WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe
prefeitura de ilheus





setembro 2018
D S T Q Q S S
« ago    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Porto de Ilhéus’

PORTO DE ILHÉUS BATE RECORDE EM EXPORTAÇÃO DE ÓXIDO DE MAGNÉSIO

Exportação de óxido de magnésio pelo terminal ilheense bate recorde || Divulgação

Exportação de óxido de magnésio pelo terminal ilheense bate recorde || Divulgação

O Porto de Ilhéus fará a terceira exportação de carga de óxido de magnésio neste ano, numa operação controlada pela Intermarítima. Serão 8 mil toneladas do produto exportadas para os Estados Unidos. Segundo a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), 23 mil toneladas de óxido de magnésio já foram exportadas pelo terminal ilheense em 2017.

O último embarque ocorreu na terça (29). O volume deste tipo de carga movimentado em 2017 supera em muito o de 2016, quando foram embarcadas apenas 7 mil toneladas. “A operação do óxido excede a média anual, que é de um a dois embarques. Temos muito a comemorar, sobretudo porque já está confirmada para mais uma operação do produto. Nossa previsão é chegar a 30 mil toneladas em 2017”, comenta a gerente do Porto de Ilhéus, Bárbara Láudano.

O óxido tem origem na fábrica da IBAR Nordeste, em Brumado, empresa responsável pela extração, beneficiamento e calcinação controlada da magnesita, que dá origem ao composto. A participação do óxido na cadeia produtora inclui as atividades de Indústrias Química e Siderúrgica, além de agricultura, nutrição animal, construção civil, dentre outras.

ILHÉUS: INDÚSTRIAS IMPORTAM 53 MIL TONELADAS DE CACAU

Indústrias importam cacau quase mensalmente desde dezembro.

Indústrias importam cacau quase mensalmente desde dezembro.

Unidades da Cargill, Olam e a Barry Callebaut em Ilhéus importaram total de 53 mil toneladas de cacau em três operações no Porto Internacional do Malhado somente neste ano. Desde segunda (17), estão sendo descarregadas 23 mil toneladas oriundas de Gana, na África, transportadas pelo navio Trammo Independent.

As indústrias moageiras importaram 15 mil toneladas em janeiro e outras 15 mil em março, causando preocupação no mercado interno devido às ameaças de pragas oriundas da África. Outras 18 mil toneladas foram importadas em dezembro passado.

As indústrias alegam que a importação se tornou inevitável diante da seca registrada no final de 2015 e durante quase todo o ano de 2016, com sérios reflexos na safra 2016/2017 na Bahia.

DRAGAGEM DO PORTO DE ILHÉUS SÓ EM 2018

Porto de Ilhéus deverá passar por obras de dragagem em 2018 (Foto Codeba).

Porto de Ilhéus deverá passar por obras de dragagem em 2018 (Foto Codeba).

O governo federal iniciou procedimentos para obras de dragagem no Porto Internacional do Malhado. A dragagem deve começar no segundo semestre do próximo ano, caso os estudos e projetos de engenharia sejam iniciados imediatamente.

A dragagem deverá aumentar para 12 metros o calado (profundidade) da área de atracação do terminal ilheense. Hoje, a profundidade está em torno de 9 metros, o que dificulta a aproximação de grandes embarcações, conforme a própria Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), administradora do porto.

Ainda segundo a Codeba, o terminal passou apenas por dragagens de manutenção nos últimos 20 anos. A dragagem e a revitalização da estrutura do porto estão entre as prioridades da companhia.

O terminal foi inserido no Plano Nacional de Dragagem (PND2), segundo o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH), Domenico Accetta. O INPH é órgão de pesquisa da Secretaria de Políticas Portuárias do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Accetta visitou o terminal ilheense na semana passada, junto com o presidente da Codeba, Pedro Dantas. “A partir deste ano se iniciam os estudos, obtenção das licenças junto aos órgãos, até a formação do processo licitatório”, disse o diretor do INPH.

CONCURSO DA CODEBA OFERECE 18 VAGAS E ATÉ R$ 4,8 MIL DE SALÁRIO

Codeba administra portos públicos da Bahia, a exemplo do terminal ilheense (Divulgação).

Codeba administra portos públicos da Bahia, a exemplo do terminal ilheense (Divulgação).

A Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) abre no dia 7 de dezembro inscrições para concurso público com 18 vagas e formação de cadastro de reserva para cargos de níveis médio e superior. Os salários variam de R$ 2.494,51 a R$ 4.845,94.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/codeba até 7 de janeiro. A taxa varia de R$ 50,00 (nível médio) a R$ 70,00 (nível superior). Haverá isenção da taxa de inscrição para os candidatos que se declararem de baixa renda.

As vagas são para cargos de técnico portuário, analista portuário e engenheiro de segurança do Trabalho. Do total de vagas disponíveis, 5% serão reservadas para candidatos com deficiências e 20% para candidatos negros.

PROVAS
A seleção dos candidatos ocorre por meio de prova escrita objetiva e prova escrita discursiva, ambas de caráter eliminatório e classificatório. As provas para todos os cargos serão realizadas em Salvador.

Para a carreira de analista portuário e o emprego específico engenheiro de segurança do trabalho, as provas escritas objetiva e discursiva serão realizadas no dia 28 de fevereiro de 2016, das 8h às 12h30min, segundo o horário oficial do estado da Bahia.

Para a carreira de técnico portuário, a prova escrita objetiva será realizada também no dia 28 de fevereiro de 2016, das 15h às 19h, segundo o horário oficial do estado da Bahia.

Conforme o edital, a contratação será realizada no primeiro nível salarial da carreira para a qual o candidato foi aprovado mediante concurso público, podendo a lotação ser para qualquer uma da unidades da Codeba. Informações do G1.

NOVO LOTE DE TRILHOS DA FIOL CHEGA A ILHÉUS

Segundo lote de trilhos da Fiol  (Amanda Oliveira/GovBA).

Segundo lote de trilhos da Fiol (Amanda Oliveira/GovBA).

O primeiro dos navios que trazem novo lote de trilhos da Ferrovia Oeste-Leste chegou hoje (24) ao Porto de Internacional do Malhado, em Ilhéus. Serão 4.789 toneladas importados via Porto de Gijón, na Espanha.

De acordo com a gerência do Porto de Ilhéus, a operação vai durar 48 horas e a carga ficará armazenada no pátio da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) até ser nacionalizada. Depois, será transportada para o trecho da Fiol entre Jequié e Brumado.

Até abril do próximo ano, serão 53 mil toneladas de trilhos importados da Espanha. Outras 93 mil toneladas serão importadas da China, segundo o gerente do Porto de Ilhéus, Renilton Rehem.

CODEBA: DRAGAGEM DO PORTO DE ILHÉUS COMEÇA EM JANEIRO

Porto de Ilhéus terá obra de dragagem em janeiro, segundo Codeba (Foto Carlos Castilho).

Porto de Ilhéus terá obra de dragagem em janeiro, segundo Codeba (Foto Carlos Castilho).

As obras de dragagem do Porto de Ilhéus devem começar no próximo mês, segundo assegurou o diretor comercial da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), Antonio Carlos Tramm, ao secretário Estadual de Turismo, Domingos Leonelli. A dragagem vai aumentar o calado (profundidade) e voltar a permitir a atracação de navios de cruzeiro no terminal portuário ilheense em qualquer período.

A novidade foi comunicada nesta segunda (16) por Leonelli ao presidente da Associação do Turismo de Ilhéus (Atil), Marco Lessa, com quem se reuniu para tratar do tema. O secretário Estadual de Turismo falou da importância dos navios de cruzeiro para o turismo na Costa do Cacau e disse que o governo baiano está atento e trabalhando para garantir a atracação dos navios programados para este verão, além de novos para as próximas temporadas.

A dragagem está orçada em R$ 4,9 milhões e pode ser concluída em menos de 30 dias. Com pouco mais de 9 metros, o calado poderá chegar a 10,2 metros, após a dragagem.

CODEBA PREJUDICA PORTO DE ILHÉUS E BENEFICIA TERMINAL PRIVADO

Porto de Ilhéus é prejudicado pela Codeba, na avaliação de blog (Foto Jonildo Glória).

Porto de Ilhéus é prejudicado pela Codeba, na avaliação de blog (Foto Jonildo Glória).

O Blog do Thame faz uma séria denúncia, hoje, em relação à Companhia das Docas da Bahia (Codeba), acusada de provocar sérios prejuízos ao Porto do Malhado, em Ilhéus, em benefício de um porto privado, o Terminal Privativo de Cotegipe, na Baía de Aratu. O foco é a soja produzida no Oeste baiano, antes exportada por Ilhéus.

O blog cita que um milhão de toneladas de soja foram exportadas pelo Porto do Malhado em 2005, volume que caiu para 250 mil toneladas em 2012. Na outra ponta, o Terminal de Cotegipe exportou, ano passado, 3 milhões de toneladas.

A quantidade exportada por Ilhéus é quase que migalha na comparação com o volume no porto privado e somente ocorreu, enfatiza o blog do jornalista Daniel Thame, devido à separação entre a soja tradicional e a soja transgênica, exigência dos mercados dos EUA, Europa e Ásia, e ao surgimento da exportação de milho.

PRODUTORES QUEIMAM CACAU EM MANIFESTAÇÃO NO PORTO DE ILHÉUS

Produtores queimam sacos de cacau em protesto contra importação.

Produtores queimam sacos de cacau em protesto contra importação (Foto Marcos Souza/Pimenta).

O protesto contra a importação de cacau teve queima simbólica de amêndoas do produto que antes era “fruto de ouro” e tem arroba hoje cotada a meros R$ 58,00. A baixa cotação ocorre num momento de retomada da lavoura cacaueira baiana e perspectiva de produção para atender a demanda da indústria nacional.

Com a importação de amêndoas, o mercado interno sofre consequente desvalorização com o aumento de estoque. Não à toa, produtores e trabalhadores, estes ligados ao MST, conseguiram atrair a atenção de prefeitos, vereadores e deputados baianos, a exemplo de Augusto Castro (PSDB), Leur Lomanto (PMDB) e Sandro Régis (PR).

Os riscos da importação de cacau também foram lembrados no pronunciamento de autoridades e em cartazes afixados na área da manifestação. As últimas importações trouxeram carga infectadas por insetos alados, mas acabaram liberadas pelo Ministério da Agricultura.

Lenildo defende adoção do preço mínimo para o cacau (Foto Marcos Souza/Pimenta).

Lenildo defende adoção do preço mínimo para o cacau (Foto Marcos Souza/Pimenta).

Líderes regionais como o prefeito de Ibicaraí e presidente da Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste da Bahia, Lenildo Santana, defenderam a adoção da política do preço mínimo também para o cacau.

Para Lenildo, a arroba de cacau a R$ 58,00 é um golpe contra a região que passou a ter ótimas perspectivas de desenvolvimento. “A concorrência tem sido desleal no momento em que a indústria prefere importar a comprar o cacau produzido no Brasil, levando a uma das mais baixas cotações do produto na história”, disse ele.

SUSPEITA DE MORTE EM NAVIO COM CARGA DE CACAU

Notícia publicada hoje pelo Jornal Bahia Online revela que há, pelo menos, um morto no navio oriundo de Gana com carga de cinco mil toneladas de cacau no Porto Internacional do Malhado, em Ilhéus.

A vítima teria viajado clandestinamente na embarcação com cacau africano. A Polícia Federal foi acionada para verificar a denúncia. O corpo foi localizado, segundo denúncias, no porão do navio.

Leia a íntegra clicando aqui

INDUSTRIAIS DEFENDEM MAIOR OFERTA DE CACAU DO BRASIL

Indústrias cobram maior produção de cacau no Brasil para atender demanda.

A Associação das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), que representa quatro multinacionais (ADM, Cargill, Delfi e Barry Callebaut) e a nacional Indeca, volta a defender maior oferta de cacau do Brasil. Segundo os industriais, a produção brasileira de cacau desde a crise da “vassoura-de-bruxa” é incapaz de atender à demanda das indústrias instaladas no país.

A queda na oferta também tornou-se desestímulo a novos investimentos e abriu espaço para um forte aumento das importações de produtos processados e chocolate de outros mercados. Pelos cálculos da AIPC, já seria necessário elevar em 15% a capacidade de processamento instalada no Brasil para compensar o atual volume importação de derivados e produtos finais, o que exigiria aportes de US$ 80 milhões a US$ 100 milhões.

A queixa das empresas associadas à AIPC, que respondem por mais de 90% da capacidade instalada no país, se acentua no momento que a fiscalização agropecuária do Ministério da Agricultura barra a entrada de cerca de 10 mil toneladas de cacau em amêndoas com larvas e pupas de insetos. O cacau embargado no Porto de Ilhéus é proveniente do continente africano (Costa do Marfim, maior produtor mundial). O tema é destaque na edição desta quinta-feira, 2, do jornal Valor Econômico.

CARGA DE CACAU MISTURADO A INSETOS VIVOS É BARRADA EM ILHÉUS

Do Blog do Thame

Cerca de 4 mil toneladas de cacau, importadas pela Nestlé para a sua unidade de processamento em Itabuna, estão retidas no Porto de Ilhéus. Fiscais do Ministério da Agricultura detectaram a presença de insetos vivos nas sacas de cacau. Caso a análise demonstre que eles representam risco, a carga será devolvida.

Produtores de cacau temem que a entrada de pragas exóticas, sem predadores  naturais no Brasil, possam comprometer a produção de cacau no Sul da Bahia, que passa por um lento processo de recuperação.  Eles cobram mais rigor na fiscalização, que deve ser feita no país de origem, não de destino.

Somente em 2012 já foram importadas 40 mil toneladas de cacau através do Porto de Ilhéus.

BUROCRACIA ATRASA DRAGAGEM DO PORTO DE ILHÉUS

A burocracia excessiva e desnecessária da superintendência estadual do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) é apontada como causa do atraso nas obras de dragagem do Porto Internacional do Malhado, em Ilhéus.

Um prosaico despacho do superintendente Carlos Amorim retarda ainda mais o processo de retomada das atividades do terminal portuário público do Sul da Bahia diretamente afetada pela queda na exportação de cacau após a vassoura-de-bruxa.

O assunto foi trazido por Daniel Thame em seu blog. Em tom de galhofa, o jornalista pergunta se a mítica Atlântida ou os restos do naufrágio do Titanic estariam na circunvizinhança de Ilhéus, já que somente tais circunstâncias arqueológicas poderiam até justificar o despacho do Iphan.

A nefasta decisão do superintendente põe a pique todos os esforços dos que desejam a profundidade de 10,30 metros com a retirada de sedimentos em vez dos atuais 9,30 metros que comprometem as operações dos navios.

VÍDEO MOSTRA AFRICANO SENDO TORTURADO EM NAVIO NO PORTO DE ILHÉUS

Navio está atracado no Porto de Ilhéus desde o dia 20 (Luiz Fernandes/Pimenta).

Um funcionário do Porto Internacional do Malhado, em Ilhéus, filmou parte da tripulação do navio cargueiro Celine C, do Reino Unido, praticando o que aparenta ser tortura contra um dos três cidadãos de Gana que viajaram clandestinamente até o Brasil. O navio partiu da Costa do Marfim com carga de cacau.

A tortura ocorre enquanto os ganeses aguardam procedimentos para serem deportados. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal. A carta de cacau é destinada aos parques de moagem da Cargill, ADM e Barry Callebaut, em Ilhéus, e Delfi Cacau, em Itabuna, segundo o presidente do sindicato dos trabalhadores das indústrias moageiras, o Sindicacau, Luiz Fernandes.

Fernandes disse ao PIMENTA que solicitou apuração rigorosa das denúncias de tortura e maus-tratos. O navio está atracada desde o dia 20 em Ilhéus, mas somente na sexta, 23, a polícia foi comunicada da presença de clandestinos africanos no navio. Confira o vídeo gravado na sexta, 23, no Porto.

CODEBA “SANGRA” PORTO DE ILHÉUS

Porto de Ilhéus: perda de cargas importantes e sucateamento.

Ou as lideranças sulbaianas se unem (algo difícil) ou o sul da Bahia, exatamente Ilhéus, perderá o porto internacional do Malhado. Notícias que chegam ao PIMENTA apontam que a Codeba quer retirar do porto sulbaiano a exportação de níquel da Mirabella Mineração, de Itagibá, em 2012.

Caso a jogada se concretize, o beneficiário seria o Terminal Privado de Cotegipe (TPC), porto que “roubou” a exportação de soja a partir de Ilhéus. Talvez aí se explique por que a Codeba, responsável pela administração dos portos baianos, tenha investido muito pouco no terminal sulbaiano nos últimos anos, estimulando o sucateamento do mesmo.

Alheios a tudo isso, percebe-se lamentável silêncio dos nossos nobres prefeitos, deputados e demais líderes regionais…

QUEIROZ GALVÃO BUSCA PETRÓLEO NO SUL DA BA

Depois da Petrobras confirmar em 2009 a existência de gás natural na bacia do Jequitinhonha, entre Una e Canavieiras (relembre aqui), a Agência Nacional de Petróleo (ANP) autorizou a Queiroz Galvão a iniciar as prospecções no litoral sulbaiano em busca de petróleo na camada pré-sal.

De acordo com o Blog do Thame, os equipamentos para o trabalho estão sendo desembarcados nesta quarta (3) no Porto de Ilhéus. A Petrobras já havia confirmado petróleo em Canaveiras e os estudos não foram adiante devido a problemas técnicos. A Queiroz Galvão iniciará agora o estudo de viabilidade econômica. A bacia do Jequitinhonha integra o bloco BM-J-3 de explorações.

MOVIMENTO PRETENDE APRESENTAR REIVINDICAÇÕES A LULA

Complexo Porto Sul é, por enquanto, apenas uma "imagem meramente ilustrativa". O Coeso quer celeridade na execução

Um movimento intitulado Coeso (Comitê de Entidades Sociais em Defesa dos Interesses de Ilhéus e Região) elaborou uma pequena pauta de reivindicações para apresentar ao presidente Lula em sua estada em Ilhéus, nesta sexta-feira, 10.

A proposta é cobrar celeridade na execução das obras de duplicação da BR-415, manutenção e dragagem do Porto de Ilhéus e construção do Complexo Intermodal Porto Sul.

A lista foi fechada em uma reunião na manhã desta segunda-feira, 06, na sede do Sindicato dos Estivadores de Ilhéus. Representantes de sindicatos, associações de moradores, parlamentares e governo municipal estão engajados na causa e só falta mesmo articular a entrega das demandas diretamente às mãos do presidente.

ANTAQ FECHA OS OLHOS E PORTO DE ILHÉUS “PERIGA”

Porto ilheense sofre concorrência desleal de terminal privado em Cotegipe (Foto Ed Ferreira).

O porto de Ilhéus utiliza atualmente menos de 5% da sua capacidade de movimentação de cargas anuais, estimada em 5 milhões de toneladas. Dá cerca de 230 mil toneladas de produtos, o que praticamente o inviabiliza. Desse total, 150 mil toneladas são de soja. Para se ter uma ideia, em 2005 o terminal público ilheense exportava cerca de 914 mil toneladas do grão produzido no oeste baiano.

A queda na movimentação de soja se deu porque o porto ilheense foi atravessado por interesses de um grupo econômico que envolve o Moinho Dias Branco e empresa controlada pelo publicitário Fernando Barros.

O grupo tem ligações com o carlismo e teria feito enormes pressões sobre multinacionais como a Cargill e a Bunge para que retirassem as cargas de Ilhéus para o Terminal Portuário de Cotegipe (TCP), segundo o deputado federal Geraldo Simões (PT-BA).

Geraldo denuncia grupo privado

O parlamentar denuncia a manobra ilegal do grupo desde 2006, mas alerta que essa movimentação aumentou nos últimos anos. Ele cobrou da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) uma sindicância no terminal privado.

Criado originariamente para movimentar 300 mil toneladas de trigo da Moinho Dias Branco ou produtos de terceiros de forma complementar, observa Geraldo, hoje o terminal privado supera esse limite. São 1,5 milhão de toneladas de soja e outras 300 mil de trigo de outras empresas. No ano passado, apenas 12% das cargas eram do grupo.

Em contato com o Pimenta, o parlamentar federal e membro da Comissão de Transporte da Câmara dos Deputados, disse que se a Antaq não atender rapidamente o seu pedido, irá denunciá-la. “Não é só a União que deixa de arrecadar R$ 10,4 milhões, por ano, mas Ilhéus que perde dinheiro e sofre com desemprego”. O valor se refere a tarifas e mão-de-obra.

Pior, acrescenta, é que o mesmo grupo trabalha na surdina para também desviar do município sul-baiano a exportação da celulose produzida no extremo-sul da Bahia. “Essa produção viria em barcaças para o porto ilheense e seria exportada daqui [do sul da Bahia]. A Antaq tem de agir”.

EDSON DUARTE VOTA CONTRA O PORTO DE ILHÉUS

Do Bahia Notícias

A Câmara Federal aprovou na noite de ontem a Medida Provisória 462/09, que acrescenta o Porto de Ilhéus ao do Plano Nacional de Viação, possibilitando mais investimentos. Da Bahia, só quem votou contra a proposta foi Edson Duarte, do PV, alegando questões ambientais e necessidade de estudos de impacto ecológico. A MP uniu governo e oposição. Encaminharam favoravelmente à votação os deputados José Carlos Aleluia (DEM), Jutahy Júnior (PSDB), Geraldo Simões (PT), Colbert Martins (PMDB) e Lídice da Mata (PSB). O Porto Sul é importante para o escoamento de toda a produção de soja, tanto do Centro-Oeste quanto do Oeste da Bahia.

unisa






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia