outubro 2014
D S T Q Q S S
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  



:: ‘patrimônio arquitetônico’

CASARÃO DE GUTEMBERG AMAZONAS É DEMOLIDO

Parte da fachada do prédio histórico destruído neste domingo.

Parte da fachada do prédio histórico destruído neste domingo (Fotos José Carlos Barreto).

Operários caminham pela Ruffo Galvão após prédio ser destruído.

Operários caminham pela Ruffo Galvão após demolição.

Um dos maiores patrimônios arquitetônicos de Itabuna, o casarão do engenheiro e ex-deputado estadual Gutemberg Amazonas, falecido em 2009, foi completamente demolido neste domingo, 30. O prédio situado na praça Manoel Leal, centro, chamava a atenção pela imponência.

Nos últimos três anos, o município sul-baiano tem perdido suas principais referências arquitetônicas, a exemplo da primeira sede do Banco do Brasil, também na mesma praça, e o prédio do Colégio Divina Providência, na Rua São Vicente de Paulo.

Confira fotos de José Carlos Barreto, que, com tristeza, flagrou as cenas de destruição de parte da história de Itabuna. Uma empresa da área de construção civil pretende transformar o local em estacionamento privativo.

casarão gutemberg amazonas3

Parte da fachada do prédio histórico destruído neste domingo (Rosa Penza).

RESTAM OS ESCOMBROS

Demolição durou menos de três horas e parte do prédio veio ao chão (Foto Pimenta).

Mais da metade da área construída do antigo prédio do Divina Providência foi ao chão no final de tarde e início desta noite de domingo (8), menos de 24 horas após iniciada a demolição de um dos principais patrimônios arquitetônicos de Itabuna.

A demolição foi acompanhada de perto pelo empresário Nelson Rosado, que tentava atenuar os efeitos da ação autorizada pelo prefeito Capitão Azevedo (DEM). “A fachada vai ser mantida”, dizia ao PIMENTA. Rosado é bastante conhecido por seu envolvimento em negócios investigados pela Polícia Federal durante a Operação Vassoura-de-Bruxa, que levou vários prefeitos sulbaianos para trás das grades em 2008.

Em menos de 20 dias, a prefeitura de Itabuna realizou uma audiência às escondidas e publicou o decreto de “destombamento” do prédio pertencente à sociedade São Vicente de Paulo. A publicação ocorreu na última sexta (6), no Diário Oficial eletrônico.

Leia ainda:

DEMOLIÇÃO AVANÇA

PRÉDIO DO DIVINA PROVIDÊNCIA É DEMOLIDO NA CALADA DA NOITE

PRÉDIO DO DIVINA PROVIDÊNCIA É DEMOLIDO NA CALADA DA NOITE

DEMOLIÇÃO DE PRÉDIO COMEÇOU NA CALADA DA NOITE DESTE SÁBADO (Foto Pimenta).

Até aqui, de nada valeram os argumentos pela preservação de uma parte da história de Itabuna. Com o consentimento do prefeito de Itabuna, o ilheense Capitão Azevedo (DEM), começou na calada da noite deste sábado (7) a demolição do prédio histórico onde funcionou o Colégio Divina Providência.

Pelo menos 20 homens, um trator e dois caminhões estão sendo utilizados na demolição do prédio. A detonação começou pela quadra poliesportiva e a parte superior esquerda do prédio. Neste domingo (8), serão demolidos 700 dos 1.300 metros quadrados do colégio.

Desde o mês passado, quando a prefeitura publicou decreto criando uma comissão para o “destombamento” do Divina Providência alunos, ex-alunos, políticos e profissionais liberais se posicionaram contra a ação nefasta do prefeito Capitão Azevedo.

O Divina Providência é dos mais tradicionais colégios de Itabuna e por lá passaram médicos, políticos, advogados e empresários. O prédio começou a ser demolido com o apoio do município.

Muitos são os questionamentos da rapidez com que membros do governo municipal articularam audiências públicas na surdina para legalizar a demolição do patrimônio arquitetônico e histórico da cidade.

A prefeitura divulgou que, no local, três empresas vão gerar 600 empregos, numa tentativa de ganhar a opinião pública e demolir o prédio. O espaço, no entanto, possui 1.300 metros quadrados. Pelo projeto, lojas da Silva Calçados e da Americanas e uma filial de rede de farmácia serão instaladas. A área não conta com estrutura de estacionamento e enfrenta engarrafamentos não apenas em horários de pico.

Proposta de novos donos é apenas manter a fachada do prédio (Foto Pimenta).