WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










julho 2019
D S T Q Q S S
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias






:: ‘pesquisa eleitoral’

REAL BIG DATA: RUI COSTA SOBE E CHEGA A 56% E ZÉ RONALDO OSCILA PARA 16%

A TV Itapoan/Rede Record divulgou nova pesquisa encomendada à Real Time Big Data sobre a sucessão ao governo baiano. Feita nos dias 21 e 22 de setembro, a pesquisa aponta vitória de Rui Costa, no primeiro turno, com 56% das intenções de votos, cinco pontos percentuais acima da registrada em agosto passado, quando atingiu 51%.

A mesma pesquisa também apontou oscilação, para baixo, do candidato do DEM, José Ronaldo, que saiu de 18% para 16%. Na sequência, vêm João Henrique (PRTB), Célia Sacramento (Rede), Marcos Mendes (PSOL) e Orlando Andrade (PCO) com 1% das intenções de voto cada um.

A pesquisa ouviu 1.200 pessoas, de acordo com o instituto, e tem margem de erro de 3 pontos percentuais. O nível de confiança é 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BA-00250/2018.

DATAFOLHA: “LULA SERIA IMBATÍVEL NO SEGUNDO TURNO”

Lula seria imbatível no segundo turno, aponta Datafolha || Foto Agência Brasil

Nova pesquisa Datafolha revela um Lula imbatível em cenários de segundo turno na corrida presidencial de 2018, mesmo preso e sem poder fazer campanha há dois meses. O levantamento foi publicado, há pouco, pela Folha. No cenário de primeiro turno, o ex-presidente mantém 30% das intenções de voto.

A pesquisa foi feita nos últimos dias 6 e 7, segundo o instituto, quando foram ouvidos 2.824 eleitores em 174 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, segundo o Datafolha. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Arte Folha

A mesma pesquisa revela que o apoio do ex-presidente Lula pode aumentar a chance de um candidato chegar ao segundo turno da disputa presidencial. Segundo o Datafolha, 30% votariam em um nome apoiado por Lula. Outros 17% poderiam votar. Na outra margem, 51% disseram não votar em nome apoiado pelo petista.

Em cenário de primeiro turno com Lula, o petista mantém 30%, enquanto Bolsonaro fica com 17%. Marina chega a 10%. Ciro Gomes (PDT) e Alckmin atingem 6% cada um. Álvaro Dias (Podemos) chega a 4%. Manuela D´Ávila (PCdoB) e Rodrigo Maia (DEM) oscilam entre 2% e 1%. Os demais nomes oscilam entre 1% e 0%.

Sem Lula na disputa, os demais nomes não conseguem fisgar o eleitor. Bolsonaro chega a 19%. Marina oscila entre 14% e 15%, no que depende da presença ou não de nomes do PT (Wagner ou Haddad, ambos com 1%). Ciro oscila entre 10% e 11%. Alckmin atinge 7%. Álvaro Dias mantém os 4% do cenário com Lula.

VOX POPULI MOSTRA DILMA 8 PONTOS À FRENTE DE AÉCIO: 54% a 46%

Dilma aparece 7 pontos à frente de Aécio no Vox Populi (Montagem R7).

Dilma aparece 8 pontos à frente de Aécio no Vox Populi (Montagem R7).

A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) continua à frente do senador Aécio Neves (PSDB) na disputa pela Presidência da República, segundo pesquisa Vox Populi divulgada neste sábado (25) por TV Record, Record News e Portal R7. A petista aparece com 48% dos votos totais, contra 41% do tucano.

A vantagem de Dilma sobre Aécio passou de três para sete pontos percentuais, já que no último levantamento, de 20 de outubro, a petista tinha 46% e o tucano, 43% dos votos totais. A pesquisa de hoje, portanto, é a primeira do instituto em que Dilma aparece na liderança fora da margem de erro.

Votos brancos e nulos somam 5%, enquanto outros 5% dos entrevistados não souberam ou não responderam.

Considerando apenas os votos válidos — que exclui brancos, nulos e eleitores indecisos —, Dilma passou de 52% para 54% na pesquisa atual, enquanto Aécio caiu de 48% para 46%.

A pesquisa foi realizada neste sábado com 2.000 eleitores de 147 municípios do país. O levantamento está registrado no TSE com o número BR-01185/2014. Do R7.

PESQUISAS EM SALVADOR E CONQUISTA

Duas pesquisas eleitorais sobre a disputa em Salvador foram registradas hoje para divulgação no sábado, 27, véspera da definição de quem será o novo prefeito da capital baiana. Nelson Pelegrino (PT) e ACM Neto (DEM) são os nomes postos no segundo turno. As pesquisas serão feitas pelo instituto Babesp, o DataNilo, e Ibope – esta última encomendada pela Rede Bahia.

Já em Vitória da Conquista, a pesquisa a ser divulgada no sábado, 27, será da Hoje Comunicações, do jornalista Paulo Nunes. Vai ouvir 1.412 eleitores conquistenses e os custos serão assumidos pelo próprio instituto.

O duelo no município do sudoeste baiano ocorre entre Guilherme Menezes (PT) e Herzem Gusmão (PMDB). O candidato petista disputa a reeleição e vive expectativa de governar Conquista pela quarta vez. No primeiro turno, Guilherme obteve 49,92% dos votos válidos ante 40,24% de Herzem.

SEXTA TEM NOVA PESQUISA EM ITABUNA

O Instituto Seculus registrou nova pesquisa para aferir intenções de voto para prefeito em Itabuna. O registro BA-000423/2012 foi feito hoje e o resultado do levantamento com 1.143 eleitores poderá ser divulgado em 5 de outubro, dois dias antes das eleições. O trabalho de campo está programado para os dias 2 e 3, conforme registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Além de aferir as intenções de voto nas modalidades espontânea e estimulada, o instituto vai medir expectativa de vitória entre os 1.143 eleitores consultados. A pesquisa foi contratada por Ari Carlos do Nascimento ao custo de R$ 12 mil. Ari é guru das pesquisas das campanhas de Azevedo e também executa levantamentos de opinião para o governo estadual.

Esta será a terceira pesquisa registrada em Itabuna. A primeira foi exatamente da Seculus e a segunda, divulgada hoje, do Instituto Gasparetto. Confira os resultados clicando aqui e aqui.

WAGNER FALA DE GOVERNO, ELEIÇÕES E MENSALÃO E DIZ QUE A “VEJA VIROU PARTIDO POLÍTICO”

Governador durante inauguração de base comunitária em Itabuna (Foto Pimenta).

O governador Jaques Wagner esteve no final de semana em Itabuna, onde inaugurou a primeira Base Comunitária de Segurança no interior da Bahia. A base de segurança é aposta para redução dos índices de criminalidade em áreas onde há domínio do crime.

Após a inauguração no Monte Cristo e entrevista ao Alerta Total, da TV Cabrália, o governador concedeu entrevista ao PIMENTA. O mandatário baiano falou de greves no funcionalismo, gestão pública, eleições e reflexos eleitorais do julgamento do Mensalão, no Supremo Tribunal Federal (STF). Wagner fez crítica à Revista Veja pela postura de “partido político” assumida pela publicação da Editora Abril.

O governador também abordou o processo eleitoral na Bahia e ainda vê a disputa embolada em Itabuna. Ele afirmou que, na reta final, poderá vir a Itabuna apoiar o candidato da base aliada que estiver melhor posicionado – Vane do Renascer (PRB) ou Juçara Feitosa (PT).

PIMENTA – Quais os resultados já obtidos com as Bases Comunitárias nas áreas onde foram instaladas?

JAQUES WAGNER – A depender do tempo de instaladas, os índices de criminalidade apresentam redução de 40% a 50%. Na área do Calabar [Salvador], tivemos período longo com zero homicídio e as bases têm se mostrado a melhor política, mas é óbvio que não vamos colocar bases em todos os bairros, todo interior, mas as colocamos em cidades com índices elevados, como é o caso de Itabuna. Semana que vem estou indo a Feira de Santana, tem uma projetada para Porto Seguro, é uma política de instalar em bairros onde existe o tráfico conflagrado.

O governo fez opção de instalar a Base Comunitária numa área de quadra poliesportiva. Não há uma incoerência governamental entre discurso e combate ao crime?

Na verdade, foi demandado à prefeitura o oferecimento de um terreno. Também acho que é ruim suprimir uma quadra de esporte para colocar uma base comunitária, que é bem-vinda. A unidade nossa é provisória, mas o terreno ao lado [da quadra] é que será usado.

Existem demandas no sul da Bahia, como a duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna . Quando esta obra vai sair?

A duplicação ficou a cargo do governo federal . O Derba [órgão estadual] já entregou o projeto ao Dnit e está sendo adequado pelo Ministério dos Transportes. O dinheiro está reservado dentro do PAC II. É o Dnit terminar o projeto, sair a licença ambiental e fazer a obra. Eu tenho convicção de que a gente consegue começar essa obra no primeiro semestre de 2013.

______________

Com a aproximação da eleição, se um candidato da base estiver disputando com o adversário, no caso de Itabuna é com o DEM, a gente pode vir para reforçar.

______________

Falando de eleições, como se posicionará em Itabuna, onde a base tem dois candidatos?

Para não ser desleal, a minha postura é sempre ficar equidistante onde temos dois candidatos e estes participaram da minha campanha [em 2010]. Com a aproximação da eleição, se um candidato da base estiver disputando com o adversário, no caso de Itabuna é com o DEM, a gente pode vir para reforçar. Por enquanto, há a informação de que a disputa está embolada e eu estou me mantendo distante não só aqui como em todos os lugares. Sou do PT, mas sou de uma coligação. Então, se existem dois candidatos da base, a gente mantém essa distância.

Qual o mapa eleitoral que o governo projeta para este ano?

A projeção que temos é de que, dos 417 municípios, faremos 320. Gente mais otimista fala em 330. Eu boto 320, o que já seria um número bastante representativo, ficando perto de 100 com a oposição, mas ressalvando alguns municípios, pois o PMDB é parte do governo da presidenta Dilma e oposição ao governo estadual, mas não há “interdição” de alianças. Tem prefeitura que vai ser ganha pelo PMDB, mas com o apoio de gente nossa e do PT. E tem lugares onde o PT deve ganhar com o apoio do PMDB. Mas eu diria que, na minha base, estaremos acima de 320 prefeituras.

______________

Nelson Pelegrino tem crescido bastante e o candidato do DEM, na minha opinião, vem perdendo fôlego.

______________

E Salvador?

Nelson Pelegrino tem crescido bastante e o candidato do DEM, na minha opinião, vem perdendo fôlego. Em Feira, a eleição é dura, mas a reação de [Zé] Neto é muito boa. Já em Vitória da Conquista, Guilherme Menezes está bem. Aqui em Itabuna, como já disse, está embolado e em Ilhéus nós temos dois candidatos da base, assim como em Barreiras. Então, acho que o resultado vai ser bastante positivo.

Nacionalmente, qual será o impacto do Mensalão para o projeto eleitoral do PT?

Eu estava dizendo que houve julgamento do povo. O episódio do Mensalão já foi público. Em 2005, 2006, teve gente cassada ou que renunciou para não perder o mandato… Na minha opinião, o impacto maior se deu naquela época. Nós já tivemos as eleições de 2006, 2008 e 2010. Algumas pessoas se desestimularam em relação ao PT, mas, pelo desempenho nas eleições, eu diria que não foi um golpe como a oposição gostaria que fosse. Até porque, se o PT tem erros, e seguramente tem, os outros não estão isentos.

Os reflexos hoje seriam menores?

A população não é mais ingênua. Sabe que fazer o discurso da moralidade é fácil, mas teve, por exemplo, o episódio do Mensalão do DEM, com gente filmada colocando o dinheiro no bolso e por aí vai. E o PSDB, também [Minas Gerais]. Então, eu não gosto de generalizar. Seguramente, não somos um partido dos santos, mas de homens e mulheres, como todos são, com erros e acertos. Agora, alguém tentar posar de partido dos santos, de partido detentor da moralidade absoluta acaba soando como mentira para a população. Então, algum impacto acho que tem, mas não estou sentindo, pelo menos por onde tenho andado.

E na Bahia?

É óbvio que não tenho andado por outros estados, mas não estou sentindo isso.

______________

Eu digo sempre que com o pecado do pecador o povo já se acostumou. O pecado do pregador assusta muito mais. Quando acontece alguma coisa com alguém do PT, vira escândalo.

______________

O senhor esteve em São Paulo em apoio a Fernando Haddad. Lá, o senhor não sentiu?

Algum reflexo tem, é óbvio. Eu digo sempre que com o pecado do pecador o povo já se acostumou. O pecado do pregador assusta muito mais. Como nós sempre pregamos a moralidade e o bom uso do dinheiro público, quando acontece alguma coisa com alguém do PT vira um escândalo. Por quê? Porque somos pregadores do bom uso do dinheiro público. O episódio foi em 2005, há o julgamento e a postura de condenação. Agora, não acredito que isso vá ser… Vamos ver em São Paulo, onde o Haddad está crescendo, o Russomano está consolidado na primeira posição. Espero que [no segundo turno] dê Russomano e o Haddad, mas vamos esperar mais um pouquinho.

E o que muda com o envolvimento do nome do ex-presidente Lula, segunda a Veja?

Olha, a Revista Veja, ultimamente, tem se transformado quase que num partido político, como já aconteceu em outros países democráticos como Inglaterra, Estados Unidos. Alguns órgãos de imprensa esquecem de que a imprensa tem direito a ter sua opinião – e nós defendemos a liberdade de imprensa, mas tem momentos que ela assume uma posição e se contamina até diante da sociedade. A tentativa, na minha opinião, é absurda. Eu fui ministro que cuidava de toda aquela questão à época do Mensalão. Eu era o articulador político do presidente Lula… No dia que estive em São Paulo, estava saindo a revista e eu disse “posso garantir que o presidente nunca se encontrou com Marcos Valério nem no Palácio do Planalto nem no Alvorada ou na Granja do Torto”.

Mas a pressão é grande.

Essa tentativa [de envolver o ex-presidente Lula] já foi rechaçada no começo pelo Supremo. É tentativa de contaminar uma pessoa que, para tristeza das oposições, continua morando no coração de 80% dos brasileiros, pelo trabalho que ele fez. Mas não acho que isso vá prosperar. Insisto que é falta de argumento da oposição e aí tenta bater só nessa tecla. O povo ouve a palavra, mas julga pela ação. Creio que a ação do PT ao longo desses anos, seguramente, não é perfeita, mas a gente tem feito processo de prosperidade bastante grande no Brasil e na Bahia.

O senhor sempre foi visto como homem do diálogo e oriundo da base sindical. Por que se enfrentou duas greves duras só neste ano, principalmente a dos professores, que foi a mais desgastante e longa?

A greve da Polícia Militar, na verdade, tinha uma agenda nacional, que era a PEC 300. Então, iniciou-se um processo de greves em outros estados e chegou na Bahia e tomou contornos inaceitáveis e violentos. Graças a Deus, superamos aquela fase. Fizemos uma oferta salarial à Polícia Militar que começa a ser cumprida agora em novembro.

______________

Os negociadores do meu lado e do lado dos professores não exercitaram bem o que é sagrado – a mesa de negociação e o diálogo – e a greve acabou adentrando por uma conotação de politização.

______________

E na greve dos professores?

No caso dos professores, considero que houve erro de parte a parte na mesa de negociação. Os negociadores do meu lado e do lado dos professores não exercitaram bem o que é sagrado – a mesa de negociação e o diálogo – e a greve acabou adentrando por uma conotação de politização. Só lembrar que, seguramente, não sou governador da Bahia duas vezes, deputado três vezes e ex-ministro do presidente Lula por que seja burro. É óbvio que se num ano eleitoral eu pudesse alargar os proventos do funcionalismo público para estar em cada canto com gente satisfeita… Eu tenho limite e tenho que governar dentro da responsabilidade fiscal. Eu só quero lembrar, sem voltar a esse debate, que nós fizemos e vamos completar em março 53% de ganho real sobre a reposição da inflação. Houve desgaste, mas ele vai sendo superado. O governo não é julgado só por esse episódio. É julgado pelo conjunto da obra de cinco anos e meio. Graças a Deus, a gente tem avaliação bastante positiva da população.

Só que as pesquisas ainda apontam desgaste.

Não, você está falando da pesquisa de Salvador. É que o povo tem a mania de pegar pesquisa de Salvador.

Nos maiores centros, como Itabuna, também ainda há reflexo.

Em Feira de Santana virou completamente. Pode não ser igual às outras cidades do interior, mas a avaliação é positiva. Inclusive, em Salvador a regressão da desaprovação já é bastante grande e a gente já tem aprovação superior a não-aprovação. Salvador foi o grande foco da greve dos professores. Mas em época de eleição as coisas são… (pausa)

Mais acirradas?

(…) Mais acirradas e ninguém [da oposição] vai falar das bondades. Mas sou pessoa tranquila. Vou dar o exemplo de Salvador [em relação a pesquisa]: tinha gente comemorando antes da hora e me parece que a festa não vai ser como eles estavam imaginando. Vamos aguardar porque, pelas pesquisas, eu não iria nem para o segundo turno em 2006 e acabei ganhando no primeiro. Achava impossível ganhar do primeiro turno em 2010… Não falo isso com arrogância, mas como recomendação porque pesquisa é fotografia do momento. Eu acabei de ouvir do diretor da própria rede aqui [Marcelo Almeida, da TV Cabrália] que as coisas mudam com muita rapidez em Itabuna. Em São Paulo, todo mundo achava que Celso Russomano (PRB) ia cair [nas pesquisas]  com duas semanas de televisão. Consolidou em 35% e está todo mundo agora batendo perna, não entendendo o que está acontecendo. Então, vou continuar com minha humildade. Evidente que eu sei os problemas que o governo tem, mas também eu sei das entregas que a gente fez e não são poucas, e o povo julga pelo conjunto da obra.

SALVADOR: BAND/VOX POPULI SAI AMANHÃ

A Rede Bandeirantes divulgará nesta quarta, 29, nova pesquisa da sucessão municipal em Salvador. O levantamento foi encomendado ao Instituto Vox Populi e pretende ouvir mil eleitores da capital baiana, conforme registro no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA).

A pesquisa será a primeira a medir, efetivamente, a influência do horário eleitoral na disputa. O trabalho de campo começou no sábado, 25 – quinto dia de propaganda no rádio e na televisão-, e foi concluído ontem, 27. Trará, além dos números da disputa municipal, a avaliação dos soteropolitanos em relação aos governos de João Henrique, Jaques Wagner e Dilma Rousseff.

O levantamento Vox Populi/Band se diferencia do feito pelo Ibope/TV Bahia, semana passada, por também distinguir, nas avaliações de governo, se o regular (quando houver) é positivo ou negativo. E apresentou ACM Neto (DEM) na liderança, com 40% das intenções de voto, seguido à distância por Pelegrino (PT), 16%.

Os números serão conhecidos no Jornal da Band, às 19h20min.

PARA QUE SERVEM AS PESQUISAS ELEITORAIS?

Agenor Gasparetto | www.agenorgasparetto.zip.net

Se você pensou que divulgação de pesquisas era informação, passa a saber, portanto, que, salvo exceções, é propaganda. Propaganda em grande estilo.

Se você estiver pensando que pesquisas eleitorais divulgadas servem para  informar, você está errado na maioria dos casos.  Com exceção das pesquisas divulgadas regularmente por veículos de comunicação, com calendário prévio, todas as demais não tem na informação sua principal motivação. A informação é apenas o pretexto.

O que são, então?, você indaga.  São propaganda disfarçada de informação. Atendem primeira e prioritariamente a propaganda. A informação que portam é o que dá a essa propaganda, digamos, ares de credibilidade.

E, então, você pergunta, com justiça, claro: e a Justiça Eleitoral? Carimba essa propaganda, que ainda tem a assinatura de um estatístico. Imagino que publicitários e marqueteiros deveriam estar protestando contra os estatísticos por ocuparem seu espaço.

Se você pensou que divulgação de pesquisas era informação, passa a saber, portanto, que, salvo exceções, é propaganda. Propaganda em grande estilo. Bem, essa é a regra do jogo e esse é o mercado. E esse é o sistema.  Portanto, nada de errado.

Mas… você ainda insiste.

Claro que há outra funções que a pesquisa desempenha. (Estou falando apenas das pesquisas tecnicamente bem conduzidas, obviamente).  Muitas funções outras são desempenhadas. Por exemplo. Uma aposta sobre o resultado e a diferença de voto em uma eleição municipal entre o contratante e, digamos, um caboclo endinheirado, entusiasmado, mas mal informado desses  vastos grotões desse imenso país. Há quem faça pesquisa para fazer a aposta certa e ganhar um bom dinheiro.

Certa feita, após uma eleição, um cliente comentou num misto de justa indignação, pois a diferença na eleição sugerira a ele que poderia ter gasto menos dinheiro. Obviamente, não procede tal comentário, pois a compra de votos não existe neste país. Isso é coisa de mexicano e seu PRI, que o diga o seu presidente recentemente eleito.  O Brasil, ao contrário do que andou dizendo um general-presidente francês, é um país sério.

Bem, pelo menos uma pesquisa serve para contrastar outra pesquisa, deixando o eleitor em dúvida. As pesquisas assumidamente falsas tem esse lado positivo e contribuem para o eleitor, afinal, pensar por si mesmo, exigem que o eleitor passe a pensar.  Nem tudo, definitivamente,  está perdido. Alguém é induzido a pensar.

Agenor Gasparetto é diretor do Instituto Sócio-Estatística.

CNT/SENSUS SAI AMANHÃ

A assessoria da Confederação Nacional de Transporte (CNT) confirmou para amanhã, 5, a divulgação da 102ª pesquisa de opinião CNT/Sensus. Será às 10h30min, na sede da confederação, em Brasília. De acordo com Jorge Menezes, da CNT, a pesquisa tratará quase que exclusivamente da sucessão eleitoral de 2010, além da tradicional avaliação do Governo Lula.

Feito de 31 de julho a dois de agosto, o levantamento da CNT/Sensus ouviu 2 mil pessoas em 136 municípios de 24 estados.

A PESQUISA VOX POPULI NA BAHIA

A pesquisa Vox Populi que avalia os cenários estadual e nacional em território baiano incluiu o nome de cinco pré-candidatos a governador. Na estimulada, os nomes foram apresentados de acordo com a ordem alfabética. Foram incluídos no questionário Gedel Vieira Lima (PMDB), Jaques Wagner (PT), Luiz Bassuma (PV), Marcos Mendes (PSOL) e Paulo Souto (DEM).

Após as perguntas mais diretas sobre as intenções de voto para governador (espontânea e estimulada), uma questão avalia tambem o impacto do apoio do presidente Lula na disputa na Bahia. No estado, são computados como da base do governo federal os pré-candidatos Geddel Vieira Lima e Jaques Wagner.

Apesar de a disputa provavelmente ser resolvida em dois turnos, a pesquisa não trará cenários de segundo turno. Ou seja, o baiano vai ficar com esse gostinho. Quanto à disputa nacional em território baiano, o Vox Populi só avalia como cenário no segundo turno um duelo entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). Os resultados serão divulgados, possivelmente, nesta quarta, 12.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia