WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
beergarden sind sefaz


jamile_yamaha

sintesi17

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias


:: ‘Pará’

CEPLAC BUSCA NOVAS FONTES PARA FOMENTAR CACAU

Ceplac busca recursos externos e recuperar autonomia || Foto Divulgação

Ceplac busca recursos externos e recuperar autonomia || Foto Divulgação

Do Valor

A Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), que atualmente responde à secretaria-executiva do Ministério da Agricultura, está dando os primeiros passos para recuperar sua autonomia de gestão e de financiamento. O objetivo da Ceplac é acessar recursos externos ao orçamento federal, como de fundos internacionais de fomento.

Em pouco mais de um mês, uma consultoria será contratada por licitação para definir o novo modelo jurídico da Ceplac para permitir que ela receba esse tipo de recursos. A expectativa dentro do órgão é que a consultoria elabore esse modelo até fevereiro ou março.

Ainda não estão definidas quais fontes de financiamento a comissão poderá acessar, mas já foi sinalizada a possibilidade de buscar doações internacionais através dos projetos Fundo Verde para o Clima – submetido às Nações Unidas – e World Cocoa Foundation (WCF) – financiado pelas maiores companhias que atuam na produção de chocolate, tais como a suíça Nestlé e a americana Mars. Os detalhes constam de um relatório produzido por um grupo de trabalho do Ministério da Agricultura e que foi obtido pelo Valor.

A autonomia administrativa e financeira já foi uma realidade para a Ceplac, mas em setembro de 2016 ela foi subordinada ao Ministério da Agricultura, e desde então passou a ser financiada diretamente pelo orçamento da Pasta.

Juvenal Maynart, diretor geral da Ceplac

Juvenal Maynart, diretor geral da Ceplac

A restrição orçamentária da Ceplac, porém, data de mais tempo. Há quase 30 anos, o órgão não realiza concurso público para contratar novos funcionários. Nesse meio tempo, a comissão enfrentou a pior crise do setor cacauicultor, provocada pela vassoura-de-bruxa no sul da Bahia.

A Ceplac já chegou a ter 4,2 mil funcionários, mas hoje o quadro tem 1,7 mil, sendo que 1,2 mil já têm idade e tempo de serviço suficientes para se aposentar. A falta de novos concursos também impediu a entrada das novas gerações, mais familiarizadas com ferramentas digitais.

O enxugamento do orçamento aprofundou-se nos últimos anos. Em 2012, foi fixado um orçamento de R$ 25,2 milhões para a comissão, mas a execução ficou em R$ 22,2 milhões. No ano passado, o valor orçado foi de R$ 22,7 milhões, mas somente R$ 17,3 milhões foi empenhado. Para este ano, o orçamento caiu para R$ 17,1 milhões.

Uma fonte externa de financiamento é vista dentro do órgão como uma saída para garantir o apoio da Ceplac para o fomento do cultivo de cacau pelo sistema agroflorestal. Nesse sistema, os cacaueiros são plantados junto à floresta nativa, um modelo que já é adotado no Pará. :: LEIA MAIS »

O BRASIL DE ADRIANA ANCELMO E O BRASIL DE RAFAELA. DE MILHÕES DE RAFAELAS…

IMG-20170330-WA0030Maurício Maron | mauricio.maron@gmail.com

 

Se hoje a pena de Adriana Ancelmo é não poder falar ao telefone nem acessar a internet, a de Rafaela é estar longe de quem ama e de quem precisa dela.

 

 

O Brasil de Adriana Ancelmo é diferente do Brasil de Rafaela. Diferente e desigual.

A ex-primeira dama do Rio de Janeiro, acusada de integrar uma organização criminosa e roubar milhões de reais de recursos públicos ao lado do marido, Sérgio Cabral, já está em casa, cuidando dos filhos.

Um direito que a justiça lhe concedeu sob a alegação de que ela necessitava cuidar dos menores.

Rafaela mora no Pará. Tem três filhos. Um deles, autista.

Em 2009 foi presa acusada de furto em uma loja. Quatro anos depois, voltou a ser presa após uma tentativa de assalto. Na Páscoa de 2015, saiu para passar o final de semana em casa e decidiu não voltar. Ficou desesperada ao ver que o filho precisava da sua presença. Ficou foragida até novembro do ano passado e hoje cumpre pena em regime fechado.

Se Adriana, agora no aconchego dos filhos e da casa, por certo, sorri, Rafaela chora.

A justiça que concedeu o benefício à ex-primeira dama fluminense é a mesma que acaba de negar o mesmo direito à Rafaela.

Que fique claro que esta análise não revoga o dever de ambas em cumprir as penas a que estão condenadas. Uma é acusada de ter roubado milhões. Outra, acusada de tentar roubar.

As duas, portanto, devem à justiça e precisam pagar pelo que devem.

Bom também lembrar que no Brasil que a gente vive, há milhares de Adrianas.

E outras milhares de Rafaelas.

O que se questiona é o poder da balança em pender mais para um lado. Ela, que é o símbolo místico da justiça, representa a equivalência e equação entre o castigo e a culpa. Na teoria traz como principais conceitos a equidade e a igualdade.

Mas na prática…

Se hoje a pena de Adriana Ancelmo é não poder falar ao telefone nem acessar a internet, a de Rafaela é estar longe de quem ama e de quem precisa dela.

A Defensoria Pública do Pará pediu que ela pudesse ir para casa cuidar dos filhos. O Ministério Público estadual concordou com o pedido. A juíza, no entanto, decidiu que não iria avaliar o pedido e adiou o julgamento.

Do sofá de sua casa, Adriana Ancelmo neste momento deve estar acariciando os filhos, alicerçada em um direito constitucional.

Rafaela está atrás das grades. Ela, solitária. Os filhos, idem.

Este País precisa urgentemente ser menos desigual.

Mauricio Maron é jornalista é editor do Jornal Bahia Online.

FUNDO INVESTE R$ 3 MILHÕES NO CACAU NO PARÁ

cacauEnquanto os produtores baianos ainda não se cansaram de esperar negociações que alterem a ruína de sua atividade, decorridos mais de oito anos do prometido PAC do Cacau e 28 anos da eclosão da praga vassoura-de-bruxa no sul da Bahia, os cacauicultores do Pará avançam em direção à conquista da hegemonia na produção de cacau.

O conselho gestor do Fundo de Apoio à Cacauicultura do Pará (Funcacau), integrado por sete instituições, aprovou a liberação de quase R$ 3 milhões para sete projetos de apoio ao desenvolvimento da produção de cacau no Estado. Serão investidos de cerca de R$ 5 milhões.O financiamento da construção de três miniindústrias de processamento de cacau em áreas produtoras para atender a agricultores familiares é um dos projetos a receber recursos do Fundo.

Cada unidade industrial terá capacidade de processar 50 quilos por hora e poderá transformar a amêndoa em massa de cacau, nibs (fragmentos da amêndoa) e até mesmo chocolate, segundo Fernando Mendes, coordenador substituto da superintendência da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) no Pará. O projeto é de autoria do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Outros projetos incluem a liberação de recursos para o desenvolvimento genético do cacau, para o controle da broca, através de ferormônios; a construção de uma caldeira para acelerar a produção de óleo essencial usado no controle de pragas do cacaueiro e para treinar técnicos no Peru a respeito da praga da monilíase. A doença é mais séria, desde a vassoura-de-bruxa, mas não afeta o Brasil.

A própria Ceplac deve apresentar pelos próximos meses um projeto de produção de semente híbrida que demandará investimento entre R$ 600 mil e R$ 700 mil, afirmou o coordenador.

O Funcacau, financiado a partir de uma taxa cobrada sobre a comercialização do cacau no Estado, foi criado em 2007 com prazo de vigência de dez anos. Neste semestre, o conselho gestor do Fundo vai apresentar ao governo estadual um pedido para a prorrogação da vigência, que vence em dezembro deste ano, mas ficará na dependência de aprovação da Assembleia Legislativa do Pará. Redação com o Valor.

O HILÁRIO USO DO PRONOME DE TRATAMENTO NOS BATE-BOCAS PARLAMENTARES

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

 

A formalidade entre parlamentares deixa hilários alguns diálogos. O pronome de tratamento, Vossa Excelência, é usado “para o bem e para o mal”.

Exemplo fictício: No discurso, o deputado Antônio Imbassahy (PSDB) se dirige a José Carlos Aleluia (DEM) afirmando que Vossa Excelência é sinônimo de honestidade. O elogiado devolve destacando que Vossa Excelência nunca se envolveu com empreiteiras, é um político exemplar.

Da ficção para a dura realidade: ACM (PDS) num embate com Jader Barbalho (PMDB) vai à tribuna do senado e brada, “está aqui uma manchete do jornal O Estado de São Paulo: Pará agora só tem ladrão, louco e traidor.”

Em seguida se dirige solenemente ao colega:

– E Vossa Excelência é o ladrão!

Na primeira oportunidade, o senador Jader Barbalho reagiu gritando, “vai sobrar sangue pra todos os lados. Basta lembrar frase de ACM no Jornal do Brasil sobre como ganharia a eleição na BA: com o chicote numa mão e o dinheiro na outra”.

O ex-aliado Geddel Vieira Lima foi outro que não escapou da fúria de Antônio Carlos. Num bate boca gritou, “deputado Funrespol.”

Referia-se ao Fundo Especial de Reequipamento Policial cujos recursos, segundo ele, foram desviados pelo então secretário de Segurança Pública do estado, Afrísio Vieira Lima, para eleger o filho Geddel.

ACM encarava o adversário e repetia as palavras prolongando a última sílaba da sigla: “deputado Funrespooooool, deputado Funrespoooool, deputado Funrespooooool…”

Mas a velha raposa Antônio Carlos, quando ministro das Comunicações, também provou deste veneno. No plenário da Câmara, o então deputado Joaci Góes, dedo em riste, utilizando o tradicional pronome de tratamento disparou:

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

BAHIA SE DESTACA NO SALON DU CHOCOLAT

Pedro Magalhães, Marco Lessa e João Tavares na comitiva brasileira.

Pedro Magalhães, Marco Lessa e João Tavares na comitiva brasileira.

Cerca de 100 mil pessoas visitaram a vigésima edição do Salon du Chocolat, em Paris. Pelo sexto ano consecutivo, a Bahia participou do evento com o estande Cacau do Brasil, ação que envolve os governos estaduais da Bahia e do Pará e o governo federal, além do Instituto Biofábrica de Cacau e Associação dos Produtores de Cacau (APC).

O país foi promovido durante cinco dias, no evento internacional, como grande produtor de cacau e chocolate de origem, além de participar de negócios como a venda de chocolate e de amêndoas de cacau fino.

– A participação do Brasil no Salon du Chocolat permite mais visibilidade aos produtores do mercado do cacau fino e de chocolate com alto teor de cacau, além de ser um ambiente propício para negócios e muita aprendizagem – destaca Marco Lessa, coordenador do projeto.

O cacau brasileiro é conhecido por seu sabor e por ser um dos melhores do mundo, graças a sua qualidade, diversidade e dos diferentes biomas onde é cultivado (Mata Atlântica e Floresta Amazônica).

– A vinda dos produtores serve principalmente para ver o que esta sendo feito no mercado – diz César De Mendes, da Amazônica Cacau, complementando: “Queremos ver embalagens, as tendências, conhecer novos chocolatiers, isso nos ajuda a desenvolver esse novo hábito alimentar mais saudável no Brasil, que é um chocolate rico em cacau, com menos açúcar, como os europeus são acostumados a consumir”.

País teve espaço exclusivo para mostra qualidade do cacau e do chocolate.

País teve espaço exclusivo para mostra qualidade do cacau e do chocolate.

Os chocolates brasileiros vendidos no espaço Cacau do Brasil fizeram um grande sucesso com os franceses: bombons de nibs (cacau torrado), castanha-do-Pará coberta de chocolate 70% ou mesmo tabletes.

A venda experimental, na avaliação da comitiva do país, mostra a aprovação aos produtos brasileiros e desperta o interesse de milhares de franceses em conhecer onde a matéria prima é produzida, promovendo uma experiência exclusiva.

– O nosso objetivo é agregar valor ao chocolate, que está nos ajudando a nos reerguer e queremos muito mostrar ao Brasil e ao mundo o nosso potencial – observa Henrique Almeida, diretor da Biofábrica e da Sagarana Chocolate.

Marco Lessa lembra ainda que esse trabalho contínuo tem dado ótimos resultados, com marcas baianas se destacando com estandes próprios, como o caso da Mendoá, marca de Ilhéus, que vendeu – e muito bem, chocolate 100% baiano diretamente ao público francês pela primeira vez.

O Salon du Chocolat, que completou 20 anos, reuniu mais de 400 expositores de todo o mundo, levando ao Expo Versalhes Centro de Exposição mais de 100 mil europeus, que viram chocolate de diversos países. Eles, segundo a comitiva brasileira, se encantaram com a estrutura e conteúdo do espaço Cacau do Brasil.

NO PARÁ, CRÉDITO COMO ADUBO

2014-08-03-00-49-47-447183903Mário Bitencourt | Carta Capital

A literatura, a música e as novelas ligaram no imaginário popular o cacau e a Bahia. O estado nordestino continua a ser o maior produtor nacional, mas a expansão do plantio se dá em outra região. É no Pará, em meio à floresta, que o fruto tem se expandido com maior velocidade e mais eficiência (a produtividade chega ao dobro das plantações baianas). “O plantio aumentou muito nos últimos anos. O solo menos desgastado contribui para obtermos melhores resultados”, diz o agrônomo Jay Wallace da Silva e Mota, superintendente da Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira do Pará. A disponibilidade de financiamento é uma das principais explicações para os bons resultados. O estado é o único com mecanismo de apoio específico ao setor, o Fundo de Apoio à Cacauicultura. A área plantada deve aumentar em mil hectares neste ano.

O preço internacional do produto subiu 21% em 2013, terceiro ano de déficit de produção em relação ao consumo mundial. A defasagem deverá continuar. A produção africana enfrenta condições climáticas desfavoráveis e a demanda é puxada pelo aumento do consumo de chocolate na Ásia, de 6,9% no ano passado, com previsão de atingir 6,6% neste ano. O aquecimento do mercado e a utilização dos estoques deverão estimular a produção brasileira. O consumo mundial de cacau é de 4,2 milhões de toneladas.

Em 2013, a produção do Pará atingiu 79,8 mil toneladas (30% do total nacional) e a da Bahia, 158,1 mil toneladas. A produtividade paraense cresce 15% ao ano desde 2000 e atingiu 916 quilos de amêndoas por hectare, enquanto a baiana não chega a 500 quilos. O setor tem 17 mil produtores e gera 240 mil empregos diretos e indiretos.

A Bahia industrializa todo o cacau produzido no Brasil. As 15 fábricas de chocolate são remanescentes do período áureo da cultura, dizimada pela praga da vassoura-de-bruxa a partir da década de 1980. Muitos produtores não conseguiram se recuperar do endividamento gerado pela crise e ficaram sem recursos para investir em novas tecnologias e na recuperação do solo esgotado pela exploração intensiva.

Leia mais na Carta Capital

SALÃO QUE DÁ ÁGUA NA BOCA

(Foto Marco Lessa).

(Foto Marco Lessa).

O Brasil participa de mais uma edição do Salão do Chocolate, em Paris, e leva para a capital francesa o fino do cacau e chocolate produzidos por aqui. O estande do país é o maior no principal evento mundial do chocolate.

A produção na Bahia e no Pará é destaque no espaço brasileiro. O salão reúne cerca de 550 expositores de várias partes do mundo. Começou hoje e vai até o próximo domingo (3).

CACAU: PRODUÇÃO EM ALTA, COTAÇÃO EM BAIXA…

Matéria publicada nesta quinta-feira, 1º, no jornal Valor Econômico, mostra que a produção brasileira de cacau na safra 2011/12 é a maior dos últimos 18 anos. Os números são da TH Consultoria e Estudos de Mercado, que registra colheita de 220 mil toneladas de outubro de 2011 a setembro deste ano. O volume é 10,11% maior que a produção da safra 2010/11.

Segundo a matéria, a Bahia colheu 155,5 mil toneladas de cacau, na melhor safra dos últimos 14 anos. O Pará, que também se destacou, dobrou a produção em cinco anos: de 32,5 mil para 64,4 mil toneladas.

De acordo com o sócio-diretor da TH Consultoria, Thomas Hartmann, o crescimento da produção de cacau nos últimos três anos foi estimulado pela boa cotação, mas os preços caíram em 2012. Atualmente, segundo o especialista, o valor pago ao produtor é inferior ao custo da lavoura.

PARÁ A PASSOS LARGOS NA PRODUÇÃO DE CACAU

O Estado do Pará corre a passos largos para superar a Bahia na produção de cacau. As previsões de empresas e da Ceplac já apontam para isso, conforme matéria da revista Globo Rural. Em 2012, a estimativa é de que o estado produza 85 mil toneladas ante 135 mil do sul da Bahia.

A produção paraense em relação à safra 2011 terá salto de 30,7%. Na Bahia, haverá crescimento, mas na faixa de 6,2%. A revista cita o crescimento na produção:

– Além da retomada da safra na Bahia, que responde por 70% da colheita nacional, o Pará, que hoje se destaca como segundo maior produtor do país, tem grande potencial de expansão para a cultura. “É no Pará onde a produção mais cresce no Brasil – avalia Thomas Hartmann, analista da TH Consultoria.

PARÁ CONTINUA “INTEIRO”

Da Folha.com

Após recusar a criação de dois novos Estados em seu território, o Pará fala agora em descentralização administrativa e em buscar mais recursos em diminuir as desigualdades regionais.

Resultado parcial da contagem de votos no Pará mostra a maior parte dos votos computados decidindo pelo não à criação do Estado do Tapajós e pelo não pela criação de Carajás. Contra o Tapajós tinham sido contabilizados 2.272.945 (66,22%), enquanto o não por Carajás era de 2.291.474 (66,74%). Até as 21h28, segundo o site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), tinha sido apuradas 95,9% das urnas.

RESULTADO PARCIAL MOSTRA REJEIÇÃO AO “FATIAMENTO” DO PARÁ

Da Folha.com:

Resultado parcial da contagem de votos no Pará mostra a maior parte dos votos computados decidindo pelo não à criação do Estado do Tapajós e pelo sim pela criação de Carajás. Contra o Tapajós tinham sido contabilizados 864.642 (68,4%), enquanto o sim por Carajás era de 381.316 (31,2%). Até às 19h10, segundo o site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), tinha sido apuradas 33,54% das urnas.

As abstenções registradas eram 368.308 de eleitores (26,12%). Os votos brancos e nulos, nesta parcial, tinham 4.274 (0,41%) e 11.000 (1,06%). O total de votos válidos registrado foi de 1.026.484 (98,53%).

PLEBISCITO NO PARÁ

De José Simão, na Folha, fazendo graça com o plebiscito que decide hoje sobre a proposta de divisão do Pará em três estados:

“Hoje tem plebiscito no Pará! Querem dividir o Pará em três! Eu já sugeri três nomes: Para Cima, Para Baixo e Parapeito. Em homenagem à Fafá de Belém. A paraense mais ilustre! Paraense com air bag!”.

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia