skip to Main Content
17 de fevereiro de 2020 | 12:51 am

MORRE PROFESSOR JORGE KRUSCHEWSKY

Tempo de leitura: < 1 minuto
Professor Jorge Kruschewsky foi vítima de infarto (Foto Reprodução).

Professor Jorge Kruschewsky foi vítima de infarto (Foto Reprodução).

O professor Jorge Kruschewsky faleceu nesta terça-feira (10), vítima de infarto. Em Itabuna, Jorge lecionou em vários colégios, a exemplo do Galileu, Jorge Amado (Coopedi) e Divina Providência. Nas redes sociais, amigos lembram do amor de Jorge pelo magistério e algumas de suas características, a solidariedade e o carinho pelo outro. Mais informações em instantes.

PISO DO MAGISTÉRIO TERÁ REAJUSTE MENOR EM 2013

Tempo de leitura: < 1 minuto

magistérioDa Agência Brasil
O valor piso salarial nacional do magistério da educação básica terá reajuste de 7,97% em 2013. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 10, pelo Ministério da Educação. Com o aumento, o valor passa de R$ 1.451 para R$ 1.567 e já será pago, por estados e municípios em fevereiro. A composição do piso leva em conta o custo anual por estudante dos últimos dois anos, calculado pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).
O reajuste do piso em 2013 não segue a tendência de aumento dos últimos dois anos, quando foi registrado 22%, em 2012, e 18%, em 2011. Segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o reajuste menor é por causa da desaceleração da economia e da queda na arrecadação de receitas. O Fundeb é um fundo contábil e composto por uma cesta de impostos e transferências estaduais e municipais, e sua vigência se estende até 2020. Por lei, pelo menos 60% dos recursos do Fundeb devem ser usados para pagamento do salário dos professores e gestores educacionais.
Leia mais

JUIZ MANDA BLOQUEAR REPASSE DO FUNDEB EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Professores querem assegurar recebimento dos salários

O juiz da 2ª Vara de Feitos de Relação de Consumo e e Comercial de Ilhéus, Eduardo Gil Guerreiro, deferiu liminar que determina o bloqueio dos repasses do Fundeb no município. A intenção é garantir o pagamento dos salários dos professores da rede pública local.

A medida foi concedida a partir de ação movida pela Associação dos Professores Profissionais de Ilhéus (APPI/APLB Sindicato), que alegou a existência de ameaça à sobrevivência dos trabalhadores.

Na decisão, Guerreiro afirma que “há fortes evidências nos autos de que a Prefeitura de Ilhéus dispõe do dinheiro para os pagamentos (dos salários), sendo que estaria inadimplente por manobra de seu gestor”.

PROFESSORES ANUNCIAM NOVA PARALISAÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Rui Oliveira, presidente da APLB, promete mais uma paralisação

Depois de paralisar as atividades nas duas últimas terças-feiras (ontem e na semana passada), professores da rede estadual prometem novo esvaziamento das salas de aula para o dia 13 de dezembro. A categoria discorda das regras definidas para o reajuste salarial aprovado segunda, 25, pela Assembleia Legislativa.

A lei aprovada prevê aumento de 14%  (7% este mês e mais 7% em março do ano que vem), conforme fora acertado durante a greve de 115 dias, encerrada em agosto. O problema é que a elevação não contempla aposentados e pensionistas, como exige a categoria. Segundo o governo, a questão é que a proposta aprovada não materializa um plano de reajuste, mas de carreira, que só atende a quem se encontra na ativa.

A Secretaria Estadual da Educação esclarece que todos os professores licenciados e contratados, ainda que tenham sido deslocados para escolas de redes municipais, serão beneficiados com a promoção.

CAOS NA EDUCAÇÃO EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

A forma como a Prefeitura de Ilhéus trata a educação acusa uma absurda falta de compromisso com o futuro da cidade. Iniciado o ano letivo, muitas escolas permanecem como estavam nas férias – ou seja, sem aulas – porque não há professores. Em outras, como as da Ponta da Tulha, não há sequer energia elétrica, cortada há mais de dois meses por falta de pagamento.
Informações que chegam a este blog dão conta de que muitos professores aprovados em concurso para dar aula na zona rural ficam só um tempo, o suficiente para que algum padrinho político consiga posto mais confortável, de preferência no centro da cidade ou nos bairros mais próximos. O resultado disso é que a falta de professores atinge principalmente as salas de aula dos distritos e povoados mais distantes.
A Secretaria Municipal de Educação diz que vai convocar 32 professores ainda para este ano letivo. Estima-se que esse número esteja muito aquém da necessidade, que seria de mais ou menos 150 profissionais. Um quadro inaceitável e irresponsável, que exige ação dura do Ministério Público.

Back To Top