vestibular FTC 2015.1
outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  



:: ‘Newton Lima’

CADÊ A GRAVAÇÃO?

gravação newtonPassado o furdunço da revelação bombástica do ex-prefeito Newton Lima, resta agora cobrar do ex-gestor que divulgue a gravação que, supostamente, incriminaria os vereadores James Kosta (PMN), Alzimário Belmonte,  o Gurita (PP), Nerival do PCdoB, Rafael Benevides (PP) e Ivo Evangelista (PRB).

Newton diz ter recebido James Kosta em sua residência para um dedinho de prosa, quando o vereador teria dado o “bote”: R$ 50 mil para cada um dos vereadores, a Turma do Cinquentinha. Até agora, a gravação é “lenda”.

Resta saber se Newton dizia a verdade ou apenas blefava na tentativa de ver as suas contas de 2011 aprovadas pela Câmara. No final, foram reprovadas por 13 a 5.

NEWTON LIMA DIZ QUE VEREADORES PEDIRAM R$ 250 MIL PARA APROVAR CONTAS

Newton Lima diz que vereadores da base de Jabes pediram "Cinquentinha" para aprovar suas contas de 2011.

Newton Lima diz que vereadores da base de Jabes pediram “Cinquentinha” para aprovar suas contas de 2011.

Newton Lima, ex-prefeito de Ilhéus, ajudou a elevar a temperatura política hoje na Terra de Gabriela ao acusar cinco vereadores de pedir dinheiro para aprovar as suas contas. Cada um dos vereadores pediu R$ 50 mil para executar o malfeito, segundo Newton.

E, como diria o finado senador, deu nome aos bois: os vereadores James Kosta, Alzimário Belmonte; Rafael Benevides, Ivo Evangelista e Nerival do PCdoB, todos da base do governo Jabes Ribeiro. Quem intermediou a negociata, de acordo com Newton, foi o vereador Valmir de Inema.

Todos os acusados negaram a “pedida”. Ao Jornal Bahia Online, a “Turma do Cinquentinha” acusou o ex-prefeito de agir de forma covarde e que terá de responder às acusações na Justiça (clique aqui e confira a defesa de cada um dos citados).

As contas de Newton foram rejeitadas por 13 votos a cinco. O presidente da Câmara, Dr. Jó, prometeu levar as denúncias do ex-prefeito ao Ministério Público Estadual.

INVESTIGAÇÃO DA PF ATINGE SECRETÁRIO ILHEENSE, EX-PREFEITO E ST TRANSPORTES

- OPERAÇÃO ATINGE SECRETÁRIO DE JABES E EX-PREFEITO NEWTON LIMA

- ESQUEMA MOVIMENTO R$ 2 MILHÕES E EXPÔS CRIANÇAS A RISCO DE MORTE

- DINHEIRO PÚBLICO IRRIGOU CAMPANHAS POLÍTICAS

Jailson foi flagrado em esquema de R$ 2 milhões, segundo a PF

Jailson foi flagrado em esquema de R$ 2 milhões, segundo a PF

A Polícia Federal comprovou a participação do ex-prefeito Newton Lima e do atual secretário de Relações Institucionais de Ilhéus, Jailson Nascimento, no desvio de recursos federais do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate), do Ministério da Educação. Os desvios ocorreram em 2009 e 2010, quando Jailson era vereador e ganhava contratos na educação, além de mandar na área da saúde no governo passado.

Hoje, a Polícia Federal deflagrou hoje (18) a Operação Pelargós (cegonha em grego) com mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Ilhéus e nas residências do ex-prefeito Newton Lima e do secretário municipal. Jailson foi levado para depor na sede da PF no município. Os contratos “vencidos” pela ST Transporte, de Jailson, somaram R$ 2 milhões em licitações fraudulentas, conforme a PF.

Newton: visita da PF.

Newton: visita da PF.

O “consórcio”, informa a PF, empregou “laranjas” com o “objetivo de participar de processos licitatórios de forma fraudulenta, de modo que quem efetivamente prestaria o serviço seria a empresa pertencente ao grupo criminoso”.

A investigação, segundo a PF, abasteceu, pelo menos, duas campanhas políticas. O esquema beneficiou, além do ex-prefeito e do atual secretário de Relações Institucionais, irmãos de Jailson Nascimento. A ST Transportes, conforme apuração, utilizava ônibus que não atendiam à legislação de trânsito, “não possuindo sequer pedido de alvará”.

Os ônibus eram apelidados de “latas velhas”. Na investigação da PF, constatou-se que “durante todo o período as crianças transportadas estavam expostas a perigo de acidentes com eventual risco de morte”. Os envolvidos no esquema podem ser condenados a até 20 anos de prisão.

EX-PREFEITO DE ILHÉUS É MULTADO PELO TCM

Newton sofre nova multa.

Newton sofre nova multa.

O ex-prefeito Newton Lima foi novamente multado pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) devido a irregularidades em contrato. O tribunal fisgou o ex-gestor ilheense pelo contrato de R$ 250 mil, sem licitação, para realizar o carnaval de 2012.

A Panda Produções e Eventos Ltda foi privilegiada pelo ex-governante para escolher e contratar bandas regionais, trios elétricos e minitrios para a folia momesca do ano passado.

A multa aplicada contra Newton é de R$ 12.500,00, determinada após denúncia do Ministério Público Especial de Contas da Bahia, que considerou a negociação “antieconômica e desproporcional”.

NEWTON “GRAMPEADO” PELO TCM

Newton LimaNewton Lima, ex-prefeito de Ilhéus, foi novamente “grampeado” pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). O homem que teve todas as suas contas rejeitadas pela corte terá que devolver R$ 45.636,68 relativo a salários pagos a maior a dois ex-secretários municipais.

Além de ressarcir os cofres públicos, o ex-prefeito foi multado pelo tribunal em R$ 2 mil, conforme parecer do relator Paolo Marconi. Newton, pelo menos, safou-se de denúncia de irregularidades de R$ 731.889,23 de convênios. Segundo a assessoria do TCM, Newton conseguiu apresentou comprovantes de uso correto da bufunfa.

PASSEIO SOLITÁRIO

O ex-prefeito de Ilhéus Newton Lima caminhava solitariamente, hoje à tarde, pela Avenida do Cinquentenário, em Itabuna. 

De blusa branca, atraía atenções pela altura e uma destacável mala preta à mão.

A CULPA É DE QUEM?

Fachado do lendário Bataclan.

Fachada do lendário Bataclan.

O prefeito Jabes Ribeiro está a lamentar um papagaio de R$ 8 mil de água e luz deixado por Newton Lima, o finado, referente ao contrato de arrendamento do Bataclan. O caso até ganhou repercussão estadual.

Jabes, no caso, finge-se de morto. O contrato que jogava nas costas da viúva os gastos de água e luz foi firmado justamente pelo mandatário de plantão, no início da década passada. Mensalmente, a cortesia resultava em “prego” em torno de R$ 1,2 mil. Agora, uma gracinha é o valor do contrato de arrendamento: R$ 666, o número da besta — e dos bestas (relembre).

Ou seja, nessa história, os dois – Newton e Jabes – são culpados. Um por ter feito mesura com o chapéu alheio (a viúva sempre sofre!) e o outro por ter dado cano nas contas da prefeitura.

E tem ainda um terceiro culpado: o grupo que arrendou o Bataclan desviou-se do propósito original e hoje o espaço funciona quase que tão somente como um… restaurante – para desespero de quem curte a história da bela (e maltratada) Ilhéus.

Caso o leitor queira, pode até incluir, aí, outro culpado. Aquele que vai às urnas…

Atualização às 09h15min - Por meio de sua assessoria, o prefeito Jabes Ribeiro diz que não nega ter sido o autor da ideia de arrendamento com o município cobrindo os custos de água e luz. O subsídio, frisou, era necessário, pois o Bataclan funcionaria como espaço cultural – e não comercial. Para o prefeito, se não houvesse contrapartida do município, o espaço se inviabilizaria. Porém, nos moldes de hoje, o Bataclan fugiu do propósito do contrato.

GOVERNO DO ESTADO SE FAZ DE MORTO E IMPACIENTA A BAMIN

walmirWalmir Rosário | wallaw1111@gmail.com

O resultado é danoso para Ilhéus, que perde um grande investimento. Para a Bahia, nem tanto, pois a empresa poderá utiliza o Porto de Aratu, como sempre desejaram quase todos os interessados do contra.

Já não são tão cordiais as relações entre as altas cúpulas do Governo do Estado da Bahia e da Bahia Mineração (Bamin). O motivo é um só: a omissão do governo em relação ao cronograma de implantação do Projeto do Complexo Intermodal do Porto Sul.

Desde o ano passado que a Bamin vem revelando impaciência com o certo descaso do Governo do Estado em relação à entrega da área para que as obras do Porto Sul sejam iniciadas. Os prazos concedidos são vencidos e nenhuma – ou quase nenhuma – ação é feita.

De novo – apesar dos desmentidos do prefeito de Ilhéus – a Bamin promete “enfiar a viola no saco” e ir tocar em outra freguesia, apesar dos grandes investimentos feitos. E os recursos foram poucos, investidos em estudos, ações de comunicação pública e social.

Essa apreensão gerada com a possível saída da Bamin do Complexo Intermodal do Porto Sul, o que inviabilizaria o projeto, resultou numa reunião de emergência entre empresários, instituições e o Governo do Estado. Por certo, novas promessas serão feitas, embora sem a certeza do cumprimento.

Outro grande dispêndio da Bamin foi efetivado para capacitar a população do entorno do empreendimento, preparando-os para o exercício de novas atividades, o que representa uma evolução no cumprimento das compensações sociais.

Pelo que vi durante as campanhas eleitorais dos anos de 2010 e 2012, candidatos faziam questão – principalmente os do Partido dos Trabalhadores (PT) – de externar o seu apoio ao Porto Sul. Essas ações, geralmente, são uma recíproca pelo apoio recebido.

Mas é preciso fazer uma ressalva quanto ao apoio aos políticos, pois tudo deve ter sido feito dentro da lei, já que uma empresa desse porte não se daria ao luxo de desprezar a lei vigente. Ainda mais quando tem pela frente uma série de “inimigos” ao seu projeto.

Esses inimigos, diga-se de passagem, são de alto coturno e estão espalhados em diversas atividades econômicas, que vão desde os interesses na privatização dos portos até os “conservacionistas”, proprietários de muitas áreas no litoral norte de Ilhéus e sul de Itacaré.

São megaempresários que construíram suas mansões de luxo e não querem ser importunados com um porto por perto. Há, ainda, os que possuem grandes “áreas de engorda”, destinadas à implantação de condomínios superluxuosos, camuflados com um marketing pesado sob o paradigma da defesa da ecologia.

Entre os pós e os contras, dentro da própria estrutura dos governos do Estado da Bahia e Federal estão os “amigos e inimigos” do Porto Sul. É o PT contra o próprio PT; é o PCdoB contra o próprio PCdoB. Além de outros menos votados. Ou seja, esses partidos dão uma no cravo e outra na ferradura.

Como expectador de luxo, assisti a grande parte dessas ações empreendias para a concretização dos estudos de implantação do Complexo Intermodal do Porto Sul. Diante disso, posso assegurar a constante falta de um diálogo – por parte do Governo do Estado, o que é inerente aos petistas – com as comunidades envolvidas.

Essa temeridade era vista por parte das pessoas que compunham o Governo do Município de Ilhéus e pela própria Bamin (mas nunca dita em público) que, ao contrário, mantinha um diálogo constante com toda a comunidade, seja ela diretamente ou indiretamente envolvida no projeto.

:: LEIA MAIS »

DENÚNCIA DE LÍDER COMUNITÁRIO DESENCADEOU “OPERAÇÃO INUNDARE”, DA PF, EM ILHÉUS

Policiais federais cumprem mandado de busca e apreensão na prefeitura de Ilhéus (Foto Gidelzo Silva/GovIL).

Policiais federais cumprem mandado na prefeitura de Ilhéus (Foto Gidelzo Silva/GovIL).

A denúncia do líder comunitário de uma das localidades que deveriam ser atendidas por verbas do Ministério da Integração Nacional, em 2010, foi o estopim para que a Polícia Federal deflagrasse a Operação Inundare, hoje, em Ilhéus. O líder comunitário fez a denúncia ao descobrir que a sua comunidade constava como contemplada no pacote do Ministério da Integração, mas as obras não foram realizadas.

As obras deveriam ser executadas em 2010, quando o Ministério da Integração Nacional era comandado pelo baiano João Santana, ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima. A operação resultou no cumprimento de sete mandados de busca e apreensão, um deles cumprido na residência do ex-secretário da Fazenda, Jorge Bahia, que também foi chefe de gabinete do ex-prefeito Newton Lima.

A verba de R$ 10 milhões para obras de contenção de encostas e ações contra desastres naturais foi repassada quando o ministério ainda estava sob o controle do PMDB baiano.

Nos bastidores da política ilheense, há o temor de que as investigações respinguem em nomes do PMDB da Bahia e em lideranças que antes pertenciam ao PSC e hoje estão abrigadas em outras siglas.

De acordo com a Polícia Federal, pelo menos R$ 400 mil foram, comprovadamente, desviados por meio de uma empreiteira subcontratada. Os valores foram sacados em espécie e repassados a ex-funcionários da Prefeitura. Existe a possibilidade de que parte do dinheiro tenha irrigado campanhas de políticos ligados ao esquema.

DINHEIRO E ARMAS

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão na residência do ex-secretário Jorge Bahia, agentes da Polícia Federal apreenderam cerca de R$ 21 mil em dinheiro, além de arma. Bahia foi conduzido coercitivamente (à força) para a sede da PF em Ilhéus para ser ouvido, sendo liberado após depoimento.

OPERAÇÃO INUNDARE: POLÍCIA FEDERAL FAZ BUSCAS EM CASAS DE EX-SECRETÁRIOS EM ILHÉUS

Bahia foi um dos conduzidos para a sede da PF em Ilhéus.

Bahia foi um dos conduzidos para a sede da PF em Ilhéus.

Agentes da Polícia Federal cumprem, nesta manhã, sete mandados de busca e apreensão contra ex-secretários municipais de Ilhéus acusados de desviar parte dos R$ 10 milhões repassados à prefeitura pelo Ministério da Integração Nacional. O dinheiro deveria ser aplicado em obras de prevenção contra desastres naturais.

Parte do dinheiro foi parar em contas pessoais por meio de uma construtora subcontratada. Foram “acordados” pela PF ex-secretários de Administração e de Obras, dentre eles o todo poderoso Jorge Bahia, além de donos de construtoras. Uma coletiva da equipe que comandou a operação Inundare está prevista para as 11h, na Delegacia da PF em Ilhéus.

Os recursos de R$ 10 milhões deveriam ser aplicados em obras no bairro Teotônio Vilela e nos altos do Cacau, Soledade, Carvalho, Formoso, Coqueiro, Tapera, Seringal, Dos Carilos,  Tabuleiro da Baiana, Luiz Gama e Alto do Amparo.

As investigações, conforme a Polícia Federal, identificaram desvio de, pelo menos, R$ 400 mil, depositados em contas de uma construtora subcontratada e depois sacados em espécie por ex-secretários. A PF apurou que esses valores “foram desviados por ex-funcionários da prefeitura de Ilhéus”.

Os investigados, ainda segundo a PF, vão responder por crimes de peculato e formação de quadrilha. Os R$ 10 milhões serão auditados para apurar outros desvios da verba milionária.

ILHÉUS, UM DESAFIO A PARTIR DO CAOS

jabes ribeiro 3Jabes Ribeiro

E este é o nosso desafio, depois de reorganizarmos Ilhéus: preparar o município para que possamos nos beneficiar dos recursos que estão vindo.

Montes de lixo nas ruas, o mato crescendo nas calçadas, prédios públicos da importância da Casa de Cultura Jorge Amado, do Teatro Municipal e do Arquivo Público fechados ou ameaçados de fechamento por conta do péssimo estado de conservação.

A esta degradação se somam uma dívida que corresponde ao valor de um orçamento anual do município e salários de novembro, dezembro e 13º atrasados, num quadro que mostra apenas uma parte dos problemas que encontrei ao assumir a Prefeitura de Ilhéus, cidade conhecida em todo o mundo graças aos livros de Jorge Amado, um dos seus filhos mais ilustres, e famosa pela sua história e belezas naturais.

Ao tomar posse, o primeiro passo foi iniciar o trabalho de reorganizar a cidade, deflagrando um mutirão para tornar as ruas ilheenses mais agradáveis para os milhares de turistas que nos visitam, especialmente neste período de alta estação, e mais qualidade de vida para os habitantes.

Com a ajuda de empresa privadas, até porque sentei na cadeira de prefeito sem ter acesso a nenhuma das contas municipais, bloqueadas pela Justiça, e sem um real para gastar, já foi possível retirar o lixo que estava acumulado, varrer as ruas, limpar as calçadas e as praças, além de regularizar o serviço de coleta diário.

Em paralelo, tivemos que adotar medidas duras para tentar controlar as finanças, a exemplo da redução dos gastos com pessoal, de modo a poder adequar a administração à Lei de Responsabilidade Fiscal, uma vez que a folha salarial atinge 70% das receitas líquidas do município, quando o máximo tolerado é de 54%.

Não é por acaso que o ex-gestor conseguiu o feito extraordinário de ter cinco contas do seu mandato, em cinco anos, rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios.

:: LEIA MAIS »

PREFEITO TEM CONTAS REJEITADAS PELA 5ª VEZ

É penta!

Se houvesse um campeonato na modalidade “contas rejeitadas”, o prefeito de Ilhéus, Newton Lima, seria pentacampeão. O gestor acaba de ter suas contas de 2011 rejeitadas pelo TCM, o que ocorre com ele desde que assumiu o governo, em 2007.

A rejeição se deve ao descumprimento dos percentuais mínimos de gastos nas áreas de educação e saúde, somado às despesas exorbitantes com a folha de pessoal. Ou seja, enquanto comprometeu os recursos do município para formar um cabide de emprego, extrapolando o limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, Newton Lima negligenciou setores essenciais.

Além do parecer negativo, o TCM solicitou uma representação contra o prefeito junto ao Ministério Público e a devolução aos cofres do município, com recursos pessoais, de R$ 449.393,15. Foram ainda aplicadas multas no valor total de R$ 87.480,00.

O relator do parecer, conselheiro Fernando Vita, afirmou que as contas de Ilhéus estão entre as piores que ele analisou este ano.

NEWTON LIMA AGE EM FAVOR DOS “FICHA SUJA”

Prefeito veta projeto que poderia melhorar os ares na administração ilheense

O prefeito Newton Lima vetou o projeto que, a exemplo da lei federal da Ficha Lima, também exigiria que as nomeações para cargos no  Executivo e no Legislativo municipais ficassem fora do alcance de indivíduos condenados por órgãos colegiados. A proposta é de autoria do vereador Alcides Kruschewsky (PSB).

Na justificativa para o veto, o gestor usou o argumento capenga de que “o executivo tem competência exclusiva para nomear”.

A Câmara precisa de nove votos para derrubar o veto do prefeito, mas tem vereador operando para que ele seja mantido. O principal interessado em inviabilizar a “Ficha Limpa Municipal” é Jailson Nascimento (PMN), que trabalha para ocupar cargo no primeiro escalão do futuro governo.

Jailson, que foi presidente da Câmara, teve duas contas rejeitadas pelo TCM.

A SEGURANÇA DE NEWTON

Em tempos de protestos do funcionalismo e ânimos acirrados, o prefeito Newton Lima reforçou a segurança pessoal. Na quinta à noite, chamava a atenção de outros políticos e de cidadãos os vinte guardas municipais que acompanhavam o prefeito na festa do centenário da Associação Comercial de Ilhéus.

E olhe que não faltava policial militar por lá. Coisa de um por metro quadrado — o governador Jaques Wagner e o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos também estavam no festa. Mesmo assim, Newton não dispensou o “batalhão azul”.

Sabe como é que é… Segurança pouca é bobagem.

Em tempo – e com todo o respeito: não faltou quem perguntasse se os guardas estão com salário em dia.

PROTESTO INTERDITA A PRAÇA CAIRU

Enquanto os professores da rede municipal ilheense comemoram o bloqueio dos repasses do Fundeb na conta da Prefeitura, outros servidores, também vítimas da inadimplência do governo, protestam neste momento na Praça Cairu. O local está interditado, provocando grande tumulto no trânsito.

A bronca dos funcionários se deve ao atraso dos salários, que não são pagos desde setembro. Indignados, os trabalhadores, liderados pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ilhéus (Sinsepi), também criticam a Associação Comercial (ACI), que hoje festeja 100 anos e presta homenagem a várias personalidades, entre elas o prefeito Newton Lima.

Uma das faixas expostas pelo Sinsepi no protesto desta manhã diz o seguinte: “ACI homenageia prefeito por relevantes serviços: atraso do salário, comércio quebrado, Ilhéus abandonada…“. Sobrou também para os vereadores da cidade, acusados de omissão.

Além dos funcionários, fornecedores que levaram calote da Prefeitura também participam do protesto na Cairu.

IBAMA EMITE LICENÇA PRÉVIA DO PORTO SUL

Porto Sul demandará investimentos de R$ 3,5 bilhões no sul da Bahia.

O Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais) emitiu a Licença Prévia do Porto Sul, que será construído na região norte de Ilhéus. A LP, sob o número 447/2012, será publicada na próxima edição do Diário Oficial da União.

Hoje à noite, o governador Jaques Wagner ligou para o prefeito Newton Lima, de Ilhéus, e deu a notícia. Na quinta, 8, presidente da Valec, Josias Sampaio Cavalcante Júnior, já havia antecipado que o parecer favorável sairia nesta semana (relembre aqui).

As obras do Porto Sul serão iniciadas pelo Governo Baiano e a Bahia Mineração (Bamin) logo após a publicação da licença, assinada pelo presidente do Ibama, Volney Zanardi Junior.

O projeto de construção do Porto Sul, que também prevê o terminal privativo da Bamin, implicará em investimentos de R$ 3,4 bilhões.

De acordo com técnicos do governo baiano, a estrutura portuária que será montada em Aritaguá, na zona norte ilheense, terá capacidade para exportar até 66 milhões de toneladas de grãos e minérios, anualmente.

Parte das cargas chegará ao porto por meio da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol), que já está em construção e tem apenas 11% das obras concluídas. O porto ocupará retroárea de 1.224,9 hectares.

- Desde o início acreditamos na viabilidade desse megaempreendimento o que demonstra que nossa participação foi acertada – disse o prefeito Newton Lima, hoje à noite, por meio de sua assessoria.

O secretário estadual da Casa Civil, Rui Costa, disse que a decisão do Ibama confirma a “qualidade e a sustentabilidade do projeto, que é prioridade para o governo da Bahia”.

ESTICANDO O EXPEDIENTE

Jabes Ribeiro (PP), que parte para o quarto mandato em Ilhéus, terá reunião com o prefeito Newton Lima para discutir a transição. 

Chamou a atenção o horário escolhido pelo prefeito eleito para o encontro: 17h desta sexta-feira.

E, falando em transição, a primeira reunião para tratar do assunto na vizinha Itabuna também será nesta sexta, às 10h.

JABES “COLA” NEWTON EM CARMELITA

Os programas eleitorais de rádio em Ilhéus estão, digamos, interessantes. Após a Professora Carmelita (PT) exibir Cacá Colchões atacando Jabes Ribeiro (PP), o ex-prefeito e candidato decidiu dar a resposta. Recorreu a uma gravação feita na Câmara de Vereadores em que o vereador Alisson Mendonça diz que Carmé foi ungida como candidata do prefeito Newton Lima.

O diabo é que Newton é o tipo de político que todo aliado quer esconder. Por um motivo simples: a rejeição ao prefeito beira os 90%. O trecho com a gravação que foi ao ar no programa do pepista pode ser ouvido clicando aqui.

CALOTE MANSO

PREFEITO NEWTON LIMA COPIA AZEVEDO

A banda de forró Falamansa ainda não recebeu o cachê pela apresentação nos festejos juninos em Ilhéus. O calote de R$ 130 mil é atribuído à gestão de Sir Newton Lima – aí incluídos os cachês de Dorgival Dantas e Caviar com Rapadura.

O valor do calote (nada) manso da Prefeitura de Ilhéus foi repassado ao blog Políticos do Sul da Bahia por um empresário responsável pelas contratações. O grupo ligado ao Falamansa está disposto a acionar judicialmente o Palácio Paranaguá.

Gestores municipais sul-baianos têm se tornado pródigos em dar calote em bandas de forró. Em 2010, a banda Mastruz com Leite se apresentou no parque de exposições Antonio Setenta, na Expofenita, e denunciou o “devo não nego, pago quando” puder da Prefeitura de Itabuna (relembre a história aqui).

À época, o prefeito Capitão Azevedo ficou famoso pelo ineditismo em matéria de calote. O empresário Jósimo Costa, da Mastruz com Leite, disse ao PIMENTA que estava acostumado a se apresentar em todos os cantos da Bahia e nunca havia recebido calote. Até que se apresentou em Itabuna e…

“AMAR AMADO” PODE TER NOVA EDIÇÃO

Do Blog do Gusmão

O Festival Amar Amado, que comemorou o centenário do escritor Jorge Amado e agradou a nativos e turistas, pode entrar para o calendário de eventos culturais de Ilhéus.

Segundo José Nazal, chefe de gabinete do prefeito Newton Lima, a realização anual do evento está em discussão no Ministério da Cultura.

Na edição desse ano, a primeira, o festival foi financiado com verbas do ministério, captadas por meio da Lei Rouanet, e contou com o apoio do governo estadual.

O evento proporcionou, durante 8 dias, vários espaços onde foram discutidas as contribuições de Jorge Amado para a cultura contemporânea. Teatro, feiras e discussões literárias e música tiveram espaço garantido.