WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘José Sérgio Gabrielli’

O FREIO DA PETROBRAS NA BAHIA

deputadorosembergpintoAo conclamar os colegas a entrar na briga em defesa do Estaleiro Enseada do Paraguaçu ontem, o presidente da Comissão de Infraestrutura da Assembleia, Hildécio Meirelles (PMDB), provocou um debate que espantou a todos, pelo que revelou de nefasto para os interesses da Bahia. O deputado Rosemberg Pinto (PT) alertou que a questão é mais embaixo. E pontuou:

1 –A previsão de investimentos da Petrobras para a Bahia no próximo ano é zero.

2 – Segundo o que saiu no Valor Econômico, a Petrobras contratou três bancos para vender ativos, que incluem uma parte do pré-sal, a BR Distribuidora e campos de menor produtividade,como os terrestres na Bahia, o que ela já queria fazer antes, e refluiu na era de José Sérgio Gabrielli.

3 – Os estaleiros estão sendo criados para construir as sondas do pré-sal. Se a Petrobras, que vai usar as sondas, vai mal, está revendo suas estratégias, o resto vai junto.

Formou-se o consenso de que a briga é dos baianos, e não de partidos. E, mais que nunca, a ação política tem que ser intensiva.

Informações da Coluna Tempo Presente, d´A Tarde

DEPUTADO DA BASE DIZ QUE CANDIDATURA DE RUI COSTA “NÃO DECOLA”

(Foto Pimenta).

(Foto Pimenta).

O deputado José de Arimatéia faz campanha pelo nome de Jorge Solla ao Governo da Bahia e deixa claro que não morre de amores pelo preferido de Jaques Wagner no PT.

– Os nomes [do PT] não decolam, com exceção de [Walter] Pinheiro. Rui Costa é o pior que tem. Já que é para se escolher, tem que ser Pinheiro ou Solla – disse ele ao PIMENTA durante a solenidade de oficialização do retorno da Gestão Plena da saúde em Itabuna.

Além de Pinheiro e Costa, José Sérgio Gabrielli e Luiz Caetano são os nomes petistas que sonham em disputar a sucessão de Wagner.

Arimatéia afirmou ainda que está trabalhando pelo nome de Solla que, segundo ele, tem a preferência “não só do PRB, mas do PP também”.

WAGNER E A SUCESSÃO

marco wense1Marco Wense

O governador não perdeu sua intuição política. Não é nenhum neófito, iniciante, marinheiro de primeira viagem, bobo e desorientado. Continua sendo o Jaques Wagner de carne e osso.

Não tenho nenhuma dúvida de que o nome do governismo para disputar o Palácio de Ondina vai sair do Partido dos Trabalhadores (PT). E nenhuma hesitação de que a escolha está entre Rui Costa e Walter Pinheiro.

Rui Costa é o chefe da Casa Civil. A seu favor o fato inquestionável de que é o candidato da preferência do governador Wagner. Do lado do senador Walter Pinheiro, as pesquisas de intenção de voto.

De fora mesmo, sem perspectiva, José Sérgio Gabrielli e Luiz Caetano, respectivamente secretário estadual de Planejamento e ex-prefeito de Camaçari.

Se não fosse o republicanismo do governador Wagner, reconhecido e enaltecido até pelos opositores, o martelo já teria sido batido: o candidato é Rui Costa e ponto final.

Na época do carlismo, sob a batuta de ACM, com o mandonismo a todo vapor, não teria nem discussão sobre a composição da chapa.

O desejo de ACM era uma ordem, o “manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Correligionários do senador Walter Pinheiro defendem as consultas populares como critério para a escolha do candidato, já que a diferença entre ele e Rui é considerável.

O governador Wagner até que concorda com a opinião de que a pesquisa pode ser um indicativo, mas faz a seguinte ressalva: “Não é para mim o critério preponderante.”

Os pretendentes da base aliada são dois: Marcelo Nilo (PDT) e a senadora Lídice da Mata (PSB). A pré-candidatura do pedetista tem a compreensão de Wagner e do PT.

O engraçado fica com Lídice. Ela quer o apoio de Wagner para o Palácio de Ondina fazendo campanha para Eduardo Campos (PSB) para o Palácio do Planalto.

:: LEIA MAIS »

NÃO É UMA QUESTÃO DE TORCIDA

sócratesSócrates Santana | soulsocrates@gmail.com

Enfrentar nomes improváveis como os prefeitos de Salvador ou de Feira de Santana, respectivamente, ACM Neto ou José Ronaldo, mais calejados como o ex-governador Paulo Souto ou até mesmo o ex-ministro Geddel Vieira Lima, não é uma tarefa qualquer.

Nesta manhã nublada de quarta-feira (2), acompanhei a entrevista do secretário da Casa Civil da Bahia Rui Costa na Rádio Tudo FM, que perdeu muito com a saída do jornalista Evilásio Jr (registre-se). Após discorrer de maneira bastante segura sobre uma série de intervenções de infraestrutura do governador Jaques Wagner no estado, o preferido do Palácio de Ondina teceu comentários sobre a sucessão estadual de 2014.

Sendo um dos quatro pré-candidatos do PT, Rui Costa usou de analogias futebolísticas para rechaçar as críticas internas e externas ao seu nome. Primeiro, rechaçou quem usa da comum prática de publicar notas via imprensa de maneira anônima para emitir uma opinião. Depois, avaliou como natural quem prefere este ou aquele candidato. Comparou, porém, a opção pessoal de cada um ao clássico BAVI. Mas, a escolha deste ou daquele candidato não é uma questão de torcida. Se fosse assim, Flamengo e Corinthians venceriam todos os campeonatos nacionais. Mas não ganham.

A questão é quem está pronto para encabeçar uma disputa majoritária. Não é, simplesmente, quem possui mais densidade eleitoral, a exemplo dos torcedores da candidatura do senador Walter Pinheiro. Nem tão pouco, quem prefere um nome mais habituado às querelas municipais, a exemplo dos torcedores do ex-prefeito Luiz Caetano. Também não é uma questão de quem tem mais visibilidade nacional, como o ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli de Azevedo, menos ainda uma questão tão pessoal como o chamego do governador pelo secretário da Casa Civil.

Numa disputa majoritária, todos sabem disso, o candidato é o principal comandante contra as nuvens movediças do ex-governador mineiro, Magalhães Pinto: “Política é como nuvem, muda de forma toda hora”. É quem vai enfrentar notícias – plantadas ou não – sobre o envolvimento de petistas ou aliados em episódios polêmicos, a exemplo de operações da Polícia Federal, contas rejeitas pelos tribunais de contas, envolvimento em grandes transações, a exemplo de Pasadena, greves, atraso de fornecedores e dos servidores, além de golpes baixos sobre a vida pessoal de cada um.

A superação de cada um desses embates também não é resolvida simplesmente com a disposição de cada um para enfrentar esses dilemas. Não basta ser convincente, como dizem os publicitários, é preciso parecer convincente. Enfrentar nomes improváveis como os prefeitos de Salvador ou de Feira de Santana, respectivamente, ACM Neto ou José Ronaldo, mais calejados como o ex-governador Paulo Souto ou até mesmo o ex-ministro Geddel Vieira Lima, não é uma tarefa qualquer. Não basta decorar as principais realizações do governo, nem possuir o principal cabo eleitoral do país ou do estado ao lado.

Apesar de compreensível, a postura do secretário da Casa Civil de entregar nas mãos do governador a tarefa de articular a viabilidade de sua candidatura junto ao PT e aos demais membros da base aliada, tira dele o papel de protagonista de uma eleição suspensa pela fúria das manifestações de junho ainda em curso no país. Afinal de contas, o discurso da continuidade soa extremamente vago quando as pessoas querem tudo, menos o que está aí. E, quem fingir ou enterrar a cabeça debaixo da terra, pode assistir atônito a banda passar cantando sobre como as coisas da política não são resolvidas apenas com partidos e obras.

Sócrates Santana é jornalista e filiado ao Partido dos Trabalhadores.

WAGNER ANUNCIA CANDIDATO DO PT ATÉ O FINAL DO ANO

Rui Costa fala de sucessão estadual.

Rui Costa fala de sucessão estadual.

O secretário da Casa Civil, Rui Costa, disse hoje (31) que o governador Jaques Wagner anunciará o candidato do PT à sucessão estadual até o final deste ano.

A decisão, segundo Rui, será tomada a partir do diálogo com os partidos da base aliada, movimentos sociais, lideranças e prefeitos. “Juntos com todos eles será formado um juízo de valor para até o final do ano definir quem será o candidato”.

Rui Costa, que foi eleito deputado federal, é um dos pré-candidatos a governador pelo Partido dos Trabalhadores. Na disputada interna há também o secretário de Planejamento da Bahia, José Sérgio Gabrielli, o senador Walter Pinheiro e o ex-prefeito de Camaçari e ex-presidente da UPB Luís Caetano.

Por outros partidos, também pretendem se candidatar – com o apoio do governador – a senadora Lídice da Mata (PSB) e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo (PDT). Outro nome ventilado é o do vice-governador, Otto Alencar (PSD). Rui Costa expôs o plano do PT durante entrevista ao programa Acorda Pra Vida (Tudo FM).

EVERALDO OBTÉM APOIO DE TENDÊNCIAS E PRÉ-CANDIDATOS PETISTAS

Caetano, Pinheiro e Rui confirmam apoio a Everaldo à presidência do PT.

Caetano, Pinheiro e Rui confirmam apoio a Everaldo à presidência do PT.

everaldo_anunciacao_membro_diretorio_estadual_partido_dos_trabalhadores_da_bahiaO evento de apoio à candidatura de Everaldo Anunciação, ontem, no Hotel Fiesta, reuniu mais de 2 mil petistas baianos. O ceplaqueano e ex-vereador de Itabuna disputa a presidência estadual do PT e atraiu ao evento o senador Walter Pinheiro, o secretário estadual da Casa Civil, Rui Costa, e o ex-prefeito de Camaçari Luiz Caetano. O trio disputa a indicação do partido para a sucessão do governador Jaques Wagner. José Sérgio Gabrielli, outro nome petista, não foi ao evento, pois cumpria agenda fora da Bahia.

O Processo de Eleições Diretas (PED) do PT será realizado em novembro deste ano, quando serão escolhidos, além dos novos dirigentes estaduais, as novas composições dos diretórios nacional e municipal. Everaldo também obteve, no evento, apoio das tendências Construindo um Novo Brasil (CNB), Reencantar e Esquerda Popular Socialista (EPS), que ainda definiu, ontem, o apoio à pré-candidatura a governador de Rui Costa, o nome preferido do mandatário-mor da Bahia, Jaques Wagner.

OTTO ALENCAR E RUI COSTA

O secretário estadual da Casa Civil, Rui Costa, é o nome preferido do governador Jaques Wagner para a sucessão em 2014. Costa, aliás, é levado a tiracolo a todos os compromissos do “Barbudinho de Ondina” no interior do Estado. Ou, claro, representa-o em eventos oficiais.

Mas se Wagner quer o secretário da Casa Civil candidato, o vice-governador tem outra opinião. A amigos, Otto Alencar diz que Rui não é o melhor nome para a disputa eleitoral de 2014. No PT, outros nomes na disputa são os de Walter Pinheiro e José Sérgio Gabrielli.

Resta saber se o vice-governador topa formar chapa com Rui. Como o Barbudinho de Ondina é tido como de bons argumentos, esperemos.

ZÉ NETO X PETISTAS

Zé Neto: tacada em Gabrielli e Luiza Maia.

Zé Neto: tacada em Gabrielli e Luiza Maia.

O deputado estadual Zé Neto (PT) distribuiu clipagem de matérias de vários veículos baianos e nacionais. Alguns dos textos foram devidamente destacados com a cor amarela.

Dois chamam a atenção. O primeiro recorta nota da revista Época que informa a “decisão” de Jaques Wagner de tirar o secretário de Planejamento, José Sérgio Gabrielli, da disputa pelo governo baiano em 2014. O texto é do colunista Felipe Patury, que há dias recuados, como diria o saudoso Eduardo Anunciação, participou do Roda Viva (TV Cultura) em que o entrevistado foi o governador Jaques Wagner.

Outra matéria destacada na clipagem é uma chamada à sua briga com a também colega de partido e legislatura, deputada Luiza Maia. A parlamentar acusa Zé Neto de boicotar a CPI do Tráfico de Pessoas. Zé ataca Luiza: “Ela nunca discutiu nada comigo”.

GABRIELLI NEGA CRISE NA PETROBRAS E DIZ QUE TUCANOS “FALSEIAM REALIDADE” DA EMPRESA

Gabrielli durante evento em Itabuna (Foto Marcos Souza/Pimenta).

Gabrielli em Itabuna (Foto Marcos Souza/Pimenta).

O ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli disse que os ataques da oposição ao período em que ele comandou a estatal do petróleo têm como foco não a disputa estadual de 2014, da qual se revela pretendente a sucessor do também petista Jaques Wagner. O alvo, para ele, é a gestão da presidente Dilma Rousseff.

– Essa é uma questão nacional que nada tem a ver com a disputa local. É nacional, em relação à Petrobras. O PSDB e a oposição ao Governo Dilma estão querendo bombardear a Petrobras, e não a minha gestão. O foco não sou eu – disse em entrevista ao PIMENTA.

Gabrieli diz que a empresa saiu de um lucro médio de R$ 1,1 bilhão com os tucanos, em 2002, para R$ 25 bilhões sob o período Lula-Dilma Rousseff. E aproveita para se capitalizar. “Os cinco maiores lucros obtidos pela Petrobras foram sob a minha direção”. Para ele, os tucanos “estão falseando a realidade” financeira da Petrobras.

O secretário é um dos nomes petistas na disputa à sucessão do governador Jaques Wagner. Gabrielli é apontado como o queridinho de Lula ante nomes como os de Walter Pinheiro e Rui Costa, este último com o apoio de Wagner.

Também de olho em 2014, o homem do Planejamento iniciou périplo pelo estado há dez dias. O pretexto é discutir problemas e soluções nos quase 30 territórios de identidade da Bahia. De quebra, aproveita para vitaminar o próprio nome, colocando-se em contato com líderes políticos e comunitários, a exemplo do que ocorreu em Itabuna, no projeto “Diálogos Territoriais”, com a companhia dos deputados Geraldo Simões e Rosemberg Pinto, que defendem o nome de Gabrielli na sucessão estadual.

Confira a entrevista.

Blog Pimenta – Como esta série de diálogos pode ser útil à sociedade e ao governo?

José Sérgio Gabrielli – Esse Diálogo permite troca de opiniões sobre o que foi feito e qual é a visão que o seu território tem dos seus principais problemas. Isso vai fazer com que nós processemos essas informações e reorientemos as ações de governo, além de observar no que essa reorientação pode implicar nas ações da gestão.

BP – O que foi identificado de deficiências na atuação do Estado no Território Litoral Sul?

JSG – Senti muito uma visão de que o governo está fazendo as obras estruturantes, que as grandes questões estão sendo tratadas pelo governo, mas há uma diferença entre os pequenos e os grandes municípios da região. O governo está precisando dar um pouco mais de atenção a essas questões internas do Litoral Sul, especialmente aos municípios menores.

gabrielli jan1 foto marcos souza www.pimenta.blog.br

PORTO SUL – Esse processo não está parado, está em andamento. Está mais lento que nós gostaríamos, mas não está parado.  [A lentidão] É resultado da legislação brasileira e da ação do Ministério Público Federal.

BP – A lentidão no andamento do projeto Porto Sul tem sido ponte de fortes críticas ao governo. A Bamin reivindica a cessão da área do terminal privativo. Por que essa cessão não ocorreu até agora?

JSG – Olha, existe um processo de licenciamento ambiental que está sendo contestado pelo Ministério Público Federal e pelos órgãos ambientais. Pontos foram defendidos, foram feitas várias audiências. A licença-prévia saiu e temos que atender uma série de condicionantes.  Esse processo não está parado, está em andamento. Está mais lento que nós gostaríamos, mas não está parado.  [A lentidão] É resultado da legislação brasileira e da ação do Ministério Público Federal.

BP – A cessão não pode ocorrer enquanto não sair o licenciamento?

JSG – Na licença-prévia, você tem uma série de condicionantes, que estão sendo encaminhadas. Eu não concordo com a ideia de que estamos parados. Gostaríamos de maior rapidez, mas temos limitações que fogem ao nosso controle.

BP – Agora, falando de processo eleitoral: o PT fez reunião para discutir 2014 e o nome do senhor está incluído.

JSG – Mais importante que os nomes, o PT reafirmou a legitimidade de ter um candidato a governador. Essa é a questão central. Vamos maturar os nomes e o processo de definição.  Acho que está muito cedo para definir quem é o nome, mas o partido reafirmou, corretamente, que tem condições políticas para dar continuidade ao governo Wagner, que é do PT, e vem conduzindo de forma magnânima a ampla a base de sustentação.

Gabrielli foto Marcos Souza jan2 www.pimenta.blog.br

 

Elegemos 92 prefeitos na Bahia, temos as maiores bancadas de deputados. Por isso, [o PT] tem toda a legitimidade e vários nomes a ofertar para ser o sucessor de Wagner.

 

 

BP – E a viabilidade?

JSG – O PT tem viabilidade eleitoral porque teve um milhão de votos a mais que o segundo partido mais votado na disputa a prefeito [em 2012] no Brasil, elegemos 92 prefeitos na Bahia, temos as maiores bancadas de deputados estaduais e federais. Por isso, [o PT] tem toda a legitimidade e tem vários nomes a ofertar para ser o sucessor de Wagner.

BP – Falando do senhor, o bombardeio contra os resultados da sua gestão na Petrobras não seriam um complicador na pretensão de ser o nome do PT?

JSG – Olha, essa é uma questão nacional que nada tem a ver com a disputa local. É nacional, em relação à Petrobras. Acho que o PSDB e a oposição ao Governo Dilma estão querendo bombardear a Petrobras, e não a minha gestão. O foco não sou eu.

Gabrielli foto Marcos Souza jan2 www.pimenta.blog.brA Petrobras não está em crise. Uma empresa que teve R$ 21 bilhões de lucro em 2012, [projeta] 236 bilhões de dólares de investimentos para os próximos anos e está produzindo 300 mil barris/dia no pré-sal não pode ser caracterizada como empresa em crise.

 

BP – Mas não refletiria no nome do senhor e nas suas pretensões?

JSG – Eu venho afirmando claramente que a Petrobras não está em crise, não está com problemas. Uma empresa que teve R$ 21 bilhões de lucro em 2012, [projeta] 236 bilhões de dólares de investimentos para os próximos anos, que está fortemente caminhando para crescer na produção e já está produzindo 300 mil barris por dia no pré-sal não pode ser caracterizada como uma empresa em crise. Essa é a questão central. Estão falseando a realidade [da Petrobras].

BP – Como se explica o fato de a empresa deixar de ser a de maior valor do Brasil?

JSG – Mas ela foi a de maior valor comigo. Os cinco maiores lucros obtidos pela Petrobras foram sob a minha direção. Eles estão comparando com 2008, quando eu era presidente. Por que não comparam com 2002, quando eles mandavam na Petrobras e o lucro era de R$ 1,1 bilhão e, agora, o lucro médio dos últimos anos é de R$ 25 bilhões?

BP – Retornando à disputa de 2014, o senhor acha que o nome a ser escolhido na base terá como vencer diante das insatisfações regionais com o governo estadual?

JSG – Olha, as eleições de prefeito demonstraram que o PT teve um milhão e 100 mil votos na Bahia. O PMDB elegeu pouco mais de 40 prefeitos, o PSDB elegeu 9. A base do governo elegeu 340 prefeitos. Então, não vejo como o eleitor está demonstrando que é contra o governo.

DIÁLOGOS TERRITORIAIS EM ITABUNA

gabrielli

Gabrielli: prestação de contas.

O secretário estadual de Planejamento, José Sérgio Gabrielli, abrirá, nesta sexta, 22, às 8h, no auditório da Unime Itabuna, os “Diálogos Territoriais”, evento realizado pelo governo baiano e espaço para prestação de contas à população. Autoridades municipais, representantes do empresariado e dos movimentos sociais poderão fazer críticas e apontar correções de rumo da ação estadual no Litoral Sul.

DE OLHO EM 2014, GABRIELLI ENTRA EM CAMPO

Gabrielli quer entrar na disputa pelo trono de Wagner (Foto Marcos de Souza/Pimenta).

Gabrielli quer entrar na disputa pelo trono de Wagner (Foto Marcos de Souza/Pimenta).

Lilian Machado | Tribuna da Bahia

Em meio ao grande número de pré-candidaturas petistas para a sucessão ao governo do Estado, em 2014, o secretário estadual de Planejamento, José Sérgio Gabrielli, um dos nomes que tenta conquistar esse espaço, começa a entrar em campo.

A partir desta quinta-feira (21/2), ele inicia o primeiro dos 27 encontros a serem realizados no interior, intitulados de “Diálogos Territoriais”. O ponto de partida será o município de Conceição do Coité, região do Sisal, sendo o evento realizado na Uneb.

O objetivo, segundo sua assessoria, é discutir “a efetividade da gestão pública, as ações de governo, e o atendimento das demandas populares”, mas nos bastidores, os encontros são vistos, como uma forma de aproximação do secretário com as lideranças do interior. Gabrielli esteve presente ontem na festa de 33 anos de aniversário do PT, em São Paulo.

Embora desconverse sobre o seu possível ingresso na disputa estadual, o secretário tenta viabilizar o próprio nome tendo como apoiadores alguns aliados petistas, como os deputados estaduais Marcelino Galo e o líder do PT na Assembleia Legislativa, Rosemberg Pinto.

O líder petista na AL ressalta a defesa em torno de Gabrielli. Segundo Rosemberg, entre os pré-candidatos, o secretário de Planejamento é aquele que mais consegue “aglutinar a massa política e o apoio do partido”.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE ITABUNA É DISCUTIDO EM AUDIÊNCIA

Wenceslau, Gabrielli, Rosemberg e Marcelo discutem projetos para Itabuna e região.

Wenceslau, Gabrielli, Rosemberg e Marcelo discutem projetos para Itabuna e região.

O planejamento estratégico de Itabuna para os próximos quatro anos e demandas nas áreas de saúde, educação e desenvolvimento foram discutidos pelo vice-prefeito de Itabuna, Wenceslau Júnior, em audiência com o secretário estadual de Planejamento (Seplan), José Sérgio Gabrielli. O encontro ocorreu em Salvador, mediado pelo deputado Rosemberg Pinto, e teve participação do vice-prefeito de Uruçuca, Marcelo Dantas.

Gabrielli citou experiências que podem ser compartilhadas pelos dois maiores municípios do sul da Bahia (Ilhéus e Itabuna) tanto na destinação dos resíduos sólidos como o transporte intermunicipal. Técnicos da Seplan virão a Itabuna para capacitação de servidores da Prefeitura de Itabuna, especialmente da área do Planejamento.

Itabuna também receberá, em março, o fórum de debates Diálogos Territoriais, organizado pelo governo baiano e municípios. Nele, são definidas as prioridades da gestão pública para os municípios que compõem o Território Litoral Sul.

WAGNER PENSA EM UM “POSTE” PARA 2014

Embora tenha nomes como o do senador Walter Pinheiro, do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e do secretário estadual Rui Costa, o governador Jaques Wagner pode buscar um nome diferente destes que aparecem para a disputa pelo Palácio de Ondina em 2014.

O governador diz que pode recorrer a quadro técnico e menos político. E lembra até a conjuntura que levou o ex-presidente Lula a fazer escolha pela então ministra Dilma Rousseff, hoje presidente e dona de aprovação recorde dentre todos os mandatários brasileiros após o “período de chumbo”.

A conversa pode ser séria ou apenas para tirar a pressão sobre os seus ombros – que tende a aumentar após o fechar das urnas hoje. Quanto ao nome do sucessor – ou sucessora -, tudo dependerá da avaliação de seu governo até o 2014. E, nessa conta, Wagner também precisa incluir nomes de partidos aliados. Marcelo Nilo (PDT) quer, Otto Alencar (PSD) também. Outros estão na fila, embora chamuscados pela passagem apagada como ministro em Brasília, a exemplo de Mário Negromonte (PP).

GABRIELLI NA UESC

Gabrielli falará do novo aeroporto em Ilhéus.

O secretário de Planejamento do Estado, José Sérgio Gabrielli, vai proferir palestra sobre o desempenho da economia brasileira e baiana, nesta segunda, 3, às 19h, no auditório principal da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Gabrielli também falará das obras de logística e infraestrutura no sul da Bahia, a exemplo da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e o Porto Sul. A palestra do economista e ex-presidente da Petrobras será aberta à comunidade regional.

“NO PROBLEM”?

Gabrielli, de branco, quer conversinha com o eleitor.

Ontem, a oposição caiu de “bença” no secretário estadual de Planejamento, José Sérgio Gabrielli, porque o mesmo anunciou um programete de rádio com o sugestivo nome de Encontro com Gabrielli. A escolha embute personalismo na coisa paga com dinheiro público.

Como se sabe, o ex-presidente da Petrobras é dos nomes petistas para a sucessão do governador Jaques Wagner. Os opositores se assanharam e prometeram recorrer ao Ministério Público estadual sob a acusação de propaganda eleitoral antecipada.

Mas há quem não veja no programa crime eleitoral algum. Caso do advogado e mestre em Direito Público pela Ufba, Tiago Ayres. Para ele, a iniciativa pode até figurar “como um meio de cumprimento do dever que tem o Poder Público de ser transparente”.

E diz mais: que não há como ver propaganda eleitoral antecipada. “Falar em propaganda eleitoral antecipada para uma candidatura que sequer existe, e, caso venha efetivamente a ocorrer, só se concretizará em 2014!? O que é isso? Propaganda eleitoral antecipada virtual, em perspectiva?”, questiona.

Pode ser, pode não ser, mas fica aqui um exemplo dentro do próprio governo: O programa semanal que vai ao ar com o “Galego” e mandatário baiano chama-se Conversa com o Governador e não Conversa com Wagner.

Ô turma afoita…

A SOLIDÃO DO “ZÉ”

Prefeitos trocam adesivos do PT sob olhares do solitário Zé Mendonça.

O empresário e vereador José Mendonça, ex-prefeito de Ipiaú, no sul da Bahia, foi das centenas de pessoas que participaram do rega-bofe em homenagem ao ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. Zé Mendonça viveu momentos de solidão no aeroporto de Salvador, enquanto aguardava o outro Zé, o Gabrielli. As cenas seriam inimagináveis há quatro anos, quando o empresário mandava na política de Ipiaú.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia