centro de convenções da capital baiana. Clique e ouça o programa

O LADO MAIS FRACO DA CORDA

Jorge Portugal | secretaria@jorgeportugal.com.br

A reação da mídia partidária e dos desinformados das redes sociais foi descompensada, cruel e absurda.

Os professores em greve bradam: “22% já!”; o governo responde em alto som: “Lei de Responsabilidade Fiscal”. No meio dessa queda de braço, sem meios de defender o seu direito a um ensino de qualidade e o seu sonho de entrar numa universidade, 140 mil estudantes regulares da rede estadual, com o semestre perdido e a prova do Enem à sua espera, em novembro. Se fosse seu filho, sobrinho, irmão ou neto, você que está me lendo, ficaria de braços cruzados? Eu não fiquei. Como a APLB e o governo já têm forças suficientes, tomei o partido do lado mais fraco e ignorado: os estudantes pobres da Bahia. Já tinha me decidido a fazer, voluntariamente, os aulões em espaços públicos de Salvador para tirar a garotada do sufoco, como sempre faço, aliás, há uns dez anos. Nesse ínterim, recebo telefonema do secretário Oswaldo Barreto me propondo criar 24 “cursinhos Pré-Enem”, entre a capital e o interior, com aulas interdisciplinares, reunindo a nata do professorado baiano, durante quatro meses, numa estrutura gigantesca de produção, envolvendo megaequipe, som de qualidade, luz, data-show, postagem de conteúdos na internet, passagens de avião para deslocamento de mestres, uma experiência inédita no Brasil, juntando a necessidade social desesperada dos alunos e a comprovada competência dos professores de cursinho, acostumados a colocar os filhos da classe média no ensino superior. Aulas, na maioria dos sábados, para ficar claro que não era reposição, nem esquema fura-greve.

Pronto! Foi meu crime ficar ao lado da garotada pobre da Bahia, mas sem me opor ao movimento dos professores, que, repito pela enésima vez, ganham um salário indecente, aviltante para o seu papel social. A reação da mídia partidária e dos desinformados das redes sociais foi descompensada, cruel e absurda. Lembrei, atualizando, Caetano e Gil: “Quando você vir um deputado (ou candidato) em pânico diante de qualquer atitude que possa melhorar o ensino médio no Brasil, pense no Haiti, reze pelo Haiti. O Haiti é aqui!”.

PS: se o governador e o secretário de Educação toparem, declino dos aulões.

Jorge Portugal é educador e poeta.

Publicado originalmente n´A Tarde.

WAGNER DIZ QUE “NÃO HAVERÁ MAIS ACORDO” COM PROFESSORES

Da Rádio Metrópole

Wagner: não tem mais acordo.Durante a apresentação do edital de lançamento da linha 2 do Metrô, o governador Jaques Wagner falou sobre a greve dos professores, que já dura mais de 70 dias.

O governador se mostrou irredutível quanto à possibilidade de negociação e afirmou que não fará mais acordo. “Não haverá mais nenhum acordo, pois a categoria fez dessa greve uma luta política”.

Wagner também disse que se os professores quiserem continuar na briga que o façam em sala de aula. “Se a categoria quer brigar com o governador que voltem às aulas com bandeiras de greve, mas que não punam os alunos”.

RECADO PARA WAGNER EM ILHÉUS

Faixas exibida por professores estaduais em assembleia ilheense (Cena Bahiana).

Do Cena Bahiana

Diretores de escolas da rede estadual se reuniram em assembleia nesta segunda-feira (18), em Ilhéus, para discutir os rumos da greve que já se aproxima dos 70 dias, a maior jamais vista na educação baiana. Participaram da reunião, no Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP), diretores deste estabelecimento de ensino e mais dos colégios Horizontina Conceição,  Iguape, Ceamev e Jorge Calmon. Pais, alunos e professores também estavam presentes e fizeram questão de enfatizar que todos ali, juntos, encontravam-se em busca de respeito.

O recado para o governador Jaques Wagner não poderia ter sido mais direto. Uma das faixas apresentadas pelos diretores trazia a seguinte mensagem: “Não traio minha história por cargo nenhum”. Referência à própria função dos diretores, assim como a posição do governador, que é acusado de trair seu passado sindical.

Outra faixa era uma forma de lamento, e de alerta: “Se fazem do professor um pássaro triste, quem ensinará a juventude a cantar?”. Numa sociedade tão carente de um canto novo, o que se ouve são apenas murmúrios.

JUÇARA FEITOSA: “NOSSO ADVERSÁRIO É O DEM”

A suplente de senadora e petista Juçara Feitosa disputará a prefeitura de Itabuna pela segunda vez. A convenção que confirmará a candidatura ocorre no próximo dia 30.

Ela acredita que o atual modelo de administração em Itabuna “está esgotado” e defende que os partidos da base aliada se juntem à sua candidatura “pelo desenvolvimento da cidade”.

Juçara também crê que a alta aprovação popular da presidente Dilma Rousseff ajudará a quebrar resistência do itabunense em eleger uma mulher prefeita.

Nesta entrevista, a ex-secretária de Desenvolvimento Social desfere estocada no Capitão Azevedo (DEM). Para ele, o prefeito enganou o eleitor com promessa de “20 mil bolsas renda, carteiras de motorista gratuita, terra pra todo mundo e prefeitura móvel”

PIMENTA – A senhora teve 42 mil votos em 2008, mas perdeu a eleição para seu oponente por 12 mil fotos de frente. Por que manter sua candidatura?

JUÇARA FEITOSA – Itabuna e região estão recebendo grandes investimentos. É importante que o município esteja próximo dos governos federal e estadual, pois o modelo que administra a cidade, o DEM, está esgotado, sem criatividade e sem capacidade de gestão. Por isso, sou candidata.

Mas esse discurso de proximidade com os governos federal e estadual já não deu certo, não é? 

Os governos Dilma e Wagner são do PT e vão nos ajudar a colocar Itabuna no contexto do desenvolvimento. Estamos vivendo isso com o Brasil e queremos que seja assim também com a nossa cidade.

A presidente Dilma pode ajudar sua campanha?

A presidente Dilma se mostra grande gestora, faz excelente trabalho e é respeitada mundialmente por isso. O Brasil, após Lula e com Dilma, só tem boas notícias. Acredito que podemos fazer o mesmo com Itabuna. Ter boas notícias em vez de ser apontada como campeã da dengue, campeã da mortalidade infantil, campeã em índices de violência.

Como está a sua pré-campanha?

Tenho conciliado apoios e conversado com as pessoas. Tenho visto de perto as carências de famílias mais humildes de nossa cidade. Percebo o desejo de mudança para vida digna, de qualidade e compromisso com a saúde, infraestrutura dos bairros e o social.

A saúde é das áreas mais criticadas em Itabuna. O que fazer?

Defendo que é urgente reformular a política de saúde, aplicando além dos 15% exigidos pela Constituição, e reforçar os recursos federais e estaduais que vêm para o município. Reorganizar os hospitais e recuperar e melhorar as unidades básicas de saúde com mais cotas de exames, médicos, remédios, equipamentos. Defendo ainda criar centros especializados de saúde da mulher e da criança.

 

RECURSOS FEDERAIS: As obras começam, mas não terminam, ou fazem obra de qualidade duvidosa.

 

A senhora fala em afinidades do seu partido e de seu projeto com os governos estadual e federal. Mas a cidade tem tido muitas obras.

É verdade, mas são obras estruturantes previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal, que não mede esforços em repassar recursos para cidades acima de 200 mil habitantes. Os projetos chegam, as ações são importantes, mas os recursos não são aplicados como deveriam pela prefeitura. As obras começam, mas não terminam ou se faz obra de qualidade duvidosa.

Um dos grandes debates nesta eleição será o avanço da criminalidade. Qual seria a solução para a violência?

É preciso ação firme no combate à violência que afeta crianças, jovens e toda a sociedade. O combate não pode ter somente repressão, mas políticas públicas inclusivas. Defendo a criação da Secretaria da Segurança Pública e Trânsito e ações coordenadas com o Ministério Público e polícias Civil e Militar, além de programas sociais para jovens de 15 a 29 anos, a faixa mais vulnerável, inserindo-os no grupo de população economicamente ativa da sociedade.

Como está o quadro de alianças para sustentação de sua candidatura a prefeita?

Já temos um número significativo de partidos, mas isso será definido até o dia 30 de junho, dia de nossa convenção.

As conversas com os partidos da base aliada do governo estão em que nível?

Estamos conversando com todos. O PT trabalha pela união e defesa do povo, independente das vaidades das lideranças. O nosso adversário é o DEM.

 

O VICE: Não definimos ainda. Será uma grande surpresa que iremos apresentar na nossa convenção.

 

Quem será o candidato a vice de sua chapa?

Não definimos ainda. Será uma grande surpresa que iremos apresentar na nossa convenção, no dia 30.

O PCdoB se mantém ressentido com o PT pelo episódio envolvendo o vereador Wenceslau Junior. Há diálogo com os comunistas?

Itabuna deve estar acima desses sentimentos. Caminhamos para fortalecer a cidade, que não pode perder tempo nem oportunidades.

A militância petista está animada com sua nova pré–candidatura?

A militância do partido está firme e confiante.

As eleitoras de Itabuna estão dispostas a mudar de opinião e votar na senhora?

A mulher tem papel importante na sociedade e sente mais as dificuldades dos serviços públicos de saúde, educação, infraestrutura, má-qualidade de vida e a violência. Tenho certeza que as mulheres de Itabuna responderão a esse chamamento.

A imagem da presidente Dilma pode contribuir para reforçar sua campanha nessa direção?

A presidenta Dilma será um dos nossos exemplos. Queremos convencer as mulheres que, mais próximos dos governos federal e estadual, poderemos realizar os investimentos na infraestrutura dos bairros, na saúde, na educação e na qualificação das pessoas.

 

ESTOCADA EM AZEVEDO: Não nos utilizaremos de mentiras nem falsas promessas, a exemplo de 20 mil bolsas renda, carteiras de motorista gratuita, terra pra todo mundo e prefeitura móvel…

 

Como a senhora acha que será a campanha no rádio e na TV?

Vamos fazer uma campanha de alto nível. Não nos utilizaremos de mentiras nem falsas promessas, a exemplo de 20 mil bolsas renda, carteiras de motorista gratuita, terra pra todo mundo e prefeitura móvel e de portas abertas… Itabuna não quer mais essa enganação. Mostraremos projetos concretos para provar a nossa real intenção em priorizar o cuidado com a cidade.

A senhora foi secretária municipal de Assistência Social como avalia o setor atualmente?

Quando dirigi a Assistência Social, fizemos ou trouxemos vários programas como Viva Maria, Grapiúna Cidadão, Alimenta Itabuna e Bolsa-Família. Muitos desses meninos conseguiram o primeiro emprego na Coelba, Banco do Brasil e na Prefeitura. Os projetos já não oferecem as mesmas oportunidades e caiu em qualidade. Poderia hoje estar atendendo a 30 mil famílias, mas não passa de 19 mil. Isso mostra a falta de prioridade e descaso com os mais humildes.

O Rio Cachoeira está morrendo. O que fazer para recuperá-lo?

A barragem do Rio Colônia é uma forma de recuperar o nosso Rio Cachoeira e irá melhorar o fornecimento de água e garantir abastecimento para mais de 50 anos. O Inema já concedeu a licença prévia e ajustes estão sendo feitos para que a licença definitiva saia. Além disso, o Governo Wagner está elaborando um plano diretor de saneamento básico em Itabuna que irá coletar e tratar 100% do esgoto.

As ações de saneamento que a senhora fala incluiria devolver o patrimônio, fundir a Emasa com a Embasa ou a privatização?

Está fora de cogitação a transferência da Emasa ao Estado ou à iniciativa privada. A empresa é municipal e precisa ser fortalecida e reestruturada para que continue cuidando das ações de saneamento. Pena que se tenha se transformado em cabide de emprego. A Emasa é essencial para continuar a atender a população carente com tarifas diferenciadas de água e esgoto e até isenções tarifárias.

O APELO DE WAGNER AOS PROFESSORES

Da coluna Tempo Presente, de Levi Vasconcelos, em A Tarde

No fim de semana em Varzedo, o governador Jaques Wagner fez um apelo emocionado referindo-se aos professores em greve:

– Voltem às salas de aula. Não sejam algozes dos estudantes mais pobres! Ponham uma faixa na testa: governador traidor! Mas não punam mais os estudantes!

Ontem, na assembleia geral, os professores nem tchum. Estão irredutíveis na sua pedida, e o governo batendo na mesma tecla: atender a isso é ‘impossível’ por falta de dinheiro.

Os grandes perdedores da pendenga, os alunos, já sofreram danos irreversíveis. O ensino público, que é de qualidade discutível, neste primeiro semestre foi nenhum.

É nesse ponto que o governo parece se ver sem saída. Os professores em greve tratam Wagner da mesma forma que tratavam ACM em matéria de agressividade. A diferença é que ACM não pensava duas vezes para brandir a chibata. Wagner, até por ser um ex-sindicalista, abomina tais métodos. Mas parece não ter uma técnica alternativa para o enfrentamento de tais situações.

O resultado é trágico: sangra ele, porque se desgasta; sangram os alunos, porque não têm aula; e sangram os professores, porque ao invés de educadores também viram carrascos.

GEDDEL ALFINETA WAGNER E DESCARTA ALIANÇA PMDB-PT NAS 35 MAIORES CIDADES

O ex-ministro Geddel Vieira Lima descartou aliança do PMDB com o PT nos 35 maiores colégios eleitorais da Bahia. Por ele, o diretório estadual peemedebista vetaria toda e qualquer aliança com os petistas no estado. “Fui voto vencido nesse tema”, revelou em entrevista concedida ao PIMENTA.

Geddel explica as razões de o PMDB optar por não aliar-se ao DEM de ACM Neto na capital baiana, mas fechar apoio eleitoral ao prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, de quem o ex-deputado Renato Costa deverá ser o vice. Deixa claro que o jogo em Salvador tem a ver com 2014.

Vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica, deputado federal por cinco legislaturas e vice-presidente do PMDB baiano, Geddel também aproveitou para desferir ataques contra o seu alvo político preferido na Bahia, o governador Jaques Wagner. Disse que  o petista sofre crise de autoridade. E provoca: “Wagner zonzo”.

Confira a entrevista.

PIMENTA – O PMDB brigou com o DEM na capital baiana e lançou Mário Kertész a prefeito. Como explicar a postura em Itabuna, onde o partido vai ter a vice na chapa de um democrata?

GEDDEL VIEIRA LIMA – O PMDB não brigou com o DEM na capital baiana. A eleição em Salvador é em dois turnos. É impossível pensar que um partido que disputou a eleição de governador em 2010 e que tem projeto para 2014, abra mão de tentar conquistar a capital com suas próprias bandeiras, projetos e programas. No segundo turno, se para ele não formos – e acredito muito no nosso candidato, conversaremos com outras forças de oposição.

E Itabuna?

Em Itabuna, a eleição tem um turno só. O PMDB local entendeu que o prefeito [Capitão] Azevedo fez um bom trabalho e seria o melhor posicionado para derrotar o PT. Ele incorporará nossas ideias e vamos à campanha. Nenhuma contradição, nenhuma briga. Cada município tem sua realidade.

O que pesou na aliança com o DEM em Itabuna, já que tanto o PT como a Frente Partidária também namoravam o PMDB?

Não tem acordo com o PT em cidades grandes, formadoras de opinião. Além disso, temos uma opinião muito clara sobre o estilo dos líderes do PT de Itabuna fazerem política. Nossa opinião é de absoluta rejeição. Não acreditamos que o PT possa trazer avanços políticos-administrativos para Itabuna.

Em eleição de dois turnos, você só não participa do primeiro se faltar absoluta condição política.

O principal entrave em Salvador seria o fato de o PMDB buscar alianças talvez projetando 2014?

Foi o desejo de, na capital do nosso estado, o PMDB buscar, de forma legítima, apresentar seu próprio projeto político-administrativo para a cidade. Em eleição de dois turnos, você só não participa do primeiro se faltar absoluta condição política.

O petista Jonas Paulo vê PT e PMDB fazendo alianças em, pelo menos, 35 municípios. Essa é a mesma visão do senhor?

Não sei em quantos, mas é verdade que em alguns pequenos municípios, a executiva estadual, depois de examinar as realidades locais, admitirá algumas coligações com o PT. Fui voto vencido nesse tema.

Como o senhor avalia o quadro político-eleitoral em 2012? Wagner e Dilma terão a mesma força eleitoral mostrada pelos dois governos em 2008?

O Wagner está muito desgastado. É greve para todo lado, uma imensa crise de autoridade. E as promessas não cumpridas? Cadê a barragem em Itabuna? E a duplicação da Ilhéus-Itabuna? Nada acontece no governo, só lero-lero. Esse é um governo manso. A Dilma, de olho em 2014, vai se meter pouco em 2012.

O partido do senhor trabalha com cenário adverso em 2012 quando comparado a 2008. Quantos prefeitos o partido espera eleger agora?

Certamente não repetiremos o desempenho de 2008. A realidade é outra. Não sei quantos prefeitos elegeremos. Ganharemos umas, perderemos outras… Mas vamos participar do maior número possível de disputas, renovando nossas lideranças, difundindo nossas ideias.

O governador, tentando desmistificar o conceito de que não tem autoridade, age autoritariamente. Wagner  zonzo.

A divisão nas oposições em Salvador não terá reflexo em 2014?

Unidade não é um fim em si mesmo. Precisamos construir um projeto comum da confiança de todos. 2012 é um ano, uma realidade. 2014 será outro momento, outra realidade.

Na opinião do senhor, por que o Estado vem enfrentando dificuldade na negociação com os professores?

Porque o governador, tentando desmistificar o conceito de que não tem autoridade, age autoritariamente. Wagner zonzo.

O PMDB assumiu o comando regional da Ceplac. Recentemente, o secretário estadual de Agricultura, Eduardo Salles, defendeu a transformação do órgão em Embrapa Cacau. Seria esta a saída?

A solução é investir na modernização da Ceplac, na motivação das pessoas, na tecnologia. O doutor Juvenal [Maynart] vem realizando um trabalho que nos orgulha. O ministro [da Agricultura, Mendes Ribeiro], o tem elogiado muito.

PROFESSORES ESTADUAIS EM GREVE APRESENTARÃO CONTRAPROPOSTA

Mais um aceno de paz na controversa greve de 59 dias dos professores estaduais baianos. Depois de se reunir com o arcebispo primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, em Salvador, nesta sexta-feira, 8, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) faz reunião na tarde deste sábado, 9.

Pelo divulgado, a APLB vai elaborar uma contraproposta ao governo do estado e tentar dar um fim à greve. Os dirigentes sindicais reforçam que têm compromissos com a sociedade.

O segundo-secretário da APLB, Claudemir Nonato, disse ao Correio da Bahia que a última proposta do governo divulgada pela imprensa foi diferente do que foi apresentado aos professores na reunião no Ministério Público dia 4.

A categoria queria a proposta detalhada do governo, o que inclui a revogação do Projeto de Lei que “traz reajustes para 2013 e 2014, nem a intenção de não fazer o avanço horizontal, as promoções, em 2011 e 2012”.

A discordância agora não está mais na porcentagem de acordo o sindicalista. “O governo já admitiu que vai cumprir esse aumento. Não tem problema no número, e sim no prazo e no conteúdo. Queremos que seja para todos os professores”, declarou. Isto incluiria os que não estão atuando em sala de aula, em outras funções, e aqueles em estágio probatório.

PROFESSORES FAZEM ASSEMBLEIA NESTA TERÇA

Uma assembleia às 9 horas desta terça-feira, 5, na Secretaria da Educação (SEC), em Salvador, pode encerrar ou não a greve de 55 dias dos professores estaduais. Na manhã de segunda, o governador Jaques Wagner acenou com o pagamento aos licenciados de parcelas de 7% em novembro deste ano e abril de 2013, como progressão na carreira.

O governo diz que os percentuais representarão ganhos entre 22% e 26%. Com essa proposta, o governo antecipa investimentos que seriam aplicados nos reajustes de 3% e 4%, que seriam concedidos em 2013 e 2014.

“Estamos fazendo um grande esforço para, juntamente com os professores, evitar a perda do ano letivo. Haverá por parte do Estado a antecipação de um grande volume de recursos”, explicou Wagner. Para efetivar a proposta financeira será enviado um novo projeto de lei para a Assembleia Legislativa e revogada a Lei nº 12.364.

O coordenador-geral da APLB/Sindicato comemorou a apresentação da proposta e a reabertura de diálogo entre o governo e a categoria. “Houve avanços porque o governo dizia que não negociava com os professores em greve”, afirmou em entrevista, ressaltando que aguarda a apresentação oficial da proposta.

WAGNER, GEORGINA E A GREVE

Durante entrevista ao Jornal da Manhã, da Rede Bahia, o governador Jaques Wagner saiu da linha e se irritou com a apresentadora Georgina Maynart. A entrevista abordava a greve dos professores da rede estadual.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia