WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
cenoe





dezembro 2018
D S T Q Q S S
« nov    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

editorias






:: ‘PR’

LULA PÕE OS RATOS E ELOGIA AS RATOEIRAS

Samuel Celestino | Bahia Notícias

O ex-presidente Lula, responsável pela montagem do Ministério dos Transportes entregue, na partilha entre partidos, ao PR, que lá instalou o seu ninho de abutres comandado por Valdemar da Costa Neto, uma figura notória que ainda é reverenciada em Brasília (porque Brasília é assim) por ser mestre em assuntos que se referem a desvio de dinheiro público. É a encarnação do mensaleiro. Os áulicos do Partido da República ocuparam todos os espaços e as tocas do MT. Daí, foram todos se lambuzar no superfaturamento e aditivos de contratos de obras nas diretorias do Ministério, como o Dnit e a Velec. Tudo isso veio de lá, do primeiro período do governo Lula, numa imensa gatunagem de desvio de recursos das arcas do tesouro, engolindo ou devorando, como ratos saboreando queijos, o dinheiro dos contribuintes. Pois é. Lula recebeu uma homenagem nesta segunda feira da FIESP e, aproveitando a ocasião, elogiou o desempenho da presidente Dilma Rousseff para estancar a gatunagem do Ministério dos Transportes. O que é isso? Ele põe os ratos e comemora a ratoeira?

AS DIFICULDADES DE KALID

Marco Wense

O caminho para a formação de uma boa coligação é complicado. As legendas da base aliada do governo Wagner estão descartadas.

O arquiteto Ronald Kalid, ex-secretário municipal de Viação e Obras do então governo Ubaldo Dantas, é um bom nome para a sucessão do prefeito José Nilton Azevedo (DEM).

Não há nenhuma voz que ponha em dúvida a capacidade, honestidade e, principalmente, a sua coerência diante do emaranhado jogo político, onde o interesse pessoal prevalece sobre o público.

Ronald Kalid, em que pese o apoio incansável e entusiasmado de José Adervan, presidente do PSDB de Itabuna, tem inúmeros obstáculos, alguns até intransponíveis.

O primeiro entrave é a cúpula estadual do tucanato, ainda indecisa sobre o lançamento de candidatura própria na disputa pelo cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves.

O caminho para a formação de uma boa coligação é complicado. As legendas da base aliada do governo Wagner estão descartadas. As que fazem posição – DEM, PPS, PR e o PMDB – não vão se juntar ao PSDB.

O DEM de Maria Alice, se não houver nenhuma surpresa, deve apoiar a reeleição do prefeito Azevedo. O PPS é uma gigantesca interrogação. O PR do vereador Roberto de Souza quer distância do PSDB de Adervan. O PMDB de Renato Costa quer Ubaldo Dantas como candidato.

É evidente que os diretórios municipais não têm autonomia para uma decisão definitiva. Os partidos vivem sob a batuta autoritária do comando estadual. É o manda quem pode, obedece quem tem juízo.

Para complicar, ainda tem o deputado tucano Augusto Castro contrário a qualquer iniciativa de candidatura própria pelo PSDB, já que é aliado do prefeito Azevedo.

Como não bastassem todas essas dificuldades, o prefeiturável Ronald Kalik tem pela frente a opinião dos amigos que acham sua candidatura uma loucura de Adervan.

PS – A “loucura” de Adervan lembra a dos ceplaqueanos quando lançaram Geraldo Simões na disputa pela prefeitura de Itabuna. Deu no que deu: o petista virou chefe do Executivo por dois mandatos.

UBALDO DANTAS

O comando estadual do PMDB, tendo a frente o deputado Lúcio Vieira Lima, presidente estadual da legenda, vai conversar com o ex-prefeito Ubaldo Dantas sobre a sucessão municipal.

Lúcio, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, gostou da lembrança do nome de Ubaldo para a disputa da prefeitura de Itabuna na eleição de 2012.

O nome de Ubaldo causou um rebuliço no processo sucessório. Para muitos, a candidatura de Ubaldo elimina qualquer chance de vitória do PT, seja com Juçara Feitosa ou Geraldo Simões.

Marco Wense é articulista da Contudo.

WENCESLAU PARA ROBERTO: “SE ELE DECIDIU SE APROXIMAR DE AZEVEDO, QUE ASSUMA O ÔNUS”

O vereador Wenceslau Júnior (PCdoB) disse que o colega Roberto de Souza (PR) deve assumir o ônus da aproximação com o Governo Azevedo em vez de tentar transferi-lo para terceiros. Numa entrevista ao PIMENTA, Roberto disse que buscava aliança com o prefeito Capitão Azevedo por ter se sentido abandonado por Wenceslau, PCdoB e pelo deputado federal Geraldo Simões (reveja aqui).

“Na verdade, é uma tentativa vã de justificar a aproximação com Azevedo. Se ele decidiu se aproximar, que assuma o ônus”, rebate Wenceslau, que lembra ter apoiado Roberto várias vezes para a Mesa Diretora da Câmara. “Agora, casamento que é casamento acaba, quanto mais aliança política”.

Wenceslau diz que foi o próprio Roberto quem abandonou o grupo – pelo menos, nas discussões de eleição da Mesa da Câmara. “O próprio Roberto participou de duas reuniões. Quando nós nos comprometemos com a atual mesa, ele deixou as discussões. Não somos acessório”.

GERALDO REBATE CRÍTICA DE ROBERTO DE SOUZA

GS: "Nós nos afastamos de Roberto ao perceber sua aproximação com o governo Azevedo"

O vereador Roberto de Souza, do PR de Itabuna, foi entrevistado neste sábado, 21, pelo PIMENTA e revelou ressentimentos com alguns ex-companheiros. Ex-primeiro-secretário do legislativo itabunense, Roberto acha que foi abandonado, e aponta o deputado federal Geraldo Simões (PT) e o vereador Wenceslau Júnior (PCdoB) como alguns dos que lhe viraram as costas nos momentos de dificuldade.

Nesta segunda-feira, 23, o PIMENTA conversou com Geraldo Simões, que nega veracidade à queixa do republicano. Segundo GS, o PT somente afastou-se de Roberto quando percebeu a aproximação dele com o prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo (DEM). Algo à primeira vista complicado, já que o governo Azevedo alimentou o bombardeio contra o vereador, embora hoje se saiba que desde aquela época Roberto já procurava o suporte da Prefeitura para não sucumbir politicamente. Essa, pelo menos, é a tese do deputado.

Geraldo disse ainda que apoiou as duas últimas eleições do vereador e, na última delas, em 2008, chegou a preterir nomes do PT e indicar fortes cabos eleitorais (João Marcos de Lima, da 7ª Dires, teria sido um deles) para pedir votos para Roberto.

“Ele não pode me acusar de traição”, afirma o petista.  Ele lembrou ainda que dois irmãos de Roberto (Saulo e Carlos Pontes de Souza, respectivamente, no Derba e na Embasa) ocupam altos cargos no governo Wagner, enquanto o “brother” vereador se alia à administração municipal do DEM.

Confira a entrevista

ROBERTO CRITICA GERALDO E WENCESLAU E SINALIZA APOIO À REELEIÇÃO DE AZEVEDO

O vereador Roberto de Souza (PR) sempre foi dos homens fortes na Câmara de Itabuna e por vários anos ocupou um dos cargos mais cobiçados da Casa, o de primeiro-secretário.

O poder e o prestígio ruíram com uma sequência de golpes disparados pelo governo de Azevedo, culminando com as investigações de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI). Agora, porém, Roberto tornou-se amigo do “Rei”. Pretende fechar até o início do próximo mês uma aliança com o Capitão Azevedo (DEM).

Quer, com Azevedo, curar as feridas de antigos amores:   Geraldo Simões (PT) e Wenceslau Júnior (PCdoB), acusados de deixá-lo sozinho nos momentos de tristeza.

O vereador concedeu entrevista ao PIMENTA. Para não perder a forma, também mirou no atual presidente da Casa, Ruy Machado, a quem chama “carinhosamente” de “Ruy Porquinho”. À entrevista, pois:

O PR adere ao governo de Azevedo?
Um emissário nos procurou e eu disse que poderia conversar a partir do momento que houvesse mudança no governo. Até acho que a gestão melhorou um pouco. Agora, vamos para o governo desde que haja respeito mútuo. O que eu quero é participação política, não quero fazer como outros vereadores. Não quero barganhar cargos.

Se não é barganha, como seria?
Participação, ter um cargo efetivo. Acho que o prefeito é muito mal assessorado politicamente.

O PR vai reivindicar a secretaria de Governo, então?
Vamos conversar. Estou falando por mim, mas temos o PR regional e o estadual. O partido tem um débito com Azevedo, que apoiou a candidatura de César Borges [ao Senado]. Temos esse débito. Só não sei se será pago agora ou mais adiante.

Aceitaria ser secretário?
Eu não. Vou ficar na Câmara e acho que meu papel lá é fundamental. Ainda não conversamos em termos de partido. Já houve conversa oficial, mas ficou acordado que definiríamos isso a partir de 20, 25 de maio.

Apoiei Geraldo e Juçara, mas na eleição da Câmara eles deram sustentação a Ruy Porquinho. O PCdoB de Wenceslau, com quem eu conversava sobre 2012, me abandonou.

O governo trabalhou para derrubá-lo na Câmara. Como o senhor explicaria essa aliança, agora?
Eu tive esse embate aí na Câmara [briga com governo e investigação de desvios de dinheiro]. Apoiei Geraldo e Juçara, mas na eleição da Câmara eles deram sustentação foi a Ruy Porquinho [Machado]. O PCdoB de Wenceslau [Júnior], com quem eu conversava sobre 2012, me abandonou. Então, não tenho mais compromisso com os outros. Ficou uma mágoa.

E por que o senhor foi lardado na beira da estrada?
Eu estava crescendo muito politicamente e isso deve ter assustado. Meu nome é leve e assim continua, pois aonde chego as pessoas são solidárias a mim. E sabe por quê? Eu tenho passado. O povo conhece o meu passado.

Mas o senhor enfrentou uma CEI. O que diria em relação aos desvios na Câmara?
Quem pediu a CEI fui eu.

O relatório o acusa de, pelo menos, ter sido omisso na roubalheira.
Eu não era o presidente. Quem manda, quem tem o poder é o presidente. Você já viu Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) falar em rejeição de contas de primeiro secretário? Cita o presidente.

Ele tem é que lembrar quem trocava cheques da Casa numa lotérica da Cinquentenário e usava fantasmas no gabinete para fazer dinheiro.

E o próprio ex-presidente fala em desvios de até R$ 5 milhões.
Os desvios que falaram aí são da publicidade, coisa do presidente com o ex-assessor, e os contratos dos créditos consignados.

O esquema também ocorria nas licitações.
Havia uma comissão de licitação responsável pela contratação das empresas, serviços. O Ministério Público está investigando.

E o senhor acha que escapa da cassação?

O presidente [da Câmara, Ruy Machado] tá falando isso aí. Ele tem é que lembrar quem trocava cheques da Casa numa lotérica da Cinquentenário e usava fantasmas no gabinete para fazer dinheiro.

Quem foi?
(risos) Ele sabe. Se investigado [o esquema], sobra até para o dono da lotérica.

SEM MERENDA E SEM TRANSPORTE

… E prefeito sem apoio. A situação político-administrativa em Buerarema voltou a se agravar neste final de mês. O prefeito Mardes Monteiro (PT) perdeu mais um apoio na Câmara de Vereadores com a renúncia do agora ex-líder de governo, José Eduardo (PR). O vereador, segundo disse a amigos, não aguentava mais ter que dar tantas explicações sobre os erros administrativos do governo. Zé Eduardo deixou o governo e foi para a oposição.

A última da gestão na confusa “Macuco” acontece na área do ensino: as escolas da rede municipal estão sem merenda. Para agravar ainda mais o problema, desde a semana passada os alunos da zona rural estão sem estudar, pois os veículos locados para transportá-los pararam por falta de pagamento por parte do município.

AZEVEDO E O DEM

Marco Wense

O comando estadual do DEM vai jogar duro com os prefeitos que ficam de namorico com os partidos da base aliada do governo Wagner.

O comando estadual do DEM, agora sob a batuta do ex-deputado federal José Carlos Aleluia, vai jogar duro com os prefeitos que ficam de namorico com os partidos da base aliada do governo Wagner.

José Carlos Aleluia, político de posições firmes, principalmente quando o assunto em pauta é a fidelidade partidária, acompanha cada passo de quem se elegeu pelo DEM, incluindo aí os vereadores.

Entre os chefes de Executivo demistas, José Nilton Azevedo, prefeito de Itabuna, é o que chama mais atenção da nova cúpula do Partido do Democratas.

Ninguém sabe, por exemplo, em quem o prefeito de Itabuna votou na última sucessão estadual, se na reeleição do governador Wagner (PT), em Geddel (PMDB) ou Paulo Souto (DEM).

Aleluia, que não é de pestanejar e, muito menos, de passar a mão na cabeça, não vai permitir que o Capitão Azevedo tenha um posicionamento dúbio em relação ao processo sucessório municipal.

O prefeito de Itabuna tem que tomar cuidado com o novo demismo aleluísta, sob pena de não disputar um segundo mandato (reeleição).

DAVIDSON, SENA OU WENCESLAU?

O PCdoB tem três bons nomes como prefeituráveis: o “velhinho” Sena, o vereador Wenceslau Júnior e Davidson Magalhães, diretor-presidente da Bahiagás.

O critério para a escolha do nome que irá disputar a cobiçada prefeitura de Itabuna não pode ser assentado no aspecto individual. Se um é mais popular do que o outro, se é mais carismático ou administrador.

O candidato deve ser o que tiver mais possibilidade de aglutinar outros partidos em torno da candidatura, viabilizando uma coligação com boas chances de vitória.

Os recentes fatos políticos apontam que a melhor opção do PCdoB é Davidson Magalhães, já que conta com a simpatia do PMDB de Renato Costa, do PSDB de José Adervan, do PDT de (?) e de boa parte do PSB.

WAGNER QUER GERALDO

A articulação política do governador Jaques Wagner quer o deputado federal Geraldo Simões como o candidato do PT na sucessão do prefeito Azevedo.

Com Geraldo – e não Juçara Feitosa – seria mais fácil convencer os partidos aliados a não lançarem candidatura própria, como pretende o PCdoB.

Se o candidato for Geraldo Simões, o governador Jaques Wagner vai se empenhar pessoalmente no convencimento de que o diálogo é imprescindível para a retomada do Centro Administrativo.

Alguns membros do diretório do PT de Itabuna já fazem coro a favor do ex-prefeito, que continua obstinado com a pré-candidatura da ex-primeira-dama.

FIDELIDADE

Os quatros maiores partidos de oposição ao governo estadual – DEM, PSDB, PMDB e o PR – só questionam a infidelidade partidária quando ela sai do círculo oposicionista.

Ou seja, para um partido da base aliada do governador Wagner. O vereador Solon Pinheiro, por exemplo, não comete infidelidade quando sai do PSDB para o DEM.

Se o prefeito Azevedo trocar o DEM pelo PDT ou qualquer outra legenda situacionista, é logo taxado de infiel. Mas se ir para o PSDB, PMDB ou PR fica tudo em casa.

Marco Wense é articulista da Revista Contudo.

DIDI E A PRIMEIRA SECRETARIA DA CÂMARA

Didi pediu pra sair

Uma das mais intensas brigas políticas recentes em Itabuna se deu em torno da primeira-secretaria da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores. O cargo foi durante várias gestões comandado pelo vereador Roberto de Souza (PR), que perdeu a cadeira com a ascensão de Ruy Machado (PRP) à presidência.

Fala-se que antes houve um acordo para Roberto continuar na primeira-secretaria, mas na hora de registrar a chapa na Secretaria Parlamentar, o nome do vereador do PR não constava. Deu confusão, bate-boca, briga na justiça.

Pois agora, de repente, o vereador Didi do INSS (PDT), atual primeiro-secretário, decidiu abrir mão do cobiçado cargo, que tem a atribuição de administrar o funcionamento da casa, celebrar contratos, assinar pagamentos. Ou seja, trabalha com aquilo que os políticos muito apreciam: dinheiro.

Para a plateia, o discurso é de que a primeira-secretaria exige dedicação em tempo integral e Didi não possui tanta disponibilidade. Ele diz que este será seu último mandato e quer levá-lo em ritmo suave e pouco trabalhoso. Uma sessãozinha às quartas e olhe lá.

Nos bastidores da Câmara, porém, a versão é de que Didi acha que Ruy Machado concentra poderes e controlou com mão de ferro a nomeação dos cargos da Mesa. O primeiro-secretário sentiu-se sem “margem de manobra” e não topou ir pra briga, preferindo pedir o boné.

Informação colhida pelo PIMENTA dá conta de que o vereador Claudevane Leite (PT) é o mais cotado para substituir Didi no cargo de primeiro-secretário.

SAULO PONTES ASSUME O DERBA

(Foto Pimenta).

O engenheiro itabunense Saulo Pontes foi nomeado pelo governador Jaques Wagner o novo diretor do Departamento de Infraestrutura de Transportes da Bahia (Derba). O ato foi publicado no Diário Oficial desta quarta, 26.

Saulo deixa a superintendência baiana do Departamento Nacional de Infraestutura de Transportes (Dnit), ligada ao Ministério dos Transportes, para assumir o cargo.

Saulo retorna ao cargo pelo perfil técnico. Ele já comandou o Derba nas gestões de Paulo Souto e César Borges.

PREPARA A CANELA

Esse modelo é meio suspeito, mas intimida

O vereador Roberto de Souza (PR) não compareceu à posse de Ruy Machado na presidência da Câmara de Itabuna, nesta segunda-feira, 3, mas nem por isso escapou das piadinhas do plenário. Muita gente lembrou que, numa longa experiência de três mandatos no legislativo, foram bem poucas as ocasiões em que Roberto não ocupou cargo relevante na mesa diretora.

Há pelo menos três presidências, o vereador vinha exercendo a cobiçada função de primeiro-secretário, que é uma espécie de gerente da casa, por quem tudo passa. O cargo agora será ocupado pelo vereador Edvaldo Reis Fonseca, o “Didi do INSS”.

Roberto, a partir de hoje, muda de uma sala ampla e bem equipada para outra menor, igual à dos vereadores chamados na gíria da Câmara de “canelas secas” (traduza por “sem privilégios”).

Na sessão de ontem, um gaiato falava que compraria um par de caneleiras par dar de presente ao vereador do PR.

RUY É ELEITO PRESIDENTE DA CÂMARA

Gerson e Ruy (à direita) comemoram eleição (Foto View Sílvio).

Por 9 votos a 1, o vereador Ruy Machado (PRP) foi eleito o novo presidente da Câmara de Itabuna em disputa encerrada há pouco no plenário. Ele tomará posse na próxima segunda, 3, às 9h, em substituição a Clovis Loiola (PPS). Apesar de adversário de Ruy, Loiola acabou sendo o décimo voto do novo presidente.

Os vereadores Roberto de Souza (PR), Milton Gramacho (PRTB) e Raimundo Pólvora (PPS) abandonaram o plenário na hora da votação. O novo presidente assume tendo o compromisso de “moralizar” a Câmara e construir a sede do legislativo.

A chapa vencedora ainda é composta por Gerson Nascimento (PV) na vice, Didi do INSS na primeira secretaria, Milton Cerqueira na segunda secretaria e o petista Claudevane Leite assume a terceira secretaria. Rose Castro (PR) assume a terceira vice-presidência.

Ruy Machado foi eleito após uma intensa disputa judicial. Ele havia sido escolhido presidente em um pleito ocorrido há quase um mês e considerado irregular pela Justiça, que determinou nova disputa.

Do outro lado estava Roberto de Souza (PR), escolhido para a presidência da Casa em 5 de junho de 2009. A eleição também foi considerada irregular.

CAMAMU: POSSE DE NOVO PREFEITO SERÁ NA 3ª

Jackson defende expulsão de Ioná.

Após o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) confirmar a cassação da prefeita Ioná Queiroz (PT), a Justiça em Camamu determinou para a próxima terça-feira, 7, às 9 horas, a diplomação de José Américo (PR), no fórum local. Américo assume depois que Ioná foi cassada por abuso de poder econômico e compra de votos na eleição de 2008. A posse ocorrerá em solenidade na Câmara de Vereadores, também prevista para o período da manhã.

Enquanto isso, a prefeita cassada tenta manter-se no cargo apresentando recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. Ioná Queiroz sofreu um duro golpe nesta semana com o posicionamento de Jackson Cabral. Fundador do PT em Camamu, Cabral defende a imediata expulsão de Ioná do partido.

Cabral acusa a prefeita cassada de ter negligenciado as bandeiras históricas do partido, ter promovido nepotismo em altíssimo grau. A família da prefeita controla 70% do orçamento do município e ocupa os principais cargos na prefeitura.

O fundador do PT de Camamu também acusa Ioná por diversas irregularidades, como desvio de recursos para construção de hospital e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), além de ter prejudicado o PT no segundo turno da eleição presidencial, quando Dilma Rousseff perdeu para o tucano José Serra no município.

ATÉ EM CASA

O senador César Borges (PR) foi “deletado” até pelos eleitores da sua cidade natal, Jequié, no sudoeste baiano.

Em solo jequieense, Walter Pinheiro (PT) teve 31,22% dos votos e Lídice (PSB), 27,50%.

Borges ficou distante: 19,96%.

Aliás, o senador não foi o único carlista a se dar mal na terra onde nasceu. Veja o caso do presidente do Democratas, Paulo Souto. Em Caetité, o ex-governador teve 22,66% dos votos, ante 68,87% de Wagner (PT).

Em números absolutos, foi algo como 3 votos pra 1. O petista obteve 15.856 votos e o democrata só 5.216.

DE “FATINHA” PARA CÉSAR: “SUA CASA CAIU”

Segundo o jornalista Levi Vasconcelos, d´A Tarde, esta é a trilha sonora dedicada pela primeira-dama do Estado, Fátima Mendonça, para o senador César Borges (PR), que rejeitou aliançar-se com “Jaques” e acabou derrotado em sua tentativa de reeleição. Aperte o play e ouça (cuidado com os tímpanos!) A sua casa caiu.

A OUTRA ESQUERDA

Sócrates Santana

A democracia baiana forjou um acentuado pluralismo partidário, que favorece os neoaliados.

Permeia nessas eleições uma sensação estranha. Um cheiro de óleo diesel. Uma tentativa de diluir diferenças, sucumbir ideologias. Paira um espírito palaciano. Um distanciamento das relações políticas. Todos são iguais. Uma verdade inconveniente. Há diferenças. São muitas. Desde a confecção de uma peça publicitária dos candidatos majoritários até a participação de comícios adversários.

Aparentemente, nessas eleições, basta vencer. Mas, o que significa vencer? Como vencer? Por quê vencer? Devo poupar, contudo, o leitor com a comum defesa da importância da continuidade do projeto iniciado pelo presidente Lula e o governador Wagner. Prefiro explicar que vencer significa continuar esse projeto, mas, principalmente, eliminar o outro projeto.

Para eliminar o outro projeto é necessário exaurir ao máximo a correlação de forças da direita ideológica: DEM e PSDB. Diminuir o número de parlamentares desses partidos é vital para tal objetivo. Isso exige um esforço concentrado em torno de candidatos ao Senado, como Walter Pinheiro e Lídice da Mata. Mas não basta.

A democratização da democracia baiana forjou um acentuado pluralismo partidário, que favorece os neoaliados. Esses tendem a se tornar tão exorbitantes que passam a ocupar a parte mais ampla da base de sustentação do governo Dilma e Wagner, relegando a esquerda às margens. Ou seja: não basta conter a direita ideológica (DEM e PSDB); também é necessário diminuir o tamanho da direita fisiológica (PMDB e PR).

Vencer no primeiro turno neutraliza no tabuleiro baiano DEM e PSDB, além de afastar das hostes do poder o ímpeto do deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB) e do senador César Borges (PR). Por um lado, o DEM sofre um desgaste natural, correndo o risco eminente de refletir uma rarefeita densidade eleitoral, abaixo do desempenho histórico de 25% dos eleitores baianos creditada ao carlismo.

Por outro lado, o PMDB regional disputa o papel de opositor ao modelo vigente. Não cresce nas pesquisas, apesar de surgir como uma sombra para o DEM, quando oferece refúgio seguro para aliados de última hora, como o PR.

Mas é impossível eliminar o outro projeto. É impossível, porque, os candidatos que compõem a base aliada viabilizam alianças entre o “novo” e o “velho” projeto. Uma guerra em que, no final, não há vencidos e vencedores, é uma guerra que não alcança seu objetivo. No momento em que optamos entrar no conflito, somos aliados ou de uma parte ou de outra. Nenhum movimento pode ser, simultaneamente, de esquerda e direita. Se tudo é esquerda, não há mais direita e, reciprocamente, se tudo é direita, não há mais esquerda.

Sócrates Santana é jornalista.

VOX POPULI/A TARDE: WAGNER ATINGE 51%; SOUTO CAI E EMPATA COM GEDDEL

Souto, Wagner e Geddel: vitória petista no 1º turno (Fotomontagem Google).

– Dilma tem 65% na BA, ante 15% de Serra e 9% de Marina

A mais nova pesquisa Vox Populi/A Tarde revela crescimento de cinco pontos percentuais do governador e candidato à reeleição, Jaques Wagner (PT). No intervalo de 26 de agosto e 25 a 27 de setembro, o petista saltou de 46% para 51% das intenções de voto.

Bem atrás, Paulo Souto (DEM) oscilou negativamente – de 17% para 15%, enquanto Geddel Vieira Lima (PMDB) saiu de 11% e foi a 12%. Bassuma (PV) oscilou de 1% para 3% e os demais concorrentes não pontuaram.

O levantamento tem margem de erro de 3,1 pontos percentuais e ouviu mil eleitores em todo o estado, nos dias 25, 26  e 27. Votos Brancos e nulos atingiram 5%. O percentual de indecisos caiu de 18% para 14% em um mês. Para 68% da população, o governador sairá vitorioso das urnas no domingo.

Na pesquisa espontânea, Wagner pulou de 32% para 37% e Souto foi de 7% a 8%. Geddel saiu de 6% para 8%. Neste caso, o percentual de indecisos é de 37%, além de 6% de brancos e nulos e 1% atribuído a outros candidatos.

O Vox Populi/A Tarde também fez simulações de segundo turno. No confronto entre petistas e democratas, Wagner teria 63%, ante 22% de Paulo Souto. Quanto são confrontados Wagner e Geddel, o governador tem 64% e Geddel só 19%.

SENADO
Na corrida ao Senado, Walter Pinheiro (PT) e Lídice da Mata (PSB) lideram com 18% e 17%, respectivamente. César Borges (PR) aparece com 14%. O trio está em situação de empate técnico.

PRESIDÊNCIA
A pesquisa também aferiu a corrida presidencial na Bahia. Dilma Roussef (PT) aparece com 65%, estável. José Serra (PSDB) tem 15% e Marina Silva (PV) pontua com 9%. A pesquisa completa você confere na edição d´A Tarde deste sábado, 2. Confira aqui se for assinante.

GERALDO DIZ QUE BORGES “TÁ CAINDO” E APOSTA EM ELEIÇÃO DE PINHEIRO E LÍDICE

Na caminhada que levou mais de 8 mil pessoas à avenida do Cinquentenário (30 mil para os organizadores), o deputado federal Geraldo Simões (PT) falou sobre a sua situação e também dos candidatos ao Senado na chapa de Jaques Wagner, Lídice da Mata (PSB) e Walter Pinheiro (PT), que participaram do evento em Itabuna.

Geraldo disse que as pesquisas internas e o Ibope confirmam a tendência de Wagner manter uma tradição: a chapa majoritária governista fazer os dois senadores.

O parlamentar federal, que disputa a reeleição, caminhou ao lado de Lídice e Pinheiro. Não conteve a euforia diante da multidão e, numa entrevista ao Pimenta, disparou petardo num alvo antigo:

– Aquele outro disse que água e óleo não se misturam, mas tava doido pra se misturar com a gente. Veja agora: Lídice e Pinheiro subindo e César Borges (PR) caindo.

Geraldo ainda manteve-se confiante em relação ao seu processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Eu não tenho pendências. Estou pronto para me defender. Por duas vezes, o TRE aprovou a minha candidatura”, disse, numa referência a representações movidas pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE)  e pelo PMDB do arquiinimigo Geddel Vieira Lima.

Ainda na caminhada, os candidatos ao Senado comentaram as últimas pesquisas. Lídice da Mata (PSB) não quis comentar o resultado do Datafolha. “Nas nossas pesquisas, nós estamos na frente, eu e Pinheiro, e espero que este seja o resultado [das urnas]“.

Walter Pinheiro (PT) disse que, após o trabalho, está chegando a hora da colheita. “Creio que a chapa elege os dois senadores e formará uma grande bancada. O melhor instrumento de trabalho é a mobilização. O povo da Bahia vai dar uma resposta positiva à nossa chapa”.

“NÃO VALE A PENA VOTAR EM CANDIDATO QUE TEM 8, 10 PONTOS”, DIZ CÉSAR BORGES

Borges: voto útil para ser reeleito (Foto Pimenta).

Sentido bafejo indesejado dos adversários Lídice da Mata (PSB) e Walter Pinheiro (PT), tal a proximidade nas pesquisas, o senador César Borges antecipou ao Pimenta qual será a sua estratégia para reverter, nesta reta final, a queda de nove pontos nas pesquisas Datafolha e Ibope.

– Vou lutar pelo voto útil, pois não vale a pena [para o eleitor] votar em candidatos que tenham oito ou dez pontos e não chegarão (a ser eleitos). A disputa vai ser travada hoje em meu nome e nos candidatos do governo (Lídice e Pinheiro).

Por esse raciocínio, Borges “Come-Come” avançará sobre o eleitorado do seu companheiro de chapa, Edvaldo Brito (PTB), e também dos candidatos José Ronaldo e José Carlos Aleluia, ambos do DEM, e que se situam entre 6% e 10% nas pesquisas de intenções de voto divulgadas durante as duas últimas semanas. Nestas eleições, serão escolhidos dois nomes ao Senado.

A entrevista de Borges, gravada, foi concedida na sua visita a Itabuna, ontem ao final da tarde, quando recebeu o apoio do prefeito José Nilton Azevedo (DEM), em um evento que também contou com a presença do candidato Edvaldo Brito e do ex-prefeito Fernando Gomes – este teria cobrado de Azevedo o apoio a Borges.

PESQUISAS E CRÍTICAS A LULA E DILMA
Sobre a sua queda nas pesquisas, ele atribui ao fato de, no início da corrida eleitoral, ainda não ter adversários fortes, ao contrário desta reta final. “Tinha 39% porque praticamente não havia adversários. Hoje são, pelo menos, oito candidatos”. Disse que, apesar disso, tem liderado em todas as pesquisas. A vantagem de Borges, no entanto, é de 1 ponto no último Datafolha (29% ante 28% de Lídice e 27% de Pinheiro).

Na entrevista, Borges criticou o presidente Lula e a presidenciável Dilma Rousseff por quebrar suposto compromisso de neutralidade  nas disputas ao governo e ao Senado na Bahia.

– Vejo isso como uma quebra de compromisso, porque o PMDB, assim como o PR, se coligaram (nacionalmente) com o PT. Nós, do PR e do PMDB, mantemos os nossos compromissos [com Dilma]. Vamos mantê-los, porque achamos que são os melhores para o país. Quem tem que explicar quando quebra os compromissos e quem os quebrou.

O senador acredita na possibilidade de um segundo turno na sucessão baiana. Para ele, o desequiilíbrio notado até aqui em favor de Jaques Wagner (53% ante 16% de Paulo Souto e 11% de Geddel) se deu porque “faltou que o presidente Lula e Dilma cumprissem o compromisso de isenção na disputa na Bahia”. Mas Borges vê “voto silencioso” no interior do estado e crê em segundo turno.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia