WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘PC do B’

RUI DEVE TROCAR SETE SECRETÁRIOS NA MINIRREFORMA QUE COMEÇA NESTE MÊS

Rui deve iniciar reforma no final deste mês|| Foto Regina Bochicchio/ Agência A Tarde.

O governador Rui Costa (PT) disse, no domingo (11), enquanto curtia a festa no Campo Grande, que deve iniciar uma minirreforma em sua administração ainda este mês. Pelo menos sete secretários devem deixar o governo para concorrerem as eleições de outubro, razão pela qual Rui terá de trocar ou remanejar secretários, informa o A Tarde.

O prazo para candidatos deixarem cargos executivos é 6 de abril. “Vou começar no final de fevereiro algumas mudanças e até final de março faremos isso. Já estou fazendo o desenho que pode afetar outras secretarias. Ainda estou avaliando, faremos remanejamentos de secretarias, se necessário”, disse o governador.

CARGOS

Rui disse que não negociará cargos em sua administração com eventuais aliados que ficarem fora da chapa. O que deve ser negociado é o apoio as candidaturas à Câmara Federal.

“A acomodação não se dará por cargos, eu não vou fazer isso, não vou desarrumar o governo no último ano. E tenho que registrar que ninguém pediu. O que todo mundo vai querer é que quem não esteja na chapa tenha apoio extra para eleger deputados sobretudo da bancada federal”, disse o governador.

O motivo pelo qual os partidos querem apoio para cadeiras no legislativo federal diz respeito as novas regras eleitorais. Partidos com maior bancada federal terão mais recursos e tempo de tv nos próximos pleitos.

CHAPA

Rui disse que logo após o carnaval se reunirá com o conselho político e com cada partido da base individualmente – PSD, PP, PR, PC do B e PSB.

DETONANDO O NÚCLEO

aldenes entrevistaO presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Aldenes Meira, e o seu partido, o PCdoB, não economizam artilharia contra o “núcleo duro” do Governo Vane.

Ao fazer avaliação de 2014, Aldenes deixou implícito que não ficará barato o aperto sofrido. Criticou o fato do prefeito manter “secretários com superpoderes”. Os alvos: Oton Matos (controlador-geral), Marcos Cerqueira (Fazenda) e Silas Alves (chefe de Gabinete).

Se os dois lados não se entenderem, o Governo Vane terá acabado lá em 30 de novembro, quando o PCdoB conseguiu manter o controle da presidência da Câmara, enquanto os “Homens de Vane” decidiram apoiar o ex-presidente Ruy Machado – e se deram mal.

PC DO B CONTINUARÁ NO COMANDO DA SAÚDE, DIZ VANE

A queda de Renan Araújo do cargo de secretário da Saúde de Itabuna não representará perda de poder do PCdoB na Pasta. O prefeito Claudevane Leite garantiu que caberá ao partido a indicação de um nome para a vaga.

Vane comandará a pasta, pessoalmente, enquanto o partido escolhe um nome. Ontem foi um dia de intensas reuniões entre PCdoB e o prefeito, mas os dois lados não decidiram pela queda de Renan. Para os comunistas, o secretário hoje exonerado continuaria à frente da Saúde. Ledo engano.

Razões para a queda de Renan Araújo vão desde a falta de ações pela melhoria na atenção básica ao rompimento do diálogo com setores importantes da sociedade, além do enfrentamento direto com o Conselho Municipal de Saúde. Este enfrentamento, aliás, tem menos de Renan e mais do PCdoB.

PC DO B DEU EMPURRÃOZINHO
Foi o partido quem comandou a operação para aprovar, a toque de caixa, lei que modifica a composição dos membros do Conselho Municipal de Saúde de Itabuna (CMSI). Um rascunho de projeto foi apresentado pelo vereador Jairo Araújo (PCdoB) na Câmara. Por fim, o presidente do Legislativo, Aldenes Meira, também do PCdoB, operou para que o projeto de lei fosse aprovado sem a participação do conselho, o que era uma exigência legal.

Ainda à frente da pasta, Renan Araújo bateu de frente com o médico Humberto Barreto, exonerado do cargo do Planejamento no início de junho. O sanitarista deixou o cargo após forte ataque do PCdoB. A exoneração de Humberto acelerou a queda de Renan.

O médico sanitarista havia trabalhado na formação da equipe de saúde e tinha completo diagnóstico da rede, mas os trabalhos não avançavam, em tese, por causa de disputas internas.

BOICOTE

Do lado do PCdoB, há desconfiança de que Renan foi boicotado por setores importantes do Governo. Uma das justificativas seria o atraso na reforma das unidades de saúde que deveriam ser entregues neste final de semana. O secretário também perdeu poderes quando o próprio Claudevane Leite indicou o responsável pelo financeiro da Pasta, há dois meses.

PV VAI PARA O OLHO NO OLHO COM ACÁCIA E PDT

Os dirigentes do Partido Verde (PV) de Itabuna esperam assentar a poeira do forró junino e cessar a fumaça das fogueiras para, sem vaidades, conversar com a professora Acácia Pinho, pré-candidata do PDT à Prefeitura de Itabuna. O presidente do PV, Evans Maxwel, aguarda tão-somente o retorno da pré-candidata para sentar à mesa e, olho no olho, expor as razões partidárias para continuar integrando a Frente Partidária de PRB-PCdoB-PV-PDT-PSC-PP e PPS.

Em clima conturbado, a Frente lançou os vereadores Claudevane Leite (PRB), pré-candidato a prefeito, e Wenceslau Junior (PCdoB), pré-candidato a vice-prefeito, na quinta-feira, 21, embora a pesquisa de intenções de voto do instituto Dataqualy, tenha indicado em segunda colocação a pré-candidata do PDT, que se rebelou e pediu tempo para reflexões à beira da fogueira. Maxwel diz que o PV respeitará qualquer decisão de Acácia Pinho pela forma digna como se comportou e por respeitar compromissos.

Também reforça a necessidade de o PDT e sua pré-candidata continuarem integrados à Frente de sete partidos, que dispõe de projetos e iniciativas para o bem do povo de Itabuna. A maior preocupação do PV são as pré-candidaturas a vereador. A conversa deve acontecer na terça-feira um dia antes das convenções marcadas para o dia 27.

O CONSELHO POLÍTICO E A REALIDADE (ELEITORAL) EM ITABUNA

O Conselho Político, do qual participam todos os partidos da base aliada do governo baiano, se reuniu nesta segunda, 11. Na mesa, pesquisas eleitorais e o desenho das alianças. Itabuna foi discutida. E ficou latente a resistência de aliados em apoiar a candidatura petista.

Ontem, o PP de Roberto “Óleo de Peroba” Minas Aço sinalizou que não marchará com Juçara Feitosa. Restará à legenda manter candidatura solitária do empresário Roberto Barbosa ou unir-se à Frente Partidária, integrada por PCdoB, PRB, PDT, PV e PSC. Pelo menos, Juçara assegurou apoio do PSD. Não está fácil.

CONQUISTA: GUILHERME DIZ QUE É MAIS FÁCIL FECHAR COM PC DO B DO QUE COM PSB

Guilherme: reeleição e alianças (Foto Matheus Pereira).

O prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes (PT), pode se tornar o primeiro político local a gerir os destinos do município do sudoeste por quatro mandatos. De férias, Guiherme concedeu entrevista ao jornalista Giorlando Lima, editor do Notas da Bahia.

O gestor petista falou dos 20 anos de projeto político iniciado em 1992, da sua intenção de disputar novo mandato e das alianças eleitorais. Do arco de partidos que sustentam sua administração, Guilherme afirmou ao Notas da Bahia que acredita ser mais fácil – ou menos difícil! – fechar aliança ainda no primeiro turno com o PC do B, que tem feito muito barulho por lá, do que com o PSB da senadora Lídice da Mata.

Para o prefeito, o PCdoB “sinaliza de forma mais clara de que fica na aliança” e o PSB tem sido mais consistente na decisão de sair com candidato próprio. O editor do Notas da Bahia ainda observa que Guilherme pouco falou do PV. E é justamente o PV quem está no comando da cidade por esses dias, com o vice-prefeito Ricardo Marques. O prefeito está de férias e só retorna ao cargo no dia 27.

Confira a íntegra da entrevista no Notas da Bahia.

A NOIVA DAS NOIVAS

Marco Wense

Diria que o PMDB tem 60% para ficar com Azevedo (reeleição), 30% com Davidson Magalhães e 10% com a petista Juçara Feitosa.

O PMDB de Itabuna, municipalmente presidido pelo médico Renato Costa, em decorrência do tempo que dispõe no horário eleitoral, é a legenda mais desejada da sucessão do prefeito Azevedo.

Como ninguém acredita que o peemedebismo vai ter candidatura própria, as apostas em torno do comportamento do partido na eleição de 2012 já começaram.

Em termos percentuais, envolvendo aí o DEM, PCdoB e o PT, diria que o PMDB tem 60% para ficar com Azevedo (reeleição), 30% com Davidson Magalhães e 10% com a petista Juçara Feitosa.

ROBERTO, O PREFEITURÁVEL

Roberto Barbosa, mas conhecido como Roberto Minas Aço, inaugura hoje, com a presença do ministro das Cidades, Mário Negromonte, a sede do diretório do PP de Itabuna.

Roberto Barbosa é um empresário bem sucedido. Politicamente, ainda caminha com dificuldades. Mas tem a sorte de ter como conselheiro Jabes Ribeiro, ex-prefeito de Ilhéus e secretario estadual do Partido Progressista.

Fernando Gomes, que já foi quatro vezes prefeito de Itabuna, já deu claros sinais de que vai apoiar a pré-candidatura de Roberto na sucessão de 2012.

Fernando Gomes anda tiririca da vida com a criatura.

DEPOIS DAS ÁGUAS DE MARÇO

Marco Wense

O símbolo desse movediço e traiçoeiro jogo político é uma onça. E ela, independente de ser pintada ou não, só vai começar a beber água depois do carnaval.

Algumas situações, hoje consideradas como improváveis, ainda vão acontecer no desenrolar da sucessão municipal de Itabuna, na disputa pelo cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves.

Novidade mesmo só a partir de março de 2012, faltando pouco tempo para as convenções partidárias, que serão realizadas até o último dia do mês de junho.

É evidente que “coisinhas” irão acontecer: disse-me-disse, oba-oba, picuinhas, mentiras e invencionices. Sem falar nos remunerados boateiros de plantão.

Esses boateiros – os mais perigosos são os que misturam política com a vida pessoal dos pré-candidatos – existem em todos os partidos. O lugar preferido pelos diabinhos é o ponto de ônibus.

O símbolo desse movediço e traiçoeiro jogo político é uma onça. E ela, independente de ser pintada ou não, só vai começar a beber água depois do carnaval.

Até lá, só os mesmos assuntos, as mesmas discussões e as mesmas dúvidas: O PCdoB vai ter candidato próprio? O PMDB vai apoiar a reeleição do prefeito Azevedo?

Aos ansiosos comentaristas políticos, sempre ávidos por novos fatos, não resta outro caminho que não seja o da paciência.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

MANOBRA DE AZEVEDO AUMENTA TAXA DE ILUMINAÇÃO EM 1.900%

VALOR DA CONTA DE ENERGIA DOBRA
PARA QUEM CONSOME ACIMA DE 200 KW/H

Azevedo: política tributária extorsiva.

O prefeito Capitão Azevedo enviou um anteprojeto de lei à Câmara de Vereadores que aumenta para R$ 100,00 a Contribuição Sobre Serviço de Iluminação Pública (CIP), a antiga taxa de iluminação, para quem consome entre 201 e 1.000 kw/h por mês.

O reajuste de 1.900% da CIP fará com que o itabunense que consome 201 kw/h pague, além da conta de R$ 120,00, mais R$ 100,00 de taxa de iluminação.Ou seja, R$ 220,00 de conta de energia, por mês.

O projeto tem até agora apenas dois votos contrários, os dos vereadores Claudevane Leite (PRB) e Wenceslau Júnior (PCdoB), e foi encaminhado para ser votado em regime de urgência.

Caso aprovado, o projeto também aumenta para R$ 5,00, por mês, a contribuição mínima do itabunense para a manutenção dos serviços de iluminação pública.

O vereador Wenceslau Júnior fala que há manobra em curso para que a “tungada” passe na Câmara. “R$ 100,00 de tributo para quem consome R$ 1.000,00 de energia é razoável, mas para quem consome R$ 120,00 é um absurdo, pois dobra o valor total da conta”, exemplifica o vereador.

Para Wenceslau, a prefeitura desrespeita o princípio da progressividade. Ele não acredita que o projeto passe na Casa, mas fala em mobilizar a população. Justifica lembrando que o governo desrespeitou acordo na votação de matérias importantes no legislativo.

A Câmara de Vereadores já havia cometido o absurdo de aprovar, por unanimidade e sem alterações, o orçamento municipal de R$ 460 milhões para 2012, além de suplementação de 60%. O próprio Código Tributário foi aprovado por unanimidade, evidenciando como o governo vem jogando solto na casa.

PT X PC DO B EM ITABUNA

O clima de disputa entre PT e PCdoB chegou à gerência regional da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) em Itabuna. O comunista Franklin Passos deu lugar ao petista Wagner Ayres, indicado pelo deputado federal Geraldo Simões.

Em Itabuna, o PCdoB, por enquanto, só conseguiu um cargo na dança das cadeiras – este, na Direc 7. E só. Até mesmo a indicação para a Ciretran, periga. O sargento Gilson Nascimento ainda espera assumir o cargo, embora este esteja mais próximo do ex-deputado Capitão Fábio.

TESTE DE FOGO

Marco Wense

A intenção é abrir uma vaga na Assembleia Legislativa para o suplente Wenceslau Júnior e, como consequência, o apoio da legenda à pré-candidatura da petista Juçara Feitosa.

O que se comenta lá pelas bandas do Palácio de Ondina, morada oficial do governador Jaques Wagner, é que uma mudança no secretariado pode acontecer antes da entrada do ano novo.

Essa pequena reforma administrativa teria a finalidade de abrir espaços para o recém-criado PSD, sob o comando do vice-governador Otto Alencar, e evitar algumas cisões entre os partidos aliados.

No tocante a sucessão do prefeito Azevedo, a intenção é abrir uma vaga na Assembleia Legislativa para o suplente Wenceslau Júnior e, como consequência, o apoio da legenda à pré-candidatura da petista Juçara Feitosa.

A Coluna Wense confessa que não tem informações seguras sobre essa manobra que visa o retorno do PCdoB aos braços do PT de Geraldo Simões.

Os comunistas têm um compromisso com a frente partidária formada pelo PDT, PRB, PSC e o PV. Não acredito que o PCdoB vai novamente se tornar uma legenda subsidiária do PT.

PMDB

Não estão levando o PMDB a sério. Todos os pré-candidatos a prefeito de Itabuna comungam com a mesma opinião: o PMDB não terá candidato na sucessão de 2012.

O PMDB de Itabuna só é procurado para indicar o candidato a vice-prefeito e, mesmo assim, porque tem um invejável tempo no horário eleitoral.

O PMDB é um grande partido e tem o honrado Renato Costa na presidência do diretório municipal. Não pode ficar na condição de coadjuvante e, o que é pior, sendo motivo de chacota.

“São pré-candidatos de brincadeirinha”, costumam dizer os outros partidos em relação a Ruy Correa, Maruse Xavier e Leninha Duarte.

É ASSIM MESMO

A Veja e o triste título para Itabuna (Clique para ampliar).

Quando uma revista de circulação nacional denunciou um possível envolvimento de Geraldo Simões com o caso da vassoura de bruxa, os adversários soltaram foguetes, morteiros e girândolas.

Agora, com a Veja trazendo à tona os sérios problemas da saúde de Itabuna, com o município sendo o campeão do Brasil em mortalidade infantil, os petistas têm todo o direito de soltar foguetes, morteiros e girândolas.

Política, infelizmente, é assim mesmo. Todos eles são adeptos do “quanto pior, melhor”. As principais vítimas da carnificina politiqueira são os Josés e as Marias da vida.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A TAMPA E A PANELA

Do Bahia Notícias

Duas figuras polêmicas envolvidas em escândalos de corrupção nos últimos tempos, o ex-ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB), e o dirigente nacional do PT, José Dirceu, desembarcam em Salvador neste sábado (5) para cumprir agenda política voltada para as eleições municipais de 2012.

Orlando Silva participa da conferência estadual do PCdoB, que ocorre no Hotel Fiesta, no bairro do Itaigara, a partir das 10h. Na ocasião, devem ser articuladas estratégias de fortalecimento do nome da deputada federal Alice Portugal como pré-candidata à prefeitura da capital baiana. O governador Jaques Wagner (PT) confirmou presença no evento.

Wagner deve ter uma agenda cheia no final de semana, com o encontro estadual do PT, que também tem início nesta manhã, no Hotel Marazul, na Barra. Com a presença de Zé Dirceu, a reunião discutirá diretrizes para as candidaturas e alianças da sigla petista no pleito do próximo ano. O ex-chefe da Casa Civil aproveitará a oportunidade para lançar o livro “Tempos de Planície”, que reúne textos publicados em seu blog ao longo dos últimos anos.

A FRENTE INCOMODA

Marco Wense

Sucessão em Itabuna só com dois candidatos: Azevedo e Juçara Feitosa. Os outros prefeituráveis são patinhos feios.

A frente partidária formada pelo PDT, PRB, PSC, PCdoB e o PV, com o objetivo de quebrar o “ping-pong” eleitoral protagonizado por dois grupos políticos, começa a preocupar.

Querem que a disputa do cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves fique restrita a dois nomes: o prefeito Azevedo e a ex-primeira dama Juçara Feitosa.

Sucessão em Itabuna só com dois partidos: o DEM e o PT. Os demais prefeituráveis, seja da frente, do PMDB, PP, PSDB ou de qualquer outra legenda, são patinhos feios. “Personas non gratas”.

O lado que busca a reeleição do Capitão quer uma coligação com o DEM-PSDB-PMDB-PTB-PR-PTN-PPS. O outro, capitaneado pelo deputado federal Geraldo Simões, sonha com o PT-PCdoB-PDT-PRB-PSC-PV-PSD-PSB-PP.

Os petistas apostam na interferência do governador Jaques Wagner no processo sucessório, enquadrando os partidos da base aliada no apoio a Juçara Feitosa.

Os demistas, com o diretório municipal sob a batuta da incansável Maria Alice, acreditam que os acordos envolvendo a sucessão soteropolitana podem beneficiar o prefeito Azevedo.

O DEM, com a desistência do deputado ACM Neto em sair candidato a prefeito de Salvador, apoiaria, em um eventual e provável segundo turno, o candidato do PMDB ou do PSDB.

Em troca, como contrapartida, o PMDB e o PSDB abririam mão de seus pré-candidatos em algumas cidades. Em Itabuna, por exemplo, os tucanos e peemedebistas apoiariam o segundo mandato de Azevedo.

No tocante ao PT, o governador Jaques Wagner não vai jogar o seu republicanismo na lata do lixo, desrespeitando a autonomia das legendas aliadas.

A junção do PDT, PCdoB, PRB, PSC e do PV, com os prefeituráveis Vane do Renascer, Acácia Pinho e Wenceslau Júnior, é legítima. O pai dessa união é a democracia.

A pré-candidata Acácia Pinho tem razão quando diz que “a frente não é de rancor e raiva. É uma opção para quem não quer a continuidade do atual governo e, muito menos, o retorno do PT”.

Os inimigos da democracia são os que, sorrateiramente, quase sempre na calada da noite, pregam o mandonismo como instrumento de pressão.

Os defensores de um posicionamento mais duro do governador Jaques Wagner, forçando uma coligação das legendas aliadas com o PT, são os verdadeiros patinhos feios e “personas non gratas” da sucessão municipal.

PSB VERSUS PSB

O PSB de Itabuna está rachado em relação ao apoio a Juçara Feitosa na sucessão do prefeito Azevedo, eleito pelo DEM depois de derrotar a própria petista com uma diferença de mais de 12 mil votos.

Aurélio Macedo e João Carlos, respectivamente presidente do diretório municipal e membro da estadual, querem o partido no palanque do PT, seguindo uma orientação, segundo eles, da senadora Lídice da Mata.

O médico Edson Dantas, por sua vez, diz que nada foi definido, já que a militância do PSB prefere a frente partidária formada pelo PDT, PCdoB, PSC, PRB e o PV.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A DELICADA SITUAÇÃO DE ORLANDO SILVA

A situação do ministro do Esporte, Orlando Silva, é avaliada como delicada até por integrantes do seu partido, o PC do B, apesar de ele ter rebatido mais uma vez ontem, no Senado, as denúncias de que há um esquema de corrupção na sua pasta. No Palácio do Planalto, dá-se como certo que o futuro de Silva será decidido com a chegada da presidenta Dilma Rousseff. Ela desembarca em Brasília na noite desta quinta-feira, após viagem oficial à África.

“O quadro é muito ruim porque o assunto não sai de pauta apesar de todas as explicações do ministro”, afirmou ao IG o líder do PC do B na Câmara, Osmar Júnior (PI). Ele deu a declaração após acompanhar parte da fala de Silva em audiência conjunta nas comissões de Fiscalização e Controle e de Turismo e Deporto do Senado.

No PC do B, há setores que começam a pesar a importância de se preservar a pasta e promover a troca de Silva por outro comunista. O líder do PC do B no Senado, Inácio Arruda (CE). “Não é verdade. Estamos com o Orlando (Silva). Não estamos preocupados em preservar cargo”, completou. Dentro do Planalto, já há garantia de que se houver mudança na pasta, a troca será por um comunista.

Leia mais

 

PC DO B TERÁ CANDIDATURAS PRÓPRIAS EM 80 MUNICÍPIOS BAIANOS

A reunião da comissão política do PCdoB baiano definiu, ontem, que terá candidaturas próprias em, aproximadamente, 80 municípios baianos em 2012, sendo nove deles no sul do Estado. Da relação de “objetos de desejo” comunista, estão as cidades de Salvador, Vitória da Conquista, Itabuna e Juazeiro.

A reunião da cúpula comunista ocorreu ontem, na capital baiana. As candidaturas já postas nos grandes e médios municípios são as de Alice Portugal (Salvador), Jean Fabrício (Conquista), Davidson Magalhães ou Wenceslau Júnior (Itabuna) e Isaac Carvalho (Juazeiro). Destes, o PCdoB tentará reeleição em Juazeiro.

– O partido está construindo as condições para lançar as candidaturas – afirma o vereador Wenceslau Júnior.

SEM RETORNO

Marco Wense

O PCdoB tem um compromisso com a nova frente partidária formada pelo PDT, PRB e o PSC. E pode, dependendo do momento político, receber o apoio destes partidos.

A opinião de que o PCdoB não será uma legenda subsidiária do PT na sucessão do prefeito Azevedo, indicando novamente o candidato a vice na chapa majoritária, diminuiu bastante.

Ainda existe um bom número de pessoas que aposta, até o último centavo, que os comunistas não vão resistir a um apelo do governador Jaques Wagner.

Toda vez que o assunto entra em pauta, seja nas reuniões do PT, DEM ou de qualquer outro partido, o diretor-presidente da Bahiagás, Davidson Magalhães, é a figura de destaque.

Petistas e demistas acham que a permanência de Davidson Magalhães na Bahiagás depende do posicionamento do PCdoB no processo sucessório. Que tudo é só uma questão de tempo.

Não vejo o caminhar dos fatos sendo direcionado para que o PCdoB desista de ter candidatura própria para apoiar a ex-primeira dama Juçara Feitosa.

O PCdoB, com seus dois bons prefeituráveis – o próprio Davidson e o vereador Wenceslau Júnior –, sabe que essa eleição de 2012 é o último suspiro de independência em relação ao petismo.

O tempo do chicote e do mandonismo acabou. O governador Jaques Wagner não vai jogar o republicanismo na lata do lixo, tratando os partidos aliados como subordinados e subalternos.

É evidente que o chefe do Executivo vai conversar com as legendas que compõem a sua base de sustentação política, mostrando que a união é indispensável para evitar a vitória da oposição.

Os adeptos do “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, que ficam pregando uma posição autoritária do governador, vão ter uma grande surpresa.

O PCdoB tem um compromisso com a nova frente partidária formada pelo PDT, PRB e o PSC. E pode, dependendo do momento político, receber o apoio destes partidos.

Não há mais retorno: o PCdoB vai caminhar com suas próprias pernas. Não vai precisar das muletas do PT e, muito menos, do encosto de Geraldo Simões.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

BAIXAS NO PC DO B

O PCdoB acumulou mais uma baixa entre os pré-candidatos a vereador. Tido como um dos bons nomes na disputa por cadeiras no legislativo itabunense, o médico Teobaldo Magalhães mudou-se para o PP. Também diretor regional do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindmed), Teobaldo avaliou que não havia espaço para crescer na legenda comunista.

Uma outra baixa entre os pré-candidatos a vereador foi o economista e professor Elton Oliveira, que se decidiu pelo PDT. Liderança da juventude da Assembleia de Deus, Elton recebeu convite da direção local e estadual da legenda brizolista.

COMUNISTA NO PSD

O PC do B baiano deve perder mais um dos seus quadros para o recém-criado PSD. De acordo com a Tribuna da Bahia, o partido de Otto Alencar seria o destino da deputada estadual comunista Kelly Magalhães, embora ela tenha negado a mudança. O prazo para mudanças aos que desejam participar do pleito de 2012 encerra-se na próxima quinta (6).

Neste ano, o PCdoB perdeu o deputado federal Edson Pimenta. Outros deputados estaduais que teriam o PSD como destino são Paulo Azi (DEM), Reinaldo Braga (PR), Graça Pimenta (PR) e Ronaldo Carletto (PP).

E O PC DO B DEIXOU SENA DE FORA

Vovô sai de cena e ficam Davidson (centro) e Wenceslau Júnior (Montagem Pimenta).

O PCdoB negava em público a fritura, mas na hora da onça beber água o ex-vereador e ex-candidato a vice-prefeito, Luís Sena, acabou sendo preterido na disputa pela prefeitura de Itabuna em 2012. O partido retirou o nome de Sena e comunicou a decisão neste final de semana. Ficam na disputa o vereador Wenceslau Júnior e o presidente da Bahiagás, Davidson Magalhães.

A leitura é que Wenceslau chega turbinado pela votação obtida em 2010 na campanha a deputado estadual e Davidson tem habilidade para negociar adesões e apoios não só políticos como do empresariado. Sena teria perdido o “time” ao retirar-se de disputas eleitorais em 2010. O “Vovô”, no entanto, era considerado o nome de maior capital eleitoral pelas passagens no legislativo e campanha heroica em 2006, quando enfrentou máquinas estadual e municipal e obteve mais de 11 mil votos na disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa estadual.

JOAQUIM BASTOS: “DIZEM QUE TEM MUITA COISA PARA CONSERTAR [NA PREFEITURA DE ILHÉUS]”

Reitor em final de mandato na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), o professor Joaquim Bastos está com um pé na política partidária e os olhos voltados para 2012.

Ele promete definir, até o dia 31, a qual partido irá filiar-se caso concorde em disputar a prefeitura de Ilhéus. Convites parecem não faltar. PDT, PMDB e PCdoB cortejam o reitor.

O reitor não esconde o espanto com os valores gastos numa campanha para prefeito em cidades do porte de Ilhéus. “Fico pasmo”, disse ao PIMENTA.

Joaquim está com 62 anos e em processo de aposentadoria como professor e a idade, segundo ele, também pesará na decisão. Confira a entrevista concedida ao blog.

PIMENTA – O senhor recebeu convites de pelo menos três partidos. Já se decidiu pela candidatura e por qual legenda sairá? 
JOAQUIM BASTOS – Eu tenho conversado sobre política há mais de seis anos e alguns partidos me convidaram para a eleição. Com o final do mandato de reitor e o processo de aposentadoria, agora eu posso pensar nisso.

Qual a legenda escolhida?
Tenho conversado com alguns partidos. O tipo de política que faço é política acadêmica, então, tenho discutido bastante. Até o final do mês eu defino a filiação. Ainda não tenho definição clara sobre qual partido. Tenho conversado para me familiarizar [com a política partidária].

O que o senhor analisa para definir pré-candidatura?
Estou vendo as possibilidades concretas, para realmente me envolver com a vida política da cidade e entender também como funciona um partido.

Com quem o senhor tem conversado?
As conversas se dão em Salvador, Brasília e Ilhéus, para ver se realmente tomo essa decisão na minha vida. Aos 62 anos, tenho que pensar se realmente quero quatro anos na prefeitura.

A gente vê cidades como Itabuna e Ilhéus captando menos dinheiro fora do que a Uesc. 

Existe ainda um temor do que pode vir pela frente, caso vença?
Dizem que vai ter muita coisa para consertar, para fazer. Aí tenho que analisar. A gente vê cidades como Itabuna e Ilhéus captando menos dinheiro fora do que a Uesc. Precisamos ver por que isso acontece. Enfim, tem muita coisa que a gente desconhece [da estrutura partidária e da prefeitura].

Mas não dá para adiantar para onde o senhor vai, politicamente falando?
Conversei com quatro partidos. Me chamaram pra conversar. Tô indo numa boa. Tenho mais três, quatro pessoas comigo, pessoas que têm noção mais aprofundada de política partidária e que vão me ajudar [na decisão].

As propostas de filiação partem mesmo de PDT, PCdoB e PMDB? Qual seria o quarto partido?
(risos) Semana passada, conversamos com um grupo de 12 pessoas, e ficamos em 14. Conversa muito interessante, mas por vezes fico pasmo quando falam em valores de uma campanha a prefeito.

Quanto?
A gente tá acostumado a fazer campanha para reitor com 30 mil reais.  O prefeito de Ilhéus mostrou o contracheque dia desses e daria R$ 600 mil, R$ 650 mil de salário em quatro anos. Eu não admitiria gastar metade disso em campanha. A única coisa que tenho para colocar na mesa é o meu currículo. Dinheiro, moeda, eu não tenho um centavo para colocar em política. Gastar aquilo que se ganha em 25 dias de pauleira…

Depois das conversas iniciais, já há sinalização clara sobre para onde ir?
Há partido que eu considero grande, mas temos outros de estrutura menor, porém, com capacidade de aglutinação. Tenho 37 anos de universidade, uma certa rodagem em relação a acomodar pessoas. Gosto de compartilhar trabalho, responsabilidade, mas também decisão. Ninguém consegue administrar Uesc sozinho. Prefeitura, então, nem sonhando. Mas teria que ter condição.

Não dá para nomear pensando em simpatia, mas eficiência produtiva.

E qual seria, além da capacidade de formar uma boa coligação?
Por exemplo, que não seja indicado apenas um nome para determinado cargo, mas vários. Não dá para nomear pensando em simpatia, mas eficiência produtiva.

O senhor conhece a realidade da prefeitura?
A gente sabe, conhece o orçamento, que é público. Dá para identificar alguns componentes de despesa, receita. Quanto a prefeitura arrecada com a taxa de iluminação? Quanto custa o serviço? Saber se a prefeitura está em dia, se permite retirar as três certidões [para firmar convênios, captar recursos]? Até dia 31, eu vou tomar minha decisão.

REITOR DA UESC PODE SER A NOVIDADE NA SUCESSÃO EM ILHÉUS

O reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Joaquim Bastos, tem convites de PMDB, PDT e PCdoB para disputar a prefeitura de Ilhéus em 2012.

Com exclusividade, o PIMENTA conversou com o reitor da Uesc há pouco. Joaquim afirma ter recebido convites de quatro partidos e antecipou que conversas se dão não apenas em solo ilheense, mas em Salvador e Brasília.

O reitor confirmou o interesse em ser candidato, mas antecipou que a decisão será tomada no dia 31 de agosto, quando então anunciaria a qual partido vai se filiar. “Terei mais um mês para definir, mas será neste dia”. O prazo de filiações para quem vai disputar eleição em 2012 termina em 30 de setembro, mas os partidos têm até 6 de outubro para entregar a relação de novos membros.

Professor da Uesc e próximo da aposentadoria, Joaquim avalia se disputar a prefeitura é algo que realmente queira aos 62 anos e tendo, caso eleito, mais quatro de vida pública. O PIMENTA publicará a íntegra da entrevista.

O reitor seria a novidade em um processo eleitoral em que velhas caras já se apresentaram, dentre elas o ex-prefeito Jabes Ribeiro.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia