WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

editorias






:: ‘Rio de Contas’

O VERDADEIRO MENINO DO RIO

daniel thame fotoDaniel Thame | danielthame@gmail.com

 

E se tornou o verdadeiro Menino do Rio. Do Rio de Contas, do Rio de Janeiro, de todos os rios do mundo, porque, como cantou o poeta, se navegar é preciso e viver é preciso, Isaquias pode acrescentar que remar também é preciso.

 

Exatos 1.317 quilômetros separam o Rio de Contas, em Ubaitaba, sul da Bahia, e a Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

1.317 quilômetros que separam e, ao mesmo tempo, unem uma história de superação, que de tão improvável surpreendeu o mundo e fez surgir um novo ídolo brasileiro, no maior espetáculo esportivo do planeta.

A trajetória de Isaquias Queiroz, que emergiu das Olímpiadas 2016 como o maior medalhista brasileiro numa única edição dos Jogos, é ainda mais fascinante porque é fruto do imponderável, ainda que também seja de um talento inato e de muito, muito esforço pessoal.

Menino humilde de Ubaitaba, cidade localizada às margens do Rio de Contas, Isaquias sofreu um acidente doméstico e, em seguida, perdeu um rim ainda na infância. Ganhou dos colegas e assumiu sem maiores traumas o apelido de  `Sem Rim`, personagem que poderia muito bem caber num romance de seu conterrâneo Jorge Amado.

Futuro? Um emprego no comércio em Ubaitaba, quem sabe tentar a vida em Itabuna ou então arriscar-se no ex-Eldorado Paulista, que há muito perdeu o brilho.

Mas, não no meio do caminho, mas às margens do caminho, havia um rio.

E foi neste rio que o menino Isaquias remou contra o destino e reescreveu a sua história.

Na cidade em que a canoa parece fazer parte da indumentária, Isaquias, ainda menino, demonstrou que poderia remar além dos limites do Rio de Contas.

E remou, sem deixa a canoa virar.

Isaquias QueirozA primeira medalha veio em Itacaré, sul da Bahia. Um menino de 10 anos, orgulhoso entre os pais e os amigos.

A medalha não mudou muita coisa. Era preciso continuar remando contra a falta de estrutura, os recursos escassos, o dinheiro contado para disputar competições dentro e fora do Estado. A dura vida de atleta de esportes fora do circuito Futebol/Vôlei.

E Isaquias, com seu  talento,  continuou remando. Cada vez mais forte, cada vez mais longe.

Em 2015, sagrou-se campeão mundial de Canoagem, privilégio então restrito aos privilegiados europeus e suas superestruturas esportivas, com investimentos em atletas desde a base.

O mundo, então, voltou os olhos para o baiano, o Brasil descobriu que havia um canoísta pronto para brilhar nas Olimpíadas 2016. Ainda que não fosse um astro do futebol, Isaquias já não era um anônimo praticante de um esporte que poucos ouviram falar.

Vieram as  Olimpíadas, as duas medalhas de prata (uma delas ao lado do Erlon de Souza, vizinho de Ubatã, outra história de superação), e uma de bronze. Três provas disputadas, três medalhas conquistadas.

Veio, enfim, a consagração, num palco planetário. O nome inscrito na história dos Jogos Olímpicos.

O esporte amador brasileiro, que nunca foi tratado com a seriedade que merece, é pródigo em histórias de superação.

Essa foi a Olímpiada da menina da favela, vítima de racismo, que ganhou o Ouro no Judô, do menino abandonado pelos pais que levou o Ouro no Salto com Vara, do baiano da periferia de Salvador que faturou o Ouro no Boxe.

E foi a Olimpíada de Isaquias Queiroz, que remou contra as correntezas reais e metafóricas, e se tornou o verdadeiro Menino do Rio.

Do Rio de Contas, do Rio de Janeiro, de todos os rios do mundo, porque, como cantou o poeta, se navegar é preciso e viver é preciso, Isaquias pode acrescentar que remar também é preciso.

Daniel Thame é jornalista, escritor e editor do Blog do Thame.

DEFENSOR DO RIO DE CONTAS, ISAQUIAS QUEIROZ BUSCA 3 MEDALHAS OLÍMPICAS

Bicampeão mundial, Isaquias busca 3 medalhas na Rio 2016 (Foto Daniel Thame).

Do Blog do Thame

O canoísta Isaquias Queiroz, bicampeão mundial e campeão pan-americano, aproveitou a folga no feriado de Corpus Christi, para rever familiares e amigos em Ubaitaba, no Sul da Bahia.

Isaquias, que está realizando a preparação para as Olímpiadas Rio 2016 em Minas Gerais, é forte candidato a obter medalhas para o Brasil nas modalidades C1 200 metros, C1 1000 metros e C2 1000 metros, está ao lado do também sul-baiano de Ubatã Erlon de Souza, com que já dividiu o ouro no Mundial de Canoagem, em Milão, Itália.

Em conversa com o Blog do Thame, às margens do Rio de Contas, onde iniciou a carreira na Associação Cacaueira de Canoagem, Isaquias Queiroz afirmou que “estou treinando firme, porque é a reta final pra competição mais importante da minha vida, disputar os Jogos Olímpicos em casa é uma coisa única, especial”.

“A expectativa é conquistar três medalhas e fazer história para o Brasil na canoagem. Os nossos resultados em mundiais mostram que essas medalhas são possíveis, mesmo enfrentando grandes atletas”, destacou o canoísta.

As provas de canoagem serão realizadas de 16 a 20 de agosto, no Rio de Janeiro. “A ansiedade é grande, o foco total nas Olímpiadas, para dar essa alegria aos sulbaianos e aos brasileiros”, disse.

Isaquias também aproveitou para fazer um alerta para a necessidade de conservação do Rio de Contas, um dos principais polos de canoagem, do Brasil:

-Devo minha carreira ao Rio de Contas e fico triste ao ver o tio afetado pelo desmatamento das margens e pela poluição, que prejudicam não só os atletas mas os moradores da região. Espero que haja uma grande mobilização do governo e da comunidade para evitar a degradação desse rio tão importante para todos nós.

UNIVERSO PARALELO

OS PAIS, OS CARTÓRIOS E AS INVENÇÕES

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

Acordo 1Nomes próprios seguem a norma ortográfica, não podem ser criados como “marcas” de empresas em agência de propaganda: Anna, Manoel, Luiz, Moraes, Antonio, Helio e outros são invenções dos cartórios (e dos pais), que não devem ser seguidas. Ana, Manuel, Luís, Morais, Antônio e Hélio são as formas corretas, fixadas em 1943 e revistas em 1955. Com o Acordo Ortográfico (oficiosamente em vigor), que unifica as escritas de países lusófonos, criou-se uma dificuldade extra. As palavras Antônio, patrimônio, tônico, Amazônia, Sinfrônio, anatômico e semelhantes não foram, no Brasil, alcançadas pela mudança. Continuamos a grafar esses termos com acento circunflexo, não agudo, como em terras d´além-mar.

________________

Se houver dúvida, consulte Nascentes

De todas as invenções com nomes próprios, talvez a mais notável delas seja Moraes (Vinícius usava esta curiosa variante). Segundo os (bons) linguistas, a forma citada é estranha à nossa língua, uma alteração desnecessária de Morais. Para o filólogo Antenor Nascentes (1886-1972), referência nestas questões, quer se veja a origem no substantivo amoreiral, quer no adjetivo moral (no plural: amoreirais e morais), nunca se chegaria a moraes. Por coerência, teríamos de grafar pardaes, geraes, normaes, banaes, canaes – e por aí segue o lamentável andor da ignorância. Prudente de Morais é município mineiro grafado com respeito à língua; no Rio, Trajano de Morais é outro exemplo.

______________

Prefeitura troca o certo pelo errado

Rua Vinícius 3No Rio, a Rua Vinícius de Moraes (antes, Montenegro) cruza com a Prudente de Morais, criando-se a situação insólita de uma palavra com duas grafias. Resta dizer que a Prudente de Morais, por ter cerca de dez travessas, possui aproximadamente 40 placas, enquanto a Vinícius (que só a cruza uma vez), tem apenas quatro placas. Diligente, a prefeitura, ao perceber essa insensatez ortográfica, apressou-se em unificar as escritas. Alguém adivinha a solução encontrada? Trocou as 40 placas do presidente para Moraes, quando mais fácil e correto seria trocar as outras quatro  para Morais. O curioso relato está em A imprensa e o caos na ortografia, do filólogo Marcos de Castro.

COMENTE! » |

ESSA GENTE PATÉTICA QUE PROVOCA RISO

Ao ver certas pessoas impadas de vaidade, estourando de empáfia por possuírem fama e fortuna (ou, por mecanismos que não alcanço, se acharem “superiores”), me rio por dentro. Acho-as patéticas na sua megalomania, e procuro situá-las no meio em que vivemos. Soube que nosso universo (não este, paralelo, mas o convencional) possui cerca de 200 bilhões de galáxias, sendo a Via Láctea, onde estamos, uma delas. Teoricamente, se a nossa “estrada de leite” (do latim via lactea) não existisse, o universo nem ia perceber, pois lhe sobrariam ainda 199.999.999.999 “mundos” possíveis. Há outras razões para essa gente baixar a bola: o nosso simpático “caminho de leite” é uma galáxia pequena.
______________
Decadente, o sol tem os dias contados
Sol 5
Somos “apenas” uma centena de bilhões de estrelas, o que é pouco, em comparações macrocósmicas. Lembrar que entre esses bilhões de pontos luminosos encontra-se o Sol, que também não está com essa coca-cola toda, uma estrela decadente, com os dias contados. Há alguns anos, humilhado, ganhou a classificação de estrela… anã. É uma estrelinha de quinta categoria, em torno da qual giram a Terra e outras oito planetas, um conjunto condenado a desaparecer. Feliz ou infelizmente, a gentil leitora e o atento leitor certamente não assistirão a le grand finale, que ocorrerá daqui a muito tempo – os cálculos, imprecisos, variam de 3 bilhões a 50 bilhões de anos.
______________
O criador a serviço da criatura
Todos conhecem pelo menos uma pessoa tão enfatuada que imagina ter Deus, Oxalá, o Big Bang ou alguém mais criado o mundo para o deleite pessoal dela. O dinheiro e a cor da pele, o status social conquistado ou herdado e a escola que cursou justificam, perante tão tacanha mentalidade, o orgulho, a presunção, a vaidade e a soberba que exala. Ignora esse indivíduo ser nossa espécie (a homo sapiens) apenas uma entre mais de 30 milhões, das quais há apenas umas 10% classificadas. Antes, pensou-se que a Terra era o centro do universo; hoje, há gente que pensa ser o centro da Terra (texto baseado no delicioso livro Qual é a tua obra?, do professor Mário Sérgio Cortella).

BEMÓIS E SUSTENIDOS VINDOS DE UBAITABA

CD Roque Luy 7Num recanto da vasta internet descubro, com alegre surpresa, a ubaitabense Ceres Marylise Rebouças, dona de texto poético que a equipara aos grandes da área. Leio e ouço a vice-presidenta da Academia de Letras de Itabuna (Alita), em bemóis e sustenidos montados e cantados em CD do músico Roque Luy – e no mais adequado andamento: em tempo de forró, que passo adiante, pois o São João já nos bate à porta. O lirismo da poetisa (“Se eu soubesse do seu sonho, passarinho… Pelas paisagens do meu rosto e no caminho… Verdes prados nos meus dedos… Pés descalços cuidadosos no teu ninho”) é antídoto contra os forrós “universitários” e semelhantes que nos azucrinam.
_______________

Aprovação de Afonso Romano de Sant´Ana

Com a gaveta cheia de poemas, Ceres Marylise, professora universitária aposentada, não tem conseguido organizar o livro que nos está devendo: o tempo é tomado pela Alita, cujo site ela montou e administra.  Em compensação, sua poesia vai integrar uma antologia feita por ninguém menos do que Afonso Romano de Sant´Ana, a sair no fim do ano. Além de saber tudo sobre poesia e design gráfico, ela esbanja inesperadas habilidades, como jogar tarrafa (reminiscência da infância banhada pelo Rio de Contas), pegar pitu em loca de pedra, cozinhar e tocar violão. Roque Luy musicou e gravou ainda os poemas Butterfly, Moonlight e Musa companheira, incluídos no mesmo CD.

(O.C.)






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia