WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba










junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Lula’

FOGO AMIGO – E INIMIGO

Dilma e Lula não vão ter vida fácil no congresso nacional do PT que vai se realizar em Salvador sexta que vem. Vão enfrentar o fogo amigo e o inimigo.

No amigo, algumas alas petistas dizem que não engolem o ajuste de Joaquim Levy (Fazenda) e prometem bradar.

Inimigo

O coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, articulador de protestos nas redes sociais, também vem para a festa.

Quinta (16h) ele comanda protesto nas cercanias do Pestana, onde o PT fará o encontro no dia seguinte, atacando os petistas.

Da Coluna Tempo Presente, d´A Tarde

ANÕES DO ORÇAMENTO, LULA E RICARDO KOTSCHO

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Ao ser ouvido na CPI, disse que sua riqueza foi fruto de ter ganhado 200 vezes na loteria. Questionado sobre o exagero de tantos acertos, respondeu: Deus me ajudou.

A CPI do escândalo dos Anões do Orçamento foi instalada em 93, mas o esquema começou em plena ditadura militar, em 1972. Não havia denúncias naquele período por causa da censura ou por conveniência dos veículos de comunicação.

A transação era feita por um grupo de parlamentares que fraudava o Orçamento da União beneficiando políticos e empreiteiras. O termo anão não se referia à estatura física. Relacionava-se a pouca expressividade dos envolvidos, membros do chamado “baixo clero”.

Foi mais um escândalo de corrupção nestes 500 anos. Mas, neste caso, uma diferença entrou para o anedotário político quando o articulador do esquema, deputado João Alves, justificou como conseguiu ficar milionário.

Ao ser ouvido na CPI, disse que sua riqueza foi fruto de ter ganhado repetidamente na loteria, 200 vezes. Questionado sobre o exagero de tantos acertos, respondeu: Deus me ajudou.

Neste mesmo ano, 93, eu era editor do programa Cabrália Bom Dia, na TV Cabrália, em Itabuna, e marcamos uma entrevista com Lula, que acabara de perder para Collor. Participaram o jornalista Luiz Conceição e Gecie Campos.

Acompanhava Lula, o assessor de comunicação Ricardo Kotscho. Não tínhamos muita intimidade, mas éramos companheiros de congressos de jornalistas. Num intervalo, ele sugere uma pergunta sobre os anões. Lula interrompe:

– Ele não pode perguntar não, Ricardo, porque o patrão dele também está envolvido.

Marival Guedes é jornalista e escreve no Pimenta às sextas.

RELAXE E…

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Marta, que também é sexóloga, respondeu a um batalhão de repórteres: “relaxa e goza, porque depois você vai esquecer todos os transtornos”.

A senadora Marta Suplicy eleita pelo PT retornou às manchetes dos grandes jornais após a entrega da carta pedindo para sair do partido. Ela é famosa por suas frases e a que mais repercutiu foi dita em 2007, quando era ministra do Turismo, durante os problemas nos aeroportos do país.

Questionada sobre qual incentivo teria o brasileiro para viajar Marta, que também é sexóloga, respondeu a um batalhão de repórteres: “relaxa e goza, porque depois você vai esquecer todos os transtornos”.

As palavras ficaram sendo repetidas pelos veículos de comunicação. Alguns jornalistas criticavam duramente, outros ironizavam. Aproveitavam e lembravam outras frases pronunciadas durante sua carreira política.

Após o fato, a ministra embarcou num voo junto com o presidente Lula e vários ministros. No avião dirigiu-se ao chefe do executivo e pediu desculpas pela derrapada:

– Presidente, me desculpa pelos transtornos que causei ao governo com aquela resposta.

– Tem nada não, Marta, relaxe e goze – respondeu Lula para o deleite da plateia.

Marival Guedes é jornalista e escreve no Pimenta às sextas.

PT FARÁ PESQUISA PARA MAPEAR ANTIPETISMO

PT rachadoAssustado com os altos índices de rejeição a candidatos do partido nas eleições deste ano, especialmente em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, o PT encomendou uma ampla pesquisa nacional para identificar as causas e possíveis soluções para o antipetismo.

Ainda nesta semana, a Marissol, empresa responsável por parte das pesquisas que nortearam a campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição, vai apresentar uma proposta inicial de questionário. A ideia é consultar eleitores em todos os Estados do País e fazer uma bateria de pesquisas qualitativas.

O resultado vai servir de base para os debates da última etapa do 5º Congresso Nacional do partido, marcada para junho do ano que vem em Salvador (BA). A direção petista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretendem usar o Congresso, instância máxima de decisões do partido, para fazer uma série de reformas, com objetivo de resgatar valores históricos da legenda e reconectar o PT com setores dos quais se afastou nestes 12 anos de poder, como os movimentos sociais e a intelectualidade de esquerda.

A cúpula do PT já tem um diagnóstico primário das causas do antipetismo. Segundo dirigentes, a onda começou nos protestos de junho de 2013, quando militantes petistas foram agredidos em manifestações em São Paulo, tomou corpo durante o processo eleitoral deste ano e continuou depois das eleições, com as manifestações contra a presidente Dilma.

Leia mais n´A Tarde

BICO QUEBRADIÇO

marco wense1Marco Wense

A diferença do lamaçal petista para o tucano é na impunidade.  Os larápios petistas foram julgados e condenados. Os gatunos tucanos sequer foram a julgamento. Continuam livres e soltos.

“Como brasileiro, sinto vergonha”, diz o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre o escândalo da Petrobras. Que coisa, hein! O FHC indignado com a corrupção. Vai terminar virando uma figura folclórica.

O cartel das empreiteiras assalta os cofres da Petrobras há pelo menos 15 anos, desde que a empresa era comandada por Henri Philippe Reichstul, nomeado pelo então presidente FHC para o cobiçado cargo.

Esse Henri causou prejuízos bilionários trocando ativos da estatal com a espanhola Repsol. Ficou conhecido por tentar privatizar a Petrobras. Chegou até a propor a mudança do nome Petrobras para Petrobrax.

Durante o reinado de FHC, Paulo Roberto Costa, réu no processo que investiga o desvio de bilhões de reais na estatal, foi gerente de Produção e Exploração (1995), diretor da Gaspetro (1997) e diretor geral.

Na era FHC, os réus viravam vítimas com o bolso cheio, os delegados eram afastados e os juízes removidos. Alguém se lembra de um mangangão preso no governo FHC ou de alguma devolução de dinheiro?

E os mensalões? O Ministério Público Federal considerou o mensalão do PSDB como o embrião do mensalão do PT. Tem algum mangangão tucano preso? Nem manganguinho.

A diferença do lamaçal petista para o tucano é na impunidade.  Os larápios petistas foram julgados e condenados. Os gatunos tucanos sequer foram a julgamento. Continuam livres e soltos.

O combate à corrupção no governo Dilma Rousseff alcançou as esferas dos corruptores. A Lava Jato vai terminar fortalecendo a presidente, que quer tudo apurado, doa a quem doer.

Alguns jornalistas, defensores do “terceiro turno”, escrevem que a prisão de gente graúda se deve a instituições que funcionam com independência, citando o Ministério Público, Polícia Federal, Congresso Nacional e o STF.

Ora, ora, por que essas instituições não tiveram o mesmo procedimento no governo FHC? Não eram independentes? Agiam de acordo com os interesses do Executivo, do mandatário-mor de plantão?

A reeleita presidente Dilma Vana Rousseff tem razão quando diz que a Operação Lava Jato vai “mudar para sempre as relações entre a sociedade brasileira, o Estado e as empresas privadas”.

O lado cômico do escândalo da Petrobras é FHC se dizendo envergonhado com a corrupção. Das duas, uma: ou tomou alguma pancada na cabeça ou sofre de “memorinite”.

Ao admirar exageradamente a sua própria imagem, sua paixão por si mesmo, o príncipe da privataria tucana esquece que tem telhado de vidro e bico quebradiço.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

CHORORÔ DOS TAPETEIROS

marco wense1Marco Wense

Os chorões sonham com um “terceiro turno” e com outra bombástica e arrasadora manchete na revista Veja: “ Dilma confidenciou a Lula que vai acabar com o Bolsa Família e o Pronatec”.

O PSDB sabe que o resultado da eleição presidencial é incontestável. Não há nada que possa servir de elemento para solidificar qualquer tipo de questionamento.

O pedido de auditoria especial protocolado no TSE, instância maior da Justiça Eleitoral, só tem um único e sórdido objetivo: bagunçar o ambiente democrático.

A intenção dos tapeteiros, ainda inconformados com a inconteste derrota nas urnas, é deslegitimar a vitória de Dilma Rousseff, criando um cenário de instabilidade política.

Os chorões sonham com um “terceiro turno” e com outra bombástica e arrasadora manchete na revista Veja: “ Dilma confidenciou a Lula que vai acabar com o Bolsa Família e o Pronatec”.

Daqui a quatro anos tem outra eleição, em que pese ter o ex-presidente Lula como candidato. Pelo andar da carruagem, vão terminar engolindo novamente o “sapo barbudo”, como diria o saudoso Leonel Brizola.

VANE, O PT E A REELEIÇÃO

Vane entrevista Pimenta 6 Foto Gabriel OliveiraO melhor conselho para o prefeito Claudevane Leite, em relação ao seu retorno ao Partido dos Trabalhadores, é deixar o assunto em compasso de espera.

Qualquer decisão agora, aceitando ou não o convite do presidente estadual Everaldo Anunciação, com o endosso do governador eleito Rui Costa, seria intempestiva, precipitada e politicamente atabalhoada.

O chefe do Executivo, sob pena de arrependimento de difícil reparo, deve esperar os pontos da reforma política que serão legitimados pela consulta popular, seja através de plebiscito ou referendo.

E qual seria o ponto decisivo para o prefeito? Sem dúvida, o instituto da reeleição. Duas perguntas são pertinentes: 1) a reforma política vai acabar com o direito de disputar o segundo mandato consecutivo? 2) o fim da reeleição vai alcançar a próxima sucessão municipal?

Se a reeleição continuar valendo para 2016, o prefeito deve ir para o PT e ser o candidato natural da legenda, independente da vontade, calundu, birra ou arrufo de Geraldo Simões.

O PT de GS vai reivindicar, como contrapartida pelo apoio ao segundo mandato, em uma disputa com o PC do B, a indicação do vice na chapa encabeçada pelo gestor do Centro Administrativo.

Alguns secretários, defensores da permanência do chefe no PRB, partido do bispo Márcio Marinho, representante-mor da Igreja Universal, temem uma recaída do alcaide ao petismo.

Qualquer desentendimento entre vanistas, petistas e comunistas, com o agravante do PCdoB lançar Davidson Magalhães, fortalece a irreversível candidatura do prefeiturável Augusto Castro (PSDB).

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

REELEITA, DILMA DEFENDE DIÁLOGO E REFORMA POLÍTICA

Dilma e Lula comemoram vitória eleitoral (Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil).

Dilma e Lula comemoram vitória eleitoral (Foto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil).

Da Agência Brasil

A presidenta reeleita Dilma Rousseff falou em união e reformas em seu primeiro discurso após o resultado das urnas. Em Brasília, Dilma negou que o país esteja dividido e pediu paz entre todos. “Conclamo, sem exceção, todas as brasileiras e brasileiros a nos unirmos em favor de nossa pátria, de nosso país, do nosso povo. Não creio que essas eleições tenham dividido o país. Entendo que elas tenham mobilizado ideias e emoções, às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum: a busca por um futuro melhor para o Brasil”, disse.

A presidenta disse também que entendeu o recado das urnas sobre a necessidade de mudanças. “O caminho é muito claro. Algumas palavras e temas dominaram essa campanha. A palavra mais repetida, mais falada, foi mudança. O tema mais amplamente convocado foi reforma. Sei que estou sendo reconduzida para ser a presidenta que irá fazer as grandes mudanças que a sociedade precisa”, disse.

Segundo a presidenta, a primeira reforma que ela buscará será a política. Dilma disse que vai procurar o Congresso Nacional para conversar, assim como movimentos da sociedade civil. Ela voltou a insistir na necessidade de um plebiscito para “dar força e legitimar” a reforma.

“Entre as reformas, a primeira e mais importante deve ser a reforma política. Deflagrar essa reforma, que é de responsabilidade do Congresso, deve mobilizar a sociedade por meio de um plebiscito, de uma consulta popular. Somente com um plebiscito nós vamos encontrar a força e a legitimidade para levar adiante este tema. Quero discutir isso com o novo Congresso eleito. Quero discutir igualmente com os movimentos sociais e as forças da sociedade civil.”

Em seguida, Dilma voltou a prometer empenho no combate à corrupção. “Terei um compromisso rigoroso com o combate à corrupção, fortalecendo os mecanismos de controle e propondo mudanças na legislação para acabar com a impunidade, que é a protetora da corrupção”, disse Dilma.

Na área econômica, a presidenta disse que vai promover “com urgência” ações localizadas na economia para a recuperação do ritmo de crescimento com a manutenção de empregos e da renda dos trabalhadores. O combate à inflação também será uma prioridade, segundo ela. “Vou estimular, o mais rápido possível, o diálogo e a parceria com todos os setores produtivos do país”, disse. Por fim, Dilma disse que hoje está “muito mais forte, mais serena e mais madura” para a tarefa que lhe foi delegada.

DOLEIRO PASSA BEM, APÓS FORTE QUEDA DE PRESSÃO

Doleiro almoçando em hospital de Curitiba, onde está internado, há pouco (Época).

Doleiro almoçando em hospital de Curitiba, onde está internado, há pouco (Época).

O doleiro Alberto Youssef foi internado no Hospital Santa Cruz, em Curitiba, ontem à noite (25), após sofrer uma queda de pressão pela terceira vez desde que foi preso na Operação Lava a Jato, em março. Uma nota da Polícia Federal informa que o investigado passa bem. Ele deve voltar para a prisão ainda hoje.

De acordo com laudo médico, Youssef relata ter sofrido mal-estar ao descer do beliche na prisão. O laudo médico aponta queda de pressão. O doleiro tem histórico cardíaco. Na quinta à noite, a Veja publicou material em que afirma que Dilma Rousseff e Lula sabiam dos negócios de Youssef e desvios na Petrobras, porém nenhuma prova foi apresentada.

A transferência do detento para um hospital atiçou uma teoria conspiratória nas redes sociais, principalmente no WhatsApp.

Mensagem de que o doleiro foi morto é compartilhada como se fosse verdade, informando, também, que ele teria sido envenenado. A finalidade é provocar prejuízo eleitoral à candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).

A Polícia Federal emitiu nota negando que tenha havido envenenamento de Youssef. Há pouco, a Revista Época, da Rede Globo, divulgou uma foto que mostra o doleiro bem e almoçando sem qualquer ajuda de terceiro.

Kemelly Caroline Fujiwara Youssef, filha do doleiro, rebateu informações da morte do pai dela: “é mentira”.

PROEZA ERA CRIANÇA VIVA

Mariana FerreiraMariana Ferreira | mariana.sferreira90@gmail.com

 

O que parecia um fenômeno imbatível e impositivo da vida foi passo a passo minado por ações agressivas e muitas vezes contestadas, rotuladas como assistencialistas e eleitoreiras. Mas, assim como a fome é criação do ser humano, a segurança alimentar também o é.

 

Em meio a tantos e exaustivos embates dessa campanha eleitoral, vi na página do Facebook da Dilma que a Globo a mandou retirar um vídeo por não ter autorização de uso. Sem necessidade aqui de julgar sobre a relação Globo x Dilma – já há tantas declarações e percepções sobre isso –, fui ver o vídeo. Enfim, fala de uma reportagem sobre o retrato da fome no Brasil que repercutiu no mundo e ganhou vários prêmios. O conteúdo é forte, mostra o Brasil do ano 2001.

No vídeo é possível ver como há tão pouco tempo a vida era tão difícil e em muitos casos insuportável para as pessoas do grupo de baixa renda. Não pela violência, não por acidentes, mas pela fome. Sem fazer apologia a Lula e Dilma, que é a minha candidata, é verificável que é realmente impressionante o ritmo acelerado de evolução em relação à fome e à miséria no país.

Àquela época, que não está tão distante assim, a reportagem da Globo versou que “proeza era criança viva, e bebê recém enterrado era acontecimento banal”. Revelou ainda que “no Brasil, a cada 5 minutos morria uma criança, a maioria de doenças da fome”. Um médico sanitarista foi entrevistado e ele informou que, de acordo com o Unicef, morriam cerca de 290 crianças por dia nessas condições, o que correspondia, também segundo o órgão, a dois boeings 737 de crianças mortas por dia.

É incrível ver como o que parecia impossível há tão pouco tempo, e tão discutido por Milton Santos, geógrafo que no mesmo ano gravou um documentário sobre o assunto (meses antes de sua morte), desmanchou-se no ar, como quem apenas esperava alguém para intervir. E foi assim que comer mostrou-se ser, além do óbvio, um ato político.

O que parecia um fenômeno imbatível e impositivo da vida foi passo a passo minado por ações agressivas e muitas vezes contestadas, rotuladas como assistencialistas e eleitoreiras. Mas, assim como a fome é criação do ser humano, a segurança alimentar também o é. Santos, um mestre de fato e de direito, ficaria orgulhoso ao saber que, hoje, o seu Brasil deu exemplo mundial e foi honrosamente retirado do Mapa da Fome da ONU. Um feito para encher os brasileiros de orgulho.

Segue o link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=-A9zEQ1-ODQ#t=166

Mariana Ferreira é comunicóloga.

WAGNER DIZ QUE AÉCIO “NÃO TEM MUITO APREÇO PELO TRABALHO”

Wagner diz que Aécio não tem apreço pelo trabalho (foto Pimenta).

Wagner diz que Aécio não tem apreço pelo trabalho (foto Pimenta).

O governador baiano, Jaques Wagner (PT), concedeu entrevista à Folha desta segunda (13). Nela, aborda a política nacional, eleições de 2014, necessidade de reforma política e corrupção.

Wagner diz, na entrevista, que Aécio “não tem muito apreço pelo trabalho” e vê em Dilma Rousseff, presidente e candidata à reeleição, pessoa “muito mais qualificada, trabalhadora e determinada” do que o senador mineiro.

Para o petista, a campanha tucana erra ao bater na tecla corrupção. “Não reconheço em Aécio Neves alguém que possa dar aula de ética. O povo sabe que tem santo e tem diabo em todos os partidos”, disse. E cita a derrota do tucano no próprio estado (Minas Gerais): “O povo mineiro não é bobo”. Lá, apenas Antônio Anastasia, candidato tucano ao senado, venceu. Perderam Aécio e Pimenta da Veiga, que disputou o governo.

Ainda provocando, o governador baiano disse que Aécio não foi quem pensou em choque de gestão em Minas, pois “estava no Rio [de Janeiro] passeando. Para sentar na cadeira de presidente, tem que trabalhar muito. E ele (Aécio) não tem muito apreço pelo trabalho”.

O governador baiano também faz autocrítica e considera que o PT precisa refletir sobre o seu desempenho em São Paulo. Acredita que a eleição de Rui Costa ao governo da Bahia se deu porque algo foi plantado. Wagner considera que Lula terá bala na agulha para 2018, na sucessão de Dilma Rousseff – ou de Aécio.

SUL DA BAHIA PRETERIDO

Lula e Rui Costa em evento na capital baiana em junho (Foto divulgação).

Lula e Rui Costa em evento na capital baiana em junho (Foto divulgação).

O ex-presidente Lula fará a terceira visita à Bahia desde a convenção do seu partido, o PT. Mas, tudo indica, o interior do estado será preterido nesta campanha. Havia expectativa de que a estrela do partido participasse de comício em Itabuna ou Ilhéus, nesta semana, por ser a região onde o candidato ao governo baiano, Rui Costa, tem desempenho mais baixo. Não vem. Dia 1º, Lula estará, outra vez, em Salvador.

Aliás, a última visita de Lula ao sul da Bahia em atividade de campanha foi em 2000, quando o deputado federal Geraldo Simões (PT), atrás nas pesquisas, travava uma disputa dificílima contra o então prefeito Fernando Gomes. “Zé de Cuma” buscava a reeleição com o apoio do trio ACM, Paulo Souto e César Borges. Geraldo, com apoio e presença de Lula em caminhada considerada histórica, acabou eleito prefeito de Itabuna pela segunda vez.

LULA AQUI…

Lula e o candidato ao governo, Rui Costa, durante comício em Salvador (Foto Vaner Casas/BApress).

Lula e o candidato ao governo, Rui Costa, em Salvador (Foto Vaner Casas/BApress).

São cada vez menores as chances do ex-presidente Lula participar de comício no sul da Bahia. A expectativa era grande, principalmente para quebrar o clima de “não campanha” que impera na região.

Nos dois maiores municípios sul-baianos, Ilhéus e Itabuna, aliados questionam as poucas atividades. E têm em vista qual o maior prejudicado, o candidato ao governo Rui Costa (PT). “Nem parece que temos candidatura”, afirma um aliado. “O adversário (Paulo Souto) tem volume de campanha bem maior [no sul da Bahia]. Poderá refletir bem na urna”.

AÉCIO, MARINA E O TUCANATO

marco wense1Marco Wense

O tucanato de FHC trata a candidatura de Aécio Neves com frieza e indiferença.

Os tucanos do PSDB paulista estão cada vez mais frios e indiferentes com a candidatura de Aécio Neves à presidência da República.

Nem mesmo a melhora nas pesquisas, dando uma sobrevida ao candidato, fazendo renascer a esperança do ex-governador (MG) ir para um segundo turno, sensibilizou o tucanato de FHC.

Pela Vox Populi, divulgada na última terça-feira (23) pela TV Record e pelo conceituado jornal Valor Econômico, a diferença entre Marina Silva e Aécio é de apenas cinco pontos (veja aqui).

A ex-ministra do Meio Ambiente do então governo Lula caiu de 27% para 22%. O tucano subiu dois pontos, de 15% para 17%. A presidente Dilma Rousseff, que busca o segundo mandato, saiu de 36% para 40%.

Aliás, a marca do tucanato paulista sempre foi o da frieza diante dos fatos. Essa turma é de uma insensibilidade inominável. E olhe que Aécio é um tucano de plumagens exóticas, não é um tucano qualquer.

Aécio Neves (PSDB).

Aécio Neves em Itabuna (Foto Pimenta).

Aécio sabe de tudo. Não é nenhum neófito nas artes da política e, muito menos, marinheiro de primeira viagem. O melhor caminho é o de ficar parecendo que não sabe de nada.

Milhões de “santinhos” serão distribuídos com a foto de Geraldo Alckmin, candidato ao Palácio dos Bandeirantes (reeleição), com a ambientalista Marina Silva (PSB).

Marina já autorizou a dobradinha, digamos, tucano-socialista. Alckmin, por sua vez, se faz de desentendido. Farinha pouca meu pirão primeiro. O “companheiro” Aécio que se dane.

O engraçado é que Marina descartava, de maneira até radical, qualquer possibilidade de aproximação com Geraldo Alckmin. Quando o assunto era o PSDB, a ex-petista só colocava José Serra na lista dos bons tucanos.

Marina, em nome da “nova política”, despreza os partidos políticos, chega até a satanizá-los. Acha que pode governar negociando com cada parlamentar. Vai ser um Deus nos acuda. Um varejão.

Só resta ao candidato Aécio Neves esperar o fim do processo sucessório. O troco fica para 2018, já que Alckmin é candidato ao Palácio do Planalto. É bom lembrar que Aécio é mineiro. É mineirinho.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

EVERALDO FALA EM VITÓRIA DE RUI NO 1º TURNO

Everaldo Anunciação acredita em vitória de Rui ainda no primeiro turno.

Everaldo Anunciação acredita em vitória de Rui ainda no primeiro turno.

Everaldo Anunciação, presidente do PT baiano, empolgado com os números da pesquisa Babesp divulgados hoje, disse acreditar em vitória de Rui Costa ainda no primeiro turno, além da eleição de Otto Alencar (PSD) ao Senado. Desde o início do horário eleitoral, Rui saltou de 11% para 27% nas intenções de voto.

Para Everaldo, o candidato ao governo pelo PT ainda tem muito espaço para crescer. Eufórico com os números, o dirigente estadual fala em vitória de Rui no primeiro turno (“tem muito espaço para crescer e até ganhar esta eleição ainda no primeiro turno”).

Outro fator considerado relevante para a tendência de maior crescimento do petista, cita Everaldo, são os apoios do ex-presidente Lula, de Dilma Rousseff e do governador Jaques Wagner. Com os apoios da trinca petista, Rui atinge 32%, enquanto Paulo Souto, com ACM Neto e Aécio Neves, cai de 39% para 37%, segundo a Babesp.

A campanha deverá colar o nome de Rui Costa, ainda mais, em Lula e Dilma. A presidente da República e candidata à reeleição tem 54% das intenções de voto na Bahia, segundo o Instituto Babesp.

A euforia toma conta dos petistas, mas o Babesp está sob a mira do DEM baiano devido às ligações do instituto com o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Marcelo Nilo, que contratou a pesquisa.

PÚBLICO FRACO

O senador Walter Pinheiro e políticos aliados participaram, ontem à noite (4), da inauguração do comitê do candidato a governador pelo PT, Rui Costa, e ao Senado pelo PSD, Otto Alencar, além de Dilma Rousseff. Chamou atenção não os discursos, mas o público. Pouca gente compareceu, retratando as dificuldades da chapa majoritária em Itabuna.

Nos bastidores, os diversos grupos que compõem a base governista e apoiam Rui, Otto e Dilma se queixam os candidatos não compareceram – nem o vice da chapa, João Leão, o “Bonitão”.

Rui e Otto devem vir a Itabuna e Ilhéus somente no próximo final de semana. Um aliado, espirituoso, diz que, com a falta de mobilização, nem Lula daria jeito – para atrair gente.

LULA DEFENDE REELEIÇÃO DE DILMA E DIZ QUE VOLTA “DISPOSTO” E COM “FORÇA” EM 2018

Lula, que anuncia retorno em 2018, puxa voto para Rui Costa (Foto Vaner Casas/BApress).

Lula, que anunciou retorno em 2018, puxa voto para Rui Costa (Foto Vaner Casaes/BApress).

Marival Guedes, para o PIMENTA

Lula afirmou hoje à noite, em Salvador, que será candidato a presidente da República em 2018. É a primeira vez que o ex-presidente fala em disputar o comando do país, após governá-lo por dois mandatos, de 2003 a 2010.

– Aí eles vão falar “Dilma mais 4 anos e depois esse tal de Lula quer ficar mais 4”. Em 2018 eu vou estar com 72 anos e disposto [a disputar a presidência novamente] – frisou, reforçando que “enquanto estiver vivo e tiver força”, não vai permitir o retorno daqueles que, na sua concepção, atrasaram o país.

Diante de um público de mais de dez mil pessoas, o ex-presidente disse enxergar que o ódio contra o seu partido, o PT, é ideológico.

[Quando estava na presidência] Eu pensava que era porque era torneiro mecânico e gente do povo. Mas não. Dilma é formada e o ódio continua. O ódio [contra o PT] é ideológico. Eles não querem o pobre viajando de avião e comendo melhor.

VOTO PARA RUI E OTTO

Ainda no comício em Salvador, Lula saiu em defesa de Rui Costa e Otto Alencar. “O povo não pode permitir que a Bahia volte a ser governada pelo atraso”. O ex-presidente fez um paralelo ao dizer que, antigamente, o coronel tinha fazenda e chicote.

– Hoje ele tem um canal de televisão e um jornal. Com isso, eles vão tentando fazer a cabeça das pessoas e nós não podemos permitir. A gente não quer mais senhor de engenho não. A gente quer fazer parte do bolo”.

O ex-presidente voltou a sair em defesa de Dilma ao falar do enfrentamento da crise econômica. “Dilma enfrentou a crise sem demitir”, observou, sem esquecer que a receita defendida pelos opositores pregava “demissões”.

Ele ainda citou números como a geração de 11 milhões de emprego em pouco mais de uma década e que hoje a inflação anual fica em torno de 6%, enquanto em 1986, citou, chegava a 86% ao mês.

COMÍCIO DE RUI E OTTO COM LULA ATRAI MAIS DE 10 MIL PESSOAS EM SALVADOR

Rui, Lula, Wagner e Otto Alencar em comício há pouco em Salvador.

Rui, Lula, Wagner e Otto Alencar em comício há pouco em Salvador.

O ex-presidente Lula foi a principal estrela do comício do candidato ao governo baiano pelo PT, Rui Costa, e ao Senado, Otto Alencar (PSD), hoje à noite em Salvador. O evento atraiu cerca de dez mil pessoas à Praça da Revolução, em Periperi, no Subúrbio Ferroviário.

Lula defendeu a eleição de Rui Costa e Otto Alencar, além da reeleição da presidente da República, Dilma Rousseff, em evento em que foi ovacionado. Além dos candidatos Rui Costa e Otto Alencar e do vice na chapa petista, João Leão (PP), também participaram o governador Jaques Wagner e candidatos a deputado, além de lideranças estaduais.

Ao lado do ex-presidente, Rui Costa disse que o estado avançou com Wagner e o novo projeto é para avançar ainda mais: – Um projeto que, com Lula e Dilma, já fez a maior transformação social e econômica nesse país. E que, na Bahia, com Wagner, tirou milhões da miséria, deu acesso à água e à luz a mais de 6 milhões de baianos – disse, lembrando que visitou mais de 120 municípios desde o início da campanha e o que viu lhe dá a certeza da vitória.

Ainda no palanque, Rui informou que a transformação no país também chega ao subúrbio da capital baiana. A região do Subúrbio Ferroviário, segundo ele,  receberá R$ 600 milhões em obras, que incluem a revitalização da orla marítima. A autorização de liberação da verba já foi assinada pela presidente Dilma Rousseff, segundo ele.

OTTO: HOMENAGEM A WALDIR

O candidato ao Senado pelo PSD, Otto Alencar, criticou “pesquisas encomendas” (alfinetada no Ibope) em que tanto ele como Rui Costa aparecem em segundo lugar, mas opositores ligados à Família Magalhães (dona da Rede Bahia) lideram com boa margem ao Senado e ao governo baiano.

Otto prometeu, se eleito, dedicar a sua vitória a Waldir Pires, no que foi interpretado também como outra cutucada nos carlistas, acusados de fraude eleitoral que custou o mandato de Waldir.

O CONSERVADORISMO E A ELEIÇÃO DE 2014

professor júlio c gomesJulio Cezar de Oliveira Gomes | advjuliogomes@ig.com.br

Pressionada, entre outros, pelo poderoso pastor Silas Malafaia, Marina recuou na proposta de reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo, restringindo-se a apoiar o que, simplesmente, já existe: a legalidade da união civil homoafetiva com base em decisões do STF.

Definitivamente, a agenda e as propostas conservadoras tomaram conta das eleições de 2014, sobretudo no que toca à disputa pela Presidência da República.

Após a morte de Eduardo Campos e a ascensão de Marina Silva à cabeça da chapa de sua coligação e ao topo da disputa, o que se passou a ver, de forma cada vez mais explícita, foi a disputa pelo voto mais conservador, por meio das negociações com os líderes desses setores, traduzindo-se em compromissos políticos e programáticos cada vez mais próximos daquilo que desejam os chamados setores da direita.

Foi assim que, pressionada, entre outros, pelo poderoso pastor Silas Malafaia, Marina recuou na proposta de reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo, restringindo-se a apoiar o que, simplesmente, já existe: a legalidade da união civil homoafetiva com base em decisões do STF.

Estes mesmos setores exigem de Marina uma posição formal quanto à não legalização do aborto e das drogas, solidamente calcados nos milhões de votos que possuem.

Para não ficar para trás, e tentando recolocar-se no centro da disputa presidencial Aécio Neves incluiu formalmente em suas propostas a revisão da legislação que trata de pessoas com 16 e 17 anos que cometem crimes graves, tais como homicídio.

Esta corrida ao conservadorismo deixa a presidente e candidata Dilma em uma situação muito difícil. Ceder a este tipo de programa político seria, em princípio, romper com as expectativas daqueles que historicamente votam nela; e não fazê-lo significa deixar a bola da vez e as demandas sociais nas mãos de seus adversários, sobretudo de Marina Silva, que muda suas propostas de governo com rapidez e facilidade de causar inveja até às mais velhas e ferinas raposas da política brasileira.

Em parte, é preciso dizer, os brasileiros se sentem contemplados por esta agenda conservadora, sobretudo no que toca à segurança pública. Não podemos mais dar tanta atenção aos direitos das chamadas minorias sociais em um país onde ocorreram, em 2012, 56 mil homicídios, segundo números do próprio Governo Federal; onde não se tem mais tranquilidade para trabalhar ou sair às ruas, e onde o Estado parece curvar-se cada vez mais diante do crime.

Quanto à sexualidade, me coloco entre aqueles que entendem que a vida privada e afetiva é problema de cada um, desde que guardem o devido respeito às demais pessoas. Mas não sei se a maior parte da população brasileira pensa deste mesmo jeito, ou se só diz isto para parecer “moderninho”, uma atitude muito ao gosto do brasileiro.

:: LEIA MAIS »

LULA PARTICIPA DE COMÍCIO DE RUI E OTTO

Lula participa de comício com Rui na quarta.

Lula participa de comício com Rui na quarta.

O ex-presidente Lula participará de comício do candidato ao governo baiano pelo PT, Rui Costa, e ao Senado, Otto Alencar (PSD), nesta quarta-feira (3). O local escolhido para o evento foi a Praça da Revolução, no Subúrbio Ferroviário, em Salvador.

O comício será o primeiro com a participação do ex-presidente Lula na campanha de Rui Costa. O ex-presidente esteve na Bahia em junho, na convenção do PT, quando a chapa majoritária com Rui, o vice João Leão (PP) e Otto foi oficializada.

O governador Jaques Wagner também participará do comício, que também reunirá candidatos a deputado e lideranças em todo o estado.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia