WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba



policlinica





outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

editorias






:: ‘Marcos Luedy’

PAULO HENRIQUE AMORIM, SÍLVIO SANTOS, ROBERTO MARINHO E ADOLPHO BLOCH

marivalguedesMarival Guedes | [email protected]

 

A outra história aconteceu com o próprio autor, quando estava desempregado. Ele conta que recebeu ligação telefônica de Hebe Camargo, “com quem sempre manteve relações afetuosas”.

 

O jornalista Paulo Henrique Amorim deu um show de conhecimento, ironia e criatividade no lançamento do seu novo livro, O Quarto Poder – Uma Outra História

Com maestria, relatou acontecimentos. Alguns estão no livro, escolhi dois, independente do grau de importância em relação aos outros.

Quando Brizola se elegeu governador, construiu o sambódromo e decidiu escolher a emissora que faria a cobertura do carnaval por meio de licitação. Boni, diretor da Globo, num vacilo, não participou e a Manchete ganhou a exclusividade.

Roberto Marinho ficou retado com Brizola e com Boni e com o dono da Manchete, Adolpho Bloch. Tentando reduzir os danos, telefonou para Bloch, com o objetivo de propor um pool para a transmissão. Mas não era atendido. Bloch mandava dizer que não estava.

Anos depois, a Manchete “quebrou”. Adolpho Bloch foi à Globo pedir ajuda. Esperou duas horas e, quando atendido, foi logo adiantando:

– Roberto, a Manchete faliu e só você pode me salvar.

– Adolpho, há dez anos estou esperando você retornar aqueles telefonemas. Passar bem.

E Bloch foi conduzido para a saída pela secretária de Roberto Marinho.

A outra história aconteceu com o próprio autor, quando estava desempregado. Ele conta que recebeu ligação telefônica de Hebe Camargo, “com quem sempre manteve relações afetuosas”.

– Paulo Henrique, estou aqui na sala do Silvio. Estou dizendo a ele que você topa vir pra cá. Você toparia?

– Claro Hebe, estou desempregado. A vida é dura.

-Viu Silvio, ele topa! Fala com ele, Silvio.

Silvio pega telefone:

– Olá, Paulo Henrique, eu gosto muito do seu trabalho. Muito mesmo. Mas eu gosto do seu trabalho na televisão dos outros.

Caso semelhante aconteceu no jornal A Tarde na década de 80. Os jornalistas Benedito Simões, Marcos Luedy e Luiz Guilherme Tavares faziam free-lance. Em função da qualidade, o chefe de redação sugeriu a contratação do trio.

O diretor Jorge Calmon, “direitista até a medula”, foi curto e sincero com eles:

– Aqui vocês jamais serão contratados.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

LUEDY TORNA-SE FENÔMENO NA INTERNET COM POESIA DAS MÃES

Poesia teve mais de 2 milhões de visualizações.

Poesia teve de Luedy (foto abaixo) mais de 2 milhões de visualizações.

Luedy se diz surpreso com sucesso de poema.

Viviane Cabral

O poeta itajuipense Marcos Luedy alcançou a surpreendente marca de mais de 2,3 milhões de visualizações, no Facebook, com um poema em homenagem ao Dia das Mães. Além das pessoas alcançadas, a poesia está sendo compartilhada por mais de 43 mil pessoas e comentada por um número aproximado de 22 mil leitores.

Os números continuam subindo. O autor tem uma página literária na internet – Marcos Luedy Poeta e Convidados – há menos de um ano e, publica semanalmente seus poemas em mais de 350 comunidades de letras do Brasil e do exterior. Lançou, recentemente, o livro O Silêncio e as Palavras e outros poemas, em Itajuípe, Itabuna e Salvador (Bahia).

Marcos Luedy se diz surpreso com o fenômeno. “Esperava uma boa quantidade de acessos, mas nunca nessa dimensão”. A administradora da Comunidade Literária Célia’s Célia, Célia Lino, de São Paulo, afirmou que “a qualidade poética do artista já é reconhecida no Brasil inteiro, então não me admirei com esse sucesso”. Ela garante que o poema também repercutiu bem nas comunidades brasileiras nos Estados Unidos e em vários países da Europa.

Cleusa Maria Gonzalez, de Florianópolis, destaca a importância do trabalho poético do autor como uma das grandes revelações da poesia nacional: “Aqui em Floripa temos um grupo de admiradores de Luedy já trabalhando na divulgação do seu trabalho”. O autor já está com seu segundo livro sendo editado para lançamento em setembro.

ESCRITORES LANÇAM LIVROS DE POESIA E SUSTENTABILIDADE NA QUINTA

Andréia, Luedy e Lavigne lançam livros na quinta, em Itabuna.

Andréia, Luedy e Lavigne lançam livros na quinta, em Itabuna.

Os escritores Marcos Luedy, Geraldo Lavigne de Lemos e Andréia Quinto dos Santos lançam livros em Itabuna, na próxima quinta-feira (22), às 18 horas, na Livraria Nobel, na Rua Paulino Vieira, centro de Itabuna. As obras foram publicadas pela Editora Mondrongo. Os livros nascem do empenho de cada autor e do esforço da editora, que tem como princípio valorizar e publicar os bons valores da literatura baiana contemporânea. As obras de Marcos e Geraldo são de poesia. Já a de Andréia, que é bióloga e professora, traz uma série de artigos relacionados à preservação do meio ambiente.

O silêncio & As palavras, de Marcos Luedy, trata, segundo o autor, de um trabalho gestado há três gerações, sintetizado em impressões e expressões substancialmente inquietas do viver e sentir humano. A obra possui apreciações críticas da professora e crítica literária Maria de Lourdes Netto Simões, e de Gustavo Felicíssimo, escritor e editor da Mondrongo.

Já a obra de Geraldo Lavigne de Lemos, possui um inusitado projeto gráfico que reúne dois livros em um mesmo volume. De um lado, tem-se o livro Amenidades, do outro Alguma sinceridade, ambos com capa elaborada pelo artista plástico Rafael Pita. No centro da obra, onde um e outro livro se encontram, há um texto crítico do poeta e teórico capixaba Jorge Elias Neto. Os livros contam ainda com prefácios de André Rosa e Baísa Nora.

O livro Sustentabilidade: uma questão de consciência, da bióloga e professora Andréia Quinto dos Santos, é o primeiro publicado pela Mondrongo com artigos relacionados ao meio ambiente e preservação ambiental. Nele, a autora toca em assuntos relevantes, como gestão ambiental, política ambiental no Brasil, negócios sustentáveis, entre outros de enorme relevância para a preservação do ecossistema do planeta. Os livros estarão a venda por valores promocionais que variam entre R$ 25,00 e 30,00, cada.

Obras serão lançadas na Livraria Nobel.

Obras serão lançadas na Livraria Nobel.

LUEDY LANÇA NOVA OBRA POÉTICA

Luedy lança obra poética em sua cidade natal.

Luedy lança obra poética em sua cidade natal.

Mais de cem pessoas prestigiaram o lançamento do livro O silêncio e as palavras e outros poemas, do poeta e jornalista Marcos Luedy, em Itajuípe, em evento que também reuniu a mostra Mulher – Poema Divino, da artista plástica Meire Nogueira com o tema “Mulher. Lideranças políticas, religiosas, professores, estudantes e amantes da literatura e pintura ainda assistiram à apresentação de atores locais declamando trechos do livro do poeta itajuipense.

Marcos Luedy foi o vencedor do Concurso Regional de Contos promovido pela Ceplac/Uesc em 1976 e articulador do movimento poético BaldeAção, em Salvador, em 1979. Também organizou três livros socioambientais publicados pelo Centro de Recursos Ambientais – CRA do Governo do Estado da Bahia, entre os anos de 2003 a 2006. Fez Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela UESC e, atualmente, elabora projetos socioambientais e culturais para a iniciativa privada e pública.

MARCOS LUEDY LANÇA “O SILÊNCIO E AS PALAVRAS”

Luedy lança obra na quinta.

Luedy lança obra na quinta.

O poeta e jornalista Marcos Luedy lança O Silêncio e as Palavras e outros poemas, na próxima sexta-feira (19), às 19 horas, no Salão Paroquial da Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus, em Itajuípe. O lançamento terá declamações de poemas do livro feitas por atores regionais e mostra de pinturas da artista plástica Meire Nogueira.

Vencedor de concurso regional de contos promovido pela Ceplac e Uesc e articulador do movimento poético BaldeAção, em Salvador, em 1979,  Luedy, atualmente, elabora projetos socioambientais e culturais para a iniciativa privada e pública.

Maria de Lourdes Netto Simões (Tica Simões) escreve no prefácio da obra que O Silêncio e as Palavras e outros poemas “se realiza em tempos diversos de enunciação, onde a voz de Marcos Luedy se expressa de forma pluri, por caminhos labirínticos”. “Mas o certo é que todos os ‘tons’ de sua voz poética traduzem a força do seu ser inquieto, do seu estar na vida, do seu sensível olhar sobre o mundo”.

Gustavo Felicíssimo, da Editora Mondrongo, enxerga na obra “uma poesia culta, que celebra a vida e o estar do homem no mundo, uma poesia muitas vezes reflexiva, outras vezes cáustica na medida em que desvela o ser humano ensimesmado, egocêntrico, perdido dentro do seu tempo e na busca insólita pela reificação, pelo humanismo olvidado”.

UNIVERSO PARALELO

“DEPOIS DE LONGO E TENEBROSO INVERNO”

Ousarme Citoaian

Livre da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), em que amargou uma quase hibernação de seu fazer literário (o lugar-comum costuma chamar a isto de “longo e tenebroso inverno”), o escritor Cyro de Mattos emerge nesta primavera com toda força. Digo isto porque na mesma semana leio lúcido artigo seu n´A Tarde, vejo notícia do lançamento do livro 21poemas de amor e ouço falar dos primeiros movimentos da Academia de Letras de Itabuna (Alita),  da qual ele é o principal inspirador. Sobre o livro, que ainda não vi, e a Alita, que sequer teve tempo de dizer a que veio, me calo. Cito o artigo, sobre cultura, que “não se vê nem se pega, mas precisamos dela para sobreviver”.

OS SIGNOS CULTURAIS DÃO SENTIDO À VIDA

Preceitua o autor de Cancioneiro do cacau: “Cultura é uma rede de significados que dão sentido ao mundo. A religião, a culinária, o vestuário, o mobiliário, as formas de habitação, os hábitos à mesa, as cerimônias, o modo de relacionar-se com os mais velhos e os mais jovens, com os animais e com a terra, os utensílios, as técnicas, as instituições sociais (como a família) e políticas (como o Estado), os costumes diante da morte, a guerra, o trabalho, as ciências, a filosofia, as artes, os jogos, as festas, os tribunais, as relações amorosas, as diferenças sexuais e étnicas, tudo isso constitui a cultura como invenção da relação dos seres humanos com o outro”.

INCULTOS, SOMOS FRÁGEIS, “GADO HUMANO”

Em defesa do Museu Jorge Amado, argumenta Cyro que “um povo sem cultura é frágil, não percebe de onde veio nem para onde vai, vive à deriva, ou como gado humano”. Ele salienta que os imediatistas não exaltam esses valores, “só concebem a vida através dos meios materiais”. Entendem que “cultura não é base do equilíbrio social, meio para combater a pobreza” – é “pura distração, curtição, futilidade, ornamento”. Para essa gente, segundo o poeta, “a vida é produção e troca de valores materiais, empreendimento e lucro”. O museu também ajudaria as pessoas a “distinguir entre o bom e o ruim, o ético e o demagogo, a verdade e a mentira”. Falou e disse Cyro de Mattos.

MARCOS SANTARRITA, ITAJUÍPE NA FICÇÃO

O crítico Jorge de Souza Araujo, em Floração de Imaginários (espécie de quem é quem no romance baiano no século XX) disseca os (sete) romances de Marcos Santarrita (1941-2011) – e de outros 76 autores!  E diz que Danação dos Justos (1977) “movimenta danados por toda uma geografia humana e física, centralizando em Itajuípe as complexidades de seres existencialmente incompletados”.  Locus onde se formou a mitologia de Santarrita, “pano de fundo aparentemente imóvel, a cidade também é persona” da narrativa que impressionou Ernesto Sábato (1911-2010): “Senti que em alguma constelação distante fomos irmãos de leite”, disse o escritor argentino, a respeito de Danação dos Justos.

UM ESCRITOR “SEM PACTO COM AS SOMBRAS”

Danação… recebeu muitos elogios, incluindo de Jorge Amado, que o saudou como “um dos mais belos romances brasileiros dos últimos tempos”. Voltemos a Jorge, o de Souza Araujo (e Floração de Imaginários/Via Litterarum/2008), que destaca A Solidão do Cavaleiro no Horizonte (1978) e dá pistas sobre o romancista falecido no dia 5 de outubro. A Solidão…  – que forma com A Juventude Passa e Lady Luana Savage uma trilogia sobre a ditadura militar, “confirma, técnica e conteudisticamente, a precisa retórica narrativa de Marcos Santarrita”. Ainda Jorge Araujo sobre A Solidão…: “Faria Ernesto Sábato repetir o que disse a propósito de Danação dos Justos, porque se inscreve na mesma família dos que não pactuam com as sombras”.

ITAJUÍPE ACOLHE O SORRISO DO SEU FILHO

Santarrita alimentava, secretamente, uma frustração: reconhecido no Brasil, era estranho em Itajuípe. Queria ser profeta na própria terra. Sabendo disso, seu amigo Antônio Lopes propôs à professora Silmara Oliveira e ao jornalista Marcos Luedy (todos na foto) uma festa, em 2001, com Título de Cidadão e placa na casa onde o escritor viveu na infância, à beira do rio Almada. Silmara e Luedy, com suor e lágrimas, conseguiram que a Câmara aprovasse o título, o prefeito Paulo Martinho autorizasse as despesas (estadia e passagens, para o homenageado e Aldinha, sua mulher). A Caixa Econômica pagou a placa, Lopes fez a saudação a Santarrita – e este ficou muito feliz. Nunca soube quem, de fato, organizou sua festa, nem os entraves que Silmara e Marcos Luedy enfrentaram.

COMENTE! » |

RANCHO DAS FLORES CHEGA A SEIS PAÍSES

Por compromisso assumido, apresentamos outro vídeo dos mais populares da coluna (a idéia é mostrar os três primeiros colocados): o de hoje é Rancho das flores, postado em 15 de setembro de 2010 (com a voz de Fagner). É o segundo da lista, tendo recebido 3.422 visitas, até quando postamos esta nota. No item “popularidade regional” (seja lá o que isto signifique), nosso clipezinho teve 73% de visitantes no Brasil, 14% em Portugal, 7% na Argentina e 6% pulverizados pela Costa Rica, Sri Lanka, Venezuela, Chile e Espanha. Nada ruim, para o vídeo de coluna de amenidades que nunca aspirou a notoriedade internacional. Rancho…  já nasceu destinada a romper fronteiras.

PARA VINÍCIUS, BACH ERA POP E NÃO SABIA

À comovente letra de Vínícius junta-se a melodia de um compositor alemão de muito prestígio, ninguém menos do que o velho e sisudo Johann Sebastian Bach (foto).  Se a Cantata 147 (mais conhecida como Jesus, alegria dos homens) já possui forte apelo no público mais “culto”, Vinícius colocou o “parceirinho” ao alcance das massas. Como a melodia é de 1716 e os versos foram lançados em 1961, os dois estariam separados por 245 anos – mas não estão.  Estão casados, como feitos um para o outro. Baden Powell conta que, ao saber dessa “heresia” que Vínicius teria cometido contra o sacro alemão, ouviu do poetinha outra irreverência: “Eu descobri que Bach é o titio da marcha-rancho brasileira”. Mas não sabia.

BACH NÃO TEVE TEMPO PARA OUVIR VINÍCIUS

É um momento mágico poder-se cantar “o milagre do aroma florido” de Vinícius sobre a música de um artista do século XVII. O poeta parece se superar a cada verso (e a cada flor), com este destaque de intenso lirismo: “Olhem bem para a rosa/Não há mais formosa/É flor dos amantes/É rosa-mulher/Que em perfume e em nobreza/Vem antes do cravo/E do lírio e da hortência/E da dália e do bom crisântemo/E até mesmo do puro e gentil malmequer”. Um crescendo de (literalmente) tirar o fôlego. É pena que Bach não viveu mais dois séculos e meio para ouvir isto – aposto que ele aprovaria o ousado parceiro. A gravação de Fagner (do CD Fortaleza/2000) é das mais cultuadas.

(O.C.)






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia