WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia






secom bahia








maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias






:: ‘produtores de cacau’

PORTARIA DA CABRUCA BENEFICIARÁ 20 MIL PRODUTORES DE CACAU, AFIRMA JOÃO CARLOS OLIVEIRA

João Carlos: 20 mil cacauicultores beneficiados com Portaria da Cabruca

Publicada na edição de ontem (17) do Diário Oficial do Estado, a Portaria Conjunta 03/2019 da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) beneficiará cerca de 20 mil produtores de cacau, na avaliação do titular da Sema, João Carlos Oliveira.

– Nós vamos sair de uma média atual de 300, para uma expectativa de 700 pés de cacau por hectare, preservando a Mata Atlântica. Isso nos leva ao aumento da produção e da produtividade, viabilizando a cabruca como uma atividade positiva no contexto econômico, social, ambiental e cultural, beneficiando mais de 20 mil produtores de cacau – afirma o secretário de Meio Ambiente da Bahia.

A Portaria da Cabruca atende a uma reivindicação dos produtores e atualiza portaria de 2015 sobre a concessão de Autorização de Manejo da Cabruca (AMC). De acordo com o Estado, o documento “reflete ampla discussão com os atores interessados”. :: LEIA MAIS »

PROTESTO ATRAIU DEPUTADOS OPOSICIONISTAS

Deputados oposicionistas participaram de protesto em Ilhéus (Foto Marcos Souza/Pimenta).

Deputados oposicionistas participaram de protesto (Foto Marcos Souza/Pimenta).

O protesto dos produtores e trabalhadores rurais hoje, em Ilhéus, reuniu, também, deputados que integram o bloco de oposição na Assembleia Legislativa baiana. Leur Lomanto e Pedro Tavares, ambos do PMDB, Augusto Castro (PSDB), Coronel Santana (PTN) e Sandro Régis (PR). Os parlamentares defendem a adoção de preço único e endossaram os protestos contra a importação de cacau por parte das indústrias instaladas em Ilhéus.

O deputado Sandro Régis, que também é produtor, lamentou o papel de “coadjuvante” hoje jogado pela lavoura cacaueira baiana. O tucano Augusto Castro, além do preço mínimo para o cacau, também defende renegociação de dívidas em melhores condições para os produtores.

EQUAÇÃO INEXEQUÍVEL

Helenilson Chaves

Vamos deixar de lado as questões político-partidárias, os interesses pessoais e somar esforços para promover a imediata retomada da nossa região, que não pode prescindir de uma lavoura como o cacau.

Observando a economia nacional, está delineado para a Região Sul da Bahia, produtora de cacau, uma equação que, a depender de fatores externos, dificilmente escapará de um definhamento lento e inexorável.

Os insumos agrícolas são todos adquiridos em moeda forte, o real, o mesmo valendo para outros insumos como energia e, particularmente, a mão de obra, cujos salários são reajustados acima da inflação.

Tempos atrás, a desvalorização da moeda nacional trazia benefícios para a Região Cacaueira, pois a conversão do dólar resultava numa remuneração satisfatória para os produtores.

Com a valorização do real, nos encontramos diante de um dilema: compramos insumos a custos elevados, quando os preços pagos, em dólar, pelo cacau no mercado externo mal cobrem os custos de produção, inviabilizando qualquer iniciativa de se investir na recuperação da lavoura.

É necessário que se reverta esse quadro, que passa pela mudança na política cambial, pelo menos em relação ao cacau. Para isso, é fundamental a efetiva participação da comunidade regional, consciente da necessidade de repensar o modelo de comercialização do cacau.

Para isso, é preciso também que os políticos regionais demonstrem real interesse pela atividade econômica. Precisamos levar nossas reivindicações, através de uma Carta Aberta, à presidenta Dilma Rousseff, mostrando claramente a situação precária de uma região que, se não houver uma mudança de postura, caminha para desaparecimento de seu principal produto.

É visível o endividamento colossal dos produtores que, ao atender às recomendações governamentais na adoção de técnicas de manejo no combate à vassoura-de-bruxa, entraram numa situação pré-falimentar em função dos “pseudodébitos” cobrados pelos bancos oficiais.

São três milhões de habitantes sem um horizonte visível para resgatar a dignidade trazida pelos pioneiros que, com suor e trabalho árduo, construíram uma região que durante várias décadas, foi o sustentáculo da economia baiana, responsável por 10% do saldo da balança comercial brasileira.

Vamos deixar de lado as questões político-partidárias, os interesses pessoais e somar esforços para promover a imediata retomada da luta em defesa da nossa região, que não pode prescindir de uma lavoura como o cacau.

:: LEIA MAIS »

AZEVEDO ENTREGA CARTA; LULA NÃO ACEITA CALOTE

O prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo (DEM), fez um discurso de improviso e, ao final, entregou ao presidente Lula uma carta dos produtores de cacau que pedem a anulação das dívidas das duas primeiras etapas do programa de recuperação da lavoura. A dívida seria de, aproximadamente, R$ 350 milhões. Lula recebeu a carta, mas antes de vir a Itabuna, concedeu entrevista a emissoras de rádio locais e disse que não aceitará a tentativa de “calote” dos produtores. Admite negociar.










WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia