WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias






:: ‘produtores rurais’

PRODUTORES E EMPRESÁRIOS SE REÚNEM COM PRESIDENCIÁVEL ÁLVARO DIAS NA CEPLAC

No sul da Bahia, Álvaro Dias participará de eventos do mandato e da pré-candidatura à Presidência

Produtores rurais e lideranças empresariais sul-baianas reúnem-se com o senador e presidenciável Álvaro Dias, na próxima sexta (4), no auditório do Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec), na Rodovia Ilhéus-Itabuna, para discutir pontos como revitalização da economia sul-baiana, situação dos cacauicultores e preservação da Ceplac. O encontro está previsto para as 14h.

Além do fortalecimento da Ceplac, os agricultores do sul da Bahia propõem o estímulo, o fomento e a difusão do cooperativismo e o associativismo rural. Defendem, também, a análise conjuntural da situação da cacauicultura brasileira, com destaque para o grau de endividamento da classe e a busca de novos investimentos financeiros, com vistas à revitalização da economia baiana.

Álvaro Dias é o primeiro presidenciável em 2018 a visitar o sul da Bahia. Além do encontro com produtores rurais e funcionários da Ceplac, o senador também participa de encontro regional do Podemos, na Terceira Via, na Avenida J.S. Pinheiro, a partir das 19h. Mais cedo, ele concede entrevista coletiva à imprensa.

PRODUTORES QUEREM INDICAR SUPERINTENDENTE DA CEPLAC

Governo ainda não definiu os comandos nacional e regional da Ceplac.

Governo ainda não definiu os comandos nacional e regional da Ceplac.

Produtores do movimento “Somos todos cacau” fazem pressão para indicar um nome para a superintendência baiana da Ceplac, hoje sob o comando de Sérgio Murilo Menezes desde a exoneração de Juvenal Maynart.

Presidente do Sindicato Rural de Ilhéus e integrante do Somos todos Cacau, o agricultor Milton Andrade diz que o nome pode ser o de Sérgio Murilo. O movimento de produtores não descarta dialogar com o deputado federal Roberto Britto, do PP, que teria o direito a indicar o nome para a superintendência baiana.

O produtor Henrique Almeida foi sondado, mas ele declinou por causa do salário. Teria considerado a remuneração baixa, mas poderá levar a direção geral da Ceplac. Se assim o for, o nome de Jackson Moreira ganha força para a superintendência regional, indicado pelo PT.

Alterado às 12h50min (4/11) para correção de informação

TRANQUILIDADE APARENTE EM BUERAREMA E A DESILUSÃO DOS PRODUTORES

Homens da Tropa de Choque ficam de prontidão em veículos micro-ônibus (Foto Pimenta).

Homens da Tropa de Choque ficam de prontidão em veículos micro-ônibus (Foto Pimenta).

A tensão dos dois últimos dias na área urbana de Buerarema deu lugar a uma aparente tranquilidade nesta quinta-feira (13). O medo de novos confrontos e o trauma das bombas de gás lacrimogêneo atiradas pelos policiais do Batalhão de Choque da PM fizeram muita gente ficar dentro de casa.

Até o meio-dia, as ruas estavam praticamente vazias e o comércio tentava retomar o ritmo normal. A reportagem do Pimenta ouviu populares, ainda assustados com a grande quantidade de policiais nas ruas centrais e das cenas nas ruas e mostradas na internet e na televisão. “Eu não saio de casa pra nada por esses dias”, afirmou uma assustada senhora de quase 50 anos, residente a poucos metros da praça central de Buerarema.

Mais distante do centro, na região do trevo de acesso à cidade, dezenas de mulheres, crianças e idosos recorriam à unidade de saúde do bairro Santa Helena. Eram vítimas dos gases e bombas lançados pela polícia em busca de medicação. Tosse forte e irritação eram reclamações mais comuns em crianças e idosos.

__________________

FAMÍLIA DE PRODUTORA RURAL
DEIXA A BAHIA PARA VIVER EM SC

Sede do Sindicato Rural no centro de Buerarema: vazia (Fotos Pimenta).

Sede do Sindicato Rural no centro de Buerarema: vazia (Fotos Pimenta).

O reflexo da tensão dos últimos dias está na sede do Sindicato Rural de Buerarema, também sede da associação dos produtores. Não havia ninguém no prédio, vigiado por dois adolescentes. Uma mulher gritou: “tem ninguém não. isso aí vazio faz é tempo”.

O prédio deveria ser a base dos produtores expulsos das terras tanto em Buerarema como nos municípios de Ilhéus e Una. O temor afasta as vítimas, mas algumas delas ainda resiste.

A poucos metros dali, conversamos com uma produtora rural de 48 anos. Temendo represálias, ela pediu para que o seu nome não fosse publicado na matéria. “A polícia tá prendendo gente de bem e quem se diz índio ameaça a gente”, justifica.

Apesar de ter sido expulsa da propriedade onde viveu por 22 anos, ela ainda insiste em ficar em Buerarema. Mas, triste, ela lembra que os filhos de 19, 17 e 15 anos foram morar em Santa Catarina por causa das incertezas e do clima de violência no campo. “Meu filho mais novo foi embora para Brusque tem pra mais de mês. Meu marido também quer ir embora. Não foi por causa de mim. Eu não quero ir”.

Com a produção na fazenda de onde a sua família foi expulsa no ano passado, a mulher disse que comprou casa e carro. O patrimônio começou a ser desfeito:

– A gente tem que se virar, pagando aluguel e tudo. Meus filhos estudavam, faziam informática, tudo com dinheiro da roça. Hoje eu tenho vergonha até de mostrar minhas mãos de calo do trabalho na roça. A gente vive hoje como se fosse vagabundo, expulso da roça e a polícia aqui na cidade. Se a polícia tivesse lá dentro, onde tá o perigo, os produtores podia ir colher e vender na cidade.

Enquanto a produtora concede a entrevista, carros da polícia militar passam pela rua. Mais à frente, na entrada do Sindicato Rural de Buerarema, meninos brincam e se protegem da chuva.

A senhora não vê solução para o conflito por causa da omissão do governo:

– Isso aí não tem mais o que resolver não. A caneta tá na mão do governo. Como é que pessoas da minha cor, negras, são indígenas? E quem fala alguma coisa é ameaçado.

A produtora afirma que o esposo foi assediado para cadastrar-se como índios, mas não aceitou: “Ou se é produtor ou não é”.

Ela critica o recuou da Força Nacional de Segurança e o governo. “Recuou, né? A gente não sabe se estão com medo ou querem proteger os índios”.

Comente! »

__________________

EXÉRCITO AINDA “FORA DE COMBATE”

Comboio do Exército em direção a Ilhéus, onde já estão 600 homens (Foto Pimenta).

Comboio do Exército em direção a Ilhéus, onde já estão 600 homens (Foto Pimenta).

Cerca de 600 homens do Exército já estão em Ilhéus, porém o comando afirmou que o Governo Federal ainda não autorizou o emprego das tropas na região do conflito.

Para isto, esclareceu o general Racine Bezerra Lima Filho, depende de solicitação formal do governador Jaques Wagner.  Por enquanto, a tropa apenas faz exercícios de rotina e treinamento. Racine reuniu-se com representantes das polícias, produtores e vereadores dos municípios da área do conflito.

BUERAREMA: BR-101 É INTERDITADA APÓS EXECUÇÃO DE PRODUTOR RURAL

Produtores e populares cercam viatura da Força Nacional (Foto Gilvan Martins/Arquivo).

Produtores e populares cercam viatura da FNS (Foto Gilvan Martins/Arquivo).

Agricultores e moradores de Buerarema acabam de interditar a BR-101 no trecho de acesso ao município sul-baiano em protesto contra a onda de violência na região de conflito com índios tupinambás.

Nesta madrugada, homens invadiram a casa do agricultor familiar Juraci Santana, no Assentamento Ipiranga. O produtor foi morto a tiros. A casa foi incendiada. A esposa de Juraci teria sido baleada e está desaparecida.

– Nós estamos protestando. Eles [supostamente tupinambás] invadiram o assentamento, queimaram casa e mataram Juraci. A esposa dele sumiu – disse ao PIMENTA o agricultor Messias Souza, um dos dos pequenos agricultores expulsos de suas propriedades pelos tupinambás no ano passado.

A Polícia Rodoviária Federal tentou impedir o bloqueio da rodovia, mas o efetivo foi insuficiente para controlar a multidão calculada em, aproximadamente, duas mil pessoas. Mais exaltados tentavam destruir a ponte da BR-101 próximo ao trevo de acesso ao município, mas desistiram quando os patrulheiros rodoviários começaram a registrar as imagens.

Leia também

CONFLITO TUPINAMBÁ: AGRICULTOR É ASSASSINADO EM UNA

 

FORÇA NACIONAL DESMONTA BASE E TUPINAMBÁS RETOMAM 4 FAZENDAS

Homens da Força Nacional deixam bases de pacificação (Foto Gilvan Martins/Pimenta-Arquivo).

Homens da Força Nacional em ação de reintegração há dez dias (Foto Gilvan Martins/Pimenta-Arquivo).

A Força Nacional de Segurança confirmou o anunciado e desmontou a base de pacificação erguida na Fazenda São José, na região de acesso à Serra do Padeiro, em Buerarema, neste final de semana. Caminhão-guincho e veículos foram contratados para fazer a retirada da estrutura.

A retirada da base ocorreu após ordem do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A base foi a segunda montada pela Polícia Federal e pela Força Nacional de Segurança (FNS) na região de 47,3 mil hectares disputada por agricultores e índios e autodeclarados tupinambás e tornou-se alvo dos indígenas.

A instalação permitiu que quatro propriedades fossem reintegradas pela PF e FNS. Depois da desmontagem da base de pacificação, todas as quatro fazendas foram novamente ocupadas pelos indígenas no final de semana.

– Existe uma omissão das autoridades, uma briga entre os poderes. A Justiça manda reintegrar, a Federal e a Força Nacional reintegram e o governo não pune os invasores –  lamenta o vice-presidente da Associação dos Pequenos Produtores de Ilhéus, Una e Buerarema, Alfredo Falcão. 

Falcão teme a retomada da onda de violência, principalmente em Buerarema, por causa do recuo do Ministério da Justiça. “Para pegar fogo aqui, é só riscar o fósforo”, disse o produtor ao PIMENTA ao retratar o clima de tensão na área após a retirada de uma das bases de segurança. 

A região disputada por agricultores e indígenas possui cerca de 800 propriedades, das quais aproximadamente 100 foram invadidas nos últimos anos por quem se autointitula tupinambá. “Aqui não há propriedade grande, mas há um clima de terror. Todos andam de cabeça baixa, temem ser o próximo alvo”, diz Falcão.

GOVERNO RECUA APÓS CRÍTICAS DO CIMI E PROCURADOR

O recuo do Governo Federal na estratégia de reintegração de fazendas se deu depois de críticas do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Ligada à Igreja Católica, a entidade de defesa dos indígenas disse que o governo havia optado por “militarizar” a região em conflito.

As críticas foram intensificadas, também, pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que se mostrou contrário às reintegrações por meio de liminares.

RETOMADA DAS INVASÕES EM ITAJU

O final de semana também foi de apreensão para produtores rurais do município de Itaju do Colônia. Pelo menos três propriedades foram invadidas por pessoas que se identificam como pataxós.

As invasões no município surpreenderam lideranças rurais, pois a área está totalmente demarcada. “Estão invadindo propriedades fora do alvo da decisão do Supremo Tribunal Federal”, disse um produtor ao PIMENTA. Existe a ameaça de invasão a outras duas propriedades nas próximas horas.

Produtores acreditam que as invasões em Itaju sejam estratégia dos indígenas para tirar o foco de Buerarema e dispersar as forças de segurança federais (PF e Força Nacional).

BR-101 CONTINUA INTERDITADA EM BUERAREMA

A BR-101 continua interditada mais de 14 horas após o início do protesto de produtores rurais e populares em Buerarema, no sul da Bahia. Eles cobram instalação de bases de segurança na área do conflito tupinambá.

Por volta das 13h30min, a tensão aumentou com ataques contra viaturas da Força Nacional e da Polícia Rodoviária Federal. Produtores acusam a Polícia Federal de ter efetuado disparos com balas comuns. Cápsulas foram apanhadas pelos produtores.

Tanto a PRF como a PF não retornaram ao local desde o início da tarde. Até há pouco, a disposição dos manifestantes era de manter a interdição até a manhã desta sexta (13).

Uma das alternativas para quem transita a partir de Itabuna e deseja seguir em direção a Eunápolis ou em sentido contrário é desviar pela BR-415 até Ilhéus, seguindo pela BA-001 e pegando atalho por Santa Luzia até a BR-101.

BUERAREMA: PRODUTORES RURAIS INTERDITAM A BR-101 E COBRAM MINISTRO

Produtores fizeram barricada na pista (Foto Andrei Sansil/Ilheus24h).

Produtores fizeram barricada na pista (Foto Andrei Sansil/Ilheus24h).

Há mais de três meses, carros foram incendiados em protestos (Foto Gilvan Martins).

Há mais de três meses, carros foram incendiados em protestos (Foto Gilvan Martins).

Produtores acabam de interditar a BR-101, no trevo de acesso a Buerarema, no sul da Bahia, em protesto contra o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Cerca de  mil pessoas participam da manifestação na rodovia federal. Os produtores cobram do ministro a promessa de instalação das três bases de segurança na área do conflito com índios e autodeclarados tupinambás.

Os produtores negociaram com as forças de segurança em Buerarema por uma interdição de duas horas, mas o protesto não tem hora para acabar. “Internamente, decidiu-se por uma interdição que force o governo a cumprir o prometido”, disse produtor ouvido pelo PIMENTA há pouco. Não há registro de confronto no local.

Desde o início do ano, 63 propriedades rurais foram ocupadas por índios e pessoas que se declaram tupinambás. Há menos de dois meses um grupo de 15 produtores e trabalhadores rurais foi tomado como refém na região entre Una e Buerarema, sendo liberado após confronto e chegada de homens da Força Nacional de Segurança e Polícia Federal.

MANIFESTANTES COBRAM MINISTRO PARA LIBERAR BR-101 EM BUERAREMA

Pelotão da PM tentou em vão liberar o tráfego na BR-101.

Pelotão da PM tentou em vão liberar o tráfego na BR-101.

A BR-101 está interditada há quase quatro horas, no trecho de Buerarema (reveja aqui), e os manifestantes, a maioria produtores rurais, cobra um retorno do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para liberar a rodovia. Os agricultores entendem que o Ministério da Justiça “lavou as mãos” quanto à disputa pelos 47 mil hectares com os índios tupinambás.

Nem mesmo o grande efetivo das polícias rodoviárias Estadual e Federal e da Polícia Militar fez dissuadir os manifestantes. Em agosto, quatro veículos oficiais foram incendiados durante os protestos. “Os produtores querem a garantia de que o ministro fará visita ao município”, disse o vereador Elio Almeida Júnior (PDT) ao PIMENTA.

Vereadores de Buerarema fizeram contato com o articulador de política do campo da secretaria-geral da Presidência da República, Nilton Godoy, para tentar retorno do ministro da Justiça. Godoy informou que faria os contatos, mas não sinalizou se haveria retorno. O PIMENTA buscou contato com o articulador, mas o telefone estava ocupado.

Barricadas com madeira e pneu foram incendiadas para interditar rodovia.

Barricadas com madeira e pneu foram incendiadas para interditar rodovia.

Atualizada às 22h21min – O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, entrou em contato com a comissão federal que negocia com os manifestantes. Cardozo teria espaço na agenda para o dia 10, quando receberia, no máximo, 10 representantes dos produtores. A audiência seria em Brasília. A proposta foi rejeitada pelos agricultores.

Policiais observam barricada e movimentação dos manifestantes.

Policiais observam barricada e movimentação dos manifestantes.

Há pouco, a tropa de elite da PM iniciou movimentação para tentar liberar a pista. Do outro lado, cerca de 3 mil manifestantes reagiram. Os ânimos estão exaltados.

 

TUPINAMBÁS: PRODUTORES FARÃO PROTESTO EM ITABUNA

Após a ação pacífica ontem (30), os produtores rurais de Buerarema, Una, São José da Vitória e Ilhéus afetados pela demarcação de terras consideradas tupinambás decidiram fazer protesto em Itabuna, na próxima terça (3), às 9h.

Os produtores sairão em passeata do Jardim do Ó até a Praça Adami. Na convocação, eles dizem considerar o relatório de demarcação da Fundação Nacional do Índio (Funai) “fraudulento”.

BUERAREMA: MANIFESTANTES ATEIAM FOGO EM DOIS VEÍCULOS QUE TRANSPORTAVAM ÍNDIOS

Carros que transportavam índios foram consumidos pelo fogo (foto Gilvan Martins)

Carros que transportavam índios foram consumidos pelo fogo (foto Gilvan Martins)

Manifestantes atearam fogo em uma caminhonete GM S-10 e um VW Gol que transportavam índios pataxós e tupinambás, há pouco, no trecho de Buerarema da BR-101. O motorista da caminhonete tentava furar o bloqueio na rodovia, sob alegação de que existia uma pessoa doente no veículo.

A caminhonete pertencia à Secretaria de Saúde de Pau Brasil e transportava dois pataxós adultos e duas crianças de 8 e 10 anos. A Polícia Federal interveio e encaminhou os indígenas para o destino. Os manifestantes incendiaram o VW Gol cerca de 20 minutos depois.

A pista foi interditada em protesto de produtores e moradores de Una e Buerarema contra a ação de um bando que se identifica como indígena de etnia tupinambá. Desde o final de semana, o grupo invadiu, pelo menos, cinco fazendas, expulsou trabalhadores e fazendeiros e promoveu saques nas propriedades, além de agredir e ferir três vítimas (confira aqui).

A pista só deverá ser liberada às 15h, segundo manifestantes.

Atualizado às 13h22min – Em contato com o PIMENTA, a Secretária de Saúde de Pau Brasil, Maria Conceição Mota, esclareceu que o veículo transportava cinco pacientes que fazem hemodiálise em Itabuna.

Atualização às 15h55min – 19/08 – A secretária de Saúde fez observação de que nenhum dos ocupantes da S-10 era pataxó. Maria Conceição também retificou que o tratamento dos pacientes não é feito no Hospital Calixto Midlej Filho.

O NETO, O AVÔ E OS PATAXÓS

Bombou no Facebook:






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia