WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘panetonegate’

STJ SOLTA O TRAQUINO “ZÉ ARRUDA”

Do STJ

Por 8 votos a 5, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu revogar a prisão do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda. Os ministros entenderam que não há mais necessidade da prisão, porque não haveria mais como Arruda influir nas investigações.

Arruda e os outros quatro denunciados estavam presos desde o dia 11 de fevereiro por tentar corromper uma testemunha da investigação da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. Além de Arruda, serão soltos Geraldo Naves, Wellington Luiz Moraes, Antônio Bento da Silva, Rodrigo Diniz Arantes e Haroldo Brasil de Cavalho.

“Não mais subsiste a necessidade de prisão. Não há mais como o preso influir na instrução criminal, mesmo porque ele não sustenta mais a condição de governador de Estado. Neste sentido, entendo que a prisão preventiva deve ser revogada”, afirmou o presidente do Inquérito 650, ministro Fernando Gonçalves.

A CRISE DO DEM

Arruda: de estrela política a detento vip.

O Democratas foi criado há menos de três anos e – tão novo – já enfrenta uma crise daquelas! O partido reservava ao governador distrital José Roberto Arruda o papel de estrela eleitoral da legenda. 2010, então… Mas não deu. Arruda caiu. E foi (está) preso.

O vice-governador do DF também era do Democratas. Paulo Octávio substituiu, interinamente, o Carequinha do Panetone. Não resistiu. Renunciou ao cargo nesta tarde de sexta-feira. Alegou que o momento exige condições excepcionais para governar e não teria encontrado estas forças para seguir em frente.

Quem assume o governo do Distrito Federal é um aliado de Arruda, o Wilson Lima (PR), presidente da Câmara Legislativa do DF. A manutenção de Octávio no poder ficou insustentável desde quando a Polícia Federal descobriu suposta participação do vice também no esquema de corrupção de Arruda, o homem do panetone.

E o escândalo afeta o DEM justamente em um ano em que eleitores vão às urnas para escolher de deputados estaduais e federais a senadores, governadores e presidente.

Qual será o impacto da atual crise no capital eleitoral do ‘menino’ DEM? Uma das lideranças do partido, o deputado Rodrigo Maia, tentou lamber as feridas: “o partido fica sem governo, mas com os seus princípios”. Enigmática. Quais seriam esses princípios?

Às vésperas das eleições de 2010 o DEM experimenta um tombo semelhante ao do seu “algoz”, o PT, que soube se refazer após as denúncias do Mensalão, apoiado na máquina central e na popularidade do governo Lula.

Diferenças existem. Os ‘vermelhos’ eram os detentores do poder central. E resistiram. O escândalo dos ‘demos’ é de impacto imprevisível. Nos subterrâneos da política, certeza é que Arruda irrigou os companheiros de partido em diversas campanhas.

Passado o afastamento do governador do DF, agora vem a parte mais dolorosa, pois a Câmara Legislativa analisará pedido de impeachment do ‘hômi’. A essa altura, o carequinha elogiado – e amigo – do governador José Serra (PSDB) e do presidente Lula (PT) talvez não tenha forças para manobrar e evitar a ‘espada’.

Dólar na cueca, dinheiro na meia… Depois do ‘roubolation’, vai começar o ‘rebolation’.

‘PANETONEGATE’ DE ARRUDA CADA VEZ MAIS PRÓXIMO DA BAHIA

Já se sabe que o governador Roberto Arruda (ex-DEM, agora sem partido), forniu os cofres do DEM país afora, com dinheiro de empresas fornecedoras do governo distrito federal, nas eleições de 2008. Foi assim com São Paulo, na campanha reeleitoral de Gilberto Kassab, por exemplo.

Acontece que todos que receberam recursos dizem que as transações foram limpas, o que Arruda e até os tais fornecedores – empresas, principalmente consrutoras, que receberam grandes obras do governo do Distrito Federal – fazem questão de deixar em dúvida.

O que os mangangões do DEM agora temem é que Arruda, preso na sede da Polícia Federal em Brasília, abra a boca sobre essas ‘ajudas’ eleitorais e outras coisinhas mais. Na Bahia, mesmo, tem gente pulando carnaval com uma certa dose de preocupação com as notícias que chegam de lá, do centro-oeste.

O COMEÇO DE TUDO

“FOI UMA PUTA OPERAÇÃO DO CARECA”…

A cada hora vão aparecendo mais detalhes do Mensalão do DEM, no Distrito Federal. O ‘careca’ citado no título aí acima é o governador José Roberto Arruda, que aparece no vídeo abaixo como o garantidor de uma operação de R$ 800 mil para deputados federais do PMDB, como Michel Temer, Henrique Alves, Eduardo Cunha e Thadeu Filipelli. O careca, aliás, ilustra a parede do ambiente onde rolou a conversa entre o dedo-duro e ex-secretário Durval Barbosa e o empresário Alcir Collaço. A conversa é de 17 de setembro deste ano.

Confira mais essa:

ACARAJÉ NO PONTO E CAIXA DOIS

A edição d´O Globo desta quarta-feira, 2, traz matéria em que reforça a pressão do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, exerceu sobre integrantes da Executiva Nacional do DEM para evitar expulsão sumária, ontem. A matéria é assinada pelos repórteres Gerson Camarotti e Adriana Vasconcelos.

Segundo o jornal, o governador fez a pressão tendo como trunfo algo valioso: as ajudas financeiras a várias campanhas do partido nas eleições municipais de 2008 que o seu governo fez, utilizando-se de recursos do Distrito Federal.

Segundo integrantes da cúpula do DEM ouvidos pelo Globo, Arruda ainda estaria ajudando a saldar dívida de campanha de vários democratas. Parte dos recursos destinados por Arruda para as campanhas eleitorais teria sido por meio de doações oficiais feitas por empresas, mas a outra parte… rolou pelo “caixa dois”.

“Quem está contra o Arruda é porque não recebeu dinheiro dele [para campanha]”, disse um “emissário” do governador ao jornal. Um dos expoentes do DEM nacional e ex-candidato a prefeito de Salvador em 2008, ACM Neto se pronunciou ontem afirmando que não “existe mensalão no DEM”.

O presidente nacional do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ), confirmou ajuda financeira de Arruda a candidatos do partido nas últimas eleições, mas negou caixa dois.

— Arruda ajudou na campanha do partido. Ele arrumou empresas para que fizessem doações (durante a campanha). Mas foi tudo dentro da lei. Não houve caixa dois. O resto é tudo fofoca, intriga, besteira.

O jornal enfatiza que o próprio Rodrigo é muito próximo do governador em apuros.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia