WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘Otto Alencar’

PSD LANÇA PRÉ-CANDIDATURA DE AUGUSTO CASTRO À PREFEITURA DE ITABUNA

Otto confirma participação em evento das mulheres e do pré-candidato Augusto Castro

Os senadores Otto Alencar e Angelo Coronel estarão em Itabuna nesta quinta-feira (28) para participar do Encontro do PSD Mulher e do lançamento da pré-candidatura de Augusto Castro a prefeito do município pelo PSD. O evento será no plenário da Câmara de Vereadores de Itabuna, a partir das 18h.

O PSD aposta em Augusto para a disputa pela prefeitura de maior orçamento do sul e extremo-sul da Bahia. O partido já comanda, na Região Cacaueira, Ilhéus, com Mário Alexandre, e Jussari, com Valete. Já o presidente do PSD de Itabuna, Alcântara Pellegrini, também fala em reconhecimento à mulher com a promoção de encontro regional, hoje.

 

OTTO E O GRUPO DOS 13

Marco Wense

 

Esse confronto Otto versus PT já era esperado. Até as freiras do convento das Carmelitas sabiam que, mais cedo ou mais tarde, o pega-pega seria inevitável.

 

Davidson Magalhães, presidente do PCdoB da Bahia, foi mais um da base aliada do governo estadual a criticar a declaração do senador Otto Alencar, que chamou de “incoerentes” os parlamentares que votaram contra a reforma Previdenciária.

Davidson, que é também secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, achou “injusta” a opinião do senador, que é presidente estadual do PSD e pré-candidato a governador na sucessão de 2022.

Otto condenou o fato de votarem a favor da mudança no sistema de aposentadoria do Estado e ser contra a reforma bolsonariana. O comunista rebateu dizendo que “as propostas do governo Bolsonaro e da gestão de Rui Costa são coisas completamente diferentes”.

Otto peitou o “Grupo dos 13”, formado por deputados federais do PT, PCdoB, PSB, PDT e PP. Todos com cargos no primeiro escalão do governo Rui Costa.

A firmeza do senador, cada vez mais se distanciando do petismo, foi elogiada pelos presidentes Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia e ACM Neto, respectivamente da República, Câmara dos Deputados e DEM nacional.

De todo esse bafafá, ficou a forte impressão que Otto Alencar não iria girar sua metralhadora para 13 deputados da base sem saber qual seria a reação do governador Rui Costa. Não iria comprar uma briga com legendas aliadas para contrariar o chefe do Palácio de Ondina.

Nos bastidores, longe dos holofotes e do povão de Deus, o que se comenta é que Rui sabia que Otto iria criticar o “Grupo dos 13”.

A atitude de Otto é encarada como mais um passo para se distanciar do PT, que já decidiu que não abre mão de candidatura própria no pleito de 2022 para o governo do Estado.

Esse confronto Otto versus PT já era esperado. Até as freiras do convento das Carmelitas sabiam que, mais cedo ou mais tarde, o pega-pega seria inevitável.

PS – A segunda etapa do modesto Editorial do Wense vai até o número 200. Somados com os 300, um total de 500. Não vai ser fácil. Depois, quem sabe, um livro.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

EM EVENTO COM OTTO E KASSAB, EX-DEPUTADO AUGUSTO CASTRO FILIA-SE AO PSD

Sob olhar de Otto, Augusto Castro assina filiação ao PSD || Foto Vagner Souza/BNews

Ex-deputado estadual por dois mandatos, Augusto Castro acaba de assinar a ficha de filiação ao PSD nesta manhã de segunda-feira (6) em evento do partido no auditório da União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador. A ficha foi abonada pelo senador e presidente estadual do PSD, Otto Alencar, e o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, em ato do Diretório Municipal da capital baiana e que reúne representantes da sigla em todo o estado.

Augusto foi deputado estadual pelo PSDB de 2011 a 2019. Deixou o partido apontando discordâncias com a principal liderança de oposição no Estado, o prefeito de Salvador, ACM Neto. Para o ex-tucano, Neto comprometeu as oposições na Bahia ao deixar de disputar o governo do Estado em 2018.

O ex-deputado é dos nomes cotados para disputar a Prefeitura de Itabuna em 2020. Há uma semana vem se reunindo com prefeituráveis de siglas da base de sustentação ao governo do Estado no município, a exemplo de Eric Ettinger Júnior, provedor da Santa Casa de Itabuna e filiado ao PP.

A FORÇA DE ACM NETO; E A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Marco Wense

 

Em relação ao gestor de Salvador, é evidente que presidir nacionalmente uma legenda (DEM), que tem três ministros e os presidentes das duas Casas Legislativas, a Câmara dos Deputados e o Senado da República, respectivamente com Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, é uma invejável prerrogativa.

 

Dois assuntos hoje no editorial: a “fraternidade” da Reforma Previdenciária e a “força” do prefeito ACM Neto.

O atento e perspicaz leitor, percebe logo que tem duas palavras aspeadas. Não estão na própria acepção, no sentido verdadeiro, sem causar dúvidas e variadas interpretações.

Ora, ora, como falar de reforma fraternal, como diz o governo Bolsonaro, se querem desatrelar o Benefício da Prestação Continuada (BPC), concedido aos idosos e pessoas de baixa renda, em condição de miserabilidade, do salário mínimo?

Salta aos olhos, e não precisam que sejam do mesmo tamanho dos da coruja, que a reforma da Previdência é imprescindível, sem a qual o país se enterra sob 17 palmos de terra.

Mas tenha santa paciência! Que coisa hein! Que irmandade é essa que empurra os miseráveis para a beira da cova, sem dó e piedade?

Portanto, em vez de ficar prejudicando os “descamisados”, que se corte os vergonhosos privilégios de determinados segmentos da sociedade. Só assim teremos uma reforma previdenciária justa e fraterna.

Em relação ao gestor de Salvador, é evidente que presidir nacionalmente uma legenda (DEM), que tem três ministros e os presidentes das duas Casas Legislativas, a Câmara dos Deputados e o Senado da República, respectivamente com Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, é uma invejável prerrogativa.

O problema é que ACM Neto não teve a força de indicar ninguém do seu staff político para o primeiro escalão do governo bolsonariano. Os três ministros democratas foram considerados da cota pessoal do presidente Jair Messias Bolsonaro.

Quanto a Maia e a Alcolumbre, o alcaide soteropolitano não influenciou em nada a eleição de ambos. E mais: alguns partidos de esquerda tiveram um papel mais importante que ACM Neto, agora animadíssimo com sua pré-candidatura ao Palácio de Ondina na sucessão de 2022.

O adversário mais provável do democrata é o senador Otto Alencar, o comandante estadual do PSD. Não acredito em uma traição do PT, lançando candidatura própria.

Marco Wense é articulista político e colunista do Diário Bahia.

OTTO ATACA PP NA DISPUTA PELA AL-BA: “ANTIÉTICO”

Otto acusa PP de agir sem ética na disputa pelo comando do AL-BA

O senador e presidente do PSD baiano, Otto Alencar, disse ter boas relações com o PP no Estado, mas atacou a estratégia adotada pelos progressistas na disputa pela presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Na terça (13), o vice-governador João Leão se reuniu com o presidente estadual do PCdoB e com a bancada de deputados estaduais eleitos comunistas e deles obtiveram garantia de apoio a Nelson Leal na disputa pela cadeira principal da AL-Ba (relembre aqui).

Otto enxergou deslize ético do PP na estratégia. Ao Bahia.ba, o senador baiano assim se expressou:

– Não tenho nada contra Nelson Leal, nada contra João Leão, mas o atual presidente da Casa e senador eleito, Angelo Coronel, precisa ser ouvido. Eu fui ouvido na época da minha sucessão, Coronel tem que ser ouvido. O governador tem que ser ouvido, Jaques Wagner também. Os presidentes dos partidos. É antiético.

CORONEL DIZ QUE CANDIDATURA AO SENADO DEPENDE DE OTTO ALENCAR

Coronel durante a Lavagem do adro da Igreja Matriz de Pojuca, neste domingo

Presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, o deputado estadual Angelo Coronel (PSD) disse que dependerá de Otto Alencar a sua candidatura ao Senado Federal. “O meu nome poderá constar, ou não, na chapa majoritária do governador Rui Costa. Fazendo uma correlação com o futebol, sou jogador do meu partido, o PSD, sob o comando do senador Otto Alencar”.

E completou: “Estou em forma e pronto para entrar em campo, mas a decisão é de quem escala o time”. Ao mesmo tempo, Coronel deixa claro, ainda, que uma das vagas à Câmara Alta do Congresso já é do PSD. “Mesmo se não jogar, ficarei no banco, trabalhando pela reeleição do governador Rui Costa”, disse.

As afirmações foram feitas durante a participação de Angelo Coronel na Festa do Senhor Bom Jesus da Passagem, em Pojuca. Há, nelas, um jogo de palavras, quando Coronel diz que é jogador do PSD e o comando é do senador Otto Alencar. E, logo depois, fala em escalação de time e ficar ou não no banco (“mesmo se não jogar, ficarei no banco”). Também assume compromisso com a reeleição do governador Rui Costa.

ENCONTRO ESTADUAL DO PSD

Otto destaca força do PSD na Bahia

O PSD promove encontro estadual, neste sábado (2), a partir das 15h, no Hotel Pena Branca, em Santo Antônio de Jesus, com a participação do presidente estadual e senador Otto Alencar, além do presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel, e do presidente da Desenbahia, Otto Alencar Filho.

Otto Alencar, presidente estadual da legenda, ressalta que o PSD é o partido que mais cresce na Bahia. Possui 84 prefeitos e 592 vereadores, sendo 13 prefeitas e 77 vereadoras. “É a legenda com a maior representação feminina no Estado”, observa.

PSD JOVEM

O evento também marcará a posse do novo coordenador do PSD Jovem Bahia, Rogério Andrade Filho, que substituirá Lurian Carneiro. Rogério é neto do ex-deputado estadual e ex-prefeito de Elísio Medrado, Aloísio Andrade, e filho do ex-deputado estadual e hoje prefeito de Santo Antônio de Jesus, Rogério Andrade.

 

RUI TRABALHA PARA ATRAIR PREFEITOS DO PMDB

Ricardo Moura, de Valença, é um dos alvos da base de Rui || Foto InfoSAJ

Moura é um dos alvos da base || Foto InfoSAJ

Aliados políticos do governador Rui Costa (PT) iniciaram articulações para tentar atrair prefeitos do PMDB, após a nova prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, maior cacique da sigla na Bahia. O movimento é conduzido pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner (PT), e pelo senador Otto Alencar (PSD), segundo apurou a Satélite.

Os prefeitos de Valença, Ricardo Moura, e Ituberá, Iramar Braga, estariam entre os gestores com conversas avançadas com a base petista. Além disso, os articuladores de Rui também estão abordando lideranças peemedebistas sem mandato eletivo, como o ex-prefeito de Chorrochó Julio Lóssio.

Da Coluna Satélite, do Correio

PROCURA-SE UM PRESIDENTE

marco wense1Marco Wense

 

A escolha deve ser feita com muito cuidado, sob pena de uma desagradável surpresa. Tem pretendente, por exemplo, que pode ter uma recaída pelo fernandismo.

 

Conforme anunciou o blog PIMENTA, a secretaria de Governo Maria Alice, fiel escudeira do prefeito Fernando Gomes, vai para o PSD do senador Otto Alencar.

A ida de Alice para o PSD se deu até mesmo por falta de opção, já que outros partidos da base aliada do governador Rui Costa (PT) foram descartados.

Não sei como será o relacionamento da secretaria com o prefeito ACM Neto. O alcaide soteropolitano sempre teve uma grande admiração pela “dama de ferro”.

Outro detalhe é que Alice vai para uma legenda que tem um bom relacionamento com Neto, adversário de Rui na disputa pelo Palácio de Ondina na eleição de 2018.

Como em política as nuvens de hoje podem ter outros formatos a qualquer momento, fica a hipótese, ainda que remotíssima, de se encontrarem em um mesmo palanque na sucessão estadual.

Agora, é encontrar alguém que possa substituir Maria Alice com a mesma disposição e vontade política inerentes a fernandista de carteirinha.

A escolha deve ser feita com muito cuidado, sob pena de uma desagradável surpresa. Tem pretendente, por exemplo, que pode ter uma recaída pelo fernandismo.

Todo cuidado é pouco. A política não costuma socorrer os que dormem e, muito menos, os ingênuos e incautos.

Marco Wense é editor d´O Busílis e articulista do Diário Bahia.

MARIA ALICE NO PSD

Maria Alice, de vermelho, cumprimenta o governador Rui Costa || Foto O Trombone

Maria Alice, de vermelho, cumprimenta o governador Rui Costa || Foto O Trombone

A secretária de Governo de Itabuna, Maria Alice, concedeu entrevista a Ederivaldo Benedito, no sábado (15), na Rádio Nacional, anunciando a saída dela do DEM. Evitou falar sobre qual será o destino partidário. Nem precisava.

Tanto Maria Alice como Fernando Gomes deverão oficializar a saída do Democratas e se filiarem ao PSD de Otto Alencar e do deputado federal Paulo Magalhães, o avalista. Tudo combinado com o governador Rui Costa.

Maria Alice oficializará a saída do DEM logo após as comemorações do aniversário da cidade. Fernando não terá a mesma pressa.

WAGNER NA FRENTE

marco wense1Marco Wense

 

Para os partidos políticos – e aí não tem exceção, são todos iguaizinhos –, pesquisa boa é a que coloca os seus candidatos na frente.

 

 

Na coluna de ontem, comentei sobre a sondagem do instituto Paraná Pesquisas que aponta ACM Neto (DEM) na dianteira na disputa pelo Palácio de Ondina.

Disse que a consulta foi boa para a oposição, que passa a acreditar que a reeleição de Rui Costa não é favas contadas, e para o governismo, que deve colocar os pés no chão e frear o desaconselhável “já ganhou”.

Assim que saiu o resultado da enquete, o PT tratou logo de desqualificar a empresa, que a Paraná Pesquisas não tem credibilidade.

Quando os petistas souberam que Jaques Wagner lidera as intenções de voto para o Senado, amenizaram as críticas. O instituto passou a ser confiável.

O desdém inicial rapidamente se transformou em uma incontida vontade de saber a posição do ex-governador, principalmente em relação ao senador Otto Alencar (PSD).

Para os partidos políticos – e aí não tem exceção, são todos iguaizinhos –, pesquisa boa é a que coloca os seus candidatos na frente.

Vale lembrar que o levantamento da Paraná Pesquisas foi encomendado pela Rede Record. Só falta dizer que a televisão é antipetista e cabo eleitoral de ACM Neto.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

A BRINCADEIRA DE WAGNER

marcowenseMarco Wense

 

Esse “ponto final” é um recado para que não insistam no assunto. A “brincadeira” de Jaques Wagner não pegou bem. O barro não colou na parede.

 

O senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, não ficou irritado, mas achou a ideia de disputar o Senado uma “brincadeira” do ex-governador Jaques Wagner (PT): “Tenho mais quatro anos de mandato”.

Wagner, que é secretário de Desenvolvimento Econômico do governo Rui Costa, quer uma composição majoritária com Rui na reeleição, João Leão na vice, ele e Otto nas duas vagas para o Senado. Walter Pinheiro e Lídice da Mata seriam descartados.

A candidatura de Otto, aos olhos do eleitorado, já ressabiado com os conchavos políticos, com esses arranjos e jeitinhos, seria uma coisa estranha e desconectada. A sabedoria popular diria que é “um tiro no próprio pé”.

Portanto, o senador Otto Alencar tem toda razão quando diz que sua candidatura “seria uma redundância política”. E finaliza: “Wagner faz isso mais por amizade, até de brincadeira. Aí ele fala essas coisas, faz essas conjunturas. Não tenho interesse. Eu não vou disputar. Ponto final”.

Esse “ponto final” é um recado para que não insistam no assunto. A “brincadeira” de Jaques Wagner não pegou bem. O barro não colou na parede.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

OTTO ALENCAR NEGA INTERESSE PELO GOVERNO

Otto Alencar nega interesse pelo governo em 2018.

Otto Alencar nega interesse pelo governo em 2018.

O senador Otto Alencar (PSD) voltou a destacar a aliança com o governador Rui Costa (PT) na manhã desta segunda-feira, 03, quando foi questionado sobre a a possibilidade de disputar o governo em 2018 numa eventual chapa do prefeito ACM Neto (DEM). Durante entrevista à rádio Metrópole, o senador desconsiderou um rompimento e lembrou ter chegado ao Senado com apoio do atual secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, e do ex-presidente Lula (PT).

– Tenho por convicção aquilo que eu acerto com o povo e também na linha de política. Para chegar ao Senado foi com apoio de Lula e Wagner. Fizemos uma aliança em 2010 e em 2014 e está sendo mantida essa aliança – afirmou.

Usando metáfora, Otto também falou da aliança com Rui:

– Rui tem correspondido a minha expectativa de olhar com seriedade, olhar de perto. Não é fácil nessa situação de crise, eu sei bem, já fui governador. Quem está assistindo Neymar driblar todos os outros jogadores e chegar na cara do gol e jogar pra fora, diz: ‘Se fosse eu fazia o gol’. Que nada! Quem tá na arquibancada joga mais que todo mundo – ironizou. Com o Política Livre.

ITAJUÍPE: MARCONE BUSCA RECURSOS PARA CRECHE E OBRAS DE SAÚDE E INFRAESTRUTURA

Marcone teve audiências com o senador Otto Alencar e o deputado Paulo Magalhães.

Marcone teve audiências com o senador Otto Alencar e o deputado Paulo Magalhães.

O prefeito de Itajuípe, Marcone Amaral (PSD), está em Brasília, desde ontem (8). Ele manteve audiências com o senador Otto Alencar e o deputado federal Paulo Magalhães, ambos do PSD, para tratar de assuntos como a construção da Creche da Pitangueira e quadra municipal.

Outro ponto das audiências foram as obras de recuperação da Rodovia Itajuípe-Coaraci, que está praticamente intrafegável em vários trechos. Segundo ele, a viagem à capital federal também serviu para discutir emendas para a Saúde do município sul-baiano. “Vamos encontrando os melhores caminhos para Itajuípe”, disse o prefeito.

CONVERSA COM OTTO

marco wense1Marco Wense

 

O senador Otto Alencar já conhece o colega Mangabeira. Ficou alegre com sua excelente votação na última sucessão municipal, deixando para trás nomes como os do capitão Azevedo, Geraldo Simões, Davidson Magalhães e Augusto Castro.

 

Depois do carnaval, logo na primeira quinzena de março, o PDT de Itabuna, sob o comando do Dr. Antônio Mangabeira, vai marcar um encontro com o senador Otto Alencar (PSD).

Os dois médicos podem até falar um pouco sobre saúde, principalmente a pública, mas, com certeza, a conversa principal vai ser sobre política e, mais especificamente, sobre a eleição de 2018.

O diretório municipal vê com simpatia a sua pré-candidatura ao Palácio de Ondina, mesmo achando que ainda é cedo para qualquer tomada de decisão por parte do parlamentar.

Com efeito, o senador Otto Alencar já conhece o colega Mangabeira. Ficou alegre com sua excelente votação na última sucessão municipal, deixando para trás nomes como os do Capitão Azevedo, Geraldo Simões, Davidson Magalhães e Augusto Castro.

É bom lembrar que o então candidato do PDT não fez coligação com nenhum partido e só desfrutou de 23 segundos no horário eleitoral. Nem o vice apareceu na telinha.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

DE VENTO EM POPA

marco wense1Marco Wense

FG é uma angustiante dúvida, não em relação à sua saída do DEM, já dada como favas contadas, mas com quem fica em uma eventual disputa entre Rui Costa e Otto Alencar pelo governo da Bahia.

O barco do senador Otto Alencar, autoridade-mor do PSD da Bahia, desliza com mais velocidade em decorrência de bons ventos que começam a soprar na parte posterior.

O parlamentar, que nasceu em Ruy Barbosa, cidade da Chapa Diamantina, médico ortopedista, deixa de lado as fraturas e fissuras ósseas para tratar exclusivamente de traumatismos políticos.

Otto vive o seu melhor momento na vida pública. Pilota seu avião em céu de brigadeiro, sem nuvens cinzentas que possam atrapalhar seu legítimo e democrático sonho: ser novamente governador da Bahia.

Até os que procuram prejudicar, agindo nos bastidores, na calada da noite, de maneira sorrateira, terminam ajudando, como Cícero Monteiro e Josias Gomes, homens de confiança do governador Rui Costa (PT).

Monteiro e Gomes, respectivamente o atual e o ex-secretário de Relações Institucionais, trabalharam para manter Marcelo Nilo (PSL) na presidência da Assembleia Legislativa do Estado.

O prefeito soteropolitano ACM Neto, o fiel da balança, o comandante da oposição, caminhava no sentido de liberar os deputados para que cada um votasse de acordo com sua vontade.

Para o demista Neto, era o mesmo que trocar seis por meia dúzia. Ou seja, tanto faz Marcelo Nilo, do PSL, como Ângelo Coronel, do PSD. Ambos integrantes da base aliada do governismo.

Quando o democrata percebeu que a articulação política do Palácio de Ondina estava pedindo votos para Marcelo Nilo, queimando o Coronel, tomou a decisão de apoiar o candidato do senador Otto Alencar.

Cícero Monteiro e Josias Gomes só fizeram o que não deveriam fazer. Sem dúvida, os responsáveis pelo apoio decisivo da oposição à candidatura do Coronel, o que levou Nilo a desistir de conquistar o sexto mandato.

Fica agora a obrigação de arrumar uma vaga para Marcelo Nilo na chapa majoritária da reeleição do governador Rui Costa, como candidato a vice ou a senador. Vale lembrar que já defenestraram Nilo na sucessão de 2014.

Ora, ora, até as freiras do Convento das Carmelitas sabem que existe uma preocupação com a ascensão do senador Alencar, que vai ocupando os espaços políticos de maneira inteligente e sem fazer oba-oba.

:: LEIA MAIS »








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia