WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
beergarden


Postos Universal - banners blogs vertical (2)

jamile_yamaha

sintesi17

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias


:: ‘PR’

AS MAJORITÁRIAS DE RUI E NETO

marco wense1Marco Wense

 

Uma coisa é certa: a disputa Rui Costa versus ACM Neto vai ser acirrada. O segundo mandato do governador não é favas contadas como dizem os petistas mais eufóricos.

 

O comentário de hoje é sobre a composição das chapas da situação e da oposição, respectivamente encabeçadas pelo governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto.

Quem teria mais problemas para arrumar a majoritária sem causar graves dissidências, o alcaide soteropolitano (DEM) ou o chefe do Executivo estadual (PT)?

Pelo governismo, o maior entrave diz respeito ao PSB da senadora Lídice da Mata, que não teria espaço para sua reeleição. Vai ter que se contentar com uma eventual candidatura à Câmara dos Deputados.

Outro fato que pode complicar Lídice é a articulação nacional do PSB com o PSDB, mais especificamente com o governador de São Paulo e presidenciável Geraldo Alckmin.

Tem também o PR de José Carlos Araújo, que sempre deixa nas entrelinhas que pode romper com o governo se a legenda for preterida.

A chapa governista caminha para manter João Leão (PP) como vice e as duas vagas para o Senado sendo ocupadas por Jaques Wagner e um indicado pelo PSD do senador Otto Alencar.

PSB e o PR ficam de fora. Em relação ao Partido da República existe a remota possibilidade de Wagner se candidatar a deputado federal para solucionar o impasse.

Na oposição, obviamente com ACM Neto disputando o Palácio de Ondina, os postulantes são José Ronaldo (DEM), Jutahy Júnior e Antônio Imbassahy, ambos do PSDB, e Lúcio Vieira Lima (PMDB).

O que se comenta nos bastidores é que a vontade de ACM Neto é ter uma mulher na sua vice, já que a chapa adversária só terá marmanjos.

O pessoal do marketing acredita que a presença feminina na composição da majoritária pode ter um apelo significativo no processo sucessório.

José Ronaldo dificilmente seria defenestrado. O oposicionismo não pode deixar de fora o prefeito de Feira de Santana, o segundo maior colégio eleitoral.

Aí sobra apenas uma vaga para o Senado para ser disputada entre Imbassahy, Jutahy e Lúcio Vieira Lima. Dos três, o que tem menos chance é o primeiro.

Aliás, Imbassahy, que é o secretário de Governo de Temer, é uma espécie de “patinho feio”. Quer sair do PSDB, mas não encontra partido que lhe queira. As portas estão fechadas.

“Imbassahy está bem onde está”, diz Aleluia, presidente estadual do DEM. “O partido não é barriga de aluguel”, alfineta Lúcio, cacique do PMDB.

O trunfo do irmão de Geddel é o invejável tempo do PMDB no horário eleitoral destinado aos partidos políticos. O de Jutahy é tirar da chapa uma conotação 100% temista, já que votou pela continuidade da denúncia da PGR contra o presidente Temer.

Uma coisa é certa: a disputa Rui Costa versus ACM Neto vai ser acirrada. O segundo mandato do governador não é favas contadas como dizem os petistas mais eufóricos.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

PR, PSD, PP E A SUCESSÃO ESTADUAL

marco wense1Marco Wense || O Busílis

 

A desculpa para um eventual apoio ao prefeito soteropolitano serve para o PR, o PP e o PSD. Suas lideranças vão dizer que seguem uma decisão do comando nacional.

 

A ordem no PR é não fechar a porta para ACM Neto, já que a chance de integrar a chapa majoritária governista é cada vez mais remota.

A vice deve continuar com João Leão, do PP. Uma vaga para o senado é de Jaques Wagner (PT). A outra é do PSD do senador Otto Alencar.

O ponto comum entre o PP, PR e o PSD é que fazem parte do chamado “centrão”, grupo que apoia o governo Temer na base do toma-lá-dá-cá.

Outro detalhe é que as cúpulas desses partidos, alojadas lá em Brasília, são contrárias a essa aliança com o governador Rui Costa, preferem apoiar ACM Neto na disputa pelo Palácio de Ondina.

Quando o assunto é o centrão do Jaburu, os petistas da Bahia falam cobras e lagartos. Mas quando é o daqui, ficam silenciosos. O da Bahia é legítimo, o de lá é do Paraguai.

PR, PP o PSD se assemelham nas ameaças de rompimento com o governador. O trio costuma mandar recados nas entrelinhas.

Com efeito, quando questionado se o apoio à reeleição de Rui Costa é favas contadas, o senador Otto sempre deixa uma expectativa no ar: “… a não ser que haja acidente de percurso”.

Esse “acidente de percurso” é o mesmo do deputado José Carlos Araújo, presidente estadual do PR, e do PP do vice Leão. Ou seja, apoiar ACM Neto se ficar fora da majoritária.

A desculpa para um eventual apoio ao prefeito soteropolitano serve para o PR, o PP e o PSD. Suas lideranças vão dizer que seguem uma decisão do comando nacional.

E o que pode amenizar essa disputa para compor a majoritária governista? Sem dúvida, os resultados de pesquisas de intenções de voto colocando ACM Neto na frente.

Neste caso, a briga passa a ser com o PMDB dos irmãos Vieira Lima, o PSDB de João Gualberto e o DEM de Aleluia.

Marco Wense é articulista d’O Busílis.

PR FAZ CONVENÇÃO E PODE CONFIRMAR ROBERTO JOSÉ

Roberto José ao lado do presidente do PR-BA, José Carlos Araújo.

Roberto José ao lado do presidente do PR-BA, José Carlos Araújo.

O PR poderá ter candidato a prefeito pela primeira vez em Itabuna, caso o partido confirme o nome do geógrafo e policial civil Roberto José em convenção nesta terça (2), às 18h, no Centro de Cultura Adonias Filho. Ex-secretário de Transporte e Trânsito e ex-presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto fechou coligação com o Rede Sustentável.

Comandado na Bahia pelo deputado José Carlos Araújo, o PR pode, no entanto, fechar coligação com o ex-prefeito Capitão Azevedo (PTB), tendo Roberto José como vice. O que trava as negociações são pendências judiciais de Azevedo, motivada por rejeições de contas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e da Câmara de Vereadores.

José Carlos Araújo, dirigente estadual da legenda, fala na possibilidade de renovação da política itabunense. “Iremos mostrar um novo modelo de gestão, o jeito PR de fazer política”, disse ele, numa referência ao pré-candidato a prefeito. “Queremos discutir propostas com os demais candidatos, sempre com respeito e sem agressões, Itabuna não aguenta mais isso”, afirma Roberto José.

PR E REDE ANUNCIAM COLIGAÇÃO EM ITABUNA

Dirigentes do PR e do Rede

Dirigentes do PR e do Rede definem coligação.

O PR e o Rede Sustentabilidade fecharam coligação tanto para as eleições majoritárias como proporcionais, de acordo com seus dirigentes. A união para as eleições municipais ficou decidia em reunião ontem à noite. A coligação tem – até agora – o ex-secretário Roberto José como pré-candidato a prefeito. O “até agora” se deve à possibilidade de união do PR com o prefeiturável Capitão Azevedo (PTB).

De acordo com Roberto e o presidente do Rede em Itabuna, Irland Santana Correia, a junção tem as bênçãos dos dirigentes estaduais José Carlos Araújo (PR) e Júlio Rocha (Rede). Irland diz que a união tem a ver com “uma visão sistêmica de gestão pública e de desenvolvimento sustentável e fará a diferença”.

A “noiva” Roberto José elogia o Rede Sustentabilidade, enfatizando o perfil da legenda, que possui “pessoas sérias e comprometidas com o desenvolvimento de Itabuna”. O prefeiturável vê, no Rede, propostas similares às suas para Itabuna.

FERNANDO GOMES, O VICE

Fernando Vita é cotado para vice.

Fernando Vita é cotado para vice.

Fernando Gomes, o Vita, entra em uma loja de celular do Shopping Jequitibá. Eleitores o cumprimentam:

– Boa tarde, vice-prefeito!

Sorridente, ele tangencia:

– Saiu em um blog, mas tem nada disso, não [de ser vice].

Curioso, o eleitor puxa conversa:

– O senhor será vice de Augusto [Castro]?

A resposta:

é doido.

Diante de olhares dos interlocutores, Fernando Vita alonga-se. Diz que o PMDB até se reuniu com Augusto Castro, mas a conversa não evoluiu.

O diretório do PMDB, que chegou a lançar Vita para prefeito, hoje se divide. Pode ser vice na chapa de Fernando Gomes (DEM), o ex-prefeito, ou na de Capitão Azevedo (PTB). Castro (PSDB) seria a terceira opção.

Porém, Fernando Gomes, o Vita, ainda no papo com os curiosos da loja de celular, dá pistas de como a dúvida será extirpada:

– Quem define é [Salvador].

Se assim o for, Castro pode ficar tranquilo…

A SAÍDA DE ISAAC ALBAGLI DO GOVERNO ILHEENSE

Isaac tenta recuperar terreno perdido

Isaac tenta recuperar terreno perdido

Ao deixar a Secretaria de Infraestrutura da Prefeitura de Ilhéus, conforme publicação no Diário Oficial do Município nesta quarta-feira (1º), Isaac Albagli afirma ter dois caminhos à frente. Poderá ser candidato a prefeito pelo PR ou até vice em uma chapa talvez encabeçada pelo vice-prefeito e hoje prefeito interino Cacá Colchões (PP).

O blog Agravo, de Ilhéus, cogita uma disputa de espaço político entre Isaac e Cacá, mas o ex-secretário nega. Na versão do blog, Isaac estaria incomodado com a perda de terreno para o interino, que opera para ser candidato a prefeito, caso Jabes Ribeiro desista de tentar a reeleição.

Diplomaticamente, Isaac jura fidelidade a Cacá e sugere a possibilidade de ser seu vice. Porém, fora do campo das polidas e calculadas declarações públicas, acredita-se que o ex-secretário opere para reconquistar a área vip que já ocupou no jabismo, o que significa dar um chega pra lá no prefeito interino.

DE OLHO EM “MANGA”

Será que Roberto vai grudar em "Manga"?

Será que Roberto vai grudar em “Manga”?

Circula nos bastidores da política itabunense a versão de que o pré-candidato a prefeito pelo PR, Roberto José, estuda a possibilidade de se aliar ao médico Antônio Mangabeira, do PDT.

Chamado de “Manga” pelos amigos, o pedetista anda animado com a aceitação de seu nome e tem intensificado a presença nos bairros da cidade. Curiosamente, ele e Roberto lançaram suas pré-candidaturas no mesmo dia, quem sabe um sinal de sincronia entre as campanhas.

Por enquanto, obviamente, ambos afirmam que serão candidatos. Alguns pedetistas, no entanto, dizem que Roberto tenta se aproximar de “Manga”.

ROBERTO JOSÉ VAI PROPOR CHOQUE DE GESTÃO

Roberto José convence Otto e assume presidência do PSD (Foto Thiago Pereira).

Roberto José convence Otto e assume presidência do PSD (Foto Thiago Pereira).

Outro político que oficializa nesta sexta-feira (20) sua pré-candidatura a prefeito de Itabuna é o ex-presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) e ex-secretário municipal de Transportes e Trânsito, Roberto José, do PR. O lançamento está programado para as 19 horas, no Grapiúna Tênis Clube.

Roberto ganhou destaque em sua passagem pela administração municipal, inicialmente na Ficc e posteriormente acumulando a presidência da fundação de cultura com a gestão do trânsito. Teve méritos reconhecidos, como a implantação de programas culturais nos bairros e a criação da Casa das Artes. No trânsito, promoveu intervenções para “desatar nós”, como o fim de cruzamentos na Avenida Juracy Magalhães.

Na pré-campanha, Roberto busca propagar a imagem de bom administrador e defende um choque de gestão, com o objetivo de dar mais eficiência ao governo. O desafio para ele, no entanto, é manter-se em evidência após o desembarque dos cargos que ocupava na Prefeitura.

Pesquisas recentes indicam que, para o pré-candidato do PR, a menor visibilidade implicou em significativa perda de musculatura. Além de emplacar a imagem de bom gestor, ele precisa superar concorrentes que deverão contar com maior estrutura de campanha e outros que, além deste quesito, têm a vantagem (uns podem ver como desvantagem) de ser mais conhecidos pelo eleitorado.

 

“ROBERTOS” TROCAM DE PARTIDOS EM ITABUNA

Roberto de Souza se filia ao PSD

Roberto de Souza se filia ao PSD

Segundo informações do blog Políticos do Sul da Bahia, o radialista e ex-vereador Roberto de Souza é o mais novo integrante do PSD em Itabuna, com grandes chances de vir a assumir a presidência do partido no município.

O radialista entrou para preencher a lacuna deixada pelo homônimo Roberto José, que abandonou a sigla da deputada estadual Ângela Sousa e do senador Otto Alencar, por entender que o PSD tende a não lançar candidatura própria a prefeito.

Como Roberto José é pré-candidato, optou por uma articulação com o deputado federal José Carlos Araújo, e mudou-se de mala e cuia para o PR. A mudança gerou indignação da deputada Ângela, que tem usado palavras nada gentis quando se refere ao ex-aliado.

CLIMA PESADO ENTRE ÂNGELA SOUSA E ROBERTO JOSÉ

Não há mais sorrisos entre Ângela e Roberto José

A deputada estadual Ângela Sousa (PSD) está profundamente ressentida com o ex-presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto José, pré-candidato a prefeito de Itabuna. O motivo da bronca foi a migração de Roberto do PSD para o PR, onde ele diz ter garantias de que poderá disputar a sucessão municipal.

Enquanto acompanhava a visita do governador Rui Costa (PT) às obras da barragem do Rio Colônia, Ângela se aproximou de um grupo de colaboradores do prefeito Claudevane Leite (PRB) e destilou toda sua mágoa. Por diversas vezes, e a um volume que foi captado por várias pessoas presentes, a deputada chamou o ex-correligionário de “mau caráter”.

Ângela disse que Roberto firmara compromisso de permanecer no PSD e reclamou de que ele teria abandonado o partido sem lhe dar satisfações. Para a deputada, o ex-presidente da Ficc não poderia ter condicionado sua permanência à garantia da candidatura a prefeito.

O PIMENTA entrou em contato com Roberto José, que disse ter deixado o PSD porque “o partido estava vendido”. Indignado com o adjetivo usado pela deputada para desclassificá-lo, ele rebateu, chamando Ângela de “desequilibrada”.

Roberto afirma ter sinalizado ao senador Otto Alencar, presidente do PSD na Bahia, sua intenção de deixar a sigla, caso não pudesse ser candidato. “Com a deputada, não foi possível conversar porque ela não me deu oportunidade”, justifica.

Segundo o pré-candidato, Ângela Sousa está com raiva porque “faz política com o fígado”. Ainda se referindo à deputada, ele disse que “as pessoas costumam medir as outras pelo que elas são”.

AZEVEDO QUER BANDEIRA COMO VICE

Azevedo se movimenta com apoio de gente do governo Vane (foto Pimenta)

Azevedo se movimenta com apoio de gente do governo Vane (foto Pimenta)

O ex-prefeito José Nilton Azevedo, ainda no DEM, não jogou a toalha quando o assunto é a disputa pelo poder municipal. Segundo fonte ouvida pelo Pimenta, uma possível candidatura de Azevedo conta com apoio e incentivo de gente graúda do governo do prefeito Claudevane Leite (PRB), embora este siga pessoalmente comprometido com o comunista Davidson Magalhães.

Os colaboradores de Vane que flertam com o ex-prefeito não descartam a possibilidade de Azevedo vir a ter sua candidatura inviabilizada em função de pendências judiciais, mas ainda assim calculam que vale a pena tê-lo por perto. Se não for como candidato, seria na função de cabo eleitoral.

A estratégia, naturalmente, inclui o desembarque de Azevedo do DEM (ele irá provavelmente para o PSD ou PR). Outro ponto é reprogramar o GPS do presidente da Ficc (Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania), Roberto José, que passaria a ter a Câmara de Vereadores como destino.

Detalhe: para o grupo que articula a candidatura do ex-prefeito, o vice dos sonhos é o juiz aposentado Marcos Bandeira.

PF INDICIA PRESIDENTE DA ODEBRECHT

Sede da Polícia Federal no Paraná (Foto André Richter).

Sede da Polícia Federal no Paraná (Foto André Richter).

A Polícia Federal indiciou hoje (20) o presidente da empreiteira Odebrecht, Marcelo Bahia, e mais sete investigados na Operação Lava Jato. Eles vão responder pelos crimes de corrupção, peculato e lavagem de dinheiro praticados em contratos para compra de sondas de perfuração da Petrobras. Entre os indiciados, cinco são ligados à empreiteira e estão presos na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, desde o mês passado.

Em junho, os executivos da Odebrecht foram presos na decima quarta fase da Lava Jato, chamada Erga Omnes, uma expressão usada no meio jurídico para indicar que os efeitos de algum ato ou lei atingem todos os indivíduos. É uma referência ao fato de as investigações atingirem as duas maiores empreiteiras do país, Odebrecht e Andrade Gutierrez que, até então, não haviam sido alvo da Lava Jato.

Ontem (19), a Polícia Federal indiciou o presidente da empresa Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, o ex-presidente da empreiteira Rogério Nora de Sá e os executivos da empreiteira Elton Negrão de Azevedo Júnior, Paulo Roberto Dalmazzo, Flávio Magalhães e Antonio Pedro Campello. Todos são acusados por lavagem de dinheiro, corrupção ativa, fraude em licitação e crime contra a ordem tributária.

A Odebrecht, por meio de nota, informou: “Embora sem fundamento sólido, o indiciamento já era esperado. As defesas de Marcelo Odebrecht, Marcio Faria, Rogerio Araújo, Alexandrino Alencar e Cesar Rocha aguardarão a oportunidade de exercer plenamente o contraditório e o direito de defesa”.

JOÃO BACELAR: PRIMOS HOMÔNIMOS DISPUTAM USO DE NOME NAS ELEIÇÕES

Primos homônimos disputam nome João Bacelar (Montagem Pimenta).

Primos homônimos disputam nome João Bacelar (Montagem Pimenta).

Evandro Éboli | O Globo

Primos de primeiro grau, os deputados federal João Carlos Bacelar (PR-BA) e estadual João Carlos Bacelar (PTN) estão em pé de guerra na Bahia. Nesta eleição, os dois decidiram disputar uma vaga à Câmara dos Deputados.

Os dois querem usar na campanha e nas urnas o nome completo, de João Carlos Bacelar, o que não é permitido. É um ou outro. Até então havia um acordo entre os primos. O Bacelar federal vinha utilizando apenas João Bacelar. E o Bacelar estadual, o nome completo.

— Esse pacto valia apenas com ele concorrendo a estadual e eu, a federal. Quem tem o direito de usar o nome completo sou eu, que sou federal. E João Carlos Bacelar era meu pai, que me pediu, no leito de morte, para honrar e usar seu nome como político — disse o Bacelar federal.

O Bacelar estadual replica:

— Quem tem a preferência sou eu, que já uso o nome completo há várias eleições, desde 92. Foi um pacto que fizemos e que ele quer rever agora — conta o Bacelar estadual, que já foi secretário de Educação e culpa os pais e os tios pela confusão: — A culpa é dos nossos pais, que me batizaram com o nome do meu tio. Ele é um primo querido, mas politicamente somos bem diferentes.

Leia mais aqui

PR CONFIRMA APOIO A CHAPA GOVERNISTA

Executiva estadual do PR confirma apoio à Rui Costa.

Executiva estadual do PR confirma apoio a Rui Costa.

O PR baiano deu fim às incertezas. Após a executiva nacional decidir pela coligação com a presidente Dilma Rousseff (PT), o diretório estadual confirmou apoio ao petista Rui Costa, que disputa o governo baiano, além do candidato ao Senado, Otto Alencar (PSD), por unanimidade.

O partido também teve mudanças no comando estadual. Saiu o deputado federal José Rocha e entra João Bacelar. Ambos participaram da decisão, ontem (30).

PETISTAS BAIANOS DE OLHO NO PR

Bacelar quer adiamento de convenção (Foto Gustavo Lima/Ag. Câmara).

Bacelar: adiar convenção (Gustavo Lima/Ag. Câmara).

A cúpula governista está de olho nos passos do PR na Bahia. O deputado federal João Bacelar defendeu que o seu partido adie a convenção estadual para o dia 30, após a realização da nacional.

Bacelar, acusado recentemente de atuar como “comprador de emendas”, defende o adiamento por entender que seria necessário para “esperar a decisão da executiva nacional”.

Embora o PR esteja na base governista na Bahia, é grande a possibilidade de que o partido desembarque da campanha do petista Rui Costa para apoiar o democrata Paulo Souto.

O PR poderá apoiar a reeleição de Dilma Rousseff (PT) ou até mesmo lançar candidatura própria. O senador Magno Malta é o nome do partido na disputa presidencial, pontuando com 2%, segundo a pesquisa CNI/Ibope.

DOBRADINHA ELEITORAL

Bebeto e Serpa, ainda sem partido, fecham aliança no Sul da Bahia (Foto Divulgação).

Bebeto e Serpa fecham aliança no Sul da Bahia (Foto Divulgação).

O sindicalista Bebeto Galvão (PSB) e o coronel Valci Serpa, ex-comandante do Batalhão da PM em Jequié, fecharam acordo para a disputa eleitoral de 2014. Os dois farão dobradinha em vários municípios sul-baianos, segundo o sindicalista.

Bebeto é pré-candidato a deputado federal e Serpa almeja uma vaga na Assembleia Legislativa. O policial militar ainda não definiu a qual partido se filiará. Está entre PR e PTdoB. Terá até o próximo mês, período das convenções partidárias, para tomar decisão.

ENTRE O PR E O PTdoB

Serpa está entre o PR e o PTdoB.

Serpa está entre o PR e o PTdoB.

O Coronel Serpa viverá um dilema, pelo menos, até o período das convenções partidárias, quando, legalmente, terá que se decidir a qual partido se filiar. Por enquanto, a noiva da vez é o PR, do ministro César Borges.

O convite foi feito, mas tudo dependerá das condições oferecidas para a disputa eleitoral. A depender da coligação que o PR fizer, o candidato a deputado estadual precisará de, pelo menos, 50 mil votos para ser eleito. 

O militar tem, além do PR, outras opções, inclusive o PTdoB. Uma das bases eleitorais mais fortes de Serpa é o município de Jequié, onde comandou o 19º Batalhão da PM até fevereiro passado.

Serpa, aliás, enfrenta outro dilema para além do destino partidário: é bastante conhecido no sul da Bahia e na região de Itapetinga pela patente de major. Em Jequié, é conhecido como coronel.

WAGNER NEGOCIA COM PR E PDT

Wagner entrega rodovia recuperada (Foto Pimenta).

Governador costura apoios para Rui Costa (Foto Pimenta).

Informação do site Bahia Notícias dá conta de que o governador Jaques Wagner (PT) tem encontro marcado para esta segunda-feira (6) com a cúpula estadual do PR. O tema da conversa é o apoio dos republicanos à eleição de Rui Costa para o governo e, em contrapartida, a oferta de uma Secretaria (provavelmente a do Turismo) para a legenda.

Já na quarta-feira (8), Wagner trata do mesmo assunto com o presidente nacional do PDT, o ex-ministro do Trabalho Carlos Luppi, que pleiteia novos espaços na gestão estadual.

O PDT deve anunciar o apoio à eleição de Rui Costa no próximo dia 17.

METEOROLÓGICA…

Amarildo PR e PT

12 ANOS DEPOIS

cesar borgesO ex-governador César Borges assume, hoje, 2, o Ministério dos Transportes. A posse ocorre mais de 12 anos depois de o agora ministro afirmar que água e óleo não se misturavam. Foi na eleição municipal de 2000 em Itabuna, para justificar que o governo estadual não faria concessões à oposição, à época liderada pelo deputado federal Geraldo Simões (PT). Borges apoiava o então pefelista Fernando Gomes, que disputava reeleição – e perdeu.

O tempo passou e César Borges não só participa da mistura. Se beneficia dela. O ex-governador já estava na vice-presidência do Banco do Brasil desde maio do ano passado – e em 2010 esteve próximo de ser o vice do governador Jaques Wagner. As negociações em torno de César Borges envolvem o apoio do PR à reeleição de Dilma e a participação do partido do ex-governador nas alianças governistas no Estado.

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia