WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘moral’

A DIFÍCIL ARTE DE SER BOM

aldineto mirandaAldineto Miranda | erosaldi@hotmail.com

A saída é mudar as ações, fazer escolhas diferentes, pensar no outro mais do que no próprio umbigo, abrir-se à solidariedade, e entender que não somos uma ilha.

O título do presente texto foi tomado de empréstimo de um livro do Padre Zezinho, e toca num pressuposto ético fundamental: Como ser bom? Há três palavras que, na verdade, significam questões, que se pode colocar nessa discussão: Devo? Posso? Quero? Pois nem tudo que devo eu posso, nem tudo que posso eu quero, e nem tudo que quero, eu devo…

Essas questões pululam em nossa mente, ainda que não sejam conscientes, todas as vezes que temos que tomar decisões ou agimos socialmente, especialmente quando essa ação nos exige escolhas.  Toda ação individual ecoa no meio social. Por vezes, aprendemos isso a duras penas.

Aprender! Eis o pressuposto ético essencial. Sempre podemos aprender.  A palavra ética do grego ethos tem sua significação relacionada a costume, modo de ser. Ética tem a ver com vida humana, e se é humana, é inacabada, sempre com possibilidade aberta de mudança, considerando o ser humano um projeto em construção, como belamente defende o existencialismo sartreano.

Nesse sentido, não existe ética sem liberdade. O que ocorre, e isso se abre como problema, é que somos responsáveis por nossas escolhas, e elas agem sobre os outros e os influenciam em suas escolhas, as quais são responsabilidade deles também. Ética tem a ver com escolhas, as quais definem o modo de ser de cada um, e, paradoxalmente, por sermos éticos podemos escolher ser bons ou não.

Ser bom não é basicamente um pressuposto religioso, mas uma exigência ética fundamental! Ser bom não significa não errar, mas aprender com os erros. Nas palavras do Padre Zezinho: “As pessoas consideradas santas foram pessoas que erraram menos e acertaram mais.”

Nessa luta pela bondade, claro que haverá erros, daí o aprendizado é importante. O que nos faz éticos não é capacidade de não errar, ao contrário, é essa capacidade de transgredir que nos faz éticos e morais. E a transgressão nem sempre é antiética, especialmente quando ela serve para valorizar a dignidade humana e lutar contra valores hipócritas.

Ser cuidadoso com suas ações sempre, isso nos faz éticos! Se errarmos, temos saída, o que não podemos é estagnar perante os erros. Não é uma atitude censurável que vai fazer com que alguém seja uma pessoa ruim, mas a continuação habitual em praticar tal atitude pode torná-lo ruim. Aristóteles já dizia que é o hábito que nos faz ser bons ou ruins, e a virtude está no equilíbrio.

Há saída para políticos que fizeram ações ruins, professores que tropeçaram em sua tarefa de ensinar, médicos que atendem sem sensibilidade, namorados que amam sem ardor, amigos que o são por conveniência, e para uma sociedade que não valoriza o ser humano.

:: LEIA MAIS »

POLÍTICOS TÊM QUE SER ÉTICOS, MORAIS E COMPROMISSADOS

Walmir Rosário | ciadanoticia@ciadanoticia.com.br

 

Na eleição deste ano, um ingrediente vem esquentar ainda mais o debate: a exigência da comprovação do candidato ser um político “ficha limpa”.

 

As campanhas políticas se aproximam e a partir de junho próximo teremos os candidatos aos cargos executivos e parlamentares, em nível municipal. Enquanto as convenções não definirem quais são os escolhidos pelos diversos partidos e coligações como candidatos a prefeito e vereadores, todo cidadão com suas obrigações eleitorais em dia tem o direito de lançar seu nome à apreciação dos eleitores.

E é bom que assim o faça – no papel de pré-candidato –, no sentido de que os eleitores tenham tempo suficiente para analisar o passado desses políticos, desde a lisura com que tratou as finanças públicas quando ocupou cargos e mandatos, ou o compromisso com as causas da sociedade. Mesmo aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de exercer cargos podem ser avaliados pela conduta ética e moral.
Como bem disse o filósofo André Comte-Sponville, “a moral é solitária (ela só vale na primeira pessoa); toda política é coletiva. É por isso que a moral não poderia fazer as vezes de política, do mesmo modo que a política não poderia fazer as vezes de moral: precisamos das duas, e da diferença entre as duas!”, ensinou.

Para ficar mais claro, vale a pena lembrarmos de mais um trecho do pensamento do filósofo no seu trabalho “Apresentação da Filosofia”, quando diz, textualmente: “Uma eleição, salvo excepcionalmente, não opõe bons e maus, mas opõe campos, grupos sociais e ideológicos partidos, alianças, interesses opiniões, prioridades, opções, programas…Que a moral também tenha uma palavra a dizer é bom lembrar (há votos moralmente condenáveis). Mas isso não nos poderia fazer esquecer que ela não faz as vezes nem de projeto nem de estratégia. O que a moral tem a dizer contra o desemprego, contra a guerra, contra a barbárie?”, reforça.

:: LEIA MAIS »








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia