shopping jequitiba
julho 2014
D S T Q Q S S
« jun    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  




:: ‘Ministério do Trabalho e Emprego’

ABONO SALARIAL COMEÇA A SER PAGO HOJE

O Ministério do Trabalho e Emprego começa a pagar a partir de hoje (15) o abono salarial do exercício 2014/2015. A estimativa é que cerca de 23 milhões de trabalhadores tenham direito ao benefício e o montante a ser pago será cerca de R$ 17 bilhões.

De acordo com a pasta, no atual exercício, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) antecipou o pagamento, que anteriormente era feito em agosto. Outra mudança no calendário é que os trabalhadores que recebem o benefício em conta-corrente vão ter o depósito de acordo com o mês de aniversário, a partir do dia 15 de julho.

Podem receber o benefício trabalhadores que tiveram os dados informados na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e que atendam aos seguintes critérios: cadastro no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos; ter trabalhado com carteira assinada ou ter sido nomeado efetivamente em cargo público durante, pelo menos, 30 dias no ano-base para empregadores contribuintes do PIS/Pasep (empregadores cadastrados no CNPJ); e ter recebido em média até dois salários mínimos de remuneração mensal durante o período trabalhado. O valor do abono é um salário mínimo.

:: LEIA MAIS »

GOVERNO AUMENTA PARA 9 MESES TEMPO MÁXIMO DE TRABALHO TEMPORÁRIO

carteira(1)Da Agência Brasil

O Ministério do Trabalho e Emprego vai aumentar o prazo dos contratos temporários de trabalho, autorizando a prorrogação por seis meses além dos três meses iniciais, se justificada essa necessidade. Até então, a prorrogação era limitada a uma única vez de três meses. A medida começa a valer em 1º de julho, de acordo com portaria publicada pelo ministério no dia 3, no Diário Oficial da União.

A regra diz que a contratação de trabalho temporário só é válida caso haja necessidade de substituir funcionários do quadro permanente e regular de uma empresa, ou quando haja acréscimo extraordinário de serviços. No caso de substituição de pessoal, a portaria passa a definir que o contrato temporário não pode ultrapassar um período total de nove meses.

A norma indica que a empresa de trabalho temporário tem que solicitar autorização ao ministério com, no mínimo, cinco dias de antecedência caso queira contratar um empregado temporário ou prorrogar o seu contrato. O pedido pode ser feito por meio do portal do ministério na internet.

:: LEIA MAIS »

EMPREGO: ILHÉUS E ITABUNA FECHAM 2013 NO VERMELHO

carteira de trabalhoItabuna e Ilhéus fecharam 2013 com saldo negativo de empregos, segundo revelam números do Ministério do Trabalho e Emprego. Itabuna cortou 264 postos de trabalho com carteira assinada e Ilhéus fechou 100. O saldo representa a diferença entre admissões e demissões ou desligamentos.

A indústria fechou 534 postos de trabalho em Itabuna no ano passado, seguido pela construção civil (170) e agropecuária (85).

Na outra ponta, o setor de serviços abriu 407 novas vagas, enquanto o comércio teve saldo positivo de 49 novos postos de trabalho.

Durante todo o ano de 2013, foram 11.733 desligamentos ou demissões contra 11.469 contratações, gerando o saldo negativo de 264 vagas. No ano anterior, Itabuna criou 605 novas vagas, conforme levantamento do PIMENTA.

Em dezembro, praticamente todos os setores apresentaram números negativos, sendo destaques indústria (corte de 146 vagas), comércio (-61), serviços (-60) e construção civil (-43).

ILHÉUS
Ilhéus apresentou saldo negativo no ano passado, mas fechou dezembro com criação de irrisórias 21 vagas. No acumulado dos 12 meses de 2013, foram 8.640 demissões ou desligamentos ante 8.540 contratações. Já em 2012, o saldo foi positivo: 540 vagas.

Os principais responsáveis pelos números ruins foram os setores da agropecuária (corte de 218 vagas no ano), comércio (64) e construção civil (55).

Quem “segurou as pontas” foi o setor de serviços, com o saldo positivo de 218 vagas, sendo 72 delas só em dezembro. A indústria criou apenas 4 vagas.

BAHIA
A Bahia fechou 2014 com saldo positivo de empregos. Foram criados 51.270 novos postos de trabalho no ano passado. Os setores de serviços e construção civil lideraram a geração de empregos, com saldo de 18.903 e 15.565 novos empregos. O comércio abriu 12.087 vagas.

Apesar dos números positivos no acumulado dos 12 meses, dezembro teve desempenho decepcionante com o corte de 10.237 postos de trabalho. A construção civil fechou 3.392 vagas, serviços outras 2.361 e a indústria apresentou saldo negativo de 1.674 vagas. Em dezembro, o Brasil registrou corte de 449.444 postos de trabalho, mas com saldo positivo de 1.117.171 empregos no acumulado dos 12 meses.

CONCURSO FEDERAL OFERECE 450 VAGAS E ATÉ R$ 3,9 MIL DE SALÁRIO

concurso público1O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) abriu nesta quarta-feira (15) as inscrições do concurso público para o provimento de 450 vagas em cargos de nível médio e superior.

Para disputar o posto de Agente Administrativo, é necessário possuir certificado de conclusão de ensino médio. A remuneração é de R$ 2.573,22. Para o cargo de Contador, o candidato deverá ter diploma de conclusão de curso de graduação em Ciências Contábeis e registro no órgão de classe. A remuneração é de R$ 3.981,42.

O período de inscrições vai até as 23h59 (horário de Brasília) de 3 de fevereiro, pelo site do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe/UnB). A taxa é R$ 70 para Contador e R$ 50 para Agente.

As provas objetivas e discursiva estão previstas para 30 de março, nas 26 capitais da Federação, incluindo Salvador, e no Distrito Federal (DF).

Na Bahia, há vagas para agente administrativo em Camaçari, Guanambi, Paulo Afonso, e Teixeira de Freitas. Os aprovados no cargo de contador vão atuar em Brasília, na sede do MTE. Informações do Correio da Bahia.

LISTA DO TRABALHO ESCRAVO INCLUI 7 EMPRESAS BAIANAS

Sete empregadores instalados na Bahia foram incluídos no cadastro nacional de empresas que exploram mão de obra em condições análogas à de trabalho escravo. A lista foi divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Da lista, constam 504 infratores em todo o país, dos quais 12 estão na Bahia. A “Lista Suja” do trabalho escravo é atualizada a cada seis meses e inclui pessoas físicas e jurídicas.

As empresas na Bahia que passaram a fazer parte do cadastro são a Fazenda Olinda S/A, em Riachão das Neves; João Carlos Burin (Fazenda Olho Mágico I), em Formosa do Rio Preto; Laercio Tagliari Bortolin (Fazenda Recreio), em Formosa do Rio Preto; Paulo Gabriel Novais Miranda (Fazenda Porto), em Bom Jesus da Lapa; Paulo Roberto Bastos Viana (Fazenda Estância), em Barra do Choça; Rocha Silva Madeireira e Construção (Serraria Rocha e Silva), em Luís Eduardo Magalhães; e Terezinha Lazarim (Fazenda Vitória), em Formosa do Rio Preto.

Clique no “leia mais”, abaixo, e confira a lista baiana e a nacional.

:: LEIA MAIS »

NTR ENGENHARIA SE NEGA A INDENIZAR ESCRAVIZADOS EM OBRA NO IFBA ILHÉUS

Campus ilheense do Ifba, onde operários trabalhavam (Foto Danilo Souza).

Campus ilheense do Ifba, onde operários trabalhavam (Foto Danilo Souza).

A NTR Engenharia se negou a quitar as indenizações dos cinco operários encontrados, segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), em condições subumanas em um barraco da obra de construção do ginásio poliesportivo do campus de Ilhéus do Ifba. O flagrante de desrespeito a direitos dos trabalhadores foi constatado na semana passada.

De acordo com a assessoria do MPT, haverá audiência, na próxima segunda, 6, às 15h, na sede regional do órgão em Itabuna. Segundo a procuradora do Trabalho Cláudia Soares, será apresentado um termo de ajuste de conduta. Os operários estão hospedados em um hotel em Ilhéus, segundo o MPT.

- Encontramos uma série de irregularidades em termos de saúde e segurança no meio ambiente de trabalho que expõem os operários a riscos. Além disso, os trabalhadores encontrados alojados em condições subumanas precisam ter seus direitos reconhecidos e ter suas indenizações pagas imediatamente – afirmou Cláudia.

A procuradora e os auditores-fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) sustentam que a NTR Engenharia apresentava “uma série de descumprimentos de normas de segurança”. A empresa, segundo Cláudia Soares, só aceita quitar as pendências com os ex-funcionários por meio de consignação judicial, manobra para que visa evitar, por parte da empresa, o reconhecimento de trabalho escravo.

A NTR Engenharia, segundo a assessoria do MPT, já responde a processo semelhante na reforma do campus do Ifba em Vitória da Conquista. A empresa responde a ação civil pública movida pela Procuradoria do Trabalho no município do sudoeste baiano. A empreiteira deu continuidade à obra mesmo com o embargo por parte do Ministério do Trabalho e Emprego, que lavrou 21 autos de infração contra a NTR.

OPERÁRIOS TRABALHAVAM EM CONDIÇÕES SUBUMANAS EM OBRA NO IFBA DE ILHÉUS

Trabalhadores foram resgatados na quarta à noite em alojamento no Ifba (Divulgação).

Trabalhadores foram resgatados na quarta à noite em alojamento no Ifba (Divulgação).

Auditores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e uma procuradora-geral do Trabalho resgataram cinco operários alojados em condições subumanas no Ifba de Ilhéus.

Conforme relatório, os operários foram encontrados em um barraco sem água potável, iluminação e ventilação adequada. Também eram obrigados a dormirem no chão e não possuíam local para “realizar, preparar e armazenar as refeições”.

Os trabalhadores, conforme os fiscais e a procuradora do Trabalho, estavam em um alojamento que “sequer tinha porta nos fundos e os trabalhadores dormiam em vigília, com receio da entrada de animais peçonhentos e de estranhos”.

O resgate ocorreu na quarta-feira à noite e foi divulgado pelos dois órgãos nesta sexta, 26. Os operários foram contratados para trabalhar na construção de um ginásio poliesportivo na instituição federal de ensino localizada no quilômetro 13 da rodovia Ilhéus-Itabuna.

Na fiscalização, os auditores Eferson Gomes, Julio Silveira, Ronaldo Trindade e Gerson Pina tiveram o suporte da procuradora do Trabalho Claudia Soares, do Ministério Público do Trabalho em Itabuna. Os cinco operários foram encaminhados à Gerência Regional do Trabalho e Emprego em Ilhéus.

Claudia Soares considerou “inconcebível que uma empresa  que participe de uma licitação pública desenvolva sua atividade econômica e execute uma obra pública em detrimento da dignidade do cidadão-trabalhador”. O PIMENTA entrou em contato com a assessoria do Ministério Público do Trabalho, mas o nome da construtora somente será fornecido após a notificação, prevista para até a próxima segunda, 29.

Encontrados em condições análogas a de trabalho escravo, os operários tiveram os contratos rescindidos indiretamente. A empresa, segundo a MPT, terá que indenizar cada trabalhador resgatado, “a título de dano moral individual”.

INDÚSTRIA E COMÉRCIO CONTRATAM MAIS E ITABUNA GERA 291 EMPREGOS EM NOVEMBRO

Itabuna gerou 291 empregos com carteira assinada em novembro.

Itabuna gerou 291 empregos em novembro.

A indústria e o comércio foram os setores que mais contrataram em novembro em Itabuna e puxaram para cima a geração de empregos com carteira assinada, conforme o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O município sul-baiano abriu 291 novas vagas no mês passado. Foi o melhor resultado obtido em um mês nos últimos anos.

A indústria de transformação contratou 337 trabalhadores em novembro e registrou 195 desligamentos no mesmo mês, o que resultou em abertura de 142 novas vagas.

O comércio abriu 101 novos postos de trabalho (381 contratações ante 280 desligamentos). O setor de serviços apresentou saldo positivo de 78 vagas no período.

Apesar dos grandes investimentos imobiliários em Itabuna neste semestre, a construção civil manteve tendência negativa e cortou 18 postos de trabalho.

No acumulado dos 11 primeiros meses deste ano, o município gerou apenas 806 novos empregos. Já quando considerado o período de 12 meses, o saldo ainda é positivo, mas cai para 624 vagas.

ILHÉUS GERA MENOS EMPREGOS

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do MTE, revelam que o município de Ilhéus abriu somente 65 novas vagas em novembro. A indústria abriu 16 vagas e o comércio apresentou saldo positivo de 43 empregos.

O município abriu 523 vagas nos 11 primeiros meses de 2012. Ainda de acordo com o Ministério do Trabalho, Ilhéus abriu 655 vagas nos últimos 12 meses, ligeiramente superior ao registrado por Itabuna (624).

ITABUNA CRIA SÓ 71 EMPREGOS EM 2012

Itabuna fechou os cinco primeiros meses de 2012 com apenas 71 novos empregos com carteira assinada. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e foram divulgados nesta quinta, 21.

O principal responsável pelo baixo saldo de empregos formais neste ano foi o comércio. O setor cortou 227 empregos entre 1º de janeiro a 31 de maio. Agropecuária (-61) e indústria (-49) também ajudaram a puxar para baixo os números do emprego

A “salvação” veio da construção civil, que contratou 866 trabalhadores no período e demitiu 557, gerando saldo positivo de 309 vagas. O setor de serviços abriu outras 78 novas vagas. Quando analisado apenas o mês de maio, o município cortou 20 vagas.

ILHÉUS TEM DESEMPENHO MELHOR

Com baixa contratação em 2012, Ilhéus fechou o período com 92 novos postos de trabalho, puxado pelas 104 novas vagas na construção civil, 47 na agropecuária, 34 no comércio e 10 na administração pública.

O dado negativo veio da indústria de transformação, que fechou 73 vagas, e da área de serviços, outros 36 postos cortados. Em maio, o município perdeu 9 empregos.

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, a Bahia criou 3.071 empregos em maio e apresenta saldo de 27.096 no ano. A agropecuária “segurou” o tranco ao registrar saldo positivo de  3.688 vagas. O setor de serviços teve saldo negativo ao cortar 1.652 empregos.

EMPREGO: ITABUNA E ILHÉUS FECHAM ABRIL NO AZUL, MAS SALDO É BAIXO

Os setores da construção civil e de serviços fecharam abril com saldo positivo de empregos em Itabuna, aponta o Ministério do Trabalho e Emprego.

A principal economia sul-baiana gerou 89 novos postos de trabalho no mês passado, número puxado principalmente pela construção civil, que abriu 106 novas vagas. Em seguida, aparece o setor de serviços, com saldo positivo de 32 vagas.

Os números de novos empregos com carteira assinada aponta nova retração no comércio, que cortou 11 vagas ao registrar 278 admissões ante 289 desligamentos. A indústria de transformação desempregou ainda mais: 32. O acumulado de novos empregos no ano, no entanto, é baixo para os quatro primeiros meses do ano, período em que foram gerados apenas 43 empregos.

ILHÉUS

Ilhéus também fechou abril com saldo positivo. Construção civil (35 novos empregos), comércio (30) e serviços (22) aliviaram a baixa na indústria de transformação, que cortou 33 vagas.

Quando analisados todos os setores da economia, o município fechou abril com 59 novos empregos. O resultado do mês passado deixou Ilhéus com saldo positivo também no acumulado dos quatro meses: 55 novos empregos.

BAHIA

A Bahia encerrou abril com a geração de 7.847 empregos com carteira assinada e saldo positivo de 22.609 novos postos de trabalho em 2012.

Os números positivos são resultado da abertura de novas vagas na agropecuária (2.575), serviços (1.843), indústria de transformação (1.571) e construção civil (1.153).

DONO DA TV ARATU É ACUSADO DE TRABALHO ESCRAVO NA BAHIA

Do Blog do Sakamoto

Essa não deve sair na TV: o governo federal flagrou 22 trabalhadores em condições análogas à de escravo na fazenda Rural Verde, em Sítio do Mato, município baiano próximo a Bom Jesus da Lapa. A área, segundo a equipe responsável pela operação, pertence a Sílvio Roberto Coelho, proprietário da TV Aratu, afiliada ao SBT, e irmão de Nilo Coelho, ex-governador da Bahia.

De acordo com auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego Inês Almeida, coordenadora da ação, 17 pessoas atuavam na derrubada de árvores e produção de mourões e outros cinco erguiam cercas para a fazenda de gado. A maior parte se encontrava na área desde maio, sem salário regular. Recebiam produtos alimentícios que eram descontados da remuneração. “A situação era de servidão por dívida”, explicou Inês.

Os auditores fiscais constataram que o local do banho era um tanque de água suja, que os trabalhadores dividiam com o gado – que lá ia beber. Toras de madeira eram usadas para montar as camas nos barracos de lona que serviam de alojamento.

A fazenda recusou-se a pagar os trabalhadores e a reconhecer o vínculo empregatício, afirmando que não eram seus empregados e sim do empreiteiro contratado para o serviço. O “gato” (contratador de mão-de-obra a serviço do fazendeiro) teria fugido. Eles receberão três parcelas do seguro-desemprego – benefício a que os libertados também têm direito. A dívida com os trabalhadores foi de cerca de R$ 80 mil.

O proprietário, por telefone, informou não haver problemas na propriedade, que afirma possuir há 35 anos. Disse ainda que não “teve nada” de trabalho escravo e que os 32 empregados da fazenda são registrados. O presidente da afiliada ao SBT informou que “às vezes tem um cerqueiro que faz serviço por empreitada”. De acordo com a fiscalização, o gerente informou que a Rural Verde conta com aproximadamente 400 quilômetros de cerca construída.

Quando questionado mais uma vez sobre a fiscalização, mandou a reportagem “para o inferno” e desligou o telefone.

CAGED ATUALIZA DADOS DO EMPREGO. ILHÉUS E ITABUNA SAEM DO VERMELHO

Ontem o Ministério do Trabalho e Emprego divulgou os dados de contratações de trabalhadores com carteira assinada em julho e nos sete primeiros meses de 2011, mas fez uma atualização de dados hoje. Com isso, Itabuna e Ilhéus saíram do vermelho.

Os dados anteriores apontavam corte de 258 vagas no município sulbaiano em 2011. Hoje, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) coloca a cidade no azul no item geração de empregos com a abertura de 275 novas vagas.

As principais alterações ocorreram nos setores da construção civil (de 201 para 406 empregos) e serviços (corte de 163 vagas ante as 302 divulgadas ontem). O mesmo ocorreu em Ilhéus. A cidade saiu de saldo negativo (corte de 174 vagas) para positivo (116 novos empregos).

De acordo com técnicos do Caged em Brasília, a diferença ocorre porque muitas empresas enviam informação sobre contratações ou desligamentos fora do prazo. E olhe que os números do mês anterior são divulgados sempre 15 ou mais dias depois…

ITABUNA REGISTRA ALTA DO DESEMPREGO

O desemprego avançou consideravelmente nos últimos sete meses em Itabuna, conforme os últimos números do Ministério do Trabalho e Emprego. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) revela que o município sulbaiano cortou 258 empregos com carteira assinada entre 1º de janeiro e 31 de julho deste ano.

O resultado negativo pode ser atribuído ao setor de serviços, que cortou 302 vagas no período, seguido pela agropecuária (-77 empregos) indústria (-54) e comércio (-45). Em meio à aridez do período, a construção civil voltou a empregar forte em julho. No saldo dos primeiros sete meses, abriu 201 novas vagas.

Para obter o número de novas vagas, basta comparar a quantidade de empregos gerados e desligamentos (6.679 – 6.937 no ano). Em julho, foram gerados 932 empregos contra 946 demissões em Itabuna. Mesmo com às contratações das novas lojas instaladas no Shopping Jequitibá, o comércio abriu apenas 17 novas vagas em julho.

ILHÉUS

Ilhéus contrariou a tendência dos último meses ao abrir 65 vagas em julho e ter um saldo menor de corte de postos de trabalho no período (174 desligamentos). O vilão dos sete primeiros meses de 2011 no município ilheense foi o comércio: corte de 232 vagas. Porém, o mesmo setor foi que abriu novas vagas em julho: 101, segundo o Caged. Já em relação ao estado da Bahia, o cadastro aponta geração de 49.456 empregos nos sete primeiros meses do ano.

JUNTAS, ILHÉUS E ITABUNA GERAM SÓ 86 EMPREGOS EM ABRIL

Ilhéus e Itabuna registraram uma melhora na geração de empregos com carteira assinada em abril em relação a março, mas as duas cidades criaram, juntas, apenas 86 empregos no mês passado. É o que revela o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego.

De acordo com o ministério, Itabuna criou 39 novas vagas em abril. Os resultados foram melhores nos setores industrial e da construção civil, que registraram a criação de 97 e 17 novas vagas, respectivamente.

Ainda em Itabuna, os resultados negativos ocorreram em dois setores considerados vitais para a economia local: comércio e serviços. O primeiro cortou 14 vagas e o segundo, ainda mais: 47. Outro dado negativo veio da agropecuária, que eliminou 12 postos de trabaho.

A vizinha Ilhéus criou 47 empregos em abril. O resultado positivo é creditado a três setores de grande peso na economia da cidade turística e que abriga o polo de informática.

A indústria abriu 19 vagas, a construção civil outras 22 e o setor de serviços mostrou recuperação ao gerar 35 novos empregos. A agropecuária eliminou três vagas e o comércio cortou 28 postos com carteira assinada.

A economia ilheense, no entanto, registra um saldo negativo na geração de empregos nos quatro primeiros meses deste ano: – 71 empregos. Em Itabuna, o saldo também foi negativo, mas menor (-37 empregos).

Para obter o número de novos empregos gerados, basta conferir a quantidade de contratações e a de desligamentos. Neste ano, a economia itabunense contratou 4.040 pessoas com carteira assinada, mas registrou 4.077 demissões. Ou seja, corte de 37 empregos.

ITAPETINGA

O setor calçadista é quem mais emprega no município de Itapetinga, no centro-sul baiano. E, conforme o Caged, o setor industrial demitiu 409 trabalhadores em abril. O município abriga a unidade da Azaléia Nordeste, que pressiona o governo estadual em busca de incentivos e sofre grande concorrência do calçado chinês. Nos quatro primeiros meses de 2011, já foram cortados 1.256 empregos no setor industrial em Itapetinga.

O PIMENTA também apurou, no Caged, os números da Bahia. O estado gerou 10.623 empregos em abril. O setor de serviços registrou 4.065 novos empregos, seguido pela construção civil (2.831) e agropecuária (1.303).

O comércio abriu somente 882 novas vagas e a indústria, 1.065. No total, o estado gerou 30.474 empregos entre 1º de janeiro e 30 de abril deste ano.

FEIRA E CAMAÇARI A SALVO

O relatório do emprego em março, na Bahia, registra números negativos em cidades sul-baianas (confira abaixo) e desempenho crítico em Salvador, que cortou 2.756 empregos com carteira assinada em março, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego.

Mas pelo menos duas cidades baianas se diferenciam das demais: Feira de Santana e Camaçari. Feira abriu 300 novas vagas no mês passado e 2.313 no trimestre. Camaçari criou 1.673 novos empregos no mês passado.

NA CONTRAMÃO, ITABUNA E ILHÉUS DESEMPREGAM FORTE EM FEVEREIRO

Os números do Ministério do Trabalho revelam uma alta do desemprego em Itabuna e Ilhéus em fevereiro, indo na contramão do país, que registrou recorde de emprego para o período.

Itabuna registrou 617 contratações ante 890 demissões, o que representou corte de 273 postos de trabalho com carteira assinada no mês passado. É a maior baixa já registrada nos últimos anos.

Os maiores responsáveis pelo resultado negativo, pela ordem, são os setores de comércio, serviços e construção civil. O comércio cortou 92 vagas e o setor de serviços limou outras 68.

A construção civil, que até o segundo semestre do ano passado contratava forte, desempregou 65, contrastando com o cenário de investimentos no setor imobiliário.

Dos oito principais setores pesquisados, apenas a administração pública não registrou déficit – contratou 4 e demitiu em igual proporção. Itabuna registra nos dois primeiros meses de 2011 um total de 1.721 contratações ante 1.856 demissões. Foram cortados 135 empregos com carteira assinada, de acordo com o Ministério do Trabalho.

ILHÉUS

Ilhéus também registrou um fevereiro de cortes de postos de trabalho formais. Dois dos principais setores da economia ilheense cortaram, juntos, 140 vagas. O comércio demitiu 90 trabalhadores e o setor de serviços, 50, embora ainda estivesse no período da alta estação e às vésperas do carnaval.

O resultado foi um pouco melhor que o registrado em Itabuna porque a construção civil e a indústria de transformação fecharam fevereiro no azul em relação a empregos. A indústria abriu 27 novas vagas e a construção civil, 21. A economia ilheense registra um total de 1.407 admissões contra 1.455 desligamentos (saldo negativo de 48 vagas).

O mês de fevereiro também foi atípico para municípios como Itapetinga, no sudoeste baiano. A economia local, puxada pela indústria de calçados, cortou 490 empregos. Outro no mesmo caminho foi Juazeiro, onde 352 foram para o espaço. Em fevereiro, a Bahia criou apenas 3.127 empregos – 12.793 em 2011.

ITABUNA E ILHÉUS REGISTRAM DESEMPREGO EM DEZEMBRO, REVELA MINISTÉRIO

Embora tenham terminado 2010 com um estoque positivo de empregos, os dois maiores municípios do sul da Bahia fecharam dezembro no vermelho. Itabuna cortou 38 postos de trabalho e Ilhéus foi além ao eliminar 206 empregos com carteira assinada. Os dados foram levantados pelo PIMENTA no Ministério do Trabalho e Emprego.

Setores que ditam o ritmo da economia itabunense decepcionaram em dezembro. O comércio gerou apenas 41 vagas com carteira assinada e o setor de serviços, 3. Pior resultado foi obtido pela construção civil: corte de 27 postos de trabalho.

Os números resultam da subtração admissões-demissões. A construção civil, por exemplo, contratou 71 pessoas, mas mandou embora 98, daí o saldo negativo de 27 empregos no mês passado. O setor da agropecuária puxou os dados finais para baixo: contratou 33 e demitiu 73, gerando saldo negativo de 40 postos.

O cenário negativo de dezembro é compensado pelo cenário geral de 2010. No período de 1º de janeiro a 31 de dezembro, Itabuna gerou 2.025 novos empregos.

Os setores que mais abriram novas vagas em todo o ano de 2010 foram, pela ordem, construção civil (746) e indústria (618). Apesar da cidade ser reconhecida como polo regional de comércio e prestação de serviços, os dois setores abriram apenas 347 e 259 vagas, respectivamente.

ILHÉUS DECEPCIONA

Atacadão contratou cerca de 300 funcionários ano passado (Foto Pimenta).

O município de Ilhéus conseguiu, por muito tempo, situar-se bem à frente do vizinho na geração de empregos em 2010. Até o final do primeiro semestre, gerava até mais que o triplo de empregos, mas perdeu ritmo no segundo semestre. Acabou fechando o ano com estoque positivo de 1.714 novos postos de trabalho, superado por Itabuna.

(A vantagem de Itabuna, no entanto, pode ter ocorrido devido a mudanças metodológicas do próprio Ministério do Trabalho e Emprego, pois em novembro Itabuna apresentava saldo de 1.100 novos empregos, ante 1.487 de Ilhéus. Só o Ministério do Trabalho para explicar a diferença.)

Impulsionado pelas inaugurações das lojas Atacadão-Carrefour e Makro, o comércio ilheense gerou 603 novas vagas e liderou a geração de empregos por setor no município no ano que passou. A indústria veio em seguida com 582 novas vagas. O setor de serviços abriu 379 novos postos de trabalho com carteira assinada.

Apesar destes números gerais de 2010, a economia ilheense fechou dezembro de forma decepcionante. A indústria cortou 50 vagas e o setor de serviços “cepou” mais que o dobro: 104 postos de trabalho. A construção civil cortou 31 empregos e o comércio perdeu fôlego e “limou” seis vagas.

SALÁRIO MÍNIMO FICARÁ ENTRE R$ 560 E R$ 570

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje que o novo salário mínimo, a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2011, será fruto de negociações do governo com partidos políticos e centrais sindicais, e deve ficar entre R$ 560 a R$ 570. “Menos que esse patamar não deve ser”, afirmou. Por enquanto, a proposta do governo é de R$ 538, que poderia ser arredondado para R$ 540. As centrais sindicais já pediram, contudo, para que a mínimo suba dos atuais R$ 510 para pelo menos R$ 580 (IG).

AGOSTO DO DESEMPREGO EM ITABUNA. JÁ EM ILHÉUS…

O mês que passou não foi dos melhores para quem procurou emprego com carteira assinada em Itabuna, segundo os últimos números divulgados ao final desta manhã pelo Ministério do Trabalho. Ao contrário do país, a cidade demitiu mais que empregou, cortando 10 vagas quando analisados todos os setores da economia.

O baque foi mais sentido no comércio, um dos que mais empregam no município. Em números absolutos, o setor admitiu 264 trabalhadores e demitiu 358. Corte de 95 postos de trabalho. É o pior saldo do ano.

Serviços e indústria registram números melhores, mas juntos abriram apenas 60 novas vagas no período. A área de construção civil também revela desaquecimento: abertura de 10 vagas com carteira assinada.

Em 2010, Itabuna gerou apenas 503 novos empregos, conforme o Ministério do Trabalho. Se computados os últimos 12 meses, foram abertos (só) 718 novos postos de trabalho.

EM ILHÉUS, É DIFERENTE

Como comparativo, a vizinha Ilhéus gerou 930 empregos neste ano e 1.781 nos últimos 12 meses. Na terra de Gabriela, agosto ficou no azul com a abertura de 96 novas vagas. Indústria e serviços geraram 115 empregos, juntos.

O saldo de agosto em Ilhéus não foi melhor por conta dos cortes no comércio (-21 vagas) e na construção civil (-20). A cidade reverte tendência histórica de gerar menos emprego que a vizinha Itabuna quando computados apenas os dados de um ano e de janeiro a agosto.

BRASIL BATE RECORDE DE EMPREGOS; ITABUNA GERA SÓ 99 VAGAS

Os números do emprego em junho revelam que Ilhéus abriu mais vagas de trabalho do que Itabuna no mês em que o Brasil atingiu marca histórica. De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o país gerou 1.473.320 novos empregos no primeiro semestre de 2010. É a melhor marca brasileira em um semestre dentro da série histórica medida pelo ministério.

Enquanto isso, Ilhéus abriu 102 novos empregos em junho, ante Itabuna 99. No acumulado dos seis primeiros meses de 2010, Ilhéus abriu 759 novos postos de trabalho. Já Itabuna, 493.

Os setores que mais geraram novas oportunidades em Ilhéus foram os de indústria (338) e comércio (216 vagas). Em Itabuna, foram a construção civil (319 vagas) e a indústria (253). Em compensação, o setor de serviços eliminou 165 empregos com carteira assinada.