WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

workshop










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘PMDB’

EM CONQUISTA, DEU GUILHERME

Os petistas lamentaram em Salvador, mas festejaram em Vitória da Conquista. Na terceira maior cidade da Bahia, Guilherme Menezes (PT) chegou a ter a eleição ameaçada pelo radialista Herzem Gusmão (PMDB), mas conseguiu superar o adversário e confirmar o primeiro lugar nas urnas neste domingo.

Guilherme venceu com 91.072 votos (56,28%). Gusmão recebeu 70.760 (43,72%).

Este será o quarto mandato do petista no município. O PT governa Vitória da Conquista desde 1997.

2014: O PT QUE SE CUIDE

O deputado federal José Carlos Araújo ainda comemora o desempenho do PSD nas eleições municipais. Secretário-geral do partido na Bahia, Araújo olha 2012 e enxerga 2014.

Na sua estreia em disputas eleitorais, o PSD despontou como o partido que conquistou o segundo maior número de prefeituras na Bahia, 71, perdendo apenas para o PT, que governará 92 municípios. O terceiro nesse ranking é o PP (52 prefeituras), enquanto o PMDB de Geddel e Lúcio Vieira Lima ficou com o quarto lugar (44 prefeituras).

Araújo se sente fortalecido, afirmando que, dos prefeitos eleitos pelo PSD, 12 são ligados diretamente a ele. Quem festeja ainda mais é o vice-governador Otto Alencar, que sonha com a sucessão de Jaques Wagner.

CONQUISTA: PESQUISA “HOJE IN DATA” TRAZ GUILHERME COM 53,77% E HERZEM COM 34,38%

Pesquisa divulgada no final desta tarde de sábado, 27, pelo instituto HojeinData aponta para reeleição do prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes (PT). O levantamento traz o petista com 53,77% das intenções de voto e o peemedebista Herzem Gusmão com 34,38%.

O percentual de indecisos, porém, é alto: 10,31%. Já o percentual de brancos e nulos ficou, respectivamente, em 0,67% e 0,87%. A pesquisa foi feita de 25 a 27 de outubro e ouviu 1.483 eleitores nas zonas urbana e rural do município do sudoeste baiano. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Esta é a primeira vez que Vitória da Conquista tem eleição decidida em segundo turno. A pesquisa HojeinData foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número 00548/2012.

NO RÁDIO, CARMELITA MOSTRA CACÁ ATACANDO JABES: “NÃO DEVEMOS DEIXAR QUE O PASSADO VOLTE”

Jabes (esq.) é atacado pelo companheiro de chapa, Cacá Colchões.

A campanha eleitoral no rádio em Ilhéus esquentou nesta sexta-feira, 31. O programa de Professora Carmelita (PT) mostrou trecho de uma entrevista em que o empresário Cacá Colchões (PMDB) diz que o eleitor não deve deixar o ex-prefeito e candidato Jabes Ribeiro (PP), de quem ele é vice, retornar ao Palácio Paranaguá. A entrevista foi concedida pelo empresário cerca de 40 dias antes dele aceitar ser o vice de Jabes.

Fazendo referência a Jabes, Cacá cita que o município já teve três experiências (mandatos) com o pepista e recomenda ao eleitor a rejeição ao projeto. “Nós não devemos deixar que o passado volte para administrar esta cidade.  Já tivemos três experiências e nós não o queremos de novo”.

Cacá também acusa Jabes pela perda de investimentos e fuga de empregos em Ilhéus. “A gente está cansado de tudo Ilhéus perder. A gente perde Petrobrás, a gente perde Brasilgás, perde Moinho, perde um shopping, perde Azaléia. Eu só vejo perder, perder, perder”.

No programa da petista, Cacá Colchões é apresentado como “vice da chapa do atraso”. “A gente vai exibir agora uma entrevista importante. Sabe de quem, do candidato a vice na chapa do atraso: o Cacá Colchões. Ouça a opinião dele sobre o candidato Jabes Ribeiro”.

O trecho em que Cacá faz ataques a Jabes foi extraído do programa O Tabuleiro, da Conquista FM, no primeiro semestre deste ano. Para ouvir as críticas de Cacá a Jabes, clique aqui.

FRITADA PELO PMDB, LENINHA APOIARÁ VANE

Leninha apoiará Vane do Renascer.

A empresária Leninha Alcântara participará de ato em que anuncia, oficialmente, apoio ao candidato a prefeito de Itabuna pelo PRB, Claudevane Leite (Vane do Renascer). O ato está programado para as 19h desta quinta-feira, 16, no comitê central da campanha de Vane, na avenida Princesa Isabel, Banco Raso.

A empresária sonhava disputar a sucessão de 2012. Para isso, saiu do PPS e ingressou no PMDB, imaginando que ganharia mais musculatura eleitoral em um partido de maior expressão e – claro! – tempo de rádio e TV. O que se viu depois foi um samba em que tanto ela como os demais peemedebistas pretendentes (Edmilton Carneiro, Ruy Corrêa e Maruse Xavier) dançaram.

O partido retirou todos os nomes da disputa e ressuscitou o ex-deputado Renato Costa, hoje integrando a vice na chapa de Capitão Azevedo (DEM). Leninha pediu a terceiros para entregar a carta de desfiliação do PMDB em junho (relembre). Até o início desta semana, ela dizia que iria manter-se distante da sucessão.

A empresária acabou anunciando o apoio a Vane e entrou de cabeça na campanha. Nas redes sociais, circula um vídeo em que ela cita as razões que a levaram a entrar de cabeça na disputa (veja aqui).

FERNANDO PODE SUBSTITUIR AZEVEDO

Azevedo olha para Fernando, o Plano B da coligação (Foto Pimenta/Arquivo).

Cresceu nas últimas horas as especulações em torno do nome do ex-prefeito Fernando Gomes, hoje no PMDB, como substituto da candidatura de Capitão Azevedo (DEM). O prefeito-candidato recebeu informação não muito boa, vinda da Justiça Eleitoral, hoje, em pleno aniversário de Itabuna.

O inteiro teor da decisão judicial será conhecido somente nesta manhã de domingo, 29, ou – no mais tardar – na próxima segunda. Sobre o caso, o Ministério Público Eleitoral já havia impugnado a candidatura de Azevedo por causa das contas rejeitadas nos exercícios de 2009 e 2010.

PAPAGAIO DE PIRATA

Candidato a vice-prefeito na chapa de Capitão Mudinho (DEM), o médico e ex-deputado Renato Costa (PMDB) ganhou o apelido de papagaio de pirata. Tudo porque, no material de campanha, ele não aparece ao lado, mas atrás do capitão.

E, para completar, ainda veste camisa verde.

LÚCIO VIEIRA PULA A CERCA EM FORMOSA

O presidente estadual do PMDB, Lúcio Vieira Lima, saiu de Salvador, de jatinho, para pular a cerca em Formosa. A confissão está no microblog Twitter. É que o prefeito do pequeno município, sabendo da visita do Gordinho, mandou fechar o aeroporto municipal.

O jatinho do Gordo até pousou, mas Lúcio teve que pular a cerca para uns dedinhos de prosa com as eleitoras. E com os eleitores, naturalmente.

EX-PREFEITO DE ITORORÓ REGISTRA CANDIDATURA EM NOME DO PAI, QUE JÁ MORREU

Edital traz Marco Brito se passando pelo pai, Henrique Brito, já falecido.

O prefeito de Itororó, Adroaldo Almeida (PT), talvez vá para a disputa eleitoral tendo “ninguém” contra si. O ex-aliado Marco Brito (PMDB) pediu registro de candidatura em nome do pai, Henrique Brito Filho, falecido em acidente aéreo que também matou o candidato a governador Clériston Andrade, em 1982.

O petista não comeu a farofa oferecida por Marco Brito à Justiça Eleitoral. Adroaldo acredita que o “erro” seja uma estratégia de Brito para ganhar tempo, poder se livrar da pecha de “ficha-suja” (livrando-se do período de impugnações) e ganhar condições para disputar o pleito de outubro.  O ex-prefeito teve as contas de 2006 e 2008 rejeitadas tanto pelo Tribunal de Contas dos Municípios como pela Câmara de Vereadores.

– O absurdo é ser (este) um ardil do seu filho, Marco Brito, para fugir, supostamente, do período de impugnações – disse Adroaldo.

No edital de pedido de registro, o candidato do PMDB é Henrique Brito Filho, tendo como “opção de nome” Marco Brito. A estratégia também pode ser configurada como crime eleitoral e falsidade ideológica. O edital 004/2012 foi publicado pelo juiz Rojas Sanches Junqueira.

EX-CANDIDATOS VÃO APOIAR TONHO DE ANÍZIO

Tonho de Anízio, de Itacaré, terá apoio de dois ex-adversários.

O prefeito de Itacaré, Tonho de Anízio (PCdoB), conseguiu o apoio de dois dos adversários em 2008. Danilo Reis e Lauro Setúbal dizem que a união visa “evitar que Itacaré volte um passado em que o povo não era respeitado”. A alfinetada é no ex-prefeito Jarbas Barbosa (PSB) que tentará voltar ao comando do município, mas enfrenta processo de investigação interna (relembre aqui).

Os apoios à reeleição foram confirmados durante convenção, no último sábado. Além de agradecer o apoio das legendas e dos ex-candidatos Danilo Reis e Lauro Setúbal, Tonho de Anízio ressaltou a participação popular como marca de seu governo.

Anízio terá como vice o empresário Gilmar Longo (PMDB). A aliança pela reeleição do prefeito de Itacaré conta ainda com PRB, PSC, PMN, PSD, PTB e PR.

O COMENTARISTA-VIDENTE DA AL JAZEERA

Melck Rabelo não faltou à convenção do “coligado” Jabes (Foto Ed Ferreira).

Melck Rabelo, o comentaristas-vidente, foi uma das sensações da convenção partidária que homologou as candidaturas de Jabes Ribeiro (PP) a prefeito e Cacá Colchões (PMDB) a vice. Por enquanto, Melck descarta novos artigos sobre a sucessão em Ilhéus. Acha que a vitória tá no papo e exibe até adesivo de quem ele acredita que vá levar a peleja na Terra de Gabriela. Melck está mais preocupado em garantir as exclusivas de uma tal de TV Al Jazeera. Aliás, olha a pose do barbudinho na foto de Ed Ferreira…

CONVENÇÃO DO DEM HOMOLOGA CANDIDATURA DE AZEVEDO EM FESTA SEM CACIQUES DO PMDB

Convenção atraiu a base, mas faltaram caciques do PMDB baiano e nacional (Foto Pimenta).

Com três horas de atraso e tumulto na chegada dos pré-candidatos e dos principais líderes da legenda no estado, o DEM realizou convenção para homologar a chapa à reeleição do Capitão Azevedo a prefeito, tendo na vice o médico Renato Costa (PMDB). O atraso foi justificado por problemas de voo pelos assessores.

Apesar de anunciados, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e seu irmão, Gedel Vieira Lima, não compareceram. Pela manhã, o PIMENTA já havia publicado que o vice-presidente da República, Michel Temer, não viria. O partido foi representado pelo deputado estadual Pedro Tavares. O deputado federal ACM Neto e o ex-governador Paulo Souto, que saiu antes do evento na Usemi se encerrar, representaram a estadual do DEM.

Um grande número de candidatos a vereador afixou faixas com slogans e fotografias nos principais locais da União dos Servidores Municipais de Itabuna (Usemi), um clube recreativo. Entre as faixas, uma que anunciava o ingresso do PSDB que nos últimos dias esteve envolvido em disputa interna de poder entre o presidente do diretório municipal José Adervan de Oliveira e os demais dirigentes, a exemplo de João Piton, com quem trocou alfinetadas.

PDT COM AZEVEDO?

A coligação majoritária é integrada pelo PMDB, PRTB, PMN, PSDC, PTN, PSL, PTC e PSDB. Destes sete partidos devem sair as coligações proporcionais com os candidatos com cerca de 240 nomes concorrendo a vereador. Nos bastidores, a informação de que mais três partidos podem se integrar à coligação: PR, PTB e até mesmo o PDT.

CANDIDATURA DE AZEVEDO É HOMOLOGADA. FRENTE DEVE IR DE VANE E ACÁCIA

Azevedo tem candidatura homologada e Renato na vice.

O DEM promete grande festa para comemorar a grande aliança em torno do prefeito e candidato à reeleição, José Nilton Azevedo, nesta quinta-feira, 21, no Clube Usemi. A previsão é de que o prefeito consiga atrair apoio de, pelo menos, 11 legendas em sua tentativa de reeleição.

A convenção do DEM e de outros sete partidos começará nesta manhã, mas reunirá os “chefões” das legendas somente a partir das 15h. O vice de Azevedo já foi anunciado. Será o ex-vice prefeito e ex-deputado estadual Renato Costa (PMDB).

O comando da pré-campanha anunciou as presenças do deputado federal ACM Neto e do ex-governador Paulo Souto (ambos do DEM), o deputado federal e presidente estadual do PMDB, Lúcio Vieira Lima, e o irmão e vice-presidente Pessoa Jurídica da Caixa, Geddel Vieira Lima, além do vice-presidente da República, o também peemedebista Michel Temer.

Azevedo anunciou que terá apoios de PMDB, PSDB, PTC, PTN, PMN, PSDC, PRTB e PSL. Outro partido com quem está negociando é o PR, do vereador Roberto de Souza. Ao PIMENTA, o vereador disse que somente não apoiará o prefeito se não conseguir uma boa coligação. Inicialmente, a coordenação de pré-campanha do prefeito queria ver o PR coligado com o DEM, o que foi rechaçado pelo comando do Partido Republicano.

VANE E ACÁCIA NA FRENTE

A Frente Partidária decidirá hoje a formação de chapa com a qual pretende derrubar favoritismos do prefeito Capitão Azevedo e da ex-candidata Juçara Feitosa (PT). Neste momento, líderes dos partidos da frente e os prefeituráveis Acácia Pinho (PDT), Vane do Renascer (PRB) e Wenceslau Júnior (PCdoB) devem estar reunidos em Brasília para a escolha.

Devido a pressões, a chapa antes pensada como Vane prefeito e Wenceslau na vice poderá ser desfeita para evitar defecções. A formação final deverá ser Vane acompanhado de Acácia Pinho. Uma pesquisa feita pela Dataqualy ajudará na definição que ocorre longe dos olhos itabunenses.

GEDDEL E KERTÉSZ CUTUCAM ACM NETO

Via Twitter, o ex-ministro e hoje vice-presidente Pessoa Jurídica da Caixa dava palpite sobre quem vai para o segundo turno na eleição a prefeito em Salvador: – ACM Neto e Mário Kertész.

Até hoje o PMDB – nem o pré-candidato do partido – engolem a movimentação do deputado democrata e atribuem a ACM Neto a “implosão” da tentativa de unidade das oposições.

Kertész disse, hoje, em entrevista à Tudo FM (Salvador) que é mais fácil o PMDB apoiar o petista Nelson Pelegrino do que ACM Neto em um segundo turno.

A VOLTA POR CIMA

O secretário-geral do PP, Jabes Ribeiro, desistiu de disputar uma cadeira à Assembleia Legislativa, em 2010. À época, disse a este blogueiro que a desistência lhe garantia apoios para a disputa em 2012.

Desde quando deixou a prefeitura de Ilhéus, em 2004, Jabes contabilizou derrotas e frustrações, deixou o DEM e ingressou no PP e, aos poucos, foi acumulando contatos e prestígio na cúpula estadual do governo baiano. Chegou a hora da colheita.

Na tentativa de retorno ao Palácio Paranaguá, a coligação de partidos em seu entorno reúne 15 legendas – dentre elas, o PMDB de Cacá Colchões – e pode chegar a 18 até o dia 30. É quem melhor tem se posicionado na corrida eleitoral ilheense. Conjunção de fatores ajuda o pepista, dentre elas a rejeição homérica ao prefeito Newton Lima.

O ex-prefeito de Ilhéus joga pesado nos bastidores e estabelece alianças em Ilhéus e no âmbito regional para se firmar, novamente, como aliança regional. Jabes travou a aliança do PP com o PT em Itabuna e deu ao PCdoB – e ao cunhado Davidson Magalhães – a contrapartida ao apoio recebido em Ilhéus.

CACÁ E JABES

Jabes terá Cacá na vice e forma grande aliança de partidos.

O PMDB selou acordo com o PP em Ilhéus e o empresário Cacá Colchões deverá ser o vice do ex-prefeito Jabes Ribeiro, que também é secretário-geral do PP baiano. Os dois partidos já decidiram, conforme o blog Agravo, realizar convenções juntinhos, no próximo dia 28, no Clube Social de Ilhéus.

Com isso, Jabes caminha para formar uma ampla aliança, unindo desde os tradicionais progressistas aos partidos de direita. Não é descartada a possibilidade de contar com o apoio de sua antiga legenda, o DEM (ex-PFL). Há uma semana, o PIMENTA já informava como como certa a aliança entre Cacá e o ex-prefeito (relembre aqui).

Do outro lado, a possibilidade de ter como adversário apenas a Professora Carmelita (PT), que encontra grandes dificuldades devido às ligações do seu partido com a atual gestão. O PT, aliás, apadrinhou – e filiou – o prefeito Newton Lima, a quem é credita rejeição popular de estratosféricos 90%.

PMDB, O PARTIDO DOS DISSIDENTES

Sócrates Santana | soulsocrates@gmail.com

Se por um lado, as candidaturas de Gabriel Chalita e Mário Kertész sinalizam representar a política jogada pelo lado de fora, por outro, não possuem musculatura político-partidária, a exemplo de PT, PSDB e DEM.

De grão em grão, a galinha enche o papo. Ao longo dos anos, vem sendo essa a maneira do PMDB disputar as eleições. Sem nenhum presidente eleito pelo voto popular, o maior partido do Brasil virou a legenda das beiradas. E leiam beiradas de duas formas: dos municípios e das bolas divididas. É o caso de Salvador e São Paulo.

Em Salvador, as sobras do confronto entre ACM Neto (DEM) e Nelson Pelegrino (PT) podem recair no papo do radialista Mário Kertész (PMDB). Na rinha paulista, Fernando Haddad e José Serra rivalizam com as farpas do PT e do PSDB. Com o catador nas mãos, o deputado federal Gabriel Chalita (PMDB) junta os frangalhos dos paulistanos. Ou seja: o PMDB é o partido dos dissidentes.

É bom ficar claro: o PMDB não é um partido de oposição. Sem recorrer ao enfretamento nacional, o partido do vice-presidente Michel Temer avalia a política localmente. Dança conforme a música dos costumes, sem qualquer obrigação com as decisões do Palácio do Planalto. Não faz a política do antagonismo, mas, a política da aproximação e da convergência de interesses. É o que são e o que serão as candidaturas de Mário Kertész e Gabriel Chalita.

Ambos, por sinal, possuem em comum o caráter da dissidência. O primeiro, Mário Kertész, saiu do ninho carlista. O segundo, apesar da idade, Gabriel Chalita, troca de partido como se trocasse de camisa: PSDB, PSB e, agora, PMDB. Os dois apostam em campanhas mais provincianas, beirando o bairrismo. Sem confrontar os modelos partidários, Mário e Chalita vão desfilar como se não fossem profissionais da política.

Aparentemente, o candidato paulista tem mais elementos para realizar tal proeza. Pulou de uma legenda para outra, como quem não demonstra qualquer compromisso com os princípios partidários em si. É jovem, 43 anos, portanto, não carrega consigo o fardo de ter sido tachado de tucano, malufista, petista, nem tão pouco quercista.

O candidato soteropolitano do PMDB não é diferente. Por duas vezes, Mário Kertész administrou a cidade de Salvador. A primeira, como biônico; a segunda, como prefeito eleito pelo povo. Mas, de lá para cá, já se vão 23 anos fora de disputas eleitorais. Desses, 19 anos dedicados ao rádio. Ou seja: no imaginário da população, especialmente, entre os jovens e adultos até 40 anos, a ligação de Mário Kertész no passado com possíveis negociações envolvendo dinheiro público viraram pó.

:: LEIA MAIS »

PMDB E PP EM ILHÉUS

O PP tenta, por cima e por baixo, obter o apoio do PMDB para a pré-candidatura do ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro. As negociações avançaram desde o final de semana, mas a palavra final será do pré-candidato peemedebista ilheense Cacá Colchões, que ainda tenta manter o seu nome na disputa.

O desmanche da Plenária Unificada deu um nó na sucessão e prejudicou Cacá, mas significou bela ajuda aos planos do secretário-geral do PP baiano, que tenta o quarto mandato como prefeito.

LENINHA DÁ TCHAU AO PMDB

A empresária Leninha Alcântara resolveu dar troco ao PMDB após ser fritada em fogo alto pela Executiva Municipal. Hoje, apresentou o pedido de desfiliação partidária. Mas não se deu ao trabalho de ir até o escritório do PMDB. Quem entregou a carta de desfiliação foi o secretário-geral do PPS e amigo da empresária, Gilmar França, conta o Blog do Ricky.

A forma como ocorreu a desfiliação foi confirmada pelo diretório do PMDB itabunense.

GEDDEL ALFINETA WAGNER E DESCARTA ALIANÇA PMDB-PT NAS 35 MAIORES CIDADES

O ex-ministro Geddel Vieira Lima descartou aliança do PMDB com o PT nos 35 maiores colégios eleitorais da Bahia. Por ele, o diretório estadual peemedebista vetaria toda e qualquer aliança com os petistas no estado. “Fui voto vencido nesse tema”, revelou em entrevista concedida ao PIMENTA.

Geddel explica as razões de o PMDB optar por não aliar-se ao DEM de ACM Neto na capital baiana, mas fechar apoio eleitoral ao prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, de quem o ex-deputado Renato Costa deverá ser o vice. Deixa claro que o jogo em Salvador tem a ver com 2014.

Vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica, deputado federal por cinco legislaturas e vice-presidente do PMDB baiano, Geddel também aproveitou para desferir ataques contra o seu alvo político preferido na Bahia, o governador Jaques Wagner. Disse que  o petista sofre crise de autoridade. E provoca: “Wagner zonzo”.

Confira a entrevista.

PIMENTA – O PMDB brigou com o DEM na capital baiana e lançou Mário Kertész a prefeito. Como explicar a postura em Itabuna, onde o partido vai ter a vice na chapa de um democrata?

GEDDEL VIEIRA LIMA – O PMDB não brigou com o DEM na capital baiana. A eleição em Salvador é em dois turnos. É impossível pensar que um partido que disputou a eleição de governador em 2010 e que tem projeto para 2014, abra mão de tentar conquistar a capital com suas próprias bandeiras, projetos e programas. No segundo turno, se para ele não formos – e acredito muito no nosso candidato, conversaremos com outras forças de oposição.

E Itabuna?

Em Itabuna, a eleição tem um turno só. O PMDB local entendeu que o prefeito [Capitão] Azevedo fez um bom trabalho e seria o melhor posicionado para derrotar o PT. Ele incorporará nossas ideias e vamos à campanha. Nenhuma contradição, nenhuma briga. Cada município tem sua realidade.

O que pesou na aliança com o DEM em Itabuna, já que tanto o PT como a Frente Partidária também namoravam o PMDB?

Não tem acordo com o PT em cidades grandes, formadoras de opinião. Além disso, temos uma opinião muito clara sobre o estilo dos líderes do PT de Itabuna fazerem política. Nossa opinião é de absoluta rejeição. Não acreditamos que o PT possa trazer avanços políticos-administrativos para Itabuna.

Em eleição de dois turnos, você só não participa do primeiro se faltar absoluta condição política.

O principal entrave em Salvador seria o fato de o PMDB buscar alianças talvez projetando 2014?

Foi o desejo de, na capital do nosso estado, o PMDB buscar, de forma legítima, apresentar seu próprio projeto político-administrativo para a cidade. Em eleição de dois turnos, você só não participa do primeiro se faltar absoluta condição política.

O petista Jonas Paulo vê PT e PMDB fazendo alianças em, pelo menos, 35 municípios. Essa é a mesma visão do senhor?

Não sei em quantos, mas é verdade que em alguns pequenos municípios, a executiva estadual, depois de examinar as realidades locais, admitirá algumas coligações com o PT. Fui voto vencido nesse tema.

Como o senhor avalia o quadro político-eleitoral em 2012? Wagner e Dilma terão a mesma força eleitoral mostrada pelos dois governos em 2008?

O Wagner está muito desgastado. É greve para todo lado, uma imensa crise de autoridade. E as promessas não cumpridas? Cadê a barragem em Itabuna? E a duplicação da Ilhéus-Itabuna? Nada acontece no governo, só lero-lero. Esse é um governo manso. A Dilma, de olho em 2014, vai se meter pouco em 2012.

O partido do senhor trabalha com cenário adverso em 2012 quando comparado a 2008. Quantos prefeitos o partido espera eleger agora?

Certamente não repetiremos o desempenho de 2008. A realidade é outra. Não sei quantos prefeitos elegeremos. Ganharemos umas, perderemos outras… Mas vamos participar do maior número possível de disputas, renovando nossas lideranças, difundindo nossas ideias.

O governador, tentando desmistificar o conceito de que não tem autoridade, age autoritariamente. Wagner  zonzo.

A divisão nas oposições em Salvador não terá reflexo em 2014?

Unidade não é um fim em si mesmo. Precisamos construir um projeto comum da confiança de todos. 2012 é um ano, uma realidade. 2014 será outro momento, outra realidade.

Na opinião do senhor, por que o Estado vem enfrentando dificuldade na negociação com os professores?

Porque o governador, tentando desmistificar o conceito de que não tem autoridade, age autoritariamente. Wagner zonzo.

O PMDB assumiu o comando regional da Ceplac. Recentemente, o secretário estadual de Agricultura, Eduardo Salles, defendeu a transformação do órgão em Embrapa Cacau. Seria esta a saída?

A solução é investir na modernização da Ceplac, na motivação das pessoas, na tecnologia. O doutor Juvenal [Maynart] vem realizando um trabalho que nos orgulha. O ministro [da Agricultura, Mendes Ribeiro], o tem elogiado muito.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia