WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias






:: ‘mata atlântica’

IBAMA ENCONTRA 250 HECTARES DE ÁREA DESMATADA NO SUL E EXTREMO-SUL DA BAHIA

Destruição da Mata Atlântica|| Foto Ibama

O Ibama detectou, durante a operação Mata Viva realizada de junho a agosto, a supressão de 257,9 hectares de Mata Atlântica em municípios do sul e extremo-sul do estado. Foi constatada a eliminação de mata em 32 dos 49 polígonos com indicativos de desmatamento.

O monitoramento foi realizado nos municípios de Canavieiras, Santa Luzia, Una, no sul da Bahia; e Alcobaça, Guaratinga, Jucuruçu, Itamaraju e Medeiros Neto, no extremo-sul. De acordo com o Ibama, foi verificado que houve supressão de Mata Atlântica em diversos estágios e regeneração. Além do trabalho de campo, a destruição foi detectada via imagens de satélite do Núcleo de Geoprocessamento da Unidade Técnica do Ibama, em Eunápolis.

Durante a operação, os fiscais emitiram 21 autos de infração, que somam R$ 1,4 milhão. Além disso, foram apreendidas 32 aves, cinco carcaças de animais silvestres (tatus, porco do mato e paca).

CABRUCA E CACAU CABRUCA, MELHOR SAÍDA PARA O RURAL SUL-BAIANO

Wallace Setenta || catongo70@gmail.com

 

O “novo preconizado” [repetindo a forma original de plantio] tinha agora como método predominante para sua expansão a “derruba total da mata nativa” para o plantio dos novos cacauais, mas numa perspectiva monocultural, produtivista e hierarquizada voltada unicamente para produção em escala [grandes volumes] visando apenas a exportação de bagas.  

 

Construímos o mundo em que vivemos durante as nossas vidas. Por sua vez, ele também nos constrói ao longo dessa viagem comum. Assim, se vivemos e nos comportamos de um modo que trona insatisfatória a nossa qualidade de vida, a responsabilidade cabe a nós. (Maturana, H. R.). 

A história das chamadas relações entre sociedade e natureza é, em todos os lugares habitados, a da substituição de um meio natural, dado a uma determinada sociedade, por um meio cada vez mais artificializado, isto é, sucessivamente instrumentalizado por essa mesma sociedade (Santos, M.). As modalidades dessas relações estabelecidas no sul da Bahia deram origem à CABRUCA, designação como é conhecido o Sistema Agrícola Tradicional Cabruca [SAT Cabruca], principiado e constituído há mais de 250 anos num ambiente natural de Mata Atlântica.

“Não foram os efeitos de braços estranhos, não o ouro de abastadas bolsas, não foi o amparo de governos fortes, mas a constância de modestos homens, a intrepidez do trabalhador patrício, cujo o único capital constituía nos seus braços, quem a fez triunfante”. (Bondar, G.)

Muitas outras denominações da Cabruca são habitualmente empregadas em função das especificidades locais onde se assentam: cabroca; cacau no brocado; brocado; cacau tradicional; cacau do jupará; cacau na mata; mata produtiva; agrossistema tradicional; cacau sob mata raleada, e mais recente como cacau cabruca ou como sistema agroflorestal tipo cabruca.

A evolução dinâmica desse processo de trabalho [cabruca] inovador, em permanente construção, continua sendo reinventado progressivamente frente às constantes mudanças nos contextos sociais e econômicos, técnicos e ambientais possibilitado pelo entrelaçamento harmônico em meio a cabruca [como processo trabalho]; o Bioma Mata Atlântica [meio natural]; e a sociedade local [como indutora e de forte conotação de conteúdo coletivo]. O conceito cabruca [conservação produtiva] concilia e viabiliza portanto as relações de produção, da “roça ao chocolate”, tendo como protagonista principal o produtor de cacau [como agente social] – sobre os ombros do qual a crise se avoluma.

Clique no “leia mais”, a seguir, para conferir o artigo na íntegra: :: LEIA MAIS »

É TEMPO DE COLHER

rosivaldo-pinheiroRosivaldo Pinheiro | rpmvida@yahoo.com.br

 

Entramos no ano 2000 com a energia da luta, buscamos diversificar a produção agrícola, implantar serviços de educação, melhorar a prestação dos serviços de saúde, começamos a investir em indústrias de pequeno porte e outras iniciativas.

 

Vivemos numa região que possui um dos biomas mais importantes do Brasil, a mata atlântica – muito rica em fauna e flora. Essa conservação só foi possível devido ao sistema de produção cabruca, que consiste em consorciar exploração econômica e conservação ambiental.

A produção do cacau permitiu reconhecimento social e poder político-econômico para os produtores do fruto. Se cacau era sinônimo de dinheiro, proprietário rural nessa região ganhava destaque social em qualquer lugar do país e até internacionalmente. As obras de Jorge Amado trazem esse retrato histórico.

A quebra da bolsa de Nova Iorque, em 1929, afetou o comércio mundial e estabeleceu dificuldades na nossa economia até o final da década de 1950. Nesse período, após uma intensa luta junto aos poderes da República, a região viu nascer a Ceplac, em 1957, e recebeu uma atenção diferenciada a partir de 1961, quando foi implantada a taxa de retenção de exportação do cacau que formou o orçamento da Ceplac, o que permitiu que a instituição implantasse a extensão rural e investisse no escoamento da produção. A taxa era de 15% sobre a amêndoa e 5% sobre os derivados de cacau.

Em 1970, o cacau representou 60% da arrecadação estadual. Financiou, inclusive, a folha de pagamento do estado da Bahia e fomentou a construção do Centro Industrial de Aratu e do Polo Petroquímico de Camaçari. A partir de 1972, a taxa de retenção foi unificada em 10% – tanto amêndoas como derivados. Em 1980, uma série de fatores influenciaram negativamente na cadeia produtiva do cacau: perdemos importância na pauta de arrecadação do estado frente aos produtos de alta tecnologia produzidos no Polo Petroquímico de Camaçari, o fortalecimento da concorrência dos países africanos e nosso peso na pauta de exportação brasileira foi reduzido.

Todos esses acontecimentos propiciaram ao governo brasileiro cortar a taxa de retenção. Além disso, tivemos uma superprodução de cacau na safra 1984/1985, forçando ainda mais a queda dos preços e empurrando os produtores de cacau para a crise. Como se não bastasse tudo isso, em 1989 surgia em Uruçuca um fungo capaz de dizimar a lavoura, a vassoura-de-bruxa. Diante daquelas circunstâncias, e após muitas cobranças e críticas por parte da comunidade da região sul, o governo estadual, em resposta, criou o Instituto Biofábrica de Cacau em 1997. O IBC nasceu com o objetivo de produzir mudas melhoradas geneticamente e servir de estrutura de apoio permanente à lavoura.

Chegamos a 1990, década em que a região cacaueira conheceu a sua maior queda econômica: mergulhamos num estado de penúria, o que gerou o quase abandono das propriedades por parte dos fazendeiros e demissão em massa dos trabalhadores rurais. Estima-se que mais de 250 mil trabalhadores trocaram o campo pelas cidades. Um grande contingente de homens, mulheres e crianças chegaram sem perspectivas às cidades, buscando sobreviver àquele estado de caos social. As cidades não estavam preparadas, principalmente Itabuna, Ilhéus e Porto Seguro: saúde, educação, segurança, mobilidade e urbanização foram afetados.

Não existia capacidade de atendimento do fluxo, nem capacidade financeira para prover ações de acolhimento para essas pessoas. Esse contingente humano ficou à margem e teve que se estabelecer nas periferias das cidades. Entramos no ano 2000 com a energia da luta, buscamos diversificar a produção agrícola, implantar serviços de educação, melhorar a prestação dos serviços de saúde, começamos a investir em indústrias de pequeno porte e outras iniciativas.

Nos últimos anos, uma articulação dos governos estadual e federal trouxe a esperança de entrarmos num novo ciclo econômico. A construção da barragem do Rio Colônia, um novo hospital regional, prestes a ser inaugurado, a Ferrovia Oeste-Leste, que está parada com quase 70% concluída, o Porto Sul – ainda travado por questões burocráticas, um novo aeroporto, que está para ter obras iniciadas, uma universidade federal já em funcionamento e a duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna, cuja ordem de serviço será assinada na próxima segunda-feira pelo governador Rui Costa, um sonho que a região espera há quase 50 anos. O governo Rui vem se esforçando e realizando as obras que estavam na expectativa da região.

Como tudo na vida, a crise, apesar de negativa, também deixou legados importantes: uma região mais forte para enfrentar as turbulências, a estadualização da UESC – sem a crise econômica o estado não absorveria a instituição no seu orçamento, e o acesso à terra, algo antes difícil e que trouxe à tona o movimento da agricultura familiar nessa região. A produção de chocolate surge como um novo pensar, fruto da chegada de novos agricultores para a cadeia do cacau, o incremento de novos modos de produção e beneficiamento do cacau, e o uso de tecnologias através do melhoramento genético fazem parte dessa mudança.

Precisamos estruturar novas lutas: ampliar e melhorar a nossa representação política em nível estadual e federal, fortalecer a Ceplac, fazer o governo do estado dotar a Biofábrica de condições financeiras para a manutenção do seu quadro técnico e do cumprimento do seu papel de fortalecimento da agropecuária do Sul e Extremo Sul da Bahia. Um novo ciclo está por vir, dele, depende a nossa energia e luta. Nossa região irá se superar e os seus filhos vencerão o dilema identificado pelo saudoso professor Selem Rachid: “a pobre região rica”. Avante!

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades pela Uesc.

MUNICÍPIOS DO SUL DA BAHIA LIDERAM DESMATAMENTO NA MATA ATLÂNTICA

Municípios sul-baianos lideram desmatamento na Mata Atlântica (Arquivo Agência Brasil).

Municípios sul-baianos lideram desmatamento na Mata Atlântica (Arquivo Agência Brasil).

– ILHÉUS E PORTO ESTÃO ENTRE LÍDERES DE DESMATAMENTO

O desmatamento na Mata Atlântica cresceu 57,7% em um ano, entre 2015 e 2016, quando o bioma perdeu 29.075 hectares, o equivalente a mais de 29 mil campos de futebol. O número foi apresentado nesta segunda (29) pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No período anterior (2014-2015), o desmate no bioma havia sido de 18.433 hectares. Segundo a diretora executiva da SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota, há 10 anos a área, que se espalha por 17 estados, não registrava um desmatamento dessas proporções.

– O que mais impressionou foi o enorme aumento no desmatamento no último período. Tivemos um retrocesso muito grande, com índices comparáveis aos de 2005 – disse.

No período de 2005 a 2008, a Mata Atlântica perdeu 102.938 hectares de floresta, ou seja, média anual de 34.313 hectares a menos.

BAHIA LIDERA DESMATAMENTO

Em 2015-2016, a Bahia foi o estado onde houve mais desmatamento, com 12.288 hectares desmatados, 207% a mais que no período anterior, quando foram destruídos 3.997 hectares de vegetação nativa.

Os municípios baianos de Santa Cruz Cabrália e Belmonte lideram a lista dos maiores desmatadores com 3.058 hectares e 2.119 hectares, respectivamente. Se somados aos desmatamentos identificados em outras cidades do Sul da Bahia, como Porto Seguro e Ilhéus, cerca de 30% da destruição do bioma no período ocorreu nesta região.

“Essa região é a mais rica do Brasil em biodiversidade e tem grande potencial para o turismo. Nós estamos destruindo um patrimônio que poderia gerar desenvolvimento, trabalho e renda para o estado”, avaliou Marcia.

:: LEIA MAIS »

INOVAÇÃO NO CACAU DA MATA ATLÂNTICA

Eduardo AthaydeEduardo Athayde | eduathayde@gmail.com

 

A Fazenda Futuro, localizada em Buerarema, base das pesquisas do WWI no final do século passado – e agora cliente do CIC -, está sendo usada por pesquisadores parceiros do WWI, da floresta urbana de Nova Iorque e do Smithsonian Institute como referência para um projeto piloto de fazenda do futuro, conectado com universidades e centros de pesquisas do mundo.

Quando o WWI-Worldwatch Institute, na virada do milênio, publicou internacionalmente estudo sobre a mata atlântica da região cacaueira da Bahia, batizando-a de “Floresta de Chocolate”, única no mundo, onde a matéria prima do chocolate é produzida com recordes de biodiversidade no planeta, registrado pelo Jardim Botânico de Nova Iorque, a prefeitura nova-iorquina iniciava o levantamento de cada uma das suas 683.113 árvores.

Hoje, os cidadãos de Nova Iorque conhecem o valor econômico individual das suas árvores, sabem que cada uma reduz a temperatura sob sua copa em cinco graus centígrados, joga no ar 150 mil litros de água por ano e produzem serviços anuais avaliados em US$111 bilhões [tree-map.nycgovparks.org]; um padrão que está sendo seguido por várias cidades do mundo que plantam florestas urbanas visando a melhoria do ar, do clima local e da qualidade de vida dos seus cidadãos.

Com a força das redes sociais, o mundo parece ter ficado pequeno e a biodiversa Mata Atlântica, antes pouco percebida (ainda não valorada), vem recebendo influência direta dessas inovações. O Centro de Inovação do Cacau (CIC), por exemplo, que será inaugurado [hoje] na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, é a parte concreta do projeto do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia, idealizado conjuntamente pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Ceplac, Uesc, Secti, Instituto Arapiaú e outras instituições.

Focando a cadeia produtiva do cacau e a economia florestal, o CIC, formado por acadêmicos e empresários, analisará propriedades físico-químicas do cacau e do chocolate, a qualidade de sementes e mudas das biofábricas de essências da mata atlântica, fomentando a indústria do reflorestamento que, cobiçada por investidores, floresce impulsionada pelo robusto mercado financeiro internacional interessado em ativos florestais.

Na era da “eco-nomia”, oficializada pelo Acordo de Paris e já legalmente adotada pelo Brasil, a preservação, além de uma imperiosa necessidade, passou a ser analisada também por parâmetros econométricos da precificação e monetização (restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030 – bit.ly/2cHvxT8). Observando o senso de oportunidade, o CIC nasce como elo local desta inovadora rede global, posicionando-se, com linguagem nova, como uma espécie de “porta USB” de alta velocidade aberta a conexões de pesquisa, geração de conhecimento e econegócios.

Integrado a iniciativas como a Plataforma Brasileira sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (bpbes.net.br), que tem a missão de produzir conhecimento científico e saberes tradicionais sobre biodiversidade e serviços ecossistêmicos – onde o cacau se inclui -, o CIC nasce como parceiro natural do Programa Fapesp de Pesquisa em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (BIOTA-FAPESP), apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e alinhado com a
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que lançou a Campanha da Fraternidade 2017 com o tema “Biomas Brasileiros e a Defesa da Vida”.

A imaginação é mais importante que o conhecimento, afirmava Albert Einstein. Nesta linha, a Fazenda Futuro, localizada em Buerarema, base das pesquisas do WWI no final do século passado – e agora cliente do CIC -, está sendo usada por pesquisadores parceiros do WWI, da floresta urbana de Nova Iorque e do Smithsonian Institute como referência para um projeto piloto de fazenda do futuro, conectado com universidades e centros de pesquisas do mundo.

Com a quebra de fronteiras e os espaços abertos pelas redes sociais, a região cacaueira, imaginada como Floresta de Chocolate, vive um momento de mudanças intensas observadas na metáfora da crisálida, quando a lagarta não mais existe, e a borboleta ainda não nasceu.

Eduardo Athayde é diretor do WWI-Worldwatch Institute.

ARTIGO DE PROFESSORES DA UESC É CAPA DA REVISTA “ECOLOGY”

Deborah e José Carlos desenvolveram estudo sobre mata atlântica (Fotomontagem Pimenta).

Deborah e José Carlos desenvolveram estudo sobre mata atlântica (Fotomontagem Pimenta).

Um estudo desenvolvido pelos professores José Carlos Morante Filho e Deborah Faria, ambos doutores e membros do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), foi capa da Ecology, edição de dezembro. A publicação é das revistas mais prestigiadas na área de ecologia em todo o mundo. José Carlos e Deborah são pesquisadores do Laboratório de Ecologia Aplicada à Conservação (LEAC) da universidade pública sul-baiana.

O trabalho dos pesquisadores mostra, através da construção e teste de um complexo modelo de interações ecológicas, que o desmatamento da Mata Atlântica leva a um aumento no dano foliar causado por insetos”, opina a professora Fernanda Gaiotto. De acordo com os autores do estudo, esse efeito ocorre porque, quando uma determinada região é desmatada, a floresta que resta sofre profundas modificações em consequência da perda de árvores grandes e altas.

Os professores José Carlos Morante Filho e Deborah Faria assinalam que “em particular, a floresta se torna mais fina, mais baixa e mais rala, e este novo ambiente favorece a proliferação de populações de insetos herbívoros que consequentemente aumentam o consumo de plantas”. O trabalho mostra, com clareza, a maneira pela qual o desmatamento modifica determinados processos ecológicos que são importantes para o funcionamento das florestas tropicais.

Neste estudo, o aumento do dano foliar causado pelos insetos herbívoros pode ainda influenciar a regeneração das populações de plantas e de toda a floresta, uma vez que, para crescerem e reporem os adultos, estas plantas terão que vencer a pressão de consumo imposta pelos insetos.

Esta pesquisa foi desenvolvida dentro da Sisbiota, uma rede de pesquisa financiada pelo CNPq e coordenada pela doutora Deborah Faria, e contou com a colaboração de pesquisadores de universidades do México, Holanda e Alemanha.

São coautores do trabalho, publicado no volume 97 da revista Ecology , de 12 de Dezembro de 2016, nas páginas 3315 a 3325, os doutores Víctor Arroyo-Rodríguez, do Instituto de Investigaciones en Ecosistemas y Sustentabilidad, Universidad Nacional Autónoma de México, Morelia, Michoacán, México; Madelon Lohbeck, do Floresta Ecologia e Grupo de Gestão Florestal, Universidade de Wageningen, Países Baixos e Teja Tscharntke, do Agroecologia, Georg-August-Universidade de Göttingen, Alemanha.

ALUNO DA UESC É PREMIADO COM TRABALHO SOBRE PERDA DE CARBONO NA MATA ATLÂNTICA

Ramiris, à esquerda, teve trabalho premiado em evento internacional.

Ramiris, à esquerda, teve trabalho premiado em evento internacional.

Jonildo Glória

O estudante Ramiris Moraes, do doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade, da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), teve seu trabalho premiado na primeira edição da School of Advanced Science on Nitrogen Cycling, em São Paulo. Em seu trabalho, Ramiris discutiu como a perda de floresta pode alterar a dinâmica de nutrientes na Mata Atlântica.

O pôster apresentado sugere que a porcentagem de floresta numa determinada área é um forte descritor das mudanças no estoque de carbono. O doutorando apontou que as áreas com elevado índice de desmatamento perderam aproximadamente 80% dos seus estoques de carbono, se comparadas com áreas mais conservadas.

O trabalho ainda alertou para a possibilidade de essa alteração afetar o carbono do solo, o que seria mais um fator de emissão de CO2 para a atmosfera. Durante o evento, foram apresentados 105 trabalhos de estudantes de vários países, dentre os quais apenas seis receberam o referido prêmio.

FOGO AMEAÇA MAIS DE 2 MIL HECTARES DE MATA ATLÂNTICA EM ILHÉUS

Bombeiro combate foco de incêndio em área de Mata Atlântica.

Bombeiro combate foco de incêndio em área de Mata Atlântica.

Do Blog do Gusmão

O Sul da Bahia passa por um período de seca. O baixo nível dos rios e reservatórios pode causar colapso no abastecimento de água em Itabuna. Apesar desses problemas, as autoridades do governo do estado ainda não perceberam a gravidade do incêndio que acontece há 15 dias em áreas conservadas de Mata Atlântica, no litoral norte de Ilhéus.

O Inema ainda não se posicionou e o secretário estadual de meio ambiente, Eugênio Spengler, adotou a “lei do menor esforço”.

Dois mil hectares de floresta e área considerável de restinga previstos para compor o Parque Estadual da Ponta da Tulha estão ameaçados.

Até o momento o governo só disponibilizou 25 bombeiros que com muito esforço tentam impedir o alastramento do fogo por toda a área.

Apesar da importante contribuição dada pelos bombeiros, são necessárias mais pessoas, pois há focos de incêndio espalhados da Lagoa Encantada a Ponta da Tulha.

O combate também é feito por voluntários que, com recursos próprios, decidiram enfrentar as chamas. Há pessoas abnegadas que estão ajudando, mas precisam de equipamentos e alimentação.

Os voluntários pedem que o governo do estado aumente o efetivo, acione a brigada anti-incêndio do Ibama que atua na reserva ecológica de Una e acelere os processos de reintegração de posse.

Há indícios de que invasores sejam responsáveis pelo fogo. Há suspeitas de que ainda estejam incendiando a mata. O objetivo é destruir para ocupar.
Confira mais

Fogo avança sobre vegetação rasteira e ameaça mata atlântica.

Fogo avança sobre vegetação rasteira e ameaça mata atlântica.

PRODUTORES LANÇAM PERFUME DE CHOCOLATE

Heitor e Alexandre lançam perfume a base de chocolate (Foto Mercado do Cacau).

Heitor e Alexandre lançam perfume a base de chocolate (Foto Mercado do Cacau).

perfume chocolateDo Mercado do Cacau

Dois produtores sul-baianos desenvolveram um perfume de chocolate. A inovação partiu dos cacauicultores baianos Heitor Drummond e Alexandre Gedeon que produzem o fruto do cacau à sombra da Mata Atlântica nas regiões de Ilhéus e Uruçuca, sul da Bahia, e para agregar valor ao produto investiram no cheiro do chocolate.

– Todo mundo ama o chocolate, é atraído pelo aroma do doce, então, porque não ter também o cheiro do chocolate? – questiona Heitor, justificando a iniciativa.

O processo de fabricação da Phyla perfumes e cosméticos com aroma de chocolate é mantido em segredo, mas os produtores afirmam que para chegar à essência final do produto, foram necessários vários meses de pesquisa.

– Nós testamos várias amêndoas, buscamos o auxílio de perfumistas, químicos e pesquisadores para chegarmos a esse perfume que, de fato, lembra ao chocolate, afim de, fazer um produto agradável ao olfato e de ótima fixação – conta Alexandre.
Leia mais

INSTITUTO CABRUCA LANÇA 2ª EDIÇÃO DO CONCURSO “ÁRVORES DO SUL DA BAHIA”

O Instituto Cabruça lançará a segunda edição do Concurso Maiores Árvores do Sul da Bahia, no próximo dia 27, às 17h, na Fazenda Yrerê, no quilômetro 11 da Rodovia Ilhéus-Itabuna. Serão premiados os donos de dez propriedades onde forem localizados os maiores exemplares de pau-brasil na região.

De acordo com a coordenação, o objetivo do concurso é “formar produtos ecoturísticos associados à cadeia produtiva do cacau e do chocolate”, bem como estimular o turismo rural e auxiliar na preservação da mata atlântica.

As inscrições poderão ser feitas na sede do Instituto ou pelo site www.cabruca.org.br, além dos escritórios da Ceplac. Em 2013, o concurso premiou as propriedades com os maiores exemplares de jequitibá.

INSTITUTO CABRUCA PREMIA PROPRIEDADE COM MAIOR JEQUITIBÁ NO SUL DA BAHIA

Libânio, do Cabruca, entrega premiação a Barreto, da Fazenda ...

Libânio, do Cabruca, entrega premiação a Barreto, da Fazenda Monte Florido (Divulgação).

O maior jequitibá do sul da Bahia tem 48 metros de altura por 4,35 metros de diâmetro e 487,12 metros cúbicos de volume e foi encontrado na Fazenda Monte Florido, em Camacan. O dono da propriedade, Rodrigo Barreto, venceu o Concurso Maiores Árvores da Região Sul da Bahia. A premiação foi entregue pelo dirigente do Instituto Cabruca, Durval Libânio, em solenidade na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

Barreto terá R$ 20 mil para investir em trila de ecoturismo com plano de negócio. O objetivo, segundo o Instituto Cabruca, é “valorizar o Sistema Agroflorestal Cabruca e a Mata Atlântica no imaginário coletivo da Região Sul da Bahia criando identidade e pertencimento”.

O concurso inscreveu 94 exemplares de jequitibá. Realizado pelo Instituto Cabruca, o evento tem patrocínio da Fibria, Instituto Arapyaú, Ministério Público do Estado da Bahia e Governo da Bahia, além de apoios como o da Ceplac.

PRESERVAÇÃO DE ESPÉCIES NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA É DESTAQUE NACIONAL

Repórter e técnicos ao pé de um jequitibá.

O trabalho de preservação do jequitibá no sul da Bahia foi mostrado no programa Globo Rural, da Rede Globo. Equipe de reportagem da emissora de televisão visitou fazendas em Ipiaú e Ubatã, onde a Ceplac e o Instituto Cabruca fizeram cadastro das árvores, etapa inicial de georreferenciamento das plantas nativas da região.

O trabalho busca preservar espécies nativas da Mata Atlântica ameaçadas de extinção. “Além da sua importância para a lavoura, porque consegue compensar a falta de chuva, [o jequitibá] recicla nutrientes e contribui com matéria orgânica, as árvores da cabruca podem agregar valor à produção quando se observa a roça como um espaço produtivo”, afirma Durval Libânio, do Instituto Cabruca.

Os idealizadores do projeto também buscam tornar o trabalho referência para a tentativa de tornar o jequitibá patrimônio natural, cultura e paisagístico do sul da Bahia. Nessa linha, a Ceplac, órgão federal da agropecuária, já desenvolve na região cacaueira sul-baiana o projeto Conservação Produtiva.

APC ESTIMA QUE 150 MIL HECTARES DE CACAU SE TRANSFORMARAM EM PASTAGENS

O presidente da Associação dos Produtores de Cacau (APC), Guilherme Galvão de Oliveira Pinto, disse ao Estadão que, nos últimos 20 anos, pelo menos 150 mil hectares de cacaueiros foram transformados em pastagens no Sul da Bahia.  Neste domingo, 15, o jornal traz reportagem abordando o renascimento da lavoura tendo como lema a proteção da biodiversidade da mata atlântica sob o sistema cabruca.

“No final dos anos 1980, a região do sudeste do Estado, mais conhecida pela cidade de Ilhéus, foi infestada – em o que hoje se sabe ter sido um ato criminoso – pelo fungo Moniliophtera perniciosa, que se espalhou rapidamente. A produção, que era de 400 mil toneladas por ano, caiu para 120 mil. Foram perdidos 250 mil empregos e até hoje cerca de 14 mil cacauicultores, 95% deles pequenos, continuam endividados”, diz o texto.

Além de realçar o aspecto conservacionista, a reportagem destaca a riqueza da biodiversidade, as ações do Instituto Cabruca e a mudança de visão da Ceplac, que antes defendia a derruba total da mata. “Agora se tenta recuperar o que foi perdido, manejando as cabrucas abandonadas para retirar o excesso de árvores exóticas e reflorestando o que virou pasto. A ideia é cultivar um sistema agroflorestal semelhante à cabruca, com cacau, nativas e algumas espécies de valor econômico”, cita a reportagem do jornal.

COM APOIO DE NIZAN GUANAES

Afonso e Nizan: cacau e preservação da mata atlântica.

O publicitário itabunense Afonso Dantas, da Camará, participa do 5º Congresso da Indústria de Comunicação, evento que reúne papas do setor em São Paulo. E justamente lá, Afonso teve uns minutinhos com uma das feras da publicidade brasileira, o também baiano Nizan Guanaes.

Afonso diz ter conversado com Nizan sobre como o mestre poderia ajudar na divulgação do cacau de origem baiana (“Cacau de Origem Bahia, Brasil”) e, junto, o selo de preservação da Mata Atlântica. Recebeu a promessa de apoio: – Quero ajudar, e vou ajudar – respondeu Nizan.

ESTUDO DIZ QUE MATA ATLÂNTICA EMITIU MAIS GASES QUE AMAZÔNIA

Mata Atlântica emitiria mais gases que floresta amazônica, segundo estudo.

Reportagem publicada neste domingo, 6, vai servir para aquecer ainda os debates da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, que se realiza em junho, na capital fluminense. O Estadão revela estudo sobre a emissão de gases por conversão de vegetação em área agrícola em que é mostrado que a origem da maior parte do problema é a Mata Atlântica, e não a Amazônia.

Entre 1940 e 1995, a conversão de áreas de vegetação nativa para agricultura e pecuária liberou 17,2 bilhões de toneladas de carbono na atmosfera. O levantamento foi realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E demorou sete anos para ser concluído e mescla imagens recentes de satélite com informações históricas dos censos agropecuários do IBGE.

Os pesquisadores Marcos Costa, do Departamento de Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Christiane Leite, também da UFV, Britaldo Soares Filho e Letícia Hissa, do Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fizeram a publicação do trabalho na revista Global Biogeochemical Cycles.

O estudo calculou, pela primeira vez, as emissões históricas por mudança no uso da terra – conversão de áreas de vegetação nativa para agricultura e pecuária – no Brasil.

CREDENCIAIS

Visto com desconfiança ao ser nomeado para o cargo de superintendente regional da Ceplac, Juvenal Maynart, parece que – aos poucos – vai superando o fato de ter sido uma indicação política, e do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB).

A própria nomeação de Maynart ocorreu de forma inusitada – quando o diretor-geral, Jay Wallace Mota, estava de férias. Mas os planos e a estratégia de estabelecer canais com os servidores do órgão e a comunidade regional desanuviaram o cenário.

Na sexta, rolou uma “D.R.” entre Jay, Lúcio e Maynart. Em público. Discutiam a nomeação e os novos tempos. O superintendente baiano passou outra impressão a Jay, além de ter marcado gol com o seminário que discute alternativas de financiamento à lavoura cacaueira tendo como pano de fundo a conservação da Mata Atlântica, além de ações do plano Brasil sem Miséria.

Fala o próprio Juvenal: “Minha missão é mostrar que alguém que vem do universo político pode dar respostas aos anseios da comunidade”, diz, citando os nomes do padrinho, Lúcio Vieira, e do diretor Jay Wallace.

OS OBSTÁCULOS DA FERROVIA OESTE-LESTE

.

A oposição de ambientalistas sul-baianos à construção da Ferrovia Oeste-Leste é tema de matéria da revista semanal Istoé Dinheiro (confira aqui). O professor Rui Rocha, da ONG Floresta Viva, acredita que a obra e todo o investimento de R$ 6 bilhões no Complexo Intermodal Porto Sul colocam em risco a biodiversidade da Mata Atlântica no trecho ilheense.

O secretário de Governo, Alcides Kruschewsky, vai em sentido oposto: “Será a redenção de Ilhéus”. O secretário especial de Portos da Bahia, Roberto Benjamin, acredita que os investimentos são oportunidade para uma guinada “desenvolvimentista da região”.

O vice-presidente da Bahia Mineração, Clóvis Torres, também é ouvido pela reportagem, que destaca, ainda, a ação do Ministério Público Federal, que solicitou ao Ibama que não conceda a licença para que a Bamin construa na zona norte de Ilhéus o terminal privativo portuário de Ponta da Tulha. A Bamin investirá na região, na fase inicial, R$ 500 milhões.

Não à toa, o titulo da matéria é “Ferrovia da discórdia”. A revista utiliza gráficos que evidenciam o impacto econômico da obra e uma montagem de trilhos sobre uma foto panorâmica da região central de Ilhéus. A foto, apesar de não darem o devido crédito, é de José Nazal.

POLÍCIA APREENDE CARGAS DE MADEIRA ILEGAL

A polícia rodoviária federal apreendeu, ontem à noite, cargas de madeira durante rondas realizadas no trecho sul-baiano da BR-101. Os motoristas Cilnelmar Pagina Azotto, 47, e Helton Santos, 31, foram detidos e encaminhados para o escritório do Ibama.

Eles transportavam mais de seis metros cúbicos de madeira em um caminhão VW 6.90, placas KSQ-5411, e numa picape Toyota (LIX-6606). Os dois motoristas foram abordados às 20h20min, no quilômetro 608 da BR-101, entre Camacan e Mascote. A madeira apreendida foi extraída ilegalmente da mata atlântica.

De acordo com a polícia rodoviária, a carga do caminhão tinha como destino o município de Eunápolis. A da picape era levada para uma fazenda próxima à região onde foi apreendida. As informações do repórter Costa Filho, da Rádio Jornal.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia