WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia






secom bahia








maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias






:: ‘Pau Brasil’

COM DISTINÇÃO, ÍNDIO DE PAU BRASIL CONQUISTA TÍTULO DE MESTRE PELA UFBA

Primeiro pataxó do sul da Bahia a conquistar o título de mestre pela UFBA||Foto Arisson Marinho/CORREIO

De cocar, colar e de rosto pintado. Foi assim que Hemerson Pataxó, de 25 anos, se preparou para se tornar, nessa sexta-feira (3), o primeiro estudante indígena a conquistar o título de mestre pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) em um curso das Ciências Exatas.

Nas palavras da dedicatória, que, emocionado, o novo mestre em química orgânica não conseguiu ler para sua plateia, a referência ao seu povo: os Pataxó Hã Hã Hãe: “Agradeço à minha família pelo incentivo, apoio e por sempre acreditar no sucesso de minhas escolhas e ao meu povo por lutar e resistir para que possamos escrever histórias como essa”.

A aldeia onde vive a tribo de Hemerson fica há nove horas de ônibus da capital. Para chegar até os Pataxó Hã Hã Hãe, é preciso ir de Salvador a Itabuna, de lá até Pau Brasil, o município mais próximo do povoado, e ainda percorrer um terceiro trecho até chegar ao povo pataxó.

Quando solicitado por um dos professores que avaliavam seu trabalho, Hemerson não conseguiu terminar a leitura do curto agradecimento. Ao lembrar da origem que carregava não só no sangue, mas nos símbolos que usava, as lágrimas e a emoção tomaram conta do pesquisador. Depois de quase duas horas de perguntas dos avaliadores, e já com o título garantido, Hemerson esclareceu seus motivos.

Hemerson saiu de lá com apenas 18 anos, quando foi aprovado no vestibular de química na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Todo o estudo de ensino médio foi feito ainda na aldeia, e é este um dos motivos que levaram o estudante a escolher portar os símbolos da sua cultura ao defender sua tese de mestrado. LEIA MAIS.

MUNICÍPIOS DO SUL DA BAHIA SOFREM COM A FALTA DE PROFISSIONAIS DO MAIS MÉDICOS

Mais de 100 municípios na Bahia sofrem com a falta de médicos

Moradores de pelo menos 110 municípios baianos estão prejudicados pela falta de profissionais do Programa Mais Médicos, que encerrou a inscrição na segunda chamada na sexta-feira (21).São cerca de 200 vagas que não foram preenchidas no primeiro edital publicado pelo Ministério da Saúde para contratação de médicos para substituir os cubanos, que foram chamados de volta após declarações do presidente eleito que faria mudanças no programa a partir de janeiro.

No sul da Bahia, conforme relação de remanescentes do Ministério da Saúde, as vagas não foram preenchidas nos municípios de Canavieiras, Dário Meira, Itagibá, Itaju do Colônia, Itapitanga e Pau Brasil, que juntos somam 85 mil habitantes, a maioria depende do atendimento ofertado na rede básica pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A esperança dos moradores é que no próximo edital apareçam candidatos para o preenchimento das vagas.

No extremo-sul, até a população de Teixeira de Freitas, município com cerca de 160 mil moradores, vem sofrendo com falta de profissionais. São cinco vagas remanescentes, segundo o Ministério da Saúde. As vagas disponibilizadas pelo programa federal também não foram preenchidas em Caravelas, Guaratinga, Itabela e Medeiros Neto.

Criado em 2013, o Programa Mais Médicos ampliou à assistência na Atenção Básica fixando médicos nas regiões com carência de profissionais. O programa conta com 18.240 vagas em mais de 4 mil municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), levando assistência para cerca de 63 milhões de brasileiros. A remuneração para o médico é de R$ 11,8 mil livres dos impostos.

FPM:JEQUIÉ, IBIRAPITANGA E PAU BRASIL RECEBERÃO MENOS DINHEIRO EM 2019

Jequié e Ibirapitanga vão receber menos verbas

A estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicada na edição de quarta-feira (29) no Diário Oficial da União, indica que 56 municípios baianos vão receber menos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Na lista, estão localidades do sul, extremo-sul, baixo-sul e sudoeste do estado.

No sul da Bahia, a redução no número de moradores terá impacto negativo nas finanças do município de Ibirapitanga, que terá o FPM reduzido de 1,4 para 1,2 no coeficiente de 2019. Em Pau Brasil, o repasse cai de 0,8 para 0,6. Em Ibirataia, o coeficiente será reduzido de 1,2 para 1,0; em Belmonte, a baixa será de 1,4 para 1,2, segundo cálculos da Confederação Nacional de Municípios (CNM).

No sudoeste, a redução no número de habitantes afetará as receitas em Jequié. O coeficiente passará de 4,0 para 3,8. Em Itabela, no extremo-sul, o repasse sairá da classificação 1,6, para 1,4. Em Igrapiúna, no baixo-sul, a redução será de 1,0 para 0,8. A reclassificação, que será confirmada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), vale para o exercício 2019.

:: LEIA MAIS »

BANDIDOS LEVAM R$ 100 MIL DE FAZENDEIRO EM CAMACAN

Bandidos levam R$ 100 mil de fazendeiro

Bandidos levam R$ 100 mil de fazendeiro|| Foto O Tempo

O agricultor Ademar Capixaba, dono de uma propriedade rural na BA-027, teve sua sua fazenda invadida por bandidos armados, que levaram R$ 100 mil. O montante estava sendo guardando dentro de casa, em sua propriedade rural.

Segundo ainda as autoridades, o agricultor mantinha o dinheiro em casa porque planejava comprar uma nova propriedade rural no sul da Bahia. O crime ocorreu na rodovia que liga Camacan a Pau Brasil, numa região conhecida como Cachorro Assado. O agricultor prestou queixa no plantão da Delegacia Territorial de Camacan.

A equipe do Delegado Francesco Denis da Silva Santana já iniciou as investigações com objetivo de identificar e prender os criminosos. Há informações de que os bandidos são os mesmos que têm agido em vários assaltos a empresas da cidade, roubos  de motocicletas e homicídios na região de Camacan. Informações de O Tempo.

EX-PREFEITO DE PAU BRASIL É EXECUTADO

Ex-prefeito de Pau Brasil foi assassinado em Camacan.

Ex-prefeito de Pau Brasil foi assassinado em Camacan.

Marcos Rocha, empresário e ex-prefeito de Pau Brasil, foi assassinado a tiros, na manhã desta terça (24), em Camacan. Populares ainda levaram Rocha para a Fundação Hospitalar de Camacan, mas ele já estava sem vida. O ex-prefeito de Pau Brasil foi morto com três tiros na cabeça.

O corpo do empresário deverá ser encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Itabuna, segundo o Políticos do Sul da Bahia. Rocha é irmão do ex-prefeito de Pau Brasil, Dr. Alberto (PDT), que governou o município no período 2013-2016.

O político e empresário foi acusado de ser um dos mandantes do assassinato do vereador Valderlins Pinheiro Matos, “Pinho”, em 1º de fevereiro de 2012. Linho presidia a Câmara à época (relembre aqui).

Marcos chegou a ser preso, cinco meses depois, pela morte do vereador. Morto nesta terça, o empresário assumiu a gestão em Pau Brasil em 1992, quando o prefeito Acácio Cardoso foi assassinado a tiros. A polícia suspeitou da participação do então vice no crime.

TJ DESATIVARÁ COMARCAS NO SUL DA BAHIA

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) terá até 120 dias para desativar 25 comarcas do interior do Estado, algumas delas localizadas em municípios sul-baianos. O tribunal havia anunciado a decisão no ano passado, mas sofreu questionamentos, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por parte da Associação dos Magistrados da Bahia (Amab).

A contestação foi arquivada pelo CNJ há menos de dez dias. O conselho deu prazo de quatro meses para o TJ-BA concluir estudos da desativação das comarcas. A relação atinge diretamente os municípios de Aurelino Leal, Ibicuí, Ibirapitanga, Itapebi, Itapitanga, Nova Canaã, Pau Brasil e Santa Luzia, todos localizados no centro-sul do Estado.

A comarca de Aurelino Leal, conforme a decisão do TJ, será absorvida por Ubaitaba. Iguaí responderá por Ibicuí e Nova Canaã, enquanto Ibirapitanga terá de recorrer a Ubatã. A comarca de Itapebi será incorporada pela Comarca de Itagimirim. Já a de Itapitanga, terá os processos assumidos pela comarca coaraciense. Camacan absorverá processos de Pau Brasil e Santa Luzia.

A decisão leva em conta que as comarcas desativadas movimentam menos de 600 processos ao ano, segundo o Tribunal de Justiça baiano em resposta ao diário A Tarde.

GREVE DOS BANCÁRIOS CHEGA AO FIM NA REGIÃO DE ITABUNA

Greve afetou mais de 10 mil agências bancárias.

Greve afetou mais de 10 mil agências bancárias.

Os bancários da área de abrangência do sindicato da categoria em Itabuna voltam ao trabalho nesta terça-feira (7), após aprovação das propostas da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) em assembleia realizada na sede da entidade, ontem. Além de Itabuna, o funcionamento volta ao normal, também, em Buerarema, Camacan, Coaraci, Ibicaraí, Itajuípe, Itapitanga, Itapé, Itororó e Pau Brasil.

O fim do movimento, que começou dia 30, foi decidido por 38 votos a 24. De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf), a greve foi encerrada na maioria dos estados. Porém, a greve continua em agências do Banco do Nordeste do Brasil.

A proposta reajusta os salários e demais verbas em 8,5% (aumento real de 2,02%), o piso salarial em 9% (2,49% acima da inflação) e o vale-refeição em 12,2%. Os sindicatos comemoram o que chamam de avanços “não econômicos”, a exemplo de mecanismos de combate às metas abusivas e do assédio moral.

RONDON REGIONAL INICIA OPERAÇÃO JUPATI

Projeto vai atender comunidades dos municípios de Maraú e Pau Brasil

Projeto vai atender comunidades dos municípios de Maraú e Pau Brasil

O Núcleo Rondon Uesc iniciou nesta segunda-feira (21) a Operação Jupati, com o objetivo de atender os municípios de Pau Brasil e Maraú. As localidades foram escolhidas em função da presença de comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas.

Na operação, serão prestados serviços nas áreas de saúde, educação, promoção dos direitos humanos e acesso à justiça, além de ações ligadas à preservação ambiental, entre outras. Serão duas semanas de atividades.  De acordo com os coordenadores do projeto, um dos principais objetivos é fortalecer cada vez mais a relação entre universidade e sociedade.

O Projeto Rondon é a mais antiga atividade de extensão universitária em curso no país, levando estudantes universitários a vivenciar a situação das comunidades e aplicar junto às populações atendidas o aprendizado da sala de aula. Nacionalmente, é coordenada pelo Ministério da Defesa, que estimula as universidades a implantarem operações regionais nas suas áreas de influência geográfica. O Núcleo Rondon UESC foi formalizado em 2013 e realizou sua primeira Operação (chamada Capicongo) em janeiro de 2014.

As operações regionais são realizadas em parceria com as prefeituras, Colegiado Territorial, Amurc, Seplan/Ba e com outras instituições de ensino superior ou tecnológico. Da Operação Jupati, participarão alunos da Uesc, FTC, Unime, Faculdade de Ilhéus e Faculdade Madre Thaís, além de uma estudante da Universidade Federal de Pernambuco. Para o pró-reitor de Extensão da Uesc, Alessandro Fernandes, “a universidade cumpre uma função estratégica de interação com as comunidades de seu entorno e também com as instituições parceiras”, pensamento compartilhado por Luciano Veiga, representando a Amurc, Carlos Alberto (Garotinho), coordenador do Colegiado Territorial e Marcos de Souza um dos coordenadores do projeto e representante da Seplan/Ba.

Para os coordenadores do Núcleo, professores Guilhardes Júnior e Amarildo Morett, o Rondon tem a grande possibilidade de transformação de vidas, tanto dos estudantes quanto das pessoas atendidas.  Nos municípios de Pau Brasil e Maraú, as atividades serão coordenadas pelas professoras Kelly Bomfim, Lara Kauark, Viviane Cerqueira e pelo professor Rodrigo Cardoso.

UBATÃ: TRE MANTÉM DIPLOMA E MANDATO DE SIMEIA

Simeia manteve diploma e mandato.

Simeia manteve diploma e mandato.

A ex-candidata a prefeita de Ubatã Rosana Magalhães (PTB) foi novamente derrotada na Justiça Eleitoral. Desta vez, o Tribunal Regional  Eleitoral (TRE) julgou improcedente recurso de Rosana contra a diplomação da primeira colocada no pleito de 2012, Simeia Rigaud (PSB).

Rosana alegou que a substituição de Expedito Rigaud por Simeia dias antes da eleição foi ato “fraudulento” e com a finalidade de “ludibriar o eleitor”. A maioria dos juízes do TRE assim não entendeu.

Com esta decisão, a Justiça impõe a sétima derrota consecutiva a Rosana, segundo o advogado Marcos Alpoim, que trabalha na defesa de Simeia, junto com Frederico Matos. Nas outras, a ex-candidata foi condenada a pagar multa por litigância de má-fé.

PAU BRASIL

A decisão do TRE foi tomada na quarta (30), dia em que também foi julgada ação de impugnação contra o ex-prefeito Prado, de Pau Brasil. Frederico Matos acredita que, com esta decisão, Prado tornou-se elegível para o pleito de 2016. Ele e Alpoim trabalharam juntos também nesta ação.

NO SUL DA BAHIA, ÍNDIO QUER CASA!

Índios de aldeias localizadas em Pau Brasil são beneficiados com moradia.

A Caixa Econômica investirá R$ 2,6 milhão em programa habitacional que beneficiará 100 famílias pataxó de Pau Brasil, no sul da Bahia. As moradias deverão ser entregues em seis meses e construídas em regime de mutirão.

De acordo com o superintendente regional da Caixa em Itabuna, Marcos Vinícius Nascimento, as moradias terão padrão rural, COM 46,66 metros quadrados de área construída, dois quartos, sala, sanitário, cozinha, serviços e varanda.

Do contrato, R$ 100 mil serão destinados à assistência técnica e trabalho técnico-social. As famílias foram selecionadas pelas ONGs Agir e Oikos.

CAMACAN: FORÇA-TAREFA DISCUTE A SEGURANÇA NA ÁREA DA RESERVA PATAXÓ

Delegado regional Moisés Damasceno, o major Rodrigues Castro e a delegada da PF, Denise Dias.

Representantes da força-tarefa integrada pelas polícias militar, civil e federal, além da Força Nacional de Segurança, se reuniram ao final da manhã desta quinta, 3, em Camacan, para discutir plano de ação na área de 54 mil hectares disputada por fazendeiros e pataxós. A reserva Catarina Caramuru-Paraguassu se estende pelos municípios de Pau Brasil, Camacan e Itaju do Colônia, no sul da Bahia.

As autoridades em segurança decidiram pela realização de reuniões constantes para avaliar as estratégias de segurança na área de litígio. A tensão permanece na região após a sessão de ontem no Supremo Tribunal Federal (STF), quando os ministros decidiram que os 54 mil hectares são reserva indígena.

Pataxós na área de litígio (Foto Oziel Aragão/Agora na Rede).

A segurança na região foi reforçada pelas polícias civil, militar e federal, que também receberam reforço com a chegada de aproximadamente 87 homens da Força Nacional de Segurança. A Polícia Civil deslocou para área homens do Comando de Operações Especiais (COE).

A reunião de hoje da força-tarefa teve a presença dos delegados Moisés Damasceno (Polícia Civil) e Denise Dias (Polícia Federal), o comandante da 69ª Companhia da PM em Camacan, major Rodrigues Castro, e o comandante da tropa da Força Nacional de Segurança, capitão Márcio Rogério.

O NETO, O AVÔ E OS PATAXÓS

Bombou no Facebook:

STF JULGA EM MAIO DISPUTA DE TERRAS ENTRE FAZENDEIROS E PATAXÓS, DIZ PRESIDENTE DA FUNAI

Nova presidente da Funai, Marta Maria, ao lado de indígenas (Foto José Cruz/ABr).

A nova presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marta Maria do Amaral, afirmou que o Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para dia 9 de maio o julgamento de ação que envolve índios pataxós e fazendeiros no Sul da Bahia. A antropóloga é a primeira mulher a assumir o comando da Funai e tomou posse nesta quinta-feira, 26.

A nova presidente assume dias após serem registrados dois homicídios na região de Pau Brasil. Os pataxós reivindicam a posse de 54 mil hectares de terras numa área que envolve os municípios de Pau Brasil, Camacan e Itaju do Colônia. O último assassinato ocorreu na sexta, 20, quando o segurança Júlio Passos, de Itabuna, foi morto com um tiro na nuca.

Desde o início do ano, 72 fazendas foram ocupadas por índios pataxós nos três municípios. Os maiores focos das ocupações foram Pau Brasil e Itaju do Colônia. A tensão diminuiu no início desta semana com o reforço policial na região. Agentes e delegados da PF de várias partes da Bahia foram mobilizados para ações na região invadida.

PRIORIDADES

Embora tenha dito não ter conhecimento total sobre o assunto, a presidente disse que a Funai trabalha e vai continuar trabalhando ao lado da Polícia Federal e do governo baiano para preservar a segurança nas fazendas da região em conflito. A prioridade de sua gestão, afirmou, será a valorização da qualidade de vida das mulheres indígenas.

PAU BRASIL: FAZENDEIROS RECHAÇAM ACORDO EM ASSEMBLEIA

A possibilidade de interromper os confrontos com os índios até que seja julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a questão da posse das terras na região foi descartada por dezenas de fazendeiros. Eles se reuniram em assembleia realizada pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Pau Brasil nesta segunda-feira, 23.

As tentativas para retomar as terras serão feitas até que os invasores deixem, pelo menos, as 12 fazendas ainda ocupadas. Foi o que disse o fazendeiro Marcos Vinícius, dono da Fazenda Santa Marina e diretor do sindicato. A Polícia Federal mediou a assembleia e pediu que os agricultores não protagonizem novos confrontos nas fazendas invadidas até que a questão seja  julgada pelo STF.

PF REFORÇA PRESENÇA NO SUL DA BAHIA

Tropas do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal foram enviadas para as regiões de conflito entre índios e fazendeiros no sul da Bahia. De acordo com o delegado Rodrigo Reis, da PF, 30 homens das forças especiais da corporação foram convocados para avaliar a atual situação das terras invadidas.

Nas vistorias será considerada a necessidade de mais reforços para pacificar a região. Os policiais devem calcular o total de áreas tomadas, a quantidade de homens que participam das ocupações e identificar os principais envolvidos. Entre os crimes que a polícia irá apurar, estão posse ilegal de armas e formação de quadrilha.

Nas ocupações recentes de 74 fazendas nos municípios de Pau Brasil, Camacan e Itaju do Colônia, índios teriam contado com suporte de grupos armados e feito reféns, além da expulsão de fazendeiros e empregados.

JORNALISTA RENDIDO E ÍNDIO BALEADO EM PAU BRASIL

A edição deste sábado da Folha de São Paulo relata que 12 milicianos armados com escopetas e revólveres renderam equipe de reportagem do jornal, em Pau Brasil, sul da Bahia. “Sob a mira de armas, o repórter-fotográfico Joel Silva, 46, e o motorista Igor Correia, 25, foram obrigados a descer do carro, revistados e deitarem-se na estrada de terra olhando para o chão”, relata o diário paulista.

O incidente aconteceu nesta sexta-feira, 20, em um trecho da estrada que corta a área de conflito entre índios pataxó hã hã hãe e fazendeiros. Alguns dos milicianos estavam encapuzados.

“Rendidos, os dois foram interrogados sobre quem eram e o que estavam fazendo na região. O equipamento fotográfico também foi vistoriado e trancado no porta-malas do carro da reportagem. A ação durou cerca de sete minutos e os dois foram expulsos do local sob ameaça de serem alvejados se tentassem identificar ou fotografar os homens armados”, prossegue o texto publicado.

A equipe da Folha foi parada por um segundo grupo, de sete homens, poucos quilômetros adiante. Pelo menos um dos integrantes do bando estava armado. Após se identificar, a equipe deixou o local. O caso foi registrado na Polícia Civil de Pau Brasil e relatado à Polícia Federal.

ATAQAUE A BALA – Ainda na tarde de sexta-feira, um índio pataxó foi baleado próximo ao rio Pardo, em Pau Brasil. Ivanildo dos Santos, 29, levou um tiro na coxa por volta das 13h de ontem e foi levado para o Hospital de Base de Itabuna, onde seria operado neste sábado. A vítima não corre risco de morte.

 

“OCUPAÇÃO DE FAZENDAS NO SUL DA BAHIA É ESTRATÉGICA”, DIZ FUNAI

Populares fazem barricada em estrada de acesso a aldeia pataxó (Foto Alef Filho).

A Diretoria de Proteção Territorial da Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgou Nota, na tarde de terça-feira, 17, relativa ao conflito envolvendo fazendeiros e posseiros na denominada terra indígena Caramuru/Paraguassu, no Sul da Bahia, que abrange os municípios de Camacan, Itaju do Colônia e Pau Brasil. Na Nota afirma ser a ocupação “estratégia de garantia de posse sobre seu território tradicional e frente à espera de julgamento pelo STF da ação proposta ainda em 1982”.

Além de informar que os primeiros registros sobre os Pataxó na região remontam a 1651, o que para a Funai não deixa dúvida sobre a presença histórica do grupo indígena na localidade, a Nota diz que processos de arrendamento de áreas para plantio de cacau se iniciaram nos anos 40 no contexto da expansão da ocupação de terras.

E enfatiza: “Em 1976 o governo do estado da Bahia expediu títulos de posse para diversos arrendatários da terra indígena Caramuru/Paraguassu, que resultou num processo de esbulho das terras indígenas, com registros de violência que marcaram a região com grandes conflitos agrários”.

A Funai também reafirma o direito de povos indígenas sobre suas terras tradicionais, reconhecido na Constituição Federal de 1988, sendo esses direitos originários, inalienáveis e imprescritíveis. “Além disso, nossa carta magna prevê que as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se à sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo de suas riquezas do solo, rios e lagos existentes, entendidos como imprescindíveis para sua reprodução física e cultural”.

:: LEIA MAIS »

PAU BRASIL: PATAXÓS INVADEM FAZENDAS E FAZEM REFÉNS

Estrada vicinal é interditada por populares que temem conflitos (Foto Alef Filho).

Índios da etnia pataxó hã-hã-hãe ocuparam cinco propriedades rurais na madrugada deste domingo, 15, em terras que são disputadas com fazendeiros e empresas agropecuárias de Pau Brasil, de acordo com o agente da Polícia Civil no município, Sagro Bonfim.

As fazendas foram invadias antes de o dia amanhecer, segundo relatos de fazendeiros que procuraram a delegacia local para registrar as ocorrências e notificaram que mais de 30 pessoas ficaram reféns dos índios. As invasões têm se tornado corriqueiras na disputa pela posse de 54 mil hectares de terras nos municípios de Pau Brasil, Camacan e Itaju da Colônia.

Guarnições das polícias civil e militar pouco puderam fazer. Ao fundo, área urbana do município (Foto Alef Filho).

Segundo Bonfim, as polícias Civil e Militar do estado pouco ou nada podem fazer, uma vez que as terras são consideradas como área de reserva federal e as forças auxiliares não têm acesso ao local, a não ser que a Polícia Federal solicite apoio. A unidade da PF em Ilhéus foi avisada do ocorrido, mas federais só irão à reserva amanhã, quando as autoridades dos municípios afetados terão uma visão mais exata a respeito das invasões e de seus efeitos.

Não há, por enquanto, nenhuma informação sobre a existência de feridos nas invasões, mas o clima é de tensão na região, a ponto de Pau Brasil onde barricadas nos acessos à cidade tenta evitar a circulação dos índios, que reclamam a posse das terras há 40 anos.

Os indígenas são parte de Ação Cível Originária (ACO) 312 protocolada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) no Supremo Tribunal Federal (STF). Em outubro do ano passado o processo foi redistribuído para a ministra Cármen Lúcia, que já autorizou a mesa do STF a agendar a reapresentação da ACO 312.

HOMENS ENCAPUZADOS MATAM UMA MULHER E FEREM OUTRA EM ITAJU DO COLÔNIA

Uma mulher identificada como Ana Maria Santos de Oliveira, 33, foi assassinada com um tiro no rosto, e Odília Santos Oliveira, 30, irmã dela, acabou ferida num dos braços e está internada no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, em Itabuna. As duas mulheres foram vítimas de ataque a tiros cometido por homens encapuzados em Itaju do Colônia. Os executores estavam em uma motocicleta, enquanto as vítimas viajavam em uma caminhonete Hilux. Outras duas pessoas estavam no carro.

O ataque aconteceu por volta das 14h30min desta segunda-feira, 9, nas proximidades da Fazenda Vitória, de propriedade de Armando Pinto, a 800 metros da área urbana de Itaju. Os atiradores também atearam fogo na propriedade objeto de disputa entre fazendeiros e pataxós hã-hã-hãe.

Os índios reivindicam 36 mil hectares que seriam de uma reserva indígena abrangendo os municípios de Camacan, Pau Brasil e Itaju do Colônia, no sul da Bahia.  A demanda está no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, desde meados de 1982, quando os pataxós tomaram a Fazenda São Lucas, em Pau Brasil.

O delegado Francesco Diniz, da Polícia Civil, está fazendo diligências para tentar identificar e prender os acusados do assassinato e da tentativa de homicídio. Homens da Companhia Independente de Polícia Especializada (Cipe) Cacaueira e da Polícia Federal também foram deslocados para dar tranquilidade à população do município, onde o clima é tenso.

PATAXÓS VÃO AO STF

Cacique Akanawã diz que só restam 12 propriedades com os fazendeiros (foto Oziel Aragão)

Índios pataxó hã-hã-hãe de Pau Brasil e Itaju do Colônia terão encontro nesta quarta-feira, 29, em Brasília, com a ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), para discutir o litígio que travam com fazendeiros da região. A ministra é relatora do processo de nulidade de títulos concedidos a fazendeiros, uma ação que aguarda julgamento há três décadas.

De acordo com matéria de Joá Souza para o jornal A Tarde, a audiência no STF foi agendada pelos representantes dos índios, num encontro com o secretário de Articulação Social da Secretaria-Geral da Presidência da República, Paulo Maldos. A reunião ocorreu no sábado, 25, no escritório da Funai em Ilhéus.

Os índios já ocuparam mais de 40 fazendas na região, onde o clima de tensão se instalou. Policiais Federais e homens da Cipe Cacaueira, grupo especializado da Polícia Militar, estão em Itaju do Colônia para evitar um confronto entre pataxós e fazendeiros.

O cacique Akanawã, que, juntamente com cerca de 20 lideranças indígenas, esteve sábado com o representante do Governo Federal, afirmou que levará à ministra do STF “documentos e fotos provando que, em posse dos fazendeiros, só restam 12 fazendas localizadas na região de Rio Pardo”. Segundo ele, “as demais já foram retomadas pelos índios”.










WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia