WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe
prefeitura de ilheus





setembro 2018
D S T Q Q S S
« ago    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Luiz Argôlo’

LAVA JATO: EX-DEPUTADO BAIANO É CONDENADO A MAIS DE 11 ANOS DE PRISÃO

Argôlo é condenado a 11 anos e 11 meses de prisão.

Argôlo é condenado a 11 anos e 11 meses de prisão.

O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, condenou hoje (16) o ex-deputado federal Luiz Argôlo a 11 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Preso no Complexo Médico Penal, na região de Curitiba, Argôlo foi acusado de receber R$ 1.474.442 de propina do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Ainda cabe recurso da decisão.

Na decisão, Moro também decidiu manter a prisão cautelar de Argôlo. “Agrego que, em um esquema criminoso de maxipropina e maxilavagem de dinheiro, é imprescindível a prisão cautelar para proteção da ordem pública, seja pela gravidade concreta dos crimes, seja para prevenir reiteração delitiva, incluindo a prática de novos atos de lavagem do produto do crime ainda não recuperado.”

Segundo Moro, a necessidade da prisão cautelar ocorre ainda pelo fato de Argolo ter sido eleito como suplente de deputado federal.

“Em liberdade, pode, a depender das circunstâncias, assumir o mandato parlamentar, o que seria intolerável. Não é possível que pessoa condenada por crimes possa exercer mandato parlamentar. A sociedade não deveria correr jamais o risco de ter criminosos como parlamentares”, acrescentou o magistrado.

Argôlo é o terceiro político condenado no âmbito da Lava Jato. Em setembro, Moro condenou o ex-deputado federal André Vargas a 14 anos e quatro meses de reclusão. Em outubro, o ex-deputado federal Pedro Corrêa foi condenado a 20 anos e sete meses de prisão. Informações da Agência Brasil.

PGR PEDE ABERTURA DE INQUÉRITO PARA INVESTIGAR LUIZ ARGÔLO

Argôlo é investigado na Lava Jato.

Argôlo é investigado na Lava Jato.

A Procuradoria-Geral da República pediu a abertura de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA), suspeito de ligação com o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato. Os casos foram encaminhados ao ministro Teori Zavascki, responsável pelas ações da Lava Jato na Corte.

Os dois inquéritos estão em segredo de justiça no STF, mas as peças foram cadastradas com os assuntos “crimes da lei de licitações”, “crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral, peculato” e “crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores”.

A Justiça Federal do Paraná encaminhou para o Supremo, em julho, documentos com indícios da relação do doleiro com Argôlo e também com o senador Fernando Collor. Informações do Correio da Bahia.

LUIZ ARGÔLO ALEGA PROBLEMAS CARDÍACOS E PEDE LICENÇA

Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

Argôlo está sendo investigado.

Da Agência Câmara

O deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) entrou, na sexta-feira (30 de maio), com um pedido de licença médica de 15 dias, alegando problemas cardíacos. A requisição foi feita à 3ª Secretaria da Câmara dos Deputados, que analisa os requerimentos de licença e justificativa de faltas dos parlamentares.

O 3º secretário, deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL), encaminhou a requisição de Argôlo ao departamento médico da Casa, que vai fazer a perícia do deputado baiano.

REUNIÃO
Nesta terça, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar vai se reunir para votar o parecer preliminar do deputado Marcos Rogério (PDT-RO) sobre as denúncias de quebra de decoro pelo deputado Luiz Argôlo.

O parecer, que pede a abertura de investigação das denúncias de envolvimento de Argôlo com o doleiro Alberto Youssef – investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal – foi apresentado na quarta-feira (28), mas teve pedido de vista.

CONSELHO DE ÉTICA ABRE INVESTIGAÇÃO CONTRA LUIZ ARGÔLO

Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

Argôlo é investigado por sua relação com doleiro.

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados abriu nesta manhã processo por quebra de decoro contra o deputado Luiz Argôlo (SD-BA) por seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O Conselho sorteou três deputados que poderão ser convidados para relatar o processo: Cesar Colnago (PSDB-ES), Izalci (PSDB-DF) e Marcos Rogério (PDT-RO). Os parlamentares ainda serão consultados e a decisão deve ser tomada até amanhã.

Não participaram do sorteio para a relatoria os deputados do Solidariedade e da Bahia – partido e estado de Argôlo. Os deputados do PP se abstiveram do sorteio porque Argôlo, hoje do Solidariedade, era do PP quando foi eleito.

O pedido de investigação contra Argôlo foi apresentado pelo Psol e pela Mesa Diretora com base em reportagens da revista Veja e do jornal Folha de S.Paulo que citam mensagens trocadas entre o doleiro e deputado sobre a transferência de R$ 120 mil para a conta do chefe de gabinete do parlamentar, Vanilton Bezerra. De acordo com a Folha, Argôlo também teria recebido do doleiro dois caminhões de gado.

O pedido da Mesa Diretora foi aprovado pela Corregedoria Parlamentar e recomenda a perda de mandato de Argôlo.

A representação analisada pela Corregedoria foi proposta pelo líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), em razão de fatos relatados em reportagem da revista Veja (edição de 23 de abril de 2014) sobre a possível entrega de dinheiro intermediada pelo doleiro no apartamento funcional ocupado pelo deputado. Os dois processos devem ser apensados. Informações da Agência Câmara.

ARGÔLO “QUEIMA” LUIZ ALBERTO

Argôlo queimou o colega Alberto.

Argôlo queimou o colega Alberto.

Após aparecer na Veja como beneficiado em esquema de “pedágio” na Petrobras, o deputado federal baiano Luiz Argôlo se defendeu, mas, ao mesmo tempo, queimou um colega de bancada, o petista Luiz Alberto.

Ao ser entrevistado pelo Bahia Notícias, Argôlo defendeu-se desta forma:

– Estou surpreso. Li a reportagem e citaram um ‘LA’ como sendo eu. Mas pode ser Luiz Alberto, Luiz Antônio…

O pedágio teria ocorrido quando Argôlo ainda era filiado ao PP do deputado federal Mário Negromonte. Como informado abaixo (confira aqui), Negromonte integra comissão que vai à Holanda investigar pagamento de propina por parte da SBM Offshore a funcionários da companhia petrolífera brasileira.

ONDE ESTAVAM GERALDO, PIMENTA E ARGÔLO?

Geraldo, Argôlo e Pimenta estavam ausente do plenário ontem (Fotomontagem Pimenta).

Geraldo, Argôlo e Pimenta estavam ausente do plenário ontem (Fotomontagem Pimenta).

Ontem à noite, a Câmara dos Deputados derrubou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 37, a chamada “PEC da Impunidade”. Conferindo a lista, seis deputados baianos deixaram de votar.

Pelo menos três dos que não votaram possuem ligações com o sul da Bahia, principalmente Itabuna. São eles Geraldo Simões (PT), Edson Pimenta (PSD) e Luiz Argôlo (PP). A PEC 37, que restringiria às polícias civil e federal, acabou rejeitada (relembre aqui).

Clique no leia mais e confira como os deputados baianos votaram.

:: LEIA MAIS »

VANE ANUNCIA FÁBRICA DA DEL VALLE E PROGRAMA PARA 10 MIL CRIANÇAS E JOVENS

(Fotos Gabriel Oliveira)

(Fotos Gabriel Oliveira)

O prefeito Claudevane Leite (Vane do Renascer) disse que estão adiantadas as negociações do governo estadual para que a fábrica de sucos Del Valle, da Coca-Cola Company, seja instalada em Itabuna. A unidade deverá se instalar no Distrito Industrial, às margens da BR-415. Uma área de 72 hectares foi desapropriada pelo governador Jaques Wagner para criar o distrito e abrigar indústrias como a Del Valle.

Durante entrevista exclusiva ao PIMENTA, o prefeito itabunense também revelou a criação do que considera o maior programa social da história do município. A iniciativa envolverá 10 mil crianças e adolescentes em atividades de inclusão por meio do esporte e deverá começar “nos próximos meses”. É uma das cartadas para tentar diminuir os índices de violência no município e integra as ações do programa Cidade de Paz, prometido em campanha.

Vane também comentou sobre a força do PCdoB no governo e negou que os comunistas tenham sido desleais. “Eu desafio aqui os meios de comunicação ou qualquer pessoa a dizer onde foi que o PCdoB avançou sinal”.

A entrevista também aborda duas questões caras nesse início de governo: a nomeação – e exoneração – de azevedistas e as dívidas deixadas pelo ex-prefeito Capitão Azevedo (DEM).  Apenas com a Marquise, cita, foram R$ 12 milhões não pagos, além de R$ 1 milhão com a Oi, o que deixou prefeitura e redes de educação e saúde sem telefone e internet, afetando, por exemplo, a marcação de exames e consultas. Confira principais trechos da entrevista.

BLOG PIMENTA – A mudança foi o lema da sua campanha, mas a sua gestão manteve quadros e situações do governo passado. Com isso, não há uma quebra de expectativa? O senhor não acha que faltaram ações de impacto que marcassem a diferença de um momento para o outro?

CLAUDEVANE LEITE – Eu acredito que houve choque de gestão com a revisão, agora, de todos os contratos feitos de 2009 para cá. Conseguimos reduzir o valor da maioria dos contratos. Dos cargos comissionados, nós preenchemos apenas 40%, o que é muito difícil um prefeito fazer. Quanto aos comissionados do governo anterior, foram 9, 10 pessoas, não era uma multidão e, até onde eu sei, não eram pessoas envolvidas com nada de errado. Nós terminamos por exonerá-las,  exatamente porque a opinião pública não aceitava. [A nomeação] talvez tenha sido um equívoco. Os que ficaram são efetivos e quem errou vai responder. Vamos enviar [as provas] para o Ministério Público estadual.

BP – Numa entrevista, o senhor disse que nomeou algumas das pessoas do governo passado, apresentadas pelos seus secretários,  sem mesmo conhecê-las. Essa surpresa se deu também com o ex-secretário José Alencar?

CL – Não. José Alencar é um bom técnico, tem trânsito muito bom no governo federal e tinha uma boa equipe de planejamento, de projetos. No primeiro momento, a gente precisou ficar com algumas pessoas aqui para passar informações de projetos. Chegamos e não tínhamos conhecimento de como estavam os projetos. Uma dessas pessoas foi José Alencar, que ficou e nos ajudou muito.

BP – Essa necessidade seria um indicativo de que não houve transição efetivamente?

CL – Houve transição, trabalhamos, mas, efetivamente, o governo anterior não encaminhou todas as informações. Até agora, eles não passaram as informações contábeis. Marcam a data e não cumprem. Estamos em nossa auditoria interna e vamos contratar empresa.

BP – Fará auditoria externa?

CL – Exatamente. Estamos conversando com várias empresas. Vamos fechar essa auditoria externa até a próxima semana.

Vane entrevista Pimenta5 foto Gabriel Oliveira______________

NOMEAÇÃO DE AZEVEDISTAS: Foram 9, 10 pessoas, não era uma multidão. Nós terminamos por exonerá-las,  exatamente porque a opinião pública não aceitava.

 

BP – Nos levantamentos internos, o que já foi detectado?

CL – O comprometimento das finanças, as dívidas deixadas, sem dúvida, são os maiores problemas. Itabuna está no Cadin [Cadastro de Inadimplentes] e, por isso, não pode pleitear muitos dos convênios federais por causa da inadimplência. Só de INSS, são R$ 250 milhões em dívidas. Isso é histórico, vem de muito tempo. Temos dívida de R$ 19 milhões com empresas de lixo. São R$ 12 milhões com a Marquise e R$ 7 milhões da Torre.

BP – Como será solucionado este impasse com a Marquise, que tem contrato até setembro?

CL – A Marquise está trazendo muita dificuldade para gente. Aqui em Itabuna, já encontramos empresas que podem fazer o serviço pela metade do preço da Marquise, mas com qualidade. Óbvio que iremos ver isso por meio de licitação. Ainda falando dos problemas encontrados, o ex-prefeito também não pagou os servidores, que precisam receber, mas como é que você paga R$ 11 milhões nessa dificuldade? Outro problema muito grave é com a telefônica Oi. Deixaram R$ 1 milhão de débito. A gente não tem como quitar R$ 1 milhão de um dia para o outro. Em janeiro, tivemos um mês infeliz. Nossa arrecadação caiu de R$ 23 milhões, em janeiro de 2012, para R$ 18 milhões em 2013. 70% da nossa frota estava praticamente sem funcionar, inclusive a patrulha mecânica, equipamento novo. Temos também o alto percentual gasto com a folha de pagamento. Apenas a folha dos efetivos já é muito alta e isso é extremamente preocupante.

BP – Muitos municípios têm sofrido com esse aumento do percentual de gasto com a folha não pelo empreguismo, mas por causa da queda de arrecadação. Qual a saída para aumentar receita?

CL – Nós temos que trabalhar com austeridade e buscar aumentar a receita própria, mas sem aumento ou criação de impostos, e vamos fazer isso. Volto a dizer que cortamos as funções gratificadas e deixamos de preencher 60% dos cargos comissionados como medidas de economia. Mas vamos ter que contratar para a saúde, educação, assistência social. Precisamos estruturar a saúde para que todos os postos estejam funcionando em março. A saúde está sendo preparada para receber a Plena.

______________Vane entrevista Pimenta 6 Foto Gabriel Oliveira

DÍVIDAS E GESTÃO: Nossa perspectiva é de um cenário melhor a partir de abril, mas já estamos fazendo muito dentro do possível. Nós pegamos uma prefeitura com débito e sem dinheiro em caixa.

BP – O retorno do Comando Único estaria condicionado, ainda, ao pagamento de dívidas deixadas em 2008, quando o município perdeu a gestão plena?

CL – Este não é um complicador para que o comando único retorne. O mais importante é melhorar a atenção básica. Nós estamos acelerando para que isso aconteça.

BP – O senhor traz um retrato de “terra arrasada”. Há perspectiva de quando o governo começa a trabalhar dentro de um cenário mais otimista?

CL – Tivemos uma melhora em fevereiro, mas nossa perspectiva é de um cenário melhor a partir de abril, mas já estamos fazendo muito dentro do possível. Nós pegamos uma prefeitura com débito e sem dinheiro em caixa. Estamos regularizando a dívida com o servidor, contratamos 150 pessoas para varrição de ruas, poda, jardinagem e estamos com operação tapa-buracos e iluminando as vias. A cidade não está melhor, mais limpa, por causa desse problema com a Marquise, que faz a coleta de resíduos sólidos. O Hospital de Base já deu uma melhorada, mesmo com toda a dificuldade. As consultas médicas estão sendo marcadas. Gente que estava há oito meses sem marcar exame já  está conseguindo.

BP – Mas quem procurou marcar consulta no início de fevereiro enfrentou dificuldades.

CL – Com certeza, mas isso foi por causa do sistema que é ligado à Oi, a quem a prefeitura deve R$ 1 milhão. Esse foi um problema operacional, que já estamos regularizando. A gente começou a limpar a cidade, tapar os buracos e limpar canais. O canal do São Caetano há seis anos que não passava por limpeza e nós começamos a limpar. E o da Califórnia, também. Então, a gente acredita que de abril em diante a gente comece a avançar muito mais.

BP – As feiras livres de Itabuna sempre foram sujas, mas hoje estão ainda mais. O centro comercial está muito sujo. O que fazer?

CL – O centro comercial é um condomínio e precisa dar uma resposta. Diante da dificuldade toda que temos, estamos fazendo grande esforço. Queria antecipar que, na conversa com o governador Wagner, nós tratamos da revitalização das feiras livres. Outro assunto foi a volta do Comando Único do SUS. A gente não quer apenas melhoramento, mas fazer revitalização total das feiras. As feiras são questão de saúde pública e um pedido de Itabuna. As feiras do São Caetano e Califórnia têm canais sujos, com ratos, urubus… Nós solicitamos ao governador, e ele pediu para encaminhar projeto. Pensamos em feira com estacionamento, pavimentos e que as pessoas que trabalham lá possam aumentar sua renda.

Vane entrevista Pimenta5 foto Gabriel Oliveira______________

FEIRAS LIVRES: As feiras são questão de saúde pública. A gente não quer apenas melhoramento, mas fazer revitalização total das feiras.

 

 

BP – Esses projetos das feiras livres implicam em mudança de local?

CL – Não temos intenção de mudança de local. Pedimos mais algumas coisas ao governador, a exemplo dos canais e apoio para a pavimentação dos bairros.

BP – Na última entrevista ao blog, ainda na condição de prefeito eleito, o senhor falou que um dos assuntos da audiência seria a geração de empregos, atração de indústrias. Isso foi tratado?

CL – Sim, o governo já desapropriou área de 72 hectares para a Sudic. Virá uma empresa para cá. Estou muito preocupado porque 90% das pessoas que vêm à Prefeitura estão em busca de emprego. Nesses 50 dias de governo, já me reuni com mais de 20 empresários. Todas essas 20 virão para Itabuna? Não, mas tentaremos trazê-las. Nós fomos o primeiro prefeito da Bahia que criou a Sala do Empreendedor, com o Sebrae, para que o pequeno empreendedor saia de lá com tudo prontinho, tenha também acesso a crédito, junto com a Caixa [Econômica Federal]. Essa semana, também, já tivemos com o Banco do Povo, para que a prefeitura possa dar suporte financeiro para que possamos expandir o microcrédito. A visão nossa é ampla, estamos preocupados com a questão da saúde, da educação, do emprego, da violência.

BP – Qual a empresa que ocupará essa área do distrito industrial?

CL – É a indústria de sucos Del Valle (da Coca-Cola) e já é uma negociação que está bem adiantada. Mas temos também aquela área onde funcionou a Kildare, que eu penso em utilizar para instalar uma incubadora de pequenas e médias empresas. Hoje nós temos diversas empresas interessadas naquele espaço e nós estamos avançando nisso, embora ainda haja uma questão judicial a ser resolvida. Mas estamos muito preocupados com a questão do emprego e renda em Itabuna.

BP – Existe possibilidade de negociação amigável com os Kaufmann, que reivindicam os galpões?

CL – Na verdade, hoje a Prefeitura tem o domínio da área, mas ainda há questões a serem vencidas.

Vane entrevista Pimenta 7 foto Gabriel Oliveira______________

VIOLÊNCIA E CIDADE DE PAZ: A cada ano a violência aumenta e isso é uma coisa que nos deixa extremamente preocupados. O ano de 2013, particularmente, começou dando sinais de que será pior nesse aspecto.

BP – Como o governo está se mobilizando para transformar em realidade o projeto Cidade de Paz, que foi um de seus compromissos de campanha?

CL – Na última década, os índices mostram que a cada ano a violência aumenta e isso é uma coisa que nos deixa extremamente preocupados. O ano de 2013, particularmente, começou dando sinais de que será pior nesse aspecto. Nós vamos procurar resolver isso, fazendo políticas públicas. Temos feito diversas reuniões com nossos secretários e todas as ações, principalmente na cultura, na Fundação Marimbeta, Secretaria de Esportes, de Educação, é visando promover programas e projetos voltados à inclusão social. O que precisamos fazer é trabalhar a criança e o adolescente para reduzir sua vulnerabilidade. Estamos articulando junto ao Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego] a atração de diversos cursos profissionalizantes. Além da ampliação da renda, queremos oferecer esse treinamento e mais opções no que se refere ao esporte e à cultura.

BP – Já existe algum projeto pelo menos em vias de ser concretizado?

CL – Nós ainda não estamos divulgando na imprensa, mas nos próximos meses vamos lançar um programa que vai atender 10 mil crianças e adolescentes. Será o maior programa social da história de Itabuna. Somente na Vila Olímpica, sede da Usemi (União dos Servidores Municipais de Itabuna) e no Itabunão (Estádio Luiz Viana Filho),  teremos vaga para 3 mil crianças praticarem esportes. Outras 2 mil serão acolhidas na Fundação Marimbeta e mais 5 mil pela Ficc [Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania]. Será o primeiro grande passo que daremos em relação às políticas públicas de inclusão, mas também de prevenção. Itabuna terá uma programação cultural e esportiva que jamais teve. Queremos fazer grandes festivais culturais e muitas competições esportivas para que, nos próximos anos, em vez de ver a  violência aumentar, possamos vê-la diminuir.

CLIQUE NO LINK ABAIXO E CONFIRA TODA A ENTREVISTA
:: LEIA MAIS »

LUIZ RESPEITA GONZAGÃO

Argôlo em junho deste ano, no lançamento do Trem do Baião, outra homenagem a Luiz Gonzaga

Fã incondicional do mestre Luiz Gonzaga, rei do baião, de quem era afilhado, o deputado federal Luiz Argôlo (PP) vem lutando para que o velho Lua seja lembrado com a criação de um selo em sua homenagem e de uma série especial da moeda de R$ 1,00 com a figura do forrozeiro estampada. Os pedidos já foram encaminhados, respectivamente, à Empresa Brasileira dos Correios e ao Banco Central.

Se estivesse vivo, Gonzagão completaria 100 anos em 2012 e a data é alvo de uma série de homenagens que começaram oficialmente nesta segunda-feira, 12, na cidade de Exu, sertão de Pernambuco, terra natal do padrinho de Argôlo.

Presente ao evento pernambucano, o deputado afirmou que Gonzagão foi mais que um gênio musical. “(Ele) foi o responsável pelo reconhecimento social do lado pungente da cultura do Nordeste”.

ARGÔLO PROMOVE A “GUERRA DA BARRAGEM”; GERALDO DIZ QUE COLEGA FOI CONTRA EMENDA

Geraldo diz que Argôlo (à direita) não votou em emenda.

Se ontem o deputado federal Geraldo Simões (PT) afirmava ter sido o responsável pela inclusão de emenda para a Barragem do Rio Colônia, hoje é outro dia e acaba de aparecer mais um “pai da criança”. O astuto Luiz Argôlo (PP) chama para o “próprio si” os louros por ter incluído a emenda que garante não R$ 23 milhões, mas – ele diz – R$ 50 milhões para a construção da barragem.

Não se sabe exatamente por qual razão, mas não era exatamente Argôlo o Luiz ao qual Geraldo agradecia por ter ajudado a incluir a obra entre as emendas de bancada ao Orçamento Geral da União (OGU) de 2012.

E aí, quem fala a verdade?

O deputado Geraldo Simões diz que Argôlo não votou pela inclusão. “Ele disse na reunião da bancada no Congresso (na terça, 22) que não precisava de emenda para a barragem, pois o Ministério das Cidades já possuía os recursos para a obra”, lembra.

A emenda estava entre as sugeridas pelo governador Jaques Wagner, mas inicialmente ficou entre as não acatadas pela bancada. Se tomou a decisão de ir pra voto. Eu fiz a defesa da barragem e ela ficou entre as mais votadas e agradeci nominalmente a todos os deputados que votaram comigo, diz Geraldo.

Argôlo não votou na emenda. Os votos que acompanharam o de Geraldo foram os de ACM Neto, Luiz Alberto,  Lídice da Mata, Walter Pinheiro, Luiz Alberto, Emiliano José, Joseph Bandeira, Walmir Assunção, Felix Jr., Zé Nunes, Amauri Teixeira e Roberto Brito

Os R$ 23 milhões – incluído no orçamento como R$ 70 milhões devido aos riscos de cortes ou não liberação na íntegra – serão somados aos R$ 13 milhões da verba de R$ 33 milhões liberados pelo governo entre 2008 e 2010 e R$ 23 milhões garantidos pelo PAC 2.

Guerrinha rolando e o mais interessante é saber o seguinte: quem vai correr atrás, depois, para que estes R$ 23 milhões efetivamente saiam?

ROBERTO BRITTO NEGA SAÍDA DO PP

O deputado federal Roberto Britto negou que esteja negociando sua ida para o PSD, do vice-governador Otto Alencar. Britto afirma estar bem no PP, onde diz se sentir “confortável e prestigiado” tanto pelo ministro e presidente Mário Negromonte como pelo secretário-geral, Jabes Ribeiro.

O parlamentar afirmou que possui ligação fraterna e partidária com todos os deputados que compõem a bancada baiana e federal. “Sou e continuo pepista”. Nos bastidores da política, a informação que circulava dava conta de Britto e Luiz Argôlo no PSD em março do próximo ano, em retribuição ao reforço eleitoral de Otto Alencar a ambos, em 2010.

“DÊ VOTOS” NA PROCISSÃO

A eleição municipal é logo ali e o que não faltou na procissão de São José, o santo padroeiro de Itabuna, foi político à caça dos bens mais importante para eles, o voto e o eleitor. Importantes em épocas pré e eleitorais, claro.

A novidade deste ano foi a separação de alas entre os oposicionistas ao governo do prefeito Capitão Azevedo. Enquanto o democrata caminhou ladeado pelos deputados Augusto Castro (PSDB) e Luiz Argôlo (PP) e secretários, os muy amigos petistas e comunistas saíram em alas separadas – e a uma boa distância.

 

Azevedo, ladeado por dois ex-secretários, e perseguido por deputados e vereadores (Foto Pimenta).

Ala geraldista não contou com reforço do PCdoB neste ano (Foto Pimenta).

O PLANO B DE BARBOSA

A divisão existente hoje no PP de Itabuna não dá ao empresário Roberto “Minas Aço” Barbosa uma condição de segurança e conforto para a disputa da prefeitura local em 2012. Incensado pelo ex-prefeito de Ilhéus e secretário-geral do PP na Bahia, Jabes Ribeiro, o empresário já opera nos bastidores para chegar ao comando do Centro Administrativo Municipal Firmino Alves, algo que tentou, mas não conseguiu, em 2008.

A dificuldade agora é que o membro do PP que teve votos em Itabuna foi o deputado federal Luiz Argôlo, que teria outros planos para o partido. Não se sabe, porém, quem conseguirá se impor no diretório.

Pelo sim, pelo não, o empresário tem uma alternativa. O PRB, da Igreja Universal, o convidou para se filiar.

SUMIU

Desde quando votou contra o governo na questão do salário mínimo, o deputado federal Luiz Argôlo (PP-BA) sumiu do mapa. Desde a última quinta-feira (17) que o PIMENTA tenta ouvi-lo para ter a versão do deputado sobre o voto que poderá provocar desgastes na sua relação com o governo. Na quinta, a assessoria do nobre parlamentar disse que ele estava em trânsito e retornaria o contato o mais rápido possível. Até agora…

Ok. Ainda deve estar de cabeça inchada. Ou procurando a melhor desculpa para a derrapada na estreia no Congresso Nacional. Para amigos mais próximos, Argôlo teria dito que não pretendia votar com os tucanos. Se assim procedeu, foi por que apertou a tecla errada na hora de votar. “Tiriricou” o voto…

JACARÉ QUE VACILA…

O prefeito Capitão Azevedo (DEM) escorregava que nem quiabo no período eleitoral e anunciava apoio a todos os candidatos a deputado federal que se aproximavam dele. Uma penca desses foi eleita. Mas em lugar de alívio, Azevedo relatou a amigos próximos que está preocupado.

Eis o motivo: nas suas viagens à capital Brasília, somente um deputado o recebeu bem, o pepista Luiz Argôlo. No mais, teria recebido tratamento frio do peemedebista Lúcio Vieira, ACM Neto, Roberto Britto (PP), Josias Gomes (PT) e Félix Júnior (PDT). Era uma resposta à votação recebida em Itabuna, fruto do empenho eleitoral do prefeito.

Talvez só Azevedo acreditasse que o programa “Apoio para Todos” iria dar certo.

ARGÔLO E OZIEL FICARÃO “SEM SOBREMESA”

O Correio Braziliense de hoje confirma o que o PIMENTA adiantou ontem: os deputados da base que votaram contra o valor defendido pelo governo para o salário mínimo, de R$ 545,00, vão sofrer as consequências.

Momentos antes da votação, diz a reportagem, “os líderes reuniram os parlamentares para avisar que quem não cumprisse o enredo escrito pelo Executivo ficaria de lado na distribuição de relatorias e na participação em comissões, além de ir para o fim da fila nas negociações por recursos de emendas parlamentares”.

Na Bahia, dois governistas que ficarão sem a sobremesa serão Luiz Argôlo (PP) e Oziel Oliveira (PDT). O deputado e ex-ministro Ricardo Berzoini (PT-SP) foi mais enfático e direto sobre as consequências contra os que não seguiram o governo na votação de ontem:

– Nesses casos, a diferença de tratamento aos dissidentes é uma coisa que não se fala, mas se faz.

BOCA DE SIRI

O privilégio de indicar o substituto de Fernando Vita na Secretaria do Desenvolvimento Urbano de Itabuna é do deputado federal Luiz Argôlo (PP). Mas o parlamentar guarda segredo sobre o nome escolhido, pelo menos até amanhã (dia 8). Um assessor afirma que “ainda estão sendo feitos ajustes” antes da nomeação e observa que a prudência deve ser regra nesses casos.

Sobre o futuro de Fernando Vita, não está descartado o seu aproveitamento em outra área do governo. Na corte de Azevedo é assim: tem secretário que cai e secretário que apenas “se muda”.

O PREFEITO E A COMPETIÇÃO CANIBALISTA

Walmir Rosário | ciadanoticia@ciadanoticia.com.br

O prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, causa enormes prejuízos à imagem da cidade ao se posicionar ora apoiando o candidato à presidência da Câmara, Ruy Machado, ora o esquema do atual presidente Clóvis Loiola. Além de achincalhar o Poder Legislativo, o prefeito cria uma competição canibalista entre seus secretários, que passam a apoiar candidatos diferentes para a presidência da Câmara.

Essa prática, aliás, não é coisa nova e foi vista largamente durante a última campanha política, quando Azevedo apoiou, ou mandou apoiar, dezenas de candidatos a deputado (federal e estadual). Resultado, não proporcionou uma votação expressiva a nenhum deles, nivelando-se por baixo como um cabo eleitoral sem qualquer expressão.

Na própria Prefeitura, as opiniões eram muito divergentes – tanto na campanha política de 3 de outubro como na disputa pela Mesa da Câmara. Tanto naquela época como agora, o único secretário que demonstrou maturidade política foi o da Administração, Gilson Nascimento. Deu a maior votação – entre os secretários – ao seu candidato, nesse caso ao deputado federal Luiz Argôlo, enquanto os outros foram considerados inexpressivos.

Pois bem, a história se repetiu agora para a eleição da Mesa Diretora. Desde o início de negociações, o preferido de Gilson sempre foi o vereador Milton Cerqueira, porém o secretário costurou acordos, recuando quando necessário, galvanizando apoios na oposição, enfim, formando a chapa vitoriosa sob a liderança de Ruy Machado.

:: LEIA MAIS »

AZEVEDO EM BAIXA

Azevedo: temporada ruim.

É certo que as pesquisas locais detectavam uma rápida deterioração da popularidade do prefeito Capitão Azevedo (DEM), mas estas eleições mostraram que o mandatário itabunense tem baixa capacidade de transferência de votos para os seus candidatos.

O prefeito “elegeu” como seus tanto Roberto Britto como Luiz Argôlo, ambos do PP e candidatos à Câmara Federal. Os dois saíram “magrinhos” das urnas em Itabuna. Argôlo com 4.289 (4,49% dos votos válidos) e Britto com 1.823 votos (1,91%).

Pior, ele deu zignal em Augusto Castro, do PSDB, que acabou eleito deputado estadual, e apoiou o também tucano Solon Pinheiro, que sonhava com uma vaga à Assembleia Legislativa. Castro teve 8.019 votos em Itabuna, ante 2.345 de Solon, este derrotado.

Pior ainda: nem bem confirmada a sua eleição a deputado estadual, Coronel Santana (PTN) mandou avisar ao ocupantes temporários do Centro Administrativo Firmino Alves que em 2012 disputará a prefeitura de Itabuna. Santana, apesar de ser apontado como santo protetor de Azevedo desde os tempos da Ciretran, foi preterido neste pleito de 2010. Resultado: saiu daqui com 13.143 votos. Pra ele, melhor assim.

E, para temperar essa salada indigesta, mais uma: Azevedo não colocou a cara na campanha de nenhum candidato ao governo, apesar de “fazer sabão” com Paulo Souto, Jaques Wagner e Geddel Vieira Lima. Liberou seus secretários para as campanhas de Geddel e Souto. E deixou Wagner – o eleito – chupando dedo.

As urnas de Itabuna também deixaram em maus lençóis os ex-prefeitos Fernando Gomes e Geraldo Simões. Fernando apoiou os candidatos a deputado Renato Costa (estadual) e Lúcio Vieira Lima (federal). Renato foi derrotado na sua pretensão de retorno à Assembleia Legislativa. Obteve aqui pouco mais de 7,6 mil votos. FG deu a Lúcio só 1.218 votos em Itabuna.

Geraldo Simões teve depositado no seu cesto itabunense apenas 23.639 votos, ante 35 mil em 2006. Por isso, sua votação em todo o estado também foi mais baixa do que há quatro anos. Ele diz que a queda tem a ver com as críticas da imprensa ao seu mandato e à informação de que não mais concorreria à reeleição…

GILSON NASCIMENTO MANDA RECADO PARA ADVERSÁRIOS INTERNOS

Um grande cartaz preto, com letras brancas e garrafais, estava afixado na manhã desta segunda-feira, 04, na entrada da Secretaria da Administração, em Itabuna. Nele, a frase: “Não importa o temporal, o bem sempre vencerá o mal”. Quem assinou e mandou expor ao público foi o próprio secretário, Gilson Nascimento.

O recado, em plena ressaca eleitoral, tem motivo e alvos certos. Guarda relação direta com a divisão que se formou dentro do governo e que produziu  um desgaste que quase levou o secretário a pedir exoneração no mês passado.

Nascimento engajou-se na campanha de Luiz Argôlo (PP) para deputado federal, enquanto o secretário da Fazenda, Carlos Burgos, trabalhou em prol de Roberto Britto, também do PP.

E Burgos não estava sozinho na campanha de Britto. Seus filhos, encastelados na Procuradoria-Geral do Município e na Emasa, também entraram de cabeça no apoio ao político de Jequié. Outros que embarcaram nesse time foram o Soldado Pinheiro e o chefe do setor de veículos da Prefeitura, Rolemberg Santos.

Os dois candidatos foram eleitos, mas, apuradas as urnas itabunenses, deu Argôlo com 4.289 votos e Britto com apenas 1.823. Uma “lavada” do secretário da Administração, que não dispensou a cutucada na turma que opera para derrubá-lo. Na linha do “vocês vão ter que me engolir!”

DEPUTADOS DO SUL DA BA ENTRE OS MAIS FALTOSOS DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Argôlo busca eleição para deputado federal.

Os deputados Luiz Argôlo (PP), Ângela Sousa (PSC) e Paulo Câmera (PDT) são três dos parlamentares com ligações ou bases eleitorais no sul da Bahia.

Porém, eles possuem mais algo em comum: estão entre os mais faltosos da Assembleia Legislativa na contagem de 1º de julho a 31 de agosto, feita pelo Correio da Bahia.

Argôlo é campeoníssimo. Das 35 sessões ordinárias do parlamento estadual no período, ele compareceu a apenas três.

Ferreira Otomar (PMDB) vem em segundo, seguido de Nélson Leal (PSL) e Ângela Sousa (PSC) e Paulo Câmera (PDT), empatados também com Javier Alfaya (PCdoB) e Bira Coroa (PT).

O diário soteropolitano ainda revela que, das 35 sessões, apenas houve quórum em 23. Foram sessões-relâmpago. A mais longa durou 41 minutos, no dia 10 de agosto. Mas houve uma em que a duração atingiu inacreditáveis 58 segundos, no dia 30 de agosto.

A propósito, você sabe em quem votou para deputado estadual em 2006?

CHICLETEIRO

O deputado estadual Luiz Argôlo, candidato a federal pelo PP, alega que não cometeu ilícito algum durante a Festa do Centenário em Itabuna, quando teve seu nome citado pelo cantor Bell Marques, do Chiclete com Banana. “Eu e Bell nos conhecemos há muitos anos, desde os tempos das vaquejadas de Entre Rios”, afirma.

Durante o show, na madrugada do último dia 28, Bell saudou Argôlo e o convidou para, em breve, degustar um vinho em Salvador. No entendimento do deputado, “o artista é livre para se manifestar e é bom que se frise que ele me cumprimentou como amigo e não como candidato”.

unisa






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia