WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘machismo’

PARTIDO DA MULHER BRASILEIRA É ANTIFEMINISTA E TEM INTEGRANTE ACUSADO DE ABUSO SEXUAL

machismoCarta Capital

Ao anunciar sua filiação ao Partido da Mulher Brasileira (PMB), em dezembro de 2015, o senador Hélio José, do Distrito Federal, fez questão de exaltar as qualidades do sexo feminino, segundo a sua interpretação. “O que seria de nós, homens, se não fosse uma mulher para estar do lado, para nos trazer alegria e prazer?”, discursou no plenário.

Conhecido em Brasília como “Hélio Gambiarra”, o senador era suplente de Rodrigo Rollemberg (PSB) e assumiu a cadeira pelo PSD após a eleição do titular ao governo do DF. Em 2010, quando era filiado ao PT, José foi acusado de abusar sexualmente da própria sobrinha, uma menor de idade. Ele nega a acusação e diz ter sido alvo de perseguição política. A denúncia foi rejeitada pela Justiça, mas o Ministério Público ainda recorre.

Recém-criada, a 35ª legenda do País é o exemplo mais recente da crise de ideologia que atinge os partidos. Apesar de defender o aumento da participação da mulher na política, apenas duas mulheres compõem o quadro de 20 deputados federais do PMB, que tem ainda um senador.

Não bastasse, o PMB rejeita as bandeiras do feminismo. “O partido da mulher é antifeminista. É a resposta necessária para reposicionar a mulher em seu devido lugar, um lugar especial como centro aglutinador da família”, escreveu no Twitter a advogada e ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil Denise Abreu, pré-candidata do PMB à prefeitura de São Paulo.

Leia mais

EU RECEBO FLORES, MAS CONTINUO INVISÍVEL

Valéria Ettinger1Valéria Ettinger | lelamettinger@gmail.com

Enquanto “houver uma mulher em condições não dignas, isso irá repercutir em todas as mulheres” e, assim, todas nós estaremos aprisionadas, sendo conduzidas pelos valores machistas.

Eu recebo flores, mas preciso lutar por igualdade;

Eu recebo flores, mas meu salário é menor que o dos homens;

Eu recebo flores, mas tenho dificuldade de conseguir emprego por causa da maternidade;

Eu recebo flores, mas não tenho o direito de usar a roupa que quero porque sou estigmatizada;

Eu recebo flores, mas dizem que tenho culpa se sou violentada;

Eu recebo flores, mas não existem políticas públicas para a minha saúde enquanto mulher trabalhadora urbana, rural, das florestas e ou do mar;

Eu recebo flores, mas ainda sou tratada como objeto a ser consumido;

Eu recebo flores, mas meu corpo é tratado como uma propriedade privada;

Eu recebo flores, mas dizem que se sou do lar não faço nada e se sou mulher trabalhadora tenho que enfrentar jornadas triplas, sem ajuda e sem reconhecimento;

Eu recebo flores, mas as instituições ainda me tratam com indiferença, escárnio ou dúvida;

Eu recebo flores, mas a CPMI da Violência contra a Mulher ressaltou o assassinato de 43,7 mil mulheres no País entre 2000 e 2010, 41% delas mortas em suas próprias casas, muitas por companheiros ou ex-companheiros;

Eu recebo flores, mas a cultura machista me prendeu em uma identidade de submissão e fraqueza;

Eu recebo flores, mas dizem se sou independente e tenho um bom salário sou uma ameaça aos homens;

Eu recebo flores, mas não posso deixar de enfrentar ou me permitir ser maltratada;

Eu recebo flores, mas ninguém pode me condenar se eu resolver praticar um aborto. As consequências são minhas;

Eu recebo flores, mas gostaria que as mulheres não criassem seus filhos no padrão da cultura machista;

Eu recebo flores e continuarei lutando para que outras mulheres não sofrerem estupros sejam eles individuais ou coletivos;

Eu recebo flores, mas ainda preciso de uma lei que puna severamente os crimes contra a minha integridade física e moral;

Eu recebo flores e gostaria de ver todas as mulheres estudando e trabalhando;

Eu recebo flores e todos os anos, no Dia Internacional da Mulher, lembrarei que nós, mulheres, precisamos nos reconhecer enquanto sujeitos de direitos, nos unirmos em favor de outras mulheres em estado de vulnerabilidade e jamais nos julgarmos por nossas atitudes. Devemos minar cotidianamente todos os espaços de discriminação, romper com os estereótipos, não aceitar e nem reproduzir atitudes sexistas. E, sobretudo, tomar muito cuidado com a criação das filhas e (dos filhos), rejeitar os modelos de feminilidade, desobedecer os códigos de conduta impostos pela divisão sexual do trabalho: mulher não ri assim, não sente e anda assim, não faz, não pode. O feminismo é política e teoria, mas é também um estilo de vida, uma forma de estar no mundo. Trata-se da politização da experiência pessoal (GOMES, 2012, p. 29), pois enquanto “houver uma mulher em condições não dignas, isso irá repercutir em todas as mulheres” (TELES, 2012, p.29) e, assim, todas nós estaremos aprisionadas sendo conduzidas pelos valores machistas.

Valéria Ettinger é professora universitária e assessora do TJ-BA.

:: LEIA MAIS »

SINDICÂNCIA NA UESC APURA “CASO NÁTALI”

Uma comissão de sindicância foi formada para investigar denúncia da estudante Nátali Mendes contra o professor André Rosa, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). A reitora da Uesc, Adélia Pinheiro, designou os professores Wilma Vivas, Zeneide Silva e Álvaro Vinícius Coelho para apurar a denúncia classificada como machismo praticado pelo professor contra Nátali.

A estudante diz ter sido constrangida pelo professor, publicamente, em um evento do núcleo Kawé de Estudos Afro-Baianos Regionais, em 5 de novembro, ao ser cantada e segurada pelo braço. O caso teve ampla repercussão no meio acadêmico e na imprensa (relembre aqui).

A comissão de sindicância tem até dia 28 para concluir a investigação.

MACHISMO, VIOLÊNCIA MORAL E IMPRENSA

nátaliNátali Mendes

Não quero tomar ninguém ‘’pra cristo’’ e nem ‘’ferir a honra de um homem’’ como se tem dito. Só insisto na apuração da atitude e no seu registro formal, para que a Uesc tenha eficiência em inibir e advertir de forma adequada esse tipo de ação.

Desde a semana passada circulam nos corredores da Uesc, em blogs e sites de relacionamento notícias sobre o episódio lamentável que ocorreu comigo no dia 05 de novembro: a violência moral e psicológica causada por um professor diante da minha mãe e de uma plateia. Gostaria de esclarecer alguns pontos:

-Nós mulheres, militantes e feministas, não somos contrárias a receber elogios e sabemos diferenciá-los daquilo que nos ofende e nos constrange.

– O machismo é um sistema de opressão que estrutura a sociedade em que vivemos, logo, o que aconteceu comigo é um exemplo de práticas diárias que, na maioria das vezes, são silenciadas.

– As medidas tomadas por minha pessoa estão dentro das conformidades legais que me são garantidas por direito. A representação formal foi feita à administração da universidade. Aguardo o retorno da instituição.

Quero registrar, também, minha indignação para com determinados veículos de comunicação que veicularam o ocorrido de maneira deturpada. Nenhum blog entrou em contato comigo para pedir informações a respeito do caso. Ao meu ver, o que caracteriza irresponsabilidade é expor uma situação tão delicada sem investigar. Eu, que milito por uma comunicação democrática e acessível para todos, repudio o jornalismo sensacionalista, capaz de publicizar a imagem de pessoas sem ao menos averiguar as informações com exaustão, o que considero um dever ético do ofício.

Para as pessoas que querem se informar melhor sobre o que aconteceu, sugiro a leitura da Nota de Repúdio, elaborada pelos movimentos, grupos e pessoas que também discordam da atitude do professor e que contém o meu breve relato. Peço humanidade e sensibilidade para que possam compreender que, além do que foi escrito por mim, existe todo um contexto da ação que as palavras não são capazes de demonstrar: a entonação da voz, o olhar, a reação… Por isso, peço cautela e, acima de tudo, respeito.

Peço também o respeito dos que não me conhecem, não conhecem a minha história, minha luta e minha trajetória em busca do fim de tantas opressões. Não, eu não tenho vontade e tampouco necessidade de aparecer. Aliás, a frase que mais tenho dito ultimamente é ‘‘eu não queria estar passando por isso’’, e não queria mesmo! Comentários maldosos não ajudarão em nada!

Agradeço a todas as pessoas, que conheço e que não conheço, que têm mandado mensagens de apoio e encorajamento. Cada mensagem me faz perceber que estou tomando a atitude correta em não silenciar diante de uma ofensa que não atinge somente a mim, mas a todas as mulheres que precisam conviver com um cotidiano de violência simbólica e física.

Infelizmente, não sou a primeira e nem a última mulher a passar por esse tipo de situação, e o professor não é o primeiro e nem o último homem a reproduzir o machismo presente em nossa sociedade. Não quero tomar ninguém ‘’pra cristo’’ e nem ‘’ferir a honra de um homem’’ como se tem dito. Só insisto na apuração da atitude e no seu registro formal, para que a Uesc tenha eficiência em inibir e advertir de forma adequada esse tipo de ação. No mais, estou aguardando um retorno da administração da instituição e levando minha vida acadêmica na correria de sempre, afinal, o fim do semestre não quer saber se estou estabilizada emocionalmente, então, a luta continua.

Peço força e permissão às guerreiras ancestrais. Nenhum passo atrás!

Nátali Mendes é graduanda em Comunicação Social (Uesc), militante da Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social (GET Combate às Opressões) e integrante do Movimento Mulheres em Luta- Sul BA.

“ISSO É COMENTÁRIO DE MULHER MAL-COMIDA”, DISSE O “HOMEM DE VERDADE”

sakamotoLeonardo Sakamoto | Blog do Sakamoto

Ouvi a história e achei interessante contar. Porque a reação é sempre que a mulher se destemperou e não de que o maluco em questão havia extrapolado os limites da convivência.

 

– Tá tão bom esse jantar que você já pode casar!

A frase pousou na mesa de jantar tão leve quanto é possível para um golden retriever sujo e molhado, que sai correndo do jardim e, sem muita noção do próprio tamanho, lambuza todos à sua volta.

A bem da verdade, ela recebera a contragosto aqueles convidados. Pedido do chefe, que queria usar a sua melhor repórter para aumentar o interesse do pessoal da área comercial e de agências de publicidade com o jornalismo online que produziam. Então, reuniu velhos amigos para uma conversa sobre perspectivas do mercado digital – ou alguma abobrinha semelhante – e pediu o favor.

O problema é que ela não era a sua melhor repórter à toa.

– Oi, como disse?
– Que tá tão bom esse jantar que você já pode até casar.
– Desculpe, não entendi.
– Ah, é uma expressão antiga. Você já tem tudo que se espera…
– … de uma mulher?
– Não de uma boa…
– …dona de casa?
– Não, de alguém que…
– … que existe para servi-lo?

Percebendo aonde isso ia dar, o chefe tentou jogar panos quentes.

– Quando se cansar do jornalismo, a Clarice* pode abrir um restaurante!

Mas aí já era tarde demais.

Dado os comentários que o incômodo convidado fez, mangando da reação da anfitriã, os papeis já haviam sido identificados. E se ele fosse desempenhar o do “porco”, ela não ficaria na plateia batendo palmas como a “submissa”.

Após o jantar e a sobremesa, todos foram para a sala de estar a fim de beber e jogar conversa fora. Lá, o convidado, para provocar ainda mais, começou a cometer impropérios sobre o lugar do homem e da mulher, piadinhas a respeito do gênero de produtos de limpeza e reflexões sobre o que é ser um “homem de verdade” nesse mundo confuso.

O único momento em que se dirigiu a Clarice foi para perguntar:

– Poxa, mas meu cálice está seco há um século.
– Desculpe! Mas como você está falando besteira há tanto tempo, achei que já havia bebido demais.
– Isso é comentário de mulher mal-comi…

Antes que pudesse terminar a frase, um cálice de tinto chileno – de boa safra, diga-se de passagem – voou em sua camisa branca. E algumas pessoas que estavam no jantar, mesmo com a memória afetada pelo álcool, juram que tudo teria terminado em furdúncio se o sujeito não tivesse sido controlado pelos demais.

– Vagabunda! Mulher não me trata assim – resmungou, antes de sair porta afora e noite adentro.
– Acostume-se, o mundo mudou! – ainda disse ela.

O chefe ponderou que, apesar do cara ser um idiota, ela deveria se controlar mais:

– Por sorte, ele não era de uma agência grande…
– Não, você não está entendendo. Por sorte, o que eu tinha na mão era uma taça de vinho, não alguma coisa pesada ou cortante.

Clique no link e confira o artigo na íntegra :: LEIA MAIS »

UNIVERSO PARALELO

O RECORRENTE MACHISMO DA LINGUAGEM

1Posso ajudá-loOusarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Num grande supermercado de Itabuna, encontro a mocinha em cuja blusa se estampa, em letras garrafais, a pergunta: “Posso ajudá-lo?” Não creio que possa, enquanto eu não souber qual é, de verdade, meu problema – mas tal questão de ordem metafísica pode ficar para mais tarde. Por enquanto, o que me desperta o interesse é a recorrente tendência machista da linguagem brasileira, lamentavelmente incentivada até por quem deveria combatê-la a ferro e fogo. “Ajudá-lo” supõe que a clientela seja masculina, quando esta, nos locais de compras em geral, constitui (segundo observo), minoria. “Posso ajudar?” é a fórmula correta que um banco utiliza há muitos anos, sem discriminar ou prestigiar gêneros.

________________

Discriminação apoiada pelas mulheres

O modelo de que se valeu o supermercado foi bolado por alguém sem sensibilidade ou conhecimento da língua portuguesa. Ou os dois. Não deve ser cômodo a nenhuma mulher dirigir-se a pessoa que pretende “ajudá-lo”, como se macho ela fosse. Mas parece que é moda a que as mulheres não reagem (mesmo que a presidenta Dilma tenha trabalhado em sentido contrário, feminizando os cargos femininos). Até no meio universitário, mais conservador do que se imagina, é comum dizer-se que a professora Fulana é “mestre” em tal disciplina. Um horror: mulher é mestra, reitora, vereadora, presidenta, generala, bacharela, coronela – o diabo (aliás, a diaba!). O resto é discriminação, ainda que apoiada pela ala feminina.

O BANCO RASO NUNCA FOI SÃO CAETANO

3Princesa Isabel

Dizem, mesmo sem pesquisa científica, tese ou dissertação acadêmica a tal respeito, que o Banco Raso possui o maior número de botequins por metro quadrado do território itabunense. Adiante-se que às vezes ele é confundido com o São Caetano, mas São Caetano não é, pois o Banco Raso nunca foi santo. E voltemos, rapidamente, ao que interessa, os botequins, na intimidade ditos “botecos”. Minha surpresa é ver num almanaque (o que seria desta coluna, se não fossem os almanaques?) que o termo vem do italiano botteghino, uma espécie de mercearia e que entre nós ganhou outro significado, bem distante daquele original. 

______________

Filosofia, futebol e sexo dos anjos

Aqui, botequim vende, especialmente, álcool, nos seus diversos perfis. É lugar de encontrar pessoas, trocar ideias, jogar conversa fora, consertar o Brasil. Com mesas às vezes mal-ajambradas, costuma ser o ambiente ideal para curtir dores de cotovelo, começar novas amizades, avaliar a cultura nacional, discutir filosofia, futebol e o sexo dos anjos.  “Refúgio barato dos fracassados do amor” (conforme a canção de gosto, este sim, barato), o boteco tem atraído as atenções da literatura: Jaguar fez Confesso que bebi , 2001, e Moacyr Luz, em 2005, publicou Manual de sobrevivência nos botequins mais vagabundos.

 _______________

5Rubem BragaVinícius: tempos ruins, uísque barato

No Villarino, Rio, 1956, copo de cerveja à mão, Tom Jobim foi apresentado a Vinícius de Morais, pelo jornalista Lúcio Rangel;  o Anjo azul, em Salvador, abrigou a primeira exposição do argentino Carybé no Brasil (gostou tanto que ficou baiano!); em São Paulo, o Nick Bar, espécie de extensão do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia) virou samba-canção, cantado por Dick Farney; Rubem Braga (foto), Heitor dos Prazeres, João Cabral de Melo Neto e Vinícius, em tempos difíceis, consumiam uísque barato no Vermelhinho, Rio; Paulo Leminski chegava ao Stuart, em Curitiba, às 10 horas, e começava a beber vodca e escrever, tendo ali criado famosa frase: “O Rio é o mar; Curitiba, o bar”. Histórias de botecos.

ORESTES E SEU QUASE MARTELO AGALOPADO

A questão é tão antiga quanto o poema e o canto: letra de música é poesia? Para mim, é; para os que, de fato, entendem do assunto, não é. Manuel Bandeira (poeta que, desencantado com este mundo vasto e real, decidiu mudar-se para a imaginária Pasárgada) tinha “Tu pisavas nos astros, distraída” como o mais belo verso da língua portuguesa. E agora? O texto de Chão de estrelas, de Orestes Barbosa, poderia ser inscrito em qualquer seleção de poesia – desde que Sílvio Caldas não fizesse a “bobagem” de lhe pôr melodia. É um poema romântico, todo versado em decassílabos, acentuação quase sempre na 3ª, 6ª e 10ª – algo parecido com um martelo agalopado.
________________

7OrestesBarbosaLetras de MPB: do simples ao barroco

Muitos outros autores da MPB atingem o mesmo grau de excelência de Orestes Barbosa: Noel, Tom, Vinícius, Belchior, Caetano, Antônio Maria, Gil, Paulo César Pinheiro, Dolores Duran, Cândido das Neves, Aldir Blanc, Chico Buarque – não há como esgotar a relação, pois riquíssima é a letra de nossa canção. Da simplicidade de Caymmi (“Marina, você já é bonita com o que Deus lhe deu”) ao barroco do misterioso Otávio de Sousa (com aquele coração “pregado e crucificado sobre a rosa e a cruz do arfante peito teu”), cada um pode fazer sua escolha, em meio a diferentes estilos e idades. Para mim, isso é poesia, pois tem o impacto estético da poesia.

 _______________

Versos que assustaram Sílvio Caldas

A letra de Chão de estrelas, apresentada a Sílvio Caldas em 1941, assustou o músico. Ele achou que era impossível o público aprovar versos tão sofisticados, decassilábicos, acadêmicos, coisa mais pra ser lida em livro do que ser cantada em serenata de balcão, janela e sacada. Mas foi convencido por Orestes a musicar tais versos e gravá-los. Fê-lo com tal competência que Chão de estrelas entrou para a história da MPB como o “Hino nacional dos seresteiros”, com mais de 40 regravações de artistas de variada estirpe, de Elizeth Cardoso a Roberto Carlos, de Nelson Gonçalves a Baden Powell, Carlos Alberto, Maurici Moura (acabou o espaço, voltaremos ao tema)… No vídeo, Maysa, pondo a alma em cada sílaba, como sempre.

 

O.C.

SOBRE A MARCHA DAS VADIAS

O movimento “Marcha das Vadias” tem gerado certa polêmica. De um lado, estão os (e “as”) que concordam com a causa, mas discordam do título; do outro, mulheres (e homens também) que desejam provocar a discussão sobre o termo utilizado tantas vezes para diminuir e humilhar.

O assunto proporciona um bom debate e o espaço de comentários do PIMENTA tem recebido qualificados argumentos, de ambos os lados. A discussão é válida, pois, apesar de se ater ao termo indigesto, tem como pano de fundo uma questão mais importante e que precisa ser tratada com a maior seriedade: a violência contra a mulher.

Segue transcrito abaixo um comentário da professora Indaiara Célia, uma das organizadoras da marcha, que ela vê como um momento de reflexão (fazemos questão de receber outras opiniões, que também terão destaque neste espaço):

 

Indaiara Célia

Vadias são todas as mulheres culpabilizadas pela opressão patriarcal

 

Que tal cortar o nó górdio? Vamos pensar sobre o contexto de produção e enunciação de discursos sobre a mulher? Onde, quando, para que, por que e como são usados termos e nomes como vadia?

Quando demostramos gostar de sexo, rejeitamos um homem, saímos de casa para nos divertir, não aceitamos exploração em casa e no trabalho, denunciamos a desigualdade social, quando reclamamos do comportamento masculino, terminamos um relacionamento, não aceitamos a submissão imposta, quando nos violentam, nos estupram, quando sentimos a dor do parto e nos agridem com um: “agora aguente, não tava bom na hora do rala e rola?”, quando denunciamos a violência cometida pelo próprio estado, não aceitamos uma cantada, quando não respeitam nossa orientação sexual, quando engravidamos…

Será que não conseguimos enxergar que em todos esses casos vadia é o nome dado a vítima?! Vadias são todas as mulheres culpabilizadas pela opressão patriarcal que gera o machismo, o sexismo, a misoginia, e cujo resultado é a violência moral, psicológica, física, patrimonial e sexual.

Não esqueçamos que o patriarcado é um sistema tão poderoso e com raízes tão profundas que antecede o próprio sistema capitalista. Por isso mesmo não espero que todas as mulheres se identifiquem imediatamente como vadias, afinal, a vítima traz as marcas indeléveis da condição de oprimida e reproduz muitas vezes os mecanismos de exclusão a que estão sujeitas, visto que internalizam e naturalizam o modo de agir do opressor.

:: LEIA MAIS »

PROTESTO FEMININO NA AVENIDA

Pelo segundo ano consecutivo, a Marcha das Vadias levou seu grito para as ruas de Itabuna. Centenas de mulheres participaram da mobilização, que denuncia a violência e o machismo.

Na marcha de hoje, um dos temas lembrados foi a tentativa de homicídio cometida contra Ingrid Dantas. No dia 22 de setembro, o marido dela, Rogério Gomes, a atropelou propositalmente no centro de Itabuna (relembre). Indrid foi arrastada pelo veículo, teve os cabelos arrancados e ficou entre a vida e a morte. Sobreviveu, mas até hoje não anda por causa da violência.

De janeiro a setembro deste ano, cerca de 1.400 mulheres foram agredidas por seus maridos, ex-maridos ou companheiros na cidade.

Abaixo, algumas imagens captadas pelo jornalista Luiz Carlos Júnior durante a marcha:

MARCHA DAS VADIAS VAI PARA AS RUAS NO DIA 24

Marcha das Vadias em 2011

Mulheres de Itabuna irão mais uma vez para as ruas protestar contra o machismo e a violência. A chamada Marcha das Vadias está programada para a manhã do dia 24, um sábado, com saída do Jardim do Ó e a expectativa de repetir o sucesso do ano passado.

O evento faz parte de uma mobilização mundial que contesta a culpabilização da mulher vítima de violência. Tudo começou no Canadá, quando uma autoridade policial alertou as mulheres de que elas poderiam ser estupradas se estivessem vestidas como “vagabundas”. Segundo o Coletivo Feminista Marcha das Vadias, de Itabuna, “o protesto se insere no conjunto das lutas pelos direitos de igualdade entre os gêneros e contra todo tipo de violência e discriminação”.

O Coletivo informa que, desde a marcha de 2011, vem mantendo uma agenda permanente de militância e formação, que incluiu minicursos, palestras e oficinas temáticas em escolas e instituições de Itabuna. O grupo também esteve representado nas Conferências Municipal, Territorial e Estadual de Políticas para as Mulheres e na audiência da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre a violência contra a mulher na Bahia.

MARCHA DAS VADIAS

Do Bahia Notícias:

Na primeira vez que desfila em Salvador, a Marcha das Vadias reuniu cerca de 50 jovens mulheres que protestaram contra aspectos machistas da sociedade, como a velada culpa que é imputada às mulheres vítimas de estupro. “

Minha roupa curta não é um convite” ou “A causa do estupro é o estuprador”, diziam as faixas e cartazes espalhados pelo bloco.

Ao contrário do que aconteceu nos protestos similares pelas demais capitais do país, em Salvador não houve topless das participantes.

PIADA SOBRE ESTUPRO DEIXA RAFINHA BASTOS EM SAIA JUSTA

O humorista Rafinha Bastos, do CQC, sofre críticas do Conselho Estadual da Condição Feminina São Paulo (CECF), por causa de uma piada sobre estupro que soltou em uma de suas apresentações. No show, ele disse o seguinte: “Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra c… Tá reclamando de quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade. Homem que fez isso não merece cadeia, merece um abraço”.

A brincadeira deixou irada a presidente do CECF, delegada Rose Corrêa, que se dispôs a esclarecer e orientar o humorista sobre o trauma causado pelo estupro a uma mulher. Segundo ela, “essa forma de falar a respeito de um assunto tão sério mostra uma falta de senso, de cautela”.

Em sua defesa, Rafinha Bastos afirmou somente que “se os comediantes tiverem que responder por toda piada que fazem, não vão ter tempo pra mais nada na vida. Nem pra fazer comédia”. Com informações do site Comunique-se.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia