WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe





dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

editorias






:: ‘poesia’

ITABUNA: ROBERTO MENDES E PORTUGAL LEVAM MÚSICA E POESIA AO ESCOLA CULTURAL

Jorge Portugal e Roberto Mendes apresentam O Violão e a Palavra no Modelo, em Itabuna

Jorge Portugal e Roberto Mendes apresentam O Violão e a Palavra no Modelo, em Itabuna

O Colégio Modelo de Itabuna, primeira Escola Cultural do programa Educar para Transformar, do Governo da Bahia, recebeu a aula-show “O Violão e a Palavra”, com a participação do secretário estadual de Cultura e professor de Língua Portuguesa e Literatura, Jorge Portugal, e o cantor e compositor baiano Roberto Mendes. Estudantes e pessoas da comunidade vivenciaram o encontro entre a música e a palavra, em que o violão se uniu à poesia para mostrar a força da arte e da comunicação.

O projeto Escolas Culturais tem o objetivo de fomentar ações que promovam experiências em cultura dentro das unidades da rede pública de ensino e a integração com a comunidade onde a escola está inserida. Nesse sentido, se adequou perfeitamente a apresentação do ‘Violão e a Palavra’, que foi a quarta edição do projeto criado há um ano pela Fundação Pedro Calmon (FPC), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (Secult). :: LEIA MAIS »

JOSELITO REIS LANÇA “GRITO SEM ECO”

Joselito Reis lança livro de poesias

Joselito Reis lança livro de poesias

Com prefácio do professor Raimundo Galvão e apresentação do jornalista Nilson Andrade, ambos já não mais entre nós, o poeta e jornalista Joselito dos Reis lança o seu primeiro livro de pensamentos e poesias, Grito Sem Eco, nesta quinta (27), às 19h, no Centro de Cultura Adonias Filho, em Itabuna.

O livro conta com as participações dos jornalistas Rosi Barreto, Waldyr Montenegro, Odilon Pinto e Paulo Lima e da professora Zélia Possidônio, que também é poeta e atriz, aparecendo com uma reflexão e um grito existencial num mundo perdido pelo individualismo e pelo consumismo.

O poeta diz que o livro tem esse título – Grito Sem Eco, porque, no passado, cada pessoa no campo ouvia o eco do seu próprio grito transpirando nos vales e montanhas, “o que não acontece nos dias de hoje devido à poluição que impregnou nossas ruas ou até mesmo o nosso espaço sideral infestado de gadgets e equipamentos dos mais diversos”.

“Ao leitor, cabe adquirir o livro e descobrir muitos outros conceitos que transcendem aos limites de uma poesia lírica, romântica, social, sempre numa linguagem clara e direta, que perpassa de forma transversal o campo das metáforas, para, com certeza, sensibilizar mais ainda aqueles que buscam a essência das coisas e são sensíveis ao universo que nos cerca”, diz o jornalista e poeta.

APOIO

Com tiragem de mil exemplares, numa produção independente, o poeta que esperou 36 anos para lançá-lo, diz que a publicação do livro só foi possível devido à sensibilidade e à colaboração direta do empresário Delson Mesquita, da Editora e Gráfica Mesquita. Delson ofereceu o apoio decisivo e embarcou de cabeça no projeto editorial, cuidando dos detalhes e da arte final.

RUY PÓVOAS LANÇA “NOVOS DIZERES”

Ruy Póvoas lança terceira obra, Novos dizeres.

Ruy Póvoas lança terceira obra, Novos dizeres.

Novos dizeres é o terceiro e novo livro do escritor grapiúna Ruy Póvoas. A obra, em formato de verbete, traz olhar íntimo sobre temas variados. Os pensamentos, experiências e vivências do autor se costuram entre um texto e outro, manifestando o desejo de uma reflexão dos problemas do dia a dia.

Publicado pela Editora da Uesc (Editus), Novos dizeres reúne 105 poemas nos quais o autor constrói uma narrativa da vida que permite ao leitor uma interpretação própria do que lhe é apresentado.

A intenção, revela Póvoas, não é mudar o mundo por meio de sua poesia, mas incentivar as pessoas a entender o universo da forma que ele é. Nas últimas páginas da obra, o escritor e professor expõe o dicionário do dicionário, explicando o significado das palavras que podem fugir à compreensão do leitor.

O livro Novos Dizeres está disponível na Livraria da Editus, localizada no Centro de Artes e Cultura Paulo Souto, na UESC. O título está disponível também na Livraria Papirus, em Ilhéus e na Banca do Shopping Jequitibá, em Itabuna.

Na internet, o leitor pode encontrar essa e outras publicações nos sites www.livrariacultura.com.br e www.bookpartners.com.br. Pedidos podem ser feitos pelo email vendas.editus@uesc.br ou pelo telefone (73) 3680-5240. Acompanhe todas as novidades da Editus no site www.uesc.br/editora ou pelo Facebook @editoradauesc.

POETISA LANÇA “BASEADO NA HISTÓRIA DE NÓS DOIS”

Maria do Carmo Brito Lançamento Baseado na história de nós dois

Maria do Carmo lança obra no próximo dia 2.

A disputa pela terra entre agricultores e tupinambás em Buerarema, em 2013, não resultou apenas em convulsão social no pequeno município sul-baiano. A chegada de tropas da Força Nacional de Segurança inspirou a pedagoga e poetisa Maria do Carmo Brito a escrever Baseado na história de nós dois.

A obra será lançada em 2 de abril, no Clube Social de Buerarema, às 19h, e conta a relação de um soldado da tropa e uma professora de Buerarema. Carlos Souza chega ao município para participar das ações de paz no município, mas acaba se envolvendo com a bela Maria. “A obra é baseada em uma história real”, diz a poetisa.

A relação de encontros e desencontros do casal é contada em versos. Apesar de ser uma história real e uma das personagens ser chamada Maria – e a mesma ser professora -, a poetisa afirma que não se trata de obra autobiográfica. “Há essa busca na cidade. As pessoas querem saber de quem se trata”, afirma, de forma enigmática.

A opção de relatar a história em versos vem do amor de Maria do Carmo pela poesia e por Vinicius de Moraes. Nascida em Buerarema, viveu boa parte de sua história em Salvador, onde foi reconhecida pela sua veia poética e reverenciada por figuras como o ator Jackson Costa, que certa vez a chamou de menina de nome pequeno, mas gigante na poesia. No Colégio Manoel Devoto, já encantava declamando poesias próprias e de outros autores.

Baseado na história de nós dois será lançado em 2 de abril, mas já está disponível na internet. Os valores variam de R$ 14,90 (ebook, na Livraria Saraiva) a R$ 28,90 na versão impressa.

SERVIÇO
Lançamento do livro Baseado na história de nós dois (Editora Baraúna).
Quando: 2 de abril
Onde: Clube Social de Buerarema
Horário: 19 horas

A PALAVRA ATIRADA

Mariana FerreiraMariana Ferreira

Quem disparou o tiro?
O tiro que nos cala, o tiro que nos para.
Quem disparou a palavra?
A palavra que ecoa, a palavra que alastra.
Quem do chão tirou teus pés?
O policial corrompido ou a poetisa da audácia?

Quem te desonra?
O silêncio violento ou o orgulho vão?
Quem em ti manda?
A tua consciência ou a tua obrigação?
Quem a ti salva?
Tua indignação ou tua ilusão?

De onde vem o zumbido?
Do toque recolhido, do policial acuado.
Quem é essa vítima?
Esse é o João, ontem foi o soldado.
Quem fez isso?
Não sei, juro, não foi meu palavreado!

Nas ruas, o governo tem parte;
Nestas linhas, nem te metas! Destas cuido eu!
Nos liberte, não nos cale;
Nos dê voz nesse breu.

Tens razão, alguém tem que falar!
Não tens razão, não queres enxergar.
Tens razão, nem de longe és igual!
Não tens razão, não viu o erro mau…

Não tens culpa, és vítima também;
Essa não é a guerra que a palavra contém;
Alivia a dor que tua alma tem;
Não foi pra você, foi pra quem não nos quer bem.

Mariana Ferreira é poetisa, jornalista e autora do documentário A contrapartida.

LUEDY TORNA-SE FENÔMENO NA INTERNET COM POESIA DAS MÃES

Poesia teve mais de 2 milhões de visualizações.

Poesia teve de Luedy (foto abaixo) mais de 2 milhões de visualizações.

Luedy se diz surpreso com sucesso de poema.

Viviane Cabral

O poeta itajuipense Marcos Luedy alcançou a surpreendente marca de mais de 2,3 milhões de visualizações, no Facebook, com um poema em homenagem ao Dia das Mães. Além das pessoas alcançadas, a poesia está sendo compartilhada por mais de 43 mil pessoas e comentada por um número aproximado de 22 mil leitores.

Os números continuam subindo. O autor tem uma página literária na internet – Marcos Luedy Poeta e Convidados – há menos de um ano e, publica semanalmente seus poemas em mais de 350 comunidades de letras do Brasil e do exterior. Lançou, recentemente, o livro O Silêncio e as Palavras e outros poemas, em Itajuípe, Itabuna e Salvador (Bahia).

Marcos Luedy se diz surpreso com o fenômeno. “Esperava uma boa quantidade de acessos, mas nunca nessa dimensão”. A administradora da Comunidade Literária Célia’s Célia, Célia Lino, de São Paulo, afirmou que “a qualidade poética do artista já é reconhecida no Brasil inteiro, então não me admirei com esse sucesso”. Ela garante que o poema também repercutiu bem nas comunidades brasileiras nos Estados Unidos e em vários países da Europa.

Cleusa Maria Gonzalez, de Florianópolis, destaca a importância do trabalho poético do autor como uma das grandes revelações da poesia nacional: “Aqui em Floripa temos um grupo de admiradores de Luedy já trabalhando na divulgação do seu trabalho”. O autor já está com seu segundo livro sendo editado para lançamento em setembro.

LUEDY LANÇA NOVA OBRA POÉTICA

Luedy lança obra poética em sua cidade natal.

Luedy lança obra poética em sua cidade natal.

Mais de cem pessoas prestigiaram o lançamento do livro O silêncio e as palavras e outros poemas, do poeta e jornalista Marcos Luedy, em Itajuípe, em evento que também reuniu a mostra Mulher – Poema Divino, da artista plástica Meire Nogueira com o tema “Mulher. Lideranças políticas, religiosas, professores, estudantes e amantes da literatura e pintura ainda assistiram à apresentação de atores locais declamando trechos do livro do poeta itajuipense.

Marcos Luedy foi o vencedor do Concurso Regional de Contos promovido pela Ceplac/Uesc em 1976 e articulador do movimento poético BaldeAção, em Salvador, em 1979. Também organizou três livros socioambientais publicados pelo Centro de Recursos Ambientais – CRA do Governo do Estado da Bahia, entre os anos de 2003 a 2006. Fez Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela UESC e, atualmente, elabora projetos socioambientais e culturais para a iniciativa privada e pública.

MARCOS LUEDY LANÇA “O SILÊNCIO E AS PALAVRAS”

Luedy lança obra na quinta.

Luedy lança obra na quinta.

O poeta e jornalista Marcos Luedy lança O Silêncio e as Palavras e outros poemas, na próxima sexta-feira (19), às 19 horas, no Salão Paroquial da Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus, em Itajuípe. O lançamento terá declamações de poemas do livro feitas por atores regionais e mostra de pinturas da artista plástica Meire Nogueira.

Vencedor de concurso regional de contos promovido pela Ceplac e Uesc e articulador do movimento poético BaldeAção, em Salvador, em 1979,  Luedy, atualmente, elabora projetos socioambientais e culturais para a iniciativa privada e pública.

Maria de Lourdes Netto Simões (Tica Simões) escreve no prefácio da obra que O Silêncio e as Palavras e outros poemas “se realiza em tempos diversos de enunciação, onde a voz de Marcos Luedy se expressa de forma pluri, por caminhos labirínticos”. “Mas o certo é que todos os ‘tons’ de sua voz poética traduzem a força do seu ser inquieto, do seu estar na vida, do seu sensível olhar sobre o mundo”.

Gustavo Felicíssimo, da Editora Mondrongo, enxerga na obra “uma poesia culta, que celebra a vida e o estar do homem no mundo, uma poesia muitas vezes reflexiva, outras vezes cáustica na medida em que desvela o ser humano ensimesmado, egocêntrico, perdido dentro do seu tempo e na busca insólita pela reificação, pelo humanismo olvidado”.

POETISA GRAPIÚNA LANÇA LIVRO EM PARIS

Ceres declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

Ceres declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

CeresRece

A poetisa Ceres Marylise Rebouças de Souza está em Paris, onde será empossada, no domingo (23), na Divine Académie Française des Arts, Lettres e Culture, durante jantar a rigor no Hotel Jorge V. Antes, pela manhã, na Feira do livro de Paris (Salon du livre de Paris), ela fará o lançamento da seleção de poemas Atalhos e descaminhos, obra publicada pela Editora Mondrongo.

Ceres Marylise nasceu em Ubaitaba (BA), mudando-se para Itabuna, a partir de onde desenvolveu intensa carreira o magistério. Pós-graduada em Alfabetização e Linguística Aplicada ao Discurso, foi por longo tempo professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), tendo exercido ali diversos cargos administrativos, sempre eleita pela comunidade acadêmica.

Ela às vezes parece dividida entre as letras e a sala de aula, tal o zelo que mostra pelas duas práticas. “Sempre exerci a poesia sem jamais me afastar da docência, que entendo como uma atividade fundamental, a maior forma de aprendizagem, em termos de troca de experiência humano e também uma tentativa de melhorar o mundo”, afirma.

Atalhos e descaminhos é a primeira publicação solo da poetisa, que tem participado de várias antologias. Uma mostra da produção literária de Ceres está nas antologias Poesia do Brasil (coordenação de Ademir Antônio Bacca), Escritores Brasileiros (organização de Ricardo de Benedictis) e Escola de Escritores e Poetas, com coordenação e prefácio de Arthur da Távola, dentre outras.

POETISA GRAPIÚNA TEM RECONHECIMENTO DA “DIVINE ACADÉMIE”, EM PARIS, FRANÇA

Ceres Marylise declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

Ceres declamando na Casa das Artes, em Bento Gonçalves (RS).

Divine Académie Française des Arts, Lettres et Culture, de Paris, na França, acaba de escolher a poetisa grapiúna Ceres Marylise, como integrante da instituição, em reconhecimento à qualidade da obra poética da autora.

Fundada em outubro de 1995, a Divine Académie, presidida atualmente por Diva Pavesi, costuma selecionar para seus quadros “pessoas que se destacam pelos serviços prestados às artes e à cultura”.

A produção de Ceres (que, na opinião do crítico Hélio Pólvora, “devolve a poesia ao seu estado natural, emotivo, encantatório”) foi publicada apenas em antologias e pela internet (o primeiro livro está em fase de negociações com a Editora Mondrongo), mesmo assim tem encontrado ampla repercussão, no Brasil e no exterior.

Além da Divine Académie, mais provas do bom momento vivido pela escritora: em março, ela toma posse na Academia de Letras e Centro Cultural Castro Alves e Casa do Poeta Latino-Americano, em Porto Alegre/RS; em abril, também em Porto Alegre, será homenageada na festa Mulheres Notáveis, com o Troféu Cecília Meireles, Categoria Especial; em agosto, recebe na Academia de Letras de Itabira o Troféu Carlos Drummond de Andrade; em novembro do ano passado, teve aprovada na Câmara de Vereadores de Itabuna uma moção de aplauso, proposta pelo vereador César Brandão.

Ceres Marylise Rebouças de Souza (professora universitária aposentada, nascida em Ubaitaba) terá, ainda este ano, o lançamento de uma seleção bilíngue (português-francês) de sua poesia, por sugestão da Aliança Francesa.

POETISA RECEBE TROFÉU CECÍLIA MEIRELES

Ceres com Affonso Romano Sant´Anna.

Ceres com Affonso Romano Sant´Anna.

A poetisa Ceres Marylise Rebouças de Souza foi escolhida como uma das homenageadas na Festa Mulheres Notáveis, em Porto Alegre, quando receberá o Troféu Cecília Meireles, Categoria Especial, “dedicado às mulheres que se destacaram no cenário mineiro e brasileiro, por sua inteligência, coragem e, sobretudo, pela capacidade de modificar o universo social, político e cultural de nosso país”.

A solenidade de entrega da honraria será no dia 19 de abril de 2014, a décima vez consecutiva em que se realiza a promoção. A escritora, vice-presidenta da Academia de Letras de Itabuna, nasceu em Ubaitaba, é professora especializada em alfabetização, doutora em Linguística pela Universidade de Quebec/Canadá e tem vasta experiência na cátedra universitária, tendo ocupado também importantes cargos na Universidade Estadual da Bahia (UNEB).

Sua poesia se fez ouvir em estados do sul e sudeste, nos meses de outubro e novembro, quando participou de eventos literários no Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No Rio, foi convidada a declamar poemas de sua autoria no Teatro Gláucio Gil, durante o sarau “Poesia Simplesmente”, que é ali apresentado todas as terças-feiras; em Bento Gonçalves-RS, participou do XXI Congresso Brasileiro de Poesia e do XXI Congresso Internacional Latino-Americano de Casas de Poetas, e recebeu convite do Instituto Cultural Português (ICP) no Brasil para participar de uma antologia a ser divulgada nos países de língua portuguesa.

“Tudo isso eu credito à atenção dos grupos de poesia de que participo e que fizeram meu trabalho chegar a escritores da estatura de Marina Colasanti e Affonso Romano de Sant´Anna, que me levaram a participar dos congressos em Bento Gonçalves. A eles devo tudo de bom que está acontecendo comigo neste momento”, disse a poetisa.

UNIVERSO PARALELO

1.400 ALEXANDRINOS PARA JORGE AMADO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1Piligra

Em meio às muitas e justas comemorações do centenário de Jorge Amado uma obra de alto fôlego literário passou quase despercebida. Digo e provo que o itabunense  Piligra, poeta que joga no time principal, sem firulas, confetes ou lantejoulas, produziu, com o seu A odisseia de Jorge Amado (Editus/UESC), obra duradoura. O livro, com belas ilustrações de Jane Hilda Badaró e George Pellegrini, reúne 100 sonetos (1.400 versos alexandrinos!), com um saboroso gosto de poesia popular – aquela a que chamam literatura de cordel (algum dia, armado de mais paciência, explico por que não gosto da denominação “cordel”).  Piligra é do ramo: já sustentou uma curiosa “peleja virtual” com Gustavo Felicíssimo, publicada em livro.

________________

Herança de Castilho e Machado de Assis

Há mais de um tipo de alexandrino, verso muito trabalhoso e que teve entre seus cultores pioneiros Antônio Feliciano de Castilho (em Portugal) e Machado de Assis (no Brasil). Na escola, aprendemos que o nome “Olavo Braz Martins dos Guimarães Bilac” é um alexandrino “perfeito”, com acento na 4ª, 6ª e 12ª sílaba. Piligra, cujo nome (Lourival Pereira Júnior) forma uma redondilha maior, escolheu o modelo dito moderno de alexandrino (acento na 4ª, 8ª e 12ª sílaba poética), como neste feliz exemplo (soneto 57), narrando as andanças de Jorge Amado: “Paris tem cheiro de mulher bela e dengosa”, ou no fecho do soneto 83, sobre Teresa Batista: “Morre cansada a prostituta da beleza”.

 ________________

3BataclanNu, Tonico corre pelo sertão afora…

Ao acaso, escolhi num dos sonetos, para mostrar a quanto chega o estro do autor de A odisseia de Jorge Amado:

 

 “O coronel Ramiro Bastos não morreu,

É lenda viva na cabeça da Nação;

Malvina chora pelo amor que não foi seu,

Corre Tonico ainda nu pelo sertão…

 

Glória se entrega a Josué no seu colchão,

Rômulo foge como um louco fariseu,

Mundinho ganha o seu poder numa eleição,

Só Gabriela o seu Nacib não perdeu…

 

Ilhéus agora recupera o Bataclan,

As fantasias, seus alegres cabarés;

Ilhéus não sabe que a pobreza é uma vilã,

 

Mão que suspira ao receber falsos anéis…

Dona Maria Machadão, toda manhã,

Arruma a mesa para os novos coronéis!”

CONSIDEROU “ATO DE JUSTIÇA” O ANÚNCIO

Foi chamado pelo INSS a comprovar a existência, pois o governo, com frequência, é levado a pagar benefícios previdenciários a indivíduos mortos, ausentes, inexistentes ou desaparecidos. Achou muito oportuna a declaração de vida, não porque estivesse preocupado com o governo, mas porque se preocupava consigo. Totalmente incapaz de fazer marketing pessoal, tão em moda, viu nessa exigência uma oportunidade de promover-se, ao menos junto ao banco que lhe repassa os magérrimos proventos mensais de aposentado por tempo de serviço. “Eu estou aqui, ainda não morri, por incrível que pareça!” – imaginou-se a dizer, classificando o anúncio como ato de justiça.

________________

A propaganda ainda é a alma do negócio

Afinal, se as cervejas, os carros, os smartphones, os cartões de crédito, as novelas de tevê e os refrigerantes se anunciam – a rigor, são anunciados, mas o efeito é o mesmo – (“Estamos vivos e disponíveis!”, diriam, se tivessem o dom da fala), por que ele, após 35 longos anos como balconista de loja, não se anunciaria? Decidiu: não só atenderia a essa curiosidade do governo como iria, dali pra frente, fazendo disso hábito, anunciar-se o mais possível: perfil no Facebook, espalhar fotos, dar detalhes de sua vida. Por exemplo, ao espirrar, postar “Espirrei!”. Deu certo. Já foi até chamado para quebrar coisas no Black Bloc (BB), fora os convites impublicáveis. A propaganda ainda é do negócio a alma. No caso, do BB, a arma.

 

A CABEÇA DO “REI” SÓ DÓI QUANDO ELE PENSA

6Roberto CarlosRoberto Carlos, com seu risinho bobo, e Caetano Veloso, mui chegado aos holofotes, eu até compreendo. Mas Chico Buarque e Gilberto Gil embarcando na canoa furada da censura às biografias é de estarrecer. À parte a defesa, às vezes equivocada, da liberdade de expressão, figuras públicas não têm direito ao nível de “privacidade” reivindicado. Aliás, Roberto Carlos em detalhes, o livro cuja circulação foi proibida, é trabalho de fã, nada tem de ofensivo, muito pelo contrário. Sei disso porque me disseram (não li, pois tenho coisa melhor em que empregar meu tempo). Roberto Carlos guarda semelhança com Pelé (talvez não por acaso, também “Rei”): quando pensa, tem ataques de cefaleia e urticária.
________________

Briga de feira, foice e feras feridas

Aliás, esse movimento contra os biógrafos já não vale choro, vela ou o discurso de Roberto Carlos, de famosa alienação: tentou explicar o inexplicável, meteu seu advogado pelo meio, este brigou com Paula Lavigne, Caetano deu declarações contra Roberto, Roberto respondeu emburrado, afastando-se do embrulho, Paula calou-se, enfim, o grupo “Procure Saber” é agora um barraco, uma briga de feira e de feras feridas. Ou de foice. E, parece, foi-se (ai!) a amizade do baiano e do capixaba, de longos anos e muitas trocas de canções – mesmo com juras de amor eterno enquanto dure: “Continuarei amando quem fez Esse cara sou eu”, disse Caetano. Epitáfio bobo e de gosto  duvidoso.

CANTORA DEU VOZ, VEZ E FAMA AOS NOVOS

8Laila GarinNunca houve cantora tão corajosa quanto Elis Regina. Criou, inovou, não se cingiu aos temas consagrados, apostou em compositores sem nome na praça e deu-lhes fama. Sou levado a pensar que Gonzaguinha, Belchior, Milton Nascimento, João Bosco-Aldir Blanc e outros não teriam chegado aonde chegaram (o estrelato) se ela não lhes tivesse dado voz e vez. Elis morreu em 1982, lá se vão 31 anos, mas vive nas canções que imortalizou – e, recentemente, num musical dirigido por Denis Carvalho, interpretada pela atriz Laila Garin (foto). Aqui, ela canta um de seus “protegidos”, Belchior. E me permitam dizer que “na parede da memória esta é a lembrança que dói mais”.

UNIVERSO PARALELO

QUANDO JOVEM, PREFERIA GIBI A LIVRO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1Pavão misterioso

Para efeito de trabalho (ninguém o chama pra tomar sorvete de coco!), pedem-lhe um currículo com ênfase em atividades literárias. Tem desamor à palavra “ênfase”, mas (noblesse oblige) responde que publicou pouco – graças ao bom Deus, leu mais do que escreveu – e, na adolescência (Escândalo! Escândalo!), preferia gibi a livro. Passou por Luís de Camões, mas não descurou do Pavão Misterioso, Cancão de fogo, A chegada de Lampião no inferno e o amor complicado de Coco Verde e Melancia. E mais: que é filho da poesia popular, os folhetos vendidos na feira, cantados por violeiros, aquilo que os novidadeiros chamam “literatura de cordel”.

________________

Cacau na barcaça e boiada no pasto

A rap de pé quebrado prefere repente bem rimado. Mas cedo descobriu que ouvir versos faz poetas, tanto quanto batina fabrica vigários: aventurou-se num soneto dedicado à vizinha, muito lutou com papel, lápis e borracha, suou em bicas, pensou, penou, sofreu, correu contra o tempo e chegou atrasado: nem pingara o ponto final no primeiro quarteto e a pretendida já estava de vestido branco alugado e casório apalavrado com sujeito promissor: imune a livros e outras moléstias, com pés literalmente na terra (herdeiro de cacau secando na barcaça e boiada berrando no pasto), era o marido que ela, de mãos postas, rogara a Santo Antônio, o casamenteiro.

 ______________

3MachadoViu a vingança sintetizada numa frase

Saiu-se da aventura, tirante o sofrimento de meses, sem maior prejuízo, portando dois efeitos, um bom, outro nem tanto. Agastado, atirou ao lixo aquele começo de mau soneto; depois, ressentido, meteu-me a ler Queda que as mulheres têm para tolos, que pensava ser de Machado de Assis, mas hoje duvida. A primeira atitude livrou o mundo de mais um poetastro; com a segunda, entrou em risco de ser transformado em detestável erudito. Na época, viu sua vingança sintetizada numa frase: “O homem de espírito é o menos hábil para escrever a uma mulher”. Salvou-se da condenação dos amores desencontrados. De versejar ainda sofre recaídas.

ENTRE PARÊNTESIS, OU…

A maldade como “privilégio” de poucos

Conta-se que o cineasta Carlos Manga, então responsável pelo controle de qualidade da dramaturgia da Globo, ao ser convidado para dirigir o núcleo de novelas da Vênus Platinada, recusou a promoção, com uma frase bem construída: “Não tenho maldade suficiente para tanto”. Talvez os termos não sejam, rigorosamente, estes – a memória deste colunista já se mostra mais inclinada à essência do que à precisão. Mas é o que me vem à mente quando observo o estágio deplorável em que se encontram minhas cidades de Ilhéus e Itabuna: parece até que ser prefeito exige um grau de maldade que é “privilégio” de poucos.

REALIDADE E FICÇÃO EM SANDRO MOREYRA

5Cartão vermelhoNos relatos do jornalista Sandro Moreyra, sobre futebol, realidade e ficção se fundem. Diz ele: “Um dos mais curiosos exemplos de que, no futebol, o crime também não compensa, aconteceu com o zagueiro Fontana, que foi do Cruzeiro, Vasco e Seleção Brasileira. Num jogo contra o Fluminense, levou um drible de Samarone e foi ao chão. Irritado, partiu no encalço do adversário, desfechando pontapés. Errou todos. Porém não se livrou de um cartão vermelho e uma distensão muscular, fruto dos seus chutes fora do alvo. Saiu de maca, expulso, sob risos até dos companheiros”.
________________

“Raparigas que andam de tetas do léu”

Aqui, ele é personagem: “Numa radiosa manhã de sol, chego ao Hotel do Guincho, em Cascais, onde se hospedava a delegação brasileira, para conversar com os dirigentes e os jogadores, e não vejo ninguém com aquele inconfundível agasalho verde-amarelo. Pergunto então ao seu Carvalhosa, o velho porteiro, se a Seleção, por acaso, saiu para algum treino, e ele, muito atencioso, prontamente responde: ´Não, senhor, ninguém saiu. Estão todos acolá, ao redor da piscina, a mirar as raparigas que andam de tetas do léu´. Era o topless português” (Histórias de futebol – Coleção O Dia Livros/1998).

UM RARO REPRESENTANTE DO “DÓ DE PEITO”

7Dó de peitoNos relatos do jornalista Sandro Moreyra, sobre futebol, realidade e ficção se fundem. Diz ele: “Um dos mais curiosos exemplos de que, no futebol, o crime também não compensa, aconteceu com o zagueiro Fontana, que foi do Cruzeiro, Vasco e Seleção Brasileira. Num jogo contra o Fluminense, levou um drible de Samarone e foi ao chão. Irritado, partiu no encalço do adversário, desfechando pontapés. Errou todos. Porém não se livrou de um cartão vermelho e uma distensão muscular, fruto dos seus chutes fora do alvo. Saiu de maca, expulso, sob risos até dos companheiros”.
________________

O auxílio luxuoso de… Ângela Maria!

Quando menino, Agnaldo costumava imitar os cantores da época, sobretudo Cauby Peixoto, sua referência. Pobre, aos nove anos já carregava malas na Rodoviária de Caratinga, engraxava sapatos, vendia frutas… e cantava! Vencia os concursos de canto promovidos pelos circos que chegavam à cidade. Mais tarde, já mecânico, mudou-se para Governador Valadares, continuando sua peregrinação pelos programas da rádio, em busca de sua oportunidade. Que veio quando, nos anos 60, como motorista do marido de Ângela Maria, então Rainha do Rádio, esta o apoiou na pretensão de tornar-se artista. Aqui, uma das muitas versões que Agnaldo gravou: Os verdes campos da minha terra (Greengreen grass of home).

 

CENTENÁRIO DO POETINHA

Hoje é um dia especial para a poesia e a música popular brasileira, por ser a data do centenário do nascimento de Vinícius de Moraes. Autor de clássicos da MPB, como Garota de Ipanema e Chega de Saudade, Vinícius nasceu a 19 de outubro de 1913 e morreu no dia 9 de julho de 1980.

Abaixo, Vinícius com o grande parceiro Toquinho:

DANIELA GALDINO PARTICIPA DA FEIRA DO LIVRO DE FRANKFURT

Daniela_GaldinoA poetisa grapiúna Daniela Galdino viaja esta semana para a Alemanha, onde ministrará palestras e fará leituras dramáticas de seu livro de poemas “Inúmera”, lançado em 2011 pela Mondrongo, editora do Teatro Popular de Ilhéus. Os eventos ocorrerão na Universidade de Bremen.

Daniela estará no país europeu no período de 13  29 de outubro, estando prevista também sua participação na Feira do Livro de Frankfurt, maior evento literário e editorial do mundo.

Além do sucesso com a obra publicada pela Mondrongo – que já está prestes a ter lançada sua segunda edição -, a poetisa figura na antologia Literatura Baiana, que divulgará os trabalhos de 18 autores baianos. A coletânea foi organizada pela Secretaria da Cultura da Bahia.

A POESIA DE VINÍCIUS NA AVENIDA

"A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida" (foto Pimenta)

“A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida” (foto Pimenta)

A homenagem a um dos ícones da cultura brasileira deu o tom do desfile cívico em Itabuna e abriu alas à criatividade dos participantes. Na avenida, poemas de Vinícius de Moraes eram declamados por estudantes e as letras de canções inesquecíveis apareciam em imagens, como a casa muito engraçada, o girassol que vira um gentil carrossel, a Arca de Noé, a Praia de Itapuã e a garota de Ipanema.

Clique no link abaixo para ver mais fotos do desfile:

:: LEIA MAIS »






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia