WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘PED do PT’

A DISPUTA PELO COMANDO DO PT

Marco Wense

 

A relação política de Gleisi Hoffmann com Fernando Haddad é cordial diante dos holofotes. Ambos fazem questão de mostrar um bom relacionamento. Em conversas reservadas, no entanto, não é bem assim.

 

As eleições internas do Partido dos Trabalhadores, que acontece nos dias 22, 23 e 24 de novembro, para o comando nacional da legenda, será tranquila no olhar do público e agitada nos bastidores.

Tranquila porque vai passar a impressão que tudo ocorreu de maneira consensual, com as várias correntes chegando a um acordo. Agitada porque existe uma acirrada disputa entre os que querem a permanência de Gleisi Hoffmann na frente do partido e os defensores do nome do ex-presidenciável Fernando Haddad.

A corrente Construindo Um Novo Brasil (CNB), majoritária no petismo, está dividida entre renovar e continuar com Hoffmann, que ainda não desistiu de ser a candidata ao Palácio do Planalto na sucessão de 2022, já que a inelegibilidade de Lula vai durar um bom tempo.

No frigir dos ovos, o controle da direção nacional do PT vai ficar com quem o ex-presidente Lula quiser. E Lula quer Gleisi. Portanto, ponto final. A deputada vai continuar no comando da legenda. O resto é oba-oba. Puro teatro.

A tal da renovação vai ficar para depois, quando Lula achar conveniente. É melhor um “pássaro” na mão, que é a Gleisi, sua porta-voz desde que foi preso, em 7 de abril de 2018, do que dois voando, Fernando Haddad, o “poste” da eleição que elegeu Jair Messias Bolsonaro, e o governador da Bahia Rui Costa. Ambos também companheiros, mas não tanto confiáveis como Hoffmann.

Por dois motivos a deputada federal do Paraná permanecerá no posto. O primeiro, é que ninguém vai peitar a inconteste liderança de Lula. O outro é de puro companheirismo. Seria imperdoável Lula preso e ainda derrotado no processo eleitoral do partido. O movimento pró-Haddad tende a enfraquecer em decorrência desses dois fatos.

O presidente do PT da Bahia, Everaldo Anunciação, já sinalizou sua posição: “Lula tem uma afinidade com Gleisi, que tem cumprido um papel importante no PT, em uma conjuntura muito difícil”. Obviamente, a “conjuntura difícil” que se refere Anunciação diz respeito a dois pontos: a prisão do líder maior e o enraizado antipetismo.

A relação política de Gleisi Hoffmann com Fernando Haddad é cordial diante dos holofotes. Ambos fazem questão de mostrar um bom relacionamento. Em conversas reservadas, no entanto, não é bem assim. Vale lembrar que a parlamentar fez de tudo para impedir a candidatura do ex-prefeito de São Paulo na sucessão de Michel Temer. Gleisi queria ser a candidata do PT.

A torcida, digamos, “gleisiniana” pode ter um invejável reforço: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a decisão do STJ de diminuir sua pena, poderá ser solto em setembro. De fora da prisão, a campanha para Gleisi será mais intensa, inclusive convencendo os adversários a desistir de enfrentá-la. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

REELEITO COM 69% DOS VOTOS, FLÁVIO FALA DE DESAFIOS DO PT EM ITABUNA

 Flávio fala em união de partido e atração da juventude.

Flávio fala em união de partido e atração da juventude.

O presidente do Diretório do PT de Itabuna, Flávio Barreto, foi reeleito com 69% dos votos válidos, ontem (9), em disputa contra um dos nomes históricos do partido, o ceplaqueano Jackson Primo. Flávio obteve 369 votos ante 167 de Jackson. De acordo com a comissão eleitoral, 571 filiados votaram, sendo 36 votos em branco e 16 nulos.

O resultado na eleição para a estadual, ficou assim: Waldenor Pereira com 322 votos, Everaldo Anunciação, 155; e Fernanda Silva, 39. Waldenor teve apoio de Flávio e do ex-deputado Geraldo Simões. Everaldo foi apoiado por Jackson.

DENTRO DO ESPERADO

Flávio disse que o percentual de votos alcançado ficou dentro do esperado. “Na primeira, nós obtivemos 65%”, assinala, apontando crescimento. O dirigente fala em fazer uma gestão colegiada, não centrada na figura do presidente, procurar o outro lado da disputa. “Agora é unir o partido. Nosso foco são as lutas contra a reforma da Previdência e o ataque à CLT, além de reeleição de Rui Costa [a governador] e eleição do presidente Lula”.

O dirigente do PT também comentou a possibilidade de vitória do deputado federal Waldenor Pereira para o comando do diretório estadual do partido. “Temos mais de 50% dos delegados para a estadual [na apuração até aqui]”, assinalou. Para ele, as perdas do PT baiano nos últimos anos também contribuíram para a votação obtida por Waldenor. Em 2016, o partido perdeu dois terços das prefeituras no estado, mesmo com o governo estadual tendo boa aceitação, observou.

ATRAIR A JUVENTUDE

Falando de mandato, o presidente reeleito diz que um dos planos para o diretório local é atrair a juventude. “O partido vai fazer campanha para filiar jovens e também atrair a juventude. Muitos nasceram na gestão [nacional] do PT. Não sabiam o peso da mão da direita. Estão conhecendo agora. A juventude tem bandeiras comuns às do partido, a exemplo da Reforma da Previdência e questões de gênero”.

Flávio avalia que os resultados até aqui acabam fortalecendo o ex-deputado Geraldo Simões, “que trabalhou também para fazer essa aliança [com Waldenor Pereira], mantendo a liderança com o apoio da direção estadual”.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia