WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘Nazal’

ILHÉUS PRESTA HOMENAGEM AO EMPRESÁRIO HELENILSON CHAVES

Helenilson, com o filho Manoel, em foto de Fabinho Nazoera

Falecido em outubro do ano passado, o Helenilson Chaves acaba de ganhar homenagem em Ilhéus. Uma das ruas do Bairro Jardim Atlântico, na zona sul da cidade, levará o nome do empresário. A Rua E foi denominada Rua Helenilson Chaves.

A lei modificando o nome da rua foi publicada no Diário Oficial agora em julho. Responsável pelo acompanhamento e organização do estudo que definiu CEPs, nomes de ruas e limites de Ilhéus, o vice-prefeito José Nazal foi o autor da homenagem a Helenilson. Ele também explica que o CEP da rua permanecerá o mesmo, mudando apenas o nome.

Ruas com denominação alfanuméricas ganharam nomes de personalidades

A rua que leva o nome de Helenilson não foi escolhida de forma aleatória. “Era justamente a rua onde o empresário possuía uma casa de veraneio”, disse Nazal ao PIMENTA.

Com a lei sancionada pelo prefeito Mário Alexandre (Marão), Ilhéus deixou de ter ruas com denominação alfanumérica.

Dentre os homenageados no Bairro Jardim Atlântico, além de Helenilson, estão o jornalista Armando Oliveira, o músico Saul Barbosa, o escritor Euclides Neto e Raimundo Kruschewsky Ribeiro.

LIDEROU O GRUPO CHAVES

Homenageado em Ilhéus, Helenilson Chaves foi um dos maiores nomes do empresariado da Bahia. Comandou o Grupo Chaves, tocando negócios em áreas como agropecuária, comércio, indústria e comunicação.

Em Itabuna, fundou a TV Santa Cruz, afiliada Rede Globo, e construiu o Shopping Jequitibá, que neste segundo semestre inaugura mais de 20 operações com novas lojas, serviços médicos e de academia e um cinema com tecnologia de ponta (Cinemark).

O investimento do Grupo Chaves nesta segunda expansão do Jequitibá é superior a R$ 25 milhões, valor que não inclui os investimentos das empresas. Hoje o grupo empresarial é tocado pelo diretor-presidente Manoel Chaves Neto, filho de Helenilson.

AQUELE ABRAÇO

Rui e Nazal se encontram após ausência sentida em junho || Foto Aline Meira

Na visita a Ilhéus em junho, o governador Rui Costa sentiu falta do vice-prefeito José Nazal durante solenidade de aniversário do município.

– Cadê Nazal? Tá aí? – perguntou.

Disse que queria dar um abraço no vice-prefeito junto com Mário Alexandre, o prefeito. E riu. Como se sabe, Marão e Nazal estão rompidos politicamente.

Hoje, Rui retornou a Ilhéus para a abertura do Festival Internacional do Chocolate e Cacau, no Centro de Convenções. E lá estava o vice-prefeito:

– Vim dar o abraço que o senhor cobrou – disse Nazal.

Rui Costa reagiu com largo sorriso e se pôs a perguntar sobre como estava o vice-prefeito. Antes que a conversa evoluísse mais um tiquinho, Marão colou.

– Olhe Nazal aí…

 

CÂMARA APROVA PROJETO DE NAZAL QUE ORGANIZA RUAS E CEPs DE ILHÉUS

O vice-prefeito Nazal com os vereadores César Porto, Escuta e Fabrício

Do Blog do Gusmão

A necessidade de identificar ruas e organizar os códigos de endereçamento postal (CEPs) de Ilhéus levou a Câmara de Vereadores e o vice-prefeito, José Nazal, a trabalhar numa proposta de projeto de lei que regulariza essas questões.

A partir de abril deste ano, o vice-prefeito e o Poder Legislativo iniciaram um minucioso levantamento sobre toda a legislação que envolve a denominação de ruas em Ilhéus, desde 1969 até os dias atuais. Foram levantadas 306 leis, nos últimos 50 anos, que definem os logradouros de cerca de 450 localidades.

Os vereadores e Nazal visitaram todos os bairros de Ilhéus e puderam ouvir reclamações e sugestões de moradores que foram importantes na adequação do projeto. Na última quarta-feira (19), após algumas modificações dos vereadores, a Câmara transformou a proposta em lei, que agora aguarda a sanção do prefeito.

Segundo Nazal, diversos bairros e sedes distritais possuíam ruas sem nome, ruas identificadas por letras, números ou com nomes de pessoas vivas.

A lei define novos nomes para as ruas que possuem leis que não estão aplicadas; substitui as letras e números por nomes e identifica ruas nas áreas urbanas, inclusive as da zona rural, buscando a posterior inclusão no cadastro do CEP. A regularização dos CEPs vai permitir a inclusão de cidadãos nos sistemas digitais; possibilitar a abertura de empresas conforme exigência da Junta Comercial da Bahia (JUCEB) e o atendimento por parte dos Correios.

“Esse trabalho é o primeiro passo para que as pessoas residentes nessas ruas possam, no futuro, receber compras realizadas via internet e consigam identificar com segurança e tranquilidade o endereço da empresa ou do microempreendimento que é proprietário”, explicou Nazal.

O vice-prefeito destacou algumas curiosidades: “a Avenida Itabuna corta 8 bairros; as Avenidas Ubaitaba e Nossa Senhora Aparecida (Barreira) cortam 4 bairros e 27 ruas passam em dois bairros”.

A Avenida Presidente Tancredo Neves (criada em 1988, três anos após a morte do presidente da República eleito pelo Congresso Nacional em janeiro de 1985) também corta 4 bairros. Ela inicia após o Hotel Opaba e segue até a localidade de Águas de Olivença.

NAZAL ASSUME PREFEITURA SEM TRANSMISSÃO DE CARGO

Nazal não aceitou acordo e assume prefeitura “na marra”

Cotado para assumir a Secretaria do Turismo de Ilhéus, o empresário do ramo hoteleiro Fábio Wanderley Cavalcante Júnior tentou selar a paz entre o prefeito Mário Alexandre (Marão) e o vice-prefeito José Nazal.

Ambos conversaram no último sábado, momentos antes de Marão partir para Salvador e, da capital baiana, para um compromisso em Washington, nos Estados Unidos, onde participa de evento global sobre meio ambiente, a partir desta quarta (8).

Não houve acordo.

Marão até pensou em passar a caneta a Nazal durante os 10 dias que ficará fora. Desistiu, pois queria do vice-prefeito, dentre outras coias, o compromisso de que não readmitiria os mais de 300 servidores mandados para a rua em janeiro deste ano.

O vice-prefeito havia se posicionado contra a posição de Marão. Não foi escutado. O prefeito também temia que Nazal exonerasse uma leva de comissionados, dentre eles o secretário da Administração, Bento Lima, considerado o prefeito de fato do município.

Com tantos temores, Marão viajou e nem deu tchau ao vice.

Hoje, Nazal assume a prefeitura, temporariamente, sem que tenha havido a transmissão do cargo.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

NAZAL DEVE CONCORRER À PREFEITURA DE ILHÉUS EM 2020

Nazal pretende concorrer como cabeça de chapa à Prefeitura || Foto Maurício Maron

José Nazal (Rede Sustentabilidade) anunciou hoje (16) a pretensão de concorrer à Prefeitura de Ilhéus em 2020. “Discordo do que está sendo proposto e realizado. A maior parte da população também não está gostando, por isso o prefeito tem 73% de avaliação péssima e ruim”, explicou Nazal ao Blog do Gusmão.

Hoje vice-prefeito, com postura crítica ao Governo Marão, Nazal disse que ganhar ou perder eleição não o preocupa. E explicou ao Blog do Gusmão:

– Eu penso muito mais na cidade do que em mim. Ainda há uma série de questões no caminho, mas, se Deus me der saúde e permitir, serei candidato – disse ele.

NAZAL: “PARA MIM, ACABOU. ESTOU VENDO O GOVERNO DE MÁRIO DEGRINGOLAR”

Nazal diz que casamento político com Marão acabou e vê governo “degringolar”

José Nazal Pacheco Soub, 62 anos, era, até o dia 30 de abril, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Ilhéus. Pediu exoneração ao final da tarde daquela segunda-feira, véspera do 1º de Maio, Dia do Trabalhador. Passou a ser, a partir dali, apenas vice-prefeito. Ou, como diz, “figura decorativa”.

O casamento político com o prefeito Mário Alexandre (Marão) acabaria dois dias depois. O prefeito tentou dissuadi-lo. Ouviu de Nazal uma espécie de “Ou Bento ou eu”. Bento Lima vem a ser o secretário de Administração de Ilhéus. Mandachuva do governo, como define Nazal. Marão não topou abrir mão de Bento.

Nazal faz críticas e autocríticas. Para ele, o Governo Marão está degringolando (palavras dele) e a hora é da “cidade acordar” e a gestão ter pessoas comprometidas com Ilhéus. Aponta desvios éticos e afrontas ao erário.

O vice-prefeito acredita que Marão governa sem compartilhar poder. E, mais que isso, sem comparecer ao próprio gabinete. Pior, diz que o prefeito passou mais de 8 meses sem reunir o secretariado. Também não acredita que o governo melhore. Diz ter batido de frente com mandachuvas do governo – secretários Bento Lima, Alisson Mendonça e Alcides Kruschewsky.

Membro da Rede, o vice-prefeito fez autocrítica: enxerga-se como intransigente com várias coisas. Na tarde da última quinta-feira (17), Nazal concedeu a seguinte entrevista ao blog:

PIMENTA – Começando do começo, como é que surge a aliança com Marão?

JOSÉ NAZAL PACHECO SOUB – Lançamos pré-candidatura para discutir os problemas de Ilhéus. Para mim, era muito mais importante governar do que ganhar. Ficamos em um grupo menor. Terminou não dando certo, mas tivemos uma relação boa [em uma aliança inicial de 7 legendas]. Na última semana para convenções, Mário ficou sozinho. De 7 partidos daquele grupo, ficaram 5. Depois, um. Rachou tudo. Foi quando houve proposta de [Emílio] Gusmão e Hélio Ricardo: Por que não junta com Nazal? Aí, marcamos uma conversa, no dia 30 de julho, 10 da manhã. Conversamos. Lá, eu disse: se a gente fechar um acordo, a minha proposta é só uma. É Ilhéus, é por Ilhéus. Não sabíamos se iríamos ganhar ou não. Dia 31, convenção do PSD, sentamos novamente. No outro dia, ele vira pra mim e diz: Essa noite eu dormi. Os acordos que eu tentei fazer, todo mundo trabalhou na faixa de 50%, dividindo loteando o governo.

PIMENTA – E contigo?

NAZAL – Eu disse: minha proposta é por Ilhéus. Agora, tem uma condição. Se sair da linha, eu grito. Ganhamos a eleição sem dívida política nenhuma. Eram cinco partidos. Um grande e os nanicos: O PSD, PTdoB, PTB, PSL e a Rede.

PIMENTA – Você impôs condições, Marão aceitou. Pelo que aconteceu no governo, você se sentiu usado?

NAZAL – Não me senti, pois não me subjuguei. Não concordei, um abraço. Muitos dizem você foi importante para a eleição de Mário. Talvez não tenha essa dimensão. Eu era pré-candidato, tinha 2%, sem estrutura e densidade eleitoral. Mas algo mudou quando tornei-me vice. Mas não me senti usado. A discussão, o discurso eram um. Mas, eepois, a prática… Mas o meu permaneceu o mesmo. O que eu não aceitava, eu dizia. Coisa que não aceitei, eu sempre bati de frente.

PIMENTA – Com o prefeito?

NAZAL – Com Mário e com algumas pessoas do governo que são mandachuvas: Bento Lima (secretário de Administração), Alisson Mendonça (Governo, e agora na Seplandes) e Alcides Kruschewsky (Comunicação). Com Alcides, menos, para não ser injusto. Com Alisson, forte… Eu não entrei para disputar o poder, mas para compartilhá-lo. Essa é a diferença. Eu dizia com Alisson: ‘o meu compromisso é muito maior que o seu. Você é secretário. Eu sou secretário e vice-prefeito’. Eu botei meu nome. Meu nome estava na tela [da urna]. O de Mário foi para a tela, o meu foi para tela. Eu não queria ser um vice decorativo como agora vou ficar.

______________

Tem pessoas que chegaram no governo, não conhecem nada, fazem um bocado de porcaria, não botam a cara na tela…

PIMENTA – E qual é o sentimento?

NAZAL – Poderia ter contribuído até mais, mas ele [o prefeito] não quis. A Marão, eu disse: você toma decisões que eu não concordo. Como você quer que eu concorde, se eu não fui, sequer, ouvido? Tem pessoas que chegaram no governo, não conhecem nada, fazem um bocado de porcaria, não botam a cara na tela…

PIMENTA – Que tipo de porcaria?

NAZAL – Tem várias coisas. [O prefeito] pegou um cara de Maraú para a Odontologia que fez horrores na área. Eu concordo, tem que botar o pessoal para trabalhar, mas você não tem o direito de dar grito, assediar. Eu disse, Mário, você não trata ninguém mal, eu não trato ninguém mal. Aí vem um cara de fora, em nome da gente, para tratar os funcionários mal? Não dá. Não sou xenófobo. Pode ser de fora, mas tem que ter compromisso com Ilhéus.

PIMENTA – Após o pedido de exoneração, o prefeito não tentou mantê-lo na Seplandes?

NAZAL – Eu disse ao prefeito… A condição para eu ficar, é você tirar Bento e um bocado de gente. Ele: então me dê nomes. Ele não tiraria.

PIMENTA – A decisão foi apenas de sair só da secretaria ou o casamento, realmente, acabou?

NAZAL – Para mim, acabou. Mário é uma pessoa que eu gosto, não há nada de pessoal, não sou de ofensas, de xingar. Agora, quando quebra a confiança, quando quebra a proposta… Eu estou vendo o governo degringolar. Eu ando na rua, eu vou para a padaria, feira, ando de chinelo na rua, ando de calção, vou para fila de banco pagar minhas contas… Eu não mudei minha forma de viver. E espero não mudar. O poder é tão efêmero. Eu não fiz campanha e nos elegemos para pensar, imediatamente, em reeleição. Para mim, reeleição é consequência, tem que acontecer de forma natural. Meu compromisso é com Ilhéus, em primeiro lugar. Então, para mim, acabou.

______________

Mário está governando só com Bento. Disse isso a ele. Eu não fiz campanha para uma pessoa governar sozinha.

PIMENTA – Você falou em quebra de confiança. O que minou essa confiança?

NAZAL – Sempre fiz críticas aos governos dos quais participei. Eu me afastei politicamente de Jabes em julho de 2006. Eu disse, Jabes você errou quando governou sozinho com Isac Albagli, John Ribeiro, com núcleo fechado, que acha que não erra, que acha que é infalível. Isso é ruim. Depois, veio Newton Lima e governou discutindo tudo. Tudo era na mesa. Foi reeleito com mais de 60% dos votos válidos de Ilhéus, algo que não irá se repetir por muitos anos. E aí, Jabes voltou para o governo [em 2013] e repete-se situação que você fecha o governo para decidir com poucos. Aí vem Mário e está governando só com Bento. Disse isso a ele. Eu não fiz campanha para uma pessoa governar sozinha. Fiz campanha para governar discutindo dentro do governo e com o povo. Então, não vou recuar no meu modo de pensar. Agora, a decisão foi minha por um único motivo. Eu levei 75 dias para Mário me receber esse ano.

PIMENTA – Quantas reuniões como secretário?

NAZAL – Apenas duas em todo o governo. É uma crítica que eu tenho com Mário. Por exemplo: ele não tem rotina para despachar. Todo governo deve ter. Se ele está te atendendo, chega outro secretário e entra na conversa. Então, não pode ser assim. Não é que seja sigilo, segredo, mas tem coisas que exigem foco. Eu fiz uma crítica a ele, de frente. Você não está indo ao gabinete, que está às moscas. Eu vou lá todo dia.

PIMENTA – Nem vai à rua?

NAZAL – Ele despacha em casa. Está errado.

PIMENTA – O que distancia o prefeito do próprio gabinete?

NAZAL – Decisão pessoal dele. Eu não tenho dificuldade de dizer não. Se posso dar um sim, será um prazer imenso. Se não, será com dor forte, mas terei que dizer não posso. Governar é tomar decisões. E não ter decisão é pior que protelar. Eu disse a ele: Jabes entrava pelos fundos, mas ia ao gabinete, mas você nem isso.

PIMENTA – Dá para administrar uma cidade como Ilhéus, assim, desta forma?

NAZAL – Não dá. Diversas vezes, e abertamente, propus fazer o seguinte: nós dois vamos entrar em um carro, ir a posto de saúde, escola, unidade administrativa para ver como as coisas estão acontecendo. Vamos chegar em uma escola na hora da merenda para ver como está a merenda. Vamos chegar em um posto às cinco horas da tarde, para ver se tem alguém lá, que o horário é até as 18h. Não tem ninguém em nenhum posto. A gente perdeu, agora, do meu ponto de vista, o apoio que estava tendo do governo do estado na área da Saúde.

PIMENTA – Por quê?

NAZAL – As coisas não estão acontecendo. Não vamos ter mais o apoio que estávamos tendo do Estado e que, inclusive, causou ciúmes em políticos do passado. Tínhamos um apoio muito forte, mas hoje está meio frio.

________________

Meu amigo, tá faltando copinho para fazer exame de tuberculose. Copinho que custa centavos.

______________

PIMENTA – Esse novo comportamento do estado se dá por causa do prefeito ou de quem comanda a Pasta?

NAZAL – O prefeito é quem governa, mas vem também da pasta. Algumas coisas melhoraram. É inegável. O atendimento na pediatria… Mas não está ainda bom. Eu não concordo com governo que vive de releases. Tem que viver com ações concretas. Hoje (quinta), de manhã, recebi solicitação que não vou poder ajudar. Meu amigo, tá faltando copinho para fazer exame de tuberculose. Copinho que custa centavos. Cheguei no Ilhéus II, e uma senhora me disse que comprou fita – R$ 5,80 – para o posto de saúde marcar a consulta dela. Tenho que ficar com vergonha. A Prefeitura de Uruçuca está com 4 escolas dentro de Ilhéus. E Uruçuca construiu uma escola dentro de Ilhéus, em Banco Central, ano passado. Eu reclamei, reclamei e nada foi feito. Reclamei até ontem (15), meia-noite. Pode ser que tenha sido feito hoje. Construída.. Isso é improbidade administrativa. Na revisão do limite, a pessoa pode dizer que quer ser de Uruçuca. Ninguém toma providência. Não é a defesa intransigente, mas a gente tem que tomar conta do nosso chão.

PIMENTA – O governo tem tempo para mudar, melhorar?

NAZAL – Todo mundo, na hora que quer mudar, muda. Mas tem que querer. Se não houver vontade… Eu acho difícil acontecer [mudança]. Eu vi pesquisa com recortes pontuais. Disse na cara, não acredito. Pesquisa eu acredito vendo-a completa, quem fez… Pode ser Ibope, Datafolha… Vendo pedacinho, não acredito. A pesquisa verdadeira é a do dia a dia. Vai na feira, pergunte. Vai…

PIMENTA – O prefeito sempre foi visto como acessível, afável. O que provocou essa mudança, esse distanciamento do gabinete?

NAZAL – Não vejo ninguém melhor que Mário para fazer esse corpo-a-corpo, mas ele está deixando a desejar. Tem coisas que não justificam. O atendimento ao público… Infelizmente, a maioria vai fazer pedido pessoal, mas há quem peça coletivamente, de forma plural. Então, tem que ter atenção. Vou dar exemplo. Inema, no interior, ele não tinha ninguém na campanha. Eu abri conversa e o grupo nos deu votação expressiva. O grupo não foi atendido em nada. Eram pedidos coletivos. Foram atendidos por mim, Alcides, Alisson. Mas ele, nada.

PIMENTA – O governo reage da melhor forma às críticas de opositores?

NAZAL – Sabe a história do avestruz, do enterrar a cabeça pra não ver… Eu não sou o prefeito. Prefeito é Mário. A minha rede social quem responde sou eu. Se acho que é pertinente a reclamação, dou a devida resposta. Ontem, fiz uma observação ao governador [Rui Costa]. Fui ver uma reclamação quanto à obra de esgoto na zona sul. De fato, está uma porcaria. Mostrei ao governador e avisei à Embasa. Ele respondeu meia hora depois, dizendo que tomaria providência. É um problema sério. São R$ 52 milhões investidos, uma grande obra. Ilhéus vai chegar a 92% de esgoto tratado.

PIMENTA – E na sua Pasta, o Planejamento? 

NAZAL – Briguei no governo e não consegui dar conta do Plano Municipal de Saneamento Básico. Nós precisamos fazer. Se não fosse prorrogado o prazo para 2019, ficaríamos sem receber dinheiro nenhum, nem de emenda nem de nada, por falta do plano. Ninguém no governo dá importância. Fizemos um convênio com a UFSB, e espero que continue, de levantamento arbóreo, isso é importante para a população viver, ar mais limpo, respirar melhor, fizemos um trabalho para a Bacia do Iguape, que é um problema grave d´água. Espero que deem continuidade. Uma série de coisa que a gente encaminhou, mas paciência.

PIMENTA – Sua secretaria foi boicotada?

NAZAL – A dificuldade que tínhamos era com pessoal. Por meio de parceria com o Ministério Público, conseguimos fazer algum tipo de capacitação. Agora mesmo foi curso de poda de árvore, por uma semana… Temos condições péssimas de trabalho, de estrutura. Tínhamos uma pessoa para fazer todo o licenciamento ambiental de Ilhéus. Ficamos um ano com só uma pessoa. É, humanamente, impossível dar conta com uma só pessoa. Claro que não dá conta. Aí foram chamados mais 4, mas somente no final do ano passado.

______________

Tem empresas grandes que estão enganchadas porque têm passivo ambiental pesado e pedem para dar jeitinho.

PIMENTA – Havia queixa quanto à concessão das licenças ambientais.

NAZAL – Fomos duros na concessão de licenciamento, construção em áreas de proteção, construção irregular. No dia que se dava uma notificação, havia dez pedidos políticos para dar um jeitinho. Tem um prédio que estava sendo construído na zona sul e foi embargado porque estava sem licença, alvará, sem nada. Ainda veio pedido para ter paciência com um negócio desse… Tem empresas grandes que estão enganchadas porque têm passivo ambiental pesado e pedem para dar jeitinho.

PIMENTA – O governo ficou aquém do pensado?

NAZAL – Muito. Por exemplo, transparência de todos os atos. É uma obrigação legal. Mas temos que fazer mais que a obrigação. O que é isso? É contratar bem, saber se o serviço está sendo bem feito. Deficiência no serviço de transporte escolar, na merenda, na atenção básica de saúde… Agora, como vice-prefeito, vou ter condição de enxergar mais…

PIMENTA – A secretaria conseguiu desempenhar o papel, de planejar, discutir a cidade?

NAZAL – Conseguiu. Tem vários projetos prontos. Nunca é um trabalho sozinho. A gente teve discussão muito forte sobre a mobilidade urbana, resultando em projeto que se for implantado terá grande impacto. Temos projeto para fazer escola na área social do Clube do Pontal… Está bacana. O Clube tem projeto de doar terreno para o município, mas nunca consegui apresentá-lo ao prefeito. Temos a mudança do projeto de transporte coletivo, de diametral para radial, com o usuário podendo usar ônibus por 2 horas pagando só uma passagem. O transporte público é deficiente em Ilhéus. Por isso, temos o avanço do transporte clandestino. Precisamos discutir a questão da água. O prefeito perdeu uma ligação da cidade de Sobral, Ceará. Vinham propor implantar em Ilhéus um sistema de educação que é modelo no Brasil e no mundo. Sabe onde está sendo implantado? Em Vitória da Conquista. O prefeito Herzem está entusiasmado, encantado.

PIMENTA – E qual seria o custo?

NAZAL – O operacional, o normal. Ele [Marão] nem ouviu, não houve interesse. Falei com a secretária… Então, essas coisas… A cidade precisa acordar. Incomodou tanto eu me separar, politicamente, do governo que tá saindo um bocado de meme dizendo Nazal, Mário e a deputada. Tem culpa. Mas eu sei de onde está partindo… Nesta semana, fizeram uma reunião grande para entrar nessa linha do desgaste de Mário.

____________

Quem governar diferente, está governando certo. Agora, eu não fiz campanha em 2016, andei por Ilhéus, para fazer um governo como está sendo feito.

 

PIMENTA – Sinaliza preocupação com 2020. Você será candidato a prefeito?

NAZAL – Em 2006, eu dizia que seria candidato a prefeito de Ilhéus não para ganhar, mas para puxar temas, discutir Ilhéus, que queria ser diferente. Fui secretário de Uruçuca no Governo de Fernanda Silva [2013-2016]. Na primeira reunião em dezembro de 2012, no Barravento, ela queria ouvir cada um. Eu não tinha tanta intimidade. Disse, prefeita eu só tenho uma sugestão para a senhora. Faça diferente. E ela, como é que governa diferente? Respondi: governe certo. Quem governar diferente, está governando certo. Agora, eu não fiz campanha em 2016, andei por Ilhéus, para fazer um governo como está sendo feito.

PIMENTA – E como está sendo feito?

NAZAL – Principalmente com o erário. Fui contra fazer o carnaval desde o primeiro ano. Adoro carnaval, mas só faz festa quem tem dinheiro sobrando. Um milhão e duzentos que gastou no carnaval consertava quantos postos de saúde, quantas escolas? A Escola de Tibina tem mais de cinco anos que está sem teto. Fui à secretária [de Educação] Eliane Oliveira. E ela respondeu que foi a primeira que pediu para consertar. E mostrou: aqui a prova. Quem mudou a prioridade? Não sei, mas foi a primeira escola. Tem oito meses que não fazia reunião de secretário. Fez na terça (15). Como governa dessa forma? Que unidade tem esse governo? Até para discutir, até para brigar… Um não sabe o que o outro está fazendo… O plano de iluminação da Soares Lopes quem fez foi a Administração. A Secretaria de Serviços Urbanos, na época era Jorge Cunha, não sabia de nada. Alcides levantou uma questão, e tinha razão. O projeto da Avenida era um e o da ponte, feito pelo Estado, era outro. Não se comunicou. Ontem, o pessoal da obra da Ponte me pediu que enviasse a referência do poste [de iluminação pública] para planejar igual. Coloquei em contato com Hermano Fahning para fazer.

PIMENTA – O projeto é bom?

NAZAL – É bom. Vou dar exemplo… Marão estava viajando e eu entrei em contato com o governador para falar do projeto. Governador, queremos fazer um estacionamento aqui. Ele respondeu, façam um projeto bonito… Até agora, não foi levado ao governador. Não é um projeto caro. Fiz pedido ao prefeito na minha carta. Aquelas pedras da construção da ponte serão retiradas, está no contrato. devem ser jogadas em área licenciada ambientalmente. A licença indica que se jogue na Sapetinga, no São Miguel e São Domingos. No São Domingos, o SIT (Governo do Estado) está fazendo a licença. Na Sapetinga e no São Miguel, a prefeitura terá que fazer. Ninguém fez. Será que vão querer fazer de qualquer jeito? Tem que ter responsabilidade. Civil, inclusive. A gente não tem em Ilhéus uma cascalheira licenciada. Como é que se faz manutenção de estradadas? Ilhéus não se tem uma sequer. O governo não discute. Acha que é besteira isso? Quem está no campo, sofre. O lavrador, o agricultor, quem precisa usar o ônibus. Em Uruçuca, teve aquele acidente com morte da estudante. Em Ilhéus, tem veículos rodando naquelas condições. Mas como dá manutenção se não tem cascalheira licenciada?

PIMENTA – Começamos falando do casamento… Em casamento, ambos têm responsabilidade, se na união ou na separação. Que autocrítica você faz?

NAZAL – Faço todo dia, todo dia, todo dia. A minha talvez seja a de ser intransigente com algumas coisas, com as coisas que têm de ser feitas da forma certa. Há coisas que você possa achar um caminho. Mas sou intransigente com o interesse público estar acima do privado.

PIMENTA – O privado se sobrepõe ao público com grande incidência em Ilhéus?

NAZAL – Em todo governo. A pessoa chega com o projeto, tudo bacana. Aí o sujeito chega e a gente pergunta das desvantagens. Ah, não tem. Como? Só tem vantagem? Mas é preciso ter coragem para enfrentar isso.

______________

O prefeito deu declaração de que a usina vai funcionar [essa semana]. Se funcionar, vai ser de forma irregular.

 

PIMENTA – Falando ainda das causas do rompimento, os atritos com secretários pesaram na decisão?

NAZAL –Atrito teve, mas não a ponto de criar trauma. O mais melindroso foi a coragem que a gente teve de fechar a usina, estando a usina irregular. Como é que nós, como governantes, exigimos que esteja correto e libera a usina? Município tem que fazer correto. Não é favor fazer o correto. Agora, para resolver o problema da usina, a gente escolheu algumas áreas. Mas a decisão de Bento, do prefeito, foi desapropriar a área onde a usina está, sem observar o valor venal da área, que é alto. O prefeito deu declaração de que a usina vai funcionar [essa semana]. Se funcionar, vai ser de forma irregular. E eu não sei se a empresa já devolveu todos os equipamentos, porque havia equipamento do município sendo usado em Itacaré. Até seis meses atrás, estava lá.

PIMENTA – Você se arrepende da aliança com Marão?

NAZAL – Não. Valeu a pena. Não é a posição pessoal de ser vice-prefeito. Isso é passageiro. Passa tão rápido. Vou me dedicar agora a um trabalho em função do Censo de 2020. Vou trabalhar sozinho. Depois, apresento. Até ao prefeito. É pelo município, por Ilhéus. Marina me disse uma coisa, meu filho, você fez um contrato com o povo. Eu vou me dedicar. Onde sou chamado e onde for chamado, eu vou.

PIMENTA – Já é o plano para 2020?

NAZAL – Pode até ser, mas eu sempre fui. Eu atendo telefone sem olhar quem está ligando. Devolvo todas as ligações que fazem para mim. Eu não sei se estarei vivo amanhã. Não sei se chego em casa hoje. Eu gostaria de ver o governo mudar, mesmo não estando nas decisões, mas pelo bem da cidade.

PIMENTA – Com as mexidas feitas na equipe, dá para mudar?

NAZAL – Só o tempo para dizer. Sem se reunir, sem interação entre as pastas, saber o que o outro está fazendo, ajudar o outro, não tem mudança.

PIMENTA – Dá para a equipe jogar bem com o técnico a distância?

NAZAL – Não. Mário tem que ter rotina de prefeito, não lê um processo para despachar. Tem coisas que você tem que saber, entender o que está fazendo. Tem coisas que a gente precisa não apenas conhecer, tem que saber daquela coisa lá. Agora, repito, tem que ter compromisso com a cidade. Eu moro na mesma casa há 62 anos. Não pretendo sair. Quero olhar para as pessoas. Está faltando amar as pessoas verdadeiramente. Trabalhei com vários prefeitos. Não encontrei um top. Tem que pensar no coletivo. Não gostou, mas quantos mil gostaram? É fazer o que tem que ser feito, mas não com interesse em ser reeleito. Ele dizia eu vou ser o prefeito top. Prefeito, não foi top.

MP-BA SOBRE AS EXONERAÇÕES DE NAZAL E GUSMÃO: “GRANDE SENTIMENTO DE PERDA”

Eduardo Sampaio (à esq.), da 11ª Promotoria, lamentou exonerações de Nazal e Gusmão

O Ministério Público Estadual (MP-BA) externou em nota pública “grande sentimento de perda amargado pela sociedade ilheense” com os pedidos de exoneração apresentados por José Nazal e Emílio Gusmão ontem (30). O vice-prefeito deixou o comando da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável e Gusmão saiu da Superintendência de Meio Ambiente de Ilhéus. A nota pública foi emitida neste feriado do Dia do Trabalhador pelo titular da 11ª Promotoria de Justiça de Ilhéus, Paulo Eduardo Sampaio Figueiredo.

A Promotoria deseja “que o atual governo tenha a felicidade em escolher substitutos à altura desses membros que deixam a Administração, frente aos complexos desafios que se apresentam na gestão da pasta urbanístico-ambiental, bem como seja mantida a continuidade das exitosas ações construídas ao longo desses dezesseis meses com o Ministério Público e demais parceiros ambientais, em prol do desenvolvimento sustentável de nosso Município”.

Nazal e Gusmão protocolaram pedidos de exoneração depois de enxergarem ações internas, do núcleo duro do governo, para travar o trabalho tanto do Planejamento como na área ambiental. O prefeito Mário Alexandre (Marão) também forçava a saída do vice-prefeito ao não recebê-lo por 70 dias, apesar Nazal ocupar a Secretaria de Planejamento. Abaixo, a íntegra da Nota Pública da 11ª Promotoria de Justiça de Ilhéus.

NOTA PÚBLICA

A 11ª Promotoria de Justiça de Ilhéus, por meio de seu membro titular, o Exm.º Sr. Paulo Eduardo Sampaio Figueiredo, vem externar seu grande sentimento de perda amargado pela sociedade ilheense com os pedidos de exoneração dos senhores José Nazal Pacheco Soub e Emílio Santos Gusmão dos cargos de Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável e Superintendente de Meio Ambiente de Ilhéus, respectivamente. Que o atual governo tenha a felicidade em escolher substitutos à altura desses membros que deixam a Administração, frente aos complexos desafios que se apresentam na gestão da pasta urbanístico-ambiental, bem como seja mantida a continuidade das exitosas ações construídas ao longo desses dezesseis meses com o Ministério Público e demais parceiros ambientais, em prol do desenvolvimento sustentável de nosso Município.

Ilhéus, 1º de maio de 2018.

PAULO EDUARDO SAMPAIO FIGUEIREDO
11º Promotor de Justiça de Ilhéus

ILHÉUS: NAZAL PEDE EXONERAÇÃO DO CARGO DE SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO

Nazal deixa governo de Mário Alexandre || Foto Maurício Maron

Gusmão deixa a Superintendência de Meio Ambiente

O vice-prefeito José Nazal acaba de protocolar pedido de exoneração do cargo de secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Ilhéus. Ele alegou razões político-administração e de foro íntimo para deixar a Pasta que comandava desde o primeiro dia de governo.

Não apenas Nazal deixa a gestão de Mário Alexandre. O superintendente de Meio Ambiente, Emílio Gusmão, também apresentou pedido de exoneração. Ambos pertencem à Rede Sustentabilidade, mas ainda não está claro se a saída do governo é uma decisão apenas de ambos ou também do partido.

Desde o ano passado, Nazal já sinalizava que poderia deixar o governo, apesar da amizade e do papel desempenhado tanto na campanha eleitoral como na gestão. Há cerca de 30 dias, o vice-prefeito ficou em licença médica por causa de problemas de saúde decorrentes do acúmulo de funções no governo, que perde um quadro considerado reserva moral, além da incapacidade da gestão em tocar ações mínimas.

Os desgastes na relação entre Nazal e Marão se tornaram mais agudos já no episódio do aumento da passagem de ônibus, quando o prefeito reajustou a passagem de R$ 3,10 para R$ 3,50. Nazal e a própria Rede se posicionaram contra, justamente por causa do percentual alto considerada a inflação do período (relembre aqui).

Logo depois do episódio, secretários municipais do núcleo duro do governo, a exemplo de Bento Lima (Administração), pressionaram Marão a tomar os cargos ocupados pela Rede (relembre aqui).

O secretário de Comunicação, Alcides Kruschewsky, disse ao PIMENTA que quem apostasse em rompimento de Marão e Nazal iria perder (reveja aqui). A pressão, agora, é para que Marão se adiante e exonere os secretários de Serviços Urbanos, Jorge Cunha, e da Fazenda, Adriano Sales. Atualizado às 19h10min.

“QUEM APOSTAR NO ROMPIMENTO DE MARÃO E NAZAL VAI PERDER”, AFIRMA ALCIDES

Alcides afirma que aposta é na unidade do governo

O secretário de Comunicação de Ilhéus, Alcides Kruschewsky, disse há pouco que quem apostar no rompimento entre o prefeito Mário Alexandre e o vice José Nazal vai perder. Nos bastidores da política ilheense, o que se comentava era a pressão interna pela tomada de cargos da Rede Sustentabilidade no governo (reveja aqui).

Nazal, que também é secretário de Planejamento, é filiado ao partido, assim como o diretor de Meio Ambiente, Emílio Gusmão. “O governo acredita na unidade, a gente confia no grupo, confia na liderança de Mário, confia na liderança de Nazal”, afirmou o secretário de Comunicação.

Segundo ele, a disposição no governo é outra, a de empoderamento do vice-prefeito. “Entendemos que Nazal tem que assumir papel de liderar o governo em determinadas situações e circunstâncias em que Mário não estiver presente”, disse Alcides, fazendo a autocrítica de que o governo, “às vezes, peca nas organizações internas”. Ele rebate que haja tentativa dos secretários Bento Lima (Administração) e Alisson Mendonça (Governo) de pressionar o prefeito para tomar os cargos do partido do vice. A disposição, frisa, é em outro sentido.

O secretário disse enxergar “muita fofoquinha vinda de fora do governo” na tentativa oposicionista de promover a divisão entre prefeito e vice. Na crítica, Alcides alfineta os grupos do ex-prefeito Jabes Ribeiro e do ex-vereador Cosme Araújo, oposicionistas declarados da gestão municipal. “[A gente vê o] grupo do ex-prefeito, clara e notoriamente, naquele fuxico costumeiro que eles fazem. E, naturalmente, outras forças políticas”, aponta.

Alcides diz que aposta é na unidade de Marão e Nazal ||  Clodoaldo Ribeiro

Alcides reconhece que o reajuste da passagem colaborou para essa tentativa oposicionista de divisão no governo, fator que até gerou nota da Rede Sustentabilidade criticando o percentual concedido às empresas.

– Algumas situações alvoroçam os oposicionistas, que percebem determinados momentos lógicos. O reajuste da passagem é delicado para qualquer governo, mas é inevitável, por força de contrato que não foi feito no Governo de Mário. [O governo] Pode ter pecado na condução. Deveria ser consultado, mas nem sempre é assim.

O ex-vereador e secretário disse que o consensual dentro do governo é o fortalecimento de José Nazal. “Não é um secretário comum. Em determinados momentos [compromissos externos de Marão], precisa de alguém com autoridade, conhecimento, não apenas como figura referencial, mas para colocar em prática as atividades de governo”.

NAS TETAS DO ÓLEO DIESEL

O titular da Pasta da Comunicação, ainda ao comentar a condução errática do governo no reajuste da passagem, acrescentou à lista de oposicionistas que investem na divisão de Mário e Nazal o nome do empresário Valderico Júnior, que ensaia pré-candidatura a prefeito. “Quando dá reajuste, a gente vê determinadas manifestações que chegam a ser esdrúxulas. Valderico Júnior, criado nas tetas do óleo diesel, se posicionar publicamente contra cheira a oportunismo”, criticou.

Valderico Júnior é filho do ex-prefeito Valderico Reis e cunhado de Paulo e Ronaldo Carletto, ambos donos do Grupo Brasileiro. A empresa explora linhas urbanas de ônibus em Ilhéus e detém monopólio das linhas intermunicipais no sul e extremo-sul do Estado.

NAZAL ESTÁ ENTRE OS NOMES DA REDE PARA DISPUTAR GOVERNO DA BAHIA EM 2018

Nazal está entre nomes da Rede para pleito de 2018 || Foto Maurício Maron

O Elo Estadual da Rede Sustentabilidade escolheu três pré-candidatos ao governo do Estado da Bahia nas eleições de 2018. Tratam-se do vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, da vereadora de Irecê Meirinha, e de uma das porta-vozes do elo estadual Iaraci Dias, liderança de Camaçari, informa o Blog do Gusmão.

O partido definiu a lista de forma coletiva, no último sábado (25), durante reunião no Hotel Fiesta, em Salvador. O ato contou com a presença de lideranças de mais de 30 municípios, além da ex-senadora Heloísa Helena.

Membro do Elo Estadual, o superintendente do Meio Ambiente de Ilhéus, Emílio Gusmão, também participou do encontro. “Os três pré-candidatos não entraram numa disputa interna. Os seus nomes foram indicados pelas lideranças que participaram da reunião. O vice-prefeito José Nazal não lançou pré-candidatura, essa foi uma escolha do partido. Ele aceitou porque acredita no novo projeto político que estamos construindo e propondo à Bahia e ao Brasil”, explicou Gusmão.

MARÃO E NAZAL ELOGIAM NOMEAÇÃO DE PADRE MIRO

Marão e Nazal elogiam igreja por nomeação de Padre Miro

Marão e Nazal elogiam igreja por nomeação de Padre Miro

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, disse hoje (4) que recebe a notícia da nomeação do padre Aldemiro Sena dos Santos como novo bispo de Guarabira, na Paraíba, “com um misto de orgulho, de satisfação e, sobretudo, de agradecimento por sua incansável luta na construção de uma Ilhéus com mais fé, mais justa e mais cidadã”.

Liderança católica de Ilhéus e pároco da Catedral de São Sebastião, Padre Miro foi anunciado pela Nunciatura Apostólica no Brasil, como o novo bispo de Guarabira, atendendo a um chamamento do Papa Francisco. A decisão foi comunicada no jornal L’Osservatore Romano.

A Ordenação Episcopal do agora Monsenhor Aldemiro Sena, será às 10 horas, do dia 17 de dezembro, e a posse na diocese paraibana de Guarabira está marcada para o 2 de fevereiro de 2018.

FIRME NA FÉ

O vice-prefeito José Nazal, amigo do padre Miro, também se pronunciou a respeito da escolha do Papa. “Desejo sucesso e que esteja abençoado nesta sua nova vocação como uma liderança firme na fé”, comentou nesta manhã, em seu gabinete. Para Nazal, a nomeação para a Paróquia do interior da Paraíba demonstra a capacidade de liderança do padre Miro.

MARÃO DIZ QUE SUSTENTABILIDADE SERÁ MARCA DE SEU GOVERNO

Nazal e Marão se cumprimentam sob olhar do presidente da Câmara, Lukas Paiva (Foto Clodoaldo Ribeiro).

Nazal e Marão se cumprimentam, observados por Lukas Paiva (Foto Clodoaldo Ribeiro).

Empossado ontem (1º) como prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre (Marão), do PSD, comprometeu-se a ter como marca de seu governo a sustentabilidade. Segundo ele, sua gestão respeitará os termos de carta-compromisso assinada com a plataforma Cidades Sustentáveis.

Marão apontou como uma das linhas de seu governo o compromisso com a área social e o cuidado com o cidadão. “Ninguém será maltratado nas secretarias e o diálogo será constante”, disse ele ao afirmar que todos os secretários deverão agir de forma isonômica no tratamento aos cidadãos.

O novo prefeito anunciou uma ação para elevar a autoestima dos ilheenses ao citar uma nova era, de “tempos de alegria”. O vice-prefeito José Nazal disse que não poupará esforços para que a nova gestão seja a melhor da história do município sul-baiano. O discurso de Marão, elencando a sustentabilidade como marca de governo, encheu os olhos do vice, ligado às questões ambientais e à história de Ilhéus.

CENTRO DE CONVENÇÕES LOTADO

A posse de Marão e de Nazal lotou o auditório principal do centro de convenções de Ilhéus. Cerca de 1,5 mil pessoas participaram da solenidade, conforme o cerimonial, dentre elas os deputados federais Bebeto Galvão (PSB-BA) e Paulo Magalhães (PSD) e a deputada estadual Ângela Sousa (PSD), mãe do novo prefeito ilheense, além do prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (DEM). A posse ocorreu após Lukas Paiva (PSB) ser eleito, por unanimidade, presidente da Câmara de Ilhéus (confira mais abaixo).

REDE TEM NOVOS FILIADOS EM ILHÉUS

O partido Rede Sustentabilidade anunciou a chegada de novos membros em Ilhéus. A sigla comemora a ampliação, afirmando que ela traduz “esperança de uma nova perspectiva de atuação em defesa da democracia e construção da sustentabilidade na região”.

Entre os ilheenses que “caíram” na Rede, estão o memorialista José Nazal, o cacique tupinambá Ramón Santos e o jornalista Emílio Gusmão.

Nacionalmente, o partido tem como sua maior referência a ex-senadora Marina Silva, que hoje aparece bem nas pesquisas de opinião sobre a sucessão presidencial.

Ramón, Nazal e Gusmão passam a integrar a Rede

Ramón, Nazal e Gusmão passam a integrar a Rede

LADRÕES ATACAM DE MOTO NA BR-101

Nazal:  esforço foi recompensado.

Nazal escapou por pouco de um assalto quando se aproximava do entroncamento da BA-262

Um alerta à Polícia Rodoviária Federal. Bandidos de moto têm abordado motoristas no trecho da BR-101 entre Ubaitaba e Itajuípe.  Quem por muito pouco não se tornou vítima, neste domingo, 1º, foi o secretário de Planejamento de Uruçuca, José Nazal.

O secretário vinha de Ibirataia, em companhia da esposa. Ao reduzir a velocidade, próximo ao entroncamento da BA-262 (Ilhéus – Uruçuca), foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta. O da garupa portava uma arma e dava ordem para que o motorista encostasse.

Numa atitude instintiva, Nazal acelerou e, em vez de entrar na 262, seguiu direto pela BR-101, rumo a Itabuna. Felizmente, os bandidos acabaram desistindo.

Para quem trafega por aquele trecho, todo cuidado é pouco.

NAZAL É CANDIDATO… AO GUINNESS BOOK

Nazal vai comandar a sétima secretaria no governo Newton Lima

Não é brincadeira. O chefe de gabinete do prefeito Newton Lima, José Nazal, tem tudo para entrar para a história local como o homem que mais secretarias ocupou na Prefeitura de Ilhéus. É forte candidato até mesmo a figurar nas páginas do Guinness Book.

Com a saída de Fernando Hughes da Administração (confira aqui), Nazal foi nomeado interino da pasta. Não será a primeira interinidade que ele exerce no atual gestão. Antes, dirigiu as Secretarias de Governo, Assistência Social, Indústria e Comércio, Turismo e Meio Ambiente, além da chefia de gabinete.

Não estranha que Nazal seja uma espécie de curinga dentro do governo Newton Lima. Ele conhece Ilhéus e seus problemas como poucos e é inegavelmente um sujeito que ama e defende a cidade. Poderia até alçar voos maiores na política ilheense, mas talvez lhe falte estômago para os sapos que precisam ser digeridos.

PRAIA DO PONTAL EM 1966

Pescamos no Facebook do fotógrafo e secretário de Governo de Ilhéus, José Nazal, esta raríssima imagem de uma praia do Pontal que não existe mais.

A foto foi feita por Jorge Harley, em dezembro de 1966, no primeiro verão posterior à inauguração da Ponte Lomanto Júnior, e mostra uma paisagem completamente diferente da que se vê hoje.

Nazal inclui a imagem na série “Como era linda minha cidade…”

SEGUNDO PRESIDENTE DO COMDEMA, POPULAÇÃO QUER O G BARBOSA

Nazal diz que atraso se dá por culpa da empresa

O presidente do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Ilhéus (Comdema), José Nazal, entrou em contato com o PIMENTA e atribuiu exclusivamente ao supermercado G Barbosa a responsabilidade pelo atraso no início da construção do supermercado da rede no bairro do Pontal, zona sul de Ilhéus.

Nazal disse que a maioria da população defende a vinda do G Barbosa para a cidade, mas salienta que é preciso obedecer determinados critérios para que o empreendimento possa ser executado. “Não se constroi sem alvará”, exemplificou o presidente.

Segundo Nazal, os questionamentos dos moradores e membros do Comdema têm a ver com aspectos como, por exemplo, o acesso ao supermercado. “Não existe projeto aprovado”, declarou, salientando que um engenheiro do próprio G Barbosa admitiu que o atraso se dá por culpa  do empreendedor.  “Eles deram entrada no processo de licenciamento ambiental em março e só agora apresentaram a documentação”, diz Nazal.

O presidente do Comdema também descartou a possibilidade do G Barbosa deixar de vir para Ilhéus. “Nenhuma empresa vai investir R$ 5 milhões na compra de um terreno para depois abandonar o projeto”, justificou.

A POLÊMICA EM TORNO DO G BARBOSA

Uma história um tanto complicada tem circulado em Ilhéus em torno da chegada do supermercado G Barbosa na cidade. Após comprar um imóvel para se estabelecer, no bairro do Pontal, a empresa teria empacado e o que se diz é que gente da Prefeitura estaria obtendo “estímulo financeiro” de outro supermercado para criar dificuldades.

O caso foi levantado esta semana pelo radialista Gil Gomes, no programa Alerta Geral (Rádio Santa Cruz). Imediatamente, o chefe de gabinete do prefeito Newton Lima, José Nazal, ligou para a emissora e desmentiu tudo. Segundo Nazal, é o G Barbosa que ainda não providenciou toda a documentação necessária.

“Essa história (de boicote) é uma absoluta inverdade. O projeto do G Barbosa se encontra em estudo e já foi analisado na LOP (Licenciamento de Obras Particulares)”, informou o chefe de gabinete, acrescentando que a empresa já recebeu inclusive autorização para demolir a construção existente no terreno onde irá instalar sua loja.

NAZAL PARA PREFEITO

O radialista Gil Gomes colocou pimenta no PMN de Ilhéus. Durante entrevista com o chefe de gabinete do prefeito Newton Lima, José Nazal, o apresentador do Alerta Geral, da Rádio Santa Cruz, questionou sobre uma possível pré-candidatura do entrevistado para a sucessão no executivo ilheense.

Nazal é filiado ao PMN, partido comandado em Ilhéus pelo vereador Jailson Nascimento. Detalhe: Jailson já lançou sua própria pré-candidatura, o que é tido como questão fechada pelos caciques locais do partido.

O chefe de gabinete da Prefeitura de Ilhéus, diplomático como sempre, diz que seria uma honra governar a cidade, mas não afirma ter a missão como um projeto pessoal.

NAZAL: “PRETENSÃO DE ITABUNA É ILEGÍTIMA”

Nazal: "daqui a pouco vão querer tomar nossas praias"

O chefe de gabinete da Prefeitura de Ilhéus, José Nazal Soub, disse na manhã desta quinta-feira, 07, no programa Alerta Geral, apresentado por Gil Gomes na rádio Santa Cruz, que a pretensão de Itabuna pela área onde funcionam os supermercados Makro e Atacadão, é “ilegítima”.

Nazal participou ontem de uma reunião na Comissão de Emancipação e Territorialidade da Assembleia Legislativa da Bahia, onde a disputa territorial entre Ilhéus e Itabuna foi discutida. Também participou o secretário da Administração de Itabuna, Maurício Athayde.

Na audiência na Assembleia, Athayde teria dito que a área onde estão os supermercados deve ser incorporada a Itabuna, porque é este município que atende moradores da região em disputa com serviços públicos nas áreas de saúde e educação. Além disso, segundo o secretário, “Itabuna precisa crescer”.

Este último argumento, em particular, é considerado indevido pelo chefe de gabinete da Prefeitura de Ilhéus, que ainda assim teme que a Assembleia Legislativa decida pela incorporação da área ao território itabunense. “É a Assembleia que decide, mas se vier uma lei que tire a área de Ilhéus, nós vamos brigar na justiça”, declarou Nazal.

O ilheense disse ainda que “se formos ceder um pedaço de nosso território a cada vez que Itabuna disser que precisa crescer, daqui a pouco eles vão  ser donos de nossas praias”.

Leia mais sobre a polêmica:

A “DUREZA” DA AGERBA

INDIANA JONES E O MARCO PERDIDO

OS TABARÉUS NA BATALHA DE QUIRICÓS

O MARCO DA INTERROGAÇÃO ENTRE ILHÉUS E ITABUNA

ACABOU A POLÊMICA: ENCONTRADO MARCO QUE DEFINE ATACADÃO E MAKRO EM ILHÉUS

PREFEITOS DIALOGAM SOBRE “ZONA DE CONFLITO”

 

ATOR FÁBIO LAGO VISITA ILHÉUS

Nazal entrega "Minha Ilhéus" a Fábio Lago (foto Clodoaldo Ribeiro)

O ator Fábio Lago se encontra em sua cidade natal, Ilhéus, onde pretende conhecer de perto os projetos do Complexo Intermodal Porto Sul e do Terminal da Bamin, e iniciar um projeto relacionado ao meio ambiente na zona norte.

Na visita à Terra da Gabriela, Lago encontrou-se com o fotógrafo, memorialista e chefe de gabinete do governo ilheense, José Nazal, de quem é amigo de longa data.

Nazal aproveitou para presentear o ator com a última edição do livro Minha Ilhéus, que traz informações e fotos históricas da cidade. O artista se emocionou com o presente.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia