WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

workshop










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Johnny Alf’

UNIVERSO PARALELO

O HUMOR EM NOSSAS PEQUENAS FATALIDADES

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Nada é tão ruim que não possa piorar um pouco – é máxima conhecida dos pessimistas, identificada como uma das leis de Murphy. Este era um militar americano que, chateado com uma experiência frustrada devido ao erro de um técnico, formulou uma lei geral: Se alguma coisa pode dar errado, dará. O corolário dessa lei diz que não só dará errado, mas da pior maneira, no pior momento e de forma que cause o maior dano possível. É fácil localizar uma centena de “Leis de Murphy”, criadas ao sabor da hora, em torno de temas como as pequenas fatalidades diárias, o negativismo, quer dizer, tudo muito engraçado – para quem consegue manter o bom humor em situações críticas.

________________

A pior fila é sempre a que você escolhe

Posso (re) formular meia dúzia delas: 1) Se você não precisa de um documento, sempre sabe onde ele está, mas se precisar dele, nunca o encontra; 2) O primeiro lugar para se procurar alguma coisa é o último onde se espera encontrá-la; 3) Ninguém na sala ouve o professor, até ele cometer um erro; 4) A fila mais lenta é aquela em que você está (Corolário: se você mudar para a outra, a sua começa a andar e a outra para); 5) Quanto mais velhas as revistas da sala de espera, mais tempo você terá de aguardar pela consulta; 6) Quando eu escrevo sobre algo de que nada sei, todos os especialistas se interessam pela coluna (chamo esta de Lei do Universo Paralelo).

________________

(Entre parênteses)

Não vejo muito televisão, já tenho dito, e isto não me faz melhor nem pior do que a média das pessoas. E nas poucas vezes que vejo, me assusto. Assusta-me a persistência com que a Globo noticia o próprio umbigo, a lavagem cerebral a que submete a população, ao falar de novelas em quase todos os programas. Ultimamente, assustou-me a importância dada às eleições americanas. Será que tal assunto é assim tão “jornalístico” (a ponto de a emissora deslocar seu principal apresentador para os Estados Unidos) ou é porque somos mesmo colonizados?

NELSON RODRIGUES, A MATA E A FOLHA SECA

Dia desses, ao falar dos “esquecidos” deste ano (as grandes comemorações foram todas para Jorge Amado), citamos Euclides da Cunha e Fernando Leite Mendes, mas omitimos outro escritor ilustre, Nelson Rodrigues. Nascido em 23 de agosto de 1912 (treze dias mais novo do que Jorge), o autor de Vestido de noiva completaria 100 anos em 2012. O centenário passaria em branco, se a Globo não aproveitasse o momento para vender A vida como ela é, uma coisa que se mantém entre o freudianismo de mesa de bar e a mera subliteratura. Avaliar Nelson Rodrigues tendo por metro esta série é como estudar uma floresta a partir da pobreza amostral de uma folha seca trazida pelo vento.

________________

Uma pena a serviço do ditadura militar

O “subúrbio sórdido” (como diz um personagem de Rubem Fonseca) é forte presença na obra de Nelson: lá na infância do autor estão a vizinha gorda e patusca, as solteironas frustradas, as viúvas tristes e os velórios em casa (chamavam-se então “sentinelas”), talvez responsáveis pela morbidez do autor. Reacionário, fazedor de frases, criador de tipos que passaram ao imaginário das ruas, ele foi romancista, teatrólogo, contista e excepcional cronista, seja de amenidades, seja de futebol. Em 1972, sofreu humilhações do ditador Médici, a quem foi pedir pelo filho, militante do MR-8, preso e torturado. Nelson pusera sua pena a serviço da ditadura e Médici lhe virou as costas: NR Filho só foi solto após sete anos, com a Lei da Anistia.

MADRUGADAS DE UÍSQUE, MÚSICA E ILUSÃO

Ilusão à toa é uma singela declaração de amor dirigida não se sabe a quem, e cujo segredo  Johnny Alf (“née” Alfredo José da Silva) levou para o túmulo. Exímio pianista, Alf atravessou madrugadas de música e uísque com os bonitões da Bossa-Nova (Tom Jobim, Menescal, Bôscoli, Edu Lobo e Carlinhos Lyra, além de Nelson Motta, o adolescente Marcos Valle e outros), sendo o único gay da turma. Paparicado por todos, devido a seu talento de executante, compositor e arranjador, suspeita-se que tenham sido apenas bons amigos – não sei nem de insinuações de que a canção tenha sido feita para algum deles. O grande Johnny Alf era discreto e elegante no envio de seus… “torpedos”.

_____________

“Johnny Alf é tudo”, diz João Gilberto

Em Noites Tropicais, Nelson Motta esteve perto de nos mostrar o segredo: conta que nos encontros musicais promovidos por sua mãe, dona Cecília Motta, Johnny Alf sempre aparecia “acompanhado de um garotão bonito”. Foi a única bandeira sobre a homossexualidade do pianista, que só dá pistas sobre o comportamento amoroso nas letras de suas músicas. Voltando ao músico, JA foi endeusado por um monte de gente: chamado de verdadeiro pai da Bossa-Nova, descendente do bebop negro americano e por aí vai. João Gilberto, chamado a opinar sobre o pianista, fez longa pausa e saiu-se com esta: “Johnny Alf é tudo”. Pensou e disse. No vídeo, Johnny Alf, no Bar Vinícius, Rio, 1994.

(O.C.)

UNIVERSO PARALELO

QUEM AINDA LÊ GILBERTO AMADO?

Ousarme Citoaian

Dia desses falamos aqui, incidentalmente, em Gilberto Amado – por extenso, Gilberto de Lima Azevedo Souza Ferreira Amado de Faria (foto). Ensaísta, cronista, romancista, memorialista político, diplomata, GA, da Academia Brasileira de Letras (ABL), é um desses escritores que ninguém mais lê. Igual a Afrânio Peixoto e Graça Aranha. Nascido em Estância/SE, Gilberto foi o primeiro de uma prole de 14 filhos do casal  Melchisedech Amado de Faria e Ana Amado, a Donana (quem neste mundo ainda se chama Melchisedech?). A família teve outros intelectuais: os irmãos Genolino (também da ABL), Gildásio e Gílson, além dos primos James e um certo Jorge  Amado. Pois é: Gilberto é sobrinho de João Amado de Faria, pai de Jorge.

SEU MELCHISEDECH E O “G”

Pôr na filhara nomes com a inicial G era direito de que seu Melchisedech (foto) não abdicava. Conta-se que, ao nascer mais um rebento, o velho esfregou as mãos, de contente. “É mais um com G”, comemorou. Aí, a surpresa: a mulher lhe disse que, devido a uma dificuldade na gravidez, fizera a promessa de que dariam ao filho o nome de José. Seu Melk ficou inconsolável, mas não desistiu do intento. Pensativo, mediu a sala do casarão em passos largos durante toda aquela manhã e no começo da tarde entrou no quarto de Donana, já com a solução em punho. “Ana, vamos botar nele o nome de José, sim, mas em italiano!”. Batizado e registrado como Giusepe Amado, o novo sergipano passou a reforçar o time do G.

JUSSARI QUASE VIRA “GILENÓPOLIS”

Antes que perguntem, não sei os nomes dos 14 filhos (há quem diga que são 15) de seu Melk e Donana. Só Gilberto, Genolino, Gentil, Gildásio, Gildo, Gennyson (o caçula), Giusepe, Genoline (que morreu aos sete anos), Gillete e Genne.  Deixei por último, de propósito, um que se fez político famoso no Sul da Bahia, a partir de Itabuna: Gileno Amado, que por pouco não ligou seu nome ao município de Jussari (foto) – que passaria a se chamar… Gilenópolis! A frase que citei de Gilberto foi “não escrevo sem dicionário” (por algum tempo, pensei que fosse minha!). Mas há outra, ótima, a propósito de chatice: “chato é aquele sujeito que nos rouba a solidão sem nos fazer companhia”. Gilberto Amado definiu, soi-disant, Jararaca Ensaboada.

PostCommentsIcon Comente »

DE SONHOS E PESADELOS

Noite dessas, após jantar exageradamente, recolhi-me ao leito, na expectativa de sonhos impublicáveis. Imaginava que Morfeu me presentearia com a vizinha do 6º andar, ou, na hipótese menos otimista, com Anamara Brito (foto). Antevendo um mar de bandalheiras noite adentro, adormeci, tendo nos lábios um sorrizinho prenunciador de safadezas mil. Vã esperança, traumatizante experiência. Ia alta a madrugada, quando fui surpreendido por estranhíssimo sonho: visitou-me a vizinha, mas, antes que algo relevante entre nós ocorresse, ela – tão rapidamente quanto surgiu – esfumou-se, desapareceu no ar, escafedeu-se, dando lugar a uma figura a princípio indefinida, mas que logo se materializou: era a ex-PM Anamara Brito, inteiramente desfardada, se é que vocês sabem do que estou falando…

JOTAÉ ATACA EM ALTA MADRUGADA

“Maravilha!” – pensei com os botões do pijama – calculando que, mesmo sem a vizinha difícil, eu ainda estava em alto lucro. Mas o inesperado me fez uma surpresa, mudando o sonho em pesadelo: em meio a meus planos maquiavélicos envolvendo a ex-policial, eis que ela, por artes e manhas que nem o velho Freud explicaria, se transformou em… Jararaca Ensaboada! E esta, multiplicada por dois em altura, largura, peso e más intenções, danou-se a me abraçar, beijar, apertar e lamber, com tamanho estoque de descarações que me fez despertar transido de pavor, já a cama em feitio de lagoa, tantos eram os suores. Quando abri estes olhos cansados, estava em desabalada carreira em direção à janela, acho que na busca de socorro urgente. Com a luz do sol nascente, dissipou-se o delírio e ficou-me uma decisão radical: doravante, à noite, só comida leve.

PostCommentsIcon Comente »

BIZARRO: GENTIL, NOBRE, GARBOSO

“Como vai essa bizarria?” – perguntava Olavo Bilac a Emílio de Menezes (foto), na rua do Ouvidor, em 1920. Bizarria é qualidade de quem é bizarro, sabemos, mas o poeta parnasiano, ao se dirigir ao colega nestes termos, não queria ofendê-lo. Ao contrário: bizarro (está nos dicionários) é “gentil, nobre, generoso, bem-apessoado, bem-parecido, garboso, vestido com elegância, alto e esbelto, elegante e loução, generoso e liberal”. E também “fanfarrão, jactancioso, extravagante, esquisito e excêntrico”. Curioso é como bizarro perdeu todo o seu poder de agradar, restando-lhe somente a raspa dos dicionários, a face pior do termo. Os jovens, se vêem um sujeito com uma melancia pendurada no pescoço, umas roupas estranhas, cabelo idem e sapatos de duas cores logo o rotulam: bizarro.

SUPRASSUMO DO MAU GOSTO

As palavras têm vida própria. Nascem, se desenvolvem, envelhecem e morrem no descaso das novas gerações. É o caso de bizarro, que não tem, em nossos dias turbulentos, o mesmo sentido que se lhe davam poetas, prosadores e o povo em geral no início do século XX. O termo se transformou, de sorte que a imensa maioria dos falantes do português (no Brasil, ao menos) associa bizarro a ofensa. Na acepção hipoteticamente usada por Bilac (foto) ele hoje é um arcaísmo, uma velharia. Há muitos outros que a turma passada dos 40 aninhos ainda se lembra. Por exemplo, teteia (mocinha atraente, delicada, mimosa – segundo a média dos dicionários). Se eu dissesse à vizinha do 6º andar que ela é uma teteia, aí sim, teria a certeza de ser  ignorado até o fim dos tempos. Antes, teteia era o suprassumo do elogio; hoje, do mau gosto.

PostCommentsIcon Comente »

UM CHUTE EM JOÃO MANGABEIRA

O PSB demorou a se pronunciar sobre o assassinato de professores em Porto Seguro, e quando o fez mostrou ter perdido a oportunidade de permanecer calado. Em nota “manifesta, de público, sua recusa em qualquer conivência com qualquer tipo de crime contra a vida e contra o patrimônio público”. Apesar da frase mal construída, percebe-se que o partido nega cumplicidade (”conivência”) com os crimes contra a vida e o patrimônio. É pouco.  O cidadão medianamente informado conhece, até porque muito os vê praticados, vários tipos de crime: contra a vida e o patrimônio público, sim, mas também contra a honra, a dignidade sexual, o meio ambiente, o patrimônio histórico, a administração da justiça, a economia popular… Como foi escrita a nota (“quem não sabe rezar…”), fica a impressão de que, tirando o patrimônio público e a vida, outro tipo de crime… pode!  O aguerrido João Mangabeira (foto) está subindo pelas paredes da tumba.

PostCommentsIcon Comente »

A “VINGANÇA” DE LENY ANDRADE

Leny Andrade (foto) não gosta de ser chamada de jazz singer. “Sou uma cantora de música brasileira”, reagiu certa vez ao comentário de um jornalista americano. Mas não se pode negar em seu fraseado a influência (benéfica) das grandes vocalistas do jazz. No fim dos anos noventa, esteve em nossa região, para um show no Teatro de Ilhéus, quando, com seus maravilhosos scat singings, não conseguiu encher mais de um quarto do recinto. Vingou-se. Subiu num avião e, quatro dias depois, apresentou-se no Carnegie Hall, em Nova Iorque, tendo na primeira fila, a bater palmas para ela, um senhor chamado Tony Benett. Nada mau para uma cantora branca.

JOHNNY ALF, UM MESTRE DA MPB

O pianista, cantor, compositor e mestre da MPB Johnny Alf (foto), nome artístico do carioca Alfredo José da Silva, morreu na quinta-feira, dia 4, em Santo André-SP, aos 80 anos. Ele estava submetido a quimioterapia contra um câncer de próstata, há seis meses. Rotulado como “precursor da bossa-nova”, Alf foi bem mais do que isso, atuando durante mais de meio século e influenciando a MPB contemporânea. Sua Ilusão à toa, composta nos anos cinquenta, é um clássico que já inspirou Ronaldo Bastos e Lulu Santos (Um certo alguém) e Caetano Veloso (Amor mais que discreto).

“SEU NOME EU NÃO DIGO”

“Ilusão à toa” teve gravações de Elis Regina, Gal Costa, Alcione, Leila Maria (foto), Eliseth Cardoso, Caetano, Gilberto Gil e outros. Na letra codificada, uma situação é sugerida, mas não esclarecida. Por deixar no ar o sentimento de que “o seu nome eu não digo” – o tema é muito festejado pelo universo homossexual. Tanto que foi incluída no CD Canções de amor de iguais, de Leila Maria (compositora, em 1997, de Bom é beijar, que tem versos como bom é beijar, não importa se é cavalheiro ou dama.

MINHA CANÇÃO PREFERIDA

Voltando às preferências sexuais consideradas “ortodoxas” (ou “caretas”?), devo dizer que dentre as canções que sei de Johnny Alf (Duas contas, Eu e a brisa, Rapaz de bem…) Ilusão à toa é a minha preferida. Sozinho, entre quatro paredes, faço dela minha trilha sonora com a vizinha do 6º andar, aquela que passa e não me olha, sem saber que, apesar de tudo, a mim me apraz essa ilusão à toa… E antes que mergulhemos na lamentável subliteratura sem volta, vamos à arte, propriamente dita: Leny Andrade e Ilusão à toa (o show foi em NI, naturalmente). Depois, Gilberto Gil (foto) com participação de Johnny Alf, numa leitura mais jazzística de Eu e a brisa.

(O.C.)

MORRE JOHNNY ALF, PRECURSOR DA BOSSA NOVA

Precursor da Bossa Nova, o cantor e compositor Johnny Alf, 80, sofria de câncer de próstata e se tratava havia três anos. Morreu nesta quinta-feira, 4, após um bom tempo de internação no hospital Mário Covas, em Santo André (SP).

Abaixo, um dos grandes sucessos de quem se foi e deixa bela obra.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia